Apostila de história local para o curso de condutor ambiental de garopaba

972 visualizações

Publicada em

Apostila de história local para o curso de condutor ambiental de Garopaba.

Prof. Viegas Fernandes da Costa

Instituto Federal de Santa Catarina

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
972
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
129
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila de história local para o curso de condutor ambiental de garopaba

  1. 1. APOSTILA DE HISTÓRIA LOCAL PARA O CURSO DE CONDUTOR AMBIENTAL DE GAROPABA Profº Viegas Fernandes da Costa Maio de 2014
  2. 2. HISTÓRIA, MEMÓRIA E PATRIMÔNIO PERGUNTAS DE UM TRABALHADOR QUE LÊ Bertold Brecht Quem construiu a Tebas de sete portas? Nos livros estão nomes de reis: Arrastaram eles os blocos de pedra? E a Babilônia várias vezes destruída Quem a reconstruiu tantas vezes? Em que casas da Lima dourada moravam os construtores? Para onde foram os pedreiros, na noite em que a Muralha da China ficou pronta? A grande Roma está cheia de arcos do triunfo: Quem os ergueu? Sobre quem triunfaram os Césares? A decantada Bizâncio Tinha somente palácios para os seus habitantes? Mesmo na lendária Atlântida Os que se afogavam gritaram por seus escravos Na noite em que o mar a tragou? O jovem Alexandre conquistou a Índia. Sozinho? César bateu os gauleses. Não levava sequer um cozinheiro? Filipe da Espanha chorou, quando sua Armada naufragou. Ninguém mais chorou? Frederico II venceu a Guerra dos Sete Anos. Quem venceu além dele? Cada página uma vitória. Quem cozinhava o banquete? A cada dez anos um grande Homem. Quem pagava a conta? Tantas histórias. Tantas questões. PATRIMÔNIO CULTURAL MATERIAL O QUE É TOMBAMENTO? É uma palavra antiga, que se referia ao ato de guarda e conservação de documentos importantes nos arquivos da Torre do Tombo, em Portugal. Atualmente significa um ato administrativo realizado pelo poder público com o objetivo de preservar, por intermédio da aplicação de legislação específica, bens de valor histórico, cultural, arquitetônico, ambiental e também de valor afetivo para a população, impedindo que venham a ser destruídos ou descaracterizados, culminando com o registro em livros especiais denominados Livros do Tombo. O QUE PODE SER TOMBADO? O tombamento pode ser aplicado aos bens móveis e imóveis, de interesse cultural ou ambiental, quais sejam: fotografias, livros, mobiliários, utensílios, obras de arte, edifícios, ruas, praças, cidades, regiões, florestas, cascatas, etc. Somente é aplicado aos bens materiais de interesse para a preservação da memória coletiva. QUEM PODE EFETUAR UM TOMBAMENTO?
  3. 3. O tombamento pode ser feito pela União, por intermédio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, pelo Governo Estadual, por meio dos órgãos estaduais que trabalham com a preservação, ou pelas administrações municipais, utilizando leis específicas. O ATO DO TOMBAMENTO É IGUAL À DESAPROPRIAÇÃO? Não. São totalmente diferentes. O tombamento não altera a propriedade de um bem, apenas proíbe que venha a ser destruído ou descaracterizado. Logo, um bem tombado não precisa ser desapropriado. Não existe qualquer impedimento para a venda, aluguel ou herança de um bem tombado. No caso de venda, deve ser feita uma comunicação prévia à instituição que efetuou o tombamento, para que esta manifeste seu interesse na compra do mesmo. O tombamento é a primeira ação a ser tomada para a preservação dos bens culturais, na medida que impede legalmente a sua destruição. O QUE É ENTORNO DE IMÓVEL TOMBADO? É a área de projeção localizada na vizinhança dos imóveis tombados, delimitada com o objetivo de preservar sua ambiência e impedir que novos elementos obstruam ou reduzam sua visibilidade. Compete ao órgão que efetuou o tombamento estabelecer os limites e as diretrizes para as intervenções, nas áreas de entorno dos bens tombados. O TOMBAMENTO DE EDIFÍCIOS OU BAIRROS INTEIROS "CONGELA" A CIDADE, IMPEDINDO SUA MODERNIZAÇÃO? Não. A proteção do patrimônio ambiental urbano está diretamente vinculada à melhoria da qualidade de vida da população, pois a preservação da memória é uma demanda social tão importante quanto qualquer outra atendida pelo serviço público. O tombamento não tem por objetivo "congelar" a cidade. De Acordo com a Constituição Federal, tombar não significa cristalizar ou perpetuar edifícios ou áreas, inviabilizando toda e qualquer obra que venha contribuir para a melhoria da cidade. Preservação e revitalização são ações que se complementam e, juntas, podem valorizar bens que se encontram deteriorados. O TOMBAMENTO É UM ATO AUTORITÁRIO? Não. Em primeiro lugar o tombamento, como qualquer outra Lei Federal, Estadual ou Municipal, estabelece limites aos direitos individuais com o objetivo de resguardar e garantir direitos e interesses de conjuntos da sociedade. Não é autoritário porque sua aplicação é executada por representantes da sociedade civil e de órgãos públicos, com poderes estabelecidos pela legislação. COMO É UM PROCESSO DE TOMBAMENTO? O tombamento é uma ação administrativa do Poder Executivo que começa pelo pedido de abertura do processo, por iniciativa de qualquer cidadão ou instituição pública. Qualquer pessoa física ou jurídica pode solicitar aos órgãos responsáveis pela preservação o tombamento de bens culturais ou naturais. Este processo, após avaliação técnica preliminar, é submetido à deliberação dos órgãos responsáveis pela preservação. Caso seja aprovada a intenção de proteger um bem cultural ou natural, é expedida uma notificação ao seu proprietário. A partir desta notificação, o bem já se encontra protegido legalmente, contra destruições ou descaracterizações, até que seja tomada a decisão final, terminando o processo com a inscrição no Livro do Tombo e comunicação formal aos proprietários. EXISTEM PRAZOS DETERMINADOS PARA A DELIBERAÇÃO FINAL DE UM PROCESSO DE UM TOMBAMENTO? Não. Por se tratar de uma decisão importante e criteriosa, muitos estudos devem ser realizados para instrução do processo e, conforme sua complexidade, cada caso demandará prazos diferenciados. Neste processo, os proprietários, de acordo com a lei, têm direito a manifestação. Na Lei Estadual não existe prazo estabelecido, porém, é possível prever prazo para o processo de tombamento.
  4. 4. O TOMBAMENTO É A ÚNICA FORMA DE PRESERVAÇÃO? Não. A Constituição Federal estabelece que é função da União, do Estado e dos Municípios, com o apoio das comunidades, preservar os bens culturais e naturais brasileiros. Além do tombamento, existem outras formas de preservação. O inventário é a primeira forma para o reconhecimento da importância dos bens culturais e ambientais, por meio do registro de suas características principais. Os Planos Diretores também estabelecem formas de preservação do patrimônio, em nível municipal por intermédio do planejamento urbano. Os municípios devem promover o desenvolvimento das cidades sem a destruição do patrimônio. Podem ainda criar leis específicas que estabeleçam incentivos à preservação. UM IMÓVEL TOMBADO PODE MUDAR DE USO? Sim. O que será considerado é a harmonia entre a preservação das características do edifício e as adaptações necessárias ao novo uso. Atualmente, inúmeras edificações antigas, cuja função original não mais existe, são adaptadas para uma nova utilização. O CUSTO DE UMA OBRA DE RESTAURAÇÃO OU CONSERVAÇÃO É ELEVADO? Chamamos restauração as obras executadas em prédios de valor cultural que tenham como finalidade conservar e revelar seus valores estéticos ou históricos. Uma restauração deve ter caráter excepcional, enquanto a conservação deve ser uma atividade permanente. Na maioria das vezes, o custo da conservação é semelhante ao da manutenção, sendo necessário executar intervenções de maior porte, que portanto encarecem a obra. Outra situação é a dos prédios que contém materiais, elementos decorativos ou técnicas construtivas excepcionais. Nesses casos é necessário utilizar mão-de-obra especializada, elevando o custo dos serviços. A maioria dos órgãos de preservação fornece gratuitamente orientação aos interessados em executar obras de conservação ou restauração em bens tombados. O QUE É NECESSÁRIO PARA APROVAÇÃO DE UM PROJETO PARA EXECUÇÃO DE OBRAS EM IMÓVEIS TOMBADOS OU LOCALIZADOS EM ÁREAS DE ENTORNO? Os projetos deverão ser encaminhados à apreciação das equipes técnicas dos órgãos responsáveis pelo tombamento dos mesmos. A Fundação Catarinense de Cultura faz as seguintes exigências: estudo preliminar ou projeto definitivo: Imóvel tombado: " requerimento via ofício ou modelo, assinado pelo proprietário ou representante legal; " registro de imóveis atualizado; " histórico e relatório do estado de conservação do imóvel; " planta de situação e localização, com escala e endereço completo; " levantamento arquitetônico (plantas baixas, cortes e fachadas) com especificação de revestimentos externos, desenhos das esquadrias e da cobertura; " projeto de intervenção ou restauração com todas as especificações necessárias, Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) do profissional responsável e aprovação da prefeitura municipal; " Em caso de reforma interna, solicita-se usar nas cópias as convenções: amarelo, a demolir, e vermelho, a construir. Imóvel novo em entorno de bem tombado: " desenho das fachadas voltadas para a via pública, do imóvel tombado e das edificações vizinhas; " fotos abrangendo o terreno e seu entorno imediato; " projeto com todas as especificações necessárias, ART e aprovação da prefeitura municipal; " definição do uso da edificação.
  5. 5. " Aprovado o estudo preliminar, deverão ser encaminhadas quatro cópias do projeto definitivo para registro e controle. COMO É POSSÍVEL IMPEDIR A DESTRUIÇÃO DE UM BEM QUE INTERESSE PRESERVAR? Atualmente, pela ação do Ministério Público, qualquer cidadão pode impedir destruição ou descaracterização de um bem de interesse cultural ou natural, solicitando apoio ao Promotor Público local. Ele está instruído a promover a preservação com agilidade, acionando os órgãos responsáveis da União, Estado ou Município. EXISTE ALGUM INCENTIVO FISCAL PARA PROPRIETÁRIOS DE BENS TOMBADOS? Sim. O Governo Federal estabelece incentivo através do "Programa Nacional de Apoio à Cultura" - PRONAC, regulamentado pela Lei no 8.313/91 (Lei Rouanet) e o Governo Estadual através da Lei no 10.929/9 - Decreto no 3.604/98. No imposto de renda da Pessoa Física, podem ser reduzidos 80% das despesas efetuadas para restaurar, preservar e conservar bens tombados. Essa dedução foi limitada em 1994 à 10% da renda tributável. No caso de pessoa Jurídica, podem ser deduzidas 40% das despesas. Essa dedução foi limitada, no mesmo ano, a 2% do imposto de renda devido. Existem alguns municípios que dão incentivos fiscais específicos para conservação dos bens tombados, ou isentam seus proprietários de IPTU. FONTE: http://www.fcc.sc.gov.br/patrimoniocultural//pagina/4404/perguntasfrequenteseglossari o Conceito de Patrimônio Imaterial Em 1988, a Constituição Federal Brasileira estabeleceu em seu artigo no 216, "Constituem patrimônio cultural brasileiro os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação e à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira". No mesmo artigo, se incluem como definidores de patrimônio cultural as formas de expressão; os modos de criar, de fazer e de viver; as criações científicas, as artísticas e as tecnológicas; as obras, os objetos, os documentos, as edificações e os demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais; e, finalmente, os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e, inclusive, os de valor científico. A amplitude e a abrangência desse preceito disposto formalmente na Constituição estabeleceu novos paradigmas para a área do patrimônio e um grande desafio para sua efetiva preservação e valorização. Para completar esse quadro legal, no ano de 2000 foi instituído um novo instrumento de preservação, o Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial que constituem patrimônio cultural brasileiro, e criado o Programa Nacional do Patrimônio Imaterial, por meio do Decreto n° 3.551 (www.iphan.gov.br). O Registro se faz em um dos seguintes livros: Livro dos Saberes: conhecimentos, técnicas, processos e modos de saber e fazer, enraizados no cotidiano das comunidades. Exemplos: tecnologias tradicionais de produção artesanal. Livro das Celebrações: rituais e festas que marcam a vivência coletiva do trabalho, da religiosidade, do entretenimento e de outras práticas da vida social. Exemplos: procissões, festas, concentrações. Livro das Formas de Expressão: manifestações literárias, musicais, plásticas, cênicas e lúdicas. Exemplos: folguedos, ritmos, linguagens, literatura oral. Livro dos Lugares: espaços onde se concentram e reproduzem práticas culturais coletivas. Exemplos: mercados, feiras, santuários, praças. SAMBAQUIS
  6. 6. Sambaquis são montes compostos de moluscos (de origem marinha, terrestre ou de água salobra), esqueletos de seres pré-históricos, ossos humanos, conchas e utensílios feitos de pedra ou ossos. É resultado de ações humanas, ou seja, são montes artificiais, com dimensões e formas variadas. A palavra “sambaquis” tem origem Tupi, e é a mistura das palavras tamba (conchas) e ki (amontoado). Os sambaquis são locais muito antigos, onde os homens comiam moluscos em grandes grupos. O formato dos sambaquis vão dos cônicos aos semi-esféricos. Dependo da região, são conhecidos por casqueiros, concheiros ou berbigueiros. O primeiro sambaqui estudado está na Dinamarca. Alguns sambaquis em países Europeus e no norte da África foram datados como de 4000 a 2000 a.C. No Brasil, existem sambaquis em vários pontos do litoral brasileiro, sendo que em Santa Catarina estão os maiores sambaquis do mundo. Nesse estado, existem sambaquis em todo o litoral, que chegam a ter 25 metros de altura e centenas de metros de extensão. Tem idade aproximada de 5.000 anos. Em nosso país existem sambaquis inclusive no baixo Amazonas e no Xingu. Dentre os utensílios encontrados nos sambaquis brasileiros, muitos são feitos em rocha, como os quebra-cocos, facas, machados de diabásio semipolido, raspadores e pontas. Os anzóis, furadores, pontas de flechas e arpões encontrados são feitos de ossos. As explicações possíveis quanto à finalidade dos sambaquis são diversas. Para alguns pesquisadores, eles seriam depósitos dos restos de alimentos, de carcaças e ossadas de animais, servindo também, não se sabe por que, como abrigo de sepulturas de humanos. Não eram utilizados como moradias, enfim. Existem pesquisadores que defendem que os sambaquis serviam como acampamentos temporários. Para outros pesquisadores, os sambaquis seriam habitações temporárias, o que explicaria a presença de sepulturas. Servia também, nessa versão, como depósito de materiais. Apesar de serem patrimônio da União, verdadeiros crimes ambientais destruiram parte dos sambaquis brasileiros, como construções irregulares em áreas protegidas e a extração de cal por industrias inescrupulosas. Fonte: http://www.infoescola.com/arqueologia/sambaqui/ Acesso em 02/10/2013. CANOEIROS OUSADOS Cientistas descobriram algo interessante: em um mesmo período, havia sambaquis de diferentes tamanhos sendo ocupados. É possível que a altura dos amontoados fosse considerada fator de prestígio: os moradores dos sambaquis mais altos se destacariam daqueles que estavam à sua volta. Essa diferença social também está bem marcada no enterramento dos mortos. Em todos os sambaquis existem enterramentos, em maior ou menor número. Alguns sambaquis apresentam uma quantidade tão grande de sepulturas, que podem ter servido apenas como cemitérios. De qualquer forma, os enterramentos apresentam significativas diferenças entre si. Os indivíduos podem ter sido sepultados sozinhos ou em grupos de 2, 3, 4 ou mais pessoas. Os corpos podiam ser colocados estendidos, como hoje fazemos, ou então dobrados em posição fetal. Alguns indivíduos foram enterrados com objetos, que provavelmente lhes pertenceram durante a vida, como delicados colares em conchas ou dentes de animais, pontas projéteis e lâminas de machado. Estes objetos provavelmente indicam um status diferenciado que o indivíduo teria tido. Provavelmente os grupos que construíram os maiores sambaquis eram também aqueles que tinham maior população. Todos esses indícios sugerem ter havido naquele povo uma forte hierarquização social e política. Os povos que habitaram os sambaquis foram exímios canoeiros. Isso explica a presença, nos sítios, de restos de tubarão, baleia, golfinhos, tartarugas e raias, alguns deles encontrados apenas em alto mar.
  7. 7. Em várias ilhas brasileiras existem sambaquis, e obviamente elas só poderiam ter sido alcançadas com o uso de embarcações. Além disso, estudos realizados nos esqueletos mostram que os indivíduos tinham membros superiores mais desenvolvidos que os membros inferiores, como resultado de um uso e esforço centralizado, típico do remo. Estes grupos também deixaram registros no campo da arte. Belíssimas peças de pedra, feitas com a técnica do polimento, foram encontradas nos sambaquis. Apresentam a forma de animais como golfinhos, peixes, aves e antas ou têm forma humana, como é o caso do famoso "Ídolo de Iguape", proveniente de um sítio no sul de São Paulo. Gravuras em rochas foram encontradas em algumas ilhas de difícil acesso, em Santa Catarina, algumas a mais de 15 km de distância da costa. As figuras são geométricas (traços, círculos, pontos), por vezes sugerindo figuras humanas. O fato de existirem sambaquis desde o baixo Amazonas até o Rio Grande do Sul (embora estejam ausentes em algumas áreas, como boa parte do Nordeste) sugere que o caminho de expansão tenha sido o próprio mar. A rota migratória teria partido do Amazonas, que detém as datas mais antigas e uma seqüência cronológica. A expansão desses grupos teria sido bastante rápida, pois em apenas 500 anos estavam construindo amontoados no Paraná. Por outro lado, o fato dos sambaquis guardarem características básicas comuns ao longo de todo o litoral indica que teriam mantido uma rede de contatos culturais, visitando-se entre si, mantendo algumas atividades em conjunto, realizando trocas de objetos, definindo casamentos intercomunitários, e assim por diante. Com certeza, os sambaquieiros mantinham contato também com outros grupos humanos que habitavam o Brasil naquela época, como os caçadores do planalto. Afinal, quem já transpôs a pé a Serra do Mar, que separa o litoral do planalto desde o Rio de Janeiro até o Rio Grande do Sul, pode perceber como estas duas áreas são próximas e acessíveis, embora sejam bastante diferentes em termos ambientais. Os arqueólogos ainda não sabem ao certo o que aconteceu com esses grupos, mas seus sítios desaparecem por volta dos 1.000 anos AP. É possível que tenha ocorrido algum processo interno de desestruturação. Sabe-se que mais ou menos no ano 1.000 AP alguns topos de sambaqui começam a apresentar material cerâmico relacionado a grupos cultivadores do planalto, e talvez a chegada destes grupos tenha contribuído, em maior ou menor grau, para o desaparecimento daqueles. Questões que continuam em aberto na Arqueologia Brasileira. Fonte: http://www.itaucultural.org.br/arqueologia/pt/tempo/sambaquis/index.html Acesso em 02/10/2013. OS ÍNDIOS CARIJÓS Vestígios arqueológicos em diversas partes do litoral de Santa Catarina e encostas dos afluentes dos rios, comprovam que os índios carijós foram os povoadores do litoral posteriormente ao homem do sambaqui. Alguns desses índios viviam sobre os antigos sambaquis e desenvolviam atividades como, pesca, caça, agricultura de subsistência, coleta de alimentos e produção de cerâmica. Supõe-se, que o índio carijó não restringia sua alimentação e sobrevivência como mero coletor, como o homem do sambaqui. Ele desenvolveu e aprimorou novas técnicas e instrumentos, utilizando novos recursos materiais do meio ambiente onde vivia. As matas pluviais atlânticas ofereciam ao índio uma farta opção de material lenhoso e isso possibilitou, apesar dos limites de ferramentas, a fabricação de embarcações. Além disso, desenvolveu as técnicas de trançados fabricando cocas, jererés, utensílios de pesca, etc. Essas técnicas mais tarde foram assimiladas pelos portugueses. A tradição Tupiguarani, cujo destaque é a cerâmica decorada por pintura, corrugado e escovado, e que ocorre ao longo da Faixa Costeira do Brasil. Tal tradição apresenta variantes na combinação de traços, porém pertencem a mesma cultura geral. As formas dos vasos são muito variadas.
  8. 8. Ainda em relação ao índio, encontramos na região da grande Florianópolis a reserva indígena do Maciambú. Neste local um pequeno grupo de pessoas (cerca de sessenta), desenvolve expressivo artesanato de trançados em taquara. Observamos, contudo, que nesta produção existem influências do homem branco tais como, no formato, nas cores, bem como no uso da matéria prima. RELATO DO NATURALISTA E VIAJANTE FRANCÊS AUGUSTO DE SAINT- HILAIRE SOBRE A ARMAÇÃO DE SÃO JOAQUIM (1820) (...) O mais notável de todos os vegetais que se encontram na singular planície de Garopaba é uma palmeira anã que eu ainda não conhecia e à qual deram o nome de butiá (do guarani mbutiá, que significa coqueiro). (...) Após atravessar o areão, penetrei numa floresta virgem, passei por diante de plantações de mandioca e de laranjas perfeitamente alinhadas, o que no Brasil é de causar admiração e, enfim, cheguei à fazenda do Sargento-mor. Ela ficava situada no alto e daí se desvendava simultaneamente um trecho de mar e uma vasta planície coberta de mato, e que é a continuação da que acabei de referir. Essa habitação também se me afigurou outra raridade, pois em Minas e Goiás as fazendas são geralmente construídas em lugares baixos. (...). Dissera-me o sargento-mor que plantava principalmente mandioca, por ser nessa região a cultura mais produtiva em virtude de a mesma preferir terrenos arenosos. Acrescentara que após colhida a mandioca plantada em terreno que antes fora mata virgem, devia-se deixá-lo repousar por dois anos, mas, se as terras fossem de capoeira, o tempo de espera seria de 4 a 5 anos, a fim de que os arbustos e os espinheiros se achassem novamente em condição de ser cortados e queimados. (...) De volta à Armação, fui visitar o Administrador Geral, que havia regressado na minha ausência. Apenas entrei na varanda de sua casa, o Administrador pôs-se a rezar, edificando-me com o seu aspecto devoto e humilde. (...) Assim, fiquei bastante surpreendido com essa ostentação devota que eu, desde que me achava na América, testemunhava pela primeira vez. (...) A 21 de maio parti de Garopaba com as minhas três carroças. O caminho era plano, muito bom, e atravessava uma zona de mata virgem. Encontrei, porém, nas vizinhanças da Armação, muitas terras já desbravadas e, a cada passo, diversos sítios e algumas roças de mandioca. Em certa altura, atravessamos um rio denominado Garopaba, que vai lançar-se na lagoa do mesmo nome, perto do mar. Como era dia de festa, encontrei grande número de mulheres a cavalo, que voltavam da Missa. Elas não usavam chapéus de homem como as de Minas, mas chapéus próprios do sexo e, tampouco, se esquivavam de olhar para os lados, corresponder aos cumprimentos que eu lhes dirigia e falar com os passantes. Uma delas, vendo-me colher plantas, entendeu que eu era médico e forçou-me a entrar em sua casa para ver um doente. Era um homem atacado, havia muitos meses, de paralisia, e os mais hábeis talvez tivessem ficado tão embaraçados como eu. Recomendei o doente a Deus, aconselhei-o a ter paciência e a confiar na sua mocidade, e escapei-me o mais depressa possível. Após ter feito cerca de 3 léguas, parei num sitiozinho denominado Encantado, pertencente ao dono de uma das carroças que nos conduziam, e aí passei a noite. Conversando com o meu hospedeiro, perguntei-lhe quanto tempo era necessário, no seu lugar, para deixar a terra em repouso e derrubar as capoeiras. – Nós temos tanta terra, disse-me ele, que depois de aproveitado o lugar, abandona-se-o e vai-se plantar noutro.
  9. 9. Deixando o Encantado, entramos num areão coberto de butiás muito juntos uns dos outros, entremeados de diversos arbustos e subarbustos. Para mim era um quadro inteiramente novo o que me ofereciam essas palmeiras anãs, cujas folhas glaucas e agudas pareciam dosséis sob os quais cresciam arbustos, quase todos de folhas verde- gaio. VIDA E CULTURA AÇORIANA Franklin Cascaes Boitatá Esse facho de fogo, para eles, se mostrava com várias formas do mundo objetivo. Por exemplo, diziam: ah, eu vi um monstro semelhante a uma batina de padre, eles viam a saia do padre. Outras vezes se apresenta que nem um pássaro, outras vezes que nem uma vela, uma lanterna. Outras vezes parecia ser um bicho, um gambá, uma coisa qualquer. Eles olhavam e observavam essa forma. E contavam depois isso para mim. Como artista eu estudei o caso. O dia em que eu descobri esse tal de boitatá, conhecido nesse mundo inteiro e aqui no Brasil como “Mboy-Tatá”, nome indígena que significa “cobra de fogo”. Os indígenas já conheciam este ente desde a mata, esta forma espiralada, eles diziam que tinha uma forma comprida, quase que nem cobra, eles falavam muito isso. É justamente quando o fogo, o “fátuo” começa a solta; depois é a aragem, o vento que dá as diversas formas. Formas e cores. O índio, lógico, viu a forma espiralada e lembrou da cobra quando ela se apronta para dar o bote neles. Daí o “mboy”. Já o português disse “boitatá”, boi de fogo. Também disseram “baitatá”, baita é uma coisa grande, “tatá” é fogo, o que dá um animal muito grande em forma de fogo. Depois, ainda batizaram de “bitatá”. Bita, é cabra. Aí eu recriei em cima de tudo isso. De acordo com as histórias que escutei, que eu vi, é que eu começo a trabalhar a minha arte e as minhas histórias. Eles viam o boitatá e se escondiam, com as mãos nos bolsos, por causa da eletricidade, e para evitar que o fogo fosse atraído pelos dedos e aí queimasse as pessoas, queimasse a roupa. Aí, eles até chegaram a inventar uma história e diziam: “fulano, corre depressa, vai buscar a corda do sino para amarrar o boitatá”. Sempre que eles avistavam o boitatá, eles gritavam pelo nome de uma pessoa qualquer: “fulano, fulano, corre depressa, vai buscar a corda do sino para amarrar o boitatá”. Isso é para espantar o boi. O uso da mandioca O índio aqui na Ilha de Santa Catarina já sabia usar a mandioca. Eles faziam uma farinha que aproveitava a mandioca curtida e que eles chamavam “puba”. A mandioca era colocada dentro de um poço e ficava curtindo durante oito dias. Depois desse tempo, eles retiravam, puxavam a casca e saía a massa inteirinha. Então eles espremiam aquela massa numa espécie de tipiti oblongo, bem comprido, cada homem apertava numa ponta. À medida em que ia apertando, manualmente, a “manipoeira”, que é a água da massa, ia saindo. Essa água é venenosa, perigosa. Depois eles colocavam a massa no sol e depois de seca era torrada nas panelas de barro, as “nãen-pepô”, “nãen” é panela, “pepô” é barro. Era barro cozido. Aí torravam. Ficava uma farinha meio grossa. Na minha época, aquele tipo de farinha chamavam “carolo”, porque era grossa. Na minha terra eles faziam uma farinha muito fina, muito gostosa. Por toda essa Ilha, quase todo o litoral fazia dessa farinha. Passando um pouco de Palhoça para baixo, já a farinha era grossa, a fabricação já era diferente. A minha mãe também usava fazer muito isso aí para tirar a massa para fazer cuscuz, cuscuz de mandioca “puba”, como ela dizia.
  10. 10. Misturava com farinha de milho e ainda botava canela, cravo, era uma delícia. Hoje não fazem mais. Vendem aí nessa feira, mas não é bom, não. Mais tarde, esses engenhos foram melhorando. Os viajantes que passaram aqui na Ilha, já deixaram escrito, lá por 1800, que a farinha era tão boa, tão fina, que eles achavam melhor que a farinha de trigo feita lá na Europa. O açoriano, o colono, eles usavam fazer um bolo, é um pirão, que comiam com carne, com peixe. A minha mãe dava muito para a gente com leite. Fazia aquele pirão de farinha, e no centro fazia um buraco que enchia com leite, e a gente comia aquilo ali com carne seca, do vento, a carne do vento. Ontem ainda eu fiz essa carne. É excelente. A gente toma um pedaço de carne, escala, põe um pouco de sal, e põe no sol. Um dia de sol é bom, mais fica muito seca. Frita, assada no espeto, ah!, é uma delícia. Com carne de porco também se faz. Assim é com o peixe também. A gente escala e põe no sol, ele fica amarelinho, fica delicioso, porque não fica totalmente salgado como eles fazem nas sagas, onde eles põem sal até embranquecer. Isso tira todo o sabor, toda a vitamina. Como eu disse, os engenhos melhoraram. Eles construíram engenhos tipo “cangalha”, trabalhando com boi. Isso aí já melhorou bastante porque o homem só tinha o trabalho de encostar a mandioca na roda cevadeira, que é a roda que rala a mandioca. Com o boi eles forneavam também só não prensavam, porque para prensar tem que ser o homem. A farinha então já tornou-se melhor, mais fina, mais gostosa. O engenho é construído com madeira de lei: canela, peroba, sassafrás, jacarandá, ipê, que era muito usado para fazer os fusos, que servem para apertar a massa dentro dos tipitis. E a farinhada era de manhã à noite, não parava nunca. De madrugada, cedo, lá pelas duas horas, já começavam a fornear. Dentro da casa de engenho já havia um monte de mandioca para ser raspada. E trabalhava todo mundo: crianças, mulheres, homens. Trechos compilados de: Caruso, Raimundo C. & Caruso, Mariléa M. Leal Caruso. Vida e cultura açoriana em Santa Catarina: 10 entrevistas com Franklin Cascaes. Florianópolis: Edições da Cultura Catarinense, 1997. RELATO DOS COMBATES ENTRE AS FORÇAS REPUBLICANAS E IMPERIAIS EM GAROPABA DURANTE A REPÚBLICA JULIANA DE 1839 José Artulino Besen As forças republicanas não param aí. Sob o comando do Coronel Teixeira Nunes avançavam rumo ao Norte, apossando-se sucessivamente de Imbituba, Vila Nova e Imaruí. Avançavam sobre Garopaba, onde havia uma força sob o comando do Alferes Vilas Boas. No dia 26 de setembro, à aproximação dos republicanos,todos entregaram as armas. O mesmo ocorre em Maciambu. Acampam os revoltosos perto do forte de Araçatuba, que adere à causa republicana. Em Garopaba nomeiam para chefe de polícia o major Claudino de Souza Medeiros. (...) A ação imperial toma corpo. A 27 de setembro os rebeldes são expelidos de Maciambu. Na ponta da Pinheira são batidos, sendo perseguidos até Garopaba (17 de outubro). O plano para o ataque a Garopaba, marcado para o dia 14, foi transformado devido à notícia de presença dos revoltosos comandados por Garibaldi, que haviam saído de Laguna rumo ao Norte, pelo mar.
  11. 11. Mas a 1º de novembro, iniciam-se medidas para ser cortada a força que o inimigo ainda conservava em Garopaba. As forças do governo descobrem numa picada por onde podia passar apenas um homem a pé, a qual entrando na ponta da Gamboa, junto à serra, com uma volta de 5 léguas, vinha a sair da retaguarda dos republicanos acampados na Encantada. Comandados pelo capitão Manoel Joaquim, conhecedor do terreno, foram atravessando a picada, noite à dentro, todos a pé, em meio à chuva. No segundo dia, de madrugada, surpreenderam um piquete republicano de 5 homens sem haver um tiro. Travou-se combate: de parte revoltosa 10 mortos no campo, 6 soldados prisioneiros e 1 capitão. O restante fugiu em debandada para os matos próximos. Da parte imperial, 2 mortos, alguns feridos. O coronel Teixeira fugiu. No dia seguinte as forças governamentais atravessam o Morro do Siriú, unindo-se ao Batalhão. Vários piquetes julianos fugiram para a serra. O 2º Batalhão, acampado na Encantada, destrói qualquer resistência em Garopaba, fazendo os republicanos retrocederem até Imbituba, e dali para Laguna, onde se travaria o combate decisivo que se deu a 15 de novembro, data que marca o fim da República Juliana. Fonte: BESEN, José Artulino. São Joaquim de Garopaba: 1830-1980. 1996, p. 30- 31. A ORIGEM DO NOME ENCANTADA Januária Barbosa Soares O velho José da Rosa era meu sogro. Ia viajando. Olhou e viu uma moça sentada. Chegou perto: um balainho de costura, todo de ouro. Tudo de ouro: as roupas dela eram a coisa mais linda! Ela foi, perguntou para ele. Ele achegou-se e atemorizou-se. Ela perguntou: - De que é que o senhor mais se agrada de mim? (Ele devia responder: - O que mais me agrada é tu!) Ele respondeu: - O que mais me agrada é tua tesoura. Ela disse: - Ah, ingrato! Não quebraste o meu encantamento... Daí o lugar pegou o nome de Encantada. Mas pouca gente sabe donde veio o nome. Eu sei porque meus pais e meus avós contaram. Antigamente tinha muito encantamento. Hoje não tem mais porque o pessoal não acredita. Fonte: BESEN, José Artulino. São Joaquim de Garopaba: 1830-1980. 1996, p. 127. Tradições açorianas A Farra do Boi é uma festa de origem cultural. É muito popular no estado de Santa Catarina, e segundo historiadores, foi trazida ao Brasil há cerca de 200 anos, por descendentes de açorianos. Desde 1997, a Farra do Boi foi proibida em todo o estado de Santa Catarina, após inúmeras denúncias e uma grande campanha de conscientização por partes dos ecologistas e da Sociedade Mundial de Proteção Animal (WSPA, na sigla em inglês). O argumento dos participantes da festa foi o de que a Farra acontecia para manter a cultura e o folclore da região.
  12. 12. A festa acontecia frequentemente na época da Páscoa, quando centenas de bois eram torturados e mortos, em um martírio que começa dias antes. A tortura começa alguns dias antes da festa, quando o boi é isolado e deixa de ser alimentado. Quando o animal está a dias sem comer, são colocados comida e água próximos a ele, de forma que ele possa ver mas não possa alcançar, ficando desesperado. No dia da Farra, o boi é solto pelas ruas, onde as pessoas aguardam portando os mais variados instrumentos para ferir o boi, como por exemplo, pedaços de pau, pedras, chicotes, facas, cordas e lanças. Outras formas utilizadas pelos “farristas” para ferir o boi são: cortar o rabo do boi, quebrar suas patas e cornos, jogar pimenta nos olhos dos boi, arrancar os olhos, introduzir um pedaço de madeira ou vidro em seu ânus, banhá-lo em óleo quente ou ainda encharcá-los de combustível e atear fogo. Algumas vezes, o boi é perseguido até encontrar o mar e atira-se, onde morre afogado. Quando isso não acontece, a tortura pode durar até três dias, mesmo porque os “farristas” tomam “cuidado” para que a farra dure mais. Somente ao perceber que o boi está próximo de morrer, os “farristas” o matam e dividem a carne. A crueldade costuma acabar com um churrasco. A partir da Lei Federal nº 9.605, de Fevereiro de 1998, a Farra do Boi foi proibida em todo o Brasil. Fonte: http://www.infoescola.com/folclore/farra-do-boi/ A renda de bilros é realizada sobre uma almofada dura, o rebolo, cilindro de pano grosso, cheio com palha ou algodão, cujas dimensões dependem da dimensão da peça a realizar, coberto exteriormente por um saco de tecido mais fino. A almofada fica sobre um suporte de madeira, ajustável, de forma a ficar à altura do trabalho da rendilheira. No rebolo, é colocado um cartão perfurado, o pique, onde se encontra o desenho da renda, feito com pequenos furos. Nos furos da zona do desenho que está a ser realizada, a rendilheira espeta alfinetes, que desloca à medida que o trabalho progride. Os fios são manejados por meio de pequenas peças de madeira torneada (ou de outros materiais, como o osso), os bilros. Uma das extremidades do bilro tem a forma de pera ou de esfera, conforme a região. O fio está enrolado na outra extremidade. Os bilros são manejados aos pares pela rendilheira que imprime um movimento rotativo e alternado a cada um, orientando-se pelos alfinetes. O número de bilros utilizado varia conforme a complexidade do desenho. Em Portugal a arte da renda de bilros tem especial expressão nas zonas piscatórias do litoral, com maior relevo para Peniche e Vila do Conde, onde esta arte é antiquíssima Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Renda_de_bilros O boi de mamão tem origem na lenda do bumba meu boi. “Bumba meu Boi é uma dança folclórica da cultura brasileira, principalmente na região Nordeste. A dança surgiu no século XVIII, como uma forma de crítica à situação social dos negros e índios. O bumba-meu-boi combina elementos de comédia, drama, sátira e tragédia, tentando demonstrar a fragilidade do homem e a força bruta de um boi.
  13. 13. A lenda é a seguinte: Um rico fazendeiro possui um boi muito bonito, que inclusive sabe dançar. Pai Chico, um trabalhador da fazenda, rouba o boi para satisfazer sua mulher Catarina, que está grávida e sente uma forte vontade de comer a língua do boi. O fazendeiro manda seus empregados procurarem o boi e quando o encontra, ele está doente. Os pajés curam a doença do boi e descobrem a real intenção de Pai Chico, o fazendeiro o perdoa e celebra a saúde do boi com uma grande festividade.” (Fonte: http://lendasdobrasil.blogspot.com.br/2011/07/lenda-do-bumba-meu-boi.html) “(...)Então eu vou contar a história do Boi de Mamão. Como ele começou. “Muita gente me pergunta como é que principio o Boi de Mamão. O Boi de Mamão principio do menino que foi a venda comprar bolacha e biscoito para a mãe tomar café, as seis horas da tarde, que hoje no Brasil se trata de seis horas de ave-maria. E outro menino vizinho, prep arou um mamão maduro bem grande, fez dois furos, amarrou um cordão no pé do mamão , e acendeu um pedacinho de vela dentro do mamão. E quando o menino ia passando com o biscoito e a bolacha, ele puxou o cordão, o menino gritou e se assustou e jogou as bolachas e os biscoitos fora, pensando que era um troço invisível. Aí ele chegou em casa gritando: um Boi de mamão, um Boi de Mamão... A mãe com pena do menino foi a casa da vizinha perguntar o que tinha existido. – “comadre, foi o meu menino que pegou um mamão bem maduro , bem vermelho por dentro, fez dois furos, acendeu uma vela, e o menino se assustou. Foi aonde jogou a bolacha e os biscoitos fora.” Aí os dois se quiseram achar no pau. A mãe e a comadre não deixou. Dali prometeram fazê uma brincadeira pra ele com outro tipo de Boi. Aí fizeram um Boi de pano que levou o nome de Boi de Mamão. E ele era o vaqueiro e o outro ( que pregou a peça) brincava debaixo do Boi. Depois chegou outro menino querendo participar da brincadeira. É um Mateus e um vaqueiro. Chega uma menina também querendo participar da brincadeira e ela serviu de maricota. E aí foi chegando os meninos da comunidade. Um brincou debaixo do urubu pra que quando o boi morrer, belisca; outro brincou no cavalinho laçando o Boi e daí nasceu a brincadeira no Brasil.” (José Manoel Agostinho, em depoimento a Ronaldo Manoel Gonçalves. In. Cantadores de boi de Mamão: velhos cantadores e educação popular na Ilha de Santa Catarina. UFSC, 2000, p. 17). “O folguedo do Boi de Mamão, no folclore catarinense, é uma das brincadeiras de maior atração popular. Existe no folclore brasileiro com os nomes mais diversos: Bumba – meu- boi, Boi-bumbá, Boi- pintadinho, Boi-de-Reis, Boizinho, Boi-de-cara-preta, Boi- calemba,etc. E entre nós Boi-de-pano e Boi-de-Mamão. (...)“Antigamente o folguedo do Boi era conhecido como Bumba-meu- Boi, depois Boi–de-pano, mas ocorre que, com a pressa de se fazer uma cabeça, foi usado um mamão verde, e quando foi apresentado recebeu o nome de Boi-de-Mamão. Nome este mantido até a época atual, onde se vêem Bois com cabeças de todos os tipos, até mesmo de boi, menos de mamão. Há quem contrarie essa versão, dizendo vir o nome Boi-de-Mamão do boi que mama.” (SOARES, Doralécio. Folclore Brasileiro. Santa Catarina, FUNARTE 1979, pg. 29.) “Se o Boi que dança parece ser uma criação brasileira, não resta dúvida que no folclore português, do qual se originou o brasileiro, uma parte muito importante é atribuída ao Boi em todas as representações populares. Não esqueçamos também a importância simbólica do Boi em toda Bacia do Mediterrâneo e especialmente na Península Ibérica. “Encarnação das forças genésicas”, o Boi era ao mesmo tempo um símbolo de transformação, e da angústia que toda transformação desperta. Mas para que o tema
  14. 14. tivesse podido se conservar na memória coletiva, ao passar de um continente à outro e com todas as modificações de gênero de vida que isto implica, era preciso que correspondesse a uma realidade e a necessidades profundas.” (MEYER, Marlise. Pirineus, Caiçaras... Da Comédia dell’arte ao Bumba-meu-boi. 2° ed. rev. e ampl.- Campinas, S.P.: Editora da UNICAMP, 1991, pág. 62 ARQUITETURA AÇORIANA Em Santa Catarina, o material mais usado na habitação rural é a madeira: a floresta tropical do litoral e a araucária do planalto fornecem esse material em abundância. São as de pau-a-pique com coberturas de palha, ou então são feitas as paredes de barro, com armação de taquara; já a cobertura com telhas de barro cozido denota melhoramento - é a casa de oitão, tipo fundamental em Santa Catarina. Já o descendente dos açorianos e vicentistas, os quais se fixaram nos três pontos do litoral São Francisco, Laguna e a Ilha, quando constrói um edifício rudimentar, recorre a esse modelo, com uma variante - o beirado, que deve ser uma imitação da casa urbana. (...) É que, com a vinda dos casais açorianos a colonizar nosso litoral, o governo português determina a construção das povoações sempre dentro de um formato: praça central, tendo numa das faces da igreja e noutra a casa do governo; dessa praça, sairiam ruas paralelas com certo número de palmos para cada família. Os açorianos, chegando à Desterro em 1748, em levas sucessivas até 1756, localizaram-se aqui ou espalharam-se para Enseada de Brito, Laguna, São Miguel, São José, Sto. Antônio, Rio Tavares, Lagoa, Ribeirão, Canasvieiras, Trindade e para o Rio Grande do Sul. (...) Assim, pois, as casas, baixas, pegadas umas as outras, geralmente com testada exíguas e duas águas, alinhavam-se em ruas estreitas, partindo do centro. (...) Arquitetura Desterrense: Eram as casas, de porta e janela num compartimento de entrada; dali saia um corredor com um quarto ao lado, atrás da primeira sala, sem janelas. O corredor iaterminar noutra sala, a varanda, onde ia abrir outro quarto, também sem janela, os outros compartimentos do fundo que davam para o quintal. Os telhados com beirais desciam até bem baixo. É o que se vê ainda hoje, em casas situadas a rua João Pinto. Conforme descrição de Oswaldo Cabral em "Nossa Senhora do Desterro - casas - sobrados - chácaras”, eram tais casas feitas de tijolos com traço de cal de conchas e areia, ligados com azeite de baleia, o cimento da época. A pobreza não tinha o azeite, e o traço não passava então de um barro grosso, cal areia, misturados com água: com o tempo, essa mistura se esfarelava e as paredes, sob o peso das cumeeiras de madeira pesada iam perdendo o prumo. Dai, pois, serem construídas umas colocadas às outras, arrimando-se mutuamente. E assim são às famosas casas "porta janela", ainda existentes, atestando os restos saudosos da nossa antiga Desterro. Úmidas e escuras, têm as janelas de guilhotina, e abrigam ainda hoje a gente mais humilde que quer localizar-se no centro. (Fonte: http://www.manezinhodailha.com.br/Scripts/Arquitetura.htm#....)
  15. 15. A CANOA BALEEIRA A canoa baleeira é um dos barcos mais tradicionais do litoral catarinense e faz parte da história e do desenvolvimento da região, concentrando cerca de 90% das embarcações desse tipo de todo o país. Trazida para o Brasil pelos imigrantes açorianos em meados do século XVIII, a canoa baleeira tem características de navegação que a tornaram propícia para a captura de baleias e para a pesca artesanal. Durante muito tempo, ela foi fundamental para a geração de renda dos pescadores e para o desenvolvimento do litoral catarinense. Em 2008, foi incluída no Projeto Barcos do Brasil do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que visa a preservação do patrimônio naval brasileiro. O professor Nilceu Novicki explica que, pela industrialização da pesca, limitações ambientais ao uso da madeira e proibição da caça às baleias, a construção desse tipo de embarcação praticamente não existe mais. “Os métodos de construção da canoa baleeira estão preservados apenas na memória de mestres artesãos. Se não forem devidamente documentados, corremos o risco de se perderam no tempo”, declara. (Fonte: http://www.ifsc.edu.br/campus-itajai/3244-projeto-visa-preservar-a-construcao- da-canoa-baleeira) A canoa baleeira – Brasil Joel Pacheco A baleeira da Ilha de Santa Catarina é uma embarcação que possui influências dos botes açoriano e Americano, sendo que o conhecimento de fabricá-la e usá-la na caça à baleia, provavelmente, chegou com os açorianos em meados do século XVIII. Os povos nórdicos já utilizavam este tipo de canoa de proa e popa iguais, características dos famosos barcos vikings. Originalmente eles foram construídos onde hoje é a Suécia, a Dinamarca e a Noruega. Depois da conquista da Inglaterra, passaram a ser fabricados também nas ilhas britânicas e na Normandia e Bretanha francesas. A similar catarinense é a única embarcação tradicional brasileira a ter analogia com os barcos nórdicos, portanto, só ela apresenta dupla proa. De acordo com o professor Nereu do Vale Pereira, a presença da baleeira é
  16. 16. descrita e registrada nos apontamentos do viajante alemão Adajbert Von Chamisso, que passou pela Ilha de Santa Catarina em 1815. Chamisso relata “o nome armação designa as pescarias reais que executam sobre baleias, existindo neste governo em número de quatro. Tal pesca se dá nos meses de inverno junto à entrada do canal. Os barcos que vão ao mar são de madeira e abertos, tripulados por seis remadores, um timoneiro e o arpoador; a baleia é atingida e puxada à praia e lá retalhada”. Por ser leve e de ótima navegabilidade, esta embarcação foi muito utilizada na captura da baleia e indispensável na pesca artesanal. Com o fim da caça, foi adaptada só para carga e pesca. O antigo velame deixa de ser usado ao introduzir-se o motor central. Com o uso voltado para o transporte turístico de passageiros, o barco recebe também uma cabine de proteção para os usuários. É considerada por muitos pescadores e construtores navais como a rainha do mar, devido à notável qualidade náutica, firmeza e segurança, pois enfrenta e navega com agilidade nos mais diversos mares. Foi concebida para navegar movida a vela ou remo, mas adaptou-se muito bem ao motor, atingindo velocidade superior a de um bote motorizado de mesmo comprimento. (Fonte: Pacheco, Joel. A canoa baleeira dos açores e da Ilha de Santa Catarina. Florianópolis: Edição do Autor, p. 39 – 40.) FORTUNATO JUSTINO MACHADO Míriam Furtado Hartung Nos primeiros dias que sucederam a minha chegada ao Morro do Fortunato, o tema principal nas conversas com os moradores girou em torno da história do grupo. Os relatos remetiam incondicionalmente ao nome de Fortunato Justino Machado, chamado de pai Nato, como sendo o primeiro morador do lugar e o fundador do grupo. "O premero morador que eu conheci lá era o pai do Anastácio, o Fortunato ", diz uma senhora de 84 anos, antiga moradora do Morro, viúva de um dos filhos de Fortunato Justino Machado. Esta é uma verdade entre os moradores do Morro e das proximidades. Fortunato possuía uma grande plantação de café e com a venda desse produto ganhou tanto dinheiro que, na região, ficou conhecido como Fortunat, o rico. (...) A versão dos moradores do Vale, apresenta Fortunato como escravo de Marcos Vieira e filho deste mesmo homem. A condição de Fortunato não é posta em dúvida. Afirma-se categoricamente que ele foi escravo. Pergunto se não estaria esta versão e, consequentemente, este modo de perceber os membros do grupo do Fortunato, muito próximo daquele que, durante a escravidão, conforme mostra Cunha (1985), considerava escravo e negro como "categorias coextensivas"? Dentro dessa lógica da coextensividade das categorias escravo e negro, se o grupo do Morro do Fortunato é de origem africana, logo, seu ancestral era escravo. No entanto, isto não diz nada se não for considerado, como se viu acima, que, igualmente coextensivos a estas duas categorias - negro e escravo -, é o conjunto de adjetivos que qualificam depreciativamente esse segmento. (...) Escravo e filho de um mesmo homem. Dupla sujeição, dupla dependência. Na versão dos moradores do Vale, aquele que cria é o senhor branco e Fortunato aparece como
  17. 17. produto desse criador. Dentro desta lógica, Fortunato e, portanto, todo o grupo que com ele se identifica, devem sua existência, sua criação a este senhor branco. Não estaria aqui contida a ideia de sujeição ao poder de outrem? Não estaria aqui contida a crença de que este segmento da população é "naturalmente" incapaz de criar, de ser pessoa (2), portanto, sujeito e senhor de sua própria história? Indicar a escravidão como marco histórico do grupo do Morro não significa apontar para todos estes estigmas? Do modo como está narrada, sugiro, a versão dos moradores do Vale reafirma todos estes estigmas e oculta, em si, uma ideia de dependência que o grupo de moradores do Vale imagina tenha o grupo do Morro em relação a eles.A versão dos moradores do Morro sugere um caminho diferente. O que pretendem os descendentes de Fortunato quando, na sua versão, afirmam que o ancestral era livre e "nasceu no ventre livre"? Significa, a meu ver, dizer que os moradores do Morro não identificam seu ancestral com o conjunto de idéias, que se pretende representativo do escravo e que, como se viu, continua atuante. Isto é, 0s descendentes de Fortunato não consideram estas ideias representativas de seu ancestral, porque a imagem que o grupo constrói deste é positiva, modelar, portanto, não pode ser associada ao escravo. O Fortunato da versão dos moradores do Morro é alguém autônomo, no sentido de que construiu sua própria existência; aquele que possibilitou a existência do grupo e, portanto, não se identifica com as representações acerca do escravo. Fortunato é aquele que cria, sendo, assim, ele o senhor. (Excertos extraídos de: Hartung, Míriam Furtado. Nascidos na Fortuna – O grupo do Fortunato: identidade e relações interétnicas entre descendentes de africanos e europeus no litoral catarinense. Florianópolis: PPGAS/UFSC, 1992, p. 36-45)
  18. 18. ORIGEM DO QUILOMBO ALDEIA Versão de Manoel dos Passos (2010): Versão de Laudelino Antônio (2010): (Fonte: Carvalho, Francine Adelino. Entre cores e memórias: escolarização de alunos da comunidade remanescente do Quilombo Aldeia de Garopaba/SC (1963-1980). Florianópolis: PPGE/UDESC, 2011)

×