DELIRIUM NO PACIENTE IDOSO:CARACTERÍSTICAS DESCRITAS NA LITERATURA BRASILEIRA Daiane Aparecida dos Santos            Orien...
Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Saúde       Mental para EquipesMultiprofissionais da Universidade  ...
AgradecimentosPrimeiramente à Deus por tudo que meProporcionou;À minha mãe Marzelí e aos meus tiosSinval e Maria;À toda mi...
Introdução• Delirium: síndrome orgânica, aguda, multifatorial, caracterizada por  alteração global do nível de consciência...
Introdução• Os critérios para diagnóstico de delirium são determinados pelo  Manual Diagnóstico e Estatístico da Associaçã...
Introdução• Instrumentos para facilitar o diagnostico 5:    Mini Exame do Estado Mental – MEEN;    Confusion Assessmnent...
Justificativa•   Maior incidência de delirium em pacientes idosos;•   Grande incidências de falhas diagnósticos;•   Conseq...
Objetivos• Identificar a partir da revisão da  literatura brasileira os principais  aspectos relacionados ao delirium no  ...
Metodologia• Revisão bibliográfica;•  Artigos científicos nacionais;• Palavra chave “delirium”;• Base de dados da LILACS;•...
Resultados/ Discussões• Encontrados 22 estudos;• Excluídos 18 artigos;   • Conteúdo   • Antes de 2005•   Foram selecionado...
Resultados/ Discussões• Grave problema de saúde da população idosa e  constantemente não diagnosticado 2.• Apresenta se em...
Resultados/ Discussões• Avaliar os risco e benefícios para uma hospitalização 7.• Levantamento       diagnostico   avaliaç...
Resultados/ Discussões           Principais fatores de risco para delirium 1,2,3 e 6FATORES DE RISCO/ FATOR               ...
Resultados/ DiscussõesPrincipais Características clínicas / Sinais e sintomas de delirium 1,2,3 e 6  Características clíni...
Resultados/ DiscussõesPrincipais Características clínicas / Sinais e sintomas de delirium 1,2,3 e 6    Características clí...
Conclusão• Problema comum entre população idosa 2.• Aumento da mortalidade e morbidade entre idosos 1.• Secundário a uma d...
Conclusão• Na maioria dos casos subdiagnósticado e/ou desapercebido  3.• Necessário treinamentos e capacitação de toda equ...
Bibliografia1. COSENTINO T. ; MARTINS P. ; FUMIS R. R. L. Delirium em pacientes com câncer: umdiagnostico que não pode ser...
Bibliografia7. GORZONI M.L; PIRES S.L. Idosos asilados em hospitais gerais. Revista Saúde Pública,São Paulo, v.40, n.6, p....
Obrigada!Daiane Aparecida dos Santos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Delirium no Paciente Idoso: Características Descritas na Literatura Brasileira

1.931 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.931
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Delirium no Paciente Idoso: Características Descritas na Literatura Brasileira

  1. 1. DELIRIUM NO PACIENTE IDOSO:CARACTERÍSTICAS DESCRITAS NA LITERATURA BRASILEIRA Daiane Aparecida dos Santos Orientadores Ana Carolina Schmidt de Oliveira Hewdy lobo Ribeiro
  2. 2. Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Saúde Mental para EquipesMultiprofissionais da Universidade Paulista, como requisito paraobtenção do título de Especialista.
  3. 3. AgradecimentosPrimeiramente à Deus por tudo que meProporcionou;À minha mãe Marzelí e aos meus tiosSinval e Maria;À toda minha família pelo carinho;À Orientadora Ana Carolina Schmidt;Ao professor Hewdy Lobo;À todos amigos do curso;À Universidade Paulista.
  4. 4. Introdução• Delirium: síndrome orgânica, aguda, multifatorial, caracterizada por alteração global do nível de consciência, comum porém grave e potencialmente evitável 1.• Envelhecimento é o principal fator de risco para delirium 2.• 20 a 60% pacientes idosos admitidos nos serviços de emergência clínica apresentam essa doença 3.• 70% dos casos diagnosticados erroneamente ou desapercebidos 3.
  5. 5. Introdução• Os critérios para diagnóstico de delirium são determinados pelo Manual Diagnóstico e Estatístico da Associação – DSM, e requer a presença de quatro características fundamentais:  Distúrbio consciência com redução capacidade de atenção;  Alteração cognitiva e perceptiva que não poderia ser atribuída ao quadro de demência;  Instalação do quadro em curto espaço de tempo com flutuação durante dia;  Evidências de que o distúrbio seja causado pelas consequências fisiológicas direta de uma condição clínica geral qualquer 4.
  6. 6. Introdução• Instrumentos para facilitar o diagnostico 5:  Mini Exame do Estado Mental – MEEN;  Confusion Assessmnent Method – CAM.
  7. 7. Justificativa• Maior incidência de delirium em pacientes idosos;• Grande incidências de falhas diagnósticos;• Consequências de morbidades e mortalidade;• Alternativas preventivas e interventivas de acordo com a realidade brasileira.
  8. 8. Objetivos• Identificar a partir da revisão da literatura brasileira os principais aspectos relacionados ao delirium no paciente idoso.
  9. 9. Metodologia• Revisão bibliográfica;• Artigos científicos nacionais;• Palavra chave “delirium”;• Base de dados da LILACS;• Filtros: textos completos; idioma português; limite idoso.• Seleção: análise de títulos ou resumos.
  10. 10. Resultados/ Discussões• Encontrados 22 estudos;• Excluídos 18 artigos; • Conteúdo • Antes de 2005• Foram selecionados 4 artigos.
  11. 11. Resultados/ Discussões• Grave problema de saúde da população idosa e constantemente não diagnosticado 2.• Apresenta se em três subtipos: hiperativo, hipoativo e misto 5.• Toda equipe de saúde deve ser treinada e capacitada para identificação do delirium 6 .• Confusões mentais na terceira idade são normais 7.
  12. 12. Resultados/ Discussões• Avaliar os risco e benefícios para uma hospitalização 7.• Levantamento diagnostico avaliação clínica e exames laboratoriais 6.• Tratamento: rapidez, identificação e intervenção nas causas geradoras 5.• Controle da sintomatologia pode ser farmacológica ou não 5.• A prevenção é a melhor estratégia para reduzir sua incidência 8.
  13. 13. Resultados/ Discussões Principais fatores de risco para delirium 1,2,3 e 6FATORES DE RISCO/ FATOR DESCRIÇÃO DESENCADEANTE Características demográficas Idade avançada Comorbidades Doenças clínicas, processos inflamatórios, infecções, distúrbios metabólicos, distúrbios hidrolíticos, desidratação, desnutrição Drogas Polifarmacologia, tabagismo, etilismo, uso de drogas psicoativas Capacidade cognitiva Demência, déficit cognitivo. Capacidade Funcional Imobilidade, baixo nível de atividade física, quedas.
  14. 14. Resultados/ DiscussõesPrincipais Características clínicas / Sinais e sintomas de delirium 1,2,3 e 6 Características clínicas/ Descrição Sinais e Sintomas Início Agudo, dentro de horas ou dias. Curso Flutuante, intervalos lúcidos presentes. Reversibilidade Possível. As características individuais e resistência de cada organismo e tratamento precoce são fortes fatores para a possível reversibilidade do quadro. Mortalidade/ Morbidades Aumento da taxa de mortalidade e morbidades em idosos, pela falta e/ou demora no diagnostico e tratamento. Institucionalização Aumento da taxa de institucionalização e maior tempo de hospitalização em decorrência das comorbidades e prejuízos funcionais e cognitivos.
  15. 15. Resultados/ DiscussõesPrincipais Características clínicas / Sinais e sintomas de delirium 1,2,3 e 6 Características clínicas/ Descrição Sinais e Sintomas Transtornos do sono Usualmente o paciente faz uma inversão no ciclo sono-vigília. Transtornos psicomotores Agitação psicomotora, hiperatividade, hipoatividade, prejuízo funcional. Nível de consciência Alterado, geralmente oscilação entre vigil e sonolência, lucidez e confusão mental, pensamentos delirantes e alucinações. Transtornos emocionais e afetivos Labilidade afetiva, flutuação humor. Cognição Prejuízo atenção e memória recente, desorientação, défcits de linguagem e aprendizado, pensamento desorganizado.
  16. 16. Conclusão• Problema comum entre população idosa 2.• Aumento da mortalidade e morbidade entre idosos 1.• Secundário a uma doença física 7.• Pode ser reversível 5.• Diagnóstico de delirium, sinaliza maior vulnerabilidade para demência 2.
  17. 17. Conclusão• Na maioria dos casos subdiagnósticado e/ou desapercebido 3.• Necessário treinamentos e capacitação de toda equipe de saúde para identificação e manejo desta doença 6.• Instaurar medidas preventivas para diminuir incidência deste quadro 8.• Falta de estudos nacionais sobre prevenção e manejo do delirium.
  18. 18. Bibliografia1. COSENTINO T. ; MARTINS P. ; FUMIS R. R. L. Delirium em pacientes com câncer: umdiagnostico que não pode ser esquecido. Revista Brasileira de Medicina, São Paulo,v.69, n.1 especial de oncologia, p. 25-27, Jan. 2012.2. WACKER P. ; NUNES P.N; FORLENZA O.V. Delirium e demência no idoso: existemfatores de risco em comuns?. Revista Psiquiatria clínica, São Paulo, v.32, n.3, p. 113-118,Abr. 2005 .3. PRADO L.K.P. et al. Delirium. Revista Brasileira de Medicina, São Paulo, v.65, p. 12,Jan.- Fev. 2008.4. ASSOCIAÇÃO PSIQUIÁTRICA AMERICANA (APA). Manual Diagnóstico e Estatístico deTranstornos Mentais. 4. ed. - Revista (DSM-IV-TR). Porto Alegre: Artmed, 20095. POVINELLI B. M. S. et al. Delirium no paciente idoso. Revista Moreira Jr, Taubaté – SP,v.65, n.1, p. 27-32, Jul. 2008.6. LÔBO R. R. et al. Delirium. Revista de Medicina de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, v.43,n.3, p. 249-257, Set. 2010.
  19. 19. Bibliografia7. GORZONI M.L; PIRES S.L. Idosos asilados em hospitais gerais. Revista Saúde Pública,São Paulo, v.40, n.6, p. 1124-1130, Dez. 2006.8. BARBOSA F.T. et al. Delirium no pós operatório em idosos. Revista Brasileira deAnestesiologia, Campinas, v.58, n.6, p. 665-670, Nov/Dez. 2008.9. GOUVÊA F. S; MASO J. S. Manejo do delirium em pacientes hospitalizados. RevistaMoreira Jr, São Paulo, v.68, n.6, p. 12-15, Ago. 2011.10. LENARDT M. H; MICHEL T. ; Tallmann A. E. C. A condição de saúde de idosas eminstituição de longa permanência. Revista Cogitare Enfermagem, Curitiba – PR, v.14, n.2,p. 227-236, Jun. 200911. ANGELO B.H.B; Silva D.I.B; Lima M.A.S. Avaliação das instituição de longapermanência para idosos do município de Olinda-PE. Revista Brasileira de Geriatria eGerontologia, Rio de Janeiro, v.14, n.4, p. 663-673, Out/Dez. 2011..
  20. 20. Obrigada!Daiane Aparecida dos Santos

×