Aspectos Gerais das Demências

429 visualizações

Publicada em

Aula de Dr. Hewdy Lobo Ribeiro, Médico Psicogeriatra, sobre os Aspectos das Demências

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
429
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aspectos Gerais das Demências

  1. 1. Aspectos Gerais das Demências Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense Coordenador UNIP: Saúde Mental para Equipes Multiprofissionais
  2. 2. Caso Clínico - I • A.C.F., 68 anos, casado, professor do ensino médio, aposentado há 3 anos e morando na zona rural há 2 anos. • Há mais ou menos um ano e meio vem tendo dificuldade progressiva para lembrar os nomes dos bichos, não consegue fazer as mesmas atividades de antes e perde seus objetos de cuidados das atividades domésticas. • Recusa ler jornais por dificuldade de lembrar.
  3. 3. Caso Clínico - I • Estas mudanças foram acontecendo aos poucos e quando a esposa relatava para os filhos eles não valorizavam porque não percebiam inicialmente • Passou ficar isolado e recusando ir em eventos familiares e deixou de vender leite por causa da dificuldade de cumprir horas com leiteiro e perdeu paciência com esta atividade e outras como curar animais machucados
  4. 4. Aspectos Gerais das Demências • Demência? • Doença de Alzheimer • Neurodegenerativa, progressiva e irreversível • Comprometimento cognitivo de todos domínios: memória, atenção, concentração, linguagem, resolução de problemas, independência e outros aspectos
  5. 5. Aspectos Gerais das Demências • Comprometimento funcional • Incapacitação progressiva para atividades da vida diária • Perda progressiva da independência dos autocuidados • Riscos com relação a sua segurança • Repercussões físicas com maior número de quedas
  6. 6. Aspectos Gerais das Demências • Alterações do comportamento • Agressividade imotivada • Interesse sexual inadequado • Relacionamento interpessoal impróprio • Tolerância alterada • Sono perturbado qualitativamente • Sono reduzido quantitativamente • Alteração do padrão alimentar
  7. 7. Aspectos Gerais das Demências • Fase pré-clínica – quarta década – início das alterações estruturais do cérebro • Sem sintomas reconhecidos • Quando ocorrem alterações estruturais e funcionais – iniciam os sintomas clínicos • Área cerebral – memória – Hipocampo • Diagnóstico de certeza – post mortem – cérebro com características específicas • Durante a vida – Hipótese de Demência
  8. 8. Aspectos Gerais das Demências • Possível sequência de sintomas da Doença de Alzheimer • Redução da capacidade de registrar informação • Dificuldade de resgate de informações de curto e depois de longo prazo • Capacidade de manter atenção e concentração vão sendo reduzidas • Afasia – dificuldade para denominação de objetos e compreender palavra falada
  9. 9. Aspectos Gerais das Demências • Apraxia – dificuldades para praticar atos motores simples e complexos • Exemplo: vestir, alimentar e evacuar • Agnosia – limitação para reconhecer rostos e objetos ou pessoas • Exemplos: • ‘’este não é meu filho!’’ (mesmo sendo) • ‘’cinzeiro? Nunca vi” – fumando no lugar errado
  10. 10. Aspectos Gerais das Demências • Outras limitações instrumentais: • Contagem e conferência de dinheiro – operações matemáticas ficam complexas • Direção segura – impossibilidade de ações simultâneas • Cozinhar – perda do planejamento do tempo entre ligar o gás e colocar fogo • Administrar – limitação da capacidade de associação de fatos, interpretação de dados e resolução de situações novas
  11. 11. Aspectos Gerais das Demências • Critérios Diagnósticos • Demência do Tipo Alzheimer • Doença de Alzheimer • Manual Diagnóstico e Estatístico • Associação Psiquiátrica Americana • 1994 • Sujeito a críticas • Usando com parcimônia
  12. 12. Aspectos Gerais das Demências • A – Desenvolvimento de déficits múltiplos que se manifestam por ambos: • 1 – comprometimento da memória (incapacidade para aprender informações novas e para lembrar-se de informações previamente aprendidas) • 2 – ao menos um dos seguintes transtornos: • * afasia *apraxia *agnosia *transtorno de funções executivas
  13. 13. Aspectos Gerais das Demências • B – Curso é caracterizado por início gradual e declínio cognitivo contínuo. • C – Os déficits cognitivos causam significativo comprometimento social e ocupacional e representam declínio significativo de nível de funcionamento anterior. • D – Os déficits cognitivos de A não se devem a nenhuma outra causa médica ou de uso de drogas.
  14. 14. Aspectos Gerais das Demências • E – Os déficits não ocorrem apenas em associação com Delirium. • F – Os déficits não podem ser explicados por outros transtornos.
  15. 15. Caso Clínico - I • Quais critérios para Demência de Alzheimer este avaliado apresenta? • Quais perguntas ainda precisam ser feitas neste processo de avaliação? • Onde ainda pairam dúvidas? • Como podemos melhorar este processo avaliativo? • Quais os complementos?
  16. 16. Raciocínio Clínico? • Há doença clínica? • Câncer, anemia, diabetes e ... • Uso de substâncias? • Álcool, medicamentos, ... • Condições reativas? • Esquecimento circunscrito • Folie a Deux? • Simulação?
  17. 17. Outra Doença Mental? • Depressão? • Perguntas: • Apresenta tristeza sem causa reconhecida? • Diminuição do interesse e prazer? • Redução do sono? • Redução do apetite? • Sentimento de baixa estima? • Dificuldades para solução de problemas?
  18. 18. Conclusões: • Primeiro – conhecimentos gerais sobre uma Síndrome – conjunto de sintomas • Segundo – conhecimento de critérios de uma Síndrome • Terceiro – raciocínio clínico completo e passo a passo para confirmar ou descartar a Síndrome • Discussão em Equipe • Conclusão da possível Síndrome • Intervenção Multidisciplinar em Equipe
  19. 19. Psicoeducação. Trinta Informações que Todos Profissionais de Saúde Mental Devem Orientar. • Trabalho em Equipe • Opiniões técnicas podem não ser consensuais • Discussões podem não ser conclusivas • Conclusões podem ser indefinidas • Tempo para decisão pode ser demorado • Necessidades podem ser adiadas – pedido de um exame • Informação para paciente e família PRECISA ser clara e sem contradições dos profissionais
  20. 20. Trinta Informações • 1 – avaliação na saúde mental pode não ser em único dia • 2 – hipótese inicial de uma doença mental pode ser revista e mudada com o tempo • 3 – novos dados e informações de terceiros e do paciente podem mudar impressões iniciais dos profissionais • 4 – transtornos mentais não apresentam causa única – multifatoriais
  21. 21. Trinta Informações • 5 – não conseguimos responder a proporção causal de cada um dos fatores: genética, família, ambiente, estresse e outros • 6 – transtornos mentais raramente são curados e quase todos podem ser tratados para reduzir e reverter sintomas ou melhorar a qualidade de vida • 7 – resposta ao tratamento não é imediata – para qualquer tratamento depende de tempo
  22. 22. Trinta Informações • 8 – tratamento depende de equipe com vários profissionais • 9 – os melhores resultados dependem da discussão entre profissionais da equipe • 10 – maioria dos transtornos mentais não prejudicam a capacidade cível, penal e laborativa • 11 – poucos portadores de transtornos mentais recebem benefício previdenciário
  23. 23. Trinta Informações • 12 – solicitem sempre os benefícios previdenciários que acharem legítimos • 13 – decisão do benefício previdenciário é do Perito e não dos relatórios da Equipe Técnica • 14 – melhores maneiras de evitar recaída de sintomas é aderir ao tratamento • 15 – mesmo aderido ao tratamento paciente pode piorar ao longo do tempo e até internar • 16 – internação é exceção
  24. 24. Trinta Informações • 17 – quem fala em suicídio tem risco aumentado e quem já tentou tem risco muito aumentado de efetivar • 18 – portadores de transtorno mental não tem risco de agressão maior em relação a população geral – exceto se usarem drogas • 19 – dependência química é doença e precisa de tratamento contínuo como maioria dos transtornos mentais • 20 – grupos de autoajuda são recomendados
  25. 25. Trinta Informações • 21 - medicamentos psiquiátricos geralmente não causam dependência Obs.: controlados por receituário azul – B – possuem potencial de causar dependência • 22 – medicações constituem parte do tratamento • 23 – sintomas físicos de portadores de transtornos mentais devem ser considerados sempre com valor real
  26. 26. Trinta Informações • 24 – medicamentos precisam ser usados mesmo na ausência de sintomas – chamado tratamento de manutenção • 25 - maioria das doenças mentais são tratadas a vida inteira e mesmo assim podem apresentar piora progressiva • 26 – cuidador e familiar deve buscar avaliação e estar receptivo para receber possível tratamento
  27. 27. Trinta Informações • 27 – Eletroconvulsoterapia ainda é tratamento realizado, sem sofrimento para o paciente e ocorre em centro cirúrgico sob anestesia • 28 – família geralmente não tem culpa exclusiva do adoecimento mental dos familiares por ser causado por múltiplos fatores • 29 – família precisa estar inclusa no tratamento sempre independente da aceitação do paciente • 30 – doença mental não escolhe classe social, idade ou qualquer outro fator
  28. 28. Caso - II • Como esclarecer em Psicoeducação? • A – Paciente portador de Depressão Moderada já diagnosticada e em início de tratamento no CAPS. • B – Mãe de adolescente portador de dependência de múltiplas drogas que evadiu- se da internação e está 3 dias sem contato. • C – Filho de paciente com Demência que fez contato sexual impróprio com neta menor.
  29. 29. Caso - II • D – Mãe de menor com Diagnóstico conclusivo de Retardo Mental Moderado. • E – Irmã cuidadora de mulher de 70 anos portadora de Transtorno Afetivo Bipolar com fase de mania com gastos excessivos. • F – Paciente portador de Crises de Pânico em início de tratamento na Unidade Básica de Saúde depois de ter descartado todas doenças clínicas.
  30. 30. Caso Clínico - III • C.F.C., 12 anos, levado para mãe para avaliação psicológica no CAPS Infantil na Cidade de São Paulo porque não consegue aprender na escola. • Terceira série e duas reprovações. • Há um ano falta muito na escola e não obedece as regras de casa. • Uso de álcool há um ano e uso de maconha com outras drogas há 6 meses
  31. 31. Caso Clínico - III • Mãe foi chamada para buscá-lo na delegacia porque foi abordado pela polícia após subtrair celular de transeunte • Avaliado o menor confirma uso de substâncias incluindo cocaína da qual sente importante vontade de usar quando não consegue a ponto de ter insônia e fugir de casa de madrugada para adquirir • Confirma envolvimento com atividades ilegais
  32. 32. Caso Clínico - III • Critérios para dependência química? • Que tipo de avaliações? • Quais discussões multiprofissionais? • A – Enfermagem? • B – Serviço Social? • C – Psicologia? • D – Médico? • E – Justiça? • Condutas?
  33. 33. Caso Clínico - IV • F.C.J., 32 anos, solteira, desempregada, terceira gestação – 30 semanas, primeiro aborto, segundo filho abrigado. • Pobre apoio familiar e rede de relacionamentos pobres. • Mora na rua e tem vínculos frágeis e transitórios com outros moradores de rua • Conduzida para Hospital Leonor porque estava perambulando pelas ruas gestante com drogas nas na mão
  34. 34. Caso Clínico - IV • Como é a Avaliação de Equipe Multiprofissional de Saúde Mental? • Que informações coletarão? • Enfermagem? • Psicologia? • Médico? • Serviço Social? • Discussões em Equipe? • Condutas em Equipe?
  35. 35. Muito Obrigado! lobo@vidamental.com.br

×