SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
OFICINA DE ROTEIRO
                                         Myrella Soares França
Publicitária / Cineclubista / Monitora e Oficineira Cine Mais Cultura – DF
1 - INT. QUARTO DE GARDÊNIA – NOITE         Charles continua escrevendo, rapidamente. Uma lágrima escorre no
                                                               rosto de Gardênia.
   GARDÊNIA abre uma gaveta de sua penteadeira. Gardênia
retira uma pilha de cartas em envelopes antigos, amarelados.   CORTA PARA

     Gardênia senta na beirada da cama. Lentamente, passa      3 – INT. QUARTO DE GARDÊNIA – NOITE
     envelope por envelope diante dos olhos. Ao segurar um
      envelope de papel pardo, Gardênia para subitamente.      Gardênia olha fixamente para o envelope. No envelope, lê-se: De
                  Gardênia olha fixamente para o envelope.     Charles. Hospital Psiquiátrico de São Pedro, Ala 1, quarto 52.

                                            CORTA PARA         Gardênia abre o envelope. Retira dali uma carta. Na carta, lê-se: 7 de
              2 - INT. SALA DE VISITAS DO HOSPITAL – DIA       abril de 2003, Querida Filha.

 CHARLES está sentado em uma mesa, escrevendo com um           Gardênia lê a carta concentrada.
                   toco de lápis sobre um papel pautado.
                                                               Gardênia se assusta com o ruído do rádio relógio, que, subitamente,
     Gardênia, mais jovem, está sentada à frente de Charles.   dispara tocando uma canção.

                                                GARDÊNIA       O rádio relógio mostra: 0:00h / 7 de abril de 2008.
                                O senhor não vai falar nada?
                                                  CHARLES      Uma lágrima escorre no rosto de Gardênia. A lágrima mancha o papel
                                      Eu estou escrevendo.     da carta.

                                                               FIM
Roteiro: Ferramenta e modo de escrever, texto claro e de fácil consulta
Para a equipe envolvida na filmagem.
Contém três unidades de ação dramática: tempo, espaço e ação.


Todo drama é conflito;
        Sem conflito não há         personagem;
           sem personagem não há ação;
                  sem ação não há        estória;
                        sem estória não há roteiro.
• Idéia central do
                                    Storyline           • Forma escrita
      espetáculo                                          narrativa;
                              •Apresentação;
      audiovisual.                                      • Diretriz
                              •Texto base para o
                              roteiro.
       Argumento                                               Roteiro



                          Um príncipe cujo pai, que era rei,
              Storyline   foi assassinado por seu tio com o fim de usurpar a coroa.
               Hamlet,    Este crime conduziu o jovem príncipe a uma crise existencial,
de Willian Shakespeare    que terminou numa onda de mortes, inclusive a sua própria.
Argumento                     Roteiro
Pelas ruas da Cidade de     EXT. RUAS DO CONJUNTO – DIA
Deus Cabeleira, Alicate e   Cabeleira, Alicate e Marreco correm, perseguidos de perto, por um
Marreco fogem da polícia.   POLICIAL que dá tiros para o alto. Eles riem. E também atiram para o alto.
Eles percorrem algumas      BUSCA-PÉ (Voz Oculta)
ruelas, trocam de roupa e
                            O Trio Ternura não tinha medo de ninguém. Nem da polícia... Eles achavam
correm até o campinho
                            que a Cidade de Deus era deles. Mas tinha um monte de bandido que
fingem jogar bola com
                            achava a mesma coisa. Naquele tempo, a Cidade de Deus ainda não tinha
os meninos.
                            dono.
                            Os bandidos se metem pelas ruelas do local.

                            MONTAGEM cria a sensação de labirinto: o Policial nunca sabe para onde
                            ir.
                            Os bandidos param um instante. Tiram as camisetas vermelhas, jogando-
                            as por trás do muro de uma casa. Todos agora estão de camiseta branca.
:: Conflito – não há ação dramática sem
conflito. Forças opositoras, de algum
modo, precisam existir.
:: Sonoridade – a força de uma narrativa
dramática está na sonoridade do texto
expressa nas falas, na locução, nos sons de
ambiente, etc.
:: Estética – as imagens precisam ser
criadas e visualizadas através de um
conceito estético que harmonize formas,
cores e movimentos, causando impacto
visual no público.
três partes essenciais que precisam estar bem desenvolvidas:
                             personagem, estrutura e enredo.

                                                      Parte 1
            seria esta a introdução do filme, delimitando os
      personagens e suas ações, aí vem o primeiro ponto de
                              virada, onde se passa para a ...
                                                      Parte 2
    desenvolvimento do filme, a confrontação, que se divide
                  (através do ponto central) em duas partes.
                                                      Parte 3
        por último se define o filme, o desfecho da história,
         lembrando sempre que este se trata de um roteiro
                   clássico, mas podem existir modificações.
Jornada do Herói
Prática:
1. Descreva seu herói: Quem é, qual a
   sua aparência, o que faz, onde mora,
   o faz nas horas vagas...
2. O obstáculo: qual a motivação que vai
   levar o seu herói a arriscar?
3. Solução: como o herói vai conseguir o
   seu intento. Atenção: comece sua
   sinopse por aqui.
4. Final: Lição de vida do filme.
D.I.C.A.S


1.   As ações definem uma personagem
2.   Ache lugares onde o silêncio funciona melhor do que as palavras.
3.   MOSTRE, NÃO CONTE
4.   Escreva e reescreva!
5.   Você tem que saber onde está levando sua história ou nunca chegará lá.
6.   “O que é verdade é verdade. O que é mentira é mentira. E o público não gosta de
     ser enganado”.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Oficina de roteiro

Especificidade do Texto Literário
Especificidade do Texto LiterárioEspecificidade do Texto Literário
Especificidade do Texto Literário
Joselaine
 
Oficina de jornalismo literário 2013
Oficina de jornalismo literário   2013Oficina de jornalismo literário   2013
Oficina de jornalismo literário 2013
aulasdejornalismo
 
Eu tenho medo de virginia woolf
Eu tenho medo de virginia woolfEu tenho medo de virginia woolf
Eu tenho medo de virginia woolf
Fabricio Rocha
 
Oficina de jornalismo literário 2014
Oficina de jornalismo literário   2014Oficina de jornalismo literário   2014
Oficina de jornalismo literário 2014
aulasdejornalismo
 
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
eveelang
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
Ana Castro
 
Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
guestd9a4ef3c
 
Projeto de Dissidente para Festivais e Circulação
Projeto de Dissidente para Festivais e CirculaçãoProjeto de Dissidente para Festivais e Circulação
Projeto de Dissidente para Festivais e Circulação
Gordo Neto
 

Semelhante a Oficina de roteiro (20)

Especificidade do Texto Literário
Especificidade do Texto LiterárioEspecificidade do Texto Literário
Especificidade do Texto Literário
 
Literaturaparaaescola 111120211206-phpapp01
Literaturaparaaescola 111120211206-phpapp01Literaturaparaaescola 111120211206-phpapp01
Literaturaparaaescola 111120211206-phpapp01
 
Oficina de jornalismo literário 2013
Oficina de jornalismo literário   2013Oficina de jornalismo literário   2013
Oficina de jornalismo literário 2013
 
Eu tenho medo de virginia woolf
Eu tenho medo de virginia woolfEu tenho medo de virginia woolf
Eu tenho medo de virginia woolf
 
Oficina de jornalismo literário 2014
Oficina de jornalismo literário   2014Oficina de jornalismo literário   2014
Oficina de jornalismo literário 2014
 
Teoria Subliminar Geral
Teoria Subliminar GeralTeoria Subliminar Geral
Teoria Subliminar Geral
 
Funções da linguagem para o vestibular
Funções da linguagem para o vestibularFunções da linguagem para o vestibular
Funções da linguagem para o vestibular
 
1
11
1
 
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Níveis de interpretação de um texto
Níveis de interpretação de um textoNíveis de interpretação de um texto
Níveis de interpretação de um texto
 
Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Ponto corrente
Ponto correntePonto corrente
Ponto corrente
 
1
11
1
 
A tribuna alma
A tribuna almaA tribuna alma
A tribuna alma
 
Prosa e verso
Prosa e versoProsa e verso
Prosa e verso
 
Projeto de Dissidente para Festivais e Circulação
Projeto de Dissidente para Festivais e CirculaçãoProjeto de Dissidente para Festivais e Circulação
Projeto de Dissidente para Festivais e Circulação
 

Mais de Viviane Calasans

Versos,sons e ritmos modernos
Versos,sons e ritmos modernosVersos,sons e ritmos modernos
Versos,sons e ritmos modernos
Viviane Calasans
 
Apresentação erros comuns
Apresentação erros comunsApresentação erros comuns
Apresentação erros comuns
Viviane Calasans
 
Livreto cdgongue a cor da cultura
Livreto cdgongue   a cor da culturaLivreto cdgongue   a cor da cultura
Livreto cdgongue a cor da cultura
Viviane Calasans
 
Caderno1 modos dever - a cor da cultura
Caderno1 modos dever - a cor da culturaCaderno1 modos dever - a cor da cultura
Caderno1 modos dever - a cor da cultura
Viviane Calasans
 
Mostra cultural de produção afrodescendente no Brasil
Mostra cultural de produção afrodescendente no BrasilMostra cultural de produção afrodescendente no Brasil
Mostra cultural de produção afrodescendente no Brasil
Viviane Calasans
 

Mais de Viviane Calasans (20)

DIA LETIVO TEMÁTICO - BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR
DIA LETIVO TEMÁTICO - BASE NACIONAL COMUM CURRICULARDIA LETIVO TEMÁTICO - BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR
DIA LETIVO TEMÁTICO - BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR
 
"ENCONTRO COM MILTON SANTOS: O MUNDO VISTO DO LADO DE CÁ"
"ENCONTRO COM MILTON SANTOS: O MUNDO VISTO DO LADO DE CÁ""ENCONTRO COM MILTON SANTOS: O MUNDO VISTO DO LADO DE CÁ"
"ENCONTRO COM MILTON SANTOS: O MUNDO VISTO DO LADO DE CÁ"
 
Relação dos professores atualizada 2015
Relação dos professores atualizada  2015Relação dos professores atualizada  2015
Relação dos professores atualizada 2015
 
@Apresentacao semestralidade ced 07 2015
@Apresentacao semestralidade ced 07 2015@Apresentacao semestralidade ced 07 2015
@Apresentacao semestralidade ced 07 2015
 
Relação dos professores - 2015
Relação dos professores - 2015Relação dos professores - 2015
Relação dos professores - 2015
 
Centro Educacional 07 de Taguatinga - horário 2015
Centro Educacional 07 de Taguatinga - horário 2015Centro Educacional 07 de Taguatinga - horário 2015
Centro Educacional 07 de Taguatinga - horário 2015
 
artno7 - REVISTA CULTURAL DE TAGUATINGA
artno7 - REVISTA CULTURAL DE TAGUATINGAartno7 - REVISTA CULTURAL DE TAGUATINGA
artno7 - REVISTA CULTURAL DE TAGUATINGA
 
Diretrizes de Avaliação Educacional 2014 2016
Diretrizes de Avaliação Educacional 2014 2016Diretrizes de Avaliação Educacional 2014 2016
Diretrizes de Avaliação Educacional 2014 2016
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
 
Gêneros literários
Gêneros literários   Gêneros literários
Gêneros literários
 
Versos,sons e ritmos modernos
Versos,sons e ritmos modernosVersos,sons e ritmos modernos
Versos,sons e ritmos modernos
 
Colocação pronominal
Colocação pronominalColocação pronominal
Colocação pronominal
 
Modos e tipos textuais
Modos e tipos textuaisModos e tipos textuais
Modos e tipos textuais
 
Acentuação gráfica
Acentuação gráficaAcentuação gráfica
Acentuação gráfica
 
Apresentação erros comuns
Apresentação erros comunsApresentação erros comuns
Apresentação erros comuns
 
Livreto cdgongue a cor da cultura
Livreto cdgongue   a cor da culturaLivreto cdgongue   a cor da cultura
Livreto cdgongue a cor da cultura
 
Caderno1 modos dever - a cor da cultura
Caderno1 modos dever - a cor da culturaCaderno1 modos dever - a cor da cultura
Caderno1 modos dever - a cor da cultura
 
Cinema
Cinema  Cinema
Cinema
 
Linguagem cinematografica
Linguagem cinematograficaLinguagem cinematografica
Linguagem cinematografica
 
Mostra cultural de produção afrodescendente no Brasil
Mostra cultural de produção afrodescendente no BrasilMostra cultural de produção afrodescendente no Brasil
Mostra cultural de produção afrodescendente no Brasil
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 

Oficina de roteiro

  • 1. OFICINA DE ROTEIRO Myrella Soares França Publicitária / Cineclubista / Monitora e Oficineira Cine Mais Cultura – DF
  • 2. 1 - INT. QUARTO DE GARDÊNIA – NOITE Charles continua escrevendo, rapidamente. Uma lágrima escorre no rosto de Gardênia. GARDÊNIA abre uma gaveta de sua penteadeira. Gardênia retira uma pilha de cartas em envelopes antigos, amarelados. CORTA PARA Gardênia senta na beirada da cama. Lentamente, passa 3 – INT. QUARTO DE GARDÊNIA – NOITE envelope por envelope diante dos olhos. Ao segurar um envelope de papel pardo, Gardênia para subitamente. Gardênia olha fixamente para o envelope. No envelope, lê-se: De Gardênia olha fixamente para o envelope. Charles. Hospital Psiquiátrico de São Pedro, Ala 1, quarto 52. CORTA PARA Gardênia abre o envelope. Retira dali uma carta. Na carta, lê-se: 7 de 2 - INT. SALA DE VISITAS DO HOSPITAL – DIA abril de 2003, Querida Filha. CHARLES está sentado em uma mesa, escrevendo com um Gardênia lê a carta concentrada. toco de lápis sobre um papel pautado. Gardênia se assusta com o ruído do rádio relógio, que, subitamente, Gardênia, mais jovem, está sentada à frente de Charles. dispara tocando uma canção. GARDÊNIA O rádio relógio mostra: 0:00h / 7 de abril de 2008. O senhor não vai falar nada? CHARLES Uma lágrima escorre no rosto de Gardênia. A lágrima mancha o papel Eu estou escrevendo. da carta. FIM
  • 3. Roteiro: Ferramenta e modo de escrever, texto claro e de fácil consulta Para a equipe envolvida na filmagem. Contém três unidades de ação dramática: tempo, espaço e ação. Todo drama é conflito; Sem conflito não há personagem; sem personagem não há ação; sem ação não há estória; sem estória não há roteiro.
  • 4. • Idéia central do Storyline • Forma escrita espetáculo narrativa; •Apresentação; audiovisual. • Diretriz •Texto base para o roteiro. Argumento Roteiro Um príncipe cujo pai, que era rei, Storyline foi assassinado por seu tio com o fim de usurpar a coroa. Hamlet, Este crime conduziu o jovem príncipe a uma crise existencial, de Willian Shakespeare que terminou numa onda de mortes, inclusive a sua própria.
  • 5. Argumento Roteiro Pelas ruas da Cidade de EXT. RUAS DO CONJUNTO – DIA Deus Cabeleira, Alicate e Cabeleira, Alicate e Marreco correm, perseguidos de perto, por um Marreco fogem da polícia. POLICIAL que dá tiros para o alto. Eles riem. E também atiram para o alto. Eles percorrem algumas BUSCA-PÉ (Voz Oculta) ruelas, trocam de roupa e O Trio Ternura não tinha medo de ninguém. Nem da polícia... Eles achavam correm até o campinho que a Cidade de Deus era deles. Mas tinha um monte de bandido que fingem jogar bola com achava a mesma coisa. Naquele tempo, a Cidade de Deus ainda não tinha os meninos. dono. Os bandidos se metem pelas ruelas do local. MONTAGEM cria a sensação de labirinto: o Policial nunca sabe para onde ir. Os bandidos param um instante. Tiram as camisetas vermelhas, jogando- as por trás do muro de uma casa. Todos agora estão de camiseta branca.
  • 6. :: Conflito – não há ação dramática sem conflito. Forças opositoras, de algum modo, precisam existir. :: Sonoridade – a força de uma narrativa dramática está na sonoridade do texto expressa nas falas, na locução, nos sons de ambiente, etc. :: Estética – as imagens precisam ser criadas e visualizadas através de um conceito estético que harmonize formas, cores e movimentos, causando impacto visual no público.
  • 7. três partes essenciais que precisam estar bem desenvolvidas: personagem, estrutura e enredo. Parte 1 seria esta a introdução do filme, delimitando os personagens e suas ações, aí vem o primeiro ponto de virada, onde se passa para a ... Parte 2 desenvolvimento do filme, a confrontação, que se divide (através do ponto central) em duas partes. Parte 3 por último se define o filme, o desfecho da história, lembrando sempre que este se trata de um roteiro clássico, mas podem existir modificações.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 12.
  • 13. Prática: 1. Descreva seu herói: Quem é, qual a sua aparência, o que faz, onde mora, o faz nas horas vagas... 2. O obstáculo: qual a motivação que vai levar o seu herói a arriscar? 3. Solução: como o herói vai conseguir o seu intento. Atenção: comece sua sinopse por aqui. 4. Final: Lição de vida do filme.
  • 14. D.I.C.A.S 1. As ações definem uma personagem 2. Ache lugares onde o silêncio funciona melhor do que as palavras. 3. MOSTRE, NÃO CONTE 4. Escreva e reescreva! 5. Você tem que saber onde está levando sua história ou nunca chegará lá. 6. “O que é verdade é verdade. O que é mentira é mentira. E o público não gosta de ser enganado”.