Alexandre o grande

1.883 visualizações

Publicada em

História da Macedônia - Da Guerra da Bósnia às Conquistas de Alexandre, o Grande

1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Prezados, fiquem atentos, pois os slides 45-46, é uma provocação, para ser analisado criticamente, pois a autora Karen Amstrong minimiza a chegada de Alexandre na Índia, o que destoa bastante do evento em si. Coloquei o seguinte fragmento só para gerar uma discussão em torno do olhar enviesado da autora, que, inclusive, é uma opinião corrente nos estudos superficiais do tema.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.883
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alexandre o grande

  1. 1. Os BalcãsOs Balcãs
  2. 2. Os BalcãsOs Balcãs
  3. 3. Esfacelamento daEsfacelamento da Iugoslávia (2003)Iugoslávia (2003) Mapa de 2008
  4. 4. A Guerra da Bósnia (1992-1995)A Guerra da Bósnia (1992-1995) Bósnia- Hezergovina Ex-oficiais do exército Iugoslavo (sérvios locais – 31%) contra bósnios e croatas – limpeza étnica; Estupros, Fuzilamentos de civis
  5. 5. Desmembramento da AntigaDesmembramento da Antiga Iugoslávia (início da década deIugoslávia (início da década de 1990)1990)
  6. 6. Criação da IugosláviaCriação da Iugoslávia - Surgiu com a união de três povos em 1919: - Eslovenos, - Croatas - Sérvios - O país é batizado de Iugoslávia em 1929 - Durante a II GM expulsa os alemães do território e torna-se socialista.
  7. 7. Colapso do Império Austro-Colapso do Império Austro- Húngaro (fim da I GM)Húngaro (fim da I GM)
  8. 8. Morte do Arquiduque FranciscoMorte do Arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do trono daFernando, herdeiro do trono da Aústria-HungriaAústria-Hungria 1863-1914 Assassinado em Sarajevo, 28/jun/1914
  9. 9. Esse espaço é visto porEsse espaço é visto por alguns historiadoresalguns historiadores como um barril decomo um barril de pólvorapólvora  O que nos leva a perguntar os reaisO que nos leva a perguntar os reais motivos:motivos:  Que espaço é esse?Que espaço é esse?  Quais são suas etnias?Quais são suas etnias?  Por que levantar essas questões numaPor que levantar essas questões numa aula de História Antiga?aula de História Antiga?
  10. 10. O Bumerangue doO Bumerangue do passadopassado
  11. 11. Decifra-me ou devoro-Decifra-me ou devoro- tete
  12. 12. O Reino da MacedôniaO Reino da Macedônia Filipe II (383-336 a.c.) Pai de Alexandre Transformou a Macedônia na principal potência grega
  13. 13. O Filho Alexandre (356-323O Filho Alexandre (356-323 a.c.)a.c.) Filho de Felipe II E Olímpia de Épiro - Nasce em Pella (Macedônia) – 20/jul/356
  14. 14. “Filho, esse reino é muito pequeno para a sua ambição” (Felipe II)
  15. 15. Alexandre, discípuloAlexandre, discípulo de Aristótelesde Aristóteles
  16. 16. Alexandre, discípuloAlexandre, discípulo de Aristótelesde Aristóteles
  17. 17. Ideias e estudosIdeias e estudos aristotélicosaristotélicos  Moral,Moral,  Oratória,Oratória,  Filosofia,Filosofia,  Geografia,Geografia,  Medicina,Medicina,  Zoologia,Zoologia,  Física,Física,  Política,Política,  Artes,Artes,  Música,Música,  Poesia épicaPoesia épica
  18. 18. O homem e seu tempoO homem e seu tempo
  19. 19. O homem e seu tempoO homem e seu tempo
  20. 20. O homem e seu tempoO homem e seu tempo
  21. 21. Aos 18 lidera umAos 18 lidera um exércitoexército “Vence o medo e verás que venceu a morte” (Alexandre, o Grande) Comandante das tropas macedônicas, - Batalha de Queronéia, subjuga os gregos
  22. 22. Assume o trono em 336 a.c.Assume o trono em 336 a.c.  Em 338 a.c. o pai conquista a Grécia,Em 338 a.c. o pai conquista a Grécia,  Em Queronéia, o pai morre e o filho,Em Queronéia, o pai morre e o filho, nomeado Alexandre III assume o reinonomeado Alexandre III assume o reino da Macedônia.da Macedônia.  Avança ao Oriente rumo aos persas.Avança ao Oriente rumo aos persas. “Meu pai me deu este corpo que é efêmero; mas o meu mestre me deu uma vida que é imortal” (Alexandre, o Grande)
  23. 23. O Império PersaO Império Persa “O senhor da Ásia (imperador Persa) reina do sul da Rússia (atual) até o Mar Vermelho, também do sopé do Himalaia chinês até o Egito na África” CapitalCapital BabilôniaBabilônia Fortaleza deFortaleza de SuzanSuzan Dario IIIDario III
  24. 24. Aos PersasAos Persas  333 a.c. vence os Persas na Batalha de333 a.c. vence os Persas na Batalha de IssoIsso Mosaico do Museu Nacional de Nápoles
  25. 25. Forças Macedônia x PersasForças Macedônia x Persas  Alexandre o GrandeAlexandre o Grande  MacedôniaMacedônia  70 mil70 mil  Baixas: 7 milBaixas: 7 mil  Dario IIIDario III  PérsiaPérsia  Entre 25 e 108 milEntre 25 e 108 mil  Baixas: 20 milBaixas: 20 mil Local: Isso, Ásia Menor, Resultado: vitória definitiva da Macedônia
  26. 26. IMPÉRIO ALEXANDRINO
  27. 27. Próxima AulaPróxima Aula  Estratégia do exército de Alexandre;Estratégia do exército de Alexandre;  Batalha de Isso (Dario III – morte)Batalha de Isso (Dario III – morte)  A questão do Helenismo;A questão do Helenismo;  A busca de equilíbrio;A busca de equilíbrio;  A fusão dos valores orientais eA fusão dos valores orientais e ocidentais.ocidentais.  O confronto com a Índia (a contraculturaO confronto com a Índia (a contracultura dos anos 1960)dos anos 1960)
  28. 28. Alexandre: preparaçãoAlexandre: preparação para a batalha (333para a batalha (333 a.c.)a.c.)  Repouso em IssoRepouso em Isso  consulta osconsulta os companheiros (Parmênio).companheiros (Parmênio).  Enquanto Dario se movimentava,Enquanto Dario se movimentava, marcha de Tarso para Miriandro.marcha de Tarso para Miriandro.  Averigua posição da tropa de Dario IIIAverigua posição da tropa de Dario III (trirreme grego).(trirreme grego).
  29. 29. Estratégia de Dario IIIEstratégia de Dario III  A espera emA espera em Sochoi;Sochoi;  Instala-se numaInstala-se numa planície, cruza aplanície, cruza a Serra de Amano,Serra de Amano, atinge a costa ematinge a costa em Isso.Isso.  Esperava que aEsperava que a tropa detropa de AlexandreAlexandre estivesse emestivesse em Tarso.Tarso.  Ocupa a margemOcupa a margem direita do riodireita do rio Payas.Payas.
  30. 30. TriankontorosTriankontoros Usado por Alexandre para averiguar a posição das tropas de Dario III – via rio Pínaro (Payas)
  31. 31. Ajustes finais deAjustes finais de AlexandreAlexandre  Análise do campo de batalha:Análise do campo de batalha: Verifica o Pilar de Jonas (seisVerifica o Pilar de Jonas (seis quilômetros)quilômetros)  Refeição noturna e descanso dosRefeição noturna e descanso dos soldados.soldados.  Sentinelas no despenhadeiro.Sentinelas no despenhadeiro.  Sacrifício às divindades do mar (Tetis,Sacrifício às divindades do mar (Tetis, Posêidon, Nereu e Nereidas)Posêidon, Nereu e Nereidas)
  32. 32. Descida do exércitoDescida do exército em direção ao terrenoem direção ao terreno baixobaixo Alexandre e Parmênio dava ordens. 5.300 cavaleiros 26.000 infantaria (gregos, tessalianos, trácios, cretenses, peônios, macedônicos, agriães,balcânicos)
  33. 33. Linha perfeita “Passo aLinha perfeita “Passo a passo”passo”  300 cavaleiros para300 cavaleiros para entreter os Persas.entreter os Persas.  Linha de 4 kmLinha de 4 km (cavalga para a(cavalga para a formação).formação).  Assume a posição daAssume a posição da guarda real daguarda real da infantaria e ordena oinfantaria e ordena o avanço.avanço.  O exército persa eraO exército persa era mais numeroso, masmais numeroso, mas a linha de frentea linha de frente formada porformada por Alexandre era maiorAlexandre era maior do que a do exércitodo que a do exército de Dario.de Dario.
  34. 34. O confrontoO confronto  Avanço da ala direita.Avanço da ala direita.  Ataque aos Cardaces eAtaque aos Cardaces e travessia do rio.travessia do rio.  Fulmina a ala direitaFulmina a ala direita dos Cardaces edos Cardaces e mercenários gregosmercenários gregos (provoca a fuga de(provoca a fuga de Dario).Dario). Fonte: Academia Militar dos EUA Terreno mais alto
  35. 35. A Fuga de DarioA Fuga de Dario  Deixa para trás mãe, esposaDeixa para trás mãe, esposa e filhos (supunha-o morto).e filhos (supunha-o morto).  Explicação de Alexandre “aExplicação de Alexandre “a guerra não fora por inimizadeguerra não fora por inimizade a Dario, mas fora conduzidaa Dario, mas fora conduzida pelo governo da Ásia”.pelo governo da Ásia”. Fonte: “Relato de Ptolomeu e Aristóbulo”, seg. Arriano.
  36. 36. Tentativas deTentativas de negociaçãonegociação  Dario oferece “amizade e aliança”.Dario oferece “amizade e aliança”.  Alexandre recorre à História:Alexandre recorre à História:  Acusa a Pérsia de agressão no passado “contra aAcusa a Pérsia de agressão no passado “contra a Macedônia e o resto da Grécia”: invasão da Trácia porMacedônia e o resto da Grécia”: invasão da Trácia por Artaxerxes;Artaxerxes;  Organizar assassinato de Felipe II;Organizar assassinato de Felipe II;  Incitar os “gregos” a invadir a Macedônia;Incitar os “gregos” a invadir a Macedônia;  Acusa Dario de ser responsável pelo assassinato deAcusa Dario de ser responsável pelo assassinato de seu predecessor (Arses), de se apropriar do tronoseu predecessor (Arses), de se apropriar do trono indevidamente em desacordo com as leis persas.indevidamente em desacordo com as leis persas. Fonte: Plutarco, vidas paralelas, Alexandre e César.
  37. 37. Alexandre paraAlexandre para DarioDario "Agora sou eu quem possui a terra, já que os"Agora sou eu quem possui a terra, já que os deuses a deram a mim; e cuido de seusdeuses a deram a mim; e cuido de seus soldados que se juntaram a mim porsoldados que se juntaram a mim por vontade própria. Venha, portanto, a mim,vontade própria. Venha, portanto, a mim, pois sou o senhor de toda a Ásia… vocêpois sou o senhor de toda a Ásia… você terá sua família e qualquer coisa que vocêterá sua família e qualquer coisa que você possa me persuadir a lhe dar, como rei dapossa me persuadir a lhe dar, como rei da Ásia que sou.” (emite moeda na Ásia com aÁsia que sou.” (emite moeda na Ásia com a face de Héracles e Zeus – helenismo)face de Héracles e Zeus – helenismo)
  38. 38. Alexandre MagnoAlexandre Magno Casamento com Roxana
  39. 39. Casamento com Statira,Casamento com Statira, filha de Dario IIIfilha de Dario III
  40. 40. A conquista da ÍndiaA conquista da Índia “Alexandre pouca impressão causou ao povo indiano. Conquistou apenas algumas pequenas tribos e sua invasão nem sequer foi mencionada por alguns dos primeiros historiadores indianos. A sua proeza não foi a conquista da Índia, mas o facto de ali ter estado realmente; os dois anos em que esteve na Índia tiveram mais de expedição geográfica do que campanha militar. Alexandre parecia ser a encarnação do ethos grego. Fora criado com os mitos homéricos, inspirado pelos ideais de Atenas e educado por Aristóteles. A Grécia não participava tão plenamente na visão religiosa da Era Axial como as outras regiões. Alguns dos seus mais admiráveis feitos «axiais» haviam sido militares. [...]
  41. 41. A aventura de dois anos de Alexandre na Índia foi mais um desses momentos: um exército grego atingira aquilo que se considerava o fim da Terra. Tinham-se atirado contra as estremas com tanta coragem quanto os iogues haviam lutado para romperem os limites da psique humana. Enquanto os místicos haviam conquistado espaço interior, Alexandre explorara os recantos mais longínquos do mundo físico. Como muitos sábios da Era Axial, estava constantemente a «esforçar-se por mais». Queria avançar pelo interior da Índia mas adentro que os reis persas e atingir o oceano que, segundo julgava, circundava a Terra. Era o tipo de «iluminação» que sempre atrairia os exploradores ocidentais, mas muito diferente do nirvana ou moksha, caracterizados pelo apagamento do eu, da ahimsa e da compaixão que os místicos indianos procuravam.  Karen Armstrong, Grandes Tradições Religiosas, Temas e Debates, 2009, pp.346-347
  42. 42. Alexandre e a ÍndiaAlexandre e a Índia Fonte: History Chanel, Hydaspes Battle - https ://www.youtube.com/watch?v=3-3lZlpMQrQ – Invasão da Índia
  43. 43. A Índia – experiênciaA Índia – experiência de alteridadede alteridade
  44. 44. ÍndiaÍndia Quando da chegada de Alexandre, a índia era composta por 16 reinos regionais que lutavam entre si. Ao lado, o mapa atual indiano (1992).
  45. 45. Rio Hydaspes (Jhelum)Rio Hydaspes (Jhelum)
  46. 46. Local: atualLocal: atual Paquistão / Índia (326.Paquistão / Índia (326. a.c.)a.c.)  A Índia era desconhecida da Grécia.A Índia era desconhecida da Grécia.  Alexandre acreditava poder alcançar oAlexandre acreditava poder alcançar o outro lado do oceano.outro lado do oceano.
  47. 47. BaixasBaixas MacedôniosMacedônios PauravaPaurava (reino indiano)(reino indiano) Alexandre MagnoAlexandre Magno PorosPoros 34 mil infantaria – 7 mil34 mil infantaria – 7 mil cavaleiroscavaleiros 20 – 50 mil infantes; 2-420 – 50 mil infantes; 2-4 mil cavaleiros; 200mil cavaleiros; 200 elefantes de guerraelefantes de guerra 80-700 infantes mortos;80-700 infantes mortos; 230 – 280 cavaleiros230 – 280 cavaleiros mortosmortos 12 mil mortos e 9 mil12 mil mortos e 9 mil capturados; 23 milcapturados; 23 mil mortos, incluindomortos, incluindo elefanteselefantes
  48. 48. Batalha do HydaspesBatalha do Hydaspes  Apoio de Taxiles (inimigo de Poros).Apoio de Taxiles (inimigo de Poros).  Os elefantes (uma novidade).Os elefantes (uma novidade).  Desembarca 27 km rio acima.Desembarca 27 km rio acima.  Ao saber da travessia, Poro envia seuAo saber da travessia, Poro envia seu filho no comando de 120 carros e 2 milfilho no comando de 120 carros e 2 mil cavaleiros.cavaleiros.
  49. 49. O ataqueO ataque Alexandre ataca em alas (pelos lados), Poros esperava um ataque frontal. Direciona a batalha para o seu lado direito, ataque dos arqueiros. Afasta a cavalaria indiana da linha de infantaria Fonte: History Department (Acadamia Militar Norte-americana)
  50. 50. Cavalaria macedônica ataca por trás da linha de Poros. Enquanto isso, Crátero atravessava o rio e juntava-se à tropa de Alexandre.
  51. 51. A rendição de PorosA rendição de Poros  Quase dois terço da tropa indiana é dizimada.Quase dois terço da tropa indiana é dizimada.  Alexandre solicita o fim da inimizade entre Poros eAlexandre solicita o fim da inimizade entre Poros e Taxiles.Taxiles.  Permite a Poros reinar como rei vassalo.Permite a Poros reinar como rei vassalo.  Alexandre diz pertencer à Índia a sua riqueza.Alexandre diz pertencer à Índia a sua riqueza.  Diz querer buscar a rota para o Oceano.Diz querer buscar a rota para o Oceano.  Descansa o exército por um mês.Descansa o exército por um mês.  Funda Bucéfala, em homenagem ao cavalo queFunda Bucéfala, em homenagem ao cavalo que morrera de velhice após a batalha.morrera de velhice após a batalha.  Alexandre conquistou a Índia em menos de seteAlexandre conquistou a Índia em menos de sete meses, mas a cultura grega não consegue penetrar nameses, mas a cultura grega não consegue penetrar na cultura indiana.cultura indiana.
  52. 52. Desejo de AlexandreDesejo de Alexandre  Os últimos desejos de Alexandre, à beiraOs últimos desejos de Alexandre, à beira da morte (médicos, tesouros e mãosda morte (médicos, tesouros e mãos vazias)vazias)
  53. 53. Conta-se que quando estava à beira da morte, Alexandre, o GrandeConta-se que quando estava à beira da morte, Alexandre, o Grande convocou os seus generais e relatou seus 3 últimos desejos:convocou os seus generais e relatou seus 3 últimos desejos: 1-) Que seu caixão fosse transportado pelas mãos dos médicos da1-) Que seu caixão fosse transportado pelas mãos dos médicos da época;época; 2-) Que fosse espalhado no caminho até seu túmulo os seus tesouros2-) Que fosse espalhado no caminho até seu túmulo os seus tesouros conquistados (prata, ouro, pedras preciosas);conquistados (prata, ouro, pedras preciosas); 3-) Que suas duas mãos fossem deixadas balançando no ar, fora do3-) Que suas duas mãos fossem deixadas balançando no ar, fora do caixão: à vista de todos.caixão: à vista de todos. Um dos seus generais, admirado com esses desejos incomuns,Um dos seus generais, admirado com esses desejos incomuns, perguntou a Alexandre quais as razões para tal desejo. Alexandreperguntou a Alexandre quais as razões para tal desejo. Alexandre explicou:explicou: 1-) Quero que os mais iminentes médicos carreguem meu caixão para1-) Quero que os mais iminentes médicos carreguem meu caixão para mostrar que eles NÃO têm poder de cura perante a morte;mostrar que eles NÃO têm poder de cura perante a morte; 2-) Quero que o chão seja coberto pelos meus tesouros para que as2-) Quero que o chão seja coberto pelos meus tesouros para que as pessoas possam ver que os bens materiais aqui conquistados, aquipessoas possam ver que os bens materiais aqui conquistados, aqui permanecem;permanecem; 3-) Quero que minhas mãos balancem ao vento para que as pessoas3-) Quero que minhas mãos balancem ao vento para que as pessoas possam ver que de mãos vazias viemos e de mãos vaziaspossam ver que de mãos vazias viemos e de mãos vazias partimos.partimos.

×