Platão1

312 visualizações

Publicada em

Platão

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
312
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
134
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Platão1

  1. 1. Platão
  2. 2. Sócrates Platão
  3. 3. O QUE RESTOU DE SÓCRATES? -Conhecer a si mesmo ALMA – manancial das ideias -A ética como a disciplina mais importante a ser estudada -O desapego das coisas materiais QUAIS FORAM AS INOVAÇÕES? -Uso de mitos para melhor exemplificarem os pensamentos -Passou a ESCREVER seus pensamentos em forma de DIÁLOGOS
  4. 4. ALMA: manancial das ideias Ideias morais Ideias intelectuais PENSARAGIR “uma pessoa faz o mal simplesmente por IGNORÂNCIA, nada mais.”
  5. 5. Sócrates Platão A alma é o manancial das ideias! Tá bom. Mas de onde vem essas ideias?
  6. 6. A realidade suprassensível
  7. 7. PRIMEIRA NAVEGAÇÃO PRÉ-SOCRÁTICOS: Entender as coisas partindo da natureza (mundo físico): Água, fogo, ar, etc. A PRÓPRIA NATUREZA FORNECIA EXPLICAÇÕES SUFICIENTES PARA TODOS OS FENÔMENOS. SEGUNDA NAVEGAÇÃO PLATÃO Entender as coisas partindo da RAZÃO (mundo inteligível): Problemas matemáticos, questões políticas, etc. POR TRÁS DO MUNDO VISÍVEL (NATUREZA), EXISTE UM OUTRO MUNDO NECESSÁRIO DE SE INVESTIGAR.
  8. 8. CORPO TEMPORALIDADE ALMA (RAZÃO) ETERNIDADE
  9. 9. CORPO ALMA Realidade sensível TEMPORALIDADE Realidade suprassensível ETERNIDADE
  10. 10. Platão
  11. 11. Realidade suprassensível (Mundo das ideias) Realidade sensível CÓPIA MODELO
  12. 12. CÓPIA MODELO
  13. 13. CÓPIA MODELO BONDADE BELEZA
  14. 14. CÓPIA MODELO BONDADE BELEZA KALOKAGATHON
  15. 15. Sócrates Platão Tá bom. Mas como surgiu , então, o mundo sensível? Hum. Deixa eu pensar...
  16. 16. Quem é o intermediador das duas realidades? O Demiurgo (greg. – trabalhador de todos) Ele ‘plasma’ o universo, como um artesão, tendo como modelo o mundo das ideias. Não é uma pessoa, mas sim, uma mente que coordena as demais mentes. E, não obstante, criou o mundo sensível.
  17. 17. Realidade suprassensível (Mundo das ideias) Realidade sensível CÓPIA MODELO DEMIURGO
  18. 18. DEMIURGO
  19. 19. Anamnese Recordação p. 16
  20. 20. Sócrates: Mas se não é por ter adquirido na vida atuaL, não é evidente, a partir daí, que em outros tempos as possuía e as tinha aprendido? Mênon: É evidente. Sócrates: E não é evidente que esse tempo é quando ele não era um ser humano?
  21. 21. IGNORÂNCIA OPINIÃO CIÊNCIA MUNDO SENSÍVEL MUNDO DAS IDEIAS
  22. 22. BONDADE BELEZA VERDADE
  23. 23. MUNDO DAS IDEIAS (pensamento) DEMIURGO MUNDO SENSÍVEL (sentidos) cria ALMA [= psyché] OPINIÃO Relembrar... CORPO[= cárcere] + CRENÇA CIÊNCIA/FILOSOFIA Belo Bom Verdadeiro
  24. 24. PAIDÉIA ARETÉ/CONHECIMENTO PÓLIS (POLÍTICA) ESTADO IDEAL
  25. 25. “proferir a verdade e devolver o que se tomou de alguém” “fazer bem aos amigos, e mal aos inimigos” “fazer valer o interesse do mais forte”
  26. 26. “Toda ciência deve ser produzida para servir quem está em posição inferior, como é o exemplo da medicina, que serve o doente e não o médico. Assim, a política deve servir os governados e não os governantes.”
  27. 27. RACIONAL IRASCÍVEL APETITIVA
  28. 28. RACIONAL IRASCÍVEL APETITIVA FILOSOFIA MÚSICA/LIT. GINÁSTICA SABEDORIA CORAGEM TEMPERANÇA JUSTIÇA
  29. 29. GOVERNANTE RACIONAL, IRASCÍVEL E APETITIVA
  30. 30. “Ora, se a cidade é perfeita, terá de possuir as quatro virtudes, sabedoria (sophia), coragem (andreia), temperança (sophrosyne) e justiça (dikaiosyne). Definidas as três primeiras, atingir-se-á a quarta por exclusão de partes. Se a primeira se encontra nos guardiões, a segunda nos guerreiros e a terceira na harmonia geral de todas as classes, a justiça será que cada um exerça uma só função na sociedade, aquela para qual por natureza for mais dotado”. Platão
  31. 31. Filme Alexandre
  32. 32. “Chegamos, afinal, através de inúmeros obstáculos penosamente superados, a estabelecer que existem, na cidade e na alma do indivíduo, princípios correspondentes e iguais em número. [...] E que a cidade seja corajosa pelo mesmo princípio e do mesmo modo que o indivíduo? [...] Enfim, que tudo o que diz respeito à virtude se encontre igualmente numa e noutro? [...] Então, amigo, afirmaremos que a justiça tem no indivíduo o mesmo caráter que na cidade.” Platão

×