SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
CPC 27
Ativo Imobilizado
OBJETIVO
O objetivo do CPC 27 é estabelecer o tratamento contábil para
ativos imobilizados, de forma que os usuários das
demonstrações contábeis possam discernir a informação
sobre o investimento da entidade em seus ativos imobilizados,
bem como suas mutações.
OBJETIVO
Principais pontos a serem considerados na contabilização são:
O reconhecimento dos Ativos;
A determinação dos seus valores contábeis;
Os valores de depreciação e
Perdas por desvalorização a serem reconhecidas em relação aos
mesmos.
O QUE É ATIVO IMOBILIZADO?
Ativo imobilizado é o item tangível que:
(a)é mantido para uso na produção ou fornecimento de
mercadorias ou serviços, para aluguel a outros, ou para fins
administrativos; e
(b) se espera utilizar por mais de um período.
Alguns ativos podem ser adquiridos por questões de
segurança ou de natureza ambiental, nesses casos, embora
não diretamente vinculados à geração de fluxo de caixa para a
entidade, contribuem para sua continuidade.
O QUE É ATIVO IMOBILIZADO?
O custo de um item de ativo imobilizado deve ser reconhecido
como ativo se:
For provável que futuros benefícios econômicos
associados ao item fluirão para a entidade (exceto para itens
de natureza ambiental);
O custo do item puder ser mensurado confiavelmente.
RECONHECIMENTO
As demonstrações contábeis devem divulgar, para cada classe de ativo imobilizado:
Os critérios de mensuração utilizados para determinar o valor contábil bruto;
Os métodos de depreciação utilizados;
As vidas úteis ou as taxas de depreciação utilizadas;
O valor contábil bruto e a depreciação acumulada (mais as perdas por redução ao valor
recuperável acumuladas) no início e no final do período; e
A conciliação do valor contábil no início e no final do período demonstrando.
PRINCIPAIS ITENS A SEREM DIVULGADOS
Todos os ativos permanentes imobilizados que
atendam aos critérios de reconhecimento
devem ser mensurados por seu valor de custo.
CUSTOS INICIAIS
O custo de um item do ativo imobilizado compreende:
Seu preço de aquisição, acrescido de impostos de importação e impostos não
recuperáveis sobre a compra, depois de deduzidos os descontos comerciais e
abatimentos;
Quaisquer custos diretamente atribuíveis para colocar o ativo no local e
condição necessárias para o mesmo ser capaz de funcionar da forma
pretendida pela administração;
A estimativa inicial dos custos de desmontagem e remoção do item e de
restauração do local (sítio) no qual este está localizado.
ELEMENTOS DO CUSTO
Exemplos:
Custos de preparação do local;
Custos de frete e de manuseio (para recebimento e instalação);
Custos de instalação e montagem;
Honorários profissionais.
CUSTOS DIRETAMENTE
ATRIBUÍVEIS
Exemplos:
Custos de abertura de nova instalação;
Custos incorridos na introdução de novo produto ou serviço (incluindo
propaganda e atividades promocionais);
Custos da transferência das atividades para novo local ou para nova
categoria de clientes (incluindo custos de treinamento); e
Custos administrativos e outros custos indiretos.
NÃO SÃO CUSTOS DE UM ITEM
DO ATIVO IMOBILIZADO
A entidade não reconhece no valor contábil de
um item do ativo imobilizado os custos da
manutenção periódica do item.
Esses custos são reconhecidos no resultado,
quando ocorridos.
CUSTOS SUBSEQUENTES
O custo de um item de ativo imobilizado é equivalente ao
preço à vista na data do reconhecimento. Se o prazo de
pagamento excede os prazos normais de crédito, a diferença
entre o preço equivalente à vista e o total dos pagamentos
deve ser reconhecida como despesa com juros durante o
período.
MENSURAÇÃO DO CUSTO
Quando a opção pelo método de reavaliação for
permitida por lei, a entidade deve optar pelo método
de custo ou pelo método de reavaliação como sua
política contábil e deve aplicar essa política a uma
classe inteira de ativos imobilizados.
MENSURAÇÃO APÓS O
RECONHECIMENTO
Método do custo
Custo menos qualquer depreciação e perda por redução ao valor recuperável
acumuladas.
Método da reavaliação
Valor justo à data da reavaliação menos qualquer depreciação e perda por
redução ao valor recuperável acumuladas subsequentes. A reavaliação deve
ser realizada com suficiente regularidade para assegurar que o valor contábil
do ativo não apresente divergência relevante em relação ao seu valor justo na
data do balanço.
MENSURAÇÃO APÓS O
RECONHECIMENTO
A frequência das reavaliações, se permitidas por lei, depende das mudanças dos
valores justos do ativo imobilizado que está sendo reavaliado. Quando o valor
justo de um ativo reavaliado difere materialmente do seu valor contábil, exige-se
nova reavaliação.
*Se o método de reavaliação for permitido por lei e um item do ativo imobilizado
for reavaliado, toda a classe do ativo imobilizado à qual pertence esse ativo deve
ser reavaliado.
MENSURAÇÃO APÓS O
RECONHECIMENTO
Cada componente de um item do ativo imobilizado com custo
significativo em relação ao custo total do item deve ser depreciado
separadamente.
Exemplo:
Pode ser adequado depreciar separadamente a
estrutura e os motores de aeronave.
DEPRECIAÇÃO
Conforme a entidade deprecia separadamente alguns componentes de
um item do ativo imobilizado, também deprecia separadamente o
remanescente do item. Esse remanescente consiste em componentes de
um item que não são individualmente significativos.
A depreciação do período deve ser normalmente reconhecida no
resultado. No entanto, por vezes os benefícios econômicos futuros
incorporados no ativo são absorvidos para a produção de outros ativos.
Nesses casos, a depreciação faz parte do custo de outro ativo, devendo
ser incluída no seu valor contábil.
DEPRECIAÇÃO
Exemplo de quando não reconhecer a depreciação no resultado:
DEPRECIAÇÃO
A depreciação de máquinas e equipamentos de
produção é incluída nos custos de produção do
estoque, conforme orientação do CPC 16 (estoques).
O valor depreciável de um ativo deve ser apropriado de
forma sistemática ao longo da sua vida útil estimada.
O valor residual e a vida útil de um ativo são revisados
pelo menos ao final de cada exercício e, se as expectativas
diferirem das estimativas anteriores, a mudança deve ser
contabilizada como mudança de estimativa contábil.
VALOR DEPRECIÁVEL E PERÍODO
DE DEPRECIAÇÃO
A vida útil de um ativo é definida em termos
da utilidade esperada do ativo para a
entidade. A estimativa da vida útil do ativo é
uma questão de julgamento baseado na
experiência da entidade com ativos
semelhantes.
VALOR DEPRECIÁVEL E PERÍODO
DE DEPRECIAÇÃO
Terrenos e edifícios são ativos separáveis e são
contabilizados separadamente, mesmo quando sejam
adquiridos conjuntamente. Com algumas exceções, como as
pedreiras e os locais usados como aterro, os terrenos têm
vida útil ilimitada e, portanto, não são depreciados. Os
edifícios têm vida útil limitada e, por isso, são ativos
depreciáveis. O aumento de valor de um terreno no qual um
edifício esteja construído não afeta o valor contábil do
edifício.
VALOR DEPRECIÁVEL E PERÍODO
DE DEPRECIAÇÃO
O método de depreciação aplicado a um ativo deve ser revisado pelo
menos ao final de cada exercício e, se houver alteração significativa no
padrão de consumo previsto, o método de depreciação deve ser alterado
para refletir essa mudança.
Exemplo:
Método de unidades produzidas: despesa baseada no uso ou
produção esperados.
MÉTODO DE DEPRECIAÇÃO
O valor contábil de um item do ativo imobilizado deve ser
baixado:
(a) por ocasião de sua alienação; ou
(b) quando não há expectativa de benefícios econômicos
futuros com a sua utilização ou alienação.
BAIXA
Alienação
Existem várias formas de alienação de um item do ativo imobilizado, por exemplo:
venda, arrendamento mercantil financeiro ou doação.
FONTE:
CPC 27
Victor Claudio
Contato:
victorclaudio88@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Contabilidade i plano de contas
Contabilidade i   plano de contasContabilidade i   plano de contas
Contabilidade i plano de contasgeral contabil
 
Aula Direito Tributário
Aula Direito TributárioAula Direito Tributário
Aula Direito TributárioGrupo VAHALI
 
Aula 1 - Contabilidade Societária
Aula 1 - Contabilidade Societária Aula 1 - Contabilidade Societária
Aula 1 - Contabilidade Societária Souza Neto
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeiocustos contabil
 
Exercicios contabilidade principios e convencoes
Exercicios contabilidade  principios e convencoesExercicios contabilidade  principios e convencoes
Exercicios contabilidade principios e convencoescapitulocontabil
 
Resumo contabilidade tributaria (1)
Resumo contabilidade tributaria (1)Resumo contabilidade tributaria (1)
Resumo contabilidade tributaria (1)Pamela1209
 
Contabilidade básica resumão
Contabilidade básica resumãoContabilidade básica resumão
Contabilidade básica resumãocontacontabil
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do ExercícioWandick Rocha de Aquino
 
Normas Internacionais de Contabilidade
Normas Internacionais de ContabilidadeNormas Internacionais de Contabilidade
Normas Internacionais de ContabilidadeSilvia Colodel
 
Cap 06 apuracao.de.resultado.e.regime.de.contabilidade
Cap 06 apuracao.de.resultado.e.regime.de.contabilidadeCap 06 apuracao.de.resultado.e.regime.de.contabilidade
Cap 06 apuracao.de.resultado.e.regime.de.contabilidadecapitulocontabil
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucroDaniel Moura
 
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações ContábeisMoore Stephens Brasil
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à ContabilidadeAna Paula Bevilacqua
 
Sección 22 pasivos y patrimonio
Sección 22 pasivos y patrimonioSección 22 pasivos y patrimonio
Sección 22 pasivos y patrimonioJhonalex14
 

Mais procurados (20)

Contabilidade i plano de contas
Contabilidade i   plano de contasContabilidade i   plano de contas
Contabilidade i plano de contas
 
Dmpl aula extra
Dmpl aula extraDmpl aula extra
Dmpl aula extra
 
Aula Direito Tributário
Aula Direito TributárioAula Direito Tributário
Aula Direito Tributário
 
Aula 1 - Contabilidade Societária
Aula 1 - Contabilidade Societária Aula 1 - Contabilidade Societária
Aula 1 - Contabilidade Societária
 
Custos metodos de custeio
Custos metodos de custeioCustos metodos de custeio
Custos metodos de custeio
 
Direito tributario 22
Direito tributario 22Direito tributario 22
Direito tributario 22
 
Nic 16
Nic 16Nic 16
Nic 16
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
 
Contabilidade internacional
Contabilidade internacionalContabilidade internacional
Contabilidade internacional
 
Exercicios contabilidade principios e convencoes
Exercicios contabilidade  principios e convencoesExercicios contabilidade  principios e convencoes
Exercicios contabilidade principios e convencoes
 
Resumo contabilidade tributaria (1)
Resumo contabilidade tributaria (1)Resumo contabilidade tributaria (1)
Resumo contabilidade tributaria (1)
 
Contabilidade básica resumão
Contabilidade básica resumãoContabilidade básica resumão
Contabilidade básica resumão
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
 
Normas Internacionais de Contabilidade
Normas Internacionais de ContabilidadeNormas Internacionais de Contabilidade
Normas Internacionais de Contabilidade
 
Cap 06 apuracao.de.resultado.e.regime.de.contabilidade
Cap 06 apuracao.de.resultado.e.regime.de.contabilidadeCap 06 apuracao.de.resultado.e.regime.de.contabilidade
Cap 06 apuracao.de.resultado.e.regime.de.contabilidade
 
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
Capitulo 4   análise de custo  volume _lucroCapitulo 4   análise de custo  volume _lucro
Capitulo 4 análise de custo volume _lucro
 
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
15 - CPC 26 - Apresentação das Demonstrações Contábeis
 
1 o per_o
1 o per_o1 o per_o
1 o per_o
 
Slides Introdução à Contabilidade
Slides  Introdução à ContabilidadeSlides  Introdução à Contabilidade
Slides Introdução à Contabilidade
 
Sección 22 pasivos y patrimonio
Sección 22 pasivos y patrimonioSección 22 pasivos y patrimonio
Sección 22 pasivos y patrimonio
 

Semelhante a CPC 27 Ativos Imobilizados

SPED - EFD ICMS/IPI - Bloco G - CIAP - Estudo sobre a Baixa Parcial do Ativo ...
SPED - EFD ICMS/IPI - Bloco G - CIAP - Estudo sobre a Baixa Parcial do Ativo ...SPED - EFD ICMS/IPI - Bloco G - CIAP - Estudo sobre a Baixa Parcial do Ativo ...
SPED - EFD ICMS/IPI - Bloco G - CIAP - Estudo sobre a Baixa Parcial do Ativo ...Jose Adriano Pinto
 
Relatórios e pareceres_parte 03
Relatórios e pareceres_parte 03Relatórios e pareceres_parte 03
Relatórios e pareceres_parte 03Claudio Parra
 
Tratamento contabilistico do activo imobilizado
Tratamento contabilistico do activo imobilizadoTratamento contabilistico do activo imobilizado
Tratamento contabilistico do activo imobilizadoUniversidade Pedagogica
 
CPC 01 Teste+de+Recuperabilidade.pdf
CPC 01 Teste+de+Recuperabilidade.pdfCPC 01 Teste+de+Recuperabilidade.pdf
CPC 01 Teste+de+Recuperabilidade.pdfPauloRicardo20137
 
Aula de Teoria da contabilidade - Ativo e sua mensuração
Aula de Teoria da contabilidade - Ativo e sua mensuraçãoAula de Teoria da contabilidade - Ativo e sua mensuração
Aula de Teoria da contabilidade - Ativo e sua mensuraçãoLaylaOlivatti
 
Tire suas dúvidas dos termos de Avaliação (A-Z)
Tire suas dúvidas dos termos de Avaliação (A-Z)Tire suas dúvidas dos termos de Avaliação (A-Z)
Tire suas dúvidas dos termos de Avaliação (A-Z)Apsis Consultoria
 
ATIVO NÃO CIRCULANTE.pptx
ATIVO NÃO CIRCULANTE.pptxATIVO NÃO CIRCULANTE.pptx
ATIVO NÃO CIRCULANTE.pptxssuser09e999
 
MCASP Esquematizado - Parte II
MCASP Esquematizado - Parte IIMCASP Esquematizado - Parte II
MCASP Esquematizado - Parte IIgpossati
 
21 Pdfsam Sumario
21 Pdfsam Sumario21 Pdfsam Sumario
21 Pdfsam Sumarioguest81fa1f
 
Contabilidade i exercicio 12 gastos
Contabilidade i   exercicio 12 gastosContabilidade i   exercicio 12 gastos
Contabilidade i exercicio 12 gastosapostilacontabil
 
Ativo intangível
Ativo intangívelAtivo intangível
Ativo intangívelavieiracpa
 

Semelhante a CPC 27 Ativos Imobilizados (20)

316 cpc 27
316 cpc 27316 cpc 27
316 cpc 27
 
Ativo imobilizado tudo sobre cpc 27
Ativo imobilizado tudo sobre cpc 27Ativo imobilizado tudo sobre cpc 27
Ativo imobilizado tudo sobre cpc 27
 
SPED - EFD ICMS/IPI - Bloco G - CIAP - Estudo sobre a Baixa Parcial do Ativo ...
SPED - EFD ICMS/IPI - Bloco G - CIAP - Estudo sobre a Baixa Parcial do Ativo ...SPED - EFD ICMS/IPI - Bloco G - CIAP - Estudo sobre a Baixa Parcial do Ativo ...
SPED - EFD ICMS/IPI - Bloco G - CIAP - Estudo sobre a Baixa Parcial do Ativo ...
 
Relatórios e pareceres_parte 03
Relatórios e pareceres_parte 03Relatórios e pareceres_parte 03
Relatórios e pareceres_parte 03
 
Tratamento contabilistico do activo imobilizado
Tratamento contabilistico do activo imobilizadoTratamento contabilistico do activo imobilizado
Tratamento contabilistico do activo imobilizado
 
CPC 01 Teste+de+Recuperabilidade.pdf
CPC 01 Teste+de+Recuperabilidade.pdfCPC 01 Teste+de+Recuperabilidade.pdf
CPC 01 Teste+de+Recuperabilidade.pdf
 
Aula de Teoria da contabilidade - Ativo e sua mensuração
Aula de Teoria da contabilidade - Ativo e sua mensuraçãoAula de Teoria da contabilidade - Ativo e sua mensuração
Aula de Teoria da contabilidade - Ativo e sua mensuração
 
Contabilidade comercial
Contabilidade comercialContabilidade comercial
Contabilidade comercial
 
Aula_2_Imobilizado.ppt
Aula_2_Imobilizado.pptAula_2_Imobilizado.ppt
Aula_2_Imobilizado.ppt
 
Auxiliar administrativo
Auxiliar administrativoAuxiliar administrativo
Auxiliar administrativo
 
Tire suas dúvidas dos termos de Avaliação (A-Z)
Tire suas dúvidas dos termos de Avaliação (A-Z)Tire suas dúvidas dos termos de Avaliação (A-Z)
Tire suas dúvidas dos termos de Avaliação (A-Z)
 
ATIVO NÃO CIRCULANTE.pptx
ATIVO NÃO CIRCULANTE.pptxATIVO NÃO CIRCULANTE.pptx
ATIVO NÃO CIRCULANTE.pptx
 
MCASP Esquematizado - Parte II
MCASP Esquematizado - Parte IIMCASP Esquematizado - Parte II
MCASP Esquematizado - Parte II
 
Mcasp esquematizado parte_ii
Mcasp esquematizado parte_iiMcasp esquematizado parte_ii
Mcasp esquematizado parte_ii
 
Mcasp esquematizado parte_ii
Mcasp esquematizado parte_iiMcasp esquematizado parte_ii
Mcasp esquematizado parte_ii
 
Balanco patrimonial
Balanco patrimonialBalanco patrimonial
Balanco patrimonial
 
21 Pdfsam Sumario
21 Pdfsam Sumario21 Pdfsam Sumario
21 Pdfsam Sumario
 
Apostila depreciacao
Apostila  depreciacaoApostila  depreciacao
Apostila depreciacao
 
Contabilidade i exercicio 12 gastos
Contabilidade i   exercicio 12 gastosContabilidade i   exercicio 12 gastos
Contabilidade i exercicio 12 gastos
 
Ativo intangível
Ativo intangívelAtivo intangível
Ativo intangível
 

Último

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 

Último (20)

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 

CPC 27 Ativos Imobilizados

  • 2. OBJETIVO O objetivo do CPC 27 é estabelecer o tratamento contábil para ativos imobilizados, de forma que os usuários das demonstrações contábeis possam discernir a informação sobre o investimento da entidade em seus ativos imobilizados, bem como suas mutações.
  • 3. OBJETIVO Principais pontos a serem considerados na contabilização são: O reconhecimento dos Ativos; A determinação dos seus valores contábeis; Os valores de depreciação e Perdas por desvalorização a serem reconhecidas em relação aos mesmos.
  • 4. O QUE É ATIVO IMOBILIZADO? Ativo imobilizado é o item tangível que: (a)é mantido para uso na produção ou fornecimento de mercadorias ou serviços, para aluguel a outros, ou para fins administrativos; e (b) se espera utilizar por mais de um período.
  • 5. Alguns ativos podem ser adquiridos por questões de segurança ou de natureza ambiental, nesses casos, embora não diretamente vinculados à geração de fluxo de caixa para a entidade, contribuem para sua continuidade. O QUE É ATIVO IMOBILIZADO?
  • 6. O custo de um item de ativo imobilizado deve ser reconhecido como ativo se: For provável que futuros benefícios econômicos associados ao item fluirão para a entidade (exceto para itens de natureza ambiental); O custo do item puder ser mensurado confiavelmente. RECONHECIMENTO
  • 7. As demonstrações contábeis devem divulgar, para cada classe de ativo imobilizado: Os critérios de mensuração utilizados para determinar o valor contábil bruto; Os métodos de depreciação utilizados; As vidas úteis ou as taxas de depreciação utilizadas; O valor contábil bruto e a depreciação acumulada (mais as perdas por redução ao valor recuperável acumuladas) no início e no final do período; e A conciliação do valor contábil no início e no final do período demonstrando. PRINCIPAIS ITENS A SEREM DIVULGADOS
  • 8. Todos os ativos permanentes imobilizados que atendam aos critérios de reconhecimento devem ser mensurados por seu valor de custo. CUSTOS INICIAIS
  • 9. O custo de um item do ativo imobilizado compreende: Seu preço de aquisição, acrescido de impostos de importação e impostos não recuperáveis sobre a compra, depois de deduzidos os descontos comerciais e abatimentos; Quaisquer custos diretamente atribuíveis para colocar o ativo no local e condição necessárias para o mesmo ser capaz de funcionar da forma pretendida pela administração; A estimativa inicial dos custos de desmontagem e remoção do item e de restauração do local (sítio) no qual este está localizado. ELEMENTOS DO CUSTO
  • 10. Exemplos: Custos de preparação do local; Custos de frete e de manuseio (para recebimento e instalação); Custos de instalação e montagem; Honorários profissionais. CUSTOS DIRETAMENTE ATRIBUÍVEIS
  • 11. Exemplos: Custos de abertura de nova instalação; Custos incorridos na introdução de novo produto ou serviço (incluindo propaganda e atividades promocionais); Custos da transferência das atividades para novo local ou para nova categoria de clientes (incluindo custos de treinamento); e Custos administrativos e outros custos indiretos. NÃO SÃO CUSTOS DE UM ITEM DO ATIVO IMOBILIZADO
  • 12. A entidade não reconhece no valor contábil de um item do ativo imobilizado os custos da manutenção periódica do item. Esses custos são reconhecidos no resultado, quando ocorridos. CUSTOS SUBSEQUENTES
  • 13. O custo de um item de ativo imobilizado é equivalente ao preço à vista na data do reconhecimento. Se o prazo de pagamento excede os prazos normais de crédito, a diferença entre o preço equivalente à vista e o total dos pagamentos deve ser reconhecida como despesa com juros durante o período. MENSURAÇÃO DO CUSTO
  • 14. Quando a opção pelo método de reavaliação for permitida por lei, a entidade deve optar pelo método de custo ou pelo método de reavaliação como sua política contábil e deve aplicar essa política a uma classe inteira de ativos imobilizados. MENSURAÇÃO APÓS O RECONHECIMENTO
  • 15. Método do custo Custo menos qualquer depreciação e perda por redução ao valor recuperável acumuladas. Método da reavaliação Valor justo à data da reavaliação menos qualquer depreciação e perda por redução ao valor recuperável acumuladas subsequentes. A reavaliação deve ser realizada com suficiente regularidade para assegurar que o valor contábil do ativo não apresente divergência relevante em relação ao seu valor justo na data do balanço. MENSURAÇÃO APÓS O RECONHECIMENTO
  • 16. A frequência das reavaliações, se permitidas por lei, depende das mudanças dos valores justos do ativo imobilizado que está sendo reavaliado. Quando o valor justo de um ativo reavaliado difere materialmente do seu valor contábil, exige-se nova reavaliação. *Se o método de reavaliação for permitido por lei e um item do ativo imobilizado for reavaliado, toda a classe do ativo imobilizado à qual pertence esse ativo deve ser reavaliado. MENSURAÇÃO APÓS O RECONHECIMENTO
  • 17. Cada componente de um item do ativo imobilizado com custo significativo em relação ao custo total do item deve ser depreciado separadamente. Exemplo: Pode ser adequado depreciar separadamente a estrutura e os motores de aeronave. DEPRECIAÇÃO
  • 18. Conforme a entidade deprecia separadamente alguns componentes de um item do ativo imobilizado, também deprecia separadamente o remanescente do item. Esse remanescente consiste em componentes de um item que não são individualmente significativos. A depreciação do período deve ser normalmente reconhecida no resultado. No entanto, por vezes os benefícios econômicos futuros incorporados no ativo são absorvidos para a produção de outros ativos. Nesses casos, a depreciação faz parte do custo de outro ativo, devendo ser incluída no seu valor contábil. DEPRECIAÇÃO
  • 19. Exemplo de quando não reconhecer a depreciação no resultado: DEPRECIAÇÃO A depreciação de máquinas e equipamentos de produção é incluída nos custos de produção do estoque, conforme orientação do CPC 16 (estoques).
  • 20. O valor depreciável de um ativo deve ser apropriado de forma sistemática ao longo da sua vida útil estimada. O valor residual e a vida útil de um ativo são revisados pelo menos ao final de cada exercício e, se as expectativas diferirem das estimativas anteriores, a mudança deve ser contabilizada como mudança de estimativa contábil. VALOR DEPRECIÁVEL E PERÍODO DE DEPRECIAÇÃO
  • 21. A vida útil de um ativo é definida em termos da utilidade esperada do ativo para a entidade. A estimativa da vida útil do ativo é uma questão de julgamento baseado na experiência da entidade com ativos semelhantes. VALOR DEPRECIÁVEL E PERÍODO DE DEPRECIAÇÃO
  • 22. Terrenos e edifícios são ativos separáveis e são contabilizados separadamente, mesmo quando sejam adquiridos conjuntamente. Com algumas exceções, como as pedreiras e os locais usados como aterro, os terrenos têm vida útil ilimitada e, portanto, não são depreciados. Os edifícios têm vida útil limitada e, por isso, são ativos depreciáveis. O aumento de valor de um terreno no qual um edifício esteja construído não afeta o valor contábil do edifício. VALOR DEPRECIÁVEL E PERÍODO DE DEPRECIAÇÃO
  • 23. O método de depreciação aplicado a um ativo deve ser revisado pelo menos ao final de cada exercício e, se houver alteração significativa no padrão de consumo previsto, o método de depreciação deve ser alterado para refletir essa mudança. Exemplo: Método de unidades produzidas: despesa baseada no uso ou produção esperados. MÉTODO DE DEPRECIAÇÃO
  • 24. O valor contábil de um item do ativo imobilizado deve ser baixado: (a) por ocasião de sua alienação; ou (b) quando não há expectativa de benefícios econômicos futuros com a sua utilização ou alienação. BAIXA Alienação Existem várias formas de alienação de um item do ativo imobilizado, por exemplo: venda, arrendamento mercantil financeiro ou doação.