SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Ativos Biológicos e
Produtos Agrícolas
O que são Ativos Biológicos?
Ativos Biológicos são, de acordo
com a definição do CPC 29:
Animais ou plantas vivos.
Desde o plantio ou nascimento
até o ponto de abate ou colheita.
E os produtos agrícolas?
A partir do abate ou colheita dos
ativos, o produto passa a ser
classificado como agrícola e assim
é considerado até que seja
beneficiado ou transformado.
ATIVO BIOLÓGICO
PRODUTO
AGRÍCOLA
PRODUTOS RESULTANTES DO
PROCESSAMENTO APÓS A COLHEITA
Carneiros Lã Fio, Tapete
Árvores de uma plantação Madeira Madeira serrada, celulose
Plantas
Algodão Fio de algodão, roupa
Cana Colhida Açúcar, Álcool
Café Café limpo em grão, moído, torrado
Gado de leite Leite Queijo
Porcos Carcaça Salsicha, presunto
Arbustos Folhas Chá, tabaco
Videiras Uva Vinho
Árvores Frutíferas Fruta colhida Fruta processada
Fonte: CPC 29
A importância do ativo biológico
As empresas do agronegócio representam um setor impar na
economia brasileira.
Importante contribuição para o PIB* nacional.
*PIB = SOMA, em valores monetários, de todos os bens e
serviços finais produzidos numa determinada região,
durante um período determinado.
 Em 2013 o PIB agrícola atingiu R$
1,02 trilhão e chegou a 23% do PIB
brasileiro (CNA, 2013).
 Com cerca de R$ 1,1 trilhão, o
Produto Interno Bruto (PIB) do
agronegócio em 2014 representa
entre 22,0% e 23,0% do PIB total da
economia brasileira (AGE/Mapa).
A importância do ativo biológico
23%
77%
PIB AGRICOLA
PIB OUTRAS ÁREAS
Empresas que atuam no ramo de
ativos biológicos
“Transformaçã
o de Terras”
Frigorifico
Frigorifico
Papel
Papel
Cana-de-açúcar,
algodão, soja, milho,
etc.
Madeira
(móveis)
Papel
Quando os Ativos Biológicos e Produtos Agrícolas
Podem ser Reconhecidos no Balanço?
O CPC 29 determina que um ativo biológico deve ser reconhecido somente
quando:
1) A entidade controlar o ativo como resultado de eventos passados;
2) For provável que benefícios econômicos futuros associados ao ativo
fluirão para a entidade; e
3) O valor justo ou custo do ativo puder ser mensurado de forma
confiável.
Como Mensurar os Ativos Biológicos
e Produtos Agrícolas?
Com a publicação do CPC 29, esses ativos passaram a
ser mensurados pelo valor justo (Fair Value) deduzido
das despesas de venda.
O que é valor justo?
De forma didática, pode-se definir valor justo como:
O valor pelo qual a empresa conseguiria vender o ativo
no mercado hoje.
Algumas premissas na definição do valor justo:
É um valor de mercado: não é específico da empresa
Transação em condições normais: não é uma transação
forçada
Níveis de mensuração do valor Justo
Nível 1 – Caso exista um mercado ativo, o preço cotado
nesse mercado é a base apropriada para determinar o
valor justo desse ativo.
O que é um mercado ativo?
Exemplos:
Cotação da arrouba do boi;
Cotação da saca do café;
Cotação da soja.
Nível 2 – Quando não for atendido o nível 1, deve ser
utilizado um ou mais dos seguintes itens:
a) O preço de transação de mercado mais recente; e
b) Os preços de mercado para ativos similares com
ajustes para refletir as diferenças;
Níveis de mensuração do valor Justo
E quando a empresa não conseguir
mensurar o Valor Justo de forma Confiável?
A regra geral é a utilização do valor justo.
Porém, se esse valor não pode ser mensurado de forma
confiável, a empresa pode utilizar o custo histórico
menos qualquer exaustão e perdas acumuladas de
impairment.
Nível 3 – Quando os níveis 1 e 2 não forem atendidos:
Utiliza-se técnicas de avaliação. Geralmente, utiliza-se a técnica de fluxos de caixa
descontado.
Exemplo:
Metodologia dos fluxos de caixa descontados para mensuração do eucalipto
1º Passo: Como o período de maturação são 7 anos, realiza-se as projeções de
entradas e saídas de caixa para esse período:
2º Passo: Como os fluxos de caixa estão a valor futuro, deve-se trazer as entradas e
saídas de caixa a valor presente utilizando uma taxa de desconto que reflita o
risco do ativo (da operação).
3º Passo: O valor presente das entradas de caixa menos o valor presente das
saídas de caixa representam o valor justo do ativo para aquela data.
Níveis de mensuração do valor Justo
Adoção do Valor Justo para os Ativos
Biológicos
Estrutura conceitual CPC 00 (R1)
INFORMAÇÃO ÚTIL = Relevante + Representação Fidedigna
Enquanto a mensuração a valor justo busca ampliar a relevância da informação, a sua
subjetividade pode reduzir a confiabilidade (representação fidedigna)
Relevância
Representação
Fidedigna
Trade-off
Notas Explicativas
As Notas Explicativas são informações complementares às
demonstrações e visam fornecer informações necessárias para
esclarecimento da situação patrimonial, de determinada conta, saldo
ou transação, ou para menção de fatos que podem alterar futuramente
a situação patrimonial da empresa.
Estas informações são úteis não somente aos gestores, como também
aos sócios na tomada de decisão e ao fisco que ao se deparar com
variações patrimoniais poderá recorrer a estas.
Notas Explicativas
Podemos afirmar que desde a implantação do IFRS
(International Financial Reporting Standards - normas
internacionais de contabilidade), não existem mais
Demonstrações Contábeis que não devam ser
complementadas por Notas Explicativas, que passam a
ser de elaboração obrigatória para todas as entidades,
independente de porte, atividade ou forma de tributação.
Quais informações ela deve
apresentar?
A base de preparação de
demonstrações;
Informações exigidas
porém não apresentadas
em outra parte da
demonstração;
Critérios de avaliação dos
elementos patrimoniais;
Investimentos em outras
sociedades;
Aumento no valor do
ativo em virtude de novas
avaliações;
Informações de
obrigações a longo
prazo;
Capital social em
espécie e em ações;
Quais informações ela deve
apresentar?
Ajustes de exercícios
anteriores;
Eventos que possam
ter efeito sobre os
resultados;
Conclusão
E se tratando de ativos biológicos, a entidade deve julgar e
determinar quais divulgações são relevantes e indispensáveis
para a transparência das informações. Concluímos que as notas
explicativas, apesar de não serem consideradas uma
demonstração contábil, são a melhor forma de dar a
transparência necessária e divulgar a informação contábil com
fundamental importância no conjunto da obra, pelo fato de trazer
a luz uma interpretação das informações contidas nas
demonstrações contábeis, além de informações adicionais que
nem sempre estão explicitamente visíveis aos usuários externos
da contabilidade.
Bibliografia
COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 29. Disponível em: . Acesso em:
12/04/2015.
CONTÁBEIS, O PORTAL DA PROFISSÃO CONTÁBIL. A importância das notas explicativas
nas demonstrações contábeis. Disponível em:< http://www.contabeis.com.br/artigos/498/a-
importancia-das-notas-explicativas-nasdemonstracoes-contabeis/>. Acesso em: 12/04/2015.
SCHERER, Luciano Márcio; MUNHOZ, Tayrine Rodrigues; ROTH, Thaís Caetano. Fatores
explicativos da divulgação de ativos biológicos e produtos agrícolas em empresas de capital
aberto e fechado. Congresso Rio de Janeiro: VIII AnpCont, 2014. Apresentação em Congresso.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Política salarial
Política salarialPolítica salarial
Política salarialgamatte
 
Plano Orçamentario - Vendas e Produção
Plano Orçamentario - Vendas e ProduçãoPlano Orçamentario - Vendas e Produção
Plano Orçamentario - Vendas e ProduçãoAlexandre Pereira
 
Gestão das organizações - Resumos
Gestão das organizações - ResumosGestão das organizações - Resumos
Gestão das organizações - ResumosCristiana Marques
 
Aula 06 custos de produção
Aula 06   custos de produçãoAula 06   custos de produção
Aula 06 custos de produçãopetecoslides
 
Aula 4-analise-vertical-e-horizontal
Aula 4-analise-vertical-e-horizontalAula 4-analise-vertical-e-horizontal
Aula 4-analise-vertical-e-horizontalReginaldo Santana
 
Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operaçõesdouglas
 
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoCálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoEliseu Fortolan
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosDiego Lopes
 
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia   aula 7 - a macroeconomia keynesianaEconomia   aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesianaFelipe Leo
 
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)Jenny Fortes
 
Cap18 - Questões Resolvidas
Cap18 - Questões Resolvidas Cap18 - Questões Resolvidas
Cap18 - Questões Resolvidas Dágina Cristina
 

Mais procurados (20)

Política salarial
Política salarialPolítica salarial
Política salarial
 
DRE
DREDRE
DRE
 
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãOAula 01 FormaçãO De PreçOs  IntroduçãO
Aula 01 FormaçãO De PreçOs IntroduçãO
 
Plano Orçamentario - Vendas e Produção
Plano Orçamentario - Vendas e ProduçãoPlano Orçamentario - Vendas e Produção
Plano Orçamentario - Vendas e Produção
 
Gestão das organizações - Resumos
Gestão das organizações - ResumosGestão das organizações - Resumos
Gestão das organizações - Resumos
 
Aula 4 produção e custos
Aula 4   produção e custosAula 4   produção e custos
Aula 4 produção e custos
 
Aula 06 custos de produção
Aula 06   custos de produçãoAula 06   custos de produção
Aula 06 custos de produção
 
Cpc 27
Cpc 27Cpc 27
Cpc 27
 
Métodos de formação de preços
Métodos de formação de preçosMétodos de formação de preços
Métodos de formação de preços
 
Aula 4-analise-vertical-e-horizontal
Aula 4-analise-vertical-e-horizontalAula 4-analise-vertical-e-horizontal
Aula 4-analise-vertical-e-horizontal
 
gestão de estoques
gestão de estoquesgestão de estoques
gestão de estoques
 
Gestao de custos
Gestao de custosGestao de custos
Gestao de custos
 
Introdução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e OperaçõesIntrodução a Administração de Produção e Operações
Introdução a Administração de Produção e Operações
 
Análise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações FinanceirasAnálise das Demonstrações Financeiras
Análise das Demonstrações Financeiras
 
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de PagamentoCálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
Cálculo e Contabilização da Folha de Pagamento
 
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos BásicosContabilidade de Custos - Conceitos Básicos
Contabilidade de Custos - Conceitos Básicos
 
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia   aula 7 - a macroeconomia keynesianaEconomia   aula 7 - a macroeconomia keynesiana
Economia aula 7 - a macroeconomia keynesiana
 
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)4   aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
4 aula 9 - 4 procura e oferta (meu)
 
Aula 3 elasticidade
Aula 3   elasticidadeAula 3   elasticidade
Aula 3 elasticidade
 
Cap18 - Questões Resolvidas
Cap18 - Questões Resolvidas Cap18 - Questões Resolvidas
Cap18 - Questões Resolvidas
 

Semelhante a Ativos biológicos e agrícolas

Apostila contabilidade de custos
Apostila contabilidade de custosApostila contabilidade de custos
Apostila contabilidade de custosNéia Salomão
 
A Contabilidade como fonte de informação para a.ppt
A Contabilidade como fonte de informação para a.pptA Contabilidade como fonte de informação para a.ppt
A Contabilidade como fonte de informação para a.pptVandoirGoncalves2
 
A Contabilidade como fonte de informação para a.ppt
A Contabilidade como fonte de informação para a.pptA Contabilidade como fonte de informação para a.ppt
A Contabilidade como fonte de informação para a.pptthiagonogueira64944
 
Slides #04 - Análise Fundamentalista
Slides #04 - Análise FundamentalistaSlides #04 - Análise Fundamentalista
Slides #04 - Análise FundamentalistaLink Trade
 
Valuation Insigne 26 03 2007 Lucas Ferreira
Valuation Insigne 26 03 2007 Lucas FerreiraValuation Insigne 26 03 2007 Lucas Ferreira
Valuation Insigne 26 03 2007 Lucas Ferreiraguest395377
 
A Contabilidade como fonte de informação para as Empresas.ppt
A Contabilidade como fonte de informação para as Empresas.pptA Contabilidade como fonte de informação para as Empresas.ppt
A Contabilidade como fonte de informação para as Empresas.pptPedro Luis Moraes
 
A importância da contabilidade nacional
A importância da contabilidade nacionalA importância da contabilidade nacional
A importância da contabilidade nacionalUniversidade Pedagogica
 
Apostila de analise_de_custos
Apostila de analise_de_custosApostila de analise_de_custos
Apostila de analise_de_custosMayara Maciel
 
Administracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILAAdministracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILARoger Guimarães
 
Aula 1 - Auditoria II.pdf
Aula 1 - Auditoria II.pdfAula 1 - Auditoria II.pdf
Aula 1 - Auditoria II.pdfSheilaCortes2
 
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptxContabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptxIsabelMariaAlmeida1
 
Contabilidade dos custos bommm
Contabilidade dos custos   bommmContabilidade dos custos   bommm
Contabilidade dos custos bommmAngelson Ferrao
 
Internacional teste de recuperabilidade
Internacional teste de recuperabilidadeInternacional teste de recuperabilidade
Internacional teste de recuperabilidadealygra
 

Semelhante a Ativos biológicos e agrícolas (20)

Nbc tg-29 (1)
Nbc tg-29 (1)Nbc tg-29 (1)
Nbc tg-29 (1)
 
Apostila contabilidade de custos
Apostila contabilidade de custosApostila contabilidade de custos
Apostila contabilidade de custos
 
A Contabilidade como fonte de informação para a.ppt
A Contabilidade como fonte de informação para a.pptA Contabilidade como fonte de informação para a.ppt
A Contabilidade como fonte de informação para a.ppt
 
A Contabilidade como fonte de informação para a.ppt
A Contabilidade como fonte de informação para a.pptA Contabilidade como fonte de informação para a.ppt
A Contabilidade como fonte de informação para a.ppt
 
Senac
SenacSenac
Senac
 
Slides #04 - Análise Fundamentalista
Slides #04 - Análise FundamentalistaSlides #04 - Análise Fundamentalista
Slides #04 - Análise Fundamentalista
 
Valuation Insigne 26 03 2007 Lucas Ferreira
Valuation Insigne 26 03 2007 Lucas FerreiraValuation Insigne 26 03 2007 Lucas Ferreira
Valuation Insigne 26 03 2007 Lucas Ferreira
 
A Contabilidade como fonte de informação para as Empresas.ppt
A Contabilidade como fonte de informação para as Empresas.pptA Contabilidade como fonte de informação para as Empresas.ppt
A Contabilidade como fonte de informação para as Empresas.ppt
 
Contabilidade.pdf
Contabilidade.pdfContabilidade.pdf
Contabilidade.pdf
 
A importância da contabilidade nacional
A importância da contabilidade nacionalA importância da contabilidade nacional
A importância da contabilidade nacional
 
Jornada Administrativa - Mês do Administrador: Finanças com Administradores
Jornada Administrativa - Mês do Administrador: Finanças com AdministradoresJornada Administrativa - Mês do Administrador: Finanças com Administradores
Jornada Administrativa - Mês do Administrador: Finanças com Administradores
 
Economia para executivos - Aula 5
Economia para executivos - Aula 5Economia para executivos - Aula 5
Economia para executivos - Aula 5
 
Apostila de analise_de_custos
Apostila de analise_de_custosApostila de analise_de_custos
Apostila de analise_de_custos
 
Administracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILAAdministracao financeira - APOSTILA
Administracao financeira - APOSTILA
 
Aula 1 - Auditoria II.pdf
Aula 1 - Auditoria II.pdfAula 1 - Auditoria II.pdf
Aula 1 - Auditoria II.pdf
 
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptxContabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
Contabilidade e Fiscalidade-M13.pptx
 
Contabilidade dos custos bommm
Contabilidade dos custos   bommmContabilidade dos custos   bommm
Contabilidade dos custos bommm
 
Gestão de custos
Gestão de custosGestão de custos
Gestão de custos
 
Economia para executivos - Aula 6
Economia para executivos - Aula 6Economia para executivos - Aula 6
Economia para executivos - Aula 6
 
Internacional teste de recuperabilidade
Internacional teste de recuperabilidadeInternacional teste de recuperabilidade
Internacional teste de recuperabilidade
 

Ativos biológicos e agrícolas

  • 2. O que são Ativos Biológicos? Ativos Biológicos são, de acordo com a definição do CPC 29: Animais ou plantas vivos. Desde o plantio ou nascimento até o ponto de abate ou colheita.
  • 3. E os produtos agrícolas? A partir do abate ou colheita dos ativos, o produto passa a ser classificado como agrícola e assim é considerado até que seja beneficiado ou transformado.
  • 4.
  • 5. ATIVO BIOLÓGICO PRODUTO AGRÍCOLA PRODUTOS RESULTANTES DO PROCESSAMENTO APÓS A COLHEITA Carneiros Lã Fio, Tapete Árvores de uma plantação Madeira Madeira serrada, celulose Plantas Algodão Fio de algodão, roupa Cana Colhida Açúcar, Álcool Café Café limpo em grão, moído, torrado Gado de leite Leite Queijo Porcos Carcaça Salsicha, presunto Arbustos Folhas Chá, tabaco Videiras Uva Vinho Árvores Frutíferas Fruta colhida Fruta processada Fonte: CPC 29
  • 6. A importância do ativo biológico As empresas do agronegócio representam um setor impar na economia brasileira. Importante contribuição para o PIB* nacional. *PIB = SOMA, em valores monetários, de todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região, durante um período determinado.
  • 7.  Em 2013 o PIB agrícola atingiu R$ 1,02 trilhão e chegou a 23% do PIB brasileiro (CNA, 2013).  Com cerca de R$ 1,1 trilhão, o Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio em 2014 representa entre 22,0% e 23,0% do PIB total da economia brasileira (AGE/Mapa). A importância do ativo biológico 23% 77% PIB AGRICOLA PIB OUTRAS ÁREAS
  • 8. Empresas que atuam no ramo de ativos biológicos “Transformaçã o de Terras” Frigorifico Frigorifico Papel Papel Cana-de-açúcar, algodão, soja, milho, etc. Madeira (móveis) Papel
  • 9. Quando os Ativos Biológicos e Produtos Agrícolas Podem ser Reconhecidos no Balanço? O CPC 29 determina que um ativo biológico deve ser reconhecido somente quando: 1) A entidade controlar o ativo como resultado de eventos passados; 2) For provável que benefícios econômicos futuros associados ao ativo fluirão para a entidade; e 3) O valor justo ou custo do ativo puder ser mensurado de forma confiável.
  • 10. Como Mensurar os Ativos Biológicos e Produtos Agrícolas? Com a publicação do CPC 29, esses ativos passaram a ser mensurados pelo valor justo (Fair Value) deduzido das despesas de venda.
  • 11. O que é valor justo? De forma didática, pode-se definir valor justo como: O valor pelo qual a empresa conseguiria vender o ativo no mercado hoje. Algumas premissas na definição do valor justo: É um valor de mercado: não é específico da empresa Transação em condições normais: não é uma transação forçada
  • 12. Níveis de mensuração do valor Justo Nível 1 – Caso exista um mercado ativo, o preço cotado nesse mercado é a base apropriada para determinar o valor justo desse ativo. O que é um mercado ativo? Exemplos: Cotação da arrouba do boi; Cotação da saca do café; Cotação da soja.
  • 13. Nível 2 – Quando não for atendido o nível 1, deve ser utilizado um ou mais dos seguintes itens: a) O preço de transação de mercado mais recente; e b) Os preços de mercado para ativos similares com ajustes para refletir as diferenças; Níveis de mensuração do valor Justo
  • 14. E quando a empresa não conseguir mensurar o Valor Justo de forma Confiável? A regra geral é a utilização do valor justo. Porém, se esse valor não pode ser mensurado de forma confiável, a empresa pode utilizar o custo histórico menos qualquer exaustão e perdas acumuladas de impairment.
  • 15. Nível 3 – Quando os níveis 1 e 2 não forem atendidos: Utiliza-se técnicas de avaliação. Geralmente, utiliza-se a técnica de fluxos de caixa descontado. Exemplo: Metodologia dos fluxos de caixa descontados para mensuração do eucalipto 1º Passo: Como o período de maturação são 7 anos, realiza-se as projeções de entradas e saídas de caixa para esse período: 2º Passo: Como os fluxos de caixa estão a valor futuro, deve-se trazer as entradas e saídas de caixa a valor presente utilizando uma taxa de desconto que reflita o risco do ativo (da operação). 3º Passo: O valor presente das entradas de caixa menos o valor presente das saídas de caixa representam o valor justo do ativo para aquela data. Níveis de mensuração do valor Justo
  • 16. Adoção do Valor Justo para os Ativos Biológicos Estrutura conceitual CPC 00 (R1) INFORMAÇÃO ÚTIL = Relevante + Representação Fidedigna Enquanto a mensuração a valor justo busca ampliar a relevância da informação, a sua subjetividade pode reduzir a confiabilidade (representação fidedigna) Relevância Representação Fidedigna Trade-off
  • 17. Notas Explicativas As Notas Explicativas são informações complementares às demonstrações e visam fornecer informações necessárias para esclarecimento da situação patrimonial, de determinada conta, saldo ou transação, ou para menção de fatos que podem alterar futuramente a situação patrimonial da empresa. Estas informações são úteis não somente aos gestores, como também aos sócios na tomada de decisão e ao fisco que ao se deparar com variações patrimoniais poderá recorrer a estas.
  • 18. Notas Explicativas Podemos afirmar que desde a implantação do IFRS (International Financial Reporting Standards - normas internacionais de contabilidade), não existem mais Demonstrações Contábeis que não devam ser complementadas por Notas Explicativas, que passam a ser de elaboração obrigatória para todas as entidades, independente de porte, atividade ou forma de tributação.
  • 19. Quais informações ela deve apresentar? A base de preparação de demonstrações; Informações exigidas porém não apresentadas em outra parte da demonstração; Critérios de avaliação dos elementos patrimoniais; Investimentos em outras sociedades; Aumento no valor do ativo em virtude de novas avaliações;
  • 20. Informações de obrigações a longo prazo; Capital social em espécie e em ações; Quais informações ela deve apresentar? Ajustes de exercícios anteriores; Eventos que possam ter efeito sobre os resultados;
  • 21. Conclusão E se tratando de ativos biológicos, a entidade deve julgar e determinar quais divulgações são relevantes e indispensáveis para a transparência das informações. Concluímos que as notas explicativas, apesar de não serem consideradas uma demonstração contábil, são a melhor forma de dar a transparência necessária e divulgar a informação contábil com fundamental importância no conjunto da obra, pelo fato de trazer a luz uma interpretação das informações contidas nas demonstrações contábeis, além de informações adicionais que nem sempre estão explicitamente visíveis aos usuários externos da contabilidade.
  • 22. Bibliografia COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. CPC 29. Disponível em: . Acesso em: 12/04/2015. CONTÁBEIS, O PORTAL DA PROFISSÃO CONTÁBIL. A importância das notas explicativas nas demonstrações contábeis. Disponível em:< http://www.contabeis.com.br/artigos/498/a- importancia-das-notas-explicativas-nasdemonstracoes-contabeis/>. Acesso em: 12/04/2015. SCHERER, Luciano Márcio; MUNHOZ, Tayrine Rodrigues; ROTH, Thaís Caetano. Fatores explicativos da divulgação de ativos biológicos e produtos agrícolas em empresas de capital aberto e fechado. Congresso Rio de Janeiro: VIII AnpCont, 2014. Apresentação em Congresso.