Princípios da microcirurgia ocular

3.570 visualizações

Publicada em

Palestra sobre principios da microcirurgia ocular em Oftalmologia Veterinária ministrada pelo Dr. João Alfredo Kleiner MV, MSC. Vetweb Oftalmologia Veterinária. Website: www.vetweb.com.br

Publicada em: Educação
  • Interesante presentacion sobre especialistas en oftalmologia, me fue de mucha utilidad ya que estoy iniciando mis estudios en oftalmologia, si están interesados comparto con ustedes el sitio http://medicoscr.net/78-oftalmologia.html donde encontrarán un directorio de especialistas en esta área, saludos y espero ver más aportes.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

Princípios da microcirurgia ocular

  1. 1. Dr. João Alfredo Kleiner MV, MSc Vetweb Oftalmologia Veterinária www.vetweb.com.br
  2. 2. Magnificação  Desde 1960 teve uma enorme influência nos avanços do ato cirúrgico e instrumentação.  Instrumentos menores e mais precisos.  Incisões e traumas teciduais muito menores.
  3. 3. Elementos do microscópio  Oculares  Lentes  Fibra óptica  Aumentos  Intensidade de luz  Luz verde / cobalto  Objetiva  Carona  Pedais  Travas
  4. 4. Fixação e manipulação do microscópio
  5. 5. Limpeza das lentes  Lenço de papel  Algodão  Panos de LCD  Produtos específicos
  6. 6. Evitar embaçamento
  7. 7. Iluminação da sala
  8. 8. Posicionamento do microscópio
  9. 9. Fixação dos pedais
  10. 10. Foco do microscópio
  11. 11. Tabela de ampliação de imagens OBJETIVA SELETOR POSIÇÃO 200mm DO AUMENTOS CAMPO VISUAL mm A 4 44OCULAR 12,5X 6 B 6 29 10 C 10 18 16 D 16 11 25 E 24 7 40
  12. 12. Postura  Banqueta microcirurgia.  Apoio aos cotovelos.  Instrumental e auxiliar estrategicamente posicionados.
  13. 13. Posição do cirurgião
  14. 14. Movimento das mãos  Imprimindo-se movimentos adequados à mão  Cruzando-se o campo de observação do microscópio  Evita olharmos para fora
  15. 15.  Diferem de acordo com o local operado:  Órbita  Pálpebras  Conjuntiva e córnea  Intraocular e catarata  Vítreo e retina
  16. 16. Material Aço inox Titânio Mais pesados  Mais leves Oxidam  Manuseio melhor Duram menos  Duram mais Mais baratos.  Não oxidam  Mais caros.
  17. 17. Manuseio Fixar o punho e apoiar os cotovelos; Movimentos delicados “girando”os dedos. Visualizamos somente a ponta dos instrumentos.
  18. 18. Limpeza e conservação Não utilizar escovas Usar Limpadoras ultrassônicas Detergente específico Não usar água da torneira Usar Água Destilada Remover BEM o excesso de detergente Esterilizar em Óxido de Etileno ou Autoclave.
  19. 19. Blefaroestato  Usado para retrair as pálpebras, melhorando a exposição do bulbo ocular.  Deve ser leve para evitar pressão excessiva no olho.  Tamanho varia entre as espécies.
  20. 20. Barraquer Castroviejo
  21. 21. Dilatador lacrimal  Usado para dilatar as punctas e canalículos lacrimais nas cirurgias de Epífora.
  22. 22. Porta Agulhas  Formato, angulação, ponteiras variadas.  Funcionam com compressão digital.  Para fios agulhados de calibres 7-0, 8-0, 9-0 e 10-0.  Cada cirurgião se adapta a um tipo.
  23. 23. Pinça de Calázio  Fixam tecido palpebral;  Protegem a córnea;  Usada em:  Calázio  Distiquíase  Tumores palpebrais
  24. 24. Pinça de Conjuntiva  Fixam tecido conjuntival;  Usada em:  Ressecção dermóides conj.  Flaps  Tumores conjuntivais.
  25. 25. Pinça de Córnea  Fixam tecido corneano e escleral;  Usada em:  Ressecção dermóides  Sutura de córnea / esclera  Transplantes  Neoplasias
  26. 26. Pinça de Pontos  Usadas na microrrafia.  Substituem os dedos para manipular o material de sutura.  Fino e curto.  Para o nó:  Girar dois instrumentos.
  27. 27. Tesoura de Conjuntiva  Usadas na mobilização de tecido conjuntival em flaps.  Cortar suturas na microrrafia.  Biópsias conjuntivais.
  28. 28. Tesoura de Córnea  Usadas para ampliar a incisão corneana depois de feita com o bisturi.  Pontas finas e anguladas facilitam a entrada na câmara anterior.  Ceratoplastias.
  29. 29. Bisturis  Descartáveis.  Safira  Diamante  Angulações e tamanhos variados.
  30. 30. Porta giletes  Usadas para segurar pedaços de gilete cortados de acordo com a necessidade cirúrgica.  Procedimentos extraoculares.
  31. 31. Ganchos de músculo  Usados para rotacionar o olho através da fixação dos músculos do bulbo ocular.  Ex: Cirurgia de estrabismo.Jameson Arruga
  32. 32. Tesoura Vannas  Mais delicadas que as conjuntivais.  Usadas em tecidos muito delicados.  Ex. Íris, cápsula anterior.
  33. 33. Anel de Thorton  Usado para fixar o bulbo para realizar incisões corneanas e paracenteses.
  34. 34. Pinça de Capsulorréxis  Para a abertura curvilínea e continua da cápsula anterior antes de iniciada a cirurgia de Faco.Utrata Inamura
  35. 35. Cânula de Hidroprocedimento  Utilizada para fazer uma clivagem com BSS entre a cápsula anterior e o núcleo opaco, soltando-o da cápsula e facilitando a rotação.
  36. 36. Pré-chopper de Akahoshi  Usado para fragmentar o núcleo da lente, facilitando a conquista dos fragmentos.
  37. 37. Pinças para implante de LIOPinça Faulkner Pinça Kratz
  38. 38. Manipuladores de núcleo  Usado para fixar fragmentos da lente e rotacionar o núcleo na cirurgia de Faco.
  39. 39. Compasso (caliper) Castroviejo  Usado para medir estruturas e locais para incisões e fixações mais precisas.
  40. 40. Trépano de córnea  Usado para retirar o fragmento de córnea do receptor.  Ex: Transplantes.
  41. 41. Punch córnea doador  Usado para retirar o fragmento a ser transplantado (doador).
  42. 42. MATERIAIS DE SUTURA
  43. 43. Fios Microcirurgia Espessuras variáveis Agulhas diferenciadas Absorvíveis e inabsorvíveis
  44. 44. TÉCNICAS DE SUTURA OCULAR
  45. 45. MANEIRA CORRETA !
  46. 46. MANEIRA INCORRETA !
  47. 47. EVITAR ASTIGMATISMO!
  48. 48. ÁREA DE COMPRESSÃO
  49. 49. MANEIRA DE CORTAR FIO
  50. 50. WWW . VETWEB . COM . BR

×