SlideShare uma empresa Scribd logo

O exame oftalmológico completo

O documento descreve os procedimentos e achados de um exame oftalmológico completo em animais. Ele detalha o uso de corantes como a fluoresceína e rosa bengala, lentes de aumento, testes como o de Schirmer e avaliação das estruturas oculares como córnea, íris, cristalino e retina. O documento fornece um guia detalhado para a realização de um exame oftalmológico sistemático.

1 de 47
O EXAME OFTÁLMICO



DR. JOÃO ALFREDO KLEINER MV, MSC
      ACVO MADISON – WISCONSIN 1998
           WWW.VETWEB.COM.BR
O exame oftalmológico completo
O exame oftalmológico completo
Fonte de Luz adequada
Corantes
Fluoresceína

 É o corante mais usado

 Não penetra epitélio lipofílico normal corneano

 Avalia a integridade epitelial (penetra estroma)

 Adere-se à mucina do filme lacrimal
     Break up time

 Importante o exame com luz de cobalto azul.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cornea Topography
Cornea TopographyCornea Topography
Cornea Topographyeyeguru
 
Tumores intraoculares
Tumores intraocularesTumores intraoculares
Tumores intraocularesDiego Mascato
 
Clase 14 lc materiales tipos y fabricación
Clase 14 lc materiales tipos y fabricaciónClase 14 lc materiales tipos y fabricación
Clase 14 lc materiales tipos y fabricaciónOPTO2012
 
Óptica Oftálmica - Princípios Básicos
Óptica Oftálmica - Princípios BásicosÓptica Oftálmica - Princípios Básicos
Óptica Oftálmica - Princípios BásicosAntonio Martins
 
14. fenómenos entópticos
14. fenómenos entópticos14. fenómenos entópticos
14. fenómenos entópticosMarvin Barahona
 
Atelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxAtelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxFlávia Salame
 
Biometría y cálculo de LIO
Biometría y cálculo de LIOBiometría y cálculo de LIO
Biometría y cálculo de LIOFacoElche
 
visualacuity-180702123916.pdf
visualacuity-180702123916.pdfvisualacuity-180702123916.pdf
visualacuity-180702123916.pdfMadhuri521470
 
SASH : Allyson Groth - A simple systematic approach to canine corneal ulcer
SASH : Allyson Groth - A simple systematic approach to canine corneal ulcerSASH : Allyson Groth - A simple systematic approach to canine corneal ulcer
SASH : Allyson Groth - A simple systematic approach to canine corneal ulcerSASH Vets
 
Dr. Michel Bittenocurt : Papilas, folículos, membranas e pseudo-membranas
Dr. Michel Bittenocurt : Papilas, folículos, membranas e pseudo-membranasDr. Michel Bittenocurt : Papilas, folículos, membranas e pseudo-membranas
Dr. Michel Bittenocurt : Papilas, folículos, membranas e pseudo-membranasMichel Bittencourt
 
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticialRadiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticialFlávia Salame
 
Indicaciones en cirugía refractiva
Indicaciones en cirugía refractivaIndicaciones en cirugía refractiva
Indicaciones en cirugía refractivaRadua Kamal Salah
 

Mais procurados (20)

Queratitis Bacteriana
Queratitis BacterianaQueratitis Bacteriana
Queratitis Bacteriana
 
LASIK Eye Surgery
LASIK Eye SurgeryLASIK Eye Surgery
LASIK Eye Surgery
 
Pares cranianos
Pares cranianosPares cranianos
Pares cranianos
 
Cornea Topography
Cornea TopographyCornea Topography
Cornea Topography
 
Tumores intraoculares
Tumores intraocularesTumores intraoculares
Tumores intraoculares
 
Clase 14 lc materiales tipos y fabricación
Clase 14 lc materiales tipos y fabricaciónClase 14 lc materiales tipos y fabricación
Clase 14 lc materiales tipos y fabricación
 
Óptica Oftálmica - Princípios Básicos
Óptica Oftálmica - Princípios BásicosÓptica Oftálmica - Princípios Básicos
Óptica Oftálmica - Princípios Básicos
 
Fundus fluorescein angiography
Fundus fluorescein angiographyFundus fluorescein angiography
Fundus fluorescein angiography
 
14. fenómenos entópticos
14. fenómenos entópticos14. fenómenos entópticos
14. fenómenos entópticos
 
Urgencia em lentes de contato
Urgencia em lentes de contatoUrgencia em lentes de contato
Urgencia em lentes de contato
 
Atelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotraxAtelectasias e pneumotrax
Atelectasias e pneumotrax
 
Sección 4. córnea
Sección 4. córneaSección 4. córnea
Sección 4. córnea
 
SINDROME DE OJO SECO
SINDROME DE OJO SECOSINDROME DE OJO SECO
SINDROME DE OJO SECO
 
Biometría y cálculo de LIO
Biometría y cálculo de LIOBiometría y cálculo de LIO
Biometría y cálculo de LIO
 
Sclera
ScleraSclera
Sclera
 
visualacuity-180702123916.pdf
visualacuity-180702123916.pdfvisualacuity-180702123916.pdf
visualacuity-180702123916.pdf
 
SASH : Allyson Groth - A simple systematic approach to canine corneal ulcer
SASH : Allyson Groth - A simple systematic approach to canine corneal ulcerSASH : Allyson Groth - A simple systematic approach to canine corneal ulcer
SASH : Allyson Groth - A simple systematic approach to canine corneal ulcer
 
Dr. Michel Bittenocurt : Papilas, folículos, membranas e pseudo-membranas
Dr. Michel Bittenocurt : Papilas, folículos, membranas e pseudo-membranasDr. Michel Bittenocurt : Papilas, folículos, membranas e pseudo-membranas
Dr. Michel Bittenocurt : Papilas, folículos, membranas e pseudo-membranas
 
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticialRadiografia de tórax   aula2-padrãoacinar-intersticial
Radiografia de tórax aula2-padrãoacinar-intersticial
 
Indicaciones en cirugía refractiva
Indicaciones en cirugía refractivaIndicaciones en cirugía refractiva
Indicaciones en cirugía refractiva
 

Semelhante a O exame oftalmológico completo

Doc go.net 273849218-eponimos-em-propedeutica-medica-henrique-marisco.pdf
Doc go.net 273849218-eponimos-em-propedeutica-medica-henrique-marisco.pdfDoc go.net 273849218-eponimos-em-propedeutica-medica-henrique-marisco.pdf
Doc go.net 273849218-eponimos-em-propedeutica-medica-henrique-marisco.pdfreneedetrovao
 
Principais doenças da visão e audição dos equinos
Principais doenças da visão e audição dos equinosPrincipais doenças da visão e audição dos equinos
Principais doenças da visão e audição dos equinosRayana França
 
Ufop fundo de olho i paulo correa
Ufop fundo de olho i paulo correaUfop fundo de olho i paulo correa
Ufop fundo de olho i paulo correaPaulo Corrêa
 
Anatomia da iris e corpo ciliar
Anatomia da iris e corpo ciliarAnatomia da iris e corpo ciliar
Anatomia da iris e corpo ciliarAnielly Meira
 
Laser em oclusões venosas retinianas - SIMASP 2011
Laser em oclusões venosas retinianas - SIMASP 2011Laser em oclusões venosas retinianas - SIMASP 2011
Laser em oclusões venosas retinianas - SIMASP 2011Marcelo Hosoume
 
Angiografia fluorescente
Angiografia fluorescenteAngiografia fluorescente
Angiografia fluorescenteDiego Mascato
 
Malposicionamento dos cilios pat
Malposicionamento dos cilios pat Malposicionamento dos cilios pat
Malposicionamento dos cilios pat Patricia Sampaio
 
Exames clínicos dos nervos cranianos
Exames clínicos dos nervos cranianosExames clínicos dos nervos cranianos
Exames clínicos dos nervos cranianosLuciano
 
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...Dario Hart
 
Aula 4 nasofaringe
Aula 4 nasofaringeAula 4 nasofaringe
Aula 4 nasofaringeSonmi Lee
 
Hanseníase - acometimento ocular
Hanseníase - acometimento ocularHanseníase - acometimento ocular
Hanseníase - acometimento ocularPietro de Azevedo
 
Apresentação Drenatan
Apresentação DrenatanApresentação Drenatan
Apresentação DrenatanErlandi
 
Casos clinicos -Nasosinusal
Casos clinicos -NasosinusalCasos clinicos -Nasosinusal
Casos clinicos -NasosinusalDario Hart
 
Trabalho OFTALMOSCOPIA DIRETA.pdf
Trabalho OFTALMOSCOPIA DIRETA.pdfTrabalho OFTALMOSCOPIA DIRETA.pdf
Trabalho OFTALMOSCOPIA DIRETA.pdfAnnyFrana2
 

Semelhante a O exame oftalmológico completo (20)

Aula de Radiologia
Aula de RadiologiaAula de Radiologia
Aula de Radiologia
 
Doc go.net 273849218-eponimos-em-propedeutica-medica-henrique-marisco.pdf
Doc go.net 273849218-eponimos-em-propedeutica-medica-henrique-marisco.pdfDoc go.net 273849218-eponimos-em-propedeutica-medica-henrique-marisco.pdf
Doc go.net 273849218-eponimos-em-propedeutica-medica-henrique-marisco.pdf
 
Principais doenças da visão e audição dos equinos
Principais doenças da visão e audição dos equinosPrincipais doenças da visão e audição dos equinos
Principais doenças da visão e audição dos equinos
 
ORGÃOS E SENTIDOS.pdf
ORGÃOS E SENTIDOS.pdfORGÃOS E SENTIDOS.pdf
ORGÃOS E SENTIDOS.pdf
 
Ufop fundo de olho i paulo correa
Ufop fundo de olho i paulo correaUfop fundo de olho i paulo correa
Ufop fundo de olho i paulo correa
 
Anatomia da iris e corpo ciliar
Anatomia da iris e corpo ciliarAnatomia da iris e corpo ciliar
Anatomia da iris e corpo ciliar
 
Laser em oclusões venosas retinianas - SIMASP 2011
Laser em oclusões venosas retinianas - SIMASP 2011Laser em oclusões venosas retinianas - SIMASP 2011
Laser em oclusões venosas retinianas - SIMASP 2011
 
Epífora
EpíforaEpífora
Epífora
 
Angiografia fluorescente
Angiografia fluorescenteAngiografia fluorescente
Angiografia fluorescente
 
Malposicionamento dos cilios pat
Malposicionamento dos cilios pat Malposicionamento dos cilios pat
Malposicionamento dos cilios pat
 
Exames clínicos dos nervos cranianos
Exames clínicos dos nervos cranianosExames clínicos dos nervos cranianos
Exames clínicos dos nervos cranianos
 
Pares cranianos
Pares cranianosPares cranianos
Pares cranianos
 
Fundoscopia direta
Fundoscopia diretaFundoscopia direta
Fundoscopia direta
 
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
Fistulas Perilinfáticas, Paralisias Faciais Periféricas e Trauma do Osso Temp...
 
Aula 4 nasofaringe
Aula 4 nasofaringeAula 4 nasofaringe
Aula 4 nasofaringe
 
Hanseníase - acometimento ocular
Hanseníase - acometimento ocularHanseníase - acometimento ocular
Hanseníase - acometimento ocular
 
Trabalho 1 slide
Trabalho 1 slideTrabalho 1 slide
Trabalho 1 slide
 
Apresentação Drenatan
Apresentação DrenatanApresentação Drenatan
Apresentação Drenatan
 
Casos clinicos -Nasosinusal
Casos clinicos -NasosinusalCasos clinicos -Nasosinusal
Casos clinicos -Nasosinusal
 
Trabalho OFTALMOSCOPIA DIRETA.pdf
Trabalho OFTALMOSCOPIA DIRETA.pdfTrabalho OFTALMOSCOPIA DIRETA.pdf
Trabalho OFTALMOSCOPIA DIRETA.pdf
 

Último

CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIAHenrique Pontes
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Mary Alvarenga
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.Prime Assessoria
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;azulassessoriaacadem3
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...azulassessoriaacadem3
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptxAndreia Silva
 
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...apoioacademicoead
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...azulassessoriaacadem3
 
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...azulassessoriaacadem3
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdfCludiaFrancklim
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...azulassessoriaacadem3
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxJean Carlos Nunes Paixão
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...excellenceeducaciona
 

Último (20)

CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIACONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIAGEOGRAFIAGEOGRAFIA
 
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
Letra da música Maria, Maria de Milton Nascimento
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
 
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptxSlides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
Slides Lição 9, BETEL, Família, primeiro ministério e maior patrimônio.pptx
 
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
1 – O nome de cada uma das tendências pedagógicas, em ordem cronológica;
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
 
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
a) Como você pode utilizar plataformas digitais, como o Canva e o Book Creato...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docxCRUZADINA  E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
CRUZADINA E CAÇA-PALAVRAS SOBRE PATRIMONIO HISTÓRICO.docx
 
Namorar não és ser don .
Namorar não és ser don                  .Namorar não és ser don                  .
Namorar não és ser don .
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
Com base no exposto, sua ação nessa atividade consiste em elaborar um texto d...
 

O exame oftalmológico completo

  • 1. O EXAME OFTÁLMICO DR. JOÃO ALFREDO KLEINER MV, MSC ACVO MADISON – WISCONSIN 1998 WWW.VETWEB.COM.BR
  • 4. Fonte de Luz adequada
  • 6. Fluoresceína  É o corante mais usado  Não penetra epitélio lipofílico normal corneano  Avalia a integridade epitelial (penetra estroma)  Adere-se à mucina do filme lacrimal  Break up time  Importante o exame com luz de cobalto azul.
  • 7. Rosa Bengala  Derivado da Fluoresceína (grupo da xantina)  Usada em:  Ulcerações dendríticas (herpes vírus)  Diagnóstico de KCS “qualitativo”  Cora células com pouca cobertura de filme lacrimal
  • 8. Lissamina Green  Corante vital verdadeiro:  Não cora células saudáveis sem filme lacrimal  Cora células com membrana lesionada.  Melhor tolerada pelos pacientes  Não é citotóxica para epitélio corneano.
  • 9. Magnificação  Otoscópio  Lente Oftalmoscopia indireta  Lupa  Lâmpada de fenda
  • 15. Lente asférica 20 D  Mais usada  Campo visual 46 a 60º  Magnificação 3.13 x  Exame a 5 cm
  • 16. Lente asférica 40 D  Pupilas pequenas  Campo visual 69 a 90º  Magnificação 1.67 x  Exame a 2 cm
  • 17. Pan Retinal 2.2  Campo visual 56 a 73º  Magnificação 2.68 x  Exame a 4 cm
  • 19. Material adicional  Gaze estéril  Uma para cada olho  Cotonetes  Solução fisiológica estéril  Anestésico local (Anestalcon®)  Midriáticos (Mydriacyl®, Atropina 1%)
  • 20. Anamnese e exame clínico  Histórico:  Vacinas  Castrado ?  Condição geral “Os olhos são como LINFONODOS do corpo” (Wouk, A.F.)
  • 21. Cultura e antibiograma  Primeiro exame a ser realizado  Não Limpar os olhos  Não utilizar corantes (fluoresceína, etc)  Não anestesiar
  • 22. Reflexo Pupilar Fotomotor (R.P.F.M)  Faz pupila contrair:  Olho examinado: direto  Olho contralateral: indireto / consensual.  Reflexo subcortical:  Nervo óptico: ramo aferente  Fibras parassimpáticas do n. oculomotor (III par) Ramo eferente.
  • 23. Reflexo Pupilar Fotomotor (R.P.F.M)  Luz vermelha: Teste fotorreceptores  Luz Azul : Melanopsin pathway
  • 24. Reflexo de Piscar-ameaça (P.A)  Não encostar no paciente  Sem causar muito “vento” com a mão.  Caminho:  Nervo óptico (II par): ramo aferente  Interconexão central cerebral e cerebelar  Nervo facial (VII par): ramo eferente
  • 25. Reflexo de Piscar-ameaça  Testar nervo facial antes do exame:  Encostar no canto palpebral e córnea.  Lesão de n. facial produz reflexo sutil.  Lesões cerebelares e estado mental pode influenciar no resultado.
  • 26. “Dazzle reflex” Ofuscamento  Reflexo subcortical  Fonte de luz bem Forte  Retração bulbo e fechamento pálpebras.  Caminho:  Retina, nervo óptico, quiasma óptico, núcleo supraóptico e colículo rostral (superfície dorsal mesencéfalo).  Persiste com cegueira cortical
  • 27. Outros teste visão  Bolas de algodão  Pista com obstáculos  Tampão nos olhos  Laser point
  • 28. Teste lacrimal de Schirmer  Avalia a porção aquosa do filme lacrimal  Usar tirar padrão (papel Whatman n0 41)  Colocar na porção média pálpebra inferior  Leitura após 1 minuto: < 15 mm/min: Incipiente 6 e 10 mm/min: moderada < 6 mm/min: severa.
  • 30. Pressão intraocular (PIO)  Utilizar colírio anestésico  Cloridrato de proparacaína (Anestalcon ®)  1 gota 5 minutos antes do exame.  Tonometria de Identação (Schiötz)  Tonometria de aplanação (Tonopen)  Tonometria de rebote (Tonovet)
  • 32. Pálpebras  Defeitos anatômicos:  Entrópio  Ectrópio  Defeitos ciliares:  Triquíase  Distiquíase  Aspecto macroscópico geral
  • 33. Terceira pálpebra (membrana nictitante)  Normoposicionada  Superfície  Glândula da terceira pálpebra  Cartilagem nictitante
  • 34. Sistema Lacrimal Filme lacrimal  Secreção (harmonia entre as camadas)  Espalhamento  Drenagem
  • 35. Sistema Lacrimal  Teste de Jones  Teste de patência do ducto nasolacrimal;  Notar a presença de fluoresceína nas narinas e cavidade oral;  Até 5 minutos é normal.
  • 37. Conjuntiva  Coloração / vascularização  Hiperemia  Branca  Rósea  Edema (quemose)  Traumas  Massas
  • 38. Córnea  Lisa  Transparente  Avascular  Cobertura de filme lacrimal
  • 39. Câmara Anterior  “Flare”  Hipópio  Hifema  Atalamia
  • 40. Pupila e Íris  Forma  Posição  Coloração (rubeose)  Aderências  Massas
  • 41. Lente ou Cristalino  Localização  Esclerose  Opacidades  Afácico  Pseudofácico
  • 42. Vítreo  Opacidades:  Asteroid hyalosis  Synchysis scintillans  Degenerações:  Sinerese vítrea  Vasos sanguíneos:  Artéria hialóidea persistente  PTVHL
  • 43. Retina  Anatomia vascular  Disco óptico  Hemorragias  Descolamentos
  • 44. Papila / disco óptico Normal Hiperemia Papiledema (congestão)
  • 45. Drogas utilizadas  Sistêmicas  Tópicas  Frequência  Tempo
  • 46. Comentários gerais  Oftalmopatia (diagnóstico)  Tratamento a ser usado:  Medicamentoso  Cirúrgico  Sugestão de outros exames diagnósticos