Informativo Outubro 2011

1.191 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.191
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Informativo Outubro 2011

  1. 1. Informativo VetLab Outubro /2011 NOVOS PERFISNesta Edição Diarréia em caninos 1-Diarréia em caninos (Coprológico com citologia, Parvovirose epág. 1 e 2 Coronavirose)- Interpretação da Indicado para animais não vacinados, este perfil é capaz decitologia fecal pág. diagnosticar Parasitas intestinais, Campylobacter, Clostridiose,3 Sangue oculto nas fezes, Colites, Parvovirose e Coronavirose, além de auxiliar o diagnostico de problemas de absorção, digestão,- Rotavírus canino insuficiência pancreátita exócrina e outros.pág. 3 - devido à capacidade do teste de detectar a fase de-Controle de incubação do vírus, o teste pode ser utilizado como umaqualidade pág. 4 garantia de saúde do filhote comercializado.-Pancreatite felina - utilizar o teste antes da primeira dose de vacina dápág. 5 tranqüilidade ao proprietário e ao médico veterinário, já que é possível identificar filhotes que se apresentem no período-Frações da de incubação dessas doenças.Fosfatase Alcalinapág. 6 - animais suspeitos para parvovirose geralmente são internados em locais “isolados” nas clínicas veterinárias, locais estes que com certeza já receberam ou tenham cães com essa doença. Um resultado negativo no teste para parvovirose evitaria esse tipo de acontecimento, eliminando assim a possibilidade de um paciente que não tenha a doença adquirir a mesma nesses locais de isolamento. - animais inicialmente positivos nesse teste podem ser novamente testados alguns dias depois para avaliarmos se o mesmo continua eliminado vírus no ambiente através das fezes.VetLab Análises Clínicas Veterinárias LtdaEstrada União e Indústria 9381 Sl 05 e 06 Itaipava Petrópolis RJCEP 25730 736Tel. (24) 2222 2907 / (21) 3255-4284 Nextel 8*55573 Cel. (24) 9232-0963
  2. 2. Informativo VetLab Outubro /2011 NOVOS PERFIS Diarréia em caninos 2 (Coprológico com citologia, ELISA para Giardia e Rotavirose) Indicado para animais vacinados, este perfil é capaz de diagnosticar Parasitas intestinais, Campylobacter, Clostridiose, Sangue oculto nas fezes, Colites e Rotavírus, além de auxiliar o diagnostico de problemas de absorção, digestão, insuficiência pancreátita exócrina e outros. Comparação da SENSIBILIDADE do kit de ELISA para Giardia com o exame realizado no microscópio. 100 90 1 ELISA 80 70 60 2 MICROSCOPIA 50 40 30 20 10 0 1 2 Freqüência de sinais clínicos de gastroenterite segundo o agente infeccioso Sintoma Parvovírus n=6 Rotavírus n=4 Coronavírus n=1 Campylobacter n=6 Diarréia sanguinolenta 33 % 50 % 100 % 50 % semi-líquida 16 % 50 % 33 % aquosa 33 % 16 % escura 16 % Vômito 100 % 50 % 100 % 33 % Anorexia 100 % 100 % 100 % 100 % Desidratação 5% 66 % 50 % 100 % 50 % 7% 33 % 50 % 50% Dor Abdominal 100 % 75 % 100 % 50 % Apatia 100 % 100 % 100 % 50 % Hipertermia 50 %VetLab Análises Clínicas Veterinárias LtdaEstrada União e Indústria 9381 Sl 05 e 06 Itaipava Petrópolis RJCEP 25730 736Tel. (24) 2222 2907 / (21) 3255-4284 Nextel 8*55573 Cel. (24) 9232-0963
  3. 3. Informativo VetLab Outubro /2011 Interpretação da citologia fecal População bacteriana mista: normal População bacteriana composta predominantemente por um tipo de microorganismo: sugere-se realização de coprocultura, pois pode tratar-se de uma infecção bacteriana intestinal; Bacilos gram positivos esporulados: sugerem Clostridium spp; Bacilos gram negativos espiralados: sugerem Campilobacter spp; Leveduras: são achados comuns sem correlação clínica, mas a presença destas sendo fagocitadas pode indicar histoplasmose; Neutrófilos: sua presença é anormal e sugere processo inflamatório no cólon; Eosinófilos: também sua presença é anormal e sugere colite eosinofílica; Hemácias: em pequeno número sugerem apenas diarréia crônica, mas em grande quantidade podemos estar diante de um animal portador de enterite ou colite. ROTAVÍRUS CANINO filhotes com dois dias de idade, demonstraram O Rotavírus canino infecta células epiteliais a, produção de diarréia e desidratação, mas das vilosidades intestinais, onde liberam sem alterações hematológicas. grandes quantidades de partículas virais que se tornam fontes de infecção para outros segmentos do intestino de animais e humanos. A necrose das células infectadas com rotavírus é mais pronunciada em 18 a 48 horas após a infecção oral. Os sinais clínicos são principalmente gerados pela perda de dissacaridases e outras enzimas da borda, gerando uma diarréia osmótica. O Rotavírus afeta apenas cães imunossuprimidos ou com menos de 12 semanas e com mais freqüência em animais com menos de 2 semanas de idade. Estudos realizados por Johnson et al (1983) emVetLab Análises Clínicas Veterinárias LtdaEstrada União e Indústria 9381 Sl 05 e 06 Itaipava Petrópolis RJCEP 25730 736Tel. (24) 2222 2907 / (21) 3255-4284 Nextel 8*55573 Cel. (24) 9232-0963
  4. 4. Informativo VetLab Outubro /2011 Controle de Qualidade O VetLab possui um sistema da Qualidade seguindo as normas NBR ISO 9002. Considerando sempre a qualidade no sentido global, todos os processos merecem atenção especial, seja no atendimento ao cliente, na execução do exame e na entrega do resultado. A garantia do padrão de qualidade deve-se a qualificação do pessoal, treinamento de toda a equipe, aquisição de equipamentos específcos veterinários de última geração, realização de controles internos diários em três níveis (controle baixo, normal e alto) e participação em controles de qualidade externo (ControlLab / SBMV). O laboratório com objetivo de melhorias constantes, conta com auditorias internas periódicas e um Comitê de Ação Corretiva e Preventiva que desenvolve projetos para as melhorias. Possuir os certificados de Qualidade da Controllab / SBMV é de suma importância, pois destaca a nossa Região, através do Laboratório VetLab, em âmbito nacional. É também muito importante a conquista desta certificação, pois traz para a Região Serrana a garantia de um serviço de qualidade. São inúmeros os benefícios aos Veterinários. Segurança, confiança, qualidade, satisfação e eficiência em Análises Clínicas específica Veterinária.VISITEM NOSSO NOVO SITE WWW.VETLABORATORIO.COM.BR Sigam o vetlab no twitter www.twitter.com/vetlabVetLab Análises Clínicas Veterinárias LtdaEstrada União e Indústria 9381 Sl 05 e 06 Itaipava Petrópolis RJCEP 25730 736Tel. (24) 2222 2907 / (21) 3255-4284 Nextel 8*55573 Cel. (24) 9232-0963
  5. 5. Informativo VetLab Outubro /2011 PANCREATITE FELINA LIPASE IMUNORREATIVA FELINA – DISPONÍVEL NO VETLAB COM RESULTADO NO MESMO DIA! A pancreatite é o distúrbio pancreático exócrino mais comum nos gatos, e a pancreatite aguda constitui aproximadamente um terço dos casos na espécie felina. É uma doença associada a uma alta taxa de mortalidade, principalmente por translocação bacteriana, tanto em seres humanos como em animais. Os achados mais comuns na pancreatite aguda são a letargia, anorexia e perda de peso. O paciente pode apresentar vômito, diarréia, constipação, icterícia, desidratação, ascite e dispnéia, mas a freqüência de ocorrência destes sinais é variável. O vômito não é um sinal tão comum nos gatos como é nos cães e em pessoas, e a duração dos sinais clínicos pode variar de três dias a 12 semanas. Mais informações: http://www.idexx.com/pubwebresources/pdf/en_us/smallanimal/reference- laboratories/pancreatitis-in-dogs-vs-cats.pdfVetLab Análises Clínicas Veterinárias LtdaEstrada União e Indústria 9381 Sl 05 e 06 Itaipava Petrópolis RJCEP 25730 736Tel. (24) 2222 2907 / (21) 3255-4284 Nextel 8*55573 Cel. (24) 9232-0963
  6. 6. Informativo VetLab Outubro /2011 NOVOS EXAMES ○Fosfatase Alcalina Total e Frações – canino (isoenzimas óssea, induzida por glicocorticóides e hepática – apenas caninos) Material: Soro 1,0 ml Condições de coleta: Jejum de 4 horas. Método: Eletroforese Prazo: 3 dias. Comentários: O teste tem utilidade no diagnóstico diferencial das elevações da fosfatase alcalina. O cão apresenta 3 isoenzimas de Fosfatase Alcalina: óssea, induzida por glicocorticóides e hepática. Na prática clinica, o aumento da produção da FA e de sua atividade sérica está relacionada a doenças hepáticas, hepatobiliares, doenças ósseas que cursam com aumento de atividade osteoblástica, indução por drogas e várias doenças crônicas, inclusive neoplasias. Osteossarcoma e outras neoplasias ósseas (primárias ou secundárias), raquitismo, osteomalacia, hiperparatireoidismo proporcionam maior atividade da fração óssea devido a proliferação de osteoblastos que acompanham estes distúrbios. É possível notar aumento marcante na atividade sérica da Fosfatase Alcalina nos casos de colestase em cães. O aumento da pressão no lúmen dos ductos biliares induz ao aumento na produção da isoenzima hepática pelos hepatócitos. Em colestase, este aumento geralmente ocorre antes que da elevação da bilirrubina. Doenças hepáticas que resultam em acentuada tumefação dos hepatócitos – lipidose hepática, inflamação do parênquima hepático – podem induzir ao aumento da fosfatase alcalina sérica. Em cães, os glicocorticóides (exógenos ou endógenos) provocam maior produção da fosfatase alcalina pelos hepatócitos. O hiperadrenocorticismo está associada à alta atividade plasmática de fosfatase alcalina, devido à freqüente presença de hepatopatia esteróide exógena, e também pela produção de uma isoenzima induzida por glicocorticóides pelo córtex adrenal. ○Fosfatase Alcalina isoenziama induzida por glicocorticóides (caninos) Material: Soro 1,0 ml Condições de coleta: Jejum de 4 horas. Método: Termoestabilidade Prazo: 2 dias.VetLab Análises Clínicas Veterinárias LtdaEstrada União e Indústria 9381 Sl 05 e 06 Itaipava Petrópolis RJCEP 25730 736Tel. (24) 2222 2907 / (21) 3255-4284 Nextel 8*55573 Cel. (24) 9232-0963

×