SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
SIMULADO DE PORTUGUÊS-5º ANO
ALUNO______________________PROFª____________
Leiao textoe,a seguir,respondaasquestões1, 2, 3 e 4.
O dinossauro que fazia au-au
Pedro Bandeira
Dona Lazinha fechou a porta e Galileu desceu furioso
pelo elevador.
– Droga! O que está acontecendo? Como é que a
mãe foi confundir o Isauro com um cachorro? Dinossauro tem
escamas, não tem pelos.Além disso,o Isauro éum
dinossauro finíssimo.Nunca faria xixi pelos cantos!
Foi aí que o elevador parou.Parou justo no andar
onde morava o síndico.A porta foi aberta e ... Adivinhe quem
entrou? Herodes, o xerife-síndico em pessoa!
Galileu ficou gelado e Cuim, o ratinho de estimação,
sentiu saltar o coração do menino.
O xerife-síndico entrou, olhou para Isauro e
cumprimentou, daquele jeito que todo mundo se
cumprimenta nos elevadores:
– Grunf...
Mais que depressa,Galileu tentou intervir.
– Bom dia.Este é o Isauro...
– Au-au! – fez o dinossauro,amistosamente,
sacudindo o rabo.
O xerife-síndico deu um pulo que sacudiu o elevador.
– O quê?! Um cachorro no prédio? Galileu,eu não
disseque era proibido trazer cachorros aqui?
– Mas Isauro não éum cachorro.É um dinossauro.
Não é um bichinho de estimação como qualquer outro. É um
bichão de estimacinha!
– Au-au! – reforçou Isauro.
O xerife-síndico não queria conversa.
– Não me importa se ele sechama Dinossauro,Rex
ou Lulu. Cachorros estão proibidos nesteprédio e está
acabado!
– Pois vamos começar de novo! – protestou Galileu.
– Isauro não éum cachorro.É apenas um dinossauro!
– Dinossauros não existem.Está me achando com
cara de idiota?
Aí foi Moreno quem respondeu:
– Se o Galileu está achando,não sei.Mas eu estou!
Desaforos de papagaio!Herodes, o xerife-síndico,
ficou mais furioso ainda.
– Galileu,tireessebicho daqui!
– Qual bicho?
– Todos eles!
O elevador parou no térreo. O xerife-síndico saiu
batendo os calcanhares eplanejando que,na próxima
reunião dos moradores, ia propor também a proibição de
papagaios no prédio.
D4
01-Galileuafirmavaque Isauroeraum dinossauropara
(A) livrar-se dabroncada mãe que nãogostava de
cachorro.
(B) tornar seubichomaisdivertidoe misterioso.
(C) usar a imaginaçãoao brincarcom seuanimal de
estimação.
(D) enganaro síndico e desobedeceràsregrasdo
prédio.
D11
02-Qual trechoapresentaumaopinião?
(A) “O xerife-síndicoentrou,olhouparaIsauroe
cumprimentou...”
(B) “Cachorros estãoproibidosneste prédioe está
acabado!”
(C) “O xerife-síndicodeuum puloque sacudiuo
elevador.”
(D) “Se o Galileuestáachando,nãosei.Mas euestou!”
D1
03-Onde GalileuencontrouHerodes?
(A) Notérreodo prédio. (B) Dentrodoelevador.
(C) No andardo síndico. (D) Em seuapartamento.
D7
04-Nestanarrativa,a personagemprincipal é
(A) Isauro. (B) Galileu.
(C) Moreno. (D) Herodes.
Leia o texto e, a seguir, responda as questões 5 e 6.
Amigos do peito
Cláudio Thebas
Todo dia eu volto da escola
Com a Ana Lúcia da esquina.
Da esquina não é sobrenome,
É o endereço da menina.
O irmão dela é mais velho
E mesmo assimémeu amigo.
Sempre, depois do almoço,
Ele joga bola comigo.
Já o Carlos Alberto,do lado,
(do lado não é nome também)
Tem uma bicicleta legal,
Mas não empresta pra ninguém.
O bairro ondemoro é assim,
Tem gente de tudo que é jeito.
Pessoas quesão muito chatas,
E um monte de amigos do peito:
O Bruno do prédio da frente,
O Ricardo do sétimo andar,
O irmão da Ana Lúcia da esquina,
O filho do dono do bar.
O nome completo deles
Eu nunca sei,ou esqueço.
Amigo não tem sobrenome:
Amigo tem endereço.
D12
05-No verso“Pessoasque sãomuitochatas”,a palavra
“muito”indica
(A) lugar. (B) tempo.
(C) negação. (D) intensidade.
D9
06-Esse textotemoobjetivode
(A) relacionaralgunsendereços.
(B) defenderumaideia.
(C) noticiarum fato.
(D) entreteroleitor.
Leiao textoe,a seguir,responda.
História temperada
A pimenta é figurinha fácil em muitos pratos
brasileiros:vai bemno acarajé,incrementa a feijoada...Já no
século XVI, a iguaria faziasucesso entre os navegadores que
visitavamnossasterras.Isso mesmo!Engana-se quem pensa
que eles queriam só pau-brasil –também vinhamatrás da
pimenta, que era essencial paragarantirsua sobrevivência
em alto-mar.
D8
07-A pimenta fazia sucesso entre os navegadores
porque
(A) elaeranecessáriaemmuitospratosbrasileiros.
(B) elaincrementaafeijoadae vai bemno acarajé.
(C) elaera essencial paragarantira sobrevivênciaem
alto-mar.
(D) elesencontravamfacilmenteestaiguariaemnossas
terras.
Leia o texto e, a seguir, responda.
D5
08-Ao relacionarimageme texto,percebe-se que a
quantidade de comunidadesquilombolasemGoiásé de
(A) 75. (B) 57. (C) 65. (D) 93.
Leia o texto e, a seguir, responda as questões 9 e 10.
O camelo e o dromedário
Ruy Proença
Se alguém lhe perguntar:
“Em que o camelo
difere do dromedário?”.
Você dirá satisfeito:
“Isso é básico,primário,
nem na barba nem no cabelo
só pode ser em outro lugar...”.
Ou dirá:
“Melhor ir primeiro
ao dicionário
saber direito
o que é dromedário”.
Nesse caso,
Então, a conclusão:
“Ah, grande coisa!...grandenova!...
Quem é que não sabe...
A diferença está na corcova.
É só uma questão
de vocabulário:
Duas transporta o camelo;
Uma, o dromedário”.
Pronto, acabou-seo mistério!!
A pergunta virou cemitério.
D14
09-No trecho“Pronto,acabou-se omistério!!”,ouso
dos pontosde exclamaçãoserve para
(A) enfatizarque omistérioacabou.
(B) perguntarse ainda há algummistério.
(C) demonstrarsurpresadiante domistério.
(D) exporuma dúvidaemrelaçãoao mistério.
D6
10-O assuntoprincipal desse textoé
(A) a diferençaentre ocameloe o dromedário.
(B) as corcovas do dromedárioe docamelo.
(C) a pesquisadaspalavrasno dicionário.
(D) o mistériododromedário.
Leiaos textose,a seguir,respondaasquestões11,12,
13 e 14.
TEXTO I
Numa fria
Mesmotrincandode frio,umgatinhovira-lata
sobreviveuporummêsdentrode umfrigoríficona
Inglaterranumafriaca de -20°! Ele se viroucomendo
frutascongeladase bebendoaágua que escorriade
rangos guardadosporlá. O gato-pinguimescapouvivo,
mas suasorelhase o rabo congelaram[...].
TEXTO II
Gato sobrevive a um mês dentro de frigorífico na
Inglaterra
Felinoperdeuparte dasorelhase orabo por
congelamento.
Um gato de umano de idade sobreviveuacerca
de um mêstrancado dentrode um frigoríficono
condadode Northamptonshire,nosul daInglaterra.
A sociedade protetoradosanimaisbritânica
(RSPCA,nasiglaeminglês),que resgatouofelinono
final domêspassado,informouque ele sobreviveuao
friode - 20C da câmara comendoervilhascongeladase
bebendoolíquidoque escorriadascomidas
armazenadasnolocal.[...]
Mas o felinonãosaiuincólumedoepisódio.
Suas orelhase seurabocongelarame tiveramde ser
amputadosparcialmente.Mesmoassim, Frostyparece
estarse recuperandobem.[...]
D15
11- Aocomparar os doistextos,qual informaçãoé
tratada apenasno textoII?
(A) Um felinoque teve asorelhase orabo congelados.
(B) Um gato que sobreviveucomendofrutas
congeladas.
(C) O gato que sobreviveuapósummêstrancadoem
um frigorífico.
(D) O resgate de um felinopelasociedadeprotetorados
animaisbritânica.
D12
12-No textoII,a frase “Mas o felinonãosaiuincólume
do episódio.”,otermo“não”indica
(A) modo. (B) tempo.
(C) negação. (D) intensidade.
D9
13-O textoII temo objetivode
(A) defenderumaopinião. (B) debaterumaideia.
(C) ensinarumalição. (D) noticiarum fato.
D3
14-No textoI,a frase “Ele se viroucomendofrutas
congeladase bebendoaágua que escorriade rangos
guardadospor lá.”,a expressão“se virou” significaque
o gato
(A) deuumjeito. (B) comeumuito.
(C) ficoucongelado. (D) viroupara o lado.
Leiao textoe,a seguir,respondaasquestões15 e 16.
Filhote não voa
Rolando Boldrin
Existe por aí afora muito caboclinho esperto e
safado.Imaginem que lá pras bandas do Corgo Fundo tinha
um que era tal e qual do jeito que estou falando.
Pois não é que o dito cujo deu de roubar coisasda
igreja de lá? E virava emexia, o padre saía excomungando o
tal,pois não conseguia pegá-lo com a boca na botija,ou
melhor, com a mão na mercadoria roubada.Evai daqui e vai
dali,continuava sumindo coisa.Ora uma imagem, ora
dinheiro dos cofrinhos...Enfim: um despropósito de coragem
pra furto.
Mas – sempre tem um “mas” - eis que o padre
resolvebotar um paradeiro na roubança.Arma-sede um
trabuco carregado e seposta às escondidasno escuro da
igreja em altas horaseali espera,atocaiado,pelo ladrãozinho
que não deveria demorar para aparecer. Devia ser umas 3 da
madrugada quando o padre se depara com um vulto esperto
na escuridão.Engatilha o trabuco e aponta no rumo do vulto
que, percebendo, seesconde com a carinha desafado por
detrás de uma estátua grande de um anjo de asas...
Padre (falando alto) – Quem está aí?
Ninguém, é claro,responde.
Padre (mais alto) – Quem está aí?
Ninguém responde.
Padre (apontando a arma engatilhada) – Pois bem. Pela
última vez vou perguntar: quem está aí? Se não responder,
vou pregar fogo.
A Voz (trêmula e disfarçada) –É... é... um anjo,seu
vigário.Eu sô um anjo...
Padre (percebendo a malandragem) – Que anjo o
quê, seu idiota!Voa já daí!
A Voz (caipiresca) –Num posso avuá,seu vigário.Eu
sô fióti!
Conta-se que o padre, depois dessa resposta,
resolveu ir dormir.
D10
15-O trecho “Num posso avuá, seu vigário. Eu sô
fióti!” é próprio de uma linguagem
(A) formal. (B) técnica.
(C) informal. (D) jornalística.
D7
16-Qual trechoabaixoapresentaodesfechoda
história?
(A) “...eisque opadre resolve botarumparadeirona
roubança.”.
(B) “Engatilhao trabuco e aponta norumo do vultoque,
percebendo,se esconde...”.
(C) “Poisbem.Pelaúltimavezvouperguntar:quem
estáaí?”.
(D) “Conta-se que o padre,depoisdessaresposta,
resolveuirdormir.”.
Leiao textoe,a seguir,respondaasquestões 17,18, 19
e 20.
O vendedor de queijos
AlexandreAzevedo
Saiu o vendedor de queijos a vender seus queijos pelas ruas
da cidade. Na primeira casaqueencontrou, arriou sua sacola
e pôs-sea bater palmas.A empregada, pobremente vestida,
saiu à porta para atendê-lo:
— Pois não?
— A patroa não deseja comprar um queijinho? A
empregada mandou-o esperar um instantinho efoi para
dentro da casa perguntar para a patroa se ela não queria
queijo.Alguns instantes depois,a empregada voltou:
— A patroa mandou perguntar se é mineiro.
— Não, senhora, sou paraibano!
— empregada voltou para dentro para novamente
falar coma patroa. Depois:
— A patroa quer saber se o queijo é de Minas.
— Sei não, senhora.Que diferença faz? Ora,queijo é
queijo!
— Mas a patroa dissequesó compra se ele for
mineiro!É mineiro ou não é? O vendedor, para não perder a
freguesa, falou que era.
—
— Olha,dona, eu não tenho aqui comigo a certidão
de nascimento dele, não. Mas só tem um jeito de descobrir
se ele é mineiro ou não.
— E qual é? Quis saber a empregada.
—
apertadinha nele. Se ele disser uai,émineiro!
—
— Não tem erro. É mineiro mudo!
D2
17-No trecho“A senhoradá uma apertadinhanele.”,o
termo“nele”estásubstituindoapalavra
(A) queijo. (B) mineiro.
(C) vendedor. (D) paraibano.
D1
18-A patroa só comprariao queijose
(A) tivesse certidão. (B) viesse de Minas.
(C) fosse paraibano. (D) pudesse daruma
apertadinha.
D13
19-No final dotexto,ohumorestá no fatode
(A) a empregadaquererapertaroqueijo.
(B) o homemnão sermineiroe simparaibano.
(C) o vendedorinsinuarque oqueijovai falar“uai”.
(D) a patroasó comprar o queijose ele formineiro.
D14
20-No trecho“Ora, queijoé queijo!”,opontode
exclamaçãosugere que ohomemestá
(A) irritado. (B) admirado.
(C) enganado. (D) assustado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Provinhas para 2º ano
Provinhas para 2º anoProvinhas para 2º ano
Provinhas para 2º anoSherly Martins
 
Atividades de ortografia f v
Atividades de ortografia f vAtividades de ortografia f v
Atividades de ortografia f vDário Reis
 
Matematicando com a Rapunzel
Matematicando com a RapunzelMatematicando com a Rapunzel
Matematicando com a RapunzelJosianne Lacerda
 
Simulado 12 (port. 5º ano)
Simulado 12 (port. 5º ano)Simulado 12 (port. 5º ano)
Simulado 12 (port. 5º ano)Cidinha Paulo
 
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSimulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSilvânia Silveira
 
Leitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosLeitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosMarcos Ataide
 
II atividade avaliativa 4º ano pdf
II atividade avaliativa   4º ano pdfII atividade avaliativa   4º ano pdf
II atividade avaliativa 4º ano pdfAndré Moraes
 
Atividades de Matemática para o 1º Ano: Números - Quantidade, Antecessor/Suce...
Atividades de Matemática para o 1º Ano: Números - Quantidade, Antecessor/Suce...Atividades de Matemática para o 1º Ano: Números - Quantidade, Antecessor/Suce...
Atividades de Matemática para o 1º Ano: Números - Quantidade, Antecessor/Suce...Elisangela Terra
 
4º ANO - EDUCAÇÃO INTEGRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
4º ANO - EDUCAÇÃO INTEGRAL - ENSINO FUNDAMENTAL4º ANO - EDUCAÇÃO INTEGRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
4º ANO - EDUCAÇÃO INTEGRAL - ENSINO FUNDAMENTALJakes Paulo
 
Atividade avaliativa 3 bimestre 4º ano matemática
Atividade avaliativa 3 bimestre 4º ano   matemáticaAtividade avaliativa 3 bimestre 4º ano   matemática
Atividade avaliativa 3 bimestre 4º ano matemáticaAndré Moraes
 

Mais procurados (20)

Prova de português sobre texto instrucional
Prova de português sobre texto instrucionalProva de português sobre texto instrucional
Prova de português sobre texto instrucional
 
Provinhas para 2º ano
Provinhas para 2º anoProvinhas para 2º ano
Provinhas para 2º ano
 
Loteria os sons de x
Loteria  os sons de xLoteria  os sons de x
Loteria os sons de x
 
Atividade de matemática: Composição e decomposição dos números naturais – 3º ano
Atividade de matemática: Composição e decomposição dos números naturais – 3º anoAtividade de matemática: Composição e decomposição dos números naturais – 3º ano
Atividade de matemática: Composição e decomposição dos números naturais – 3º ano
 
Atividades de ortografia f v
Atividades de ortografia f vAtividades de ortografia f v
Atividades de ortografia f v
 
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º CICLO - ...
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 2º ANO  DO ENSINO FUNDAMENTAL -  1º CICLO - ...AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 2º ANO  DO ENSINO FUNDAMENTAL -  1º CICLO - ...
AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA - 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 1º CICLO - ...
 
Matematicando com a Rapunzel
Matematicando com a RapunzelMatematicando com a Rapunzel
Matematicando com a Rapunzel
 
A sopa de pedras e A chata ou as baratas
A sopa de pedras e A chata ou as baratasA sopa de pedras e A chata ou as baratas
A sopa de pedras e A chata ou as baratas
 
Simulado 12 (port. 5º ano)
Simulado 12 (port. 5º ano)Simulado 12 (port. 5º ano)
Simulado 12 (port. 5º ano)
 
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSimulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
 
Leitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosLeitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textos
 
II atividade avaliativa 4º ano pdf
II atividade avaliativa   4º ano pdfII atividade avaliativa   4º ano pdf
II atividade avaliativa 4º ano pdf
 
Atividades de Matemática para o 1º Ano: Números - Quantidade, Antecessor/Suce...
Atividades de Matemática para o 1º Ano: Números - Quantidade, Antecessor/Suce...Atividades de Matemática para o 1º Ano: Números - Quantidade, Antecessor/Suce...
Atividades de Matemática para o 1º Ano: Números - Quantidade, Antecessor/Suce...
 
Prova português para o 2º ano
Prova português para o 2º anoProva português para o 2º ano
Prova português para o 2º ano
 
4º ANO - EDUCAÇÃO INTEGRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
4º ANO - EDUCAÇÃO INTEGRAL - ENSINO FUNDAMENTAL4º ANO - EDUCAÇÃO INTEGRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
4º ANO - EDUCAÇÃO INTEGRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1
AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1
AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA: 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1
 
Atividade avaliativa 3 bimestre 4º ano matemática
Atividade avaliativa 3 bimestre 4º ano   matemáticaAtividade avaliativa 3 bimestre 4º ano   matemática
Atividade avaliativa 3 bimestre 4º ano matemática
 
Atividades avaliativas para o 2º ano
Atividades avaliativas para o 2º anoAtividades avaliativas para o 2º ano
Atividades avaliativas para o 2º ano
 
APOSTILA DE MATEMÁTICA COM DESCRITORES - 4º ANO DO E.F.1
APOSTILA DE MATEMÁTICA COM DESCRITORES - 4º ANO DO E.F.1APOSTILA DE MATEMÁTICA COM DESCRITORES - 4º ANO DO E.F.1
APOSTILA DE MATEMÁTICA COM DESCRITORES - 4º ANO DO E.F.1
 
78070553 avaliacao-de-ciencias
78070553 avaliacao-de-ciencias78070553 avaliacao-de-ciencias
78070553 avaliacao-de-ciencias
 

Destaque

Unidade 3 atividade_2_planodeaula_eleny
Unidade 3 atividade_2_planodeaula_elenyUnidade 3 atividade_2_planodeaula_eleny
Unidade 3 atividade_2_planodeaula_elenyeleny
 
Simulado de português 5º ano agosto 2017
Simulado de português   5º ano agosto 2017Simulado de português   5º ano agosto 2017
Simulado de português 5º ano agosto 2017CASA-FACEBOOK-INSTAGRAM
 
Dia do saresp_na_escola[1]
Dia do saresp_na_escola[1]Dia do saresp_na_escola[1]
Dia do saresp_na_escola[1]Sueli Galan
 

Destaque (6)

Simulado de matemática SPAECE
Simulado de matemática SPAECESimulado de matemática SPAECE
Simulado de matemática SPAECE
 
Unidade 3 atividade_2_planodeaula_eleny
Unidade 3 atividade_2_planodeaula_elenyUnidade 3 atividade_2_planodeaula_eleny
Unidade 3 atividade_2_planodeaula_eleny
 
Simulado de português 5ºano outubro
Simulado de português 5ºano outubroSimulado de português 5ºano outubro
Simulado de português 5ºano outubro
 
Simulado de português 5º ano agosto 2017
Simulado de português   5º ano agosto 2017Simulado de português   5º ano agosto 2017
Simulado de português 5º ano agosto 2017
 
Dia do saresp_na_escola[1]
Dia do saresp_na_escola[1]Dia do saresp_na_escola[1]
Dia do saresp_na_escola[1]
 
Situações-Problema - Matemática
Situações-Problema - MatemáticaSituações-Problema - Matemática
Situações-Problema - Matemática
 

Semelhante a Simulado de português com 20 questões

Simulado 13 (port. 5º ano)
Simulado 13 (port. 5º ano)Simulado 13 (port. 5º ano)
Simulado 13 (port. 5º ano)Cidinha Paulo
 
Cadernodoaluno4anolnguaportuguesa Paic .
Cadernodoaluno4anolnguaportuguesa Paic .Cadernodoaluno4anolnguaportuguesa Paic .
Cadernodoaluno4anolnguaportuguesa Paic .marcos carlos
 
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesaCaderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesaSilvânia Silveira
 
4º ano aval. diag. port.
4º ano   aval. diag. port.4º ano   aval. diag. port.
4º ano aval. diag. port.Cida Carvalho
 
simulado port. saresp.doc
simulado port. saresp.docsimulado port. saresp.doc
simulado port. saresp.docPROFaLUMENDES
 
D8 (por descritores port 5º ano)
D8  (por descritores port  5º ano)D8  (por descritores port  5º ano)
D8 (por descritores port 5º ano)Cidinha Paulo
 

Semelhante a Simulado de português com 20 questões (20)

Simulado 13 (port. 5º ano)
Simulado 13 (port. 5º ano)Simulado 13 (port. 5º ano)
Simulado 13 (port. 5º ano)
 
Avaliação proeb língua portuguesa 9º ano
Avaliação proeb língua portuguesa   9º anoAvaliação proeb língua portuguesa   9º ano
Avaliação proeb língua portuguesa 9º ano
 
Ava port 7 pip
Ava port 7 pipAva port 7 pip
Ava port 7 pip
 
Simulados força tarefa
Simulados força tarefa Simulados força tarefa
Simulados força tarefa
 
Língua portuguesa 5 ano
Língua portuguesa  5 anoLíngua portuguesa  5 ano
Língua portuguesa 5 ano
 
Língua portuguesa 5 ano
Língua portuguesa  5 anoLíngua portuguesa  5 ano
Língua portuguesa 5 ano
 
Simulado 5c2ba-ano-lp-8
Simulado 5c2ba-ano-lp-8Simulado 5c2ba-ano-lp-8
Simulado 5c2ba-ano-lp-8
 
Simulado 5c2ba-ano-lp-8
Simulado 5c2ba-ano-lp-8Simulado 5c2ba-ano-lp-8
Simulado 5c2ba-ano-lp-8
 
Simulado 7º ano
Simulado 7º anoSimulado 7º ano
Simulado 7º ano
 
Cadernodoaluno4anolnguaportuguesa Paic .
Cadernodoaluno4anolnguaportuguesa Paic .Cadernodoaluno4anolnguaportuguesa Paic .
Cadernodoaluno4anolnguaportuguesa Paic .
 
Cadernodoaluno 4 ano
Cadernodoaluno 4 anoCadernodoaluno 4 ano
Cadernodoaluno 4 ano
 
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesaCaderno do aluno 4º ano língua portuguesa
Caderno do aluno 4º ano língua portuguesa
 
Avaliação lingua portuguesa
Avaliação lingua portuguesaAvaliação lingua portuguesa
Avaliação lingua portuguesa
 
4º ano aval. diag. port.
4º ano   aval. diag. port.4º ano   aval. diag. port.
4º ano aval. diag. port.
 
Irredutiveis com asterix_3
Irredutiveis com asterix_3Irredutiveis com asterix_3
Irredutiveis com asterix_3
 
simulado port. saresp.doc
simulado port. saresp.docsimulado port. saresp.doc
simulado port. saresp.doc
 
Simulado 1 (port. 5º ano blog do prof. Warles)
Simulado 1 (port. 5º ano   blog do prof. Warles)Simulado 1 (port. 5º ano   blog do prof. Warles)
Simulado 1 (port. 5º ano blog do prof. Warles)
 
Provalp1bi5ano
Provalp1bi5anoProvalp1bi5ano
Provalp1bi5ano
 
Descritor 02.ppsx
Descritor 02.ppsxDescritor 02.ppsx
Descritor 02.ppsx
 
D8 (por descritores port 5º ano)
D8  (por descritores port  5º ano)D8  (por descritores port  5º ano)
D8 (por descritores port 5º ano)
 

Mais de CASA-FACEBOOK-INSTAGRAM

Simulado de matemática 5º ano setembro
Simulado de matemática 5º ano setembroSimulado de matemática 5º ano setembro
Simulado de matemática 5º ano setembroCASA-FACEBOOK-INSTAGRAM
 
Simulado de matemática 5ºano agosto 2017
Simulado de matemática 5ºano agosto 2017Simulado de matemática 5ºano agosto 2017
Simulado de matemática 5ºano agosto 2017CASA-FACEBOOK-INSTAGRAM
 
Simulado de matematica 5ºano spaece 2014
Simulado de matematica   5ºano spaece 2014Simulado de matematica   5ºano spaece 2014
Simulado de matematica 5ºano spaece 2014CASA-FACEBOOK-INSTAGRAM
 
Simulado de português 5º ano spaece 2014
Simulado de português 5º ano  spaece 2014Simulado de português 5º ano  spaece 2014
Simulado de português 5º ano spaece 2014CASA-FACEBOOK-INSTAGRAM
 
Atividades para o simulado de matemática 4º ano
Atividades para o simulado de matemática 4º anoAtividades para o simulado de matemática 4º ano
Atividades para o simulado de matemática 4º anoCASA-FACEBOOK-INSTAGRAM
 

Mais de CASA-FACEBOOK-INSTAGRAM (20)

Simulado de matemática 5º ano setembro
Simulado de matemática 5º ano setembroSimulado de matemática 5º ano setembro
Simulado de matemática 5º ano setembro
 
Simulado de matemática 5ºano agosto 2017
Simulado de matemática 5ºano agosto 2017Simulado de matemática 5ºano agosto 2017
Simulado de matemática 5ºano agosto 2017
 
Simulado de matemática 5ºano
Simulado de matemática 5ºanoSimulado de matemática 5ºano
Simulado de matemática 5ºano
 
Simulado de português 5ºano
Simulado de português 5ºanoSimulado de português 5ºano
Simulado de português 5ºano
 
Simulado de matemática 5ºano
Simulado de matemática 5ºanoSimulado de matemática 5ºano
Simulado de matemática 5ºano
 
Avaliação de matematica 5ºano
Avaliação de matematica 5ºanoAvaliação de matematica 5ºano
Avaliação de matematica 5ºano
 
Simulado de português 5ºano 2016
Simulado de português 5ºano 2016Simulado de português 5ºano 2016
Simulado de português 5ºano 2016
 
Avaliação mensal matematica 4ºano
Avaliação mensal matematica 4ºanoAvaliação mensal matematica 4ºano
Avaliação mensal matematica 4ºano
 
Avaliação de história 4ºano
Avaliação de história 4ºanoAvaliação de história 4ºano
Avaliação de história 4ºano
 
Avaliação de geografia 4ºano
Avaliação de geografia 4ºanoAvaliação de geografia 4ºano
Avaliação de geografia 4ºano
 
Simulado de matemática 5º ano 2014
Simulado de matemática 5º ano 2014Simulado de matemática 5º ano 2014
Simulado de matemática 5º ano 2014
 
Simulado de português 2014 5ºANO
Simulado de português  2014 5ºANOSimulado de português  2014 5ºANO
Simulado de português 2014 5ºANO
 
Simulado de matemática novembro 2014
Simulado de matemática novembro 2014Simulado de matemática novembro 2014
Simulado de matemática novembro 2014
 
Simulado de matematica 5ºano spaece 2014
Simulado de matematica   5ºano spaece 2014Simulado de matematica   5ºano spaece 2014
Simulado de matematica 5ºano spaece 2014
 
Simulado de português 5º ano spaece 2014
Simulado de português 5º ano  spaece 2014Simulado de português 5º ano  spaece 2014
Simulado de português 5º ano spaece 2014
 
Simulado matematica 5º ano outubro
Simulado matematica 5º ano outubroSimulado matematica 5º ano outubro
Simulado matematica 5º ano outubro
 
Atividades para o simulado de matemática 4º ano
Atividades para o simulado de matemática 4º anoAtividades para o simulado de matemática 4º ano
Atividades para o simulado de matemática 4º ano
 
Simulado matemática 5ºano 2014
Simulado matemática 5ºano 2014Simulado matemática 5ºano 2014
Simulado matemática 5ºano 2014
 
Simulado de português 2014
Simulado de português 2014Simulado de português 2014
Simulado de português 2014
 
Simulado de matemática 5ºano 2013
Simulado de matemática 5ºano 2013Simulado de matemática 5ºano 2013
Simulado de matemática 5ºano 2013
 

Último

Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 

Simulado de português com 20 questões

  • 1. SIMULADO DE PORTUGUÊS-5º ANO ALUNO______________________PROFª____________ Leiao textoe,a seguir,respondaasquestões1, 2, 3 e 4. O dinossauro que fazia au-au Pedro Bandeira Dona Lazinha fechou a porta e Galileu desceu furioso pelo elevador. – Droga! O que está acontecendo? Como é que a mãe foi confundir o Isauro com um cachorro? Dinossauro tem escamas, não tem pelos.Além disso,o Isauro éum dinossauro finíssimo.Nunca faria xixi pelos cantos! Foi aí que o elevador parou.Parou justo no andar onde morava o síndico.A porta foi aberta e ... Adivinhe quem entrou? Herodes, o xerife-síndico em pessoa! Galileu ficou gelado e Cuim, o ratinho de estimação, sentiu saltar o coração do menino. O xerife-síndico entrou, olhou para Isauro e cumprimentou, daquele jeito que todo mundo se cumprimenta nos elevadores: – Grunf... Mais que depressa,Galileu tentou intervir. – Bom dia.Este é o Isauro... – Au-au! – fez o dinossauro,amistosamente, sacudindo o rabo. O xerife-síndico deu um pulo que sacudiu o elevador. – O quê?! Um cachorro no prédio? Galileu,eu não disseque era proibido trazer cachorros aqui? – Mas Isauro não éum cachorro.É um dinossauro. Não é um bichinho de estimação como qualquer outro. É um bichão de estimacinha! – Au-au! – reforçou Isauro. O xerife-síndico não queria conversa. – Não me importa se ele sechama Dinossauro,Rex ou Lulu. Cachorros estão proibidos nesteprédio e está acabado! – Pois vamos começar de novo! – protestou Galileu. – Isauro não éum cachorro.É apenas um dinossauro! – Dinossauros não existem.Está me achando com cara de idiota? Aí foi Moreno quem respondeu: – Se o Galileu está achando,não sei.Mas eu estou! Desaforos de papagaio!Herodes, o xerife-síndico, ficou mais furioso ainda. – Galileu,tireessebicho daqui! – Qual bicho? – Todos eles! O elevador parou no térreo. O xerife-síndico saiu batendo os calcanhares eplanejando que,na próxima reunião dos moradores, ia propor também a proibição de papagaios no prédio. D4 01-Galileuafirmavaque Isauroeraum dinossauropara (A) livrar-se dabroncada mãe que nãogostava de cachorro. (B) tornar seubichomaisdivertidoe misterioso. (C) usar a imaginaçãoao brincarcom seuanimal de estimação. (D) enganaro síndico e desobedeceràsregrasdo prédio. D11 02-Qual trechoapresentaumaopinião? (A) “O xerife-síndicoentrou,olhouparaIsauroe cumprimentou...” (B) “Cachorros estãoproibidosneste prédioe está acabado!” (C) “O xerife-síndicodeuum puloque sacudiuo elevador.” (D) “Se o Galileuestáachando,nãosei.Mas euestou!” D1 03-Onde GalileuencontrouHerodes? (A) Notérreodo prédio. (B) Dentrodoelevador. (C) No andardo síndico. (D) Em seuapartamento. D7 04-Nestanarrativa,a personagemprincipal é (A) Isauro. (B) Galileu. (C) Moreno. (D) Herodes. Leia o texto e, a seguir, responda as questões 5 e 6. Amigos do peito Cláudio Thebas Todo dia eu volto da escola Com a Ana Lúcia da esquina. Da esquina não é sobrenome, É o endereço da menina. O irmão dela é mais velho E mesmo assimémeu amigo. Sempre, depois do almoço, Ele joga bola comigo. Já o Carlos Alberto,do lado, (do lado não é nome também) Tem uma bicicleta legal, Mas não empresta pra ninguém. O bairro ondemoro é assim, Tem gente de tudo que é jeito. Pessoas quesão muito chatas, E um monte de amigos do peito: O Bruno do prédio da frente, O Ricardo do sétimo andar, O irmão da Ana Lúcia da esquina, O filho do dono do bar. O nome completo deles Eu nunca sei,ou esqueço. Amigo não tem sobrenome: Amigo tem endereço. D12 05-No verso“Pessoasque sãomuitochatas”,a palavra “muito”indica (A) lugar. (B) tempo. (C) negação. (D) intensidade. D9 06-Esse textotemoobjetivode (A) relacionaralgunsendereços. (B) defenderumaideia. (C) noticiarum fato. (D) entreteroleitor. Leiao textoe,a seguir,responda.
  • 2. História temperada A pimenta é figurinha fácil em muitos pratos brasileiros:vai bemno acarajé,incrementa a feijoada...Já no século XVI, a iguaria faziasucesso entre os navegadores que visitavamnossasterras.Isso mesmo!Engana-se quem pensa que eles queriam só pau-brasil –também vinhamatrás da pimenta, que era essencial paragarantirsua sobrevivência em alto-mar. D8 07-A pimenta fazia sucesso entre os navegadores porque (A) elaeranecessáriaemmuitospratosbrasileiros. (B) elaincrementaafeijoadae vai bemno acarajé. (C) elaera essencial paragarantira sobrevivênciaem alto-mar. (D) elesencontravamfacilmenteestaiguariaemnossas terras. Leia o texto e, a seguir, responda. D5 08-Ao relacionarimageme texto,percebe-se que a quantidade de comunidadesquilombolasemGoiásé de (A) 75. (B) 57. (C) 65. (D) 93. Leia o texto e, a seguir, responda as questões 9 e 10. O camelo e o dromedário Ruy Proença Se alguém lhe perguntar: “Em que o camelo difere do dromedário?”. Você dirá satisfeito: “Isso é básico,primário, nem na barba nem no cabelo só pode ser em outro lugar...”. Ou dirá: “Melhor ir primeiro ao dicionário saber direito o que é dromedário”. Nesse caso, Então, a conclusão: “Ah, grande coisa!...grandenova!... Quem é que não sabe... A diferença está na corcova. É só uma questão de vocabulário: Duas transporta o camelo; Uma, o dromedário”. Pronto, acabou-seo mistério!! A pergunta virou cemitério. D14 09-No trecho“Pronto,acabou-se omistério!!”,ouso dos pontosde exclamaçãoserve para (A) enfatizarque omistérioacabou. (B) perguntarse ainda há algummistério. (C) demonstrarsurpresadiante domistério. (D) exporuma dúvidaemrelaçãoao mistério. D6 10-O assuntoprincipal desse textoé (A) a diferençaentre ocameloe o dromedário. (B) as corcovas do dromedárioe docamelo. (C) a pesquisadaspalavrasno dicionário. (D) o mistériododromedário. Leiaos textose,a seguir,respondaasquestões11,12, 13 e 14. TEXTO I Numa fria Mesmotrincandode frio,umgatinhovira-lata sobreviveuporummêsdentrode umfrigoríficona Inglaterranumafriaca de -20°! Ele se viroucomendo frutascongeladase bebendoaágua que escorriade rangos guardadosporlá. O gato-pinguimescapouvivo, mas suasorelhase o rabo congelaram[...]. TEXTO II Gato sobrevive a um mês dentro de frigorífico na Inglaterra Felinoperdeuparte dasorelhase orabo por congelamento. Um gato de umano de idade sobreviveuacerca de um mêstrancado dentrode um frigoríficono condadode Northamptonshire,nosul daInglaterra. A sociedade protetoradosanimaisbritânica (RSPCA,nasiglaeminglês),que resgatouofelinono final domêspassado,informouque ele sobreviveuao friode - 20C da câmara comendoervilhascongeladase bebendoolíquidoque escorriadascomidas armazenadasnolocal.[...] Mas o felinonãosaiuincólumedoepisódio. Suas orelhase seurabocongelarame tiveramde ser amputadosparcialmente.Mesmoassim, Frostyparece estarse recuperandobem.[...] D15 11- Aocomparar os doistextos,qual informaçãoé tratada apenasno textoII? (A) Um felinoque teve asorelhase orabo congelados. (B) Um gato que sobreviveucomendofrutas congeladas. (C) O gato que sobreviveuapósummêstrancadoem um frigorífico. (D) O resgate de um felinopelasociedadeprotetorados animaisbritânica.
  • 3. D12 12-No textoII,a frase “Mas o felinonãosaiuincólume do episódio.”,otermo“não”indica (A) modo. (B) tempo. (C) negação. (D) intensidade. D9 13-O textoII temo objetivode (A) defenderumaopinião. (B) debaterumaideia. (C) ensinarumalição. (D) noticiarum fato. D3 14-No textoI,a frase “Ele se viroucomendofrutas congeladase bebendoaágua que escorriade rangos guardadospor lá.”,a expressão“se virou” significaque o gato (A) deuumjeito. (B) comeumuito. (C) ficoucongelado. (D) viroupara o lado. Leiao textoe,a seguir,respondaasquestões15 e 16. Filhote não voa Rolando Boldrin Existe por aí afora muito caboclinho esperto e safado.Imaginem que lá pras bandas do Corgo Fundo tinha um que era tal e qual do jeito que estou falando. Pois não é que o dito cujo deu de roubar coisasda igreja de lá? E virava emexia, o padre saía excomungando o tal,pois não conseguia pegá-lo com a boca na botija,ou melhor, com a mão na mercadoria roubada.Evai daqui e vai dali,continuava sumindo coisa.Ora uma imagem, ora dinheiro dos cofrinhos...Enfim: um despropósito de coragem pra furto. Mas – sempre tem um “mas” - eis que o padre resolvebotar um paradeiro na roubança.Arma-sede um trabuco carregado e seposta às escondidasno escuro da igreja em altas horaseali espera,atocaiado,pelo ladrãozinho que não deveria demorar para aparecer. Devia ser umas 3 da madrugada quando o padre se depara com um vulto esperto na escuridão.Engatilha o trabuco e aponta no rumo do vulto que, percebendo, seesconde com a carinha desafado por detrás de uma estátua grande de um anjo de asas... Padre (falando alto) – Quem está aí? Ninguém, é claro,responde. Padre (mais alto) – Quem está aí? Ninguém responde. Padre (apontando a arma engatilhada) – Pois bem. Pela última vez vou perguntar: quem está aí? Se não responder, vou pregar fogo. A Voz (trêmula e disfarçada) –É... é... um anjo,seu vigário.Eu sô um anjo... Padre (percebendo a malandragem) – Que anjo o quê, seu idiota!Voa já daí! A Voz (caipiresca) –Num posso avuá,seu vigário.Eu sô fióti! Conta-se que o padre, depois dessa resposta, resolveu ir dormir. D10 15-O trecho “Num posso avuá, seu vigário. Eu sô fióti!” é próprio de uma linguagem (A) formal. (B) técnica. (C) informal. (D) jornalística. D7 16-Qual trechoabaixoapresentaodesfechoda história? (A) “...eisque opadre resolve botarumparadeirona roubança.”. (B) “Engatilhao trabuco e aponta norumo do vultoque, percebendo,se esconde...”. (C) “Poisbem.Pelaúltimavezvouperguntar:quem estáaí?”. (D) “Conta-se que o padre,depoisdessaresposta, resolveuirdormir.”. Leiao textoe,a seguir,respondaasquestões 17,18, 19 e 20. O vendedor de queijos AlexandreAzevedo Saiu o vendedor de queijos a vender seus queijos pelas ruas da cidade. Na primeira casaqueencontrou, arriou sua sacola e pôs-sea bater palmas.A empregada, pobremente vestida, saiu à porta para atendê-lo: — Pois não? — A patroa não deseja comprar um queijinho? A empregada mandou-o esperar um instantinho efoi para dentro da casa perguntar para a patroa se ela não queria queijo.Alguns instantes depois,a empregada voltou: — A patroa mandou perguntar se é mineiro. — Não, senhora, sou paraibano! — empregada voltou para dentro para novamente falar coma patroa. Depois: — A patroa quer saber se o queijo é de Minas. — Sei não, senhora.Que diferença faz? Ora,queijo é queijo! — Mas a patroa dissequesó compra se ele for mineiro!É mineiro ou não é? O vendedor, para não perder a freguesa, falou que era. — — Olha,dona, eu não tenho aqui comigo a certidão de nascimento dele, não. Mas só tem um jeito de descobrir se ele é mineiro ou não. — E qual é? Quis saber a empregada. — apertadinha nele. Se ele disser uai,émineiro! — — Não tem erro. É mineiro mudo! D2 17-No trecho“A senhoradá uma apertadinhanele.”,o termo“nele”estásubstituindoapalavra (A) queijo. (B) mineiro. (C) vendedor. (D) paraibano. D1 18-A patroa só comprariao queijose (A) tivesse certidão. (B) viesse de Minas. (C) fosse paraibano. (D) pudesse daruma apertadinha. D13 19-No final dotexto,ohumorestá no fatode (A) a empregadaquererapertaroqueijo. (B) o homemnão sermineiroe simparaibano. (C) o vendedorinsinuarque oqueijovai falar“uai”. (D) a patroasó comprar o queijose ele formineiro. D14 20-No trecho“Ora, queijoé queijo!”,opontode exclamaçãosugere que ohomemestá (A) irritado. (B) admirado. (C) enganado. (D) assustado.