CAPÍTULO 01 <br />A História do Petróleo e do Gás Natural<br />Parte 3 de 3<br />
O Gás Natural<br /><ul><li>Mistura de hidrocarbonetos leves;
Combustível fóssil;
Energia não renovável;
Oriundo da degradação de matéria orgânica, sem contato com o oxigênio, em altas pressões e temperaturas;</li></li></ul><li...
Constituintes do Gás Natural<br /><ul><li>Hidrocarbonetos leves;
Metano (> 70%);
Outros hidrocarbonetos. Ex: Etano e Propano;
Impurezas:
Nitrogênio;
Enxofre;
Gás Carbônico;
Mercúrio;</li></li></ul><li>Fatos Históricos<br /><ul><li>Existem relatos do uso em Roma (50a.C.) e na China (150d.C.);
A exploração comercial iniciou-se em 1876 nos EUA;
As descobertas no mundo se intensificaram depois da I Guerra Mundial;
Até a metade do século XX, a utilização em escala comercial do GN ficou restrita aos Estados Unidos;</li></li></ul><li>Fat...
Perdedores: petróleo e carvão mineral;
Ganhadores: Gás Natural, Hidrelétrica e Nuclear;
Consumo privado do GN aumentou principalmente na Europa;</li></li></ul><li>Fatos Históricos<br />Consumo de Energia Primár...
Fatos Históricos – Um parêntese<br />O acidente com umausina nuclear no Japãopode ser consideradoumacrisedaEnergia Nuclear...
O Gás Natural no Brasil<br /><ul><li>Até a década de 1970, sua utilização cresceu devagar:
Dificuldade de transporte e armazenagem;
Preços baixos no mercado;
Concorrência com os derivados do petróleo;
Rede de gasodutos apresentou evolução similar;</li></li></ul><li>O Gás Natural no Brasil<br />Fonte: ANP, Boletim do Gás (...
O Gás Natural no Brasil<br /><ul><li>Entre 1980 - 2000:
Evolução tecnológica na transformação e consumo de energia (destaque para o GN);
Redução de custos das tecnologias de geração de energia que utilizam GN;
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aula 03 - A história do Petróleo e do Gás Natural - Parte 3 de 3

6.862 visualizações

Publicada em

Parte 3 de 3 do capítulo "A História do Petróleo e Gás Natural", ministrado para alunos do curso profissionalizante de formação de auxiliar de plataforma.

Publicada em: Educação, Tecnologia, Negócios
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.862
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
184
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 03 - A história do Petróleo e do Gás Natural - Parte 3 de 3

  1. 1. CAPÍTULO 01 <br />A História do Petróleo e do Gás Natural<br />Parte 3 de 3<br />
  2. 2. O Gás Natural<br /><ul><li>Mistura de hidrocarbonetos leves;
  3. 3. Combustível fóssil;
  4. 4. Energia não renovável;
  5. 5. Oriundo da degradação de matéria orgânica, sem contato com o oxigênio, em altas pressões e temperaturas;</li></li></ul><li>O Gás Natural<br />Pela lei número 9.478/97 (Lei do Petróleo), o gás natural é a porção do petróleo que existe na fase gasosa ou em solução no óleo, nas condições originais de reservatório, e que permanece no estado gasoso em CNTP (condições normais de temperatura e pressão).<br />
  6. 6. Constituintes do Gás Natural<br /><ul><li>Hidrocarbonetos leves;
  7. 7. Metano (> 70%);
  8. 8. Outros hidrocarbonetos. Ex: Etano e Propano;
  9. 9. Impurezas:
  10. 10. Nitrogênio;
  11. 11. Enxofre;
  12. 12. Gás Carbônico;
  13. 13. Mercúrio;</li></li></ul><li>Fatos Históricos<br /><ul><li>Existem relatos do uso em Roma (50a.C.) e na China (150d.C.);
  14. 14. A exploração comercial iniciou-se em 1876 nos EUA;
  15. 15. As descobertas no mundo se intensificaram depois da I Guerra Mundial;
  16. 16. Até a metade do século XX, a utilização em escala comercial do GN ficou restrita aos Estados Unidos;</li></li></ul><li>Fatos Históricos<br /><ul><li>Crise de 1973: a elevação dos preços do petróleo viabilizaram a utilização de novas fontes de energia:
  17. 17. Perdedores: petróleo e carvão mineral;
  18. 18. Ganhadores: Gás Natural, Hidrelétrica e Nuclear;
  19. 19. Consumo privado do GN aumentou principalmente na Europa;</li></li></ul><li>Fatos Históricos<br />Consumo de Energia Primária do Mundo (%)<br />Fonte: BPStatisticalReview 1973, 1980, 1990 e 1998. (ANP, 2001)<br />
  20. 20. Fatos Históricos – Um parêntese<br />O acidente com umausina nuclear no Japãopode ser consideradoumacrisedaEnergia Nuclear?<br />Este acidentepoderáfazer com que o mundocomece a substituirestaenergiaporoutrasfontes? <br />Vídeos - O Acidente no Japão, Chernobyl e as conseqüências para o homem do contato com a radiação<br />
  21. 21. O Gás Natural no Brasil<br /><ul><li>Até a década de 1970, sua utilização cresceu devagar:
  22. 22. Dificuldade de transporte e armazenagem;
  23. 23. Preços baixos no mercado;
  24. 24. Concorrência com os derivados do petróleo;
  25. 25. Rede de gasodutos apresentou evolução similar;</li></li></ul><li>O Gás Natural no Brasil<br />Fonte: ANP, Boletim do Gás (Dez/2010)<br />
  26. 26. O Gás Natural no Brasil<br /><ul><li>Entre 1980 - 2000:
  27. 27. Evolução tecnológica na transformação e consumo de energia (destaque para o GN);
  28. 28. Redução de custos das tecnologias de geração de energia que utilizam GN;
  29. 29. Constituição de 1988: distribuição de gás natural é monopólio estatal;</li></li></ul><li>O Gás Natural no Brasil<br /><ul><li>1993: Governo impõe à Petrobrás gasoduto Brasil-Bolívia;
  30. 30. Emenda Constitucional 09/1995 e Lei 9.478/97 tiram monopólio da Petrobrás e criam Agência Nacional de Petróleo (ANP);
  31. 31. Maior competição: estímulo à inovação tecnológica e melhoria da qualidade dos serviços para consumidores finais;</li></li></ul><li>O Gás Natural no Brasil e no Mundo<br /><ul><li>Fatores que aumentaram a demanda por GN:
  32. 32. Baixo tempo para implantação de turbinas a gás (termelétricas);
  33. 33. Tamanho reduzido da usina;
  34. 34. Flexibilidade operacional das termelétricas;
  35. 35. Disponibilidade de GN;</li></ul>O aumento da demanda gerou economias de escala que impulsionou mais a demanda<br />
  36. 36. O Gás Natural no Brasil e no Mundo<br /><ul><li>Fatores que aumentaram a demanda por GN:
  37. 37. Menor impacto ambiental (redução na emissão de gases do efeito estufa, ausência na produção de cinzas pesadas e facilidade de manuseio);
  38. 38. Houve substituição de outros combustíveis fósseis pelo GN em vários países do mundo;</li></li></ul><li>Alguns Pontos Negativos do GN<br /><ul><li>Emissor de gases do efeito estufa;
  39. 39. Transporte e armazenamento caro e arriscado: requer infraestrutura própria e inflexível;
  40. 40. Jazidas concentradas geograficamente;</li></li></ul><li>Localização do Gás Natural<br /><ul><li>Encontrado no subsolo, acumulado em rochas porosas, isoladas por rochas impermeáveis;
  41. 41. Pode estar ou não associados ao petróleo;</li></ul>Fonte: Anuário Estatístico ANP, 2010<br />
  42. 42. Localização do Gás Natural<br />
  43. 43. Exploração do Gás Natural<br /><ul><li>Primeira fase - pesquisa:
  44. 44. Testes sísmicos para identificar estruturas propícias ao acúmulo de gás;
  45. 45. Segunda fase - perfuração:
  46. 46. Mapeamento do reservatório para avaliação do potencial econômico da exploração do poço;</li></li></ul><li>Produção do Gás Natural<br /><ul><li>Primeira fase: separação da fase líquida (água e outros hidrocarbonetos) e da fase sólida (pó) do GN;
  47. 47. Segunda fase: remoção das impurezas tóxicas;
  48. 48. Terceira fase: processamento do GN (separação dos seus componentes de acordo com as especificações exigidas);</li></li></ul><li>Produção do Gás Natural<br /><ul><li>Parte do gás natural é aproveitado na própria unidade de produção como fonte de energia;
  49. 49. Outra parte é reinjetada no reservatório para aumentar a recuperação do petróleo;
  50. 50. Por fim, uma parte pode ser queimada;</li></li></ul><li>Processamento do Gás Natural<br /><ul><li>Primeira fase: desidratação (remoção do vapor d’água);
  51. 51. Segunda fase: destilação fracionada
  52. 52. Metano + Etano;
  53. 53. Propano + Butano (GLP);
  54. 54. Hidrocarbonetos C5+;</li></li></ul><li>Transporte do Gás Natural<br /><ul><li>Estado gasoso: através de dutos ou gasodutos;
  55. 55. Estado líquido:
  56. 56. Neste estado, é chamado de Gás Natural Liquefeito (GNL);
  57. 57. Sua temperatura deve ser inferior a -160ºC;
  58. 58. Pode ser transportado em navios e caminhões especiais;</li></li></ul><li>Transporte do Gás Natural<br />Curiosidade: o volume do GN chega a ser reduzido em 600 vezes no seu estado de GNL<br />
  59. 59. Utilização do Gás Natural<br /><ul><li>É uma fonte de energia não renovável:
  60. 60. Termelétricas: queimado para gerar calor, utilizado para produzir vapor e movimentar turbinas e geram eletricidade;
  61. 61. Indústrias em geral: utilizado como combustível para caldeiras ou queimadores.</li></li></ul><li>Utilização do Gás Natural<br /><ul><li>É uma fonte de energia não renovável:
  62. 62. Automóveis: utilizado como opção de combustível em relação à gasolina, etanol ou diesel;</li></ul>Nas indústrias também pode ser utilizado na fabricação de metanol, amônia, gordura vegetal hidrogenada, etc<br />
  63. 63. Atores da Cadeira Produtiva do GN<br /><ul><li>Produtor: empresa que possui concessão do Estado para a produção em áreas pré-determinadas (blocos);
  64. 64. Carregador: empresa que repassa o GN para o transportador e negocia sua venda ao distribuidor;
  65. 65. Transportador: empresa que opera as instalações de transporte do gás;</li></li></ul><li>Atores da Cadeira Produtiva do GN<br /><ul><li>Processador: empresa que beneficia o gás;
  66. 66. Distribuidor: empresa que distribui o gás para o consumidor final. No Brasil, é monopólio dos estados da Federação;
  67. 67. Consumidor: pessoa física ou jurídica que utiliza o gás;
  68. 68. Regulador: no Brasil, ANP e agências reguladoras estaduais. Atores que “gerenciam” a cadeia produtiva;</li></li></ul><li>Panorama das reservas mundiais<br />

×