Aprest GêNero

2.055 visualizações

Publicada em

Aprest GêNero

  1. 1. RELAÇÕES E REPRESENTAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Profª Vanusa Valério dos Santos [email_address] PMC
  2. 2. <ul><li>O referido trabalho apresenta concepções e reflexões sobre as Relações e Representações de Gênero. Assim como práticas pedagógicas recorrentes na Educação Infantil.Situa historicamente gênero e infância. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>CRIANÇA - é um sujeito social e histórico que está inserido em uma sociedade na qual partilha de uma determinada cultura . É profundamente marcada pelo meio social em que se desenvolve, mas também contribui com ele (BRASIL, 1994a). A criança , assim, não é uma abstração, mas um ser produtor e produto da história e da cultura (FARIA, 1999). </li></ul>CONCEPÇÕES....
  4. 4. <ul><li>Para as ciências sociais e humanas, o conceito de gênero se refere à construção social do sexo anatômico. Assim gênero significa que homens e mulheres são produtos da realidade social e não decorrência da anatomia de seus corpos. </li></ul>GÊNERO
  5. 5. <ul><li>“ não se nasce mulher, torna-se mulher” </li></ul><ul><li>(Paris, 9 de janeiro de 1908 – Paris, 14 de abril de 1986) foi escritora, filósofa existencialista e feminista francesa. </li></ul>Simone de Beauvoir
  6. 6. <ul><li>&quot;ser homem ou mulher é uma construção cultural, resultado de normas que estruturam as práticas sociais e operam sobre os nossos corpos de maneira muito incisiva e potente&quot; . </li></ul>Judith Butler
  7. 7. SEXUALIDADE <ul><li>Aspecto central do ser humano ao longo da sua vida e engloba sexo, identidade e papel de gênero, orientação sexual, erotismo, prazer, intimidade e reprodução . Esta é vivida e expressada em pensamentos, fantasias, desejos, crenças, atitudes, valores, comportamentos, práticas, papéis e relacionamentos </li></ul><ul><li>Assim pode envolver todas estas dimensões , mas nem sempre todas são vivenciadas ou expressas . Nesse sentido é influenciada por uma interação de fatores de ordem biológica, psicológica, social, econômica, política, cultural, ética, legal, histórica, religiosa e espiritual. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Um homem pode se sentir “masculino” e mesmo assim desejar outro homem? </li></ul><ul><li>Uma mulher pode se sentir “feminina” e mesmo assim desejar outra mulher? </li></ul>
  9. 9. Gênero e infância: contexto histórico <ul><li>O papel da criança na sociedade se construiu em função dos interesses do mundo adulto , por não serem considerados sujeitos importantes no desenvolvimento social e econômico , foram submetidas a serem cuidadas e formadas pelos adultos, os quais determinaram valores e normas às mesmas . </li></ul>
  10. 10. Gênero e infância: contexto histórico <ul><li>Infância - as crianças são formadas para cumprirem determinados papéis sexistas no futuro, incluindo a submissão “natural” da mulher para com o homem; </li></ul>
  11. 11. Gênero e infância: contexto histórico <ul><li>Educação - as meninas são marcada pela preocupação em cercear o corpo ; controlar as manifestações dos sentimentos e afetos , por meio de um rígido controle de comportamentos sociais . Os meninos – basea-se na coragem física , no trabalho, na competitividade e no sucesso. </li></ul>
  12. 12. PRÁTICAS RECORRENTES <ul><li>A instituição - reforça e determina habilidades distintas para meninos e meninas, induzindo comportamentos considerados “adequados” para cada sexo e quando esse comportamento esperado não se concretiza manipula-se recompensas e sanções. </li></ul>
  13. 13. PRÁTICAS RECORRENTES <ul><li>Meninos e Meninas , ao demonstrarem comportamentos não apropriados para seu sexo, causam preocupação e motivo de incômodo e dúvidas para profissionais da Educação. </li></ul>
  14. 14. CONCLUSÃO <ul><li>“ A função social assumida pela escola, nas suas múltiplas relações escolares , revela a naturalização das diferenças de gênero instituídas socialmente e historicamente entre meninos e meninas ”. Finco (2008) </li></ul>

×