Formação sobre música Catolica

545 visualizações

Publicada em

Formação sobre música Catolica- paroquis Noss senhra de Fátima Sorocaba Vila Melges

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
545
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Formação sobre música Catolica

  1. 1. FORMAÇÃO PARA CORAIS, EQUIPES, GRUPOS E MINISTÉRIOS DE MÚSICA DA PARÓQUIA NOSSA SENHORA DE FÁTIMA. 16/11/2014
  2. 2. 1) A MÚSICA E A BÍBLIA As notas musicais são idioma universal. Em qualquer parte do mundo em que você ouvir ou tocar uma música, alguém conseguirá entender as notas, a harmonia etc.
  3. 3. Foto de um saltério Quando repetimos a letra de uma música, nos lembramos da melodia que a acompanha. Em nossas Bíblias temos letras de muitas músicas. Na história do povo hebreu ela é um elemento importante a tal ponto de dizerem que para o povo hebreu não existe libertação sem música. .
  4. 4. Foto de uma flauta O texto de 2Rs 3,14-15 diz: “E disse Eliseu... Ora, pois, trazei-me um músico. E sucedeu que, tocando o músico, veio sobre ele a mão do Senhor.” Esse texto mostra que a música pode ser um veículo de comunicação entre o ser humano e Deus.
  5. 5. Foto de uma harpa As mais antigas menções da música e cantos estão relacionados às guerras entre os povos, mesmo os da Bíblia, como por exemplo:
  6. 6. Foto de uma trombeta Ex 15 – O canto da vitória por ocasião da destruição do exército do faraó. É um cântico retomado pela liturgia cristã para falar da vitória da ressurreição sobre a morte. Nm 21,14-20.27-30 – Por isso se diz no livro das guerras de Iahweh... A nota de rodapé da BJ diz “Antiga coleção de cantos épicos”.
  7. 7. Foto de um címbalo Jz 5 – é um canto de vitória no qual Iahweh luta contra os inimigos em favor do povo. 2Cr 20,21-22 - fala de cantores que vão à frente dos guerreiros. Há outros contextos, como o festivo: Is 12,1-6 – hino de gratidão pela ação de Deus que libertou o oprimido.
  8. 8. Foto de um tamborim Is 25 – Hino que canta a ação salvífica de Deus. Há também os cânticos de lamentações etc.
  9. 9. Como a música era usada ao longo da história de Israel. * Monarquia – para honrar a Deus (1Cr 15,16-22). * Templo – para os sacrifícios oferecidos. * Período exílico – a música passa do * Templo para a “Sinagoga”. * Período pós-exílico – volta para o Templo embora permaneça e se desenvolva nas “Sinagogas”. * Após a destruição do Templo na época do NT (70 d.C.), a musicalidade da Bíblia passa a ser transmitida de mestre para discípulos.
  10. 10. *Idade Média – os Massoretas colocaram sinais (te’amim) junto com as vogais do texto hebraico. * Depois da Idade Média - Até bem pouco tempo atrás, não sabíamos as melodias destas músicas da Bíblia, mas hoje podemos conhecer, graças a colaboração de uma pesquisadora Suzanne Haik- Vantoura (nascida em Paris em 1912).
  11. 11. Ela afirma que o texto hebraico que temos, chamado Texto Massorético, contém vários sinais em torno das consoantes. Destes sinais, um grupo deles é formado pelas vogais (nekudôt) e outros grupo com os acentos melódicos (te’amim), também conhecidos como acentos de leitura ou recitação. Sua tese é de que os sinais (te’amim) correspondem aos graus de uma escala tonal (escala diatônica).
  12. 12. 2) OS EFEITOS DOS SONS (MÚSICA) NA MATÉRIA E NA VIDA HUMANA. 2.1) Na Matéria. Js 6,4-5 – “Sete sacerdotes levarão diante da Arca sete trombetas de chifres de carneiro. No sétimo dia rodeareis a cidade sete vezes, e os sacerdotes tocarão as trombetas. E quando tocarem com fragor o chifre de carneiro (assim que ouvirdes o som da trombeta), todo o povo prorromperá em forte grito de guerra e as muralhas da cidade cairão...”
  13. 13. Este texto mostra algo que a ciência já comprovou: o som causa efeito na matéria. Exemplo de ressonância acústica a voz humana ou outra forma de som, quando atinge certa velocidade de vibração (onda sonora), se choca com um objeto de frequência ressonante.
  14. 14. A medicina também descobriu esta verdade e a utiliza para cirurgias de cálculos renais, bombardeando o alvo com frequências diferentes até conseguirem o intento. 2.2) Na vida humana. Quantas vezes já ouvimos o ditado: “Quem canta, seus males espanta”.
  15. 15. Esse ditado existe porque a música ajuda a criar certa atmosfera que influencia o físico humano além do humor e sentimentos. A música ativa diversas áreas cerebrais, mesmo aquelas que estão envolvidas com outros tipos de cognição. Antes de se constituir um instrumento para o estudo científico a música é considerada uma arte e, como tal, nos afeta. .
  16. 16. A arte tem o poder de sugestão, de projeção, de permitir a realização imaginária de desejos inconscientes, de funções catárticas e de comunicação, de função sintetizadora do eu. . O que esta imagem sugere para você?
  17. 17. O Ambiente Sonoro constitui-se por deslocamentos que os sons produzem num determinado espaço, sendo que tais sonoridades afetam as relações humanas, de forma perceptível e às vezes, imperceptível. Os sons são captados através das vibrações e estas vibrações são recebidas e percebidas, pelos sentidos auditivo, visual, tátil e de percepção interna provocando diferentes reações e associações: .
  18. 18. * biofisiológicas (nível físico/corporal); * afetivo-emocional (nível psicológico); * cognitivas (nível mental); * espirituais (nível transpessoal). Desta forma, o indivíduo por estar constantemente imerso em variados sons, ruídos e músicas, registra todas as experiências sonoras que acontecem em seu cotidiano.
  19. 19. 2.3) Efeitos Negativos. Foi comprovado que os sons (ruídos) podem causar vários problemas para o ser humano, como: * Distúrbios do sono; * Estresse; * Problemas no coração; * Aumento da pressão arterial; * Piora dos níveis de concentração no trabalho ou em outras atividades; * Podem levar a um infarto do miocárdio; * Podem causar desordem no sistema nervoso central, etc
  20. 20. 2.4) Efeitos Positivos. Há muitas técnicas terapêuticas (como exemplo, a Musicoterapia) utilizando sons e que são muito eficazes. Estas técnicas têm embasamento científico, além de respaldo bíblico. Vejamos 1Sm 16,18-23 – “Um de seus servos pediu para falar e disse: Tenho visto um filho de Jessé, o belemita, que sabe tocar e é um valente guerreiro, fala bem, é de bela aparência e Iahweh está com ele... Todas as vezes que o espírito o acometia, Davi tomava a lira e tocava; então Saul se acalmava, sentia-se melhor e o mau espírito o deixava.”
  21. 21. A musicoterapia trabalha com as sonoridades e isto envolve sons, ruídos, música e o próprio silêncio. As reações ao estímulo sonoro são diferenciadas e dependem do grau de sensibilidade que cada indivíduo tem diante da própria percepção e também da própria história de vida, pois sons e música nos acompanham desde a gestação.
  22. 22. A Foi comprovado cientificamente que a música pode: * Reparar danos cerebrais causados por um AVC. Como? R.: A música atua nos dois hemisférios cerebrais, e não só em um como a linguagem, assim ela afeta nossos neurotransmissores que conectam, ligam as informações do nosso cérebro e libera dopamina, substância química do cérebro que fornece a sensações como memória, atenção;
  23. 23. * Ajudar na cura da depressão e síndrome do pânico. Como? R.: Como vimos, ela afeta nossos neurotransmissores que ligam as informações do nosso cérebro e quando libera a dopamina, fornece ainda: a sensação de bem-estar, prazer, amor, além da memória e atenção já vistos acima;
  24. 24. * Estimular nosso sistema imunológico. Como? R.: Ela atua nos dois hemisférios cerebrais, ajuda a reduzir os níveis de cortisol (hormônio do estresse). Segundo uma pesquisa americana: Jazz, Blues são especialistas em reduzir estresse. A música ainda ajuda a aumentar o número de anticorpos no organismo;
  25. 25. *Ajudar a recuperar memória perdida. Como? R.: Ela conecta informações dos dois hemisférios e ajuda a relacionar informações já armazenadas na região cerebral chamada hipocampo (sede das memórias de longa duração) e traz à tona lembranças e informações mais antigas;
  26. 26. *Pode levar até um relaxamento completo. Como? R.: Quando a música chega a seis batidas por minuto conecta com as ondas Beta baixando para Alfa levando a um relaxamento da pessoa, pois leva o cérebro a baixar suas ondas cerebrais.
  27. 27. 3) O USO DO SOM E DA MÚSICA COMO INSTRUMENTO DE MANIPULAÇÃO IDEOLÓGICA *Na maioria das vezes, a música é tida simplesmente como diversão, passatempo ou algo inocente, mas ela é muito mais do que isso, pois pode influenciar em decisões importantes.
  28. 28. Grupos de têm sido afetados por técnicas de mudança de comportamento que tem a música como principal ferramenta. Seja pela letra seja pelos ritmos e instrumentos utilizados ou pelos dois combinados a música não é ignorada pelas grandes empresas de marketing e é usada dessa maneira até mesmo por igrejas neo-pentecostais, isso porque eles sabem que quem controla o psíquico, controla o poder (preste atenção no texto a seguir).
  29. 29. * 1Sm 16,23 “Todas as vezes que o espírito o acometia, Davi tomava a lira e tocava; então Saul se acalmava, sentia-se melhor e o mau espírito o deixava.” * Uso de uma ou duas técnicas para exemplificar. •* O uso como instrumento de desestruturação emocional pode causar muitos danos às pessoas, mas é uma técnica utilizada em várias igrejas evangélicas para criar uma atmosfera para passar seu conteúdo, vender seus produtos, criar medos etc;
  30. 30. 3.1) Música e suas influências no comportamento humano Vídeo mãe cantado - bebê Vídeo mãe cantado para criança Em uma pesquisa realizada nos Estados Unidos, com mais de 500 estudantes, verificou-se que os que ouviram algumas músicas de estilos que enfatizam a violência tenderam a interpretar palavras de uma lista previamente preparada no seu sentido mais violento: animal, rocha e vara.
  31. 31. 3.2) A música e a sexualidade 3.2.1) O som da música, com apelos mais ou menos incisivos à dança ou a outra forma de corporificação, muitas vezes sugerindo ou explicitamente referindo-se ao campo do erotismo e do sexo. 3.2.2) A relação entre letra e melodia, com uma referência à voz que canta (melodia, timbre, estilo) numa relação de complementaridade que quase sempre guarda um poderoso componente erótico.
  32. 32. 3.2.3) O caráter visual que é o ambiente comunicacional da música. Neste sentido, os artistas (e, principalmente, as artistas) são visualmente apresentados como objetos de desejo quase sempre erotizados, reforçando uma conexão estreita entre música, corpo e sexo. Música Pau que nasce torto/Segura o Tchan
  33. 33. Como isso acontece? As ondas sonoras (vibrações) que chegam ao tímpano são transformadas em impulsos químicos e nervosos, que registram em nossa mente as diferentes qualidades dos sons que estamos ouvindo. Dificilmente existe uma função no corpo que possa não ser afetada pelas pulsações e combinações harmônicas de tons musicais.
  34. 34. 3.3) A música hipnótica * É um estilo de música em que os mesmos acordes repetidos do começo ao fim em looping (sequência), extrapolando o conceito padrão de que canção pop. * Este estilo tem uma batida rápida, entre 135 e 165 batidas por minuto (bpm), além da batida forte de kick, num compasso 4x4.
  35. 35. * As músicas hipnóticas ajudam a trazer um estado alterado de consciência. * Atualmente vários gêneros musicais adotaram essa forma hipnótica em suas músicas, tornando-as capazes de chamar a atenção em escala mundial. * O fato é que elas possuem uma estrutura melódica e temporal (harmonia e ritmo) suficiente para desencadear processos mentais automáticos para:
  36. 36. 3.3.1) criar expectativas sobre como a melodia deve prosseguir, desde as primeiras notas ouvidas; 3.3.2) que a pessoa se detenha um pouco mais ouvindo a música até não mais resistir a ela. * Esses processos não conscientes resultam no sentimento de gostar da música, mesmo que em um primeiro momento a pessoa a rejeite, acaba aceitando-a.
  37. 37. •Outro dado científico deste processo não consciente, é que a música trabalha com os neurotransmissores do cérebro com suas ondas sonoras, liberando dopamina e impulsionando ao prazer de ouví-la ou, ao menos, a quebra de resistências a ela." Exemplo: Macarena, Aserejé, Gangnan Style, Ai se eu te pego, etc.
  38. 38. 3.4) O uso da música para reeducação ideológica (ou lavagem cerebral) Esta técnica é muito utilizada em igrejas neo-pentecostais para controlar seus fiéis. A reeducação ideológica ou lavagem cerebral acontece em três etapas diferentes:
  39. 39. 3.4.1) Colapso forçado ou descondicionamento. 3.4.2) Submissão e identificação. 3.4.3) Recondicionamento.
  40. 40. A lavagem cerebral explora certos instintos espontâneos do psiquismo humano, canalizando-os na direção do objetivo visado: A)O instinto de conservação. B) O instinto gregário (pertença a um grupo). C) Instinto de predomínio. D) Conflitos emocionais.
  41. 41. O clima emocional de muitas músicas com seus ritmos podem provocar hipnotismo nos níveis profundos da consciência e levar ao fanatismo irracional. Além do mais, muitas músicas são “extremamente agradáveis” e, no campo religioso, levam a vôos espirituais ou “viagens” para fora do nível normal da consciência, a “flutuar”, sentindo intenso prazer, paz, alegria e poder. Esta condição é atingida por métodos que entorpecem o processo mental normal.
  42. 42. 4) A MÚSICA COMO INSTRUMENTO DE MISTAGOGIA Importante é saber que a música pode ser muito bem utilizada com propósito de elevar às pessoas na sua relação com o divino, porque ela é uma linguagem privilegiada que exprime e manifesta a alma e a cultura de um povo na sua relação com Deus.
  43. 43. Já dizia Santo Agostinho: “quem canta, reza duas vezes”. Ela é um sinal que nos leva do visível ao invisível, um carisma que contribui para a edificação de toda a comunidade e a manifestação do mistério da Igreja, Corpo Místico de Cristo. Ela é a expressão da fé e da vida cristã de cada assembleia.
  44. 44. A música é um instrumento eficaz para a ação evangelizadora, ela prepara o ambiente para a ação do Espírito Santo nos encontros de oração, nas reflexões religiosas. Temos que utilizá-la como ferramenta eficaz na Igreja, mas também com discernimento e seriedade, com respeito que se deve a Deus e ao povo que se relaciona com Ele pela música.

×