SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Garantia da Qualidade
Gerência de Configuração – GCO
João Clineu
Vanilton Pinheiro
José Ribamar
1
Propósito
 O propósito do processo Gerência de Configuração é
estabelecer e manter a integridade de todos os produtos
de trabalho de um processo ou projeto e disponibilizá-los a
todos os envolvidos. [SOFTEX, 2013]
2
Fundamentação Teórica
 A Gerência de Configuração, segundo [ITSMF, 2005] tem como
objetivo “auxiliar o gerenciamento econômico dos serviços - uma
combinação de requisitos do cliente, qualidade e custos - para
manter um modelo lógico de infraestrutura e de serviços e
fornecer informações a respeito deles para outros processos de
negócio da organização”.
3
Fundamentação Teórica
 Para [ITSMF, 2004], a Gerência de Configuração contribui para uma melhor
qualidade dos serviços por meio de: um melhor gerenciamento dos
componentes do sistema de serviços; soluções efetivas de problemas; maior
rapidez na implementação de mudanças; melhor controle de software,
hardware e demais componentes do sistema de serviço; melhoria na
segurança; melhor conformidade com requisitos legais; maior precisão no
planejamento de gastos; suporte para as gerências de disponibilidade e
capacidade; uma base sólida para a gerência de continuidade.
4
Resultados – Como Garantir?
Resultado Nome
GCO 1 Um Sistema de Gerência de Configuração é estabelecido e mantido.
GCO 2 Os itens de configuração são identificados com base em critérios
estabelecidos.
GCO 3 Os itens de configuração sujeitos a um controle formal são colocados sob
baseline.
GCO 4 A situação dos itens de configuração e das baselines é registrada ao longo do
tempo e disponibilizada.
GCO 5 Modificações em itens de configuração são controladas.
GCO 6 O armazenamento, o manuseio e a liberação de itens de configuração e
baselines são controlados.
GCO 7 Auditorias de configuração são realizadas objetivamente para assegurar que
as baselines e os itens de configuração estejam íntegros, completos e
consistentes.
5
GCO 1 - Um Sistema de Gerência de Configuração
é estabelecido e mantido.
6
GCO 1 - Um Sistema de Gerência de Configuração
é estabelecido e mantido.
7
GCO 2 - Os itens de configuração são
identificados com base em critérios estabelecidos.
 Para a solução desta Gerência de Configuração pode ser
observada através do acoplamento, coesão, índice de
concorrência e periodicidade de mudanças.
8
GCO 2 - Os itens de configuração são
identificados com base em critérios estabelecidos.
Mas como Identificar?
 O produto de trabalho sofrerá modificações ao longo do tempo?
 O produto de trabalho é dependente de outros?
 O produto de trabalho é utilizado por dois ou mais pessoas?
 Exemplo:
 Identificador único

 Projeto X - Plano de Testes Específico
 Descrição
 Versão
 – 1.0
 Responsável
 – Vanilton Pinheiro
 Local de Armazenamento
9
GCO 3 - Os itens de configuração sujeitos a um
controle formal são colocados sob baseline.
10
 Esta Gerência de Configuração pode ser solucionada através
da criação de baselines ou tags que nada mais são que
marcos fixos na linha de tempo do desenvolvimento do
produto.
GCO 4 - A situação dos itens de configuração e
das baselines é registrada ao longo do tempo e
disponibilizada.
11
 Para tanto também pode-se utilizar o SVN que utiliza do
controle de logs para observar a alteração dos artefatos
durante seu ciclo de vida.
GCO 4 - A situação dos itens de configuração e
das baselines é registrada ao longo do tempo e
disponibilizada.
12
GCO 5 - Modificações em itens de configuração
são controladas.
13
GCO 6 - O armazenamento, o manuseio e a
liberação de itens de configuração e baselines são
controlados.
14
GCO 7 - Auditorias de configuração são
realizadas objetivamente para assegurar que as
baselines e os itens de configuração estejam
íntegros, completos e consistentes.
15
Referências
 SOFTEX (2013). MPS - Melhoria de Processo de Software e
Serviços Guia Geral MPS de Serviços. Disponível em: <
http://www.softex.br/wp-
content/uploads/2013/07/MPS.BR_Guia_de_Implementacao_Parte_2_
20131.pdf >.
 SOFTEX (2013). Guia de Implementação – Parte 2: Fundamentação
para Implementação do Nível F do MR-MPS-SV:2012
http://www.softex.br/wp-
content/uploads/2013/07/MPS.BR_Guia_de_Implementacao_SV_Parte
_2_20132.pdf
16

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemploPlano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Rudileine Fonseca
 
PMI / PMBOK - Gerencia de Projetos (PT-BR)
PMI / PMBOK - Gerencia de Projetos (PT-BR)PMI / PMBOK - Gerencia de Projetos (PT-BR)
PMI / PMBOK - Gerencia de Projetos (PT-BR)
André Franciscato Paggi
 
Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000
elliando dias
 

Mais procurados (20)

Aula 4 - PDCA
Aula 4 - PDCAAula 4 - PDCA
Aula 4 - PDCA
 
Apresentação | Gestão de QA | Modelo Human driven | Qualidade de software | ...
Apresentação | Gestão de QA |  Modelo Human driven | Qualidade de software | ...Apresentação | Gestão de QA |  Modelo Human driven | Qualidade de software | ...
Apresentação | Gestão de QA | Modelo Human driven | Qualidade de software | ...
 
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemploPlano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
Plano+de+gerenciamento+da+qualidadev exemplo
 
PMI / PMBOK - Gerencia de Projetos (PT-BR)
PMI / PMBOK - Gerencia de Projetos (PT-BR)PMI / PMBOK - Gerencia de Projetos (PT-BR)
PMI / PMBOK - Gerencia de Projetos (PT-BR)
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Gestão da Qualidade Total - Modulo 2
Gestão da Qualidade Total - Modulo  2Gestão da Qualidade Total - Modulo  2
Gestão da Qualidade Total - Modulo 2
 
CMM e CMMI
CMM e CMMICMM e CMMI
CMM e CMMI
 
Mpsbr
MpsbrMpsbr
Mpsbr
 
Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)
 
Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000
 
Aula de fundamentos da qualidade 1 e 2
Aula de fundamentos da qualidade   1 e 2Aula de fundamentos da qualidade   1 e 2
Aula de fundamentos da qualidade 1 e 2
 
7 Ferramentas Básicas Ou Clássicas
7 Ferramentas Básicas  Ou Clássicas7 Ferramentas Básicas  Ou Clássicas
7 Ferramentas Básicas Ou Clássicas
 
X-Zone - Garantia da Qualidade de Software
X-Zone - Garantia da Qualidade de SoftwareX-Zone - Garantia da Qualidade de Software
X-Zone - Garantia da Qualidade de Software
 
ITIL Implementation
ITIL ImplementationITIL Implementation
ITIL Implementation
 
Aula de Certificação e Normatização
Aula de Certificação e NormatizaçãoAula de Certificação e Normatização
Aula de Certificação e Normatização
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
ISO 9001
 
Introdução à Qualidade de Software
Introdução à Qualidade de SoftwareIntrodução à Qualidade de Software
Introdução à Qualidade de Software
 
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
 
Modelo V
Modelo VModelo V
Modelo V
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 

Destaque

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software
Ferramenta de apoio a gerência de configuração de softwareFerramenta de apoio a gerência de configuração de software
Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software
elliando dias
 
A Escola de Configuração:A Formação de Estratégia como um Processo de Transfo...
A Escola de Configuração:A Formação de Estratégia como um Processo de Transfo...A Escola de Configuração:A Formação de Estratégia como um Processo de Transfo...
A Escola de Configuração:A Formação de Estratégia como um Processo de Transfo...
NIFCJ
 

Destaque (8)

Gestão de Configuração (CM)
Gestão de Configuração (CM)Gestão de Configuração (CM)
Gestão de Configuração (CM)
 
Mps-br gerencia de decisões
Mps-br gerencia de  decisõesMps-br gerencia de  decisões
Mps-br gerencia de decisões
 
Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software
Ferramenta de apoio a gerência de configuração de softwareFerramenta de apoio a gerência de configuração de software
Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software
 
MPS.BR - Gerência de Projetos Nível G
MPS.BR - Gerência de Projetos Nível GMPS.BR - Gerência de Projetos Nível G
MPS.BR - Gerência de Projetos Nível G
 
CMMI e MPS.BR - Introdução
CMMI e MPS.BR - IntroduçãoCMMI e MPS.BR - Introdução
CMMI e MPS.BR - Introdução
 
Verificação e validação de software
Verificação e validação de softwareVerificação e validação de software
Verificação e validação de software
 
Aula Estratégia e Escolas de Formação
Aula Estratégia e Escolas de FormaçãoAula Estratégia e Escolas de Formação
Aula Estratégia e Escolas de Formação
 
A Escola de Configuração:A Formação de Estratégia como um Processo de Transfo...
A Escola de Configuração:A Formação de Estratégia como um Processo de Transfo...A Escola de Configuração:A Formação de Estratégia como um Processo de Transfo...
A Escola de Configuração:A Formação de Estratégia como um Processo de Transfo...
 

Semelhante a MPS Br Nível F - Gerência de Configuração - GCO

Aula 142_SGQ_ISO_9001_ ESTRUTURA.pdf
Aula 142_SGQ_ISO_9001_ ESTRUTURA.pdfAula 142_SGQ_ISO_9001_ ESTRUTURA.pdf
Aula 142_SGQ_ISO_9001_ ESTRUTURA.pdf
GleydsonLima7
 
Uma Abordagem Em Gerencia De Conf Em Amb Ti
Uma Abordagem Em Gerencia De Conf Em Amb TiUma Abordagem Em Gerencia De Conf Em Amb Ti
Uma Abordagem Em Gerencia De Conf Em Amb Ti
Marcelo Salles
 
Competências Antonio Augusto
Competências Antonio AugustoCompetências Antonio Augusto
Competências Antonio Augusto
aajo
 

Semelhante a MPS Br Nível F - Gerência de Configuração - GCO (20)

Gerenciamento da configuração
Gerenciamento da configuraçãoGerenciamento da configuração
Gerenciamento da configuração
 
GCS - Aula 05 - GCS x PMBOK
GCS - Aula 05 - GCS x PMBOKGCS - Aula 05 - GCS x PMBOK
GCS - Aula 05 - GCS x PMBOK
 
Aula 142_SGQ_ISO_9001_ ESTRUTURA.pdf
Aula 142_SGQ_ISO_9001_ ESTRUTURA.pdfAula 142_SGQ_ISO_9001_ ESTRUTURA.pdf
Aula 142_SGQ_ISO_9001_ ESTRUTURA.pdf
 
GCS - Aula 04 - GCS x CMM
GCS - Aula 04 - GCS x CMMGCS - Aula 04 - GCS x CMM
GCS - Aula 04 - GCS x CMM
 
Uma Abordagem Em Gerencia De Conf Em Amb Ti
Uma Abordagem Em Gerencia De Conf Em Amb TiUma Abordagem Em Gerencia De Conf Em Amb Ti
Uma Abordagem Em Gerencia De Conf Em Amb Ti
 
CMMI 2
CMMI 2CMMI 2
CMMI 2
 
Qualidade de Software
Qualidade de SoftwareQualidade de Software
Qualidade de Software
 
SE EQM SUITE
SE EQM SUITESE EQM SUITE
SE EQM SUITE
 
curso Iso 9000
curso Iso 9000curso Iso 9000
curso Iso 9000
 
GCS - Aula 10 - GCS x ISO
GCS - Aula 10 - GCS x ISOGCS - Aula 10 - GCS x ISO
GCS - Aula 10 - GCS x ISO
 
Otimização da gerencia de configuração do TRE-TO
Otimização da gerencia de configuração do TRE-TOOtimização da gerencia de configuração do TRE-TO
Otimização da gerencia de configuração do TRE-TO
 
[Uff]qualidade agilidade
[Uff]qualidade agilidade[Uff]qualidade agilidade
[Uff]qualidade agilidade
 
ISO9001
ISO9001ISO9001
ISO9001
 
GCS - Aula 03 - GCS x RUP
GCS - Aula 03 - GCS x RUPGCS - Aula 03 - GCS x RUP
GCS - Aula 03 - GCS x RUP
 
Solução de EQMS
Solução de EQMSSolução de EQMS
Solução de EQMS
 
Competências Antonio Augusto
Competências Antonio AugustoCompetências Antonio Augusto
Competências Antonio Augusto
 
Fundamentos ITIL Português Completo
Fundamentos ITIL Português CompletoFundamentos ITIL Português Completo
Fundamentos ITIL Português Completo
 
Ufcd4329
Ufcd4329Ufcd4329
Ufcd4329
 
Evandro Gonçalves
Evandro GonçalvesEvandro Gonçalves
Evandro Gonçalves
 
ISMA 5 - Ponto de função como unidade de produto
ISMA 5 - Ponto de função como unidade de produtoISMA 5 - Ponto de função como unidade de produto
ISMA 5 - Ponto de função como unidade de produto
 

Mais de Vanilton Pinheiro

Mais de Vanilton Pinheiro (7)

Potencializando Seu Projeto com Framework Scrum
Potencializando Seu Projeto com Framework ScrumPotencializando Seu Projeto com Framework Scrum
Potencializando Seu Projeto com Framework Scrum
 
Meus 50 Cents sobre Teste de Software
Meus 50 Cents sobre Teste de SoftwareMeus 50 Cents sobre Teste de Software
Meus 50 Cents sobre Teste de Software
 
Minicurso - Teste de software (CACSI 2015)
Minicurso - Teste de software (CACSI 2015)Minicurso - Teste de software (CACSI 2015)
Minicurso - Teste de software (CACSI 2015)
 
Carreira, como estou construindo a minha
Carreira, como estou construindo a minhaCarreira, como estou construindo a minha
Carreira, como estou construindo a minha
 
Apresentação Artigo SBQS 2015 - Um Comparativo na Execução de Testes Manuais ...
Apresentação Artigo SBQS 2015 - Um Comparativo na Execução de Testes Manuais ...Apresentação Artigo SBQS 2015 - Um Comparativo na Execução de Testes Manuais ...
Apresentação Artigo SBQS 2015 - Um Comparativo na Execução de Testes Manuais ...
 
FPF Tech - SCRUM - Framework para desenvolver projetos - Cenartec 2014
FPF Tech - SCRUM - Framework para desenvolver projetos - Cenartec 2014FPF Tech - SCRUM - Framework para desenvolver projetos - Cenartec 2014
FPF Tech - SCRUM - Framework para desenvolver projetos - Cenartec 2014
 
Testes Funcionais Orientado a Imagem - Sikuli
Testes Funcionais Orientado a Imagem - SikuliTestes Funcionais Orientado a Imagem - Sikuli
Testes Funcionais Orientado a Imagem - Sikuli
 

Último (6)

Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptxProposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
 
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
treinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticatreinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plástica
 

MPS Br Nível F - Gerência de Configuração - GCO

  • 1. Garantia da Qualidade Gerência de Configuração – GCO João Clineu Vanilton Pinheiro José Ribamar 1
  • 2. Propósito  O propósito do processo Gerência de Configuração é estabelecer e manter a integridade de todos os produtos de trabalho de um processo ou projeto e disponibilizá-los a todos os envolvidos. [SOFTEX, 2013] 2
  • 3. Fundamentação Teórica  A Gerência de Configuração, segundo [ITSMF, 2005] tem como objetivo “auxiliar o gerenciamento econômico dos serviços - uma combinação de requisitos do cliente, qualidade e custos - para manter um modelo lógico de infraestrutura e de serviços e fornecer informações a respeito deles para outros processos de negócio da organização”. 3
  • 4. Fundamentação Teórica  Para [ITSMF, 2004], a Gerência de Configuração contribui para uma melhor qualidade dos serviços por meio de: um melhor gerenciamento dos componentes do sistema de serviços; soluções efetivas de problemas; maior rapidez na implementação de mudanças; melhor controle de software, hardware e demais componentes do sistema de serviço; melhoria na segurança; melhor conformidade com requisitos legais; maior precisão no planejamento de gastos; suporte para as gerências de disponibilidade e capacidade; uma base sólida para a gerência de continuidade. 4
  • 5. Resultados – Como Garantir? Resultado Nome GCO 1 Um Sistema de Gerência de Configuração é estabelecido e mantido. GCO 2 Os itens de configuração são identificados com base em critérios estabelecidos. GCO 3 Os itens de configuração sujeitos a um controle formal são colocados sob baseline. GCO 4 A situação dos itens de configuração e das baselines é registrada ao longo do tempo e disponibilizada. GCO 5 Modificações em itens de configuração são controladas. GCO 6 O armazenamento, o manuseio e a liberação de itens de configuração e baselines são controlados. GCO 7 Auditorias de configuração são realizadas objetivamente para assegurar que as baselines e os itens de configuração estejam íntegros, completos e consistentes. 5
  • 6. GCO 1 - Um Sistema de Gerência de Configuração é estabelecido e mantido. 6
  • 7. GCO 1 - Um Sistema de Gerência de Configuração é estabelecido e mantido. 7
  • 8. GCO 2 - Os itens de configuração são identificados com base em critérios estabelecidos.  Para a solução desta Gerência de Configuração pode ser observada através do acoplamento, coesão, índice de concorrência e periodicidade de mudanças. 8
  • 9. GCO 2 - Os itens de configuração são identificados com base em critérios estabelecidos. Mas como Identificar?  O produto de trabalho sofrerá modificações ao longo do tempo?  O produto de trabalho é dependente de outros?  O produto de trabalho é utilizado por dois ou mais pessoas?  Exemplo:  Identificador único   Projeto X - Plano de Testes Específico  Descrição  Versão  – 1.0  Responsável  – Vanilton Pinheiro  Local de Armazenamento 9
  • 10. GCO 3 - Os itens de configuração sujeitos a um controle formal são colocados sob baseline. 10  Esta Gerência de Configuração pode ser solucionada através da criação de baselines ou tags que nada mais são que marcos fixos na linha de tempo do desenvolvimento do produto.
  • 11. GCO 4 - A situação dos itens de configuração e das baselines é registrada ao longo do tempo e disponibilizada. 11  Para tanto também pode-se utilizar o SVN que utiliza do controle de logs para observar a alteração dos artefatos durante seu ciclo de vida.
  • 12. GCO 4 - A situação dos itens de configuração e das baselines é registrada ao longo do tempo e disponibilizada. 12
  • 13. GCO 5 - Modificações em itens de configuração são controladas. 13
  • 14. GCO 6 - O armazenamento, o manuseio e a liberação de itens de configuração e baselines são controlados. 14
  • 15. GCO 7 - Auditorias de configuração são realizadas objetivamente para assegurar que as baselines e os itens de configuração estejam íntegros, completos e consistentes. 15
  • 16. Referências  SOFTEX (2013). MPS - Melhoria de Processo de Software e Serviços Guia Geral MPS de Serviços. Disponível em: < http://www.softex.br/wp- content/uploads/2013/07/MPS.BR_Guia_de_Implementacao_Parte_2_ 20131.pdf >.  SOFTEX (2013). Guia de Implementação – Parte 2: Fundamentação para Implementação do Nível F do MR-MPS-SV:2012 http://www.softex.br/wp- content/uploads/2013/07/MPS.BR_Guia_de_Implementacao_SV_Parte _2_20132.pdf 16