SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
Baixar para ler offline
Modelos Mentais
O poder de conhecer a mente a fundo para
criar produtos e serviços incríveis
[ o que são modelos mentais? ]
Modelos mentais são mecanismos
do pensamento que representam a
realidade externa. É uma das
formas mais utilizadas pelas pessoas
para representar o mundo e
interpretar acontecimentos.
Os modelos mentais definem como
o indivíduo percebe o que acontece
à sua volta, como pensa e como
age. Modelos mentais são resultado
de experiências, história de vida e
repertório sócio-cultural acumulado.
Nosso cérebro usa modelos mentais
diariamente para encurtar
caminhos e poupar energia. O lado
ruim é que ele geram crenças
limitadoras e inflexibilidade para
entender as formas de pensar.
[ de onde eles vêm exatamente? ]
fonte 1: sistema nervoso
Cada pessoa possui nuances em
sua química cerebral que faz
com que percebam
acontecimentos de maneiras
distintas.
fonte 2: linguagem
A linguagem é o que estrutura
a consciência do ser humano.
Cada indivíduo, ao comunicar
uma informação, irá
transmiti-la com as cores de
sua percepção.
fonte 3: cultura
A cultura forma o modelo
mental coletivo, pois
desenvolve ideias com base em
experiências compartilhadas
em comunidades, religiões,
organizações, etc.
fonte 4: história pessoal
As experiências vivenciadas por
determinada família, raça, sexo,
nacionalidade e etnia, dentre
outros, têm influência na
constituição dos modelos
mentais individuais.
[ mas como entender o que
pensa o meu usuário? ]
primeiro passo:
Pesquisando
segundo passo:
Criando modelos
conceituais
criar um modelo conceitual é uma forma de
traçar diretrizes-base para mapear como o
usuário irá usar uma determinada interface ou
serviço, considerando como o produto foi
projetado para funcionar.
em resumo, é o modelo que os profissionais
desejam que o usuário final compreenda.
[ com as mãos na massa ]
primeira dica:
A lei de
Jakob Nielsen
pessoas passam muito tempo navegando em
outros serviços ou produtos digitais. Isso
significa que preferem soluções que funcionem
da mesma forma a todos os outros que já
conhece - e que fluam sem fricções.
projete considerando todos esses padrões a que
os seus usuários já estão acostumados.
em outras palavras...
Não Invente.
segunda dica:
Interfaces naturais
ao usuário
analise movimentos naturais ao ser humano - e
principalmente ao seu usuário, caso ele pertença
a um grupo extremamente específico - e
considere aplicar o mesmo tipo de movimento
ou metáfora à criação do seu serviço/interface.
um exemplo simples disso são os gestos usados
pela Apple em seus devices, assim como a velha
interação para mudar de página em um ebook.
terceira dica:
Card-sorting
card-sorting é um dos jeitos mais simples e
baratos para entender como o usuário gostaria
de categorizar as informações dentro do seu
produto.
vejamos a seguir dois tipos de card-sorting que
podem trazer insights preciosos de uma forma
muito rápida:
open card-sorting
os participantes recebem um baralho de cartas e
são solicitados a agrupá-las de uma forma que
faça sentido para eles e, em seguida, nomeiam
cada grupo que criaram. Eles precisam então
explicar o porquê de terem criado os grupos de
tais formas.
closed card-sorting
os grupos já estão feitos e os participantes são
solicitados a organizar os cartões sob os grupos
pré-estabelecidos. É bom participar de um
exercício de classificação desse tipo quando você
está lidando com uma arquitetura de
informações pré-definida.
[ mas existe uma coisa chamada
viés cognitivo... ]
de um jeito extremamente
simplista, modelos mentais são
regras que podem ser reconhecidas
pela própria pessoa enquanto viés
cognitivo é algo que não pode ser
claramente percebido pelo portador.
A falácia do controle da mente
Pensamos em nós mesmos como seres racionais
com total controle sobre nossas ações e uma
imagem precisa dos eventos ao nosso redor. Isso,
infelizmente, é besteira. Os vieses cognitivos são
falhas sistemáticas no processamento das
informações ao nosso redor.
[ o viés cognitivo em customer experience ]
Recompensas randômicas são
poderosos motivadores. Elas
parecem raras e imprevisíveis, e
por conta disso causam desejo e
expectativa por parte das
pessoas.
Recompensa
Variável
Precisamos de pequenos
lembretes colocados em nossos
caminhos regulares para nos
lembrar e motivar a tomar
ações que não são totalmente
óbvias.
Gatilho
Todas as nossas decisões (sem
exceção) são filtradas por uma
história (real ou imaginária) em
que acreditamos.
História
Tendemos a seguir padrões de
pessoas similares em situações
novas ou não familiares.
Prova Social
Ansiamos demais por certeza e
somos mais propensos a tomar
decisões se informações
específicas estiverem
disponíveis.
Necessidade de
Certeza
Somos mais propensos a fazer
escolhas quando existe um
número reduzido de opções.
Escolha Limitada
Nós nos preocupamos mais
profundamente sobre
comportamentos pessoais
quando eles podem afetar
como as pessoas nos percebem.
Reputação
Nós naturalmente desejamos
coisas que são percebidas como
exclusivas ou pertencentes
apenas a um grupo seleto.
Acesso Limitado
[ alguns exemplos ]
Como um cliente procura por um prestador
para resolver um problema domiciliar?
Após uma série de entrevistas em profundidade,
descobrimos que várias vezes os consumidores
solicitaram o prestador de serviço errado para
resolver um problema doméstico de
entupimento de vaso sanitário.
Solução: criar fluxos a partir do problema, e não do prestador
Perdi a chave
de casa!
É uma porta ou
portão?
De que material é
feita(o)?
● madeira
● ferro
● alumínio
Qual é o tipo da
chave?
tetra
normal
Por que não usar vários tipos diferentes de
pesquisa dentro de uma plataforma?
muitos usuários nunca formaram um modelo
preciso de como funcionam as "caixas de
digitação" em suas telas. Quando eles digitam
coisas em uma caixa, elas às vezes chegam onde
querem ir. O que digitar onde e exatamente
como cada tipo de caixa funciona, no entanto,
muitas vezes estão além de sua capacidade.
Por exemplo, a palavra "Google" geralmente é a
principal consulta em outros mecanismos de
pesquisa, e palavras como "Yahoo" e "Bing" têm
uma pontuação alta no Google.
Exemplo de modelo mental aplicado ao
posicionamento de negócio: a VW na corrida
dos veículos elétricos
A VW anunciou amplos saltos com uma plataforma
modular de montagem de carros elétricos. O problema é: a
empresa está replicando o modelo de negócio da Tesla
valendo-se do modelo mental antigo equivocado.
A Volskwagen é uma montadora que usa
tecnologia como ferramenta, enquanto a Tesla,
por outro lado, se vê e se posiciona como uma
empresa de tecnologia que monta carros.
Isso muda tudo.
[ dicas para colocar em prática agora ]
5 dicas
práticas
para criar
produtos e
serviços
incríveis
CONVERSE
esteja
verdadeiramente
interessado em
ouvir o que as
pessoas pensam
(e saiba interpretar
as entrelinhas)
1.
INSPIRE-SE
sempre, o tempo
todo - dentro e
fora de seu
segmento. Mais
do que isso:
questione os seus
modelos e
crenças.
2.
PESQUISE
usando métodos
baratos e que trarão
insights preciosos
para seu produto
3.
PROTOTIPE COM BAIXO CUSTO4.
não existem
soluções perfeitas
na 1ª tentativa
Materialize de forma
simples e teste com
seu público
Inovação
≠
Tecnologia
5. inovar é trazer uma
mudança positiva e
significativa para a
vida das pessoas
LEMBRE-SE
SEMPRE:
"WE CAN HACK THIS WORLD"
Jason Silva
obrigada!
Vanessa Marques
service design & UX
vanessa@plurix.com.br
www.plurix.com.br
+55 11 97445.1141
https://www.linkedin.com/in/vanessamarques/

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Palestra Modelos Mentais - Hacktown 2018 - Vanessa Marques

Workshop Design Thinking - Roberta Hentschke - Bora
Workshop Design Thinking - Roberta Hentschke - Bora Workshop Design Thinking - Roberta Hentschke - Bora
Workshop Design Thinking - Roberta Hentschke - Bora Idea
 
Workshop • UX design •
Workshop • UX design •  Workshop • UX design •
Workshop • UX design • Suzi Sarmento
 
Curso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de Projetos
Curso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de ProjetosCurso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de Projetos
Curso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de ProjetosJulien Condamines
 
Weme School | Design Thinking
Weme School | Design ThinkingWeme School | Design Thinking
Weme School | Design ThinkingFernanda Bisso
 
InovaSession - Design Thinking 2012
InovaSession - Design Thinking 2012InovaSession - Design Thinking 2012
InovaSession - Design Thinking 2012rcmello13
 
Reinaldo mayer escrita_e_leituraprofunda
Reinaldo mayer escrita_e_leituraprofundaReinaldo mayer escrita_e_leituraprofunda
Reinaldo mayer escrita_e_leituraprofundaReinaldo Afonso Mayer
 
As comunidades do Orkut como ferramentas de e-CRM
As comunidades do Orkut como ferramentas de e-CRMAs comunidades do Orkut como ferramentas de e-CRM
As comunidades do Orkut como ferramentas de e-CRMPatrícia Moura
 
Personas: Como conhecer melhor nosso usuário? Em que isso nos ajuda?! - UX Ca...
Personas: Como conhecer melhor nosso usuário? Em que isso nos ajuda?! - UX Ca...Personas: Como conhecer melhor nosso usuário? Em que isso nos ajuda?! - UX Ca...
Personas: Como conhecer melhor nosso usuário? Em que isso nos ajuda?! - UX Ca...Rafael Burity
 
Campus Party_Design do dia a dia #Cpbr7
Campus Party_Design do dia a dia #Cpbr7Campus Party_Design do dia a dia #Cpbr7
Campus Party_Design do dia a dia #Cpbr7Melina Alves
 
Apostila lógica e criatividade
Apostila lógica e criatividadeApostila lógica e criatividade
Apostila lógica e criatividadeMarcelo Nascimento
 
Design Thinking Process
Design Thinking ProcessDesign Thinking Process
Design Thinking ProcessOlogia
 
Apresentação gestão do conhecimento
Apresentação gestão do conhecimentoApresentação gestão do conhecimento
Apresentação gestão do conhecimentocomunidadedepraticas
 
Toolkit de design thinking MJV
Toolkit de design thinking MJVToolkit de design thinking MJV
Toolkit de design thinking MJVColaborativismo
 
Toolkit - Design Thinking
Toolkit - Design ThinkingToolkit - Design Thinking
Toolkit - Design ThinkingHudson Augusto
 
habilitando o pensamento sistemico.pdf
habilitando o pensamento sistemico.pdfhabilitando o pensamento sistemico.pdf
habilitando o pensamento sistemico.pdfAri Amaral
 
Findability: elementos essenciais para a recuperação da informação em ambient...
Findability: elementos essenciais para a recuperação da informação em ambient...Findability: elementos essenciais para a recuperação da informação em ambient...
Findability: elementos essenciais para a recuperação da informação em ambient...Index3i
 
Processo criativo: transformando ideias em produtos digitais
Processo criativo: transformando ideias em produtos digitaisProcesso criativo: transformando ideias em produtos digitais
Processo criativo: transformando ideias em produtos digitaisAislan Rafael
 
3 caminhos para alavancar resultados em seu negócio aplicando behavioral scie...
3 caminhos para alavancar resultados em seu negócio aplicando behavioral scie...3 caminhos para alavancar resultados em seu negócio aplicando behavioral scie...
3 caminhos para alavancar resultados em seu negócio aplicando behavioral scie...PM3
 
Psicologia Histórico-Cultural aplicada ao Design
Psicologia Histórico-Cultural aplicada ao DesignPsicologia Histórico-Cultural aplicada ao Design
Psicologia Histórico-Cultural aplicada ao DesignUTFPR
 

Semelhante a Palestra Modelos Mentais - Hacktown 2018 - Vanessa Marques (20)

Workshop Design Thinking - Roberta Hentschke - Bora
Workshop Design Thinking - Roberta Hentschke - Bora Workshop Design Thinking - Roberta Hentschke - Bora
Workshop Design Thinking - Roberta Hentschke - Bora
 
Workshop • UX design •
Workshop • UX design •  Workshop • UX design •
Workshop • UX design •
 
Curso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de Projetos
Curso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de ProjetosCurso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de Projetos
Curso de design thinking FIAP 2016 - MBA Gestão de Projetos
 
Weme School | Design Thinking
Weme School | Design ThinkingWeme School | Design Thinking
Weme School | Design Thinking
 
InovaSession - Design Thinking 2012
InovaSession - Design Thinking 2012InovaSession - Design Thinking 2012
InovaSession - Design Thinking 2012
 
Reinaldo mayer escrita_e_leituraprofunda
Reinaldo mayer escrita_e_leituraprofundaReinaldo mayer escrita_e_leituraprofunda
Reinaldo mayer escrita_e_leituraprofunda
 
As comunidades do Orkut como ferramentas de e-CRM
As comunidades do Orkut como ferramentas de e-CRMAs comunidades do Orkut como ferramentas de e-CRM
As comunidades do Orkut como ferramentas de e-CRM
 
Personas: Como conhecer melhor nosso usuário? Em que isso nos ajuda?! - UX Ca...
Personas: Como conhecer melhor nosso usuário? Em que isso nos ajuda?! - UX Ca...Personas: Como conhecer melhor nosso usuário? Em que isso nos ajuda?! - UX Ca...
Personas: Como conhecer melhor nosso usuário? Em que isso nos ajuda?! - UX Ca...
 
Campus Party_Design do dia a dia #Cpbr7
Campus Party_Design do dia a dia #Cpbr7Campus Party_Design do dia a dia #Cpbr7
Campus Party_Design do dia a dia #Cpbr7
 
Apostila lógica e criatividade
Apostila lógica e criatividadeApostila lógica e criatividade
Apostila lógica e criatividade
 
Design Thinking Process
Design Thinking ProcessDesign Thinking Process
Design Thinking Process
 
Apresentação gestão do conhecimento
Apresentação gestão do conhecimentoApresentação gestão do conhecimento
Apresentação gestão do conhecimento
 
4.1.1.
4.1.1. 4.1.1.
4.1.1.
 
Toolkit de design thinking MJV
Toolkit de design thinking MJVToolkit de design thinking MJV
Toolkit de design thinking MJV
 
Toolkit - Design Thinking
Toolkit - Design ThinkingToolkit - Design Thinking
Toolkit - Design Thinking
 
habilitando o pensamento sistemico.pdf
habilitando o pensamento sistemico.pdfhabilitando o pensamento sistemico.pdf
habilitando o pensamento sistemico.pdf
 
Findability: elementos essenciais para a recuperação da informação em ambient...
Findability: elementos essenciais para a recuperação da informação em ambient...Findability: elementos essenciais para a recuperação da informação em ambient...
Findability: elementos essenciais para a recuperação da informação em ambient...
 
Processo criativo: transformando ideias em produtos digitais
Processo criativo: transformando ideias em produtos digitaisProcesso criativo: transformando ideias em produtos digitais
Processo criativo: transformando ideias em produtos digitais
 
3 caminhos para alavancar resultados em seu negócio aplicando behavioral scie...
3 caminhos para alavancar resultados em seu negócio aplicando behavioral scie...3 caminhos para alavancar resultados em seu negócio aplicando behavioral scie...
3 caminhos para alavancar resultados em seu negócio aplicando behavioral scie...
 
Psicologia Histórico-Cultural aplicada ao Design
Psicologia Histórico-Cultural aplicada ao DesignPsicologia Histórico-Cultural aplicada ao Design
Psicologia Histórico-Cultural aplicada ao Design
 

Palestra Modelos Mentais - Hacktown 2018 - Vanessa Marques

  • 1. Modelos Mentais O poder de conhecer a mente a fundo para criar produtos e serviços incríveis
  • 2. [ o que são modelos mentais? ]
  • 3. Modelos mentais são mecanismos do pensamento que representam a realidade externa. É uma das formas mais utilizadas pelas pessoas para representar o mundo e interpretar acontecimentos.
  • 4.
  • 5. Os modelos mentais definem como o indivíduo percebe o que acontece à sua volta, como pensa e como age. Modelos mentais são resultado de experiências, história de vida e repertório sócio-cultural acumulado.
  • 6. Nosso cérebro usa modelos mentais diariamente para encurtar caminhos e poupar energia. O lado ruim é que ele geram crenças limitadoras e inflexibilidade para entender as formas de pensar.
  • 7. [ de onde eles vêm exatamente? ]
  • 8. fonte 1: sistema nervoso Cada pessoa possui nuances em sua química cerebral que faz com que percebam acontecimentos de maneiras distintas.
  • 9. fonte 2: linguagem A linguagem é o que estrutura a consciência do ser humano. Cada indivíduo, ao comunicar uma informação, irá transmiti-la com as cores de sua percepção.
  • 10. fonte 3: cultura A cultura forma o modelo mental coletivo, pois desenvolve ideias com base em experiências compartilhadas em comunidades, religiões, organizações, etc.
  • 11. fonte 4: história pessoal As experiências vivenciadas por determinada família, raça, sexo, nacionalidade e etnia, dentre outros, têm influência na constituição dos modelos mentais individuais.
  • 12. [ mas como entender o que pensa o meu usuário? ]
  • 15. criar um modelo conceitual é uma forma de traçar diretrizes-base para mapear como o usuário irá usar uma determinada interface ou serviço, considerando como o produto foi projetado para funcionar. em resumo, é o modelo que os profissionais desejam que o usuário final compreenda.
  • 16. [ com as mãos na massa ]
  • 17. primeira dica: A lei de Jakob Nielsen
  • 18. pessoas passam muito tempo navegando em outros serviços ou produtos digitais. Isso significa que preferem soluções que funcionem da mesma forma a todos os outros que já conhece - e que fluam sem fricções. projete considerando todos esses padrões a que os seus usuários já estão acostumados.
  • 21.
  • 22. analise movimentos naturais ao ser humano - e principalmente ao seu usuário, caso ele pertença a um grupo extremamente específico - e considere aplicar o mesmo tipo de movimento ou metáfora à criação do seu serviço/interface. um exemplo simples disso são os gestos usados pela Apple em seus devices, assim como a velha interação para mudar de página em um ebook.
  • 24.
  • 25. card-sorting é um dos jeitos mais simples e baratos para entender como o usuário gostaria de categorizar as informações dentro do seu produto. vejamos a seguir dois tipos de card-sorting que podem trazer insights preciosos de uma forma muito rápida:
  • 26. open card-sorting os participantes recebem um baralho de cartas e são solicitados a agrupá-las de uma forma que faça sentido para eles e, em seguida, nomeiam cada grupo que criaram. Eles precisam então explicar o porquê de terem criado os grupos de tais formas.
  • 27. closed card-sorting os grupos já estão feitos e os participantes são solicitados a organizar os cartões sob os grupos pré-estabelecidos. É bom participar de um exercício de classificação desse tipo quando você está lidando com uma arquitetura de informações pré-definida.
  • 28. [ mas existe uma coisa chamada viés cognitivo... ]
  • 29. de um jeito extremamente simplista, modelos mentais são regras que podem ser reconhecidas pela própria pessoa enquanto viés cognitivo é algo que não pode ser claramente percebido pelo portador.
  • 30. A falácia do controle da mente Pensamos em nós mesmos como seres racionais com total controle sobre nossas ações e uma imagem precisa dos eventos ao nosso redor. Isso, infelizmente, é besteira. Os vieses cognitivos são falhas sistemáticas no processamento das informações ao nosso redor.
  • 31. [ o viés cognitivo em customer experience ]
  • 32. Recompensas randômicas são poderosos motivadores. Elas parecem raras e imprevisíveis, e por conta disso causam desejo e expectativa por parte das pessoas. Recompensa Variável
  • 33. Precisamos de pequenos lembretes colocados em nossos caminhos regulares para nos lembrar e motivar a tomar ações que não são totalmente óbvias. Gatilho
  • 34. Todas as nossas decisões (sem exceção) são filtradas por uma história (real ou imaginária) em que acreditamos. História
  • 35. Tendemos a seguir padrões de pessoas similares em situações novas ou não familiares. Prova Social
  • 36. Ansiamos demais por certeza e somos mais propensos a tomar decisões se informações específicas estiverem disponíveis. Necessidade de Certeza
  • 37. Somos mais propensos a fazer escolhas quando existe um número reduzido de opções. Escolha Limitada
  • 38. Nós nos preocupamos mais profundamente sobre comportamentos pessoais quando eles podem afetar como as pessoas nos percebem. Reputação
  • 39. Nós naturalmente desejamos coisas que são percebidas como exclusivas ou pertencentes apenas a um grupo seleto. Acesso Limitado
  • 41. Como um cliente procura por um prestador para resolver um problema domiciliar? Após uma série de entrevistas em profundidade, descobrimos que várias vezes os consumidores solicitaram o prestador de serviço errado para resolver um problema doméstico de entupimento de vaso sanitário.
  • 42. Solução: criar fluxos a partir do problema, e não do prestador Perdi a chave de casa! É uma porta ou portão? De que material é feita(o)? ● madeira ● ferro ● alumínio Qual é o tipo da chave? tetra normal
  • 43. Por que não usar vários tipos diferentes de pesquisa dentro de uma plataforma? muitos usuários nunca formaram um modelo preciso de como funcionam as "caixas de digitação" em suas telas. Quando eles digitam coisas em uma caixa, elas às vezes chegam onde querem ir. O que digitar onde e exatamente como cada tipo de caixa funciona, no entanto, muitas vezes estão além de sua capacidade.
  • 44.
  • 45. Por exemplo, a palavra "Google" geralmente é a principal consulta em outros mecanismos de pesquisa, e palavras como "Yahoo" e "Bing" têm uma pontuação alta no Google.
  • 46. Exemplo de modelo mental aplicado ao posicionamento de negócio: a VW na corrida dos veículos elétricos A VW anunciou amplos saltos com uma plataforma modular de montagem de carros elétricos. O problema é: a empresa está replicando o modelo de negócio da Tesla valendo-se do modelo mental antigo equivocado.
  • 47.
  • 48. A Volskwagen é uma montadora que usa tecnologia como ferramenta, enquanto a Tesla, por outro lado, se vê e se posiciona como uma empresa de tecnologia que monta carros. Isso muda tudo.
  • 49. [ dicas para colocar em prática agora ]
  • 50. 5 dicas práticas para criar produtos e serviços incríveis
  • 51. CONVERSE esteja verdadeiramente interessado em ouvir o que as pessoas pensam (e saiba interpretar as entrelinhas) 1.
  • 52. INSPIRE-SE sempre, o tempo todo - dentro e fora de seu segmento. Mais do que isso: questione os seus modelos e crenças. 2.
  • 53. PESQUISE usando métodos baratos e que trarão insights preciosos para seu produto 3.
  • 54. PROTOTIPE COM BAIXO CUSTO4. não existem soluções perfeitas na 1ª tentativa Materialize de forma simples e teste com seu público
  • 55. Inovação ≠ Tecnologia 5. inovar é trazer uma mudança positiva e significativa para a vida das pessoas LEMBRE-SE SEMPRE:
  • 56. "WE CAN HACK THIS WORLD" Jason Silva
  • 57. obrigada! Vanessa Marques service design & UX vanessa@plurix.com.br www.plurix.com.br +55 11 97445.1141 https://www.linkedin.com/in/vanessamarques/