Desafio Na FormaçAo De Profissionais

9.394 visualizações

Publicada em

Slide de Ronice Muller de Quadros - título Desafios Para A Formação De Profissionais Na Área Da Surdez

Publicada em: Saúde e medicina, Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.394
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
273
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Desafio Na FormaçAo De Profissionais

  1. 1. Contrário ao modo como muitos definem surdez – isto é, como um impedimento auditivo – pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. (Wrigley 1996: 13)
  2. 2. Desafios para a formação de profissionais na área da surdez UFSC Prof. Ronice Müller de Quadros
  3. 3. Desafios Formação de profissionais qualificados para serem efetivos multiplicadores: Mestrado e Doutorado em Educação Mestrado e Doutorado em Lingüística
  4. 4. Desafios Qualificação dos profissionais que atuam na educação de surdos e no ensino da língua de sinais brasileira
  5. 5. Cursos propostos Curso de Graduação em Letras Licenciatura Língua Brasileira de Sinais - UFSC Curso de Especialização em Educação de Surdos – CEFET/SC Curso de Especialização Tradutor e Intérprete de Língua de Sinais Brasileira – VIAS
  6. 6. Algumas justificativas Demanda (cerca de 2.600.000 surdos deveriam estar na rede de ensino) Razões históricas: movimentos de surdos iniciados pela Federação Nacional de Educação e Integração de Surdos desde 1977) Legislação específica ...
  7. 7. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002 Art. 1º É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expressão a ela associados.
  8. 8. Art. 4º O sistema educacional federal e os sistemas educacionais estaduais, municipais e do Distrito Federal devem garantir a inclusão nos cursos de formação de Educação Especial, de Fonoaudiologia e de Magistério, em seus níveis médio e superior, do ensino da Língua Brasileira de Sinais - Libras, como parte integrante dos Parâmetros Curriculares Nacionais - PCNs, conforme legislação vigente.
  9. 9. Definições das políticas públicas para a educação de surdos Criação de cursos noturnos e supletivos de primeiro e segundo graus para surdos com professores surdos ou ouvintes usuários de Língua de Sinais ou intérpretes; Garantia e ampliação de escolas para surdos de educação infantil, ensino fundamental e médio;
  10. 10. Definições das políticas públicas para a educação de surdos Investimento numa política direta para a formação de professores surdos e acesso profissional e Reconhecimento da profissão de intérprete de língua de sinais, bem como de instrutor/professor de língua de sinais.
  11. 11. Relevância nacional Os cursos oferecidos estarão atingindo uma clientela em nível nacional com o devido suporte, que garantirá o acesso e a permanência dos candidatos. Esses alunos formados, por sua vez, poderão atuar no ensino formal, apresentando mais qualificação para o atendimento dos alunos surdos na rede regular de ensino possibilitando também a garantia de seu acesso e permanência no contexto educacional.
  12. 12. Relevância internacional O Brasil passará a integrar o rol dos países que oferecem a formação destes profissionais, inaugurando um processo educacional que abarcará a formação em grande escala e atingirá o país inteiro através do ensino a distância de qualidade.
  13. 13. Curso de Graduação em Letras Licenciatura - Libras NÚCLEO DE FORMAÇÃO BÁSICA Lingüística Geral Sociolingüística Psicolingüística Lingüística Aplicada ao Ensino de Línguas Análise do Discurso Fundamentos da Educação de Surdos História da Educação de Surdos Teorias da educação e estudos surdos
  14. 14. NÚCLEO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTEÚDOS DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA Leitura e Produção de Textos Morfologia Sintaxe Fonética e Fonologia Semântica e Pragmática Tradução e interpretação da língua de sinais Inglês instrumental I e II
  15. 15. NÚCLEO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL CONTEÚDOS DE FORMAÇÃO ESPECÍFICA Língua de Sinais Brasileira I, II, III, IV, V, VI Escrita de Sinais I, II e III Literatura Visual Produção Textual Acadêmica Indrodução aos Estudos gramaticais Teoria da Tradução
  16. 16. CONTEÚDOS DE FORMAÇÃO PEDAGÓGICA Didática de ensino e a criança surda I e II Psicologia da Educação de Surdos Educação de Surdos e Novas Tecnologias Prática de Ensino em Literatura Prática de Ensino em Língua de Sinais Brasileira como L2 Prática de Ensino em Língua de Sinais Brasileira como L1 Escrita da Língua de Sinais Estágio em Literatura Visual Estágio em Língua de Sinais Brasileira
  17. 17. NÚCLEO DE FORMAÇÃO PARA A PESQUISA Monografia I Monografia II NÚCLEO FLEXÍVEL Disciplinas optativas
  18. 18. Curso de Especialização Tradutor e Intérprete de Libras D1: Ambientes Virtuais de Aprendizagem D2: Metodologia do Ensino Superior – 1° parte D3:O Intérprete de Língua de Sinais na Educação de Surdos D4: História do Profissional Intérprete de Língua de Sinais
  19. 19. Curso de Especialização Tradutor e Intérprete de Libras D6: Tradução e Interpretação I D7: Princípios Éticos do Profissional Intérprete D8: Tradução e Interpretação II D9: Laboratório de Tradução e Interpretação D10: Saúde Laboral D11: Metodologia do Ensino Superior – 2° parte
  20. 20. Curso de Especialização em Educação de Surdos D1: Ambientes Virtuais de Aprendizagem D2: Metodologia do Ensino Superior – 1° parte D3: : A História da Educação de Surdos D4: Políticas Educacionais para Surdos D5: Estudos Culturais e Estudos Surdos
  21. 21. Curso de Especialização em Educação de Surdos D6: Fundamentos da Educação de Surdos I D7: Identidade e Cultura Surda D8: Fundamentos da Educação de Surdos II D9: Metodologia do Ensino de Línguas na Educação de Surdos D10: Metodologia do Ensino Superior – 2° parte
  22. 22. As pesquisas em andamento – www.ges.ufsc.br Pedagogia de Surdos Aspectos específicos das práticas dos professores surdos
  23. 23. As pesquisas em andamento – www.ges.ufsc.br História da educação de surdos
  24. 24. As pesquisas em andamento – www.ges.ufsc.br O intérprete de língua de sinais no ensino superior O processamento da interpretação sinal-voz
  25. 25. As pesquisas em andamento – www.ges.ufsc.br O currículo do ensino da língua de sinais nas escolas de surdos A constituição da subjetividade dos alunos ouvintes adquirindo a língua de sinais como L2
  26. 26. As pesquisas em andamento – www.ges.ufsc.br As origens da língua de sinais brasileira Políticas lingüísticas e a educação de surdos
  27. 27. As pesquisas em andamento – www.ges.ufsc.br A aquisição da sintaxe da língua de sinais brasileira A aquisição dos gestos em crianças surdas e crianças ouvintes
  28. 28. No caso dos surdos, faz-se necessário franquear-lhes a palavra, quer dizer, antes de escreverem nosso idioma, deveriam poder se narrarem em sinais, e suas narrativas precisariam ser acolhidas por uma escuta também em sinais. (Souza,2000:92)

×