Apostila Edição De Video

4.030 visualizações

Publicada em

Aprenda a Editar Videos Profissionais.

Publicada em: Educação
3 comentários
19 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.030
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
163
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
3
Gostaram
19
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila Edição De Video

  1. 1. Vandersft Vandersoft APOSTILA FILMAGEM E EDIÇÃO DE VÍDEO Vandersoft Produzido por Vandersoft
  2. 2. O que é software livre •A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito (liberdade nº 0) •A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades (liberdade nº 1). • •Acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade. •A liberdade de redistribuir cópias de modo que você possa ajudar ao seu próximo (liberdade nº 2). •A liberdade de aperfeiçoar o programa, e liberar os seus aperfeiçoamentos, de modo que toda a comunidade se beneficie (liberdade nº 3). Acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade. Um programa é software livre se os usuários tem todas essas liberdades. Portanto, você deve ser livre para redistribuir cópias, seja com ou sem modificações, seja de graça ou cobrando uma taxa pela distribuição, para qualquer um em qualquer lugar. Ser livre para fazer essas coisas significa (entre outras coisas) que você não tem que pedir ou pagar pela permissão, uma vez que esteja de posse do programa. Você deve também ter a liberdade de fazer modifcações e usá-las privativamente no seu trabalho ou lazer, sem nem mesmo mencionar que elas existem. Se você publicar as modificações, você não deve ser obrigado a avisar a ninguém em particular, ou de nenhum modo em especial. A liberdade de utilizar um programa significa a liberdade para qualquer tipo de pessoa física ou jurídica utilizar o software em qualquer tipo de sistema computacional, para qualquer tipo de trabalho ou atividade, sem que seja necessário comunicar ao desenvolvedor ou a qualquer outra entidade em especial. A liberdade de redistribuir cópias deve incluir formas binárias ou executáveis do programa, assim como o código-fonte, tanto para as versões originais quanto para as modificadas. De modo que a liberdade de fazer modificações, e de publicar versões aperfeiçoadas, tenha algum significado, deve-se ter acesso ao código-fonte do programa. Portanto, acesso ao código-fonte é uma condição necessária ao software livre. Para que essas liberdades sejam reais, elas tem que ser irrevogáveis desde que você não faça nada errado; caso o desenvolvedor do software tenha o poder de revogar a licença, mesmo que você não tenha dado motivo, o software não é livre. w.vandersoftk Software Livre, ou Free Software, conforme a definição de software livre criada pela Free Software Foundation, é o software que pode ser usado, copiado, estudado, modificado e redistribuído sem restrição. A forma usual de um software ser distribuído livremente é sendo acompanhado por uma licença de software livre (como a GPL ou a BSD), e com a disponibilização do seu código-fonte. Software Livre é diferente de software em domínio público. O primeiro, quando utilizado em combinação com licenças típicas (como as licenças GPL e BSD), garante os direitos autorais do programador/organização. O segundo caso acontece quando o autor do software renuncia à propriedade do programa (e todos os direitos associados) e este se torna bem comum. O Software Livre como movimento organizado teve início em 1983, quando Richard Stallman deu início ao Projeto GNU e, posteriormente, à Free Software Foundation. Software Livre se refere à existência simultânea de quatro tipos de liberdade para os usuários do software, definidas pela Free Software Foundation. Veja abaixo uma explicação sobre as 4 liberdades, baseada no texto em português da Definição de Software Livre publicada pela FSF: As 4 liberdades básicas associadas ao software livre são: 01
  3. 3. TÉCNICA DE FILMAGEM - CAPTURA ENQUADRAMENTOS O enquadramento é o campo visual capturado pela objetiva da câmara. A esse elemento capturado chamamos plano, o qual mediante a disposição dos elementos ganha diferentes valores significativos e diferentes tempos de leitura. São vários os tipos de enquadramento que se podem usar no momento de filmar. Neste tipo de plano as costas e o ombro do jornalista podem aparecer em algumas das respostas do entrevistado, embora vá criar algum ruído na imagem. O entrevistado deve surgir sempre em primeiro plano, olhando na direção do jornalista. O jornalista pode surgir em primeiro plano nas perguntas, com um enquadramento similar ao do entrevistado. Este plano normalmente é gravado posteriormente ao fim da entrevista. Nesta fase o jornalista pode também “perguntar” usando como imagem um plano médio, dando assim mais recursos de imagem para o trabalho de edição PLANOS DE CORTE Este tipo de plano é essencial na construção de uma peça de televisiva já que permite a mudança de planos, locais e momentos. Um dos planos mais famosos em televisão é o plano de corte que utiliza as mãos do entrevistado. Este típico plano causa ruído e distração sendo por isso considerado uma coisa do passado. Outros planos, não menos famosos, são o de alguém a escrever ou a imagem de uma outra câmara de filmar. Estas também são imagens do passado que nada acrescentam e que também causam ruídos, distração, quebra na história visual. Ao usar o plano de mãos como plano de corte, o telespectador perde a atenção, e a peça fica prejudicada na sua seqüência informativa, já que as mãos não se relacionam com o conteúdo. Este plano deve ser substituídos por planos abertos, planos fechados ou pela utilização do plano e do contra-plano do jornalista e do entrevistado. OS CONTRA-PLANOS É um plano recomendado sempre que existam condições para tal, já que facilita a edição do diálogo. O que é contra-plano do entrevistado? É a gravação deste calado enquanto olha para o jornalista que lhe coloca a questão. Por sua vez, o contra plano do jornalista, é naturalmente a imagem oposta, olha para o entrevistado ouvindo-o numa atitude neutra, sem movimentos de cabeça a dizer que “sim” ou “não”, nem recorrendo ao “uhm, uhm”. O repórter de imagem é essencial nestas situações, já que deve avisar o jornalista dos movimentos de cabeça caso eles existam. O jornalista neste momento caso use microfone de mão, deve ter o cuidado, de efetuar as questões colocando o microfone sempre à mesma distância que usou para colocar a questão ao entrevistado durante a entrevista. PLANO GERAL O plano inteiro é outro que facilita o trabalho de edição. Nas entrevistas em salas ou gabinetes, o plano geral deve ser feito para que apareça o jornalista e o respectivo entrevistado na imagem. Este plano pode ser feito mais cedo, enquanto o jornalista prepara a entrevista na conversa prévia com o entrevistado, ou pode ser feita no fim, quando a entrevista terminou. AS REGRAS OS 180º É uma regra que os repórteres de imagem devem respeitar. Traça-se uma linha imaginária que une o jornalista ao entrevistado, e apenas se trabalha de um desses lados, respeitando sempre o ângulo dos 180º, conforme a figura: Ao ser respeitada a regra, o telespectador tem a facilidade de perceber que mesmo que o jornalista e o entrevistado não apareçam juntos, o entrevistado está voltado para o jornalista e vice-versa. CENTROS DE INTERESSE O interesse do telespectador sobe em função da localização do centro da imagem. O centro de interesse principal deverá ser colocado no terço direito da imagem. Se a imagem tiver um único centro de interesse, toda a ação se centra nele. A imagem poderá ter dois centros de interesse e nesse caso a nossa atenção divide-se por ambos. Se uma imagem tiver vários centros de interesse, a atenção varia, centrando-se alternadamente num ou noutro ponto, conforme a sua posição relativa ESCALA DE PLANOS Considerando um homem como exemplo pode dividir o seu espaço em três grandes áreas demonstrativas 1. A que nos mostra o ambiente que o envolve 2. A que nos permite observar a ação que executa 3. A que nos possibilita analisar a sua expressão 02
  4. 4. DESTA FORMA SURGEM TRÊS GRUPOS DE PLANOS: AMBIENTE, AÇÃO E EXPRESSÃO Os planos de ambiente podem ser: _ PMG – Plano Muito Geral _ PG – Plano Geral OS PLANOS DE AÇÃO PODEM SER: _PGM – Plano Geral Médio _PA – Plano Americano _ PM – Plano Médio OS PLANOS DE EXPRESSÃO PODEM SER: _ PP – Plano Próximo _ GP – Grande Plano _ MGP – Muito Grande Plano _ PD – Plano de Detalhe AS CARACTERÍSTICAS DOS DIVERSOS PLANOS PLANO MUITO GERAL (PMG) – É o plano que não tem qualquer limite, é bastante geral. Contém, essencialmente, o ambiente. O elemento humano quase que não é visível na imagem. PLANO GERAL (PG) – Este plano também se centra no ambiente. Apesar disso já se vê o elemento humano na imagem. Este plano já contém alguma ação apesar de o ambiente ainda prevalecer. 03
  5. 5. PLANO AMERICANO (PA) --Neste plano, apesar do ambiente estar presente, o conteúdo principal é a ação das personagens. O limite inferior da imagem corta o ser humano pelo meio da coxa. PLANO MÉDIO (PM) – O ambiente não surge neste plano. Este plano caracteriza-se fundamentalmente pela ação da parte superior do corpo humano. O plano é cortado pela cintura. Este plano é considerado um plano intermédio entre a ação e a expressão. PLANO PRÓXIMO (PP) – Este plano é cortado pouco abaixo das axilas. Permite por exemplo imagens de alguém a fumar, cortando totalmente o ambiente em redor. Este tipo de planos privilegia o que é transmitido pela expressão facial. GRANDE PLANO (GP) – Este plano é a expressão na sua máxima importância. É um plano que é cortado pela parte superior dos ombros. Este plano retira a ação e o ambiente da imagem. MUITO GRANDE PLANO (MGP) – Plano de expressão exagerado. É um plano que ao ser cortado pelo queixo e pela testa permite que seja aumentada a carga emotiva da imagem para o telespectador. PLANO DE DETALHE (PD) – Este plano foca apenas parte de um corpo, desmontando assim o corpo humano. Este plano permite também que seja aumentada a carga emotiva da imagem, ao focar, por exemplo, uns olhos a chorar. Ao introduzirmos movimento na câmara, criamos outro tipo de planos dependentes desse movimento ou do uso de um ângulo diferente dado à câmara. Assim temos: FOCA-DESFOCA – Plano em que ao focar-se o primeiro elemento mais próximo desfoca-se o segundo elemento. ZOOM – Aproximação, ou afastamento, a determinado objeto. Este tipo de plano deve ser equilibrado, não deve ser muito rápido nem exageradamente lento. PANORÂMICAS – Normalmente é um movimento efetuado de acordo com a nossa leitura, ou seja, da esquerda para a direita apesar de se poder efetuar no sentido contrário. Também é um plano que requer equilíbrio, não devendo ser nem muito rápido nem muito lento. Neste plano, o movimento da câmara é apoiado no eixo do tripé. 04
  6. 6. TILTS – Movimento parecido com a panorâmica. O movimento é também efetuada normalmente de acordo com a nossa leitura, de cima para baixo, apesar de se poder efetuar no sentido oposto. É também um plano que requer equilíbrio, não deve ser nem muito rápido nem muito lento. TRAVELLING – Movimento bastante utilizado no cinema. A câmara efetuar um determinado percurso. Este tipo de plano é normalmente utilizado em situações de explicação de determinada situação/movimento. TRACKING - Movimento que segue uma personagem ou um objeto que se movimenta, como se fosse uma perseguição. Este gênero de planos deve ser utilizado com bom senso. O uso excessivo na mesma peça deste gênero de planos acaba por transmitir a idéia de um trabalho, feito à imagem de um vídeo de casamento. ALGUNS APONTAMENTOS RELATIVAMENTE AOS PLANOS Apesar da descrição sucinta de cada plano, os limites referidos nunca são rígidos. Cada caso é um caso, e se determinado plano (feito de acordo com as regras apontadas) é indicado para determinada peça isso não significa que esse mesmo plano resulte na peça seguinte. O repórter de imagem, em consonância com o jornalista, seu colega de equipa, deve optar sempre pelos planos que vão encaixar na história. Para isso é fundamental o trabalho de equipa e um perfeito conhecimento das razões pela qual estão a fazer aquele trabalho. Uma boa preparação do trabalho é fundamental para que exista um bom trabalho de equipa. Nota: Filmar é contar uma história, não é apontar a câmara e apertar o botão. ERROS DE ENQUADRAMENTO A IMAGEM EGÍPCIA Um erro habitual é quando o entrevistado fica de lado para a câmara, ficando assim o entrevistado de lado, e metade do visor vazio. É uma imagem pobre e errada, que nada diz ao telespectador. Este erro tem uma solução extremamente fácil, o jornalista coloca-se sempre ao lado da câmara de filmar. O entrevistado surge bem enquadrado na imagem já que olha para os olhos do jornalista. Desta forma o telespectador pode observar as expressões do entrevistado, detalhes que acabam por reforçar a ligação entre o entrevistado e o telespectador. 05
  7. 7. IMAGENS PICADAS O olhar da pessoa deve estar sempre ao nível do objetivo. Nunca se deve filmar um convidado ou jornalista de cima para baixo (picado), ou ao contrário de baixo para cima (contra picado). No caso de alguém filmado de cima para baixo estamos a dar uma imagem do convidado de ser alguém diminuído. Se o convidado for filmado de baixo para cima estamos também a dar uma falsa imagem de poder. ABERTURAS, PASSAGENS E FECHOS O jornalista nunca deve surgir em plano próximo em qualquer destas situações devendo usar o plano médio. A posição do jornalista deve ser ligeiramente diagonal, com o cenário em fundo. O telespectador fica, desta forma, com um enquadramento mais agradável. Ao usar as passagens, o jornalista nunca deve ficar no centro da imagem, mas sim num dos lados, para que o ponto de fuga ser aproveitado, valorizando a informação visual. Neste tipo de imagens o limite é sempre a cintura. Porém, caso seja necessário, podese usar o plano inteiro, sendo este fechado até se atingir a zona da cintura. Para este tipo de imagens serem utilizadas e bem feitas o trabalho de equipa entre o jornalista e o repórter de imagem é fundamental. Assim o conjunto do ambiente e do jornalista sai reforçado. Os movimentos de câmara e do jornalista devem ser treinados para que exista sincronização. As passagens, aberturas e encerramentos não devem ser iguais. O jornalista deve ter todas as condições para uma boa imagem e o repórter de imagem deve orientar o jornalista de modo a que os enquadramentos sejam os corretos. Este tipo de planos deve reforçar o trabalho da equipa e a qualidade do trabalho e não o contrário. MODO COMUM DE SEGURAR UMA FILMADORA GRAVANDO IMAGENS ESTÁVEIS Este é o modo padrão de filmagem quando se está em pé. Certifique-se de utilizar essa técnica básica para obter imagens estáveis. Preparação •Abra os pés na largura dos ombros. •Mantenha o cotovelo do braço direito, que segura a filmadora, junto ao corpo. •Segure o monitor LCD com sua mão esquerda e ajuste o ângulo conforme necessário. ESTENDENDO SUAS MÃOS PARA GRAVAR Levante sua mão quando o objeto / pessoa estiver escondido atrás de várias outras pessoas. Preparação •Abra os pés na largura dos ombros. •Levante sua mão direita e segure a filmadora acima da sua cabeça. •Segure o monitor LCD com sua mão esquerda e ajuste o ângulo conforme necessário. 06
  8. 8. AGACHANDO E FILMANDO NA ALTURA DOS OLHOS Permanecer abaixado é uma posição comum para filmar crianças pequenas. Gravando na altura dos olhos da criança, você pode capturar claramente todas suas expressões graciosas. Preparação •Ajoelhe sobre o joelho esquerdo enquanto mantém seu pé direito no chão. •Apóie o cotovelo do braço direito, que está segurando a filmadora, no seu joelho direito. •Segure o monitor LCD com sua mão esquerda e ajuste o ângulo conforme necessário. FILMAGEM PANORÂMICA Utilize esse método para ter uma visão mais ampla do que vai filmar. Preparação •Filme girando seu corpo em vez de mover seus braços enquanto mantém o modo comum de segurar a filmadora. •Fique em pé posicionado para a direção em que o giro terminará. •Gire seu tronco para a direção em que a gravação será iniciada. •Pressione o botão para iniciar e grave por 2 segundos, então gire seu corpo lentamente de volta para frente. Grave por mais 2 segundos enquanto está virado para frente, então pressione o botão para parar. (Os 90 graus de rotação devem durar cerca de 5 segundos, dando a noção de câmera lenta.) 07
  9. 9. KDEnlive Sobre o programa Editor de vídeo não linear, KDEnlive é um aplicativo do ambiente gráfico KDE. Este software providencia gerenciamento de projetos e ferramentas de edição enquanto utiliza um renderizador separado (atualmente o PIAVE) para executar operações de edição. Muitos recursos Com a visualização de prévia de efeitos em tempo real, KDEnlive permite uma edição de vídeo muito mais prática, permitindo a aplicação de efeitos de áudio e vídeo como brilho, borrado, sépia e volume. Para melhor gerenciamento do projeto, este software disponibiliza marcadores e guias, além da visualização múltipla de faixas, que divide o visualizador em quatro telas, mostrando uma faixa em cada um. KDEnlive também apresenta integração com seu desktop, adicionando arquivos ao seu projeto com o “arrastar e soltar”. Suporte a diversos formatos KDEnlive muitos formatos de áudio, imagem e vídeo, como AVI, MPEG, DV, VOB, WAV, OGG, MP3, GIF (sem animação), JPG, PNG, SVG, entre outros. Este editor também exporta para formatos como MPEG, DV, VOB, RealVideo, Flash, Theora, WAV, MP3, XviD e Quicktime. Formatos de Vídeo Antigamente era mais fácil, um único formato atendia a qualquer requisito, mas claro que a coisa tinha de complicar, produtoras diferentes para diferentes funções resultaram em um super pipocar de formatos de vídeo, que nos deixam meio tontos, tanto ações e terminações que não anda fácil identificar o que cada um faz ou para o que serve. Vamos tentar dar uma, explicação sobre formatos de vídeo de uma forma abrangente. Ex: FLV: Flash Video é um formato que se originou do Adobe Flash Player e foi introduzido na versão 6 deste software. É o formato dominiante na internet. AVI: Audio Video Interleave. Formato de vídeo mais usado em PCs com o Windows. Ele define como o vídeo e o áudio está junto um ao outro, sem especificar um codec. MPEG: É a abreviação de Motion Picture Expert Group e é a fonte de pesquisa para formatos de vídeo em geral. Este grupo define padrões em vídeo digital, estão entre eles o padrão MPEG1 (usado nos VCDs), o padrão MPEG2 (usado em DVDs e SVCDS), o padrão MPEG4 e vários padrões de áudio – entre eles MP3 e AAC. Arquivos contendo vídeo MPEG-1 ou MPEG-2 podem usar tanto .mpg quanto .mpeg na extensão. OGM: Pode ser usado à uma alternativa ao .avi e pode conter Ogg Vorbis, MP3 e AC3 áudio, todos os formatos de vídeo, informação por capítulos e legendas. WMV/WMA: Formato proprietário da Microsoft para áudio e vídeo no PC. É baseado em uma coleção de codecs que podem ser usados pelo Windows Media Player para reproduzir arquivos codificados em vários formatos. Full HD: (Full High Definition [ao pé da letra: Alta definição máxima]) é a resolução máxima(1920x1080) que uma TV de alta definição (HDTV) do mercado alcança. HDV: (High Definition video [ao pé da letra: Alta definição máxima]) só que a sua resolução (1440x1080) é menor que a Full HD. Entre outros. 09
  10. 10. CRIANDO E CONFIGURANDO O PROJETO Janela de Novo Projeto Abra o Kdenlive e crie um projeto novo (Arquivo → Novo). Escolha a pasta do projeto e selecione um perfil apropriado para o projeto. E se não souber quais usar, o Kdenlive irá sugerir um perfil apropriado quando for adicionado o primeiro vídeo, assim você poderá deixar configurado de acordo com o vídeo. Cliquando aqui você pode alterar o local de salvar o projeto. Clicando nessas setas você pode escolher o prefil mais adequado pro seu projeto. Marcando a caixa você Ativa ou Desativa o clipe de proxy Clipes de proxy “Clipes de proxy” é um recurso que pode ser utilizado se o computador não é poderoso o suficiente para exibir e editar seus clipes de vídeo (semelhante ao “offline” ou “reduzida qualidade” edição em outro software). Isto é especialmente útil quando se trabalha com todas as fontes de alta definição AVCHD que requerem uma grande quantidade de recursos. Quando o clipe Proxy recurso está ativado, Kdenlive vai criar automaticamente versões reduzidas de seus clipes de origem, e utilizar estas versões para a sua edição. Então, quando você quer tornar seu projeto, Kdenlive vai substituir os clipes de proxy com os originais para uma renderização resolução total. A Gerar para vídeos maiores do que x pixels opção irá criar automaticamente uma clipes de proxy para todos os vídeos adicionados ao projeto que têm uma largura da moldura maior do que x. Isto também se aplica às imagens. Você também tem a opção de manualmente ativar / desativar clipes de proxy para cada clipe em sua árvore de projeto com o botão direito do mouse sobre o clipe e escolha Proxy . 10
  11. 11. CONHECENDO A INTERFACE DO PROGRAMA KDEnlive Vamos dividir ele em 3 partes: 3 1 2 Na parte N°1 Temos ÁRVORE DO PROJETO. A árvore do projeto mostra os clips de vídeo, imagens, slideshows, clipes de cor e clipes título que pertence ao seu projeto. Importando Clipes Uma vez que você tenha criado seu projeto, é preciso importar os clipes a serem trabalhados. Para isso, vá para a Árvore do Projeto e clique no ícone “Adicionar Clipe”(ou clique na barra superior em Projeto>Adicionar Clipe). Na janela que abrir, localize o clipe desejado e clique nele para adicioná-lo. Agora que você já importou seus clipes, eles estarão listados na Árvore do Projeto. Caso você queira organizá-los, pode criar pastas e subpastas, clicando na seta ao lado do ícone de “Adicionar Clipe” e selecionando a opção “Criar Pasta”. Na area onde não tiver nenhum arquivo. você pode dar 2 cliques rápidos ou botão direito adicionar clipes 11
  12. 12. • Segunda guia é a Lista de efeitos. Aqui estão listados todos os efeitos disponíveis para serem aplicados em seu projeto, tanto os efeitos de vídeo quanto os de áudio. • A terceira é a guia Transição. Nesta guia, você pode alterar os parâmetros diferentes para uma transição. Na janela N° 2 Temos a LINHA DO TEMPO A linha do tempo dá-lhe uma representação visual do seu projeto, e mostra quando os clipes iniciam, quando terminam, e no caso de sobreposição de clipes, o que se está realmente sendo usado. A linha do tempo pode conter múltiplas trilhas de áudio e vídeo, onde você pode adicionar clipes de áudio e vídeo, respectivamente, e outros materiais (transições, títulos, etc) Para começar a edição importe arquivos e depois clique com o botão esquerdo no clipe desejado e arraste-o para a Linha de Tempo. Escolha a trilha e a posição que você quer que ele ocupe, e solte-o. Uma barra de status está localizada na parte inferior da linha do tempo. Esta barra fornece informações sobre o projeto e também possui alguns ícones úteis.Colocando os arquivos na linha do tempo: Você pode ativar / desativar as miniaturas de vídeo e áudio, e optar por mostrar ou não marcadores e snappoints. Ele também exibe o tempo timeline do seu cursor. o “ Snap”, cujo ícone está situado abaixo da Linha de Tempo. Ao habilitá-la, os clipes serão dotados de uma espécie de magnetismo em suas bordas. Assim, sempre que uma borda se aproximar da outra, eles serão atraídos e alinhados. Isso pode facilitar a movimentação, para que se obtenha uma maior precisão nos posicionamentos. 12
  13. 13. Na janela N° 3 Temos a MONITOR DO PROJETO O monitor do projeto - exibe o vídeo na ordem de como foi montado na Linha do Tempo. O monitor Clip - é usado para visualização de clipes. Você pode escolher uma seção de um clip para adicionar a linha do tempo. O monitor Captura - permite capturar vídeos diretamente de uma série de fontes: uma câmara de vídeo ligada à sua porta Firewire do computador, uma fonte Video4Linux (como uma webcam ou tvcard), ou uma captura de tela (você vai precisar recordmydesktop utilidade) FERRAMENTAS DE EDIÇÃO Essas ferramentas ficam na janela LINHA DO TEMPO na parte de baixo lado direio Ajusta o Zoom ao projeto. ZOOM- Aumentar ou diminuir a vizualização da linah do tempo. ESPAÇADOR - você pode selecionar um conjunto inteiro de clipes por vez, para movê-los pela Linha de Tempo. Assim, ao clicar, tudo aquilo que estiver situado à direita da seta será selecionado. Modo Normal Modo Sobrescrita TESOURA- Serve para cortar os arquivos. SELEÇÂO- Para selecionar, mover ou apagar o clipe No modo normal, quando você estiver arrastando os clipes dentro da Linha de Tempo, você sempre respeitará as durações de cada clipe, e será impedido de posicionar um clipe sobre o outro. No modo de sobrescrita, não existe essa preocupação; se você arrastar um clipe para uma posição na Linha de Tempo previamente ocupada por outro clipe, este será apagado, para que o novo possa ocupar seu lugar. 13
  14. 14. CONFIGURAR O KDENLIVE No painel principal > configurações > configurar kdenlive Ira abri a seguinte janela Você poderar alterar os valores dessas caixas a cada clipe de imagem, cor, titulo ou sequencia de imagem adicionada estará com o tempo que você configurou. 14
  15. 15. INSERINDO ARQUIVOS COM O MONITOR DE CLIPES Clique no clipe e, em seguida, em “reproduzir” no Monitor de Clipe. Neste momento, você já pode realizar uma pré-seleção do que lhe interessa em cada clipe. Para isso, posicione o cursor do Monitor onde você deseja que o clipe inicie, e clique em “Definir início da zona”. Note que aparecerá na imagem o aviso “Ponto de Entrada”, indicando que este é o primeiro quadro da seleção. Em seguida, posicione o cursor onde você deseja que o clipe termine, e clique em “Definir fim da zona”. Note que aparecerá na imagem o aviso “Ponto de Saída”, indicando que este é o último quadro da seleção. Este procedimento pode ser realizado em todos os clipes do seu projeto, para que você “limpe” os vídeos, eliminando trechos inúteis de antemão. Inserindo na Linha do Tempo o trecho escolhido: Monitor de Clipe. Clique na sua imagem no monitor e arraste-o para a Linha do Tempo. Note que, neste caso, a representação gráfica de sua duração na Linha de Tempo é menor do que quando você arrasta o clipe inteiro. CORTANDO O VÍDEO NA LINHA DO TEMPO Posicione o cursor da Linha de Tempo num ponto onde você deseja fazer um corte no clipe. Clique com o botão direito nele, e selecione a opção “Cortar Clipe”. Ele será dividido em dois subclipes autônomos. Cursor 15
  16. 16. ou você pode acionar a ferramenta TESOURA para cortar o vídeo. Assim como nos softwares de edição de textos escritos, o Kdenlive funciona com as ferramentas de copiar, colar e remover. Para isso, com a opção de seleção acionada. clique com o botão direito sobre o clipe desejado e selecione “Copy”. Depois, clique com o botão direito sobre um espaço vazio da Linha de Tempo e selecione a opção “Paste”. É importante escolher um espaço grande o suficiente para caber o clipe; caso contrário, a operação não será efetuada. Para remover determinado clipe, clique nele com o botão direito e selecione a opção “Apagar item selecionado” ou delete do teclado. Vale observar que, embora ele tenha sido removido da Linha de Tempo, ele ainda poderá ser encontrado na Árvore do Projeto. APLICANDO TRANSIÇÕES Outro recurso útil do Kdenlive são as transições de vídeo. Geralmente, elas são usadas para realizar passagens suaves de um clipe para outro. Para aplicar uma transição, posicione um clipe sobre o outro na Linha de Tempo; atente para o espaço da superposição dos clipes, pois este será correspondente à duração da transição. Clique com o botão direito no clipe superior, vá para “Adicionar Transição”, e selecione a transição desejada. Aparecerá um retângulo amarelo entre os dois clipes, referente à sua transição. Ela funcionará como uma espécie de clipe, podendo ser deslocada na Linha de Tempo, ampliada, reduzida, apagada, etc. Transição há diversas transições disponíveis para o uso, mas aqui vamos recomendar apenas algumas: Dissolver: Realiza uma fusão entre as imagens. É a transição mais comum e mais sutil que há. Slide: Faz com que uma imagem “deslize” sobre a outra. Você pode controlar a direção do movimento horizontal e verticalmente. 16
  17. 17. Wipe: Faz uma imagem “varrer” a outra através de uma animação à sua escolha. as transições são controladas na janela do projeto. Ao clicar na transição de sua escolha, a janela do projeto será ocupada com a aba “Transição”, onde você poderá fazer as modificações desejadas. CRIANDO TÍTULOS OU INTERFERÊNCIAS GRÁFICAS Você também pode criar clipes com textos escritos para seu filme. Eles podem ser colocados antes do filme propriamente dito, ou sobrepostos na imagem. Para criá-los, vá para a Árvore do Projeto e clique na seta ao lado do ícone de Adicionar Filme. Selecione a opção “Adicionar Clipe de Título”. Será aberta uma janela com uma tela quadriculada e várias ferramentas. Esse quadriculado representa o quadro do filme – e pode ser habilitado clicando na caixinha de “Mostrar fundo” na barra inferior. 17
  18. 18. Para escrever um texto, vá para a barra superior e clique no ícone “Adicionar Texto” e depois clique em qualquer lugar da tela quadriculada para escrever. Na outra barra de ferramentas, você poderá configurar a fonte, tamanho, cor, opacidade, contorno e alinhamento de seu texto. Se você quiser, pode inserir um retângulo para incrementar seu título. Clique no ícone “Adicionar Retângulo”, vá para a tela quadriculada, clique e arraste para obter o retângulo do tamanho desejado. Assim como o texto, você pode alterar a cor de preenchimento do retângulo e seu contorno na barra que fica logo acima da tela quadriculada. Com a “Ferramenta de Seleção” (localizada na barra superior) você poderá arrastar o seu texto e retângulo pelo quadro, como objetos. Se você quiser mudar as camadas destes objetos, clique no objeto desejado e vá para a barra superior direita. Com os ícones “Elevar objeto”, “Objeto menor”, “Elevar objeto para o topo” e “Objetos menores para baixo”, você poderá ajustar essas camadas. Na barra lateral, você poderá alterar a duração do clipe, configurar seu posicionamento, alinhamento e zoom. Além disso, poderá alterar a cor do fundo (e sua opacidade), assim como poderá criar pequenas animações para o título. Para isso, clique na aba “Animação”, em seguida vá para “Editar início” e “Editar final”. Essas telas coloridas que aparecerão sobre o quadriculado representam a posição que a tela do filme estará em relação à cartela com o título. Quando você estiver satisfeito, clique em “Ok”. Note que aparecerá um novo clipe na Árvore do Projeto, referente ao título que você acabou de criar. Arraste-o para a Linha de Tempo, como se ele fosse um clipe normal. Depois, você poderá manipulá-lo normalmente, alterando sua duração, realizando cortes, etc. 18
  19. 19. CRIANDO CLIPE DE FOTOS Na janela Arvore do projeto > clique com o botão direito > adicionar clipe de apresentação de slide Irá abrir uma janela onde ira configura tempo, transição e animação. Local da pasta de fotos Tempo das fotos Transição das fotos Os arquivos de dentro da pasta de fotos Depois de configurar confirme apertando o botão OK . Automaticamente ele ira criar um novo arquivo na sua arvore do projeto CRIANDO ELEMENTOS VISUAIS Na janela Arvore do projeto > clique com o botão direito > geradores ele oferece 2 tipos de elementos visuais: Contagem regressiva Ruido (estatica) 19
  20. 20. APLICANDO EFEITOS DE VÍDEO O Kdenlive possui também diversos efeitos que podem ser aplicados ao seu vídeo. Para adicionar um efeito, selecione o clipe desejado e clique com o botão direito. Vá para a opção “Adicionar Efeito de Vídeo” e escolha o efeito de sua preferência. Muitos desses efeitos estão em fase de teste e, portanto, não recomendamos o seu uso. Segue, abaixo, uma lista de alguns efeitos recomendados do Kdenlive: Box blur: Embaça a imagem, podendo ser horizontal ou verticalmente. Charcoal: Com este efeito, você pode fazer com que pareça que a imagem de seu vídeo foi desenhada a lápis. 20
  21. 21. Tom de cinza ou B: Deixa a imagem em escala de cinza (preto-e-branco). Sepia: Semelhante aos filmes antigos, deixa a imagem em variados tons de uma cor à sua escolha. Obscuro: Permite que você mascare uma porção da tela com um retângulo pixelado. Velocidade: Controla a velocidade do clipe, podendo acelerar ou deixar em câmera lenta. Congelar: Permite que você congele a imagem do vídeo em determinado ponto. A maioria desses efeitos é ajustável, e você pode modificá-los e intensificá-los de acordo com a sua necessidade da seguinte forma: selecione o clipe que você deseja configurar os efeitos; ao clicar nele, aparecerá na janela do projeto a aba “Pilha de Efeito”. Ali, você terá a lista de efeitos aplicados ao clipe; clique no efeito que você deseja modificar, e aparecerão suas propriedades no lado direito. O que você fizer na Pilha de Efeito modificará clipe inteiro. Caso você queira modificar apenas uma parte dele, dividao em subclipes e reaplique os efeitos. Caso queira conferir como estava o clipe antes de o efeito ser aplicado, você pode desabilitar a visualização do efeito, clicando na caixinha que fica ao lado dele na Pilha de Efeito. Clique novamente na caixinha para reabilitar o efeito. Se você quiser remover o efeito definitivamente, basta clicar no ícone “Apagar efeito”, na Pilha de Efeitos. 21
  22. 22. EFEITO CROMA OU TELA AZUL Com esse efeito remove-se uma cor da da imagem ou vídeo deixando transparecer o vídeo ou imagem da camada abaixo. ex: cenários virtuais onde o apresentador fica na frente de um cenario (verde ou azul) cores mais usadas para o croma. Previsão do tempo, cenários de filmes e etc. COMO APLICAR O EFEITO CROMA OU TELA AZUL. 1. PASSO adicione um clipe pode ser imagem ou vídeo com cenário de uma cor, agora adicione outra imagem ou vídeo para ser um cenário para o 1 clipe que adicionou. 2. PASSO Insira os vídeos ou imagem na seguinte ordem: Na camada de cima coloque o vídeo ou imagem que contém o croma. Na camada de baixo coloque o vídeo ou imagem que será o cenário. Aplique uma transição do começo ao fim do clipe 3. PASSO com a transição selecionada altere o tipo de transição para COMPOSTO. 22
  23. 23. 4. PASSO Selecione o clipe que tem o croma. Clicando com o botão direito do mouse escolha > adicionar efeito > Tela azul ou Com o clipe selecionadoabra janela Lista de efeitos > manipulação de alpha > Tela azul Depois clique segure e arraste o efeito tela azul e jogue em cima do vídeo com croma. 5. PASSO Selecione o clipe que tem o croma. Abra a janela Pilha de efeitos. aqui você altera a variação Clique no conta gotas e selecione a cor clicando em cima da cor que quer remover. Depois disso altere a variação ate desaparecer a cor desejada. Ficando assim o efeito. 23
  24. 24. COMPOSTO Esse efeito de transição permite manipular tamanho, opacida, localização e pode animar os clipes. Animação - Usando keyframes localização do clipe keyframe(quadro chave) :São informações que inserimos para o clipe. ex: Vamos supor que tenhamos um vídeo de 1 minuto. No tempo de 1 segundo dizemos que seu tamanho e 100% e no tempo de 30 segundos seu tamnho é de 200%, no tempo de 30 segundo meu clipe ira dobra de tamanho. 1 segundo 30 segundo 1 minuto A bolinha só foi alterada durante o tempo de 1 a 30 segundo aumentando gradativamente até chegar nos 200% e dos 30 segundos até um minuto não houve modificação por não haver nehum comando dizendo para alterar alguma informação. ele pode ser usado tambem para opacidade e localização ou todos ao mesmo tempo. 24
  25. 25. APLICANDO EFEITOS DE ÁUDIO O Kdenlive disponibiliza diversos efeitos para que você possa editar o som. Para adicionar um efeito, selecione o clipe desejado e clique com o botão direito. Vá para a opção “Adicionar Efeito de Áudio” e escolha o efeito de sua preferência. Muitos destes efeitos exigem conhecimentos mais avançados, então iremos trabalhar apenas com os mais simples e de fácil utilização: Fade In: realiza uma fusão no início do clipe de som, fazendo com que ele comece mudo e vá aumentando de volume gradativamente até o normal. Fade Out: realiza uma fusão no final do clipe de som, diminuindo o volume gradativamente até ficar mudo. Os efeitos de áudio funcionarão exatamente como os de imagem, podendo ser configurados na Pilha de Efeito. EXPORTANDO O VÍDEO Agora que você já editou a imagem e o som de seu filme, chegou a hora de exportá-lo. As possibilidades de formatos são inúmeras, e é muito fácil se perder entre tantas opções. Neste guia, vamos instruí-lo de duas maneiras: primeiramente, vamos nos dedicar ao compartilhamento de vídeos na internet, escolhendo um formato mais leve e de upload mais ágil. Depois, veremos como se grava um DVD com seu vídeo finalizado. Antes de exportar, confira se está selecionada a “zona” desejada no seu projeto. Essa zona é representada por uma barra verde que fica na Linha de Tempo na mesma faixa que o cursor, e ela significa qual é o Ponto de Entrada e o Ponto de Saída do seu projeto (semelhante ao que pode ser feito nos Clipes antes de importá-los para a Linha de Tempo). Ou seja, o que estiver na zona da faixa verde será exportado; o que não estiver será ignorado. 25
  26. 26. Para alterar a zona, vá para o Monitor do Projeto, posicione o cursor onde você quer que a zona inicie, e clique no ícone “Definir início da zona”. Em seguida, posicione o cursor onde você quer que a zona termine, e clique no ícone “Definir fim da zona”. EXPORTANDO PARA A WEB Agora, vá para a barra de ferramentas superior, e clique no ícone “Renderizar”. Uma vez que tenha sido aberta a janela “Renderizando”, certifique-se de estar na aba “Renderizar projeto” e que o “Destino” seja “Renderizando arquivo”. Em “Arquivo de saída”, escolha o local do seu computador no qual você deseja salvar seu vídeo finalizado. Em “Formato”, selecione a opção NTSC. Na coluna de formatos à esquerda, selecione a opção MPEG-4. Na coluna à direita, selecione qualquer uma das opções; quanto maior o número, melhor qualidade terá seu vídeo – e maior ficará o arquivo exportado. Certifique-se de deixar marcada a caixa “Exportar áudio” e desmarcadas as caixas “Redimensionar”, “Timecode overlay” e “Reproduzir depois de renderizar”. Selecione a opção “Zona selecionada” e clique em “Renderizar para arquivo”. Você será redirecionado para a aba “Fila de Trabalhos”, onde poderá acompanhar o andamento do processo. Uma vez que ele tenha sido concluído, você poderá clicar duas vezes em seu nome para visualizá-lo. É sempre importante conferir o vídeo toda vez que você exportar, para certificar se ele está exatamente da maneira como você espera. 26
  27. 27. EXPORTANDO PARA GRAVAR UM DVD-VÍDEO Para preparar seu vídeo para gravar em DVD, clique no ícone “Renderizar”. Na janela que se abrirá, vá para “Destino” e selecione a opção “DVD”. Em “Arquivo de saída”, escolha o local no qual você deseja salvar o arquivo no seu computador. Em “Formato”, selecione a opção NTSC. Abaixo, selecione o formato compatível com o seu vídeo (4:3 ou 16:9), sempre na alternativa “2 pass”, que garantirá uma melhor qualidade da imagem. Certifique-se de deixar marcada a caixa “Exportar áudio” e desmarcadas as caixas “Timecode overlay”, “Abrir DVD Wizard depois da renderização” e “Reproduzir depois de renderizar”. Selecione a opção “Zona selecionada” e clique em “Renderizar para arquivo”. Você será redirecionado para a aba “Fila de Trabalhos”, onde poderá acompanhar o andamento do processo. Uma vez que ele tenha sido concluído, você poderá clicar duas vezes em seu nome para visualizá-lo. Após concluída a exportação, feche a janela “Renderizando” e siga as instruções abaixo para gravar o seu DVD. GRAVANDO UM DVD-VÍDEO O Kdenlive permite que você crie um DVD-Vídeo com o material editado. Para isso, vá para a barra superior, clique em “File”, e selecione a opção “DVD Wizard”. Na janela que se abrirá, escolha o formato de DVD compatível com o seu vídeo. Logo abaixo, você poderá habilitar a opção “Vídeo de introdução”. Isso fará com que um determinado vídeo se inicie imediatamente ao reproduzir o DVD. Apenas habilite este recurso se você tiver um vídeo de introdução. Clique em “Adicionar arquivo de vídeo” e selecione o arquivo .vob referente ao vídeo recentemente exportado. Note que ele será adicionado para a lista de arquivos, com sua duração e tamanho especificados ao lado. Se você tiver outros vídeos, poderá adicioná-los também – o limite é a capacidade do DVD, que estará representado na barra de status, situada abaixo da lista de arquivos. 27
  28. 28. Uma vez que todos os seus arquivos estejam adicionados, clique em “Next”. Na janela seguinte, você poderá configurar os capítulos do DVD. Selecione o arquivo de vídeo desejado e navegue com o cursor pelo clipe. Quando você encontrar um local para iniciar um novo capítulo, deixe o cursor na posição e clique em “Adicionar capítulo”. Repare que uma numeração será adicionada à lista – ela é o “timecode”, isto é, a minutagem referente à posição do capítulo dentro do clipe. Caso queira remover, clique em “Remover capítulo”. Adicione quantos capítulos você desejar e clique em “Next”. Nesta janela, você poderá optar por criar um menu inical para seu DVD. Caso não queira, deixe a caixinha desabilitada e clique em “Next” – deste modo, o vídeo será executado automaticamente ao reproduzir o DVD. Entretanto, se você quiser personalizar seu DVD, habilite a opção “Criar menu básico”. 28
  29. 29. Aqui você terá duas abas para trabalhar. A primeira refere-se aos botões e a segunda refere-se ao fundo. Na aba “Botão”, você poderá alterar as configurações de texto, cores e a funcionalidade de cada botão. Em “Texto”, digite o que estará escrito no botão. Em “Destino”, você poderá optar por: * “Reproduzir tudo”, que executará todos os clipes de seu DVD na ordem em que eles foram adicionados; * Escolher um determinado clipe (e ainda seu capítulo) para ser reproduzido ao apertar o botão no menu. Ao lado, habilite a opção “Voltar ao menu”, caso você queira que o espectador seja levado de volta ao menu após a execução do clipe escolhido. Deixar a opção desativada fará com que o espectador seja levado ao clipe seguinte após a execução do clipe escolhido. Em “Fonte” você poderá personalizar a fonte do texto e seu tamanho. Em “Cores dos botões”, é possível definir as cores que os botões terão nas respectivas situações: “Não selecionado”, “Habilitado” e “Selecionado”. Abaixo, estará a tela de pré-visualização de como está ficando seu menu. Se você quiser adicionar outros botões, vá para a barra lateral e clique no ícone de “Adicionar novo botão”. Caso queira reconfigurar um botão, clique em sua representação na tela de pré-visualização e altere os dados desejados. Na aba “Fundo”, você poderá optar por manter o fundo com uma cor fixa, com uma imagem ou com um vídeo de sua preferência. Para deixar com uma cor fixa, deixe a opção “Fundo” em “Cor” e clique no botão abaixo para selecionar a cor para o fundo. Para inserir uma imagem, escolha a opção “Imagem” e encontre o arquivo que você quer adicionar em seu disco rígido. O mesmo pode ser feito com a opção “Vídeo”, com uma especificidade: caso você queira que o vídeo seja reproduzido várias vezes enquanto o espectador navega pelo menu, habilite a caixinha de “Loop”. Caso contrário, o vídeo será reproduzido apenas uma vez. Confira suas configurações na tela de pré-visualização. Quando estiver satisfeito, clique em “Next”. 29
  30. 30. Nesta janela você finalizará o processo. Na opção “Pasta de arquivos temporários”, deixe sempre a opção padrão de seu computador. Abaixo, em “Imagem ISO de DVD”, selecione o local onde você salvará o arquivo .iso, a partir do qual será gravado o seu DVD. Abaixo, estará uma tela com a lista de tarefas que o programa irá executar. Abaixo da lista, está o botão “Criar Imagem ISO”. Clique nele para iniciar o processo. Assim que todas as tarefas tiverem sido executadas, surgirá uma caixa de “Status”, com dois botões: “Visualização” e “Gravar”. Clique em “Visualização” para testar seu DVD. Um programa de reprodução de DVDs será automaticamente aberto, para que a Imagem ISO recentemente criada seja reproduzida – esta imagem é a cópia fiel de como será o seu DVD. Se estiver tudo Ok, você está pronto para finalmente gravar o material na mídia. Feche o programa de reprodução de DVD e insira uma mídia virgem no seu drive DVD-RW. Volte para o Kdenlive e clique no botão “Gravar”. Selecione o programa que será utilizado para a autoração – no nosso caso, utilizamos o programa “Brasero”. Na janela que será aberta, confira se a imagem e o drive estão corretos e clique em “Criar Imagem”. Você poderá acompanhar o andamento do processo na barra de status com o percentual. Quando ele tiver sido completado, você receberá um aviso. Parabéns, você gravou seu DVD-Vídeo! 30
  31. 31. Obrigado Por Ler Nossas Apostilas Acesse: www.vandersoft.tk
  32. 32. TECLAS DE ATALHOS KDENLIVE ATALHOS GERAIS: ATALHOS DO MONITOR: Ctrl + N – Criar novo projeto Espaço – Reproduzir/Pausar Ctrl + O – Abrir um projeto Ctrl + Espaço – Reproduzir “Zona” Ctrl + S – Salvar projeto Ctrl + Home – Reproduzir projeto desde o início Ctrl + Q – Encerrar o Kdenlive Alt + Esquerda – Ir para ponto anterior Ctrl + Z – Desfazer Operação Alt + Direita – Ir para o próximo ponto Ctrl + Shift + Z – Refazer Operação Shift + I – Ir para o início da Zona Ctrl + C – Copiar Home – Ir para o início do clipe Ctrl + V – Colar End – Ir para o final do clipe ATALHOS DA LINHA DE TEMPO: Shift + O – Ir para o final da zona N – Modo Normal Ctrl + End – Ir para o final do projeto S – Ferramenta de Seleção J – Rebobinar X – Ferramenta de Navalha Esquerda – Rebobinar 1 Quadro M – Ferramenta Espaçador Shift + Esquerda – Rebobinar 1 segundo Shift + R – Cortar clipe Direita – Adiantar 1 Quadro Delete – Apagar item selecionado Shift + Direita – Adiantar 1 segundo Ctrl + G – Agrupar Clipes L – Adiantar Ctrl + “+” – Mais Zoom I – Definir início da zona Ctrl + “-” – Menos Zoom O – Definir final da zona Ctrl + Shift + I – Inserir zona na Linha de Tempo 31

×