Apostila de exames contrastado profª vanderleia atual

5.038 visualizações

Publicada em

0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.038
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
126
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apostila de exames contrastado profª vanderleia atual

  1. 1. Exames contrastados do sistema locomotor e glândulas acessórias Prof.ª: Vanderleia Germano
  2. 2. Agentes de contraste Dúvidas comuns sobre os meios de contraste iodados (mitos x veracidade) Os meios de contraste radiográficos vêm como a ultrassonografia sendo utilizados há mais de meio século, tornando-se cada vez mais seguros. Com o surgimento de métodos de imagem e a ressonância magnética, previu-se erroneamente o desaparecimento dos meios de contraste iodados. Exames como a tomografia computadorizada e a angiografia digital passaram a ser feitos aos milhões, utilizando-se até 150 ml de agentes de contraste em cada exame. E as novas tecnologias que estão tomando o lugar das mais antigas, como a tomografia multislice substituindo a cinecoronariografia, continuam a usar altas doses de meios de contraste. Entretanto, quase tão volumosa quanto a quantidade de meio de contraste utilizada é a ignorância sobre o assunto. Veracidade e mito Se os meios de contrastes fossem isentos ou quase totalmente isentos de risco, o consentimento tornar-se-ia desnecessário. Por outro lado, se o risco fosse alto, talvez um risco de morte a cada 100 injeções ou mesmo a cada 1000 injeções, o consentimento seria obrigatório. Na verdade, o risco é muito baixo, menos de uma morte a cada 130.000 injeções (ou seja, se todos os 16 milhões de habitantes da cidade de São Paulo fossem submetidos a exames de meios de contraste iodado endovenoso, morreriam 16 pessoas). Também é muito baixa a incidência de eventos graves, como insuficiência renal e Acidente Vascular Encefálico (AVE). Além disso, o número cada dia maior de exames impede que o radiologista informe cada paciente e obtenha pessoalmente o consentimento pra realizar o exame. Provavelmente um advogado aconselharia quase invariavelmente a obter o consentimento informado. Entretanto, deve ser lembrado que nos processos é levada em consideração a prática usual e rotineira. Poucos radiologistas incluem nesta categoria o consentimento informado. Assim como em outras áreas da medicina, não existe um padrão absoluto. O compromisso entre as partes é definido por um folheto informativo. É importante lembrar que o consentimento informado é um processo que tem por
  3. 3. fim fornecer informações tanto para o paciente quanto para o médico. Para isso a maior parte desses folhetos investiga a possibilidade de o paciente estar em condições em que haja maior risco de reações, como os casos de diabetes, problemas de função renal, reações em exames anteriores e histórias de alergias. As perguntas são seguidas por um curto parágrafo que explica os riscos que podem estar associados com a injeção dos meios de contraste, incluindo um risco pequeno de morte ou AVE. O paciente também é informado de que se tiver qualquer dúvida relacionada a o meio de contraste, um radiologista estar disponível para fornecer informações adicionais. Em resumo, a injeção de um meio de contraste iodado é muito segura, particularmente em comparação com outras situações nas quais o consentimento é obtido, como cirurgia ou angiografia. As reações aos meios de contraste não são alergias, ainda que a típica reação ao meio de contraste se assemelhe à reação alérgica, indo de urticária até o processo de anafilactóide. Deve ser ressaltado que: 1- as moléculas dos meios de contrastes são muito pequenas (850 KD) para agirem como antígenos; 2- apesar de exaustivas investigações, nunca foram encontrados anticorpos aos agentes de contraste e pacientes que tiveram reações sistêmicas, semelhantes à alergia, e; 3- em pacientes que previamente apresentou reações ao meio de contraste, a probabilidade de recorrência é de 8 a 25%. Fosse verdadeiramente alérgica, a reação ocorreria e 100% dos pacientes. Na maior parte dos casos é desnecessário evitar a injeção endovenosa de agentes de contrastes iodados. Entretanto, um pequeno número de pacientes apresenta reações recorrentes, que parecem ocorrer após diferentes tipos de contraste e que não são previsíveis com um pré tratamento. Na maior parte dos casos, esses efeitos adversos se apresentam como reações cutâneas tardias, que podem ser severas, mas não põem em risco a vida do paciente. Muito raramente, são reatadas reações recorrentes de morte e geralmente esses casos são mal documentados. Uma abordagem razoável é a utilização de um diferente tipo de contraste, lembrando que por várias vezes é impossível definir especificamente a reação prévia ou qual foi o meio de contraste utilizado. Uma história cuidadosa pode ser de auxílio. Se a reação do paciente ocorreu antes d e1990, é quase certo que não foi utilizado no exame atual, pois os agentes de contraste sua osmolaridade e viscosidade mais acentuada: um dímero não iônico isotônico passou a ser disponível a parti de 1997, e poderia ser o contraste substituto.
  4. 4. Independentemente de qualquer outro aspecto, os dois fatores cruciais são: estar atento ao fato de ter ou não ocorrido reação prévia; e ter o equipamento correto e estar capacitado a tratar qualquer reação alérgica que possa ocorrer. A utilização de um regime pré-tratamento, incluindo a administração de corticosteroides com ou sem anti-histamínicos ou outras drogas, tem se mostrado seguras. Sua eficiência tem sido comprovada, mas com a falha de prevenir comprovadamente reações menores. Estudos prospectivos de pré- tratamento são muito pequenos para avaliar com confiabilidade se o pré- tratamento é fundamental. Vale lembrar que prejudicar o paciente não vai. A administração de esteroides deve começar cerca de 12 horas antes da injeção de contraste para prevenir até pequenas reações, e o radiologista e os técnicos devem continuar preparados para tratar uma reação. Em resumo, a menos que o paciente tenha uma história claramente documentada de várias reações anteriores ( e isto é muito raro) ou reação grave (como edema de glote), não existe a necessidade de evitar a injeção de meio de contraste em paciente que apresentou reação prévia. Pré- tratamento com esteroides certamente não fará mal ao paciente, porém irá atrasar o procedimento em pelo menos 12 horas. O uso de um agente de contraste ao qual o paciente não foi exposto previamente também pode ajudar, mas o elemento crucial é estar pronto e ser capaz de tratar uma reação com risco de morte. Uma história de asma também se acredita que seja um bom indicador de risco aumentado. Empiricamente, a presença de asma parece aumentar o risco de broncoespasmo, não de outras reações. O risco (novamente empírico) parece ser particularmente alto em pacientes com asma ativa. Felizmente, esses pacientes estão geralmente familiarizados com o uso de inaladores agonistas e sempre carregam um com eles. Apesar disso, esses inaladores deveriam estar sempre disponíveis em locais em que o meio de contraste endovenoso é utilizado. No passado, muito acreditavam que a alergia a frutos do mar era um indicador de risco aumentado de reações do meio de contraste, presumidamente porque tanto os frutos do mar como os meios de contraste contêm iodo. Esta relação definitivamente não existe. Iodeto orgânico encontrados no fruto do mar é um elemento essencial, de maneira que as pessoas não podem ser alérgicas a ele.
  5. 5. Para pacientes que apresentam níveis séricos de ureia e creatinina antes da injeção do agente de contraste, os riscos de desenvolver nefropatia induzida por meio de contraste é maior e, portanto precisam de avaliações recentes de ureia e creatinina, mas o risco maior é daqueles pacientes que apresentam comprometimento da função renal normal. Se um paciente é sabidamente portador de disfunção renal, é importante que se tenham mensurações recentes de ureia e creatinina séricas realizadas dentro do mês anterior ao exame. Para todos os outros pacientes, é importante saber se eles tem outros fatores de risco de problemas renais. Estes fatores incluem diabetes mellitus, história de litíase urinária ou infecção urinária recorrente; história de obstrução ao esvaziamento vesical, hipertrofia prostática; história recente de um evento que possa causar lesão renal, como cirurgia de grande porte, desidratação ou choque cardiogênico; uso de medicamentos nefrotóxicos, como gentamicina, anti-inflamatórios não esteroides em altas doses ou certas drogas quimioterápicas Não é claro se o risco da diabetes mellitus é diferente para os tipos 1 e 2. O risco é mais provavelmente é mais uma função da duração da diabetes do que o controle da taxa de glicemia. Em geral, o melhor é errar por excesso e obter nível sérico de ureia (como indicador grosseiro de hidratação) e de creatinina (indicando se há disfunção renal real). A frequência com que serão adiados os exames contrastados em razão de ausência de informações sobre a função renal depende da população de pacientes, da abordagem usual dos médicos solicitantes e dos protocolos de cada serviço de radiologia. Se os pacientes são bem avaliados e os médicos solicitantes, devidamente orientados, a maior probabilidade é que exames contrastados não sejam adiados ou cancelados. Existe algumas drogas ou medicamentos que são contraindicados ao uso após administração do meio de contraste no paciente, sugerindo a suspensão por até 48 horas antes do exame, bem como drogas que devem ser suspensas na véspera do exame radiodiagnóstico. Podemos citar o uso de anti- hipoglicêmico, que apresenta um diferente desafio para o radiologista. Dacriocistografia O aparelho lacrimal inclui a glândula lacrimal, que secreta as lágrimas, o saco lacrimal e os ductos lacrimais, por meio dos quais as lágrimas chegam até o nariz. A Glândula lacrimal está localizada na região superior externa da órbita e libera lágrimas que lavam os olhos, as quais são conduzidas para o saco lacrimal através de pequenos canais chamados de punta lacrimal. O saco
  6. 6. lacrimal drena para o nariz, através do ducto nasolacrimal, desembocando na concha nasal inferior. Exame: Após anestesiar o olho a ser examinado com duas gotas do colírio anestésico, deve-se introduzir o cateter no orifício inferior da órbita( ducto lacrimal ) e injetar de 3 a 5ml de contraste iodado diluído em água ( 60% contraste para 40% de água). Neste momento, ou seja, ao injetar o contraste, realizam-se as incidências: 1º- Crânio AP localizada; 2º- Crânio tangencial (15°) localizada; 3º- Face Waters (invertido), utilizada para o estudo da saco lacrimal; 4º- Perfil face – localizada. Indicação clínica: Obstrução do canal lacrimal.
  7. 7. Imagens de Dacriocistografia: AP localizada Crânio tangencial 15°
  8. 8. Waters invertido Perfil face – localizada
  9. 9. Sialografia As glândulas salivares As glândulas salivares se dividem em:  Parótidas: de cada lado da bochecha;  Submandibulares: paralelas ao corpo mandibular;  Sublingual: dispostas no assoalho da boca As glândulas secretam salivas em seus respectivos ductos, chegando à boca. A saliva contém uma enzima digestiva (ptialise), que lubrificam a mucosa da boca. Quando surgem cálculos nos ductos salivares, estes podem obstruir e, consequentemente, aumentar o volume das glândulas. Indicações:  Cálculos nos ductos;  Ausência de secreção. Objetivo: Sialografia: É um exame radiológico dos canais excretores das glândulas salivares com prévia repleção por uma substância contrastante. A glândula que se presta a examinar é a parótida, sendo o contraste injetado no seu canal excretor ( Canal de Stenon) por um especialista que usa uma agulha de ponta romba. Para melhor visualização do orifício do canal, pede-se que o paciente, antes do exame, esprema a metade de um limão dentro da boca (prova de estímulo).
  10. 10. Preparo:  Jejum absoluto de seis horas;  O paciente deverá trazer um limão para utilização no exame;  O paciente é orientado a não fumar nem mascar chicletes. É utilizado um scalp fino (21 a 25), o qual deve possuir uma ponta romba, que por sua vez deve ser introduzida no Canal de Stenon ( canal parotídeo). Feito isso, injeta-se 3ml de contraste iodado diluído em água. OBS: Quando o estudo é das glândulas submandibulares, introduzir o cateter no Canal de Wharton. Incidências: São realizadas Incidências como as da mandíbula. AP , Perfil e Oblíquas. Imagens de Sialografia: AP de Sialografia
  11. 11. Perfil de Sialografia Oblíqua de Sialografia Ductografia É um exame radiológico que se utiliza da radiografia e um meio de contraste iodado infundido no ducto com descarga papilar, obtendo-se imagens chamadas ductografia ou galactografia, do interior dos ductos lácteos. A mama é constituída principalmente das seguintes estruturas: gorduras, lóbulos (produz o leite) e os condutos lácteos ( transportam o leite dos lóbulos ao mamilo. Apesar da mamografia, o ultrassom e a ressonância magnética são excelentes formas de avaliar as imagens mamárias, não visualizam o interior dos condutos lácteos na mesma proporção da ductografia.
  12. 12. Indicações: Descarga papilar serossanguinolenta. Preparação: Não utilizar talcos, desodorantes e perfumes nas mamas e nas regiões axilares no dia do exame. Equipamentos: O equipamento de mamografia consiste de uma caixa regular que contém ampola de Raio X que gera as radiações ionizantes. É um equipamento dedicado ao estudo radiológico das mamas, com acessórios específicos que só as mamas se expõem aos Raios X. Junto ao equipamento temos um dispositivo que sustenta (bandeja ) e comprime ( compressor ) a mama e a posiciona para obter as imagens em diferentes ângulos. Outro equipamento necessário para este exame pode incluir pequenas sondas chamadas dilatadores, um pequeno cateter com conector de plástico e uma agulha de ponta romba que se insere no ostium do ducto com descarga papilar infundindo uma pequena quantidade de meio de contraste iodado. Imagem de ductografia
  13. 13. Realização: Na ductografia se infunde uma pequena quantidade de meio de contraste no conduto lácteo com descarga papilar e se realiza a mamografia para se visualizar o ducto opacificado. Princípios: A realização deve ser realizado, analisado e interpretado por um médico radiologista habilitado para tal procedimento. Benefícios: Através da realização desse exame podem-se encontrar tumores intraductais e ajuda na melhor localização dos mesmos. Riscos: A dose da radiação efetiva de uma ductografia é ao redor de 0,7 mSV, que corresponde a radiação do meio ambiente de 3 meses. É impossível lesionar o ducto, durante a inserção do cateter ou ao infundir o meio de contraste. A cura se faz por se só. Limitações: Se não tem secreção no momento do exame, o conduto não é identificado, portanto não é possível realizar o exame. As vezes, os condutos são bastantes estreitos e não podem ser dilatados. Portanto, se o meio de contraste é infundido o conduto não é o correto, podendo se realizar diagnóstico incorreto. Artrografia / Pneumoartrografia A Artrografia é o exame dos espaços articulares, feito com injeção de contraste. Este exame pode ser realizado para todas as grandes e em muita das pequenas articulações do sistema esquelético do corpo humano. Pode-se injetar material radiopaco e ar ( frequentemente ambos- Pneumoartrografia), o que é seguido de radiografia simples ou da TC. Esta Técnica tem a vantagem de proporcionar realce de contraste e permitir a amostragem do líquido do espaço articular. Contudo estes exames são evasivos e só mostram a parte interna do espaço articular. A capacidade de fornecer a imagem da medula óssea, dos tecidos moles, da cartilagem articular, do menisco e do espaço articular fez com que a RM substituísse a Artrografia na maioria dos exames:  Do joelho;
  14. 14.  Do ombro;  Do quadril;  Da articulação temporomandibular. A Artrografia simples também é frequentemente substituída pela RM quando há necessidade de estudo, por imagens, de articulações menores. A Artrografia ainda é usada no diagnóstico de lesões complexas, na identificação de corpos livres intra-articulares e na lesão da cartilagem articular. O exame requer conhecimento da estrutura anatômica da articulação normal e atenção para as soluções de continuidade das margens, falhas de enchimento e inibição da cartilagem anormal pelo contraste. O extravasamento de contraste para cavidades articulares distintas no ombro e no punho permite o diagnóstico da ruptura articular. Imagens de Artrografias Artrografia do joelho
  15. 15. Artrografia do ombro Objetivo do exame: A Pneumoartrografia do joelho é realizada para demonstrar e avaliar patologias da articulação do joelho e estruturas de tecidos moles associados. As estruturas que mais interessam incluir são:  Cápsula articular;  Os meniscos;  Os ligamentos colaterais, cruzados, outros menores. Estas estruturas são visualizadas pela introdução de um meio de contraste na cápsula articular, com detalhes fluoroscópicos e imagens radiológicas de rotina, utilizados para registrar uma imagem permanente. Indicação Clínica para o Exame A Pneumoartrografia do joelho é indicada quando há suspeita de ruptura:  Da cápsula articular;  Dos meniscos;  Dos ligamentos colaterais.
  16. 16. Colangiopancreatografia Endoscópica Retrógrada A Colangiopancreatografia endoscópica retrógrada (CPER) permite ao médico diagnosticar afecções no fígado, vesícula biliar, ductos biliares e pâncreas. O fígado é um órgão que, entre outras coisas, faz um líquido chamado bile que auxilia a digestão. A vesícula biliar é um órgão pequeno, em forma de pera, que armazena a bile até que seja necessária para a digestão. Os ductos biliares são canais que transportam a bile do fígado para a vesícula biliar e intestino delgado. Estes ductos são chamados algumas vezes de árvore biliar. O pâncreas é um órgão que produz substâncias químicas que ajudam a digestão e hormônios como a insulina. A CPER é utilizada primordialmente para diagnosticar e tratar condições dos ductos biliares como cálculos de colédoco, estenoses inflamatórias (cicatriciais), extravasamentos (por trauma ou cirurgia) e câncer. A CPER combina o uso de raios X e um endoscópio, o qual é um tubo longo e flexível, com iluminação e uma microcâmara na sua ponta. Através dele o médico pode ver o estômago e o duodeno por dentro, encontrar a papila de Vater (saída no intestino dos ductos biliar e pancreático), introduzir um cateter (sonda muito fina) através dele e injetar contraste para opacificar a árvore biliar e o pâncreas permitindo que sejam vistos aos raios X. Para o procedimento, você deitará sobre o lado esquerdo numa mesa de exame na sala de raios X. Será administrado um medicamento para adormecer a sua garganta e um sedativo para auxiliar o seu relaxamento durante o exame. O endoscópio será introduzido através da sua boca e o médico o dirigirá através do esôfago, estômago e duodeno até atingir o ponto onde os ductos da árvore biliar e do pâncreas se abrem no duodeno (papila de Vater). Nesta ocasião, você será virado de barriga para baixo e o médico passará uma pequena sonda de plástico (cateter) através do canal de trabalho do endoscópio e o introduzirá, pelo orifício da papila, no ducto a ser estudado. Por este cateter o médico injetará contraste nos ductos para eles aparecerem de maneira clara aos raios X. Os raios X são tirados logo após o contraste ser injetado. Se o exame evidenciar um cálculo ou estreitamento dos ductos, o médico pode inserir acessórios pelo canal de trabalho do endoscópio para remover o cálculo ou aliviar a obstrução. Também poderão ser retiradas amostras de tecido (biópsias) para exame posterior. As possíveis complicações das CPER são a pancreatite (inflamação do pâncreas), infecção, hemorragia e perfuração do duodeno. Excetuando-se a pancreatite, tais problemas não são comuns. A CPER demora de 30 minutos a 2 horas. Você sentir algum desconforto quando o médico injetar ar no seu duodeno e contraste nos ductos. Entretanto, os analgésicos e sedativos farão com que você não sinta muito desconforto. Após o procedimento, você ficará no hospital por 1 a duas horas até que termine a ação do sedativo. O médico se certificará que você não tem sinais de complicações antes de você ir embora. Se for executado algum tipo procedimento terapêutico durante a CPER, tal como a remoção de um cálculo, é aconselhado a observação hospitalar por 24 horas.
  17. 17. Imagens de Colangiopancreatografia Endoscópica Retrógrada
  18. 18. Preparo: O seu estômago e duodeno precisam estar vazios para o procedimento ser acurado e seguro. Você não deve beber nem comer nada após as 20 horas da noite anterior ao procedimento, ou por 6 a 8 horas anteriores, dependendo do horário do exame. O médico precisará saber se você tem algum tipo de alergia, especialmente ao iodo, pois o contraste é iodado. Você também precisa providenciar alguém para leva-lo para casa pois não será permitido que você dirija automóvel, por causa dos sedativos. O médico poderá lhe fornecer outras instruções especiais. Mielografia Objetivo: A mielografia é o estudo radiológico da medula espinhal e de suas raízes nervosas que utiliza um meio de contraste. A medula espinhal e as raízes nervosas são delimitadas injetando um meio de contraste no espaço subaracnóide. O formato e o contorno do meio de contraste são avaliados para detectar possível patologia. Como a maioria das patologias ocorre nas regiões lombar e cervical, é mais comum a realização de mielografia destas áreas. Indicações: A mielografia é realizada quando os sintomas do paciente indicam a presença de uma lesão que pode estar presente dentro do canal medular ou salientando-se para o interior do canal. Se isso acontecer o paciente terá sintomas que podem incluir dor e dormência, frequentemente nos membros superiores ou inferiores. As lesões mais comuns demonstradas incluem núcleo pulposo herniado (NPH ), tumores cancerosos ou benignos, cistos e ( no caso de traumatismo ) possíveis fragmentos ósseos. No caso de uma lesão, a mielografia serve para identificar a extensão, o tamanho e o nível da patologia. Outro aspecto importante nesse exame é a identificação de múltiplas lesões. O achado patológico mais comum da mielografia é HNP( herniação do núcleo pulposo do disco intervertebral ). Contraindicações: O exame é contraindicado quando há sangue no liquido cérebro- espinhal ( LCE), aracnoidite ( inflamação da membrana aracnoide ), aumento da pressão intracraniana, ou uma punção lombar recente ( realizada duas semanas antes do exame atual ). A presença de sangue no LCE indica provável irritação no canal medular que pode se agravar pelo meio de contraste. É contraindicado no caso de aracnoidite porque o meio de contraste pode aumentar a intensidade da inflamação. Em casos de elevação intracraniana, a punção do espaço subaracnóide durante o posicionamento da agulha pode causar graves complicações ao paciente quando a pressão iguala- se entre as áreas do cérebro e da medula espinhal. Já a realização do exame em um paciente submetido a uma punção lombar recente pode resultar no
  19. 19. extravasamento do meio de contraste para fora do espaço subaracnóide através do orifício deixado pela punção anterior. Imagens de mielografia Preparo do paciente: Geralmente em exames desse tipo os pacientes se mostram apreensivos, em alguns casos é administrado, uma hora antes do inicio do exame, um sedativo/relaxante muscular injetável, com indicação do radiologista que irá realizar o procedimento. Antes do exame, todo o procedimento e possíveis complicações devem ser explicados ao paciente pelo médico, e o paciente deve assinar um consentimento informado. Equipamento principal: É necessária uma sala de radiologia/Fluoroscopia com mesa basculante a 90º/15º, apoio para os pés e suporte para os ombros ou apoio para as mãos. Pois o exame pode exigir inclinação do paciente em Trendelenburg e a realização das radiografias é feita com o paciente em semi-ortostática. Punção: A introdução do meio de contraste para mielografia é realizada através de uma punção do espaço subaracnóide. Geralmente há duas localizações para o local da punção; as áreas lombar (L 3-4) e cervical (C 1-2 ). Sendo que a área lombar é considerada a mais segura, mais fácil e a mais comumente usada para o procedimento. A punção cervical é indicada se a área lombar for contraindicada, ou se a patologia indicar um bloqueio completo do canal vertebral acima da área lombar que obstrua o fluxo do meio de contraste para a região medular superior. Após a seleção do local de punção, o radiologista pode submeter o paciente à Fluoroscopia a fim de facilitar o posicionamento da agulha. O posicionamento para a punção lombar pode ser com o paciente sentado em ortostática ou em uma posição lateral esquerda com a coluna vertebral fletida.
  20. 20. A flexão da coluna vertebral alarga o espaço Inter espinhoso, o que facilita a introdução da agulha de punção. O mesmo valendo para a posição em ortostática, onde o paciente deve fletir a coluna. O local da punção deve ser limpo com o uso de solução antisséptica, sendo então seca com gaze estéril e coberta com um campo fenestrado (um campo com abertura central). O anestésico local é administrado utilizando-se uma seringa de 5cc com agulha de 22g ou 25g. Com a área anestesiada, a agulha de punção lombar é introduzida através da pele e dos tecidos subjacentes até o espaço subaracnóide. A localização da agulha no espaço subaracnóide é verificada por um fluxo contínuo de líquido cerebrospinal (LCE) que geralmente flui através da agulha. Uma amostra de LCE é colhida e enviada ao laboratório para análise. A quantidade colhida é ditada pela necessidade dos testes laboratoriais solicitados. Após colher o LCE, a agulha de punção é deixada no lugar para a injeção do meio de contraste, que é injetado no espaço subaracnóide, utilizando-se uma seringa de 20cc. Ao término da injeção, a agulha é removida, aplica-se um curativo no local. Após esses procedimentos são iniciadas a seriografia fluoroscópica e as radiografias convencionais na mesa. Meio de contraste: O melhor tipo meio de contraste para mielografia é aquele que se mistura bem com o líquido cerebrospinal, facilmente absorvido, atóxico, inerte (não reativo), e tem boa radiopacidade. Nenhum tipo de meio de contraste atende a todos os critérios citados anteriormente. No passado, foram usados ar ou gás (radiotransparente) e meio iodado oleoso (radiopaco). Atualmente são usados meios iodados hidrossolúveis iônicos ou aniônicos. Os meios de contraste hidrossolúveis proporcionam excelente visualização das raízes da calda equina; são facilmente absorvidos pelo sistema vascular; e são excretados pelos rins. A absorção começa aproximadamente 30 minutos após a injeção com boa radiopacidade até cerca de 1 hora depois da injeção. Após 4 à 5 horas, o meio de contraste apresentará um efeito radiológico turvo, e é radiologicamente indetectável após 24 horas. Rotinas de posicionamento: Durante a Fluoroscopia, a mesa (e o paciente) é inclinada para a posição de Trendelenburg. Isso facilita o fluxo do meio de contraste para a área a ser examinada. Sob controle fluoroscópico, após o meio de contraste ter atingido a área desejada, inicia-se a documentação radiográfica. São realizadas em AP; PA; Perfil; e Oblíquas. Usamos para documentação filmes 24x30cm.
  21. 21. Referências: LEAL, R. et al; Posicionamentos em exames contrastados; São Paulo: Ed. Escolar, 2006. BONTRAGER, Kenneth L., Tratado de técnicas radiológicas e Base anatômica; 3ª edição; Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1996.

×