SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ ESTADUAL DA 4ª VARA DA
FAZENDA PÚBLICA DO FORA CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO
METROPOLITANA DE CURITIBA/PR




Autos: 656-07.2012.8.16.0002




            CARLOS EDUARDO ANDERSEN, devidamente qualificado nos
autos supra, vem, respeitosamente, por seu advogado in fine assinado, perante
V. Exa., apresentar sua manifestação a contestação apresentada por Município
de Curitiba, conforme fundamentos adiante expostos:




            Em sede de contestação, a requerida utilizou-se de fundamentos
que não possuem embasamento legal, além de contraditórios, o que passa a
se demonstrar adiante.


            Ademais, por ser de primordial relevância ao processo e
constituindo fato novo, desde já requer o autor a juntada de laudo técnico
pericial fornecido pela Dra. Daniela Biondi, Engenheira Florestal, Profº do
Curso de Graduação e Pós Graduação em Engenharia Florestal da
Universidade Federal do Paraná, a qual inclusive realiza laudos técnicos
para a própria requerida, sendo por diversas vezes solicitada.


            Como primeiro fundamento de sua contestação, a requerida alega
que:
“A referida espécie, segundo informa a Diretora do Departamento de
            Pesquisa e Monitoramento da Secretaria Municipal do Meio Ambiente
            não pode ser considerada uma árvore nativa de Curitiba em vista da
            sua ampla ocorrência que vai desde o Estado de Goiás até a Argentina,
            nem tão pouco histórica pela ausência de registros oficiais que
            demonstrem tal afirmação.”


            Infundadas as alegações da requerida e sem qualquer documento
que de respaldo a suas alegações. Apesar de não haver registros oficiais que
“demonstrem tal afirmação”, é notório e tem consciência toda comunidade local
que a referida árvore possui uma média de 70 anos.


            Veja-se os fundamentos contidos no laudo pericial a este respeito:




            Na conclusão do laudo pericial, tem-se o seguinte parecer:
Portanto, conforme comprovado no laudo pericial e fotos ora
juntadas aos autos, a árvore Paineira Rosa deve estar imune de corte por sua
excepcionalidade e raridade, devendo ser considerada inclusive patrimônio
tombado ou imune de corte pelo Município de Curitiba.


             Com segundo fundamento da contestação, a requerida faz as
seguintes ponderações:


             “A árvore não compõe o padrão ideal à arborização pública viária por se
             tratar de espécie aculeada, sendo sua madeira leve, pouco resistente,
             mole, de baixa durabilidade natural. Sua floração é vistosa de fato, mas
             o seu uso é indicado para compor o paisagismo urbano de grandes
             praças e jardins.”


             Totalmente desprovidas de embasamento legal e lamentáveis as
alegações do município de Curitiba, que pretende efetuar o corte de uma
árvore histórica, protegida por lei com o fundamento de que “a árvore não
compõe o padrão ideal à arborização pública viária”, e que “seu uso é indicado
para compor o paisagismo urbano de grandes praças e jardins.”


             Veja-se trecho do parecer técnico que contraria as alegações da
requerida:
Ademais, quanto as alegações da requerida em relação a árvore
ser “espécie aculeada, sendo sua madeira leve, pouco resistente, mole, de
baixa durabilidade natural”, veja-se trecho do parecer técnico quanto ao estado
fitossanitário da árvore:




                Na conclusão do parecer técnico, temos a confirmação de que a
árvore não representa perigo à população, não se sustentando as alegações
da requerida:




                Desta forma, em que pese as características do tronco da árvore,
esta comprovado que a árvore esta saudável e com total estabilidade, pelo que
não há como prosperar as alegações da requerida.
Veja-se que a requerida alegou a imprensa à época (doc anexo)
que possuía laudo técnico que comprovava que a árvore causava danos no
calçamento, na rede de esgoto, e na parte estrutural das residências, o que por
certo não é verdade, eis que sequer junta tal laudo à contestação.


               Inclusive, efetivamente em contestação, a requerida alega
apenas que a árvore “causa danos à edificação (muro), calçadas internas e
dificultando a abertura do portão de correr”. Sequer menciona danos ao
calçamento e esgoto.


               Por fim, alega a requerida em contestação os seguintes
fundamentos:


               “No local observou-se que a paineira é de grande porte e polifurcada.
               Está localizada no recuo frontal externo de uma residência, ocupando
               praticamente toda a largura do canteiro. Verificou-se que o sistema
               radicular da árvore está causando danos à edificação (muro), calçadas
               internas e dificultando a abertura do portão de correr. Considerando os
               danos observados que devem aumentar com o desenvolvimento do
               sistema radicular, as características da madeira acima citadas que
               favorecem a ruptura das bifurcações, e por sua vez a queda destas e
               se tratar de espécie inadequada para arborização foi expedida a
               autorização para o corte da paineira rosa. Tal ato ampara-se no artigo
               22, parágrafo segundo da Lei Municipal n. 9806/2000 (Código
               Florestal Municipal) que assim dispõe: Em caso de danos materiais
               provocados pela árvore, devidamente constatados pela fiscalização
               da Secretaria do Meio Ambiente – SMMA e após expedição da
               autorização de corte, poderá o munícipe executar a remoção ou
               transplante, ou ainda, solicitar à Secretaria do Meio Ambiente – SMMA
               que o faça, sem ônus para o mesmo. Diante destes fatos verifica-se
               que não há ato lesivo ao patrimônio municipal. Mediante regular
               procedimento     administrativo,   desencadeado       por    moradora
               prejudicada, os agentes municipais constataram os problemas
               narrados por ela e, de acordo com a previsão legal da lei municipal
               acima citada, autorizaram o corte. Portanto o ato administrativo
               questionado – autorização de corte – revestiu-se dos requisitos
necessários à sua validade e eficácia. Assim não procede a alegação
               de ausência de motivação formulada na inicial. As leis ambientais
               impedem o corte de árvores sem autorização do poder público. Não
               impedem o seu corte. O artigo 3º da lei Municipal n 9806/2000
               invocado pelo Autor corrobora esta assertiva. O dispositivo legal prevê
               a vedação do corte de árvore sem a devida aut sem a devida
               autorização.   orização. Evidentemente ninguém, muito menos a
               administração municipal tem interesse em cortar árvores, entretanto,
               os interesses em conflito no caso exame levaram a Secretaria
               Municipal do Meio Ambiente a autorizar a remoção da Paineira.


              Absurdas as alegações da requerida neste quesito! Veja-se que a
requerida se limita a fundamentar o corte da árvore por um dispositivo de lei
que lhe atribui poder (artigo 22, parágrafo segundo da Lei Municipal n.
9806/2000, Código Florestal Municipal), se utilizando deste de forma totalmente
arbitrária. Conforme verifica-se nos autos, não há qualquer comprovação de
danos materiais causados pela estrutura da árvore, e, ao contrário do alegado
pela requerida à imprensa à época, não há laudo pericial constituído e que
comprovem as alegações da ré, o que comprova que iria se realizar um
corte totalmente ilegal e arbitrário.


              Quando a requerida alega que sua decisão “revestiu-se dos
requisitos necessários à sua validade e eficácia”, acaba por entrar em
contrariedade, não lhe assistindo razão.


              Por certo, quando o legislador definiu no artigo 3º da lei
9806/2000 que “é vedado, sem a devida autorização”, quis dizer que é
necessário haver motivos LEGAIS que impulsionem a decisão de se autorizar o
corte de uma árvore, e que não se trata de poder discricionário do Município
autorizar o corte.


              Em que pese as alegações da requerida, as quais como já dito
não estão comprovadas, e que se admite tangido pelo principio da
eventualidade, uma rachadura em um muro nitidamente antigo, e um entrave
em um portão antigo e enferrujado são danos materiais que, basta se ter o
mínimo de bom senso para entender não justificam o corte de uma árvore que
é patrimônio do Município.


             Inclusive, o que mais indigna o autor, é que num caso como este,
seria o dever do Município proteger o bem que é patrimônio da comunidade,
porém, o que se vê é justamente o contrário.


             Por fim, requer o autor a juntada do laudo pericial, das fotos da
árvore Paineira Rosa e noticia publicada na imprensa local.




             Nestes termos,
             Pede deferimento




             Curitiba, 01 de junho de 2012


             Thiago Koltun Ajuz
             OAB/PR 50.817

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teoria geral dos recursos dpc aplicado - 2015 (ATUALIZADO)
Teoria geral dos recursos   dpc aplicado - 2015 (ATUALIZADO)Teoria geral dos recursos   dpc aplicado - 2015 (ATUALIZADO)
Teoria geral dos recursos dpc aplicado - 2015 (ATUALIZADO)Ricardo Damião
 
Quadro de recursos no processo civil
Quadro de recursos no processo civilQuadro de recursos no processo civil
Quadro de recursos no processo civilTom Di Brito
 
2 espécies de família
2  espécies de família2  espécies de família
2 espécies de família1901737010
 
Modelo de escrito de allanamiento a la pretensión
Modelo de escrito de allanamiento a la pretensiónModelo de escrito de allanamiento a la pretensión
Modelo de escrito de allanamiento a la pretensiónWilbert Montalvo Gutierrez
 
Tutela provisória CPC/2015
Tutela provisória   CPC/2015Tutela provisória   CPC/2015
Tutela provisória CPC/2015Kleiton Barbosa
 
Contra-razões em Recurso Especial - STJ - (Consumidor)
Contra-razões em Recurso Especial - STJ - (Consumidor)Contra-razões em Recurso Especial - STJ - (Consumidor)
Contra-razões em Recurso Especial - STJ - (Consumidor)Consultor JRSantana
 
Direito Civil IV - Aula 9 direito de vizinhança
Direito Civil IV - Aula 9   direito de vizinhançaDireito Civil IV - Aula 9   direito de vizinhança
Direito Civil IV - Aula 9 direito de vizinhançaJordano Santos Cerqueira
 
Petição inicial trabalhista
Petição inicial trabalhistaPetição inicial trabalhista
Petição inicial trabalhistaNOELYSANTOS
 
Usucapião imobiliário power point
Usucapião imobiliário power pointUsucapião imobiliário power point
Usucapião imobiliário power pointRobson Zanetti
 
1021- Ação de Obrigação de Fazer Cc Indenização e Tutela de Urgência 3212
1021- Ação de Obrigação de Fazer Cc Indenização e Tutela de Urgência 32121021- Ação de Obrigação de Fazer Cc Indenização e Tutela de Urgência 3212
1021- Ação de Obrigação de Fazer Cc Indenização e Tutela de Urgência 3212Consultor JRSantana
 
Direito real de laje
Direito real de lajeDireito real de laje
Direito real de lajeIRIB
 

Mais procurados (20)

AÇÃO DE ALIMENTOS
AÇÃO DE ALIMENTOSAÇÃO DE ALIMENTOS
AÇÃO DE ALIMENTOS
 
Teoria geral dos recursos dpc aplicado - 2015 (ATUALIZADO)
Teoria geral dos recursos   dpc aplicado - 2015 (ATUALIZADO)Teoria geral dos recursos   dpc aplicado - 2015 (ATUALIZADO)
Teoria geral dos recursos dpc aplicado - 2015 (ATUALIZADO)
 
Recursos Proc Civl
Recursos Proc CivlRecursos Proc Civl
Recursos Proc Civl
 
Teoria geral dos recusos
Teoria geral dos recusosTeoria geral dos recusos
Teoria geral dos recusos
 
Quadro de recursos no processo civil
Quadro de recursos no processo civilQuadro de recursos no processo civil
Quadro de recursos no processo civil
 
2 espécies de família
2  espécies de família2  espécies de família
2 espécies de família
 
Modelo de escrito de allanamiento a la pretensión
Modelo de escrito de allanamiento a la pretensiónModelo de escrito de allanamiento a la pretensión
Modelo de escrito de allanamiento a la pretensión
 
Modelo contestação guarda curadora
Modelo contestação guarda curadoraModelo contestação guarda curadora
Modelo contestação guarda curadora
 
Civil - mandato
Civil - mandatoCivil - mandato
Civil - mandato
 
Tutela provisória CPC/2015
Tutela provisória   CPC/2015Tutela provisória   CPC/2015
Tutela provisória CPC/2015
 
1190- EMBARGOS DE TERCEIRO
1190- EMBARGOS DE TERCEIRO1190- EMBARGOS DE TERCEIRO
1190- EMBARGOS DE TERCEIRO
 
Contra-razões em Recurso Especial - STJ - (Consumidor)
Contra-razões em Recurso Especial - STJ - (Consumidor)Contra-razões em Recurso Especial - STJ - (Consumidor)
Contra-razões em Recurso Especial - STJ - (Consumidor)
 
Direito Civil IV - Aula 9 direito de vizinhança
Direito Civil IV - Aula 9   direito de vizinhançaDireito Civil IV - Aula 9   direito de vizinhança
Direito Civil IV - Aula 9 direito de vizinhança
 
Petição inicial trabalhista
Petição inicial trabalhistaPetição inicial trabalhista
Petição inicial trabalhista
 
Demanda separacion convencional
Demanda separacion convencionalDemanda separacion convencional
Demanda separacion convencional
 
Usucapião imobiliário power point
Usucapião imobiliário power pointUsucapião imobiliário power point
Usucapião imobiliário power point
 
1021- Ação de Obrigação de Fazer Cc Indenização e Tutela de Urgência 3212
1021- Ação de Obrigação de Fazer Cc Indenização e Tutela de Urgência 32121021- Ação de Obrigação de Fazer Cc Indenização e Tutela de Urgência 3212
1021- Ação de Obrigação de Fazer Cc Indenização e Tutela de Urgência 3212
 
Teoria dos recursos novo cpc
Teoria dos recursos   novo cpcTeoria dos recursos   novo cpc
Teoria dos recursos novo cpc
 
Direito real de laje
Direito real de lajeDireito real de laje
Direito real de laje
 
Processo penal 01 avisos processuais
Processo penal 01   avisos processuaisProcesso penal 01   avisos processuais
Processo penal 01 avisos processuais
 

Destaque

Réplica em Ação Indenizatória
Réplica em Ação IndenizatóriaRéplica em Ação Indenizatória
Réplica em Ação IndenizatóriaConsultor JRSantana
 
Réplica a contestação família
Réplica a contestação   famíliaRéplica a contestação   família
Réplica a contestação famíliaConsultor JRSantana
 
Impugnação na Receita Federal - Prescrição - (Tributário)
Impugnação na Receita Federal - Prescrição - (Tributário)Impugnação na Receita Federal - Prescrição - (Tributário)
Impugnação na Receita Federal - Prescrição - (Tributário)Consultor JRSantana
 
Contestação à Indenizatória Cc Contraposto
Contestação à Indenizatória Cc ContrapostoContestação à Indenizatória Cc Contraposto
Contestação à Indenizatória Cc ContrapostoConsultor JRSantana
 
Impugnação ou réplica no processo do trabalho
Impugnação ou réplica no processo do trabalhoImpugnação ou réplica no processo do trabalho
Impugnação ou réplica no processo do trabalhojoanetho
 
Modelo petição cons.classif. mercadoria
Modelo petição cons.classif. mercadoriaModelo petição cons.classif. mercadoria
Modelo petição cons.classif. mercadoriaMonitoria Contabil S/C
 
Resposta à contestação
Resposta à contestaçãoResposta à contestação
Resposta à contestaçãoAdenir Hostin
 
Contestação
ContestaçãoContestação
ContestaçãoEstudante
 
3. contestação
3. contestação3. contestação
3. contestaçãoguicavalli
 
Contestação a ação de revisão de alimentos (1)
Contestação a ação de revisão de alimentos (1)Contestação a ação de revisão de alimentos (1)
Contestação a ação de revisão de alimentos (1)Estudante
 
Réplica união estável
Réplica união estávelRéplica união estável
Réplica união estávelEstudante
 
01 carlos andersen contestação
01 carlos andersen   contestação01 carlos andersen   contestação
01 carlos andersen contestaçãovandaloverde1234
 
Requerimento isenção iof def fisica
Requerimento isenção iof def fisicaRequerimento isenção iof def fisica
Requerimento isenção iof def fisicaAndréa de Castro
 
6 - Contestação Cc Contraposto
6 - Contestação Cc Contraposto6 - Contestação Cc Contraposto
6 - Contestação Cc ContrapostoConsultor JRSantana
 
Apelação cível. responsabilidade civil busca apreensao veiculo
Apelação cível. responsabilidade civil   busca apreensao veiculoApelação cível. responsabilidade civil   busca apreensao veiculo
Apelação cível. responsabilidade civil busca apreensao veiculoallaymer
 
STF - ADI - Petição Inicial
STF - ADI - Petição InicialSTF - ADI - Petição Inicial
STF - ADI - Petição InicialJamildo Melo
 

Destaque (20)

Réplica em Ação Indenizatória
Réplica em Ação IndenizatóriaRéplica em Ação Indenizatória
Réplica em Ação Indenizatória
 
Réplica a contestação
Réplica a contestaçãoRéplica a contestação
Réplica a contestação
 
Réplica a contestação família
Réplica a contestação   famíliaRéplica a contestação   família
Réplica a contestação família
 
Impugnação na Receita Federal - Prescrição - (Tributário)
Impugnação na Receita Federal - Prescrição - (Tributário)Impugnação na Receita Federal - Prescrição - (Tributário)
Impugnação na Receita Federal - Prescrição - (Tributário)
 
Replica em Contestação Civel
Replica em Contestação CivelReplica em Contestação Civel
Replica em Contestação Civel
 
Contestação à Indenizatória Cc Contraposto
Contestação à Indenizatória Cc ContrapostoContestação à Indenizatória Cc Contraposto
Contestação à Indenizatória Cc Contraposto
 
Impugnação ou réplica no processo do trabalho
Impugnação ou réplica no processo do trabalhoImpugnação ou réplica no processo do trabalho
Impugnação ou réplica no processo do trabalho
 
Modelo petição cons.classif. mercadoria
Modelo petição cons.classif. mercadoriaModelo petição cons.classif. mercadoria
Modelo petição cons.classif. mercadoria
 
Resposta à contestação
Resposta à contestaçãoResposta à contestação
Resposta à contestação
 
Replica
ReplicaReplica
Replica
 
Contestação
ContestaçãoContestação
Contestação
 
3. contestação
3. contestação3. contestação
3. contestação
 
Contestação a ação de revisão de alimentos (1)
Contestação a ação de revisão de alimentos (1)Contestação a ação de revisão de alimentos (1)
Contestação a ação de revisão de alimentos (1)
 
Réplica união estável
Réplica união estávelRéplica união estável
Réplica união estável
 
01 carlos andersen contestação
01 carlos andersen   contestação01 carlos andersen   contestação
01 carlos andersen contestação
 
Requerimento isenção iof def fisica
Requerimento isenção iof def fisicaRequerimento isenção iof def fisica
Requerimento isenção iof def fisica
 
Contestação
ContestaçãoContestação
Contestação
 
6 - Contestação Cc Contraposto
6 - Contestação Cc Contraposto6 - Contestação Cc Contraposto
6 - Contestação Cc Contraposto
 
Apelação cível. responsabilidade civil busca apreensao veiculo
Apelação cível. responsabilidade civil   busca apreensao veiculoApelação cível. responsabilidade civil   busca apreensao veiculo
Apelação cível. responsabilidade civil busca apreensao veiculo
 
STF - ADI - Petição Inicial
STF - ADI - Petição InicialSTF - ADI - Petição Inicial
STF - ADI - Petição Inicial
 

Semelhante a Recurso contra corte de árvore histórica

01 carlos andersen contestação
01 carlos andersen   contestação01 carlos andersen   contestação
01 carlos andersen contestaçãovandaloverde1234
 
Sentença - Vila união - Casas em APP - Demolição
Sentença - Vila união - Casas em APP - DemoliçãoSentença - Vila união - Casas em APP - Demolição
Sentença - Vila união - Casas em APP - DemoliçãoEduardo Sens Dos Santos
 
Construção em Canasvieiras é embargada - Agravo em Agravo de Instrumento n. 2...
Construção em Canasvieiras é embargada - Agravo em Agravo de Instrumento n. 2...Construção em Canasvieiras é embargada - Agravo em Agravo de Instrumento n. 2...
Construção em Canasvieiras é embargada - Agravo em Agravo de Instrumento n. 2...Ministério Público de Santa Catarina
 
Prot. 0294 14 pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...
Prot. 0294 14   pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...Prot. 0294 14   pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...
Prot. 0294 14 pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...Ramon Peyroton
 
Sentença habite-se para fornecimento de água
Sentença habite-se para fornecimento de águaSentença habite-se para fornecimento de água
Sentença habite-se para fornecimento de águaEduardo Sens Dos Santos
 
Santo Antônio Energia é condenada a pagar R$ 129 mil a proprietário de área p...
Santo Antônio Energia é condenada a pagar R$ 129 mil a proprietário de área p...Santo Antônio Energia é condenada a pagar R$ 129 mil a proprietário de área p...
Santo Antônio Energia é condenada a pagar R$ 129 mil a proprietário de área p...Rondoniadinamica Jornal Eletrônico
 
Decisão dos autos n. 020.13.022326-3
Decisão dos autos n. 020.13.022326-3Decisão dos autos n. 020.13.022326-3
Decisão dos autos n. 020.13.022326-3Gabrielrf
 
Prot. 0294 14 pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...
Prot. 0294 14   pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...Prot. 0294 14   pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...
Prot. 0294 14 pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...Ramon Peyroton
 

Semelhante a Recurso contra corte de árvore histórica (20)

01 carlos andersen contestação
01 carlos andersen   contestação01 carlos andersen   contestação
01 carlos andersen contestação
 
Acordão agravo
Acordão agravoAcordão agravo
Acordão agravo
 
Decisao do agravo arvoredo
Decisao do agravo   arvoredoDecisao do agravo   arvoredo
Decisao do agravo arvoredo
 
Liminar valmir zoche
Liminar   valmir zocheLiminar   valmir zoche
Liminar valmir zoche
 
Sentença - Vila união - Casas em APP - Demolição
Sentença - Vila união - Casas em APP - DemoliçãoSentença - Vila união - Casas em APP - Demolição
Sentença - Vila união - Casas em APP - Demolição
 
Document (4)
Document (4)Document (4)
Document (4)
 
Liminar prad
Liminar   pradLiminar   prad
Liminar prad
 
Construção em Canasvieiras é embargada - Agravo em Agravo de Instrumento n. 2...
Construção em Canasvieiras é embargada - Agravo em Agravo de Instrumento n. 2...Construção em Canasvieiras é embargada - Agravo em Agravo de Instrumento n. 2...
Construção em Canasvieiras é embargada - Agravo em Agravo de Instrumento n. 2...
 
Prot. 0294 14 pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...
Prot. 0294 14   pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...Prot. 0294 14   pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...
Prot. 0294 14 pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...
 
Loteamento altos da floresta
Loteamento altos da florestaLoteamento altos da floresta
Loteamento altos da floresta
 
Sentença habite-se para fornecimento de água
Sentença habite-se para fornecimento de águaSentença habite-se para fornecimento de água
Sentença habite-se para fornecimento de água
 
Santo Antônio Energia é condenada a pagar R$ 129 mil a proprietário de área p...
Santo Antônio Energia é condenada a pagar R$ 129 mil a proprietário de área p...Santo Antônio Energia é condenada a pagar R$ 129 mil a proprietário de área p...
Santo Antônio Energia é condenada a pagar R$ 129 mil a proprietário de área p...
 
Decisão dos autos n. 020.13.022326-3
Decisão dos autos n. 020.13.022326-3Decisão dos autos n. 020.13.022326-3
Decisão dos autos n. 020.13.022326-3
 
Prot. 0294 14 pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...
Prot. 0294 14   pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...Prot. 0294 14   pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...
Prot. 0294 14 pl altera a lei nº 5.406-13 – código de controle de posturas ...
 
310003052240 - eproc - __
   310003052240 - eproc - __   310003052240 - eproc - __
310003052240 - eproc - __
 
Sentença Celesc
Sentença CelescSentença Celesc
Sentença Celesc
 
Agravo rio criciúma
Agravo   rio criciúmaAgravo   rio criciúma
Agravo rio criciúma
 
Liminar construtora peruchi
Liminar   construtora peruchiLiminar   construtora peruchi
Liminar construtora peruchi
 
Decisão de 2º grau fatma
Decisão de 2º grau   fatmaDecisão de 2º grau   fatma
Decisão de 2º grau fatma
 
Texto 2998665
Texto 2998665Texto 2998665
Texto 2998665
 

Recurso contra corte de árvore histórica

  • 1. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ ESTADUAL DA 4ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DO FORA CENTRAL DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA/PR Autos: 656-07.2012.8.16.0002 CARLOS EDUARDO ANDERSEN, devidamente qualificado nos autos supra, vem, respeitosamente, por seu advogado in fine assinado, perante V. Exa., apresentar sua manifestação a contestação apresentada por Município de Curitiba, conforme fundamentos adiante expostos: Em sede de contestação, a requerida utilizou-se de fundamentos que não possuem embasamento legal, além de contraditórios, o que passa a se demonstrar adiante. Ademais, por ser de primordial relevância ao processo e constituindo fato novo, desde já requer o autor a juntada de laudo técnico pericial fornecido pela Dra. Daniela Biondi, Engenheira Florestal, Profº do Curso de Graduação e Pós Graduação em Engenharia Florestal da Universidade Federal do Paraná, a qual inclusive realiza laudos técnicos para a própria requerida, sendo por diversas vezes solicitada. Como primeiro fundamento de sua contestação, a requerida alega que:
  • 2. “A referida espécie, segundo informa a Diretora do Departamento de Pesquisa e Monitoramento da Secretaria Municipal do Meio Ambiente não pode ser considerada uma árvore nativa de Curitiba em vista da sua ampla ocorrência que vai desde o Estado de Goiás até a Argentina, nem tão pouco histórica pela ausência de registros oficiais que demonstrem tal afirmação.” Infundadas as alegações da requerida e sem qualquer documento que de respaldo a suas alegações. Apesar de não haver registros oficiais que “demonstrem tal afirmação”, é notório e tem consciência toda comunidade local que a referida árvore possui uma média de 70 anos. Veja-se os fundamentos contidos no laudo pericial a este respeito: Na conclusão do laudo pericial, tem-se o seguinte parecer:
  • 3. Portanto, conforme comprovado no laudo pericial e fotos ora juntadas aos autos, a árvore Paineira Rosa deve estar imune de corte por sua excepcionalidade e raridade, devendo ser considerada inclusive patrimônio tombado ou imune de corte pelo Município de Curitiba. Com segundo fundamento da contestação, a requerida faz as seguintes ponderações: “A árvore não compõe o padrão ideal à arborização pública viária por se tratar de espécie aculeada, sendo sua madeira leve, pouco resistente, mole, de baixa durabilidade natural. Sua floração é vistosa de fato, mas o seu uso é indicado para compor o paisagismo urbano de grandes praças e jardins.” Totalmente desprovidas de embasamento legal e lamentáveis as alegações do município de Curitiba, que pretende efetuar o corte de uma árvore histórica, protegida por lei com o fundamento de que “a árvore não compõe o padrão ideal à arborização pública viária”, e que “seu uso é indicado para compor o paisagismo urbano de grandes praças e jardins.” Veja-se trecho do parecer técnico que contraria as alegações da requerida:
  • 4. Ademais, quanto as alegações da requerida em relação a árvore ser “espécie aculeada, sendo sua madeira leve, pouco resistente, mole, de baixa durabilidade natural”, veja-se trecho do parecer técnico quanto ao estado fitossanitário da árvore: Na conclusão do parecer técnico, temos a confirmação de que a árvore não representa perigo à população, não se sustentando as alegações da requerida: Desta forma, em que pese as características do tronco da árvore, esta comprovado que a árvore esta saudável e com total estabilidade, pelo que não há como prosperar as alegações da requerida.
  • 5. Veja-se que a requerida alegou a imprensa à época (doc anexo) que possuía laudo técnico que comprovava que a árvore causava danos no calçamento, na rede de esgoto, e na parte estrutural das residências, o que por certo não é verdade, eis que sequer junta tal laudo à contestação. Inclusive, efetivamente em contestação, a requerida alega apenas que a árvore “causa danos à edificação (muro), calçadas internas e dificultando a abertura do portão de correr”. Sequer menciona danos ao calçamento e esgoto. Por fim, alega a requerida em contestação os seguintes fundamentos: “No local observou-se que a paineira é de grande porte e polifurcada. Está localizada no recuo frontal externo de uma residência, ocupando praticamente toda a largura do canteiro. Verificou-se que o sistema radicular da árvore está causando danos à edificação (muro), calçadas internas e dificultando a abertura do portão de correr. Considerando os danos observados que devem aumentar com o desenvolvimento do sistema radicular, as características da madeira acima citadas que favorecem a ruptura das bifurcações, e por sua vez a queda destas e se tratar de espécie inadequada para arborização foi expedida a autorização para o corte da paineira rosa. Tal ato ampara-se no artigo 22, parágrafo segundo da Lei Municipal n. 9806/2000 (Código Florestal Municipal) que assim dispõe: Em caso de danos materiais provocados pela árvore, devidamente constatados pela fiscalização da Secretaria do Meio Ambiente – SMMA e após expedição da autorização de corte, poderá o munícipe executar a remoção ou transplante, ou ainda, solicitar à Secretaria do Meio Ambiente – SMMA que o faça, sem ônus para o mesmo. Diante destes fatos verifica-se que não há ato lesivo ao patrimônio municipal. Mediante regular procedimento administrativo, desencadeado por moradora prejudicada, os agentes municipais constataram os problemas narrados por ela e, de acordo com a previsão legal da lei municipal acima citada, autorizaram o corte. Portanto o ato administrativo questionado – autorização de corte – revestiu-se dos requisitos
  • 6. necessários à sua validade e eficácia. Assim não procede a alegação de ausência de motivação formulada na inicial. As leis ambientais impedem o corte de árvores sem autorização do poder público. Não impedem o seu corte. O artigo 3º da lei Municipal n 9806/2000 invocado pelo Autor corrobora esta assertiva. O dispositivo legal prevê a vedação do corte de árvore sem a devida aut sem a devida autorização. orização. Evidentemente ninguém, muito menos a administração municipal tem interesse em cortar árvores, entretanto, os interesses em conflito no caso exame levaram a Secretaria Municipal do Meio Ambiente a autorizar a remoção da Paineira. Absurdas as alegações da requerida neste quesito! Veja-se que a requerida se limita a fundamentar o corte da árvore por um dispositivo de lei que lhe atribui poder (artigo 22, parágrafo segundo da Lei Municipal n. 9806/2000, Código Florestal Municipal), se utilizando deste de forma totalmente arbitrária. Conforme verifica-se nos autos, não há qualquer comprovação de danos materiais causados pela estrutura da árvore, e, ao contrário do alegado pela requerida à imprensa à época, não há laudo pericial constituído e que comprovem as alegações da ré, o que comprova que iria se realizar um corte totalmente ilegal e arbitrário. Quando a requerida alega que sua decisão “revestiu-se dos requisitos necessários à sua validade e eficácia”, acaba por entrar em contrariedade, não lhe assistindo razão. Por certo, quando o legislador definiu no artigo 3º da lei 9806/2000 que “é vedado, sem a devida autorização”, quis dizer que é necessário haver motivos LEGAIS que impulsionem a decisão de se autorizar o corte de uma árvore, e que não se trata de poder discricionário do Município autorizar o corte. Em que pese as alegações da requerida, as quais como já dito não estão comprovadas, e que se admite tangido pelo principio da eventualidade, uma rachadura em um muro nitidamente antigo, e um entrave em um portão antigo e enferrujado são danos materiais que, basta se ter o
  • 7. mínimo de bom senso para entender não justificam o corte de uma árvore que é patrimônio do Município. Inclusive, o que mais indigna o autor, é que num caso como este, seria o dever do Município proteger o bem que é patrimônio da comunidade, porém, o que se vê é justamente o contrário. Por fim, requer o autor a juntada do laudo pericial, das fotos da árvore Paineira Rosa e noticia publicada na imprensa local. Nestes termos, Pede deferimento Curitiba, 01 de junho de 2012 Thiago Koltun Ajuz OAB/PR 50.817