Feira De Consumo2

253 visualizações

Publicada em

Aula da Língua Portuguesa trabalhando a tecnologia em sala de aula.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
253
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Feira De Consumo2

  1. 1. Feira de consumo 1- Consumo adolescente Reúna – se com seus colegas de sala para fazerem uma estatística sobre os hábitos de consumo dos adolescentes de sua escola.
  2. 2. Pesquisa na sala de aula <ul><li>1- O que você mais gosta de fazer no final de semana? </li></ul><ul><li>(a ) joga futebol </li></ul><ul><li>(b ) Ouve músicas </li></ul><ul><li>(c ) Vai ao lago </li></ul><ul><li>(d ) Joga vídeo game </li></ul><ul><li>( e ) Assiste TV </li></ul><ul><li>( f ) Navega na Internet </li></ul>
  3. 3. Texto <ul><li>Vender: um jogo de sedução </li></ul><ul><li>Escalar montanhas, praticar rafting, correr sem rumo num carro conversível esportivo, matar a sede com um refrigerante gelado, aproximar-se sem inibição de uma loira bonita e sensual, ter corpo, pele e cabelos como os das modelos... que produtos devem ser usados para se lavar a vida como nos comerciais da televisão? Qual é a intenção dos anunciantes ao associar seus produtos a imagens desse tipo? </li></ul><ul><li>Publicidade na TV </li></ul><ul><li>O pesquisador Jesús Martín Barbero diz que, através da publicidade, nossa sociedade constrói dia a dia a imagem que cada um tem de si. Para ele, a publicidade é um espelho, apesar de bem deformado, pois a imagem do lado de lá é muito mais bela que a imagem do lado real. </li></ul><ul><li>A publicidade, no passado, teve a função de vender produtos. Era sua razão de ser. Hoje, ela tem outra função muito especial: a de demonstração de modelos a serem seguidos, isto é, apresentação de padrões físicos, estéticos, sensuais, comportamentais, aos quais as pessoas devem se amoldar. A publicidade dita regras de reconhecimentos e valorização social.[...] </li></ul><ul><li>Se no passado ela funcionava como a TV, as revistas, o cinema, apresentando indiretamente esses modelos estéticos, hoje a venda mercadorias – tornou - sua aparente razão de ser - tornou-se secundária. </li></ul><ul><li>Em primeiro lugar, ela vende, define, idealiza os modelos estéticos, sexuais e comportamentais. </li></ul><ul><li>Além disso, a publicidade na sociedade industrial capitalista funciona como um reforço diário das ideologias, do princípio da valorização das aparências, da promoção de símbolos de status (carros, roupas, ambientes, bebidas, jóias, objetos luxuosos de uso pessoal). De certa maneira, como no humor, a publicidade reforça também as tendências negativas, encobertas ou disfarçadas, da cultura. Ela confirma diferenças, segregações, distinções, trabalhando em concordância com os preconceitos sociais e com as discriminações de toda espécie [...]. Em suma, ela é produzida para estar de acordo e, portanto, para reforçar as desigualdades e os problemas sociais, culturais, étnicos ou políticos. Essa função reforçadora é seu suporte para a venda de mercadorias, pois ao mesmo tempo que incita ao consumo, é o próprio veículo, o transporte dos valores e dos desejos que estão ancorados na cultura que as consome. As mercadorias trazem em si, incorporado, tudo aquilo que a sociedade deseja, e por isso são consumidas. </li></ul><ul><li>[...] </li></ul><ul><li>A Publicidade, especialmente a de TV, veicula os valores: a raça branca( dominante) é transmitida, por exemplo, como a única bela, modelar, válida. No Peru, na África, no Nordeste brasileiro, a criança branca de olhos azuis, docemente cuidada por sua mãe loira, de cabelos sedosos e aveludados, é o tipo ideal de publicidade. </li></ul><ul><li>A pesquisadora alemã Karin Buselmeler realizou uma interessante pesquisa sobre a imagem da mulher na televisão.Ela constatou, em primeiro lugar, que a mistificação do trabalho doméstico ocorre de forma mais clara na publicidade, colocando os afazeres de casa como um “trabalho nobre” de mulher. A mulher aparece nesses quadros como a responsável pela felicidade da família, felicidade só atingível pela aquisição de produtos oferecidos pela publicidade. O filho teria poucas chances de brincar no parque infantil se não cuidasse atentamente de seus cabelos; o marido, se não possuir a camisa branca, brilhante, será olhado de modo atravessado pelos colegas. De tudo isso a mulher tem de cuidar. </li></ul><ul><li>[...] </li></ul><ul><li>Em resumo, concluímos então que a publicidade trabalha através da promoção de puras aparências: não se compram mercadorias por suas qualidades inerentes nem pelo seu valor de uso, mas pela imagem que o produto veicula no ambiente da vida do consumidor. Nenhuma dessas mercadorias realiza de fato o que promete, isto é, nenhum cigarro propicia aventuras, nenhum carro traz vida luxuosa, nenhum uísque conquista mulheres. Em todos esses casos, o produto é inteiramente secundário: as pessoas são seduzidas por alguma coisa que está fora e muito além dele. </li></ul><ul><li>( Ciro Marcondes Filho) </li></ul>
  4. 4. TABELA COM O RESULTADO DA PESQUISA O QUE VOCE MAIS GOSTA DE FAZER NO FINAL DE SEMANA? JOGAR FUTEBOL 7 JOGAR VIDEO GAME 1 ASSISTIR TELEVISÃO 2 INTERNET 6 OUVIR MÚSICA 0 IR AO LAGO 0 TOTAL DE ALUNOS PESQUISADOS 16
  5. 5. Gráfico e tabela do resultado da pesquisa.
  6. 7. O Estado de S. Paulo, 23 de outubro de 1999.
  7. 8. Fazendo a pesquisa com os alunos do 7° ano
  8. 9. Pesquisa na sala de aula
  9. 10. Pesquisa de textos com gráfico.
  10. 11. Professora Celma
  11. 12. Professora Celma
  12. 13. Professora Valdirene com os alunos do 7° Ano
  13. 14. Aluno produzindo gráfico
  14. 15. Construindo gráfico
  15. 16. Alunos do 7º ano

×