Lamarck e darwin

2.447 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.447
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lamarck e darwin

  1. 1. Lamarck e Darwin Tanto na teoria de Lamarck como na de Darwin o meio ambiente exerce o papel muito importante no processo evolutivo. Segundo Lamarck o ambiente é o principal fator que provoca modificações nos organismos, já para Darwin o ambiente apenas seleciona as variações mais favoráveis. Teoria Teoria evolucionista formulada pelo naturalista francês Jean-Baptiste Lamarck (1744-1829) para explicar o mecanismo de evolução dos seres vivos, em que a adaptação surge como o resultado da capacidade de os seres vivos desenvolverem características que lhes permitam sobreviver e reproduzir num determinado ambiente. Segundo o lamarckismo, o ambiente, o principal responsável pela evolução, cria necessidades que conduzem ao aparecimento de estruturas morfológicas indispensáveis a uma melhor adaptação, o que explica a morfologia das espécies. Por exemplo, numa população constituída por seres vivos idênticos, a utilização de um determinado órgão para se alimentarem num certo local (adaptação a esse ambiente), conduz ao desenvolvimento desse órgão, que se torna maior e mais robusto. Esta característica é, então, passada às gerações seguintes. O lamarckismo tem por base duas leis fundamentais, a lei do uso e do desuso e a lei da herança dos caracteres adquiridos. A atribuição de um objetivo à evolução, como consequência da necessidade de as espécies atingirem a perfeição, e o facto de a herança dos caracteres adquiridos não se verificar experimentalmente, fizeram do lamarckismo uma teoria não aceite, o que colocou a ideia de evolucionismo temporariamente de parte. Lei do uso e desuso ou 1ª Lei de Lamarck O princípio foi o do “uso e desuso”, que o foi o ponto crucial da teoria de Lamarck e dizia, basicamente, que o que não é usado atrofia e o que é usado se desenvolve sendo passado para as gerações futuras. Ou seja, órgãos, membros e outras características dos seres vivos que fossem usadas acabariam se desenvolvendo e passando de geração para geração. Ocorrendo a transmissão hereditária das características adquiridas Para simplificar, vamos usar um exemplo bastante comum para explicar a teoria de Lamarck: imagine que as girafas, antigamente, tinham pescoços bem menores que o das girafas atuais e que, por isso, elas tivessem que esticar seus pescoços repetidamente para alcançar as copas das árvores e se alimentar. Esse movimento constante de estiramento do pescoço (uso) teria causado um alongamento no pescoço das primeiras girafas e, por isso, seus descendentes teriam nascido com pescoços mais longos que seus pais e assim sucessivamente até originar as girafas de pescoço longo que vemos atualmente.
  2. 2. A lei do uso e desuso ficou conhecida como a primeira lei de Lamarck, que refere-se que o uso de um dado órgão leva ao seu desenvolvimento isto é, se um órgão é muito utilizado desenvolve-se, tornando-se mais forte, vigoroso ou de maior tamanho devido a mais fluídos se concentrar nos órgãos mais usados e o desuso de outro conduz á sua atrofia e, eventual, desaparecimento. Lei da herança dos caracteres adquiridos ou 2ª Lei de Lamarck; A segunda lei supõe que as características adquiridas pelo uso (ou atrofiadas pelo desuso) são transmitidas de geração a geração; é a lei da herança dos caracteres adquiridos. Sabemos hoje que as variações entre indivíduos dependem da informação genética e que somente essas informações e as mutações dos genes podem ser transmitidas a uma geração seguinte. Portanto a lei de Lamark é incompleta devido as poucas pesquisas e documentários da época. Darwinismo Naturalista inglês, nasceu em 12 de fevereiro de 1809, em Shrewsbury. Seu pai era físico e seu avô era poeta, filosofo e naturalista, sua mãe morreu quando ele tinha apenas oito anos. Com dezesseis anos, Darwin deixou Sherewsbury para estudar medicina na Universidade de Edinburgh. Repelido pelas práticas cirúrgicas sem anestesia (ainda desconhecida na época), Darwin parte para a Universidade de Cambridge, com o objetivo (imposto pelo seu pai) de tornar-se clérigo da Igreja da Inglaterra. A vida religiosa não agrada a Darwin, e em 31 de dezembro de 1831 ele aceita o convite para tornar-se membro de uma expedição científica a bordo do navio Beagle. Assim, Darwin passa cinco anos (1831 a 1836) navegando pela costa do Pacífico e pela América do sul. Durante este período, o Beagle aportou em quase todos os continentes e ilhas maiores à medida que contornava o mundo, inclusive no Brasil. Darwin fora chamado para exercer as funções de geólogo, botânico, zoologista e homem de ciência. Esta viagem foi uma preparação fundamental para a sua vida subsequente de pesquisador e escritor. Em todo o lugar aonde ia, Darwin reunia grandes coleções de rochas, plantas e animais (fósseis e vivos) enviadas à sua pátria. Imediatamente, após seu regresso à Inglaterra, Darwin iniciou um caderno de notas sobre a evolução, reunindo dados sobre a variação das espécies, dando assim os primeiros passos para a Origem das Espécies. No começo, o grande enigma era explicar o aparecimento e o desaparecimento das espécies. Assim surgiram, em sua cabeça, várias questões: por que se originavam as espécies? Por que se modificavam com o passar dos tempos, diferenciavam-se em numerosos tipos e frequentemente desapareciam do mundo por completo? A chave do mistério Darwin encontrou casualmente na leitura: "Ensaio sobre a População", de Malthus. Depois disso, nasceu à famosa doutrina darwinista da seleção natural, da luta pela sobrevivência ou da sobrevivência do mais apto - pedra fundamental da Origem das Espécies.
  3. 3. A Origem das Espécies As pesquisas feitas pelo naturalista durante a viagem é que fundamentaram sua Teoria da Evolução, servindo de base para o famoso livro Origem das Espécies No livro Origem das Espécies, Darwin defende duas teorias principais: Evolução biológica - todas as espécies de plantas e animais que vivem hoje descendem de formas mais primitivas - e a de que esta evolução ocorre por "seleção natural". Os princípios básicos da teoria sobre a evolução de Charles Darwin, apresentados na Origem das Espécies, são quase que universalmente aceitos no mundo científico; embora existam controvérsias em torno deles. Princípio da seleção natural - impedir o aumento da população. Alguns indivíduos de uma espécie são mais fortes, podem correr mais depressa, são mais inteligentes, mais imunes à doença, mais agressivos sexualmente ou mais aptos a suportar os rigores do clima do que seus companheiros. Estes sobreviverão e se reproduzirão, enquanto os mais fracos perecerão. No curso de muitos milênios, as variações levaram à criação de espécies essencialmente novas. Após a publicação de sua obra mais famosa, Darwin continua a escrever e publicar trabalhos na área da Biologia por toda a sua vida. Ele passa a viver, com sua esposa e filhos, em Downe, um vilarejo a 50 milhas de Londres. Sofre de síndrome do pânico e mal-de-Chagas, o último adquirido durante sua viagem pela América do Sul. A morte chega em 19 de abril de 1882. Charles Darwin é sepultado na Abadia de Westminster. A teoria proposta por Darwin (Darwinismo) propõe, em resumo, que, na luta pela sobrevivência, os indivíduos portadores de variações (características) adaptativas às condições ambientais levam vantagem competitiva sobre os indivíduos que não as possuem. Os adaptados deixam mais descendentes, e os não adaptados são eliminados. A essa eliminação diferencial dos indivíduos de uma espécie, Darwin denominou seleção natural. A seleção natural, atuando continuamente sobre uma espécie, pode modificá-la gradualmente, a ponto de originar uma nova espécie. As idéias de Darwin podem ser assim resumidas: 1. Os organismos vivos têm grande capacidade de reprodução. Apesar disso, já que o suprimento alimentar é reduzido, poucos indivíduos chegam à idade de procriação. Disso decorre que os organismos com as mesmas exigências alimentares competem entre si, "lutando" constantemente pela existência. 2. Os organismos apresentam variações hereditárias e, portanto, transmissíveis. Algumas variações são mais favoráveis à existência do que outras, num determinado ambiente. Disso decorre que os organismos com as variações mais favoráveis num determinado ambiente, onde estarão mais capacitados a sobreviver e a se reproduzir nele do que os que possuem variações desfavoráveis.
  4. 4. Assim, cada geração sucessiva fica mais bem adaptada ao ambiente. Darwin só não foi mais completo porque não soube explicar a razão pela qual existiam tantas variações em indivíduos pertencentes à mesma espécie. Mais tarde com a aceitação dos cientistas em relação às teorias genéticas de Mendel o porquê destas variações veio à tona.

×