Analises da casa Oscar Americano

3.687 visualizações

Publicada em

Analises da casa Oscar Americano de Oswaldo Bratke

Publicada em: Educação
1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Muito bom o trabalho! Preciso fazer uma maquete desta mesma casa, porem não temos muito material. Voce teria algo para compartilhar que tivesse medidas? planta e cortes para nos ajudar na execução de nossa maquete? obrigada
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.687
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
13
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
97
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Analises da casa Oscar Americano

  1. 1. Residência Oscar Americano Oswaldo Bratke
  2. 2. Oswaldo Arthur Bratke (1907-97), é um dos grandes arquitetos brasileiros. Ainda quando estudante, venceu concursos. Depois de formado realizou inúmeros projetos residenciais e urbanísticos. Obteve destaque nos projetos residenciais, que tinham como característica a moldura estrutural, a lógica construtiva racional, mas flexibilizada pelos espaços fechados, abertos, semiabertos e pelos materiais com diferentes texturas e efeitos de luz e sombra. Bratke era perfeccionista, e seus desenhos eram por si só obras de arte. Sua história compreende três fases distintas. A fase eclética e período moderno, projetos de casas isoladas em São Paulo, e arquitetura moderna, inspirada nas construções californianas. Bratke despertou seu trabalho para a linguagem moderna ainda nos anos 1940. Oswaldo Bratke
  3. 3. Outro exemplo é a casa na avenida Morumbi, de 1953 a 1954, que propõe um pátio delimitado por um sistema de pilares e vigas de madeira em continuidade às áreas fechadas, desenhando a silhueta da construção. Em seguida, projeta a residência Oscar Americano, 1954 (hoje Fundação Maria Luiza e Oscar Americano), adotando o mesmo partido, porém em proporções maiores: dois níveis sobrepostos a partir da topografia do terreno. Ao lado do colega engenheiro Oscar Americano, inicia a urbanização do bairro do Morumbi, onde constrói a própria residência, em 1951, marco em sua trajetória profissional. Uma estrutura simples e modulada de pilares esbeltos coberta por uma laje plana constitui um volume prismático articulado por cheios e vazios que se alternam nas fachadas através de fechamentos, elementos vazados e varandas. A planta admite reordenações, já que as paredes internas são resolvidas com armários e fechamentos leves. Obras
  4. 4. A residência Oscar Americano foi construída em 1953, na Avenida Morumbi, em São Paulo quando Bratke foi convidado por Oscar Americano para projetar a residência de sua família, buscando atender as necessidades dos clientes de forma a integrar a casa com o parque. Uma residência ampla, com cinco quartos, sala de recreação, sala de projeção, escritório, banheiros, cozinha e área de serviço. Adaptando-se ao terreno a casa cria texturas, cheios e vazios, efeitos de luz e sombra. O imóvel foi transformado em instituição cultural depois da morte de Maria Luísa, esposa de Oscar Americano. A casa é aberta ao público, e já sofreu intervenções, mesmo assim continua sendo ícone da arquitetura de Bratke. Residência Oscar Americano
  5. 5. A residência Oscar Americano encontra-se no bairro do Morumbi, localizada em meio à vegetação do parque, a arquitetura se destaca pela racionalidade e rigidez ao mesmo tempo em que se integra à paisagem por meio de suas aberturas. A topografia e os eixos visuais foram considerados como elementos de partido, apesar da forma rígida possui elementos que transmitem leveza. Implantação
  6. 6. A setorização da residência se da em forma de blocos, onde são divididos em íntimo, social e de serviço. A área social se encontra no centro com grande circulação, permitindo acesso à área intima e de serviço. A área social fica ao norte da residência e a área de serviço ao sul. Setorização
  7. 7. Os diversos ambientes que compõem a residência não se encontram integrados, mas sim subdivididos. A parte térrea possui a área social e de serviços ao quais têm médio grau de compartimentação. No segundo pavimento encontram-se a ambientes que possuem alto, médio e baixo grau de compartimentação, dependendo do seu uso. Compartimentação
  8. 8. A residência possui em sua área social salas de recreação e de projeção, assim como o escritório, sendo eles espaços amplos. Na parte térrea se encontram lavabos, banheiros, sala de estar, sala de projeção, sendo espaços de recreação e serviço de dimensionamento amplo. No segundo pavimento encontram-se a cozinha, sala, suítes/quartos e banheiros, distribuídos de forma a atender melhor as necessidade dos usuários, pensados com grandes espaços que permitem circulação livre. Espaço, uso e dimensionamento
  9. 9. A entrada da propriedade localiza-se na parte baixa do terreno, enquanto que a construção está na parte superior, para que assim possa propiciar maior privacidade. O acesso principal se dá pela fachada oeste no segundo pavimento e os acessos secundários pelas fachadas leste e sul no primeiro pavimento. Não existe conflito de fluxos na residência, já que a mesma foi projetada com grandes espaços de maneira a dispor a área social como elemento principal que direciona à área intima e de serviços. Acessos, fluxos e circulação
  10. 10. O perímetro da residência em sua totalidade tem mais de 1500m², formado por paredes maciças onde nas fachadas leste e oeste existem grandes aberturas como janelas e recuo para pátio interno, e nas fachadas norte e sul existem poucas aberturas. Perímetro
  11. 11. A forma, apesar de assimétrica, existe equilíbrio. As fachadas da residência possuem os mesmos elementos, características e materiais, possuem a mesma proporção. Os volumes geométricos regulares reforçam o equilíbrio. Equilíbrio da Forma
  12. 12. Geometria e relação planta/corte A residência possuí planta e corte resolvidos basicamente por grades, que resultam em formas geométricas simples, evidenciando a racionalidade e equilíbrio do projeto. A geometria se dá a partir de padrões repetitivos de retângulos. Possui uma grelha que organiza geometricamente os espaços e funciona como esqueleto estrutural, percebida na fachada onde os elementos estruturais possuem cores claras e os de vedação possuem cores e texturas utilizando a madeira, tijolos e vidro.
  13. 13. Campos Visuais Seu desenho horizontal, favorece a relação da residência com seu entorno, e cria eixos visuais com a vegetação presente no terreno. As transparências através dos panos de vidro, proporcionam a integração do interior da residência com o exterior.
  14. 14. A residência tem uma forte relação com seu exterior, possuindo grandes aberturas e transparências em suas fachadas. Assim, além de proporcionarem um amplo campo visual, permitem uma boa iluminação natural ao interior da residência. As fachadas norte e sul, possuem as menores aberturas, sendo as menos favorecidas no quesito iluminação natural, mas, não deixando de recebê-la. Iluminação Natural
  15. 15. A residência composta por dois pavimentos, possui volume simples, com formas geométricas puras, racionais, sofrendo subtração para criação de um jardim que oferece iluminação, ventilação e visuais ao interior da residência. O recuo frontal, que avança sem apoio e as vigas, trazem a sensação de leveza, que contrasta com a rigidez de seu desenho geométrico. Massa/volume
  16. 16. A residência está dividida em três unidades. O térreo possui duas unidades, separadas por um jardim, e o pavimento superior uma unidade. Através dos pilares, visíveis em grande parte da residência, as unidades se unem e formam um conjunto. Unidade/conjunto
  17. 17. O recuo frontal, trás um diferencial a residência, sobressaindo as suas demais formas. A residência avança com apoio, trazendo destaque a essa fachada, hierarquizando-a. Hierarquia
  18. 18. A residência possui uma adição de formas retangulares, sofrendo uma subtração lateral, que abriga o jardim. Essa organização da forma, reforça a racionalidade do projeto. Adição/subtração
  19. 19. Apesar das formas terem características parecidas, racionais, a residência é assimétrica, e foram empregados diferentes tipos de materiais, o que tornam a casa em sua maior parte singular. A repetição fica apenas por conta dos pilares. Repetitivo/singular
  20. 20. A estrutura é de concreto armado, e as paredes externas são de tijolos maciços aparentes. Possui esquadrias de madeira e panos de vidro. A materialidade reforça a racionalidade de Bratke, além de proporcionar melhor adequação a topografia. Os vidros integram a residência com seu exterior, e trazem leveza a obra, contrastando harmonicamente com a rigidez do concreto. Materialidade
  21. 21. Estrutura A estrutura em vigas, pilares e lajes de concreto armado, dão unidade visual ao projeto e permitem avanços, recuos, aberturas, e vazios. A estrutura cria um contraste harmônico entre a rigidez e ordem, e a liberdade volumétrica, espacial e material, além de destacar a arquitetura da residência e meio ao parque. Estrutura
  22. 22. A residência segue o estilo modernista, possuindo o racionalismo, o funcionalismo, formas geométricas definidas e ausência de elementos meramente ornamentais, já que a própria obra é um ornamento na paisagem. Linguagem
  23. 23. Igor Fracalossi. "Clássicos da Arquitetura: Residência Oscar Americano / Oswaldo Bratke" 15 May 2013.ArchDaily Brasil. Acessado 20 Mai 2015. http://www.archdaily.com.br/33190/classicos-da-arquitetura- residencia-oscar-americano-oswaldo-bratke Fundação Maria Luiza e Oscar Americano: História. . Disponível em: http://www.fundacaooscaramericano.org.br/fundacao20a.html. Acesso em: 20/05/2015 DIAS, Bruno; ABASCAL, Eunice Helena Sguizzardi. Arquiteturismo:Residência Maria Luiza e Oscar Americano. 2013. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/07.075/4755. Acesso em: 19/05/2015 Áreas Verdes das Cidades: Fundação Maria Luíza e Oscar Americano. 2013. Disponível em: http://www.areasverdesdascidades.com.br/2013/08/fundacao-maria-luisa-e-oscar-americano.html. Acesso em: 22/05/2015 Marcos Augusto Gonçalves. Bamboo: O outro lado do modernismo. 2013. Disponível em: http://www.bamboonet.com.br/posts/oswaldo-arthur-bratke-representa-no-brasil-uma-linha-modernista- diversa-daquela-baseada-em-le-corbusier-e-consagrada-pela-escola-do-rio. Acesso em: 20/05/2015 Referências
  24. 24. Residência Oscar AmericanoOswaldo Bratke Disciplinas: Teoria e Metodologia do Projeto e Maquetaria Professores: Larissa Carvalho Trindade e Carlos Alberto Silva Acadêmicos: Douglas Demétrio, Isadora Rosa, Júlia Valim, Rafaela Willemann e Suélen Ermani Semestre: 2015/1

×