SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
Métodos de Separação de Misturas
Misturas Homogêneas e Heterogêneas
Catação
 Compostos e adubos orgânicos
 Plástico
 Alumínio
 Papel e papelão.
Catação é um método de separação
de misturas heterogêneas sólidas.
Esse processo, que separa substâncias
sólidas de outras substâncias também
sólidas (sólido + sólido), é feito de
forma manual.
Tamisação ou Peneiração
 Na indústria são usadas várias que
separam as diferentes granulações. Ex. areia + cascalho ou areia
+ água.
Separação Magnética
 Vale ressaltar que pelo menos um dos componentes da mistura deve
apresentar (pode ser atraído por um
imã ou um eletroímã).
 No Brasil, é um método muito utilizado na área de processamento
ou purificação de minérios, assim como na separação de
componentes metálicos presentes no lixo que podem ser reciclados.
Alguns exemplos de produtos obtidos a partir da separação
magnética são: Cobalto, Ferro e Níquel.
Separação Magnética
Materiais que podem ser atraídos na separação magnética
 Com relação ao magnetismo, os materiais podem ser chamados de
três formas diferentes:
◦ : trata-se de materiais que são
por um campo magnético. Exemplos: alumínio, magnésio, sulfato de
cobre, bário, cálcio, sódio etc.;
◦ : trata-se de materiais que são por
um campo magnético. Exemplos: ferro, níquel, cobalto e ligas
metálicas formadas por todos estes metais.
◦ : Existem metais e materiais que
por um ímã, já que, quando em contato com ele, sofrem uma
repulsão do campo eletromagnético. Exemploso: bismuto, cobre, prata,
ouro e chumbo.
Separação Magnética
 O “ ” é um interessante material
desenvolvido originalmente pela NASA, e
trata-se de um líquido que contém nano-
partículas magnéticas que sob o efeito de um
ímã, cria espantosas formas.
Dissolução Fracionada
 Técnica bastante utilizada para
de uma mistura. Ela por si só não realiza a
separação dos componentes de uma mistura, mas é o primeiro
passo para tal.
 O objetivo principal é o de
para, logo em seguida, por meio de outros
métodos, completar a separação total dos componentes.
Flotação
 A flotação é um tipo de de separação de misturas
heterogêneas.
 Essa técnica consiste em ao meio, o que
faz com que as partículas em suspensão no líquido passem a aderir-
se a essas bolhas.
 Essa espuma formada pode então ser removida,
as partículas de impurezas.
 A flotação leva as partículas à superfície da mistura. A
palavra (flotação em inglês), inclusive, transmite a ideia de
“ ”.
Flotação
 Outra aplicação importante é no . Em
determinada etapa desse tratamento, são adicionados à água
coagulantes químicos.
◦ Um exemplo é o sulfato de alumínio, que forma flóculos ao reagir com o hidróxido
de cálcio. Esses flóculos incorporam-se à sujeira da água (lama, argila e micro-
organismos) em um processo chamado de floculação.
 Outras aplicações é na
, , e
separação de micro-organismos.
 Uma das áreas mais importantes de utilização
desse método é na , principalmente
na
da calcopirita (CuFeS2).
Sublimação
 É o processo físico em que as partículas de uma substância passam
do , ou do
, diretamente, sem passar pela fase intermediária do estado
líquido.
Levigação
 Utilizada para separar , onde o
menos denso é separado por uma corrente de água.
 É usada, por exemplo, :
a areia por ser menos densa é arrastada pela água corrente; o ouro,
por ser mais denso, permanece no fundo da bateia.
Decantação
 Método utilizado para separar os componentes de misturas
com as seguintes características:
◦ Formadas por que não está dissolvido.
Exemplos: água barrenta, água e areia.
◦ Formadas por , isto é, que não se
dissolvem. Exemplos: água e óleo, água e gasolina.
 A decantação tem como princípio deixar a mistura heterogênea em
repouso para que a diferença de entre os materiais atue,
fazendo com que um deles desça para o fundo do recipiente e o
outro flutue sobre ele.
Decantação
 O , por ser mais denso
(sedimentação).
Sedimentação
Sifonação
Filtração
 Método de separação dos componentes
de misturas heterogêneas que apresentam as
seguintes composições:
◦ Mistura formada por um sólido e um gás. Exemplo: ar
e poeira;
◦ Mistura formada por um sólido e um líquido. Exemplo:
água e areia;
Filtração Simples
 A fase sólida é separada com o auxílio de papéis de filtro.
 A preparação do café e o filtro de água são dois exemplos do uso da
filtração no dia-a-dia.
Filtração àVácuo
 O processo de filtração pode ser acelerado pela filtração à vácuo,
onde uma trompa de vácuo " " o ar existente na parte interior
do kitassato, permitindo um mais rápido escoamento do líquido.
AparelhagemMontada
Funil de Buchner
(porcelana)
Filtração àVácuo
 A mistura passa , onde o sólido fica retido.
 Esse processo é muito utilizado nas indústrias, principalmente para
evitar o lançamento de partículas sólidas na atmosfera.
 A filtração é também usada nos aspiradores de pó, onde o sólido é
retido (poeira) à medida que o ar é aspirado.
Centrifugação
 O processo de decantação pode ser acelerado por meio da utilização
de um equipamento chamado de . Nesse equipamento a
mistura é submetida a sucessivas rotações, o que favorece a
deposição do material mais denso no fundo do recipiente.
Decantação
 Quando a mistura heterogênea é
formada por dois ou mais líquidos
imiscíveis, é interessante realizar
a decantação no interior de um
equipamento de laboratório
denominado de funil de bromo
(ou funil de separação ou funil de
decantação).
Evaporação
 É o fenômeno que envolve a passagem de determinado material do
. Tal processo ocorre lentamente na
superfície dos líquidos com a ascensão das massas d'água sob a
forma de vapor.
 Ela é iniciada com o aquecimento do material por
ou então por meio manual.
 De modo mais específico, podemos dizer que o fenômeno acontece
a partir da vaporização do líquido que se dá em uma superfície livre,
a uma temperatura menor do que a temperatura de .
Destilação Simples
 É um dos processos de que
ocorre através da ebulição, donde o líquido é vaporizado e depois
condensado.
 Assim, as misturas que serão
separadas apresentam diferentes
pontos de ebulição.
Destilação Simples
Destilação Simples
Destilação Simples
Destilação Fracionada
 Consiste no aquecimento da mistura de líquidos miscíveis, cujos
pontos de ebulição (PE) sejam muito próximos.
 A destilação fracionada costuma ser utilizada para separar
misturas do tipo líquido-líquido. Porém, essas misturas não podem
ser azeotrópicas
Destilação Fracionada
Destilação Fracionada
 Produção de álcool: O caldo de cana fermentado passa por um
processo de destilação dos alambiques.
 Esse processo pode ser repetido, e o resultado são bebidas com
teores mais elevados de álcool.
 Alguns exemplos de bebidas destiladas são a cachaça, uísque,
conhaque, rum e tequila.
Destilação Fracionada
 Refino do petróleo: O petróleo bruto consiste em uma mistura
complexa de hidrocarbonetos, além de pequenas quantidades de
nitrogênio, oxigênio e enxofre.
Cromatografia
 Para separar corantes presentes numa mistura. Útil para pequenas
quantidades de amostra. Ex.: Separar os pigmentos que existem
num marcador preto.
Segurança
Segurança
Segurança
Segurança
Segurança
Segurança
Material
Fundamental e Médio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físicocrisbassanimedeiros
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsThiago
 
Processos de separação misturas (1) quimica gabi
Processos de separação misturas (1) quimica gabiProcessos de separação misturas (1) quimica gabi
Processos de separação misturas (1) quimica gabiprenoiteaprovado
 
Separação de misturas.
Separação de misturas.Separação de misturas.
Separação de misturas.Lara Lídia
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicasloirissimavivi
 
Substancias puras simples, compostas e misturas.
Substancias  puras simples, compostas e misturas.Substancias  puras simples, compostas e misturas.
Substancias puras simples, compostas e misturas.Renata Oliveira
 
Tranformações fisicas e quimicas
Tranformações fisicas e quimicasTranformações fisicas e quimicas
Tranformações fisicas e quimicasIsadora Girio
 
Transformações químicas da matéria
Transformações químicas da matériaTransformações químicas da matéria
Transformações químicas da matériaLayanne Caetano
 
Mudança de estado
Mudança de estadoMudança de estado
Mudança de estadoRildo Borges
 
Ponto de fusão e ponto de ebulição
Ponto de fusão e ponto de ebuliçãoPonto de fusão e ponto de ebulição
Ponto de fusão e ponto de ebuliçãoHannahV08
 
Transformação da Materia
Transformação da MateriaTransformação da Materia
Transformação da MateriaPedro Monteiro
 
Misturas e substâncias puras
 Misturas e substâncias puras Misturas e substâncias puras
Misturas e substâncias purassamuelr81
 

Mais procurados (20)

Dispersoes
DispersoesDispersoes
Dispersoes
 
9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico9 ano mudanças de estado físico
9 ano mudanças de estado físico
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Quimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEsQuimica SoluçõEs
Quimica SoluçõEs
 
Processos de separação misturas (1) quimica gabi
Processos de separação misturas (1) quimica gabiProcessos de separação misturas (1) quimica gabi
Processos de separação misturas (1) quimica gabi
 
Separação de misturas.
Separação de misturas.Separação de misturas.
Separação de misturas.
 
Tratamento da água
Tratamento da águaTratamento da água
Tratamento da água
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Funções Inorgânicas
Funções InorgânicasFunções Inorgânicas
Funções Inorgânicas
 
Substancias puras simples, compostas e misturas.
Substancias  puras simples, compostas e misturas.Substancias  puras simples, compostas e misturas.
Substancias puras simples, compostas e misturas.
 
Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
 
Tranformações fisicas e quimicas
Tranformações fisicas e quimicasTranformações fisicas e quimicas
Tranformações fisicas e quimicas
 
Substâncias e misturas
Substâncias e misturasSubstâncias e misturas
Substâncias e misturas
 
Transformações químicas da matéria
Transformações químicas da matériaTransformações químicas da matéria
Transformações químicas da matéria
 
Mudança de estado
Mudança de estadoMudança de estado
Mudança de estado
 
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e BasesAula Digital de Química - Ácidos e Bases
Aula Digital de Química - Ácidos e Bases
 
Ponto de fusão e ponto de ebulição
Ponto de fusão e ponto de ebuliçãoPonto de fusão e ponto de ebulição
Ponto de fusão e ponto de ebulição
 
O átomo
O átomoO átomo
O átomo
 
Transformação da Materia
Transformação da MateriaTransformação da Materia
Transformação da Materia
 
Misturas e substâncias puras
 Misturas e substâncias puras Misturas e substâncias puras
Misturas e substâncias puras
 

Semelhante a Método de separação de misturas

Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de MisturasIsabellyViana
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturasCarlos Brito
 
Pp quimica 10 08_12
Pp quimica 10 08_12Pp quimica 10 08_12
Pp quimica 10 08_12samuelrgrg
 
Aula de estações de tratamento
Aula de estações de tratamentoAula de estações de tratamento
Aula de estações de tratamentoMarlos Nogueira
 
Separação de misturas blog
Separação de misturas blogSeparação de misturas blog
Separação de misturas blogGlaucia Perez
 
Ft métodos de separação
Ft   métodos de separaçãoFt   métodos de separação
Ft métodos de separaçãoct-esma
 
Aula 2 - Separação de misturas
Aula 2 - Separação de misturasAula 2 - Separação de misturas
Aula 2 - Separação de misturasprofmauricioquimcia
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasKarol Maia
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasKarol Maia
 
Aula 4 processos de separação de misturas, eta e petróleo
Aula 4   processos de separação de misturas, eta e petróleoAula 4   processos de separação de misturas, eta e petróleo
Aula 4 processos de separação de misturas, eta e petróleoprofNICODEMOS
 
aula 1 separação de misturas.pptx
aula 1 separação de misturas.pptxaula 1 separação de misturas.pptx
aula 1 separação de misturas.pptxAlanaBrito11
 

Semelhante a Método de separação de misturas (20)

Separação de Misturas
Separação de MisturasSeparação de Misturas
Separação de Misturas
 
Separação de misturas
Separação de misturasSeparação de misturas
Separação de misturas
 
Processo de separação de misturas.
Processo de separação de misturas.Processo de separação de misturas.
Processo de separação de misturas.
 
Extracao por solventes equipe 4
Extracao por solventes   equipe 4Extracao por solventes   equipe 4
Extracao por solventes equipe 4
 
Pp quimica 10 08_12
Pp quimica 10 08_12Pp quimica 10 08_12
Pp quimica 10 08_12
 
Aula de estações de tratamento
Aula de estações de tratamentoAula de estações de tratamento
Aula de estações de tratamento
 
Separação de misturas blog
Separação de misturas blogSeparação de misturas blog
Separação de misturas blog
 
Ft métodos de separação
Ft   métodos de separaçãoFt   métodos de separação
Ft métodos de separação
 
Sedimentacao
SedimentacaoSedimentacao
Sedimentacao
 
Aula 2 - Separação de misturas
Aula 2 - Separação de misturasAula 2 - Separação de misturas
Aula 2 - Separação de misturas
 
Separação de materiais!
Separação de materiais!Separação de materiais!
Separação de materiais!
 
Separação de materiais!
Separação de materiais!Separação de materiais!
Separação de materiais!
 
Separação de misturas - www.quimicaempratica.com
Separação de misturas - www.quimicaempratica.comSeparação de misturas - www.quimicaempratica.com
Separação de misturas - www.quimicaempratica.com
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
Efluentes
EfluentesEfluentes
Efluentes
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
 
Métodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturasMétodos de separação de misturas
Métodos de separação de misturas
 
Aula 4 processos de separação de misturas, eta e petróleo
Aula 4   processos de separação de misturas, eta e petróleoAula 4   processos de separação de misturas, eta e petróleo
Aula 4 processos de separação de misturas, eta e petróleo
 
Métodos de separação fab
Métodos de separação fabMétodos de separação fab
Métodos de separação fab
 
aula 1 separação de misturas.pptx
aula 1 separação de misturas.pptxaula 1 separação de misturas.pptx
aula 1 separação de misturas.pptx
 

Mais de V

Kevin trudeau curas naturais que eles nao querem que voce saiba
Kevin trudeau   curas naturais que eles nao querem que voce saibaKevin trudeau   curas naturais que eles nao querem que voce saiba
Kevin trudeau curas naturais que eles nao querem que voce saibaV
 
Reunião pais-7-03-12
Reunião pais-7-03-12Reunião pais-7-03-12
Reunião pais-7-03-12V
 
AR1 - 1º ano
AR1 - 1º anoAR1 - 1º ano
AR1 - 1º anoV
 
AR1 - 2º ano
AR1 - 2º anoAR1 - 2º ano
AR1 - 2º anoV
 
AR1 - 2º ano
AR1 - 2º anoAR1 - 2º ano
AR1 - 2º anoV
 
Resolução de AR1 - 3º ano
Resolução de AR1 - 3º anoResolução de AR1 - 3º ano
Resolução de AR1 - 3º anoV
 
Resolução exercícios de R1 - 3ª série - QII
Resolução exercícios de R1 - 3ª série - QIIResolução exercícios de R1 - 3ª série - QII
Resolução exercícios de R1 - 3ª série - QIIV
 
Exercícios de R1 - 3ª série - QII
Exercícios de R1 - 3ª série - QIIExercícios de R1 - 3ª série - QII
Exercícios de R1 - 3ª série - QIIV
 
Exercícios de R1 - 3ª série - QI
Exercícios de R1 - 3ª série - QIExercícios de R1 - 3ª série - QI
Exercícios de R1 - 3ª série - QIV
 
Resolução exercícios de R1 - 3ª série - QI
Resolução exercícios de R1 - 3ª série - QIResolução exercícios de R1 - 3ª série - QI
Resolução exercícios de R1 - 3ª série - QIV
 
Resolução exercícios de R1 - 2ª série
Resolução exercícios de R1 - 2ª sérieResolução exercícios de R1 - 2ª série
Resolução exercícios de R1 - 2ª sérieV
 
Exercícios de R1 - 2ª série
Exercícios de R1 - 2ª sérieExercícios de R1 - 2ª série
Exercícios de R1 - 2ª sérieV
 
Avaliação Q. Orgânica - 3 ano
Avaliação Q. Orgânica - 3 anoAvaliação Q. Orgânica - 3 ano
Avaliação Q. Orgânica - 3 anoV
 
Exercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º anoExercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º anoV
 
A Evolução do Átomo
A Evolução do ÁtomoA Evolução do Átomo
A Evolução do ÁtomoV
 
Arlequim, pierrot, colombina1
Arlequim, pierrot, colombina1Arlequim, pierrot, colombina1
Arlequim, pierrot, colombina1V
 
Exercícios de nomenclatura
Exercícios de nomenclaturaExercícios de nomenclatura
Exercícios de nomenclaturaV
 
Exercícios de química orgânica
Exercícios de química orgânicaExercícios de química orgânica
Exercícios de química orgânicaV
 
Guia Prático Do Vestibular e Enem – Vol. 6
Guia Prático Do Vestibular e Enem – Vol. 6Guia Prático Do Vestibular e Enem – Vol. 6
Guia Prático Do Vestibular e Enem – Vol. 6V
 
A Química do Amor
A Química do AmorA Química do Amor
A Química do AmorV
 

Mais de V (20)

Kevin trudeau curas naturais que eles nao querem que voce saiba
Kevin trudeau   curas naturais que eles nao querem que voce saibaKevin trudeau   curas naturais que eles nao querem que voce saiba
Kevin trudeau curas naturais que eles nao querem que voce saiba
 
Reunião pais-7-03-12
Reunião pais-7-03-12Reunião pais-7-03-12
Reunião pais-7-03-12
 
AR1 - 1º ano
AR1 - 1º anoAR1 - 1º ano
AR1 - 1º ano
 
AR1 - 2º ano
AR1 - 2º anoAR1 - 2º ano
AR1 - 2º ano
 
AR1 - 2º ano
AR1 - 2º anoAR1 - 2º ano
AR1 - 2º ano
 
Resolução de AR1 - 3º ano
Resolução de AR1 - 3º anoResolução de AR1 - 3º ano
Resolução de AR1 - 3º ano
 
Resolução exercícios de R1 - 3ª série - QII
Resolução exercícios de R1 - 3ª série - QIIResolução exercícios de R1 - 3ª série - QII
Resolução exercícios de R1 - 3ª série - QII
 
Exercícios de R1 - 3ª série - QII
Exercícios de R1 - 3ª série - QIIExercícios de R1 - 3ª série - QII
Exercícios de R1 - 3ª série - QII
 
Exercícios de R1 - 3ª série - QI
Exercícios de R1 - 3ª série - QIExercícios de R1 - 3ª série - QI
Exercícios de R1 - 3ª série - QI
 
Resolução exercícios de R1 - 3ª série - QI
Resolução exercícios de R1 - 3ª série - QIResolução exercícios de R1 - 3ª série - QI
Resolução exercícios de R1 - 3ª série - QI
 
Resolução exercícios de R1 - 2ª série
Resolução exercícios de R1 - 2ª sérieResolução exercícios de R1 - 2ª série
Resolução exercícios de R1 - 2ª série
 
Exercícios de R1 - 2ª série
Exercícios de R1 - 2ª sérieExercícios de R1 - 2ª série
Exercícios de R1 - 2ª série
 
Avaliação Q. Orgânica - 3 ano
Avaliação Q. Orgânica - 3 anoAvaliação Q. Orgânica - 3 ano
Avaliação Q. Orgânica - 3 ano
 
Exercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º anoExercícios de química - 9º ano
Exercícios de química - 9º ano
 
A Evolução do Átomo
A Evolução do ÁtomoA Evolução do Átomo
A Evolução do Átomo
 
Arlequim, pierrot, colombina1
Arlequim, pierrot, colombina1Arlequim, pierrot, colombina1
Arlequim, pierrot, colombina1
 
Exercícios de nomenclatura
Exercícios de nomenclaturaExercícios de nomenclatura
Exercícios de nomenclatura
 
Exercícios de química orgânica
Exercícios de química orgânicaExercícios de química orgânica
Exercícios de química orgânica
 
Guia Prático Do Vestibular e Enem – Vol. 6
Guia Prático Do Vestibular e Enem – Vol. 6Guia Prático Do Vestibular e Enem – Vol. 6
Guia Prático Do Vestibular e Enem – Vol. 6
 
A Química do Amor
A Química do AmorA Química do Amor
A Química do Amor
 

Último

Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024SamiraMiresVieiradeM
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxalessandraoliveira324
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 

Último (20)

Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
PLANO ANUAL 1ª SÉRIE - Língua portuguesa 2024
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
Combinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptxCombinatória.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 

Método de separação de misturas

  • 1. Métodos de Separação de Misturas Misturas Homogêneas e Heterogêneas
  • 2. Catação  Compostos e adubos orgânicos  Plástico  Alumínio  Papel e papelão. Catação é um método de separação de misturas heterogêneas sólidas. Esse processo, que separa substâncias sólidas de outras substâncias também sólidas (sólido + sólido), é feito de forma manual.
  • 3. Tamisação ou Peneiração  Na indústria são usadas várias que separam as diferentes granulações. Ex. areia + cascalho ou areia + água.
  • 4. Separação Magnética  Vale ressaltar que pelo menos um dos componentes da mistura deve apresentar (pode ser atraído por um imã ou um eletroímã).  No Brasil, é um método muito utilizado na área de processamento ou purificação de minérios, assim como na separação de componentes metálicos presentes no lixo que podem ser reciclados. Alguns exemplos de produtos obtidos a partir da separação magnética são: Cobalto, Ferro e Níquel.
  • 5. Separação Magnética Materiais que podem ser atraídos na separação magnética  Com relação ao magnetismo, os materiais podem ser chamados de três formas diferentes: ◦ : trata-se de materiais que são por um campo magnético. Exemplos: alumínio, magnésio, sulfato de cobre, bário, cálcio, sódio etc.; ◦ : trata-se de materiais que são por um campo magnético. Exemplos: ferro, níquel, cobalto e ligas metálicas formadas por todos estes metais. ◦ : Existem metais e materiais que por um ímã, já que, quando em contato com ele, sofrem uma repulsão do campo eletromagnético. Exemploso: bismuto, cobre, prata, ouro e chumbo.
  • 6. Separação Magnética  O “ ” é um interessante material desenvolvido originalmente pela NASA, e trata-se de um líquido que contém nano- partículas magnéticas que sob o efeito de um ímã, cria espantosas formas.
  • 7. Dissolução Fracionada  Técnica bastante utilizada para de uma mistura. Ela por si só não realiza a separação dos componentes de uma mistura, mas é o primeiro passo para tal.  O objetivo principal é o de para, logo em seguida, por meio de outros métodos, completar a separação total dos componentes.
  • 8. Flotação  A flotação é um tipo de de separação de misturas heterogêneas.  Essa técnica consiste em ao meio, o que faz com que as partículas em suspensão no líquido passem a aderir- se a essas bolhas.  Essa espuma formada pode então ser removida, as partículas de impurezas.  A flotação leva as partículas à superfície da mistura. A palavra (flotação em inglês), inclusive, transmite a ideia de “ ”.
  • 9. Flotação  Outra aplicação importante é no . Em determinada etapa desse tratamento, são adicionados à água coagulantes químicos. ◦ Um exemplo é o sulfato de alumínio, que forma flóculos ao reagir com o hidróxido de cálcio. Esses flóculos incorporam-se à sujeira da água (lama, argila e micro- organismos) em um processo chamado de floculação.  Outras aplicações é na , , e separação de micro-organismos.  Uma das áreas mais importantes de utilização desse método é na , principalmente na da calcopirita (CuFeS2).
  • 10. Sublimação  É o processo físico em que as partículas de uma substância passam do , ou do , diretamente, sem passar pela fase intermediária do estado líquido.
  • 11. Levigação  Utilizada para separar , onde o menos denso é separado por uma corrente de água.  É usada, por exemplo, : a areia por ser menos densa é arrastada pela água corrente; o ouro, por ser mais denso, permanece no fundo da bateia.
  • 12. Decantação  Método utilizado para separar os componentes de misturas com as seguintes características: ◦ Formadas por que não está dissolvido. Exemplos: água barrenta, água e areia. ◦ Formadas por , isto é, que não se dissolvem. Exemplos: água e óleo, água e gasolina.  A decantação tem como princípio deixar a mistura heterogênea em repouso para que a diferença de entre os materiais atue, fazendo com que um deles desça para o fundo do recipiente e o outro flutue sobre ele.
  • 13. Decantação  O , por ser mais denso (sedimentação). Sedimentação Sifonação
  • 14. Filtração  Método de separação dos componentes de misturas heterogêneas que apresentam as seguintes composições: ◦ Mistura formada por um sólido e um gás. Exemplo: ar e poeira; ◦ Mistura formada por um sólido e um líquido. Exemplo: água e areia;
  • 15. Filtração Simples  A fase sólida é separada com o auxílio de papéis de filtro.  A preparação do café e o filtro de água são dois exemplos do uso da filtração no dia-a-dia.
  • 16. Filtração àVácuo  O processo de filtração pode ser acelerado pela filtração à vácuo, onde uma trompa de vácuo " " o ar existente na parte interior do kitassato, permitindo um mais rápido escoamento do líquido. AparelhagemMontada Funil de Buchner (porcelana)
  • 17. Filtração àVácuo  A mistura passa , onde o sólido fica retido.  Esse processo é muito utilizado nas indústrias, principalmente para evitar o lançamento de partículas sólidas na atmosfera.  A filtração é também usada nos aspiradores de pó, onde o sólido é retido (poeira) à medida que o ar é aspirado.
  • 18. Centrifugação  O processo de decantação pode ser acelerado por meio da utilização de um equipamento chamado de . Nesse equipamento a mistura é submetida a sucessivas rotações, o que favorece a deposição do material mais denso no fundo do recipiente.
  • 19. Decantação  Quando a mistura heterogênea é formada por dois ou mais líquidos imiscíveis, é interessante realizar a decantação no interior de um equipamento de laboratório denominado de funil de bromo (ou funil de separação ou funil de decantação).
  • 20. Evaporação  É o fenômeno que envolve a passagem de determinado material do . Tal processo ocorre lentamente na superfície dos líquidos com a ascensão das massas d'água sob a forma de vapor.  Ela é iniciada com o aquecimento do material por ou então por meio manual.  De modo mais específico, podemos dizer que o fenômeno acontece a partir da vaporização do líquido que se dá em uma superfície livre, a uma temperatura menor do que a temperatura de .
  • 21. Destilação Simples  É um dos processos de que ocorre através da ebulição, donde o líquido é vaporizado e depois condensado.  Assim, as misturas que serão separadas apresentam diferentes pontos de ebulição.
  • 25. Destilação Fracionada  Consiste no aquecimento da mistura de líquidos miscíveis, cujos pontos de ebulição (PE) sejam muito próximos.  A destilação fracionada costuma ser utilizada para separar misturas do tipo líquido-líquido. Porém, essas misturas não podem ser azeotrópicas
  • 27. Destilação Fracionada  Produção de álcool: O caldo de cana fermentado passa por um processo de destilação dos alambiques.  Esse processo pode ser repetido, e o resultado são bebidas com teores mais elevados de álcool.  Alguns exemplos de bebidas destiladas são a cachaça, uísque, conhaque, rum e tequila.
  • 28. Destilação Fracionada  Refino do petróleo: O petróleo bruto consiste em uma mistura complexa de hidrocarbonetos, além de pequenas quantidades de nitrogênio, oxigênio e enxofre.
  • 29. Cromatografia  Para separar corantes presentes numa mistura. Útil para pequenas quantidades de amostra. Ex.: Separar os pigmentos que existem num marcador preto.