Educação infantil e alfabetização

286 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
286
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Educação infantil e alfabetização

  1. 1. Educação Infantil e alfabetização Uma questão que ainda parece estar posta é: deve-se ou não ensinar a ler e escrever na Educação Infantil? Se isso ainda é uma questão talvez seja porque ela está mal formulada. Quem sabe a pergunta deveria ser: deve-se ou não aprender a ler e escrever na Educação Infantil? Essa diferença faz sentido quando concebemos a alfabetização como um processo no qual o aprendiz vai construindo e reconstruindo suas idéias sobre o sistema de escrita. Um longo processo que não ocorre só na escola, mas também na vida e no mundo, pois a escrita está por toda parte no meio urbano. Portanto, desse ponto de vista, aprender ou não a ler e escrever na Educação Infantil passa a ter um significado muito diferente. Passa a significar não só ter acesso à informação sobre a escrita dentro de situações de aprendizagem intencionalmente planejadas pela professora para ajudar a criança a avançar em seu processo de alfabetização, mas também ter ou não oportunidade de participar, de alguma forma, de práticas sociais mediadas pela escrita. Mas quem aprende e quem não aprende a ler e escrever na Educação Infantil? Os filhos da classe média e alta aprendem a ler na Educação Infantil. Sempre aprenderam. Quando são ensinados, como atualmente, e mesmo quando não eram ensinados, como antigamente (aprender aqui não significa passar diretamente de um estado de analfabeto para um de alfabetizado). Por quê? Porque vivem imersos em um cotidiano cheio do que chamamos hoje de eventos de cultura escrita. Uma família de classe média, mesmo quando não composta por leitores de livros, realiza uma grande quantidade de práticas sociais mediadas pela escrita: vive e circula em lugares que têm placas com o nome da rua (e as crianças observam os adultos utilizando essa informação); recebe e envia correspondências; consulta listas telefônicas e agendas; lê jornais e revistas para se informar ou se divertir (as crianças observam os adultos utilizando essas informações e são freqüentemente as beneficiárias delas). As crianças de classe média costumam receber informação sobre como seu nome é escrito (em letra de forma) e, freqüentemente, os dos pais e irmãos. Recebem jogos com letras para brincar, possuem livros de histórias mesmo que não saibam ler e, principalmente, costumam ter adultos que lêem para elas. E agora, além de tudo isso, crianças cada vez menores têm acesso ao computador e, principalmente, ao processador de textos. Os pais que garantem todas essas oportunidades não estão, com isso, se propondo a ensinar nada. Essas práticas fazem parte do mundo onde eles vivem: o mundo letrado. Um mundo que a maior parte das escolas públicas de Educação Infantil não deixa entrar (ou tenta substituir por uma caricatura das práticas tradicionais de cópia e memorização de padrões silábicos, práticas que são e continuam sendo hegemônicas na escola fundamental). Também não se trata de adiantar a escolarização, de trazer para a Educação Infantil as práticas do Ensino Fundamental. Os espanhóis dizem que “la letra con sangre entra”, e este parece um bom retrato da alfabetização que se faz na maioria das classes de 1a série: mecânica e sem sentido, uma tortura para crianças ativas e reflexivas. Ninguém em sã consciência proporia trazer isso para a Educação Infantil. O contato das crianças tanto com a escrita quanto com a linguagem que se usa para escrever (que é um direito de todas as crianças, embora só as das camadas mais abastadas da sociedade o usufruam) não precisa e não deve ser, nem de longe, semelhante ao ba-be-bi-bo-bu das 1as séries. E os textos que vamos oferecer a elas não precisam nem devem se parecer em nada com os pseudotextos, os IVO VIU A UVA das cartilhas. O que precisamos compreender é que o processo de alfabetização é longo e começa assim que a criança se encontra com material impresso, desde que alguém diga a ela o que está escrito. E que a maioria das crianças que estão na escola pública depende quase exclusivamente das oportunidades escolares para ter acesso ao mundo da cultura escrita. Esse acesso tem um papel decisivo em suas possibilidades de sucesso escolar. E é preciso deixar claro que fazer entrar a língua escrita na Educação Infantil não significa propor uma linha de educação compensatória. Todas as crianças, ricas ou pobres, têm direito a aprender tanto o sistema alfabético de escrita em português como a linguagem escrita. Alfabetização e linguagem escrita
  2. 2. O que chamamos dar acesso desde cedo à escrita e à linguagem que se usa para escrever vai bem além da reflexão sobre o modo de funcionamento do sistema de escrita, de chegar à escrita alfabética. A leitura diária de histórias pela professora e o contato sistemático com material impresso fazem uma diferença significativa no desenvolvimento da competência leitora e escritora dos alunos. Trazer para dentro da escola as práticas sociais de leitura que existem nas famílias letradas pode fazer uma enorme diferença. Michele, a autora deste texto, uma menina de 11 anos que em 1986 estava repetindo pela quinta vez a 1ª série, foi avaliada como analfabeta pela escola 4 . Como vemos, não é que ela não saiba escrever. O que ela não sabe -- e a escola não foi capaz de lhe ensinar -- é que a língua que se usa para escrever não é a mesma que se usa para conversar. (Observem que é preciso ler em voz alta para poder entender o que Michele escreveu.). A escola de nove anos e o fracasso na aprendizagem da leitura e da escrita Estender a escola obrigatória em um ano e começá-la aos 6 anos de idade é uma decisão que já deveria ter sido tomada há muito tempo. O Brasil era o único país do mundo que começava a escola regular aos 7 anos. Tínhamos (na verdade ainda temos) uma visão maturacionista dessa questão. Da mesma forma como mantínhamos as crianças da Educação Infantil pública o mais longe possível da leitura e da escrita, agora, com a escola de nove anos, estamos preocupados com a possibilidade de as crianças de 6 anos não estarem em condições de se alfabetizar. No entanto, se tratarmos os dois primeiros anos – que corresponderiam ao pré e à 1ª série – como um continuum, um ciclo, sem reprovação entre eles, pode fazer um bem enorme à multidão de Mateus e Micheles deste país. Há três anos temos trabalhado na elaboração das provas de 1ª e 2ª séries para o SARESP (Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo) 5 . O que temos encontrado não são mais os 50% de fracasso que tínhamos antes. No primeiro ano (2003) cerca de 25% dos alunos haviam chegado ao final da primeira série sem escrever alfabeticamente. Quando se avalia centenas de milhares de crianças (aproximadamente 350.000), não se consegue saber em que ponto do processo estava cada uma das que ainda não tinham alcançado a escrita convencional. Para compreender o que acontecia com esses alunos fizemos outra avaliação por amostragem, que nos permitiu olhá-los mais de perto. Esses 25% eram compostos por 7% que escreviam silábico-alfabeticamente
  3. 3. (como Mateus em outubro) e 9% de forma silábica com valor sonoro convencional (como Mateus em maio). Crianças que precisavam apenas de mais um pouco de tempo de ensino para escrever alfabeticamente. E apenas 9% pareciam não ter feito progresso significativo em um ano. Para essas crianças – um quarto dos alunos da 1ª série --, um ano a mais teria feito uma enorme diferença. Os filhos das classes médias e altas já têm, há décadas, uma escola de nove anos. O pré das escolas privadas da elite é, na prática, a 1ª série de uma escola de nove anos. Só que para poucos. Para que a escola pública brasileira possa deixar de funcionar como o instrumento de exclusão social que ela é ainda hoje, é essencial que assuma sua responsabilidade com todos os alunos. Que ofereça a todas as crianças o tempo e a qualidade da alfabetização das escolas da elite -- cujas crianças desde os 3 anos vivem mergulhadas na cultura escrita. Responsabilidade que é tanto maior quanto mais pobres e oriundos de comunidades com pouca escolaridade forem os alunos. Pois são esses -- os que não contam com outras instâncias de acesso à leitura e à escrita -- os que mais dependem da escola.

×