Conselho de classe

893 visualizações

Publicada em

O objetivo geral do Conselho de Classe é a melhoria qualitativa e quantitativa do processo ensino-aprendizagem, através de discussões e reflexões pela equipe da escola com definições satisfatórias que venham a melhorar o processo ensino aprendizagem.

Publicada em: Educação
2 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
893
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
2
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conselho de classe

  1. 1. Conselho de Classe: Um espaço de Reflexão e Ação Por: Vadeilza Castilho de Araújo Bernert Técnica Pedagógica Coordenadoria Regional de Educação – CRE/SEDUC Vilhena - RO
  2. 2. Objetivo do Conselho de Classe O objetivo geral do Conselho de Classe é a melhoria qualitativa e quantitativa do processo ensino-aprendizagem, através de discussões e reflexões pela equipe da escola com definições satisfatórias que venham a melhorar o processo ensino aprendizagem.
  3. 3. • O Conselho de Classe é um espaço apropriado para avaliação do processo de ensino. • São espaços escolares mais identificados com reflexões sobre as práticas gestoras e docentes Segundo Dalben (1994), "é capaz de dinamizar o coletivo escolar pela via da gestão do processo de ensino, foco central do processo de escolarização. É o espaço prioritário da discussão pedagógica.”
  4. 4. Porém, Lima (2012) , afirma que reside no Conselho de Classe o espaço apropriado para avaliação do processo de ensino, mas que este é deixado de lado sob a pressão das forças tradicionais que cedem lugar à mera expressão numérica dos resultados da avaliação da aprendizagem. Ou como mostra a imagem acima.
  5. 5. Ou ainda em alguns casos o Conselho de Classe significa simplesmente, um espaço para leilões de notas, conceitos e menções. O desejo exagerado por anunciar apenas os resultados, tem ocasionado a fragilização do processo de avaliação que perde sua importância pela ênfase nos resultados descontextualizados da realidade onde foram originados. (WERLE, 2010)
  6. 6. Nesta mesma linha de raciocínio, Dalben alerta que o papel do Conselho de Classe no cotidiano escolar tem sido mais o de reforçar e legitimar os resultados dos alunos, já fornecidos pelos professores e registrados em seus diários, e não o de propiciar a articulação coletiva desses profissionais num processo de análise dialética, considerando a totalidade. (DALBEN, 1994, p. 114)
  7. 7. O que o estudante aprendeu? O que ele ainda não aprendeu? O que foi realizado para que ele aprendesse? e, finalmente, O que pode realizar para que ele ainda aprenda? (BRASÍLIA-DF, 2014).
  8. 8. As análises decorrentes das práticas dos Conselhos de Classe constituem espaço propício para fazer o acompanhamento e avaliação das práticas docentes e discentes.
  9. 9. O que não pode no Conselho de Classe? Se transformar em um desabafo coletivo e em uma cascata de queixas, que mais se assemelha a um tribunal onde o aluno é o réu. Discussões paralelas a respeito de um aluno e o foco da análise a respeito da aprendizagem não for atingido.
  10. 10. Indicadores importantes para reflexão • Alto índice de conceitos insatisfatórios em determinadas disciplinas. • Alunos com conceitos insatisfatórios no(s) bimestre(s). • Alunos que fazem parte do Projeto de Intervenção Pedagógica Processual – IPP, Portaria N. 522/14-GAB/SEDUC-RO, Artigo 7º que ainda continuam com conceitos insatisfatórios. • Alunos faltosos com conceitos satisfatórios x alunos frequentes com conceitos insatisfatórios. • Como foram praticadas as sugestões para a melhoria do desempenho dos alunos propostas no IPP e na Reunião Pedagógica? • O IPP? Está ocorrendo? Há registros? • A avaliação tem caráter diagnóstico? Como está sendo aplicada na sala de aula? • O que pensam os alunos que participam do Conselho sobre o desempenho da sua sala? Têm propostas?
  11. 11. Fases importantes para o Conselho (Sugestão) • Planejamento do Conselho (Coordenação Pedagógica); • Convocação aos docentes; • Levantamento de dados da turma (Equipe Pedagógica) Instrumentais; Quadro Demonstrativos de Notas (impressa), Instrumental dos Líderes de Classe, se tiver. • Pauta (Coordenação Pedagógica) • Ata descritiva, (Secretaria) • Fala dos Líderes de Classes; (reflexão sobre atuação em sala de aula: clima de trabalho, reações, qualidade de aproveitamento); • Análise dos depoimentos apresentados pelos alunos; • Sugestões de medidas a serem tomadas; (Gestor Escolar) • Avaliação global da turma e individual;
  12. 12. • Apresentação de gráfico do rendimento escolar, por turma e disciplina; (Coordenação Pedagógica); • Discussão de medidas para tomada de decisão em relação aos problemas de cada turma ou aluno; • Avaliação dos alunos que apresentam dificuldades de qualquer natureza; • Estabelecimento de plano de ação para a tomada de decisão; O que fazer? • Debate sobre o Processo pedagógico; • Auto-avaliação pelos professores; • Leitura, aprovação e assinatura da ata; • Encerramento da reunião.
  13. 13. Pós-Conselho (Gestão Escolar, Coordenação Pedagógica e Orientadores) Leitura da Ata; Diagnóstico (Pontos relevantes); Quais foram os problemas levantados? Quais os encaminhamentos propostos? Quais questões de ensino e aprendizagem foram tratadas no Conselho? Quais foram as sugestões propostas? Quais práticas de gestão democrática você identificou no Conselho? Que mudanças você propõe para a realização do Conselho de Classe?
  14. 14. Referências: • BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Formação de professores do ensino médio, Etapa II - Caderno I : Organização do Trabalho Pedagógico no Ensino Médio / Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica; [autores : Erisevelton Silva Lima... et al.]. – Curitiba : UFPR/Setor de Educação, 2014. 49p. : il. algumas color. • DALBEN, Â. I. de F. Trabalho escolar e conselho de classe. Coleção magistério: formação e trabalho pedagógico. Campinas: Papirus, 1994. • LIMA, E. S. O Diretor e as avaliações praticadas na escola. Brasília- DF: Editora Kiron, 2012. • WERLE, F. O. C. Sistema de Avaliação da Educação Básica no Brasil: abordagem por níveis de segmentação. In: WERLE, F. O. C. (Org.). Avaliação em larga escala: foco na escola. São Leopoldo: Oikos; Brasília-DF: Liber Livro, 2010.
  15. 15. OBRIGADA!!! Vadeilza Castilho de Araújo Bernert Contato: vadeilzacastilho@seduc.ro.gov.br Twitter @vadeilza

×