ALFABETIZAÇÃO
E
CONSCIENTIZAÇÃO
l
Slides: Prof. Valéria Chaves
Proposta
• Alfabetizar adultos em 1 mês e meio com
Círculos de Cultura, funcionando de
segunda a sexta-feira, cerca de uma...
Método Paulo Freire
• Envolvimento e compromisso de todos:
•Equipe de Intervenção Pedagógica II;
•Equipe Pedagógica da Esc...
Os educandos devem refletir
sobre:
O HOMEM E O MUNDO
• PORQUE NOS COMUNICAMOS?
• COM QUEM NOS COMUNICAMOS?
• PARA QUÊ NOS ...
QUESTÕES PARA A PRIMEIRA
REFLEXÃO....
• É IMPORTANTE, ESCREVER BEM? VAMOS
PENSAR...
• SE FOR PARA ESCREVER NO MSN? OU
UM B...
COMO FAZER FUNCIONAR O
MÉTODO?
• Conforme, Paulo Freire, as respostas
parecem estar:
• a) “Num método ativo, diálogo, crít...
MATERIAL PARA O NOVO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
Utilização de um “novo” material, parte do pressuposto que a proposta
inicial é...
“Cada situação apresenta um dado número
de informações para serem decodificadas
pelos grupos de analfabetos (ou semi-
anal...
ALFABETIZAÇÃO COMO UM 
ATO CRIADOR
• “Todo o debate que se coloca é altamente crítico e motivador. O
analfabeto (ou semi-a...
LEVANTAMENTO DO UNIVERSO VOCABULAR
•Uma pesquisa inicial feita nas áreas que vão ser trabalhadas
nos oferece as palavras g...
•Nos levantamentos vocabulares, percebemos como o
educando se relaciona afetivamente, através da
linguagem, com o mundo e ...
• Veja como se deu uma das “Situações  Codificantes”, e
como começou a reflexão do Círculo de Cultura proposto
para um gru...
•Iniciava aqui o processo de conscientização, o diálogo posto
entre ter o título de leitor/escritor e ser leitor/escritor,...
                       SELEÇÃO DAS PALAVRAS GERADORAS
•Após a capacitação de elementos culturais deve-se trabalhar a
segun...
•Com o material recolhido na pesquisa (de um dia), chega-se à fase de
seleção de palavras geradoras, que é feita com os cr...
CRIAÇÃO DE SITUAÇÕES SOCIOLÓGICAS, OU SITUAÇÕES
PROBLEMAS
Selecionadas as palavras geradoras, criam-se situações (pintadas...
FICHAS AUXILIARES
• Uma vez preparado todo o material para o Círculo de
Cultura, elaboram-se as fichas auxiliares para o t...
•Uma vez visualizada a palavra, estabelecido o vínculo semântico entre ela
e o objeto a que se refere (representado na sit...
•Discuta a situação em seus possíveis aspectos, apresente a
representação e a vinculação semântica entre a palavra e o
obj...
•Tomemos por exemplo, a palavra : TIJOLO, colocada como a
palavra geradora, numa situação de operários da construção
civil...
• Todos registram e elaboram fichas com cada uma das
famílias fonéticas (em pequenas fichas de cartolina).
• Depois da lei...
• Existem outros, como o analfabeto de Brasília, que, para
emoção de todos os presentes, inclusive a do então ministro
da ...
Retomando... As etapas do método
• Etapa de Investigação: busca conjunta entre professor e aluno das
palavras e temas mais...
• A conscientização: um ponto fundamental do método é a discussão
sobre os diversos temas surgidos a partir das palavras g...
OBRIGADA!!!!
l
REFERÊNCIA:
FREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler: em três artigos que se completam. 32
ed. São Paulo:...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Método de Alfabetização Paulo Freire

10.368 visualizações

Publicada em

Descrição do Método Paulo Freire apresentado na obra: "A importância do Ato de Ler".

Publicada em: Educação
  • Olá Valéria,procuro materiais referentes a aplicação da pesquisa sócio antropológica na Eja,podes me indicar?Obrigado.Dilnei
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

Método de Alfabetização Paulo Freire

  1. 1. ALFABETIZAÇÃO E CONSCIENTIZAÇÃO l Slides: Prof. Valéria Chaves
  2. 2. Proposta • Alfabetizar adultos em 1 mês e meio com Círculos de Cultura, funcionando de segunda a sexta-feira, cerca de uma hora e meia por dia. • Adaptarmos este método para adolescentes semi-alfabetizados, que estão cursando as séries finais do ensino fundamental.
  3. 3. Método Paulo Freire • Envolvimento e compromisso de todos: •Equipe de Intervenção Pedagógica II; •Equipe Pedagógica da Escola; •Professores; •Alunos; CÍRCULO DE CULTURA A promoção do Círculo de Cultura, é essencial para o desenvolvimento de todo o trabalho, pois este Método pressupõe que são as atividades reflexivas e participativas que promovem o desenvolvimento da leitura e escrita, a partir da consciência do desejo de ler e escrever.
  4. 4. Os educandos devem refletir sobre: O HOMEM E O MUNDO • PORQUE NOS COMUNICAMOS? • COM QUEM NOS COMUNICAMOS? • PARA QUÊ NOS COMUNICAMOS? • QUE TIPO DE RECURSOS USAMOS PARA NOS COMUNICAR? • É IMPORTANTE, DESENHAR BEM? POR QUÊ? • É IMPORTANTE, FALAR BEM? POR QUÊ?
  5. 5. QUESTÕES PARA A PRIMEIRA REFLEXÃO.... • É IMPORTANTE, ESCREVER BEM? VAMOS PENSAR... • SE FOR PARA ESCREVER NO MSN? OU UM BILHETE PARA SUA MÃE? • E SE FOR, PARA REALIZAR UMA PROVA, REDAÇÃO OU FAZER UMA SOLICITAÇÃO PARA UMA AUTORIDADE? • Apresentar o vídeo: “Ler devia ser proibido” 01’47” Disponível em: https://www.youtube.com/watch? v=0ch0Gor7DiQ
  6. 6. COMO FAZER FUNCIONAR O MÉTODO? • Conforme, Paulo Freire, as respostas parecem estar: • a) “Num método ativo, diálogo, crítico e criticista; • b) Na modificação do conteúdo programático da educação; • c) No uso de técnicas, como a de redução e a de codificação;
  7. 7. MATERIAL PARA O NOVO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Utilização de um “novo” material, parte do pressuposto que a proposta inicial é de “Círculos de Cultura”, durante uma hora e meia por dia, e que nossas 4 horas e meia por dia, poderiam tornar o método cansativo e “matar” a idéia concebida. SUGESTÃO (Aberto para alterações e outras sugestões): Propomos a realização do Círculo de Leitura, nas duas primeiras horas/aula, ou seja nos dois primeiros horários, sendo que o debate seria apresentado na primeira hora/aula. E, assim, a terceira hora/aula seria destinada à realização de atividades propostas pelo Círculo. Já, os professores atuantes no quarto e quinto horário, deveriam desenvolver atividades relativas ao material do Prog. de Aceleração da Aprendizagem, desenvolvido para o PAV, sendo que cada um dos professores de cada uma das respectivas disciplinas dos anos finais do ensino fundamental, ficaria responsável por trabalhar apenas o conteúdo de um dos livros, com a possibilidade de acrescentar e/ou modificar, determinados conteúdos, desde que respeitando a proposta idealizada.
  8. 8. “Cada situação apresenta um dado número de informações para serem decodificadas pelos grupos de analfabetos (ou semi- analfabetos) com o auxílio do coordenador de debates (o professor da primeira hora/aula). Na medida em que se intensifica o diálogo em torno das situações codificantes – com 'n' informações – e os participantes respondem diferentemente a elas, porque os desafiam, se produz um círculo, que será tanto mais dinâmico quanto mais a informação corresponda à realidade existencial dos grupos”. (FREIRE, p. 71)
  9. 9. ALFABETIZAÇÃO COMO UM  ATO CRIADOR • “Todo o debate que se coloca é altamente crítico e motivador. O analfabeto (ou semi-analfabeto) aprende criticamente a necessidade de aprender a ler e a escrever (...) É mais que o simples domínio mecânico de técnicas para escrever e ler”. • “É entender o que se lê e escrever o que se entende. Implica não em uma memorização mecânica, das sentenças, das palavras, das sílabas (...), desvinculadas de um universo existencial. Implica uma auto-formação da qual pode resultar numa postura atuante do homem sobre seu contexto”. •“Por isso, a alfabetização não pode se fazer de cima para baixo, nem de fora para dentro, como uma doação, ou uma exposição, mas de dentro para fora pelo próprio educando” e para isso, o Método, simplificou todo o processo, num montante que envolve “palavras geradoras”, num total de 15 a 18 “palavras”.
  10. 10. LEVANTAMENTO DO UNIVERSO VOCABULAR •Uma pesquisa inicial feita nas áreas que vão ser trabalhadas nos oferece as palavras geradoras, que nunca devem sair de nossa biblioteca. Elas são constituídas pelos vocábulos mais carregados de certa emoção, pelas palavras típicas do povo. Trata-se de vocábulos ligados à sua experiência existencial, da qual a experiência profissional faz parte. Esta investigação dá resultados muito ricos para a equipe de educadores, não só pelas relações que trava, mas pela exuberância da linguagem do povo, às vezes insuspeita. •As entrevistas revelam desejos, frustrações, desilusões, esperanças, desejos de participação e, frequentemente, certos momentos altamente estéticos da linguagem popular.
  11. 11. •Nos levantamentos vocabulares, percebemos como o educando se relaciona afetivamente, através da linguagem, com o mundo e seu desejo de aprender. •Durante a realização das etapas do método, os educandos aparecem com realidades semelhantes e ao mesmo tempo singulares, pois cada um conduz sua vida de maneira própria. •As histórias de vidas, saberes, conhecimentos, cultura, valores, comportamentos devem estar sempre presentes e servir de conteúdo para as aulas, pois são seres no mundo e o educador não pode estar alheio a esta realidade se quiser resgatar e transmitir experiências.
  12. 12. • Veja como se deu uma das “Situações  Codificantes”, e como começou a reflexão do Círculo de Cultura proposto para um grupo de operários analfabetos numa construção: • “Nosso primeiro encontro foi de apresentação no canteiro de obras, eles estavam ansiosos por uma proposta formalizada de aprendizagem. Cansados e desconfiados, esperavam por alguém que viesse lhes oferecer um certificado que atestasse que estavam aprendendo a ler e a escrever. • Para eles, era o que a empresa estava oferecendo e seria suficiente, ter o status quo, de quem lê e escreve. No entanto, não era essa a nossa causa, pois dentro da proposta de Paulo Freire, o certificado era algo que menos importava.
  13. 13. •Iniciava aqui o processo de conscientização, o diálogo posto entre ter o título de leitor/escritor e ser leitor/escritor, ou seja, autor da própria história. Poderíamos propor a essas pessoas que estaríamos juntos para aprender uns com os outros e poderíamos buscar informações de como conseguir certificar-se da alfabetização. •O projeto foi realizado de imediato com o diálogo de amor, humildade, esperança, fé e confiança. Com o estilo dialético de pensar, não separando a teoria e prática, mais sim trabalhando o princípio da relação entre o conhecimento e o conhecedor, constituindo uma relação de confiança. •Percebemos que o engajamento pela educação modificou o movimento desses sujeitos, pois seus valores e seus reconhecimentos foram reconstruídos. Esta é uma das situações dos debates: "Antes eu ficava com inveja de quem
  14. 14.                        SELEÇÃO DAS PALAVRAS GERADORAS •Após a capacitação de elementos culturais deve-se trabalhar a segunda etapa, dando significação aos temas levantados fazendo a substituição de uma visão inicial considerada ingênua para uma visão crítica e social, absorvendo da própria cultura subsídios para a iniciação da escrita e leitura através da decomposição dos fonemas. •Embora, os educandos não tenham realizado a ficha de decomposição fonética, conforme o método, devemos respeitar o modo como eles compreenderam e demonstram suas habilidades com as palavras. Gradualmente será perceptível a desinibição dos educandos. No exemplo do Círculo de Cultura proposto para os operários analfabetos da construção, uma das palavras geradoras apresentada como representativa do diálogo e apresentada a eles, foi: “TIJOLO”, tão relacionada a fala de cada um em relação ao trabalho realizado naquele espaço.
  15. 15. •Com o material recolhido na pesquisa (de um dia), chega-se à fase de seleção de palavras geradoras, que é feita com os critérios: de riqueza fonética; •de dificuldades fonéticas (as palavras selecionadas devem responder às dificuldades fonéticas da língua, colocadas numa sequência que vai gradativamente de dificuldades menores para maiores); •do aspecto pragmático da palavra numa determinada realidade social, cultural e política; •Estes critérios estão contidos no critério semiótico; a melhor palavra geradora é aquela que reúne em si maior “porcentagem” de critérios, sintático (possibilidade ou riqueza fonética, grau de dificuldade fonética complexa, de ‘manipulabilidade’ dos conjuntos de sinais de sílabas, etc); semântico (maior ou menor ‘intensidade’ do vínculo entre a palavra e o ser que designa, maior ou menor adequação entre a palavra e o ser designado); e pragmático (maior ou menor carga de conscientização que a palavra traz potencialmente ou o conjunto de relações sócio-culturais que a palavra cria nas pessoas ou grupos que a utilizam’.
  16. 16. CRIAÇÃO DE SITUAÇÕES SOCIOLÓGICAS, OU SITUAÇÕES PROBLEMAS Selecionadas as palavras geradoras, criam-se situações (pintadas ou fotografadas) nas quais são colocadas as palavras geradoras em ordem crescente de dificuldades fonéticas. Sendo que no dia posterior a cada reflexão, trabalha-se uma palavra diferente. Estas situações funcionam como elementos desafiadores dos grupos e constituem, no seu conjunto, uma programação compacta, são situações problemas codificadas, unidades gestálticas de aprendizagem, que guardam em si informações que serão descodificadas pelos grupos com a colaboração do coordenador (que seleciona a melhor palavra geradora, daquelas apontadas e confecciona a ficha auxiliar da palavra para ser trabalhada na primeira hora/aula do dia seguinte). O debate em torno das palavras geradoras irá levando os indivíduos (ou grupos, se preferir) a análises dos problemas regionais e nacionais, assim como uma palavra geradora pode se referir simplesmente a um dos sujeitos da situação (provocou a todos durante suas exposições).
  17. 17. FICHAS AUXILIARES • Uma vez preparado todo o material para o Círculo de Cultura, elaboram-se as fichas auxiliares para o trabalho dos debates. Estas fichas devem constituir simples sugestões para os educadores, nunca numa prescrição rígida para ser obedecida. AMPLIAÇÃO • Posta uma situação problema diante do grupo, inicia-se a sua análise ou a descodificação com o auxílio do coordenador. Somente quando o grupo termina a análise, dentro de um prazo razoável, o educador se volta à visualização da palavra geradora. Trata-se pois, de visualização e não de memorização puramente mecânica.
  18. 18. •Uma vez visualizada a palavra, estabelecido o vínculo semântico entre ela e o objeto a que se refere (representado na situação), passa o educando a outra projeção, a outra cartela, ou a outro fotograma – no caso de diapositivo – no qual aparece escrita a palavra, sem o objeto que ela representa. •Logo surge a palavra separada em suas sílabas, que o analfabeto (ou semi-analfabeto) geralmente chama de “pedaços”. Reconhecidos os pedaços na etapa da análise, passa-se à visualização das “famílias fonéticas” que compõem a palavra geradora. Estas famílias são estudadas isoladamente, passando depois a ser representadas em conjunto. Efetivamente, através delas descobre-se o mecanismo da formação vocabular de uma língua silábica como a nossa, que se estrutura por combinações fonéticas. •Apropriando-se criticamente e não mecanicamente – o que não seria uma apropriação, o educando inicia a formação rápida do seu próprio sistema de sinais gráficos. Começa então, cada vez com maior facilidade e no primeiro dia em que luta para alfabetizar-se, a criar palavras com as combinações fonéticas que lhe oferece a decomposição de uma palavra
  19. 19. •Discuta a situação em seus possíveis aspectos, apresente a representação e a vinculação semântica entre a palavra e o objeto que a designa. Visualizada a palavra dentro da situação, será imediatamente: TIJOLO. •Visualizados os “pedaços” – e sem depender de uma ortodoxia analítico-sintética – começa-se o reconhecimento das famílias fonéticas. A partir da primeira síliaba TI, ajuda-se o grupo a reconhecer toda a família fonética da combinação da consoante inicial com as demais vogais: Ta-Te-Ti-To-Tu. •Em seguida, o grupo reconhece a segunda família através da visualização de JO: Já, Je, Ji, Jo, Ju, para chegar finalmente ao conhecimento da terceira. •Quando se projeta a família fonética, o grupo obviamente reconhece somente a sílaba da palavra visualizada: Ta-Te-Ti- To-Tu; Ja-Je-Ji-Jo-Ju; La-Le-Li-Lo-Lu.
  20. 20. •Tomemos por exemplo, a palavra : TIJOLO, colocada como a palavra geradora, numa situação de operários da construção civil. •Reconhecido o TI, o grupo é levado a compará-lo com as outras sílabas, o que o faz descobri que, começando-se igualmente, terminam diferentemente. •Desta maneira, nem todas podem chamar-se TI. Idêntico procedimento se segue para as sílabas Jo e Lo e suas famílias. Depois do conhecimento de cada família, efetuam-se exercícios de leitura (recorte em revistas, etc.) para a fixação das novas sílabas. Após a realização destas atividades, advém o momento mais importante quando se apresentam as três famílias juntas: Ta-Te-Ti-To-Tu Ja-Je-Ji-Jo-Ju La-Le-Li-Lo-Lu
  21. 21. • Todos registram e elaboram fichas com cada uma das famílias fonéticas (em pequenas fichas de cartolina). • Depois da leitura na horizontal e outra na vertical, em que se descobrem os sons vocais, o grupo começa – note-se que não o coordenador – a realizar a síntese oral. Um a um todos vão “fazendo” palavras com as possíveis combinações à sua disposição: “Tatu”, “luta”, “lajota”, “tito”, “loja”, “jato”, “lote”, “tela”, e não faltam os que, aproveitando uma vogal de uma das sílabas, a associem a outra, a que juntam uma terceira, formando outra palavra. Exemplo: tiram o “i” de “li”, acrescentam o “le” e somam “te”: “leite”.
  22. 22. • Existem outros, como o analfabeto de Brasília, que, para emoção de todos os presentes, inclusive a do então ministro da educação, Paulo de Tarso, disse: “Tu já lês”. E isto foi na primeira noite em que começava a alfabetização. (FREIRE, p.78) • No mesmo dia, faz-se tantos vocábulos quanto pôde criar com as sílabas aprendidas. Não importa que haja vocábulos que não estejam terminados. O que importa, no dia em que começa a pisar neste novo terreno é a descoberta do mecanismo das combinações fonéticas. • Acolher essa realidade faz parte da leitura de mundo traduzida por Paulo Freire. É a teoria do respeito, da identificação e principalmente do espaço aberto para ouvir e partilhar, tornando o diálogo a base do conhecimento. Dessa palavra geradora, foi lembrado o cansaço e o mau-
  23. 23. Retomando... As etapas do método • Etapa de Investigação: busca conjunta entre professor e aluno das palavras e temas mais significativos, dentro de seu universo vocabular. • Etapa de Tematização: momento da tomada de consciência do mundo. • Etapa de Problematização: etapa em que o professor desafia e inspira o aluno a superar a visão mágica e acrítica do mundo. • O método/ As palavras geradoras: o método inicia-se pelo levantamento do universo vocabular dos alunos, através de conversas informais, e assim seleciona as palavras que servirão de base para as lições. A quantidade de palavras geradoras pode variar entre 18 a 23 palavras. Depois as palavras geradoras, são apresentadas em cartazes com imagens. Então, nos círculos de cultura inicia-se uma discussão para significá-las na realidade daquela turma. • A silabação: uma vez identificadas, cada palavra geradora passa a ser estudada através da divisão silábica, semelhantemente ao método tradicional. Cada sílaba se desdobra em sua respectiva família silábica, com a mudança da vogal. (i.e., BA-BE-BI-BO-BU) • As palavras novas: o passo seguinte é a formação de palavras novas. Usando as famílias silábicas agora conhecidas, o grupo forma palavras
  24. 24. • A conscientização: um ponto fundamental do método é a discussão sobre os diversos temas surgidos a partir das palavras geradoras. Dessa forma, o objetivo da alfabetização de adultos é promover a conscientização acerca do conhecimento da realidade social. As fases de aplicação do método • 1ª fase: Levantamento do universo vocabular do grupo. Nessa fase ocorrem as interações de aproximação e conhecimento mútuo, respeitando seu linguajar típico. • 2ª fase: Escolha das palavras selecionadas, seguindo os critérios de riqueza fonética, dificuldades fonéticas - numa seqüência gradativa das mais simples para as mais complexas. • 3ª fase: Criação de situações existenciais características do grupo. Através do reconhecimento de situações inseridas na realidade local. . • 4ª fase: Criação das fichas-roteiro que funcionam como roteiro para os debates, as quais deverão servir como subsídios, sem no entanto seguir uma prescrição rígida. • 5ª fase: Criação de fichas de palavras para a decomposição das famílias fonéticas correspondentes às palavras geradoras.
  25. 25. OBRIGADA!!!! l REFERÊNCIA: FREIRE, Paulo. A Importância do Ato de Ler: em três artigos que se completam. 32 ed. São Paulo: Cortez, 1996 – Coleção Questões de Nossa Época; v.13

×