Projeto diario de classe ens. fundamental 1 uyara assunção

31.606 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
9 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
31.606
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
374
Comentários
1
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto diario de classe ens. fundamental 1 uyara assunção

  1. 1. SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DIÁRIO DE CLASSE DO 1º ANO 2º ANO 3º ANO 4º ANO 5º ANO ESCOLA: PROFESSOR (A): ANO LETIVO: TURNO: TURMA:
  2. 2. DIÁRIO DE CLASSE ESCOLA: ANO LETIVO: TURNO: TURMA: MATUTINO VESPERTINO INTEGRAL 1º ANO 4º ANO 2º ANO 5º ANO 3º ANO PROFESSOR (A): PROFESSOR (A) AUXILIAR:
  3. 3. RELAÇÃO DOS ALUNOS 1º ANO 4º ANO 2º ANO 5º ANO 3º ANO NOME DO ALUNO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 DATA DE NASCIMENTO
  4. 4. APRESENTAÇÃO O Diário de Classe para o Ensino Fundamental, tem por objetivo sistematizar a ação pedagógica desenvolvida ao longo do ano letivo, possibilitando o registro das atividades, observações em torno dos avanços e dificuldades apresentadas pelos educandos, no processo de construção do conhecimento, possibilitando que o professor faça um feedback da prática e possa reformular seu planejamento para trabalhar o conhecimento que não foi absorvido pelo educando. Este documento constitui-se em fonte permanente de consulta no âmbito da escola, pois através dele é possível obter informações sobre o processo vivenciado por cada educando, transformando-se, assim, num valioso instrumento que subsidia as intervenções pedagógicas por parte dos professores, bem como orienta os pais no acompanhamento da aprendizagem das crianças. Para que o Diário de Classe cumpra com o seu objetivo ele deverá ser atualizado cotidianamente e, os registros realizados tomarão por base as habilidades definidas pela SEMED para esta etapa da Educação Básica. Ressalta-se que as habilidades definidas neste documento fundamentam-se no Referencial Curricular Nacional para o Ensino Fundamental, e em estudos relacionados ao processo de aprendizagem no Ensino Fundamental, considerando a faixa etária dos educandos avaliados. O que se pretende com este documento, é auxiliar a tomada de decisões por parte da equipe escolar, de modo a favorecer os processos de desenvolvimento e aprendizagem típicos da faixa etária dos educandos que freqüentam o Ensino Fundamental. Para isso, o Professor deve assinalar as habilidades observadas em todo o Bimestre e no período de avaliação de cada mês correspondente. Dessa forma, é possível selecionar as habilidades que se relacionam com o processo de desenvolvimento dos educandos, em cada fase do trabalho realizado.
  5. 5. ORIENTAÇÕES 1. O Diário de Classe é um dos instrumentos de acompanhamento e registro do desempenho dos alunos do Ensino Fundamental I. Além de ser um Diário de Classe, o professor pode utilizá-lo na sua prática cotidiana de trabalho como outros instrumentos que auxiliem na coleta diária de informações, que retratem o processo vivenciado pelas crianças, tais como: portfólios (coletânea com as produções); caderno de registro das observações realizadas; diários de campo, dentre outros. 2. A avaliação da aprendizagem deve pautar-se nas habilidades definidas para o Ensino Fundamental, considerando os conteúdos desenvolvidos e a faixa etária dos educandos. Ressalta-se que "A avaliação deve ser encarada como reorientação para uma aprendizagem melhor e para a melhoria do sistema de ensino", resume Mere Abramowicz. 3. Para se obter informações em relação aos processos de aprendizagem, é necessário considerar a importância de uma diversidade de instrumentos e situações. È fundamental a utilização de diversos códigos, como verbal, o oral, o escrito, o numérico, de forma a se considerar as diferentes aptidões dos alunos. Considerando essas preocupações, o professor pode realizar a avaliação por meio de: observação sistemática; análise das produções dos alunos; atividades específicas para a avaliação. 4. As funções da avaliação acima referidas serão alcançadas a partir da: Avaliação inicial: situa o ponto de partida de cada educando para realizar novas aprendizagens; Avaliação formativa: proporciona a ajuda pedagógica mais adequada em cada momento, adequando o ensino à realidade concreta do grupo. Esta prática traduz-se na observação sistemática do processo de aprendizagem do educando, mediante indicadores ou fichas de observação e registro das informações obtidas. Avaliação cumulativa: possibilita o conhecimento e aferição dos resultados da aprendizagem de cada educando. A sua finalidade não consiste na valoração quantitativa do êxito ou do fracasso do educando na realização das aprendizagens, mas ao contrário, no grau de êxito ou fracasso do processo educativo em relação às intenções iniciais, dando oportunidade ao professor e ao grupo fazerem um feedback das ações planejadas e posteriormente fazerem uma reconstrução dessas ações.
  6. 6. 5. O processo de avaliação no Ensino Fundamental deve contar com a participação da família a parti da explicitação dos critérios de avaliação adotados pelo professor, ou seja, é necessário compartilhar o que se espera do educando em cada fase do processo, bem como os seus resultados. 6. Para cumprir com a sua função, o professor deve manter o Diário de Classe sempre atualizado, sem emendas ou rasuras, e com registros diários, pois este é um documento oficial da escola, que guarda informações do processo educativo do educando. 7. O registro do desempenho do educando deve ser realizado através de marcações das habilidades alcançadas e elaboração de pareceres descritivos no inicio do ano letivo e a cada mês ou bimestre, considerando os seguintes âmbitos: Formação pessoal e social do educando – experiências que favorecem, prioritariamente, a construção do sujeito. Trata-se de questões que envolvem o desenvolvimento de capacidades de natureza Ética, Saúde, Meio Ambiente, Orientação Sexual e Pluralismo cultural, seus esquemas de interação com os outros e com o meio, bem como a relação consigo mesmo. Conhecimento de mundo – construção das diferentes linguagens pelos educando e das relações que estabelecem com os objetos de conhecimento, enfatizando a relação deles com alguns aspectos da cultura. 8. O registro da assiduidade dos educandos deve ser realizado diariamente, de modo que o professor e o grupo possam acompanhar a freqüência do alunado. É importante que identificada à ausência providências possam ser tomadas para que ela retorne, pois isto cria vínculo da criança com a escola e com o grupo.
  7. 7. OBJETIVOS GERAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Os PCNs indicam como objetivos do ensino fundamental que os alunos sejam capazes de:           Compreender a cidadania como participação social e política, assim como, exercício de direitos e deveres políticos, civis e sociais, adotando, no dia-a-dia, atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças, respeitando o outro e exigindo para si o mesmo respeito; Posicionar-se de maneira crítica, responsável e construtiva nas diferentes situações sociais, utilizando o diálogo como forma de mediar conflitos e de tomar decisões coletivas; Conhecer características fundamentais do Brasil nas dimensões sociais, materiais e culturais como meio para construir progressivamente a noção de identidade nacional e pessoal e o sentimento de pertinência ao País; Conhecer e valorizar a pluralidade do patrimônio sociocultural brasileiro, bem como aspectos socioculturais de outros povos e nações, posicionando-se contra qualquer discriminação baseada em diferenças culturais, de classe social, de crenças, de sexo, de etnia ou outras características individuais e sociais; Perceber-se integrante, dependente e agente transformador do ambiente, identificando seus elementos e as interações entre eles, contribuindo ativamente para a melhoria do meio ambiente; Desenvolver o conhecimento ajustado de si mesmo e o sentido de confiança em suas capacidades afetivas, físicas, cognitiva, ética, estética, de inter-relação pessoal e de inserção social, para agir com perseverança na busca de conhecimento e no exercício da cidadania; Conhecer e cuidar do próprio corpo, valorizando e adotando hábitos saudáveis como um dos aspectos básicos da qualidade de vida e agindo com responsabilidade em relação à sua saúde e a saúde coletiva; Utilizar as diferentes linguagens – verbais, matemática, gráfica, plástica e corporal – como meio para produzir, expressar e comunicar suas idéias, interpretar e usufruir das produções culturais, em contextos públicos e privados, atendendo a diferentes intenções e situações de comunicação; Saber utilizar diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos para adquirir e construir conhecimentos; Questionar a realidade formulando-se problemas e tratando de resolvê-los, utilizando para isso o pensamento lógico, a criatividade, a intuição, a capacidade de análise crítica, selecionando procedimentos e verificando sua adequação.
  8. 8. Conteúdo Programático  Adaptação:  Novos relacionamentos, nova professora.  Vínculos afetivos; o outro e a verdadeira empatia. 1º ano LÍNGUA PORTUGUESA           Nome; Vogais; Encontro vocálico/ Sons nasais; Consoantes; Gêneros textuais: parlendas; trava língua; poema; história em quadrinhos; piada; lista de compras; músicas; fábula; poema; texto instrucional; adivinha; história coletiva, texto não verbal; Frases; Interpretação de pequenos textos e Produção de pequenos textos; Rimas; Ordem alfabética; Língua;depoimento; MATEMÁTICA  Números e operações  Comparação de quantidades  Numerais naturais até 50 (quantidade/representação/contagem  O número (seqüência em ordem crescente e decrescente; antecessor e sucessor/ entre/ quantidade)  Ordem (numerais ordinais)  Adição : idéia de juntar e acrescentar; Subtrair : idéia de tirar, comparar. (situações problemas)  calendário (reconhecer mês)  Moeda brasileira: o real (cédulas e moedas)  Formação de pares  Multiplicação  Gráficos e tabelas .  Idéias de repartir e medir da divisão em quantidades Iguais.  Espaço e forma  Comparar imagens e tamanhos  Localização (longe, perto/ maior, menor/ em cima, embaixo..., perto, longe)  Sólidos geométricos (seqüência, reconhecer, semelhanças, diferenças)
  9. 9.  Noção de posição: (direita, esquerda/alto, baixo/ comprido, curto)  Formas sólidas geométricos: superfícies planas e arredondadas  Figuras geométricas bidimensionais (quadrado, Círculo, retângulo e triângulo)   Grandezas e medidas  Noções de: alto e baixo  Medida de tempo: dias da semana, manhã, tarde, hoje, ontem, horas  Jogos e desafios  Padrões geométricos: Figuras padrões geométricas; Quantidade  Medidas de comprimento não padronizadas; passos, pés e palmos  Analisar e comparar imagens e quantidades  Noções de litro como unidade de medida  Noções de tabelas e gráficos  Tabelas – forma e objeto – número e quantidade  Formas planas  Teatro de fantoches HISTÓRIA – GEOGRAFIA - CIÊNCIAS  Álbum de família. Moradias     Gostos e cheiros; Minha língua e meus dentes; Em família; De dia e de noite. Às vezes parecido, às vezes diferente.     Sou parecido, sou diferente; De pai para filho; A luz do sol; Características dos animais.  Em um reino distante. Na beira da água.     O tato; A água; As estações do ano; A passagem do tempo. Água e vida.  Trabalhando na água;
  10. 10.  Animais aquáticos;  Preservação da água;  O caminho da água.  Pé na estrada.      Os animais do jardim. A visão; Diferentes visões; Mudanças na paisagem; Atividades que transformam a paisagem. O solo.      Animais de dentro da terra; O crescimento da planta; Vamos fazer! Sementeira; Diferentes paisagens; Meios de transporte terrestres.  É tempo de voar. Ver e ouvir.     O que ouvimos; Sons graves e agudos; Elementos da paisagem; Meios de transporte aéreos. O ar.     Brincadeiras com o ar; Animais que voam; Preservação do ar; A natureza em nosso dia-a-dia ENSINO RELIGIOSO            Eu. Eu sou pessoa: meu nome. Eu e o outro. Eu no mundo/ Minha história. Eu e a minha família. Orações. Regras para o bem comum. Cidadania. Costumes da Sociedade. Campanha da Fraternidade. Eu e o mundo.
  11. 11.            Eu e a família. Celebrações. Páscoa/ Símbolos Pascais. Família de Jesus. A criação. Bíblia. Eu e a natureza. Cuidados com a vida. Eu e Deus. Celebrações Natalinas. Natal/ Símbolos Natalinos. 2º Ano Língua Portuguesa • O alfabeto. • Letras maiúsculas e letras minúsculas. • Formas de escrever. • Rimas entre palavras. • Dígrafos: LH, NH e CH • Vogais e consoantes • Marcas visuais do diálogo. • Sinais de pontuação. • Os sons e os usos das letras S, Z, R, RR nas palavras. • A letra X. •Sinais gráficos: til, acento agudo e acento circunflexo. • A letra H. • Nome comum e nome próprio. • Letras minúsculas e letras maiúsculas: alguns usos. • Letra cursiva. • A letra M antes de P e B. • Leitura e interpretação de poema trava - língua, cantiga, história em quadrinhos. Matemática • Contagem. • Seqüências numéricas. • O uso e o significado de números. • Leitura e escrita de números. • Sistemas de numeração decimal. • Critérios de classificação. • Comparação de quantidades. • Adição de quantidades. • Registro de quantidades. • Idéias básicas da adição e subtração e da multiplicação e divisão • Estratégias de cálculo mental. • Equivalência de quantidades.
  12. 12. • Equivalência de tamanhos. • A idéia de medir. • Curvas abertas e fechadas. • Unidades de medida de tempo. • O calendário. • Localização no espaço. • Deslocamentos no plano. • Noções de direção e sentido. • Construção da reta numérica. • O corpo humano como base de contagem e medida. • Instrumentos de medição. • Medidas no dia a dia. • Classificação de sólidos geométricos. • Classificação de objetos com formas. • Resolução de problemas. • Espaço e forma: esfera, cone, pirâmide paralelepípedo e cubo. • Figuras geométricas planas: retângulo, quadrado, triângulo. • Agrupamentos na base 10. • Dezenas e unidades. • Cálculo com a calculadora. • Cálculo mental. • Mosaicos geométricos. • O sistema monetário brasileiro. História / Geografia • A importância do nome como marca de identidade. • Atividades de socialização. • Diferenças e semelhanças entre indivíduos. • Lateralidade. • Linha do tempo – cronologia. • A organização familiar. • Observação de fotos: características das famílias, semelhanças e diferenças. • Tipos de moradia: casa térrea, apartamento. • O direito à moradia – Declaração Universal dos Direitos da Criança. • Tipos de moradia – formatos e materiais. • Os indígenas. • As comunidades quilombolas. Ciências • Os cientistas • Os naturalistas – Augusto Ruschi. • Vida e obra de Charles Darwin. • Os animais de jardim. • Os animais domésticos. • Classificação dos animais e ciclo de vida. • Os vegetais. • O ambiente da floresta – Mata Atlântica. • Plantas medicinais.
  13. 13. • Hábitos saudáveis. • Ecologia marinha • Medidas para evitar acidentes na praia. • Preservação do ambiente marinho 3º ano Língua Portuguesa • Aperfeiçoamento da fala: altura de voz, entoação, leitura em grupo (jogral). • Revisão das letras do alfabeto. • Leitura de trava - línguas. • Ortografia: S, SS, C ou Ç; X ou CH; S e SS; Z; X ou Z; X ou S; J ou G; J ou G; L ou U; Z ou X; usos do S; S ou Z; família de palavras com CH; J ou G; S; Z; usos do S; M ou N; M ou N; famílias de palavras com H, SS, S, RR, X. • Ordem alfabética. • Palavras e expressões de polidez. • Sinais de pontuação: interrogação, exclamação. • Rimas. • Maiúsculas e minúsculas. • Revisão: ordem alfabética, maiúsculas e minúsculas, nomes próprios e nomes comuns. • Leitura e interpretação de texto narrativo, informativo, e cartas. • Leitura e interpretação de parlendas e poemas. • Transformação de textos – modificação de gênero • Estrutura e função da carta pessoal e do bilhete. Matemática • Eixos de simetria e figuras simétricas. • Mosaicos. • Classificação dos sólidos geométricos. • Classificação dos poliedros • Noção de medida. • Unidades de medida. • Medidas de comprimento. • Sistema de numeração decimal. • Numeração romana. • Sistemas de numeração não decimal: agrupamentos em diferentes bases. • Agrupamentos na base 10. • Escrita e leitura de numerais. • Unidades de medida de tempo. • Representação de medidas de tempo em relógios digitais e analógicos. • As idéias de multiplicação. • Tabela de multiplicação. • Multiplicação como adição de parcelas iguais. • Multiplicação como combinatória. • Noção de múltiplos. • Estratégias de cálculo mental baseadas em múltiplos • Idéias da adição.
  14. 14. • Algoritmos da adição. • Idéias da subtração: completar, tirar e comparar. • Registros nas bases 6 e 10. • Números pares e ímpares. • Tabelas. • Curvas abertas e fechadas. • Curvas simples • Reconhecimento de formas geométricas. • Cilindro, esfera e círculo. • Medida de comprimento. • Unidades de medida de massa, capacidade e comprimento. • As unidades - padrão: grama, litro e metro. • Medidas maiores e menores que as unidades - padrão. • Classificação de poliedros: pirâmide, paralelepípedo, prisma e cubo. • Medidas de tempo: dia, mês e ano. • O quadrado e o retângulo: faces do paralelepípedo. • Divisão não exata. • Noção de resto. • Tabelas. • Gráfico de colunas. História / Geografia • A importância de se ir à escola. • René Descartes e a divisão da representação do espaço em quadrículas. • Coordenadas. • Nem todos são iguais: o respeito às diferenças. • O espaço coletivo. • As ruas. • Os quarteirões • Os diversos tipos de bairro: comercial, residencial, industrial, misto, operário. • Os serviços públicos (infra-estrutura urbana). • História do bairro do Brás, em São Paulo • Estudo do meio: o bairro da minha escola. • Pesquisa: o passado do bairro da minha escola • As cidades, conjunto de bairros. • A paisagem urbana (paisagem natural, paisagem humana). • Os diversos tipos de cidades: industriais, históricas, metropolitanas. • A moradia na cidade. • O trânsito urbano. • O lixo e as enchentes. • Alimentos do campo e alimentos da cidade. • Paisagem natural e paisagem modificada. • Os recursos naturais e o extrativismo. • A agricultura familiar e os minifúndios (de subsistência e cooperativa). • A agroindústria e os latifúndios. • Os trabalhadores do campo. • Pecuária extensiva e pecuária intensiva. • A relação entre campo e cidade. • O desmatamento e suas conseqüências.
  15. 15. • A poluição química. • Os problemas sociais no campo. • As fazendas na época do café. • Vale do Paraíba e oeste Paulista: duas regiões de plantio do café. • Os trabalhadores imigrantes da lavoura do café. • A representação gráfica de uma fazenda de café. • O café e o desmatamento. • Os “barões do café”. • Rio de Janeiro e São Paulo: as duas grandes cidades da época do café. • As reformas urbanas. • Fontes ou documentos históricos. • Poderes legislativos e executivos, processo eleitoral. • Pontos cardeais. Ciências • Fauna marinha • Tempo ou clima. • Ciclo da água. • Instrumentos meteorológicos • Ecossistemas da Terra. • Impacto ambiental. • O projeto de uma casa. • A luz e os objetos. • Economia de energia elétrica. • A importância da preservação dos ambientes naturais. • Poluição atmosférica. • Conceito de extinção. • Características gerais dos anfíbios. • Importância dos anfíbios para o meio ambiente. • Cadeias alimentares. • Características gerais das aves. • Diversidade do grupo das aves. • Características dos mamíferos. • Diversidade dos mamíferos. 4º ano Língua Portuguesa • Revisão dos sinais gráficos (acento agudo, acento circunflexo e til). • Ortografia: R ou RR; usos do X; X ou S; X ou CH; S ou Z; famílias de palavras com CH, S, C, AL, OL, H; famílias de palavras com X, Ç, CH, J; famílias de palavras com Ç, X, J, Z; famílias de palavras com CH, Ç, X, SS, G; S, X ou Z; G ou J; AUTO ou ALTO; sufixo -AL; família de palavras com H; prefixo –DES; M ou N; C ou Ç; S ou C; família de palavras com Z, CH, J, SS; Z; Ç ou SS.
  16. 16. • Leitura de trava-línguas. • Audição, leitura e interpretação de poemas. • Onomatopéias • Revisão de divisão silábica. • Conceituação de tonicidade silábica (sílaba tônica e sílaba átona). • Revisão de estrutura do parágrafo. • Leitura e interpretação de poemas, texto informativo, biografias. • Transformação de poema em narrativa. • Revisão dos elementos da narrativa ficcional (personagens, espaço, tempo, enredo). • Aperfeiçoamento da fala: altura da voz e dicção. • Criação de onomatopéias. • Reconhecimento da tonicidade das sílabas. • Gênero de substantivos e adjetivos. • Concordância nominal (gênero). • Sinal de pontuação: usos e funções das reticências. • Leitura e interpretação de texto jornalístico. • Sinais de pontuação: usos e funções dos dois-pontos, vírgula e aspas. • Uso de aumentativo e diminutivo. • Classes de palavras: substantivos, adjetivos e artigos. • Posição de artigos e adjetivos em relação aos substantivos. • Estudo dos verbos: formas conjugadas; verbos de ação e verbos de estado. • Leitura e interpretação de parlendas, texto informativo, texto instrucional e poema. • Estudo dos verbos: formas conjugadas e tempos verbais. • Características do texto descritivo (concomitância dos fatos, verbos de estado, adjetivação). • Estudo dos tempos verbais - exploração das formas conjugadas. • Folclore nacional. Matemática • Sistema de numeração romano. • Milênio, século, década. • Sistema de numeração babilônico de base 60. • Leitura e escrita de horas, minutos e segundos. • Curvas e superfícies. • Superfícies circulares e não circulares. • Superfícies limitadas por curvas simples e não simples. • Classificação dos polígonos • A ordem do milhar. • Composição e decomposição de números. • Leitura e escrita de numerais. • Idéias das quatro operações: adição, subtração, multiplicação e divisão. • Algoritmos das quatro operações. • Seqüências com a calculadora. • Multiplicação e divisão por 10, 100, 1.000. • Cálculo mental. • Agrupamento e reagrupamento de quantidades. • Classes e ordens. • Arredondamento. • Paralelismo e perpendicularismo.
  17. 17. • Classificação dos quadriláteros. • Trapézio. • Classificação dos quadriláteros. • Paralelogramo. • Elaboração e resolução de problemas. • Estratégias de resolução de problemas. • Leitura e interpretação de dados. • A fração como parte do todo-referência. • Todo- referência discreto e contínuo • Escrita e leitura de números fracionários • Fração como medida. • Comparação de frações. • Números decimais: o décimo, o centésimo e o milésimo. • Porcentagem como fração e número decimal. • Gráfico de setores. • Noções intuitivas de probabilidade. • Unidades de medida de comprimento. • Múltiplos e submúltiplos do metro. • Notações decimais nas medidas de comprimento • Unidades de medidas de massa: múltiplos e submúltiplos do grama. • Unidades de medida de capacidade: múltiplos e submúltiplos do litro. História e Geografia • A chegada dos portugueses ao Brasil e o Tratado de Tordesilhas. • O escambo e a exploração do pau-brasil. • As Capitanias Hereditárias. • O cultivo de cana-de-açúcar no Brasil. • A escravização indígena e sua relação com a lavoura de cana-de-açúcar. • As condições de viagem dos africanos escravizados para o Brasil. • As rebeliões, fugas e formação de quilombos • Os elementos da cultura africana presentes na cultura brasileira. • A causa do declínio da produção de açúcar no Brasil colonial. • As atividades das bandeiras e sua influência na expansão territorial brasileira. • A ocupação e organização do espaço na região das minas. • Os conflitos na região das minas. • O governo no Brasil Colônia. • O quinto e a Inconfidência Mineira. • O processo de independência do Brasil. • A monarquia: forma de governo. • Os reis do Brasil: D. Pedro I e D. Pedro II. • A produção de café no Vale do Paraíba e no oeste paulista. • A influência dos costumes europeus no dia a dia da população brasileira no século XIX. • Fatores que levaram o Brasil à industrialização • As razões da imigração no século XIX. • As formas de trabalho existentes no Brasil do século XIX. • Causas históricas da distribuição da malha ferroviária do Brasil. • As mudanças no cotidiano em função da modernidade trazida pelas ferrovias e pela riqueza com os lucros do café.
  18. 18. • O mapa político do Brasil. • Conceito de capital. • Os nomes das capitais de todos os estados brasileiros. • Brasília - a capital do Brasil. • A bandeira do Brasil. • Os limites entre os estados. • As linhas imaginárias. • Distribuindo calor (zonas térmicas). • As sub-regiões nordestinas. • O mapa da Região Nordeste. • Localização do Rio São Francisco. • A importância do Rio São Francisco para as regiões Nordeste e Sudeste. • As riquezas minerais de Minas Gerais e a localização do Quadrilátero Ferrífero. • A mineração e a questão ambiental. • O uso do solo. • O Vale do Paraíba no século XXI – O renascimento da agricultura. • A industrialização do Vale do Paraíba. • A administração dos estados hoje. • Os três poderes estaduais. • O dinheiro dos impostos. Ciências • As características dos vegetais. • Cadeia alimentar. • Os jardins botânicos. • Matérias-primas vegetais. • Propriedades dos vegetais. • As características das árvores. • Características das flores e a importância da polinização. • Germinação e desenvolvimento dos vegetais. • Ciclo da água. • Reciclagem da biomassa. • Fotossíntese. • Desequilíbrio ecológico. • Saúde. • Doenças relacionadas à água. • A importância do saneamento básico. • Os nutrientes dos alimentos. • Pirâmide alimentar. • Alimentação e saúde. 5º ano Língua Portuguesa • O dicionário: o alfabeto, a ordem alfabética, o verbete, os sentidos dos termos, as abreviaturas. • Processos de formação de palavras: derivação e composição (noções gerais).
  19. 19. • Substantivo, adjetivo e verbo. • Sinônimos e antônimos. • Derivação de palavras (prefixação e sufixação). • Ortografia: uso de X, SC, SS, Z, RR, Ç, S. • Palavras da mesma família etimológica. • Regras básicas de acentuação gráfica. • Recursos expressivos do poema. • Polissemia. • Acentuação gráfica de palavras. • Pontuação. • Leitura e compreensão de letra de música. • Exercícios de ortografia. Matemática • Sistema de numeração decimal. • Comparação de numerais indos-arábicos com numerais utilizados na Antiguidade. • Composição e decomposição. • Uso do ábaco. • Estratégias de cálculo mental. • Retomada da multiplicação. • Uso das faixas de Napier para a multiplicação. • Propriedade distributiva da multiplicação. • História do computador. • Classes e ordens do sistema de numeração decimal. • Escrita simplificada. • Arredondamento de dados. • Antecessor e sucessor. • Uso de radicais gregos na Geometria. • Retomada de poliedro e polígono. • Retângulo de ouro. • Diagonais do polígono. • Explorar os polígonos das faces dos poliedros. • Retomada das idéias da divisão. • Algoritmo do processo longo para a divisão. • Exploração dos números decimais como extensão do sistema de numeração decimal. • Composição e decomposição de números decimais. • Leitura e escrita de números decimais. • Localização de números racionais na reta numérica. • Relação entre as diferentes representações de um número racional: decimal, racionaria e porcentagem. • Estratégias de cálculo mental com porcentagem. • Retomada das medidas de comprimento. • Roteiro e itinerário. • A rigidez do triângulo. • Classificação dos triângulos. • Condição de existência de um triângulo. • Expressões numéricas. • Uso da calculadora para cálculo de expressões numéricas relacionadas às teclas de memória.
  20. 20. • Perímetro de figuras planas. • Expressões numéricas (uso de parênteses). • Propriedade distributiva da multiplicação em relação à adição e à subtração. • Relações: ”múltiplo de”; “divisor de”; “é divisível por”. • Números primos. • Composição e decomposição de figuras. • Representação geométrica de múltiplos e divisores. • Retomada da fração como relação parte/todo. • Frações em quantidades discretas e contínuas. • Divisão com quociente decimal. • Noção de média. • Múltiplos. • Divisores. • Árvore de fatores. • M.D.C. pelo conjunto de divisores. • M.M.C. pelo conjunto de múltiplos. • Equivalência de áreas. • O metro quadrado, seus múltiplos e submúltiplos. • Frações equivalentes • Classes de equivalência. • Comparação de frações. • Adição e subtração de frações com o mesmo denominador. História e Geografia • Revisão dos conteúdos dos anos anteriores: de Pedro Álvares Cabral à Proclamação da República. • A linha do tempo. • O que é cidadão segundo a Constituição? • Os abolicionistas. • Os grupos sociais em relação à escravidão. • A nova vida dos libertos. • A Confederação do Equador. • O Período Regencial e as revoltas ocorridas. • O Brasil no governo de D. Pedro II. • A Guerra do Paraguai. • O sistema republicano. • A organização da nova Constituição – Assembléia Nacional Constituinte. • A Constituição de 1891. • Governos de Deodoro da Fonseca e de Floriano Peixoto. • Os presidentes do Brasil entre 1898 e 1930. • O sistema eleitoral do início da República. • Indústrias no Brasil: ontem e hoje. • O Estatuto da Criança e do Adolescente. • O trabalho infantil na história do Brasil até a República. • O trabalho infantil hoje. • A contradição entre o conceito e a prática da organização republicana no Brasil. • Os motivos de insatisfação dos diversos grupos sociais durante o período da República Velha. • Os avanços e as limitações da Constituição de 1934.
  21. 21. • Comparar o cidadão da década de 1930 com o cidadão de hoje, século XXI. • Revisão sobre como a cafeicultura criou as bases para a industrialização do Brasil e a área correspondente ao Sudeste cafeeiro. • A Região Sudeste: a mais industrializada do Brasil. • O clima como diferencial da Região Sul em relação ao restante do país. • O papel dos imigrantes italianos e alemães na ocupação da terra e na formação da cultura regional. • As origens da indústria na Região Sul. • O Pampa gaúcho e as serras: aspectos físicos e tipo de ocupação, de propriedade e produção. • Indústrias das regiões Sul e Sudeste migram para a Região Nordeste. • O papel das vias de transporte. • As mudanças na distribuição da população brasileira. • A Região Centro-Oeste: seus estados e capitais. • A colonização e os principais ecossistemas da Região Centro-Oeste. • Região Norte do Brasil: seus estados, capitais e fronteiras. • As mudanças espaciais da década de 1980. • As principais vias de transporte na Região Norte. • A Zona Franca de Manaus. • Organização política do Brasil. • Os principais problemas da sociedade brasileira: a desigual distribuição de renda, a exclusão social, o menor abandonado, a falta de saneamento básico e a corrupção política. Ciências • A coloração da pele. • A função do suor. • Higiene da pele. • Músculos e Ossos. • Articulações. • A coluna vertebral: características e funções. • O grupo dos vertebrados. • O grupo dos invertebrados. • Grupos alimentares. • Os sistemas digestores. • A importância da respiração. • O sistema respiratório e a poluição do ar. • O sistema cardiovascular. • O sistema urinário. • O sistema nervoso. • Os cinco sentidos. • Reprodução. • Maturidade sexual. • Puberdade.
  22. 22. 1º ao 5º ano- Artes     Arte e vida; Ser humano como produtor de arte; Arte e linguagem;  Elementos visuais – pontos, linhas, formas e cores;  Manifestações artísticas e suas linguagens – desenhos, escrita, pintura e escultura; Arte na construção da identidade do homem. 1º ao 5º ano - Educação Física     Psicomotricidade  Esquema corporal; lateralidade; equilíbrio; coordenação viso-motor; tonicidade; percepção espacial e temporal; percepção visual e auditiva, coordenação motora geral e expressão corporal; Noções de higiene geral e cuidado com o corpo e meio ambiente  Cuidados com o corpo;  Construção de hábitos de higiene como parte da rotina diária;  Construção de hábitos de valorização do espaço e do meio ambiente Valores humanos e relações sócio-afetivos  Vivência de valores humanos nas atividades físicas, coletivas e em pequenos grupos. Atividades recreativas e cooperativas  Jogos; jogos adaptados; atividades folclóricas; jogos populares; circuitos; brincadeiras espontâneas; jogos recreativos.
  23. 23. CALENDÁRIO 2014
  24. 24. Calendário Escolar 2014
  25. 25. Relacionar Atividades e Projetos que serão realizadas nos Meses de: Janeiro Fevereiro Março Abril Maio junho
  26. 26. Relacionar Atividades e Projetos que serão realizadas nos Meses de: Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro
  27. 27. Vamos planejar? Planejar é organizar ações. [...] o planejamento deve existir para facilitar o trabalho tanto do professor como do aluno. O planejamento deve ser uma organização das idéias e informações. MORETTO (2007) Plano de Aula Tema: Recepção: Rotina: Objetivos: Metas a serem alcançadas:
  28. 28. Metodologia: Observações: Assinatura do Professor ___________________________ _____________________________________ Diretor (a) Supervisor (a) Timon, / /
  29. 29. Dicas de como elaborar um Projeto Pedagógico. 1. Como fazer um projeto? Tema do Projeto – a questão apresentada pelo educador pode não ser um problema para o aluno, por isso podemos permitir que os alunos definam os temas, que formulem problemas e coloquem o pensamento em funcionamento pela necessidade de entendê-lo melhor e alcançar soluções. Trabalho em grupo – é enriquecedor, pois cada um poderá contribuir de maneira criativa para realização de um trabalho coletivo (uma rede), de acordo com seu interesse, trocando idéias, discussões, ou melhor, um processo de construção de cooperação. 2. Como fazer um projeto? Tema do Projeto definido por: alunos professores comunidade. Explorar uma questão; Definir os problemas; Soluções. 3. Como fazer um projeto? Trabalhar em grupos enriquece o trabalho; Contribuição criativa; Troca de idéias e discussões. 4. Projeto: Nome/Título  Justificativa (por quê?)  Objetivos (necessidades a alcançar)  Atividades (o que fazer?)  Estratégias (como fazer?)  Acompanhamento (direcionamento)  Avaliação (estímulo). 5. Como fazer um projeto? Acompanhamento do Projeto  Avaliação do processo de desenvolvimento do aluno durante a realização do projeto.  Perguntar.  Contra-argumentar  Orientar sem fornecer soluções. 6. Uso de mídias e tecnologia  Internet, jornais, rádio, TV, máquina fotográfica, filmadora etc.  Pastas e subpastas; grupos; apresentação; outras ferramentas (Power point, Word, paint, porta USB, etc.)
  30. 30. 7. Outras atividades paralelas:  Show de talentos  Exposição de desenhos  Exposição de fotos  Desfile de modas  Painel de poesia  Jogral  Leitura de textos (Art. da Constituição Federal, Passagens históricas, etc.)  Teatro. DICAS:  Estar sempre interagindo com os alunos;  Dinamizar ao máximo as atividades;  Avaliar cada tarefa, sem deixar que as atividades se acumulem muito;  Incentivar a participação dos professores e dos alunos em todas as fases do projeto;  Ler sempre sobre o assunto;  Explicar detalhadamente cada atividade;  Se colocar sempre a disposição para eventuais dúvidas;  Acompanhar sistematicamente o desenvolvimento do projeto. Verbos adequados à formulação de objetivos: Identificação Descrição Comparação Classificação Identificar Reconhecer Denominar Apontar Indicar Designar Descrever Caracterizar Expor Narrar Traçar Contar Comparar Diferenciar Contrastar Relacionar Confrontar Igualar Classificar Escolher Ordenar Numerar Separar Selecionar Intitular Mostrar Listar Relatar Discernir Separar Rotular Assinalar Mencionar Evocar Determinar Refletir/citar Imitar Apresentar Enumerar Nivelar Discriminar Ligar Excluir/incluir Traçar paralelo Distinguir Agrupar/reagru par Categorizar Colecionar Dividir Subdividir Qualificar Conclusão Aplicação Concluir Deduzir Decidir Justificar Resumir Criticar/julga r Analisar Apreciar Aplicar Empregar Utilizar Construir Praticar Efetuar Examinar Conceituar Definir Generalizar Criar Elaborar Confeccionar Explicar Inventar Executar Efetivar
  31. 31. Agora é hora de registrar seus Projetos para este mês. Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. (Cora Coralina) Nome do Projeto: Alunos atendidos: Duração: Objetivos: Desenvolvimento: Período:
  32. 32. Estratégias: Culminância: Parecer Descritivo final do Projeto: _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _________________________________
  33. 33. ANEXE AQUI AS FOTOS DAS ATIVIDADES QUE FORAM DESENVOLVIDAS NO PROJETO DURANTE O MÊS DE ___________________.
  34. 34. FREQÜÊNCIA MÊS: AULAS DADAS: DATA: / / AULAS PREVISTAS: Diretor (a):______________________________Supervisor (a):_________________________ Professor (a):______________________________________________________________ Nº 1 2 3 4 5 6 7 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 NOME DO ALUNO FALTAS DIAS LETIVOS
  35. 35. Registro Diário das Atividades Mês:  Segunda-feira -  Terça-feira -  Quarta-feira -  Quinta-feira -  Sexta-feira- Ano Letivo:
  36. 36. Registro do desempenho do educando no processo de ensino e aprendizagem DIAGNÓSTICO INICIAL PARECER DESCRITIVO
  37. 37. DIAGNÓSTICO DA TURMA REFERENTE AO ----------BIMESTRE PARECER DESCRITIVO
  38. 38. REGISTRO DO DESEMPENHO DOS ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS Professor, Desenvolver uma política de inclusão na nossa Rede significa reconhecer que: “-As crianças são diferentes entre si, mas não há criança diferente e outras que não o sejam. - Os objetivos gerais da educação devem ser acessíveis a todas as crianças. - “Cada escola deve respeitar essa diversidade, oferecendo à criança aquilo de que necessita aquilo que lhe possibilita alcançar seu desenvolvimento integral, no limite das próprias potencialidades.” Lleixà Arribas, 2004, p.32 PARECER DESCRITIVO
  39. 39. ACOMPANHAMENTO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM A Avaliação só poderá funcionar efetivamente num trabalho educativo, se ensinarmos, os alunos não aprenderam e estamos interessados que aprendam, há que se ensinar até que aprenderam, há que se investir na construção e reconstrução dos resultados. (Apost. Ludus) Nº 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 MÊS DE NOME DO ALUNO PORT MAT CIÊN. DISCIPLINAS HIST GEO ART RELI ED. FÍS
  40. 40. ACOMPANHAMENTO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM Nº 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 MÊS DE NOME DO ALUNO PORT MAT CIÊN. DISCIPLINAS HIST GEO ART RELI ED. FÍS
  41. 41. HORÁRIO DIA AULA HORÁRIO (Inicio das aulas) SEGUNDA TERÇA 1º 2º Recreação 3º 4º QUARTA QUINTA SEXTA
  42. 42. REFERÊNCIAS ARVENSE, Colégio. Conteúdo programático anual Educação Infantil: Objetivos gerais da Educação Infantil. Disponível em: <http://www.arvense.com.br/2011/arquivos/conteudos2012/Infantil%20IV.pdf>. Acesso em: 17 de jan. 2014. BRASIL. Ministério da Educação; Secretaria de Educação Básica, 2010. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental – PCNs. Brasília, DF: MEC 2010. SMEC, Secretaria Municipal de Educação e Cultura; CENAP, Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico; PMS, Prefeitura Municipal de Salvador. Diário de Classe: Educação Infantil de 0 a 3 anos. Disponível em: <http://www.educacao.salvador.ba.gov.br/site/documentos/espaco-virtual/espaco- educar/educacao-infantil/diariosmarcos/0%20A%203%20ANOS/diario%20de%20aprendizagem.pdf>. Acesso em: 17 de jan. 2014. SÓ PEDAGOGIA. Como elaborar um projeto pedagógico. Disponível em: <http://www.pedagogia.com.br/projetos/como.php>. Acesso em: 17 de jan. 2014.
  43. 43. ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE TIMON SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

×