Seminario de Mediunidade

1.583 visualizações

Publicada em

Seminário de Mediunidade - promovido pela USE Jabaquara

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.583
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
49
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminario de Mediunidade

  1. 1. A Mediunidade em um mundo em transição; O papel de cada um.Acolher,Consolar,Esclarecer.
  2. 2. Acolher – o que significa?Oferecer ou obter refúgio,Proteção ou conforto físico;Proteger(-se), abrigar(-se),Amparar(-se) dar ou receberhospitalidade;Hospedar(-se), alojar(-se), recolher(-se)
  3. 3. As bases do bom acolhimento...Amor;Discrição;Segurança;Generosidade;Compaixão;Indulgência!
  4. 4. Jesus foi o exemplo superior deacolher, por excelência. Não carregou ofardo das pessoas, e jamais as julgou outeve impaciência, porém, ensinou-as aconduzir os próprios grilhões a que seprendem voluntariamente.
  5. 5. Consola os seres que se te apresentamdesencarnados e extremamentesofridos, pois já estiveste em situaçãode penúria muito maior, e fosteconsolado com muita ternura.
  6. 6. Como consolar um Espírito raivoso ?“Vinde a mim, todos vós que estais aflitos e sobrecarregados, que eu vos aliviarei .”Mateus – 11:28-301. Console-o mostrando-lhe que as emoções criam mentalmente miasmas ou benesses;2. Que ninguém tirará dele as razões de ter agido assim;3. Dizendo-lhe que existe outro caminho. Que ódio e amor estão distantes e juntos.
  7. 7. Como consolar um Espírito que não fala ?“Bem-aventurados os que choram, pois que serão consolados.”O Evangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec – Cap. V1. Console-o fazendo sentir o seu amor por ele;2. Dizendo que ele poderá pensar o que quer dizer, e assim será feita a comunicação dele.
  8. 8. Como consolar um Espírito orgulhoso ?“Na balança divina, são iguais todos os homens: só as virtudes os distinguem aos olhos de Deus.”O Evangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec – Cap. VII1. Console-o mostrando-se humilde.2. Dizendo que os que nós conhecemos (humildes) serão os nossos instrutores.3. Dizendo que a humildade é que elevou os mais próximos a ele na Espiritualidade.
  9. 9. Como consolar um Espírito vingador ?“Não julgueis a fim de não seres julgados.”Mateus 7:1--21. Console-o fazendo sentir vibrações fraternas por ele;2. Dizendo que a vingança irá gerar nova onda de coisas nefastas, e que isto está destruindo o seu ser.
  10. 10. “Somos o nosso próprio passado. Dormem soterradas nos tenebrosos porões do inconsciente as razões das nossas angústias de hoje ... ”Diálogo com as Sombras – Hermínio C. Miranda
  11. 11. BIBLIOGRAFIA:Diálogo com as Sombras – Hermínio C. MirandaO Livro dos Espíritos – Allan KardecSeara dos Médiuns – Chico Xavier - EmmanuelEvangelho Segundo o Espiritismo – Allan Kardec
  12. 12. Esclarecedo r Dialogador
  13. 13. ESCLARECER
  14. 14. Dialogar é ter a oportunidade dedissipar as trevas, promovendo a luz. Wilson Ferreira de Mello Psicografia Emmanuel Cristiano
  15. 15. 1- Definição 2- Qualidades do esclarecedor 3- Condições necessárias4- Ação dos Arquitetos Espirituais 5- Cooperação mental 6- Interferência do Benfeitor 7- Conclusão 8- Bibliografia
  16. 16. 1- Definição Esclarecer , na reunião mediúnica é explicar, tornar claro, orientar e encaminhar as entidades comunicantesem suas várias dificuldades e necessidades.
  17. 17. 2- Qualidades necessárias ao Esclarecedor - Dialogador- Conhecimento Doutrinário Espírita – para saber entender e atender cadacomunicante dentro do seu grau de evolução e necessidade no momento.- Autoridade Moral – que se adquire pela boa conduta, dentro do melhor quesabemos e podemos.- Fé – que é a convicção quanto as realidades espirituais pelo conhecimento eexperiência sobre elas.- Amor pelos semelhantes - sem o que não se conseguirá alcançá-lo no campo dossentimentos.- Paciência, sensibilidade e tato – para ouvir e procurar entender o comunicante- Humildade – para não se colocar acima do comunicante, nem se alterar ante suaseventuais acusações e agressividade.
  18. 18. 3- Condições necessárias1- Não basta ter boa vontade, é preciso ter conhecimento, vivênciae bom senso2- Saber ouvir para depois orientar.3- Falar de forma objetiva e fraterna sem excessos.4- Ser breve, simples e gentil combinando sentimento e razão5- Evitar revelações precipitadas6- Buscar sempre o diálogo, evitando-se discussões estéreis
  19. 19. 7- Buscar detalhes na comunicação que identifiquem o perfilmasculino ou feminino8- Diferenciar os vários tipos de espíritos comunicantes e suasnecessidades – ex.sofredores, agressores, céticos, religiosos, homicidas, suicidas, viciados e os que se apresentam sob formas de zoantropias.9- Oferecer a cada um, esclarecimento e orientação específicas.10- Combinar energia e serenidade para quando necessáriocoibir excessos do comunicante11- Imperioso observar que todos são carecedores decompreensão e tratamento adequados, cada qual na dor ou noproblema em que se exprimem, exigindopaciência, entendimento, socorro e devotamento fraternais. (Desobssessão – André Luiz – cap. 36)
  20. 20. 4- Ação dos Arquitetos EspirituaisQuando as palavras não são suficientes na ajuda ao comunicanteos benfeitores espirituais por si mesmos ou à pedido do dirigenteelaboram quadros mentais numa autentica regressão de memóriacom a finalidade de sensibilizar o espírito, facilitando oesclarecimento e entendimento.
  21. 21. Regressãodememória
  22. 22. 5- Cooperação mentalTanto o amigo que orienta o irmão infortunado quantoos companheiros que o escutam abrigarão na alma asimpatia e a solidariedade, como se estivessemsocorrendo um parente dos mais queridos, para que onecessitado encontre apoio real no socorro que lheseja ministrado. (Desobsessão – André Luiz cap. 38)
  23. 23. 6- Interferência do BenfeitorEm casos de desencarnado em absoluto empedernimento, omentor espiritual se considerar oportuno, ocuparáespontaneamente outro médium e partilhará o serviço doesclarecimento, dirigindo-se ao comunicante ou ao médiumque o expõe, ficando por outro lado, o dirigente com apossibilidade de recorrer à intervenção do orientadorreferido, se julgar necessário. ( Desobsessão – André Luiz cap. 41)
  24. 24. Interferência dobenfeitor através de Benfeitoroutro médium Dirigente Médium comunicante
  25. 25. Se o comunicante perturbado procura fixar-se no braseiro darevolta ou na sombra da queixa, indiferente ou recalcitrante, odiretor solicitará a cooperação dos benfeitores espirituais para queo necessitado rebelde seja confiado à assistência de organizaçõesadequadas a isso.Nesse caso a hipnose benéfica será utilizada a fim de que omagnetismo balsamizante asserene o companheiroperturbado, amparando-se-lhe o afastamento da cela mediúnica, àmaneira do enfermo desesperado da Terra a quem se administra adose calmante para que se ponha mais facilmente sob tratamentopreciso. (Desobsessão – André Luiz cap. 37)
  26. 26. Comunicante rebeldeou recalcitrante
  27. 27. 7- ConclusãoO atendimento espiritual aosdesencarnados não se realiza sem aluz do raciocínio, mas não atinge osfins a que se propõe, sem as fontesprofundas do sentimento (Desobsessão – André Luiz – cap. 36)
  28. 28. 8- Bibliografia1- O Livro dos Médiuns – Allan Kardec.Natureza das comunicações e identidade dos Espíritos2- Desobsessão – André Luiz3- Qualidade na Prática Mediúnica – Projeto ManuelPhilomeno de Miranda4- Diálogo com as sombras – Hermínio Miranda5- Conversando com os Espíritos na Reunião Mediúnica –Terezinha de Oliveira
  29. 29. Elaboração de textos e montagem Paulo Ribeiro pauloribeiro36@uol.com.br Abril 2012
  30. 30. Departamento de Estudo e Educação da Mediunidade eem@usesp.org.br

×