O slideshow foi denunciado.
VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA À QUINTA DA REGALEIRA E
PALÁCIO DE SETEAIS, PAISAGEM CULTURAL DE SIN...
VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA À QUINTA DA REGALEIRA E
PALÁCIO DE SETEAIS, PAISAGEM CULTURAL DE SIN...
VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA À QUINTA DA REGALEIRA E
PALÁCIO DE SETEAIS, PAISAGEM CULTURAL DE SIN...
VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA À QUINTA DA REGALEIRA E
PALÁCIO DE SETEAIS, PAISAGEM CULTURAL DE SIN...
VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA À QUINTA DA REGALEIRA E
PALÁCIO DE SETEAIS, PAISAGEM CULTURAL DE SIN...
VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA À QUINTA DA REGALEIRA E
PALÁCIO DE SETEAIS, PAISAGEM CULTURAL DE SIN...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Visita de estudo da universidade sénior contemporânea à quinta da regaleira

297 visualizações

Publicada em

Resenha histórica, paisagística e cultural da Quinta da Regaleira e Palácio de Seteais, Paisagem Cultural de Sintra.
Visita de estudo da universidade Sénior Contemporânea

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Visita de estudo da universidade sénior contemporânea à quinta da regaleira

  1. 1. VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA À QUINTA DA REGALEIRA E PALÁCIO DE SETEAIS, PAISAGEM CULTURAL DE SINTRA, 31 de Julho 2014 Universidade Sénior Contemporânea do Porto - Rua Nova do Tronco, 504, 4250-339 Porto (Instalações do Seminário Seráfico dos Frades Franciscanos Capuchinhos – Telf: 96406452 – 964756736; Email: usc@sapo.pt Web: www.usc.no.sapo.pt VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA À QUINTA DA REGALEIRA (1) E PALÁCIO DE SETEAIS (2), PAISAGEM CULTURAL DE SINTRA, 31 de Julho 2014 1 - Quinta e Palácio da Regaleira Palacete situado na encosta da Serra de Sintra, era conhecido inicialmente por Quinta da Torre ou do Crasto. Em 1840 foi adquirida pela baronesa da Regaleira, que realizou inúmeras melhorias. No início do século XX, a quinta passou para as mãos de António Augusto de Carvalho Monteiro, homem imbuído de ideais românticos e jurista amante da natureza. Apaixonado pelas obras neo-manuelinas então em voga em Portugal, encomendou a Luigi Manini, cenógrafo da ópera do Teatro de S. Carlos, um projeto inspirado no Palace Hotel do Buçaco (1888-1907). Com a sua vegetação frondosa, Sintra parece ter ido ao encontro desta geração de românticos. Nas fachadas animadas de coruchéus, pináculos, cogulhos, rendilhados e torres facetadas, destacam-se as torres de menagem e de vigia. Os volumes arquitetónicos ostentam o ímpeto decorativo conferido pelo cinzel dos escultores da Escola de Coimbra, discípulos de António Augusto Gonçalves. A temática gótica e manuelina ressurge e a exuberância da pedra parece ser a correspondência mais direta da vegetação luxuriante. A gramática decorativa do Renascimento associa-se aos ornatos tirados da natureza (cardos, folhagens), formando composições cenográficas (bancos, fontes, terraços, torreões e pórticos) ou animando elementos de composição (arcos, gabletes e gárgulas, portais, varandas). Circundada por um parque de grutas e espelhos de água, possui ainda uma capela, de pequenas dimensões e rica no ornato, lavor atribuído ao escultor conimbricense João Machado, de cujas mãos parecem ter saído o fogão de sala e os portais neo-manuelinos, enquadrados por frescos de Manini. Um outro escultor, José da Fonseca, provável colaborador de João Machado, parece ter sido o autor da "Rapariga das Pombas".
  2. 2. VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA À QUINTA DA REGALEIRA E PALÁCIO DE SETEAIS, PAISAGEM CULTURAL DE SINTRA, 31 de Julho 2014 Universidade Sénior Contemporânea do Porto - Rua Nova do Tronco, 504, 4250-339 Porto (Instalações do Seminário Seráfico dos Frades Franciscanos Capuchinhos – Telf: 96406452 – 964756736; Email: usc@sapo.pt Web: www.usc.no.sapo.pt No interior, a casa prolonga este efeito cénico, quer através da decoração esculpida, quer pela utilização de frescos (as cenas de caça da sala de jantar) e de mosaicos Arte Nova. A Galeria dos Reis inspira-se na de Coimbra e os aposentos renascença possuíam mobílias ao estilo da época, executadas por Leandro Braga. Finalizada antes de 1910, pouco uso parece ter tido por parte do seu proprietário, que veio a morrer pouco tempo depois. Em 1946 foi vendida a Waldemar d'Orey que a dignificou com avultadas obras de restauro. Esta quinta foi adquirida pelo município de Sintra em 1997, tendo sido aberta ao público no ano seguinte. A Quinta e pontos de interesse Carvalho Monteiro tinha o desejo de construir um espaço grandioso, em que vivesse rodeado de todos os símbolos que espelhassem os seus interesses e ideologias. Conservador, monárquico e cristão gnóstico, Carvalho Monteiro quis ressuscitar o passado mais glorioso de Portugal, daí a predominância do estilo neomanuelino com a sua ligação aos descobrimentos. Esta evocação do passado passa também pela arte gótica e alguns elementos clássicos. A diversidade da quinta da Regaleira é enriquecida com simbolismo de temas esotéricos relacionados com a alquimia, Maçonaria, Templários e Rosa-cruz. Bosque O bosque ou mata que ocupa a maioria do espaço da Quinta, não está disposta ao acaso. Começando mais ordenada e cuidada na parte mais baixa da quinta, mas, sendo progressivamente mais selvagem até chegarmos ao topo. Este disposição reflecte a crença no primitivismo de Carvalho Monteiro Patamar dos Deuses O Patamar dos Deuses é composto por 9 estátuas dos deuses greco-romanos. A mitologia clássica foi uma das inspirações de Carvalho Monteiro para os jardins da Regaleira.
  3. 3. VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA À QUINTA DA REGALEIRA E PALÁCIO DE SETEAIS, PAISAGEM CULTURAL DE SINTRA, 31 de Julho 2014 Universidade Sénior Contemporânea do Porto - Rua Nova do Tronco, 504, 4250-339 Porto (Instalações do Seminário Seráfico dos Frades Franciscanos Capuchinhos – Telf: 96406452 – 964756736; Email: usc@sapo.pt Web: www.usc.no.sapo.pt Poço Iniciático Uma galeria subterrânea com uma escadaria em espiral, sustentada por colunas esculpidas, por onde se desce até ao fundo do poço. A escadaria é constituída por nove patamares separados por lanços de 15 degraus cada um, invocando referências à Divina Comédia de Dante e que podem representar os 9 círculos do inferno, do paraíso, ou do purgatório. Segundo os conceituados ocultistas Albert Pike, René Guénon e Manly Palmer Hall é na obra 'A Divina Comédia' que se encontra pela primeira vez exposta a Ordem Rosacruz. No fundo do poço está embutida em mármore, uma rosa dos ventos (estrela de oito pontas: 4 maiores ou cardeais, 4 menores ou colaterais) sobre uma cruz templária, que é o emblema heráldico de Carvalho Monteiro e, simultaneamente, indicativo da Ordem Rosa- cruz. O poço diz-se iniciático porque se acredita que era usado em rituais de iniciação à maçonaria e a explicação do simbolismo dos mesmos nove patamares diz-se que poderá ser encontrada na obra Conceito Rosacruz do Cosmos. A simbologia do local está relacionada com a crença que a terra é o útero materno de onde provém a vida, mas também a sepultura para onde voltará. Muitos ritos de iniciação aludem a aspectos do nascimento e morte ligados à terra, ou renascimento. A existência de 23 nichos localizados por debaixo dos degraus do poço iniciático representava um dos muitos mistérios da referida construção. No dia 29 de Dezembro de 2010, o professor Gabriel Fernández Calvo da Escola Técnica Superior de Engenheiros de Caminhos, Canais e Portos da Universidad de Castilla-La Mancha em Ciudad Real, quando visitava o poço acompanhado de outros professores da UCLM, observou que os 23 nichos não estão colocados por acaso, pois encontram-se agrupados em três conjuntos de 17, 1 e 5 nichos separados entre si à medida que se desce ao fundo do poço. Esta organização não é aleatória e provavelmente se refere ao ano 1715 em que Francisco Albertino Guimarães de Castro comprou a propriedade (conhecida como Quinta da Torre ou do Castro) em hasta pública. O poço está ligado por várias galerias ou túneis a outros pontos da quinta, a Entrada dos Guardiães, o Lago da Cascata e o Poço Imperfeito. Estes túneis, outrora habitados por morcegos afastados pelos muitos turistas que visitam o local, estão cobertos com pedra importada da orla marítima da região de Peniche, pedra que dá a sugestão de um mundo submerso.
  4. 4. VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA À QUINTA DA REGALEIRA E PALÁCIO DE SETEAIS, PAISAGEM CULTURAL DE SINTRA, 31 de Julho 2014 Universidade Sénior Contemporânea do Porto - Rua Nova do Tronco, 504, 4250-339 Porto (Instalações do Seminário Seráfico dos Frades Franciscanos Capuchinhos – Telf: 96406452 – 964756736; Email: usc@sapo.pt Web: www.usc.no.sapo.pt Capela da Santíssima Trindade Uma magnífica fachada que aposta no revivalismo gótico e manuelino. Nela estão representados Santa Teresa d'Ávila e Santo António. No meio, a encimar a entrada está representado o Mistério da Anunciação - o anjo Gabriel desce à terra para dizer a Maria que ela vai ter um filho do Senhor - e Deus Pai entronizado.2 No interior, no altar-mor vê-se Jesus depois de ressuscitar a coroar uma mulher que pode ser Maria ou Madalena (de uma maneira mais contraditória). Do lado direito Santa Teresa e Santo António repetem-se, desta vez em painéis de mosaico. Do lado oposto um vitral com a representação do milagre de Nossa Senhora da Nazaré a D. Fuas Roupinho. No chão estão representados a Esfera Armilar ou Globo Celeste e a Cruz da Ordem de Cristo, rodeados de pentagramas (estrelas de cinco pontas). A Torre da Regaleira Foi construída para dar a quem a sobe a ilusão de se encontrar no eixo do mundo. O Palácio O edifício principal da quinta é marcado pela presença de uma torre octogonal. Toda a exuberante decoração esteve a cargo do escultor José da Fonseca.
  5. 5. VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA À QUINTA DA REGALEIRA E PALÁCIO DE SETEAIS, PAISAGEM CULTURAL DE SINTRA, 31 de Julho 2014 Universidade Sénior Contemporânea do Porto - Rua Nova do Tronco, 504, 4250-339 Porto (Instalações do Seminário Seráfico dos Frades Franciscanos Capuchinhos – Telf: 96406452 – 964756736; Email: usc@sapo.pt Web: www.usc.no.sapo.pt 2 – Palácio de Seteais; Lenda de Seteais O Palácio de Seteais, elegante palácio cor-de-rosa, agora um hotel de luxo e restaurante da Sociedade Hotel Tivoli, foi construído no século XVIII para o cônsul holandês, Daniel Gildemeester, numa porção de terra cedida pelo Marquês de Pombal. Localizado em Sintra, património mundial, ergue-se este palácio no meio de um terreno acidentado, de onde se pode avistar o mar e o alto da Serra de Sintra. De arquitectura neoclássica, insere-se no conjunto de palácios reformados pela burguesia. Destaca-se a entrada, com frontões triangulares, janelas de guilhotina e uma escada de dois braços que se desenvolve para o interior no sentido da fachada secundária. Pode-se também constatar a adaptação do palácio à irregularidade do terreno, que tem um enquadramento com o Palácio da Pena. No conjunto, existem dois corpos de planta composta — a ala esquerda, com planta em U, que se desenvolve à volta do pátio interior, e a ala direita, com planta rectangular. As fachadas principais são simétricas, de dois registos. As salas da ala esquerda são pintadas com frisos de flores e grinaldas, salientando-se a Sala Pillement, com cenas figurativas da autoria de Jean Baptiste Pillement, e a Sala da Convenção, com alusões marítimas mitológicas. Realce ainda para a escadaria ampla, de dois braços e três lanços, dando acesso ao andar inferior. Refira-se que este é o Palácio de Seteais, descrito como abandonado na famosa obra de Eça de Queirós "Os Maias". Lenda de Seteais Segundo a lenda, um dos primeiros cavaleiros cristãos a subir a serra Xentra foi D. Mendes de Paiva que encontrou uma porta secreta por onde fugiam vários mouros. Entre eles encontrava-se uma moura muito bonita com a sua velha aia. Quando viu o cavaleiro, a jovem, por se sentir descoberta, suspirou.
  6. 6. VISITA DE ESTUDO DA UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA À QUINTA DA REGALEIRA E PALÁCIO DE SETEAIS, PAISAGEM CULTURAL DE SINTRA, 31 de Julho 2014 Universidade Sénior Contemporânea do Porto - Rua Nova do Tronco, 504, 4250-339 Porto (Instalações do Seminário Seráfico dos Frades Franciscanos Capuchinhos – Telf: 96406452 – 964756736; Email: usc@sapo.pt Web: www.usc.no.sapo.pt A aia, aflita, pediu-lhe que não suspirasse mais. D. Mendes decidiu fazer a jovem sua prisioneira. Quando o disse à aia, a jovem voltou a suspirar. O novo suspiro da bela moura fez com que a velha aia confessasse ao cavaleiro que a jovem tinha sido amaldiçoada por uma feiticeira e que morreria no dia em que desse sete ais. A revelação deste segredo fez com que a moura suspirasse de novo. O cavaleiro não acreditou na história, o que provocou outro suspiro da jovem. Quando o cavaleiro anunciou que fazia ambas suas prisioneiras, a bela moura soltou novo suspiro. A pobre velha ficou desesperada porque a sua ama já tinha suspirado cinco vezes. O cavaleiro voltou a dizer que não acreditava em tais maldições e que iria procurar um local sossegado para onde as levaria. Depois do cavaleiro se afastar, surgiu um grupo de mouros que tinham ouvido a conversa e que se preparou para roubar as duas mulheres. Com um golpe de adaga cortaram a cabeça da velha ama, o que provocou novo ai na jovem. Este foi o sexto ai. O sétimo foi a última coisa que disse, no momento em que viu a adaga voltar para lhe cair sobre o pescoço. Quando D. Mendes voltou, ficou triste e deu àquele recanto de Sintra, em honra da bela moura, o nome de Seteais.

×