1
ROTA DO ROMÂNICO 
Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt 
2
•A Rota do Românico do Vale do Sousa é uma rota turístico-cultural, composta por 21 monumentos de estilo românico na regiã...
•O Vale do Sousa é uma região formada pelos concelhos de Castelo de Paiva, Felgueiras, Paços de Ferreira, Paredes, Penafie...
•A Rota do Românico surgiu a partir da necessidade de aproveitar o potencial de qualificação cultural e turística e desenv...
•Foi criada graças ao Plano de Desenvolvimento Integrado do Vale do Sousa, em colaboração com o Instituto Português do Pat...
•Nesta altura, a 19 monumentos inicialmente identificados juntam-se mais dois e contratualizam-se os direitos e deveres de...
•Graças à criação desta rota turística, os monumentos a ela pertencentes foram alvo de várias obras de restauro e de conse...
•Em Março de 2010, deu-se o alargamento da Rota do Românico a todos os municípios da sub-região do Tâmega, passando de sei...
•Aos concelhos pertencentes à Associação de Municípios do Vale do Sousa, juntaram-se os concelhos de Amarante, Baião, Celo...
•A Rota do Românico recebeu, também, inúmeros prémios a nível nacional e internacional. 
Torre de Vilar, Lousada 
11
•Em terras dos vales do Sousa, Tâmega e Douro, no coração do Norte de Portugal, ergue-se um importante património arquitet...
•Traços comuns que guardam lendas e histórias nascidas com a fundação da Nacionalidade e que testemunham o papel relevante...
•Esse património encontra-se estruturado na Rota do Românico, germinada, em 1998, no seio dos concelhos que integram a VAL...
•Ancorada num conjunto de monumentos de grande valor e de excecionais particularidades, esta Rota pretende assumir um pape...
•Numa viagem pela História, a Rota do Românico oferece ainda aos visitantes momentos de contemplação e convida ao contacto...
•Aos mais afoitos o rio Paiva desafia-os para experiências únicas, com descidas de rafting inesquecíveis. 
Igreja de São P...
•As inúmeras festas e romarias são o palco privilegiado para um regresso aos mercados de antigamente, animados pelos singu...
Missão e Objetivos 
•MISSÃO 
•Contribuir para o desenvolvimento sustentado do território do Tâmega e Sousa, através da val...
•Ser uma referência pelo contributo para o desenvolvimento sustentado do território do Tâmega e Sousa. 
Memorial da Ermida...
•Autenticidade pelos valores tradicionais da região visíveis no próprio património, fruto das características destas terra...
•Aprendizagem, uma marca que nos transporta para um mundo de história, com raízes românicas, associado ao tempo da reconqu...
•Pelas preocupações que apresenta com o desenvolvimento sustentável da região, nomeadamente com questões de responsabilida...
•Promover o ordenamento do território através da valorização do património. 
•Criar um novo setor produtivo capaz de gerar...
•Contribuir para a mudança da imagem interna e externa da região. 
•Qualificar os recursos humanos da região. 
•Contribuir...
Monumentos da Rota do Românico 
•O românico do Tâmega e Sousa apresenta características muito peculiares e regionalizadas ...
•Contemporânea da formação de Portugal e com íntima ligação às gentes e famílias que protagonizaram a fundação da nossa Na...
•Nestas terras habitaram algumas das famílias nobres do início da Nacionalidade, como os Ribadouro, da qual descende Egas ...
•A riqueza da arquitetura românica da região é também evidenciada pela diversidade de tipologias, expressa nos monumentos ...
Lista de Monumentos 
•Mosteiro de Pombeiro, Pombeiro 
•Igreja de São Vicente de Sousa, Felgueiras 
•Igreja do Salvador de ...
•Torre de Vilar, Lousada 
•Igreja do Salvador de Aveleda, Lousada 
•Ponte de Vilela, Lousada 
•Igreja de Santa Maria (Mein...
•Igreja de São Pedro de Ferreira, Paços de Ferreira 
•Igreja de São Pedro de Cete, Paredes 
•Ermida da Nossa Senhora do Va...
•Memorial da Ermida, Penafiel 
•Igreja Matriz de Abragão, Penafiel 
•Igreja de São Gens de Boelhe, Penafiel 
•Igreja do Sa...
•Marmoiral de Sobrado, Castelo de Paiva 
•Igreja de São Miguel de Entre-os-Rios, Penafiel 
•Torre do Castelo de Aguiar de ...
Prémios 
•Prémio Turismo de Portugal 2009, na categoria "Requalificação de Projecto Público", na BTL 2010 – Feira Internac...
Arquitetura Românica 
•A arquitetura românica é o estilo arquitectónico que surgiu na Europa no século X e evoluiu para o ...
•Caracteriza-se por construções austeras e robustas, com paredes grossas e minúsculas janelas, cuja principal função era r...
38 
•As conquistas de Sancho de Navarra e Aragão, alargando o seu domínio, desimpediram o que viria a ser o famoso «caminh...
•O alçado do alta nave de Santiago inscreve os arcos redondos, o andor do trifório (Galeria estreita, no interior de uma i...
40
•É ao longo da segunda metade do século XI e do início do século XII que uma série de transformações irá propiciar o apare...
•Uma maior estabilidade política é então acompanhada de um lento mas significativo crescimento demográfico. 
42
•Simultaneamente desenvolvem-se, na Europa, dois fenómenos cruciais para a compreensão do aparecimento, do desenvolvimento...
•A fundação do Mosteiro de Cluny, na Borgonha, em 910, marca um ponto de viragem na história do monaquismo ocidental. 
Igr...
•O poder deste Mosteiro contribuiu para a consolidação de alguns princípios de unidade, que estão na base da linguagem art...
•O culto das relíquias e as peregrinações são aspetos que ultrapassam o fenómeno religioso e devocional. 
Igreja de São Pe...
•Revelam-se fatores de intercâmbio e de partilha de conhecimento, transformando-se em motores da criação artística. 
Ponte...
•Foi o fator religioso, mais do que qualquer outro, que contribuiu para a europeização e difusão dos elementos que permite...
•O sistema construtivo que caracteriza a arquitetura românica começa a ser definido pouco antes dos meados do século XI. 
...
•É nas regiões da Borgonha, do Languedoc, do Auvergne e do sudoeste francês e nos reinos peninsulares de Navarra e de Cast...
•O estilo românico surge em Portugal no final do século XI, no âmbito de um fenómeno mais vasto de europeização da cultura...
•A chegada das ordens religiosas de Cluny, Cister, dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho e das Ordens Militares deve se...
•A conquista de Coimbra aos mouros, em 1064, por Fernando Magno de Leão, deu uma maior segurança às regiões do Norte. Esta...
•A expansão da arquitetura românica, em Portugal, coincide com o reinado de D. Afonso Henriques. Foi nesta época que se in...
•Sendo uma arquitetura predominantemente religiosa, o românico está muito relacionado com a organização eclesiástica dioce...
•Em Portugal a arquitetura românica concentra-se, essencialmente, no Noroeste e no Centro, sendo coeva do período em que s...
•A expansão do estilo românico não corresponde propriamente à Reconquista, mas antes à reorganização do território. As dio...
Bibliografia 
•http://www.rotadoromanico.com/vPT/OfertaTuristica/OndeDormir/Paginas/OndeDormir.aspx?utm_source=google&utm_...
AUTOR 
Artur Filipe dos Santos 
artursantosdocente@gmail.com 
artursantos.no.sapo.pt 
politicsandflags.wordpress.com 
•Art...
A Universidade Sénior Contemporânea 
Web: www.usc.no.sapo.pt 
Email: usc@sapo.pt 
Edições online: www.edicoesuscontemporan...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Rota do Românico do Vale do Sousa - Prof. Artur Filipe dos Santos - Universidade Sénior Contemporânea do Porto

624 visualizações

Publicada em

A Rota do Românico do Vale do Sousa é uma rota turístico-cultural, composta por 21 monumentos de estilo românico na região do Vale do Sousa. Surgiu a partir da necessidade de aproveitar o potencial de qualificação cultural e turística e desenvolver de forma sustentável a região.

AUTOR
Artur Filipe dos Santos
artursantosdocente@gmail.com
artursantos.no.sapo.pt
politicsandflags.wordpress.com


Artur Filipe dos Santos, Doutorado em Comunicação, Publicidade Relações Públicas e Protocolo, pela Universidade de Vigo, Galiza, Espanha, Professor Universitário, consultor e investigador em Comunicação Institucional e Património, Protocolista, Sociólogo.
Director Académico e Professor Titular na Universidade Sénior Contemporânea, professor convidado da Escola Superior de Saúde do Instituto Jean Piaget, membro da Direção do OIDECOM-Observatório Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em Comunicação, membro da APEP-Associacao Portuguesa de Estudos de Protocolo. Membro do ICOMOS (International Counsil on Monuments and Sites), consultor da UNESCO para o Património Mundial, membro do Grupo de Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da Faculdade de Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, membro do Grupo de Investigação em Turismo e Comunicação da Universidade de Westminster. Orador e palestrante convidado em várias instituições de ensino superior. Formador em Networking e Sales Communication no Network Group +Negócio Portugal.

A Universidade Sénior Contemporânea
Web: www.usc.no.sapo.pt
Email: usc@sapo.pt
Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com

A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas,adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de estudo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
624
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Rota do Românico do Vale do Sousa - Prof. Artur Filipe dos Santos - Universidade Sénior Contemporânea do Porto

  1. 1. 1
  2. 2. ROTA DO ROMÂNICO Artur Filipe dos Santos – www.artursantos.no.sapo.pt 2
  3. 3. •A Rota do Românico do Vale do Sousa é uma rota turístico-cultural, composta por 21 monumentos de estilo românico na região do Vale do Sousa. Universidade Sénior Contemporânea – www.usc.no.sapo.pt 3
  4. 4. •O Vale do Sousa é uma região formada pelos concelhos de Castelo de Paiva, Felgueiras, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel e Lousada. Todos os concelhos, excepto o concelho de Castelo de Paiva (localiza-se no distrito de Aveiro, localizam-se no distrito do Porto. Edições USC – www.edicoesuscontemporanea.webnode.com 4
  5. 5. •A Rota do Românico surgiu a partir da necessidade de aproveitar o potencial de qualificação cultural e turística e desenvolver de forma sustentável a região. 5
  6. 6. •Foi criada graças ao Plano de Desenvolvimento Integrado do Vale do Sousa, em colaboração com o Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR) e a Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN). 6
  7. 7. •Nesta altura, a 19 monumentos inicialmente identificados juntam-se mais dois e contratualizam-se os direitos e deveres de todas as entidades envolvidas, bem como o conjunto base de acções necessárias para a sua dinamização. 7
  8. 8. •Graças à criação desta rota turística, os monumentos a ela pertencentes foram alvo de várias obras de restauro e de conservação, entre 2003 e 2007. Igreja do Salvador de Unhão 8
  9. 9. •Em Março de 2010, deu-se o alargamento da Rota do Românico a todos os municípios da sub-região do Tâmega, passando de seis para doze membros. Aos concelhos pertencentes à Associação de Municípios do Vale do Sousa, juntaram-se os concelhos de Amarante, Baião, Celorico de Basto, Marco de Canaveses, da Associação de Municípios do Baixo Tâmega, e ainda Cinfães e Resende. 9
  10. 10. •Aos concelhos pertencentes à Associação de Municípios do Vale do Sousa, juntaram-se os concelhos de Amarante, Baião, Celorico de Basto, Marco de Canaveses, da Associação de Municípios do Baixo Tâmega, e ainda Cinfães e Resende. Igreja de São Mamede de Vila Verde, Felgueiras 10
  11. 11. •A Rota do Românico recebeu, também, inúmeros prémios a nível nacional e internacional. Torre de Vilar, Lousada 11
  12. 12. •Em terras dos vales do Sousa, Tâmega e Douro, no coração do Norte de Portugal, ergue-se um importante património arquitetónico de origem românica. Igreja do Salvador de Aveleda, Lousada 12
  13. 13. •Traços comuns que guardam lendas e histórias nascidas com a fundação da Nacionalidade e que testemunham o papel relevante que este território outrora desempenhou na história da nobreza e das ordens religiosas em Portugal. Ponte de Vilela, Lousada 13
  14. 14. •Esse património encontra-se estruturado na Rota do Românico, germinada, em 1998, no seio dos concelhos que integram a VALSOUSA - Associação de Municípios do Vale do Sousa - Castelo de Paiva, Felgueiras, Lousada, Paços de Ferreira, Paredes e Penafiel, e alargada, em 2010, aos restantes municípios da NUT III – Tâmega (Amarante, Baião, Celorico de Basto, Cinfães, Marco de Canaveses e Resende), unindo num projeto supramunicipal um legado histórico e cultural comum. Igreja de Santa Maria (Meinedo), Lousada 14
  15. 15. •Ancorada num conjunto de monumentos de grande valor e de excecionais particularidades, esta Rota pretende assumir um papel de excelência no âmbito do touring cultural e paisagístico, capaz de posicionar a região como um destino de referência do românico. Ponte de Espindo, Lousada 15
  16. 16. •Numa viagem pela História, a Rota do Românico oferece ainda aos visitantes momentos de contemplação e convida ao contacto com as gentes da região. Trilhos e caminhos esperam-no para passeios a pé ou de bicicleta, em comunhão com a natureza. Igreja de São Pedro de Ferreira, Paços de Ferreira 16
  17. 17. •Aos mais afoitos o rio Paiva desafia-os para experiências únicas, com descidas de rafting inesquecíveis. Igreja de São Pedro de Cete, Paredes 17
  18. 18. •As inúmeras festas e romarias são o palco privilegiado para um regresso aos mercados de antigamente, animados pelos singulares modos de dançar, tocar e cantar. Marcas identitárias também presentes nos ofícios e artes tradicionais, onde sobressaem os bordados, os trabalhos em linho e os restauros de peças de arte em talha e madeira. Ermida da Nossa Senhora do Vale, Paredes 18
  19. 19. Missão e Objetivos •MISSÃO •Contribuir para o desenvolvimento sustentado do território do Tâmega e Sousa, através da valorização do património cultural e arquitetónico de estilo românico, criando um produto turístico e cultural de excelência. Mosteiro de Paço de Sousa, Penafiel 19
  20. 20. •Ser uma referência pelo contributo para o desenvolvimento sustentado do território do Tâmega e Sousa. Memorial da Ermida, Penafiel 20
  21. 21. •Autenticidade pelos valores tradicionais da região visíveis no próprio património, fruto das características destas terras e das gentes que as habitaram. Igreja Matriz de Abragão, Penafiel 21
  22. 22. •Aprendizagem, uma marca que nos transporta para um mundo de história, com raízes românicas, associado ao tempo da reconquista cristã. Igreja de São Gens de Boelhe, Penafiel 22
  23. 23. •Pelas preocupações que apresenta com o desenvolvimento sustentável da região, nomeadamente com questões de responsabilidade social. Igreja do Salvador de Cabeça Santa, Penafiel 23
  24. 24. •Promover o ordenamento do território através da valorização do património. •Criar um novo setor produtivo capaz de gerar riqueza. Marmoiral de Sobrado, Castelo de Paiva 24
  25. 25. •Contribuir para a mudança da imagem interna e externa da região. •Qualificar os recursos humanos da região. •Contribuir para a criação de uma empregabilidade qualificada. Igreja de São Miguel de Entre-os-Rios, Penafiel 25
  26. 26. Monumentos da Rota do Românico •O românico do Tâmega e Sousa apresenta características muito peculiares e regionalizadas que o singularizam no contexto do românico português. Torre do Castelo de Aguiar de Sousa, Paredes 26
  27. 27. •Contemporânea da formação de Portugal e com íntima ligação às gentes e famílias que protagonizaram a fundação da nossa Nacionalidade, a arquitetura românica da região é também um testemunho do papel relevante que este território outrora desempenhou na história da nobreza e das ordens religiosas em Portugal. 27
  28. 28. •Nestas terras habitaram algumas das famílias nobres do início da Nacionalidade, como os Ribadouro, da qual descende Egas Moniz, o famoso aio de D. Afonso Henriques, cujo túmulo pode ser visitado no Mosteiro de Paço de Sousa, os Sousa ou Sousões e os Baião. Mosteiro de Paço de Sousa, Penafiel 28
  29. 29. •A riqueza da arquitetura românica da região é também evidenciada pela diversidade de tipologias, expressa nos monumentos que compõem a Rota do Românico: mosteiros, igrejas, ermidas, pontes, torres e monumentos funerários. Igreja do Salvador de Unhão 29
  30. 30. Lista de Monumentos •Mosteiro de Pombeiro, Pombeiro •Igreja de São Vicente de Sousa, Felgueiras •Igreja do Salvador de Unhão, Felgueiras •Igreja de Santa Maria de Airães, Felgueiras •Igreja de São Mamede de Vila Verde, Felgueiras 30
  31. 31. •Torre de Vilar, Lousada •Igreja do Salvador de Aveleda, Lousada •Ponte de Vilela, Lousada •Igreja de Santa Maria (Meinedo), Lousada •Ponte de Espindo, Lousada 31
  32. 32. •Igreja de São Pedro de Ferreira, Paços de Ferreira •Igreja de São Pedro de Cete, Paredes •Ermida da Nossa Senhora do Vale, Paredes •Mosteiro de Paço de Sousa, Penafiel 32
  33. 33. •Memorial da Ermida, Penafiel •Igreja Matriz de Abragão, Penafiel •Igreja de São Gens de Boelhe, Penafiel •Igreja do Salvador de Cabeça Santa, Penafiel 33
  34. 34. •Marmoiral de Sobrado, Castelo de Paiva •Igreja de São Miguel de Entre-os-Rios, Penafiel •Torre do Castelo de Aguiar de Sousa, Paredes 34
  35. 35. Prémios •Prémio Turismo de Portugal 2009, na categoria "Requalificação de Projecto Público", na BTL 2010 – Feira Internacional de Turismo •Prémio no XXXV Troféu Internacional de Turismo, Hotelaria e Gastronomia, na Feira Internacional de Turismo - FITUR 2010 •Prémios Novo Norte – Boas Práticas de Desenvolvimento Regional, na categoria “Norte Civitas” •Medalha de Mérito Turístico, atribuída pelo Governo Português Igreja de São Mamede de Vila Verde, Felgueiras 35
  36. 36. Arquitetura Românica •A arquitetura românica é o estilo arquitectónico que surgiu na Europa no século X e evoluiu para o estilo gótico no fim do século XII. Ponte de Vilela, Lousada 36
  37. 37. •Caracteriza-se por construções austeras e robustas, com paredes grossas e minúsculas janelas, cuja principal função era resistir a ataques de exércitos inimigos. Sé Velha de Coimbra 37
  38. 38. 38 •As conquistas de Sancho de Navarra e Aragão, alargando o seu domínio, desimpediram o que viria a ser o famoso «caminho francês» para Santiago de Compostela, cuja célebre catedral (posteriormente reconstruída em 1705) é o mais acabado monumento peninsular da nova arquitectura românica, obedecendo ao padrão dos templos de peregrinação, como São Saturnino de Toulouse.
  39. 39. •O alçado do alta nave de Santiago inscreve os arcos redondos, o andor do trifório (Galeria estreita, no interior de uma igreja, por cima das arquivoltas das naves laterais e que apresenta geralmente três aberturas entre cada vão), e colunas adossadas à parede, donde arrancam os arcos torais da sua abóbada de berço 39
  40. 40. 40
  41. 41. •É ao longo da segunda metade do século XI e do início do século XII que uma série de transformações irá propiciar o aparecimento e a expansão do estilo românico. 41
  42. 42. •Uma maior estabilidade política é então acompanhada de um lento mas significativo crescimento demográfico. 42
  43. 43. •Simultaneamente desenvolvem-se, na Europa, dois fenómenos cruciais para a compreensão do aparecimento, do desenvolvimento e da expansão da arquitetura românica: o monaquismo e o culto das relíquias. Memorial da Ermida, Penafiel 43
  44. 44. •A fundação do Mosteiro de Cluny, na Borgonha, em 910, marca um ponto de viragem na história do monaquismo ocidental. Igreja do Salvador de Cabeça Santa, Penafiel 44
  45. 45. •O poder deste Mosteiro contribuiu para a consolidação de alguns princípios de unidade, que estão na base da linguagem artística comum à Europa de então, ou seja, a arte românica. Igreja de São Pedro de Cete, Paredes 45
  46. 46. •O culto das relíquias e as peregrinações são aspetos que ultrapassam o fenómeno religioso e devocional. Igreja de São Pedro de Ferreira, Paços de Ferreira 46
  47. 47. •Revelam-se fatores de intercâmbio e de partilha de conhecimento, transformando-se em motores da criação artística. Ponte de Espindo, Lousada 47
  48. 48. •Foi o fator religioso, mais do que qualquer outro, que contribuiu para a europeização e difusão dos elementos que permitem definir o conceito de românico, embora haja edificações de caráter profano, civil e militar, de grande importância no desenvolvimento e afirmação da arquitetura românica. Igreja do Salvador de Unhão 48
  49. 49. •O sistema construtivo que caracteriza a arquitetura românica começa a ser definido pouco antes dos meados do século XI. Igreja de São Pedro de Cete, Paredes 49
  50. 50. •É nas regiões da Borgonha, do Languedoc, do Auvergne e do sudoeste francês e nos reinos peninsulares de Navarra e de Castela, que reside a verdadeira originalidade da criação artística nesta época 50
  51. 51. •O estilo românico surge em Portugal no final do século XI, no âmbito de um fenómeno mais vasto de europeização da cultura, que trouxe para a Península Ibérica a reforma monástica clunicense e a liturgia romana. 51
  52. 52. •A chegada das ordens religiosas de Cluny, Cister, dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho e das Ordens Militares deve ser entendida no processo da Reconquista e da organização do território. 52
  53. 53. •A conquista de Coimbra aos mouros, em 1064, por Fernando Magno de Leão, deu uma maior segurança às regiões do Norte. Esta época é marcada por um crescimento demográfico, por uma muito mais densa ocupação do território e por um habitat mais estruturado. 53 Ponte de Vilela, Lousada
  54. 54. •A expansão da arquitetura românica, em Portugal, coincide com o reinado de D. Afonso Henriques. Foi nesta época que se iniciaram as obras das Sés de Lisboa, de Coimbra e do Porto e que se construiu o Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra. Igreja do Salvador de Unhão 54
  55. 55. •Sendo uma arquitetura predominantemente religiosa, o românico está muito relacionado com a organização eclesiástica diocesana e paroquial e com os mosteiros das várias ordens monásticas, fundados ou reconstruídos nos séculos XII e XIII. Igreja de São Pedro de Cete, Paredes 55
  56. 56. •Em Portugal a arquitetura românica concentra-se, essencialmente, no Noroeste e no Centro, sendo coeva do período em que se estrutura o seu habitat, com as freguesias e toda uma organização religiosa e vicinal de aldeamentos. 56
  57. 57. •A expansão do estilo românico não corresponde propriamente à Reconquista, mas antes à reorganização do território. As dioceses dividem-se em paróquias que têm, no Entre-Douro-e-Minho, uma rede muito densa. 57
  58. 58. Bibliografia •http://www.rotadoromanico.com/vPT/OfertaTuristica/OndeDormir/Paginas/OndeDormir.aspx?utm_source=google&utm_medium=cpc&utm_campaign=Brand-Search-PT •http://www.rotadoromanico.com/vPT/QuemSomos/ARotadoRomanico/Paginas/ARotadoRomanico.aspx •http://pt.wikipedia.org/wiki/Rota_do_Românico_do_Vale_do_Sousa •http://pt.wikipedia.org/wiki/Vale_do_Sousa •http://www.rotadoromanico.com/vPT/Monumentos/Introducao/Paginas/Introducao.aspx •http://pt.wikipedia.org/wiki/Arquitetura_românica •http://www.rotadoromanico.com/vPT/ORomanico/OqueeoRomanico/Paginas/OqueeoRomanico.aspx 58
  59. 59. AUTOR Artur Filipe dos Santos artursantosdocente@gmail.com artursantos.no.sapo.pt politicsandflags.wordpress.com •Artur Filipe dos Santos, Doutorado em Comunicação, Publicidade Relações Públicas e Protocolo, pela Universidade de Vigo, Galiza, Espanha, Professor Universitário, consultor e investigador em Comunicação Institucional e Património, Protocolista, Sociólogo. •Director Académico e Professor Titular na Universidade Sénior Contemporânea, professor convidado da Escola Superior de Saúde do Instituto Jean Piaget, membro da Direção do OIDECOM-Observatório Iberoamericano de Investigação e Desenvolvimento em Comunicação, membro da APEP-Associacao Portuguesa de Estudos de Protocolo. Membro do ICOMOS (International Counsil on Monuments and Sites), consultor da UNESCO para o Património Mundial, membro do Grupo de Investigação em Comunicação (ICOM-X1) da Faculdade de Ciências Sociais e da Comunicação da Universidade de Vigo, membro do Grupo de Investigação em Turismo e Comunicação da Universidade de Westminster. Orador e palestrante convidado em várias instituições de ensino superior. Formador em Networking e Sales Communication no Network Group +Negócio Portugal. 59
  60. 60. A Universidade Sénior Contemporânea Web: www.usc.no.sapo.pt Email: usc@sapo.pt Edições online: www.edicoesuscontemporanea.webnode.com •A Universidade Sénior Contemporânea é uma instituição vocacionada para a ocupação de tempos livres dos indivíduos que se sintam motivados para a aprendizagem constante de diversas matérias teóricas e práticas,adquirindo conhecimentos em múltiplas áreas, como línguas, ciências sociais, saúde, informática, internet, dança, teatro, entre outras, tendo ainda a oportunidade de participação em actividades como o Grupo de Teatro, Coro da USC, USC Web TV, conferências, colóquios, visitas de estudo. 60

×