José MarquesJosé Marques
da Silvada Silva (Arq.)(Arq.)
Do lado oriental da Praça de Almeida
Garrett, em terreno íngreme onde
outrora existira um convento de
freiras da ordem de ...
Concebida pelo arquiteto Marques
da Silva e alterada profundamente
alguns anos mais tarde, a primeira
pedra seria lançada ...
A sua inauguração
aconteceria passados
quinze anos, no dia 1 de
maio de 1915.
O sólido e grandioso vestíbulo
granítico é todo revestido por
sugestivos azulejos de temática
histórica e etnográfica,
pre...
A sua autoria deve-se ao ceramista
Jorge Colaço.O amplo friso policromo
apresenta, por ordem cronológica, os
sucessivos me...
Por baixo deste destacam-se quatro
composições historiadas: do lado
norte observam-se os painéis
referentes ao Torneio de ...
Do lado da gare, na parede fronteira,
foram colocados dois grandes
quadros alusivos à Procissão de
Nossa Senhora dos Reméd...
Em termos funcionais, a gare da
Estação de S. Bento, com oito linhas
cobertas por ampla estrutura
envidraçada, recebe os c...
O século XIX trouxe, porém, ao
território português uma outra
realidade. O lançamento de troços de
caminhos de ferro estre...
O século XIX trouxe, porém, ao
território português uma outra
realidade. O lançamento de troços de
caminhos de ferro estre...
É neste preciso contexto que se
insere a "Estação dos Caminhos de
Ferro de São Bento", localizada no
coração da cidade, na...
Erigido no século XVI para acolher o
convento das freiras beneditinas de
São Bento de Ave Maria, o edifício foi
sujeito a ...
Inaugurada em 1916, após a abertura
da Ponte D. Maria Pia, e optando-se
pela edificação de uma gare com oito
linhas termin...
Apresentando exteriormente linhas
arquitectónicas e gramática
decorativa de fundo neoclássico
tardio, bem como na própria
...
É, contudo, no átrio principal que se
encontrará a sua maior força artística.
Aí, os alçados encontram-se
totalmente decor...
Com efeito, e prosseguindo um
pouco a tradição iniciada por
Luís Ferreira (1807-?), Jorge
Colaço, já amplamente apreciado
...
Ficaria, porém, famoso ao imprimir
nesta arte um assumido gosto
historicista, algo tardo-romântico, que
perpassaria quase ...
Se Lisboa tinha uma Estação em
Pleno Rossio, não deveria também,
o Porto, segunda cidade do País,
ter uma estação assim ce...
Desde 1856 que Lisboa possuía
caminho-de-ferro, mas só em
1891 é que os comboios
chegaram ao Rossio, coração do
burgo «alf...
Os portuenses não se davam por
satisfeitos apenas com isto.
Desejavam uma ferrovia mais íntima,
no centro da cidade como a...
A obra seria dispendiosa dado que,
era preciso perfurar três grandes
obstáculos – o da quinta da China, o
do monte do Semi...
Em 8 de Julho de 1887, dois
vereadores da Câmara Municipal do
Porto, José Maria Ferreira e António
Júlio Machado, tomaram ...
O anteprojecto de uma estação
central de caminhos-de-ferro,
elaborado por Hippolyte de Baère,
“destinado a comunicar as di...
Hippolyte-Jean-Baptiste de Baère
nasceu a 3 de Novembro de 1844 em
Bruxelas. Era filho de Pierre-Jehan de
Baère e de Sophi...
Trabalhou em Lyon, Gant e Paris. Em
Portugal integrou a equipa de
engenheiros responsáveis pela
construção do caminho-de-f...
Foi incumbido pela Câmara
Municipal do Porto de proceder aos
estudos do projecto do ramal do
Caminho-de-Ferro para a Estaç...
Em 1893, Hippolyte de Baère
deslocou-se ao Brasil para a
construção de uma via-férrea em
Lindóia. Nesse país contraiu a fe...
Regressou a Portugal. Recebeu a
mercê honorífica de Cavaleiro da
Ordem Militar de Nossa Senhora da
Conceição de Vila Viços...
O anteprojecto do engenheiro belga,
ligado à Companhia dos Caminhos
de Ferro Portugueses da Beira Alta,
desde 1879 a 1882,...
Apenas conhecemos o original da
planta geral da gare que conjugada
com a planta corográfica e a memória
impressa, nos perm...
De facto, projecta, ainda, um edifício
“quase monumental” com uma
fachada com um alçado de 20 metros,
com 60 metros de com...
Em planta, verifica-se o avanço de um
corpo central, onde se situa um
grande vestíbulo público, de três
vãos na entrada, d...
Ao edifício seguia-se uma cobertura
metálica num só corpo, as três linhas
e dois cais para viajantes, visto que o
serviço ...
Foi Emídio Navarro, então ministro
das Obras Públicas, quem autorizou
por portaria de 18 de Janeiro de 1888,
o projecto da...
Para execução dos trabalhos foram
estes divididos em três troços:
O primeiro troço, das agulhas da
estação de Campanhã até...
Para execução dos trabalhos foram
estes divididos em três troços:
O primeiro troço, das agulhas da
estação de Campanhã até...
Tanto por dificuldade financeiras,
como ainda por se não ter chegado a
concluo entendimento quanto à
demolição a Igreja de...
E o Engenheiro Justino Teixeira
propôs, então, ao Ministro das obras
públicas fazer-se um estudo, tendo
em vista a explora...
Foram, portanto, construídos uns
barracões provisórios no local onde
mais tarde seria construído o edifício
definitivo. As...
Esta obra foi autorizada e construída,
por ajuste, pelo empreiteiro Campos
do Morais, pela quantia de 3.412$700
reis.
Os a...
A chegada do primeiro comboio a S.
Bento foi motivo de grande júbilo
para a cidade do Porto.
Uma multidão compacta se
acum...
O comboio inaugural era rebocado
pela locomotiva n.º 14, de nome
«Miragaia», que em cinco minutos
transpôs a linha chamada...
"O Arquitecto José Marques
da Silva e a Arquitectura no
Norte do País na primeira
metade do Séc. XX“
CARDOSO, António (199...
Tese de Mestrado
Autor/Produtor: Fernandes,
Ednilson Leandro Pina
Título: Os painéis de azulejo
da estação de S. Bento :
h...
O Porto dos Almadas
http://doportoenaoso.blogspot
.pt/2011/05/os-planos-para-o-
portodos-almadas-aos.html
AS FREGUESIAS doAS FREGUESIAS do
distrito do porto nasdistrito do porto nas
memóriasmemórias paroquiais deparoquiais de
...
A expAnsãoA expAnsão
(sub)urbAnA no porto(sub)urbAnA no porto
românticoromântico..
http://www.iscet.pt/siteshttp://www...
Subsídios para o estudoSubsídios para o estudo
da iconografia eda iconografia e
urbanismo da cidade dourbanismo da cidad...
Livraria Manuel dosLivraria Manuel dos
SAntosSAntos
http://www.livrariamanuhttp://www.livrariamanu
elsantos.com/ctemas...
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2

361 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
361
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História da cidade e dos monumentos portuenses estaçao de s. bento 2

  1. 1. José MarquesJosé Marques da Silvada Silva (Arq.)(Arq.)
  2. 2. Do lado oriental da Praça de Almeida Garrett, em terreno íngreme onde outrora existira um convento de freiras da ordem de S. Bento, situa-se a estação de caminho de ferro de S. Bento, que serve o centro da cidade do Porto.
  3. 3. Concebida pelo arquiteto Marques da Silva e alterada profundamente alguns anos mais tarde, a primeira pedra seria lançada em 1900, na presença do rei D. Carlos.
  4. 4. A sua inauguração aconteceria passados quinze anos, no dia 1 de maio de 1915.
  5. 5. O sólido e grandioso vestíbulo granítico é todo revestido por sugestivos azulejos de temática histórica e etnográfica, predominando o azul sobre fundo branco, nos grandes painéis parietais, enquanto os frisos superiores apresentam policromia - com predomínio dos tons verde, castanho, amarelo e escarlate.
  6. 6. A sua autoria deve-se ao ceramista Jorge Colaço.O amplo friso policromo apresenta, por ordem cronológica, os sucessivos meios de transporte usados pelo Homem até ao aparecimento do comboio.
  7. 7. Por baixo deste destacam-se quatro composições historiadas: do lado norte observam-se os painéis referentes ao Torneio de Arcos de Valdevez e o Cumprimento da Palavra de Egas Moniz; no lado oposto, podem ver-se os episódios referentes à Entrada Solene de D. João I no Porto com D. Filipa de Lencastre e, mais abaixo, a Conquista de Ceuta. Cumprimento da Palavra de Egas Moniz Conquista de Ceuta.
  8. 8. Do lado da gare, na parede fronteira, foram colocados dois grandes quadros alusivos à Procissão de Nossa Senhora dos Remédios de Lamego, e outro sobre a Romaria de S. Torcato de Guimarães. Outros painéis de menores dimensões preenchem os vãos de cantaria, tendo como motivos episódios rurais e populares portugueses.
  9. 9. Em termos funcionais, a gare da Estação de S. Bento, com oito linhas cobertas por ampla estrutura envidraçada, recebe os comboios pelo túnel das Fontaínhas, repartido em três bocas, sendo a central a de maiores dimensões.
  10. 10. O século XIX trouxe, porém, ao território português uma outra realidade. O lançamento de troços de caminhos de ferro estreitou paragens, gentes e culturas, num circuito mundial ditado pelos novos e crescentes interesses económicos.
  11. 11. O século XIX trouxe, porém, ao território português uma outra realidade. O lançamento de troços de caminhos de ferro estreitou paragens, gentes e culturas, num circuito mundial ditado pelos novos e crescentes interesses económicos.
  12. 12. É neste preciso contexto que se insere a "Estação dos Caminhos de Ferro de São Bento", localizada no coração da cidade, na Praça de Almeida Garrett.
  13. 13. Erigido no século XVI para acolher o convento das freiras beneditinas de São Bento de Ave Maria, o edifício foi sujeito a três tipos de intervenção, tendo D. Carlos I (1863- 1908) lançado a primeira pedra para o actual imóvel em 1900, numa altura em que o convento se apresentava bastante degradado, razão pela qual fora entretanto demolido, depois de ter sido destruído por um incêndio em 1783 e reconstruído no início do século seguinte.
  14. 14. Inaugurada em 1916, após a abertura da Ponte D. Maria Pia, e optando-se pela edificação de uma gare com oito linhas terminais e cinco cais de embarque, o seu risco foi entregue ao arquitecto portuense José Marques da Silva (1869-1947) .
  15. 15. Apresentando exteriormente linhas arquitectónicas e gramática decorativa de fundo neoclássico tardio, bem como na própria monumentalidade exibida, é provável que o facto de ter cursado em Paris explicite a forte influência exercida pela denominada arquitectura da École de Beaux Arts nalgumas das soluções estéticas observadas no imóvel..
  16. 16. É, contudo, no átrio principal que se encontrará a sua maior força artística. Aí, os alçados encontram-se totalmente decorados com cerca de vinte mil azulejos, executados a branco e azul pelo pintor Jorge Colaço (1864-1942), formado nos meios académicos parisienses (onde foi discípulo do mestre Cormon (1854-1924)), que os rodeou de um friso multicolor, onde se historia a viação.
  17. 17. Com efeito, e prosseguindo um pouco a tradição iniciada por Luís Ferreira (1807-?), Jorge Colaço, já amplamente apreciado pela sua obra pictórica, notabilizou-se também pela composição de grandes painéis azulejares.
  18. 18. Ficaria, porém, famoso ao imprimir nesta arte um assumido gosto historicista, algo tardo-romântico, que perpassaria quase todo o século XX, em boa parte devido à figuração preferencial de alguns dos episódios e personalidades considerados mais emblemáticos da nossa História, a par de elementos de fundo paisagístico e folclórico.
  19. 19. Se Lisboa tinha uma Estação em Pleno Rossio, não deveria também, o Porto, segunda cidade do País, ter uma estação assim central, como a da Capital?* *COUTINHO, António Rodrigues - A estação de Porto - S. Bento. Breve história dos seus primeiros vinte anos. 1896-1916. Boletim da CP. Porto. 448: Nº (1966) pág.7.
  20. 20. Desde 1856 que Lisboa possuía caminho-de-ferro, mas só em 1891 é que os comboios chegaram ao Rossio, coração do burgo «alfacinha». Por sua vez, a cidade Invicta tinha o caminho- de-ferro até Braga desde 21 de Maio de 1875 e a ligação para Gaia desde 5 de Novembro 1877. Mas partiam para um e para outro lado, da estação do Pinheiro de Campanhã, que então era uma espécie de arrabalde da cidade do Porto.
  21. 21. Os portuenses não se davam por satisfeitos apenas com isto. Desejavam uma ferrovia mais íntima, no centro da cidade como a de Lisboa, mais à mão, portanto. O ponto escolhido para o local dessa estação central foi a cerca do Mosteiro de Ave-Maria de S. Bento, junto à muralha fernandina, que naquele ponto tinha uma porta denominada dos Carros.
  22. 22. A obra seria dispendiosa dado que, era preciso perfurar três grandes obstáculos – o da quinta da China, o do monte do Seminário, e outro muito grande, sob a praça da Batalha.
  23. 23. Em 8 de Julho de 1887, dois vereadores da Câmara Municipal do Porto, José Maria Ferreira e António Júlio Machado, tomaram sobre si o interpretaram condignamente o entusiasmo popular e, então, encarregaram o Engenheiro Hippolyte de Baère (fig. 12) de estudar a ligação por via-férrea da estação do Pinheiro (Campanhã) até às proximidades da Praça D. Pedro (actual Praça da Liberdade).
  24. 24. O anteprojecto de uma estação central de caminhos-de-ferro, elaborado por Hippolyte de Baère, “destinado a comunicar as diferentes estações de caminho de ferro com o centro da cidade”, propondo que a Câmara o mandasse estudar pelo seu engenheiro para que, julgada a utilidade, se representasse ao Governo, após o exame de “pessoas técnicas” e do público.
  25. 25. Hippolyte-Jean-Baptiste de Baère nasceu a 3 de Novembro de 1844 em Bruxelas. Era filho de Pierre-Jehan de Baère e de Sophie-Justine Obyn de Werbrouck. Formou-se em Engenharia na sua cidade natal.
  26. 26. Trabalhou em Lyon, Gant e Paris. Em Portugal integrou a equipa de engenheiros responsáveis pela construção do caminho-de-ferro da Beira Alta. Fixou residência no nosso país com a sua esposa Jacqueline- Jenny Mouillera e os seus dois filhos mais velhos.
  27. 27. Foi incumbido pela Câmara Municipal do Porto de proceder aos estudos do projecto do ramal do Caminho-de-Ferro para a Estação Central do Porto que apresentou em 1887.
  28. 28. Em 1893, Hippolyte de Baère deslocou-se ao Brasil para a construção de uma via-férrea em Lindóia. Nesse país contraiu a febre- amarela, doença que o deixou incapacitado para o resto da vida.
  29. 29. Regressou a Portugal. Recebeu a mercê honorífica de Cavaleiro da Ordem Militar de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa (31 de Março de 1890). Hippolyte de Baère faleceu em 1924 na sua residência em Matosinhos, encontrando-se sepultado no jazigo de família do cemitério de Agramonte no Porto.
  30. 30. O anteprojecto do engenheiro belga, ligado à Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses da Beira Alta, desde 1879 a 1882, era composto de 12 peças desenhadas, com planta geral corográfica, planta do traçado, perfis, planta geral da gare, edifício, tipo de cais, corte transversal, galeria de entrada do túnel, secção do túnel e uma memória explicativa.
  31. 31. Apenas conhecemos o original da planta geral da gare que conjugada com a planta corográfica e a memória impressa, nos permite concluir que o espaço ocupado pela estação e suas dependências compreendia toda a extensão da cerca e dos edifícios do mosteiro de S. Bento de Ave- Maria, pertencente ao Estado, tomando por base desse estudo o Caminho de ferro do Norte, em Paris, quer dizer, dentro de um esquema funcional de gare terminus, de acesso frontal.
  32. 32. De facto, projecta, ainda, um edifício “quase monumental” com uma fachada com um alçado de 20 metros, com 60 metros de comprimento, sobre a Rua da Feira de São Bento.
  33. 33. Em planta, verifica-se o avanço de um corpo central, onde se situa um grande vestíbulo público, de três vãos na entrada, dando sobre as salas de espera, bilheteiras, telégrafos e correio (vestíbulo que mais tarde Marques da Silva retomará com maior fluidez sobre o cais), ladeado por dois corpos laterais onde se situam as salas de expedição e recepção das mercadorias, separadas da sala de bagagens.
  34. 34. Ao edifício seguia-se uma cobertura metálica num só corpo, as três linhas e dois cais para viajantes, visto que o serviço de mercadorias, estabelecido em expedição, ficava em linhas separadas à esquerda e à direita da dos viajantes.
  35. 35. Foi Emídio Navarro, então ministro das Obras Públicas, quem autorizou por portaria de 18 de Janeiro de 1888, o projecto da ligação de Campanhã com o centro da cidade, e para os trabalhos projectados foi feito o cálculo de 628.535$000 réis, verba esta que foi aprovada por portaria de 9 de Agosto de 1889.
  36. 36. Para execução dos trabalhos foram estes divididos em três troços: O primeiro troço, das agulhas da estação de Campanhã até ao perfil 22 do anteprojecto (fim do viaduto da Formiga); o segundo, desse ponto ao perfil 86 h + 17 metros (agulhas da estação Central do Porto); e o terceiro e último, das agulhas desta estação à frente do largo da Feira de S. Bento.
  37. 37. Para execução dos trabalhos foram estes divididos em três troços: O primeiro troço, das agulhas da estação de Campanhã até ao perfil 22 do anteprojecto (fim do viaduto da Formiga); o segundo, desse ponto ao perfil 86 h + 17 metros (agulhas da estação Central do Porto); e o terceiro e último, das agulhas desta estação à frente do largo da Feira de S. Bento.
  38. 38. Tanto por dificuldade financeiras, como ainda por se não ter chegado a concluo entendimento quanto à demolição a Igreja de S. Bento da Ave-Maria, os trabalhos haviam entrado numa fase de morosa realização.
  39. 39. E o Engenheiro Justino Teixeira propôs, então, ao Ministro das obras públicas fazer-se um estudo, tendo em vista a exploração provisória.30 Para este efeito, concluiu-se a boca do túnel (fig. 14) do lado da Rua da Madeira e construiu-se um barracão para instalar os Serviços.
  40. 40. Foram, portanto, construídos uns barracões provisórios no local onde mais tarde seria construído o edifício definitivo. As instalações provisórias comportavam espaço coberto para venda de bilhetes, despacho e recepção de bagagens, serviço telefónico e aduaneiro, entrada e saída de passageiros.
  41. 41. Esta obra foi autorizada e construída, por ajuste, pelo empreiteiro Campos do Morais, pela quantia de 3.412$700 reis. Os acabamentos não se puderam fazer até ao dia previsto para a inauguração, e esta foi adiada para o dia 7 de Novembro do mesmo ano.
  42. 42. A chegada do primeiro comboio a S. Bento foi motivo de grande júbilo para a cidade do Porto. Uma multidão compacta se acumulava na rua da Madeira, na praça de almeida Garrett, nas imediações, e sobretudo no recinto da estação provisória. O dia 7 de Novembro de 1896 marcava para a população citadina como um grande acontecimento.
  43. 43. O comboio inaugural era rebocado pela locomotiva n.º 14, de nome «Miragaia», que em cinco minutos transpôs a linha chamada Urbana do Porto, para silvar, vitoriosamente, junto da igreja barroca de Ave-Maria de S. Bento, ainda então erecta.
  44. 44. "O Arquitecto José Marques da Silva e a Arquitectura no Norte do País na primeira metade do Séc. XX“ CARDOSO, António (1997)
  45. 45. Tese de Mestrado Autor/Produtor: Fernandes, Ednilson Leandro Pina Título: Os painéis de azulejo da estação de S. Bento : história, contexto e iconografiaEditor: Porto : [Edição do Autor]Data: 2010 http://repositorio- aberto.up.pt/handle/10216/55 773
  46. 46. O Porto dos Almadas http://doportoenaoso.blogspot .pt/2011/05/os-planos-para-o- portodos-almadas-aos.html
  47. 47. AS FREGUESIAS doAS FREGUESIAS do distrito do porto nasdistrito do porto nas memóriasmemórias paroquiais deparoquiais de 17581758 http://repositorium.sduhttp://repositorium.sdu m.uminho.pt/bitstream/1m.uminho.pt/bitstream/1 822/11886/1/PORTO%2822/11886/1/PORTO%2 0Livro%20das%20Mem0Livro%20das%20Mem %20Paroq.pdf%20Paroq.pdf
  48. 48. A expAnsãoA expAnsão (sub)urbAnA no porto(sub)urbAnA no porto românticoromântico.. http://www.iscet.pt/siteshttp://www.iscet.pt/sites /default/files/PercursosI/default/files/PercursosI deias/N3_4/Revista2011deias/N3_4/Revista2011 2012Tur_0.pdf2012Tur_0.pdf
  49. 49. Subsídios para o estudoSubsídios para o estudo da iconografia eda iconografia e urbanismo da cidade dourbanismo da cidade do PortoPorto http://ler.letras.up.pt/uphttp://ler.letras.up.pt/up loads/ficheiros/6537.pdfloads/ficheiros/6537.pdf
  50. 50. Livraria Manuel dosLivraria Manuel dos SAntosSAntos http://www.livrariamanuhttp://www.livrariamanu elsantos.com/ctemasgp.elsantos.com/ctemasgp. htmhtm

×