O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Retórica da acção urbana

573 visualizações

Publicada em

Mário Caeiro (Lisboa, PT) - Retórica da acção urbana

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Retórica da acção urbana

  1. 1. 1.ª Conferência Online de Urbanismo Táctico Retórica da arte na cidade Mário Caeiro LIDA / Portugal
  2. 2. Ponto de partida   Obra  Arte  na  Cidade  –  História  Contemporânea  (Temas  e  Debates  /  Círculo  de  Leitores,  2014)     Experiência  de  curadoria  de  arte  contemporânea  no  espaço  público                      
  3. 3. Mote   Arte  Pública     na  perspectiva  de  uma  retórica  total     do  espaço  urbano,  da  esfera  pública     e  do  horizonte  cultural    
  4. 4.            
  5. 5.  
  6. 6. Premissas   Ideias-­‐chave  recolhidas  na  leitura     a)  da  cidade  (em  si)  –  numa  vertente  contemporânea  das  derivas   dos  flâneurs  baudelaireano  e  situacionistas.  A  ideia  central  é  a  de   que  a  cidade  é  um  texto  que  se  sente,  lê  e  vive.  
  7. 7.  
  8. 8. b)   dos   autores   que   se   dedicam   à   cidade   –   na   prática,   da   teoria   crítica  que  se  interessa  pela  cidade     Hoje   já   uma   paisagem   conceptual   propriamente   definida   pelas   ideias  sobre  a  cidade  de  Benjamin  a  Jacobs,  Argan,  Latour,  Rancière,   Agamben,   Miles,   Rendell,   Nawratek…   cada   autor-­‐cidadão   tem   a   responsabilidade  de  escolher  o  seu  ‘mar’  e  nele  navegar  ‘a  gosto’  –   escolher   a   sua   ‘onda’   –   em   função   da   oportunidade   dos   mais   diversos  mecanismos  conceptuais.        
  9. 9. c)  dos  autores  que  a  partir  de  outros   campos   do   conhecimento   podemos   convocar   para   a   reflexão   sobre   a   condição   urbana   –   da   filosofia   ao   marketing   ou   ao   placebranding,   passando   pela   teoria   dos  sistemas…  de  Sloterdijk  a  Agamben,  de  Foucault  a  Capra…              
  10. 10.       Esta  atitude  genealógica  dá  sentido     à  investigação  táctica.  Ela  informa  as   nossas  tácticas  individuais  e  colectivas   face  aos  desafios  da  comunicação  e  da   mediação  urbanas.    
  11. 11.  
  12. 12.        
  13. 13. Uma gramática [generativa] de experiências artísticas   Arte  Pública.  Arte  Urbana.  Arte  pela  cidade  afora…  É  a  partir  destas   ‘imagens’  do  urbano,  que  tenho  vindo  a  estudar  enquanto  acções   retóricas,  que  reflicto  sobre  como  os  experimentos  de  uma  certa   arte  da  cidade  são  fundamentais  para  conferirmos  às  urgências  do   urbanismo   táctico   um   sentido   cultural-­‐   e   socialmente   mais   profundo.     Será   que   algumas   imagens   dessas   intervenções  urbanas   falam   por   si?      
  14. 14.  
  15. 15.  
  16. 16. Ideias para um urbanismo táctico   Estas   obras   mostram   que   estamos   num   tempo   da   acção.   É   a   responsabilidade   de   cada   geração.   E   as   desta   geração   são   monumentais.  Estamos  a  sair  da  filosofia  e  a  entrar  na  retórica.   Uma   retórica   necessariamente   total   e   naturalmente   comunitária  –  ou,  se  quisermos,  desenvolvida  em  torno  dos  valores   da  comunidade.     Isto   não   significa   abdicar   de   quem,   no   plano   da   teoria,   cria   laços   analíticos   e   reflexivos   com   o   real,   ou   de   quem   faz   acontecer   na   dimensão  ‘estritamente’  política,  mas  implica  valorizar   as   acções   comunicativas   humanas   a   partir   de   noções   como   a   de   cidade   enquanto  sistema  cultural.  Tal  criatividade  situada  –  a  arte  como   comunicação   social   –   tem   de   entrar   nas   equações   que   avaliam   a   nossa  performática  colectiva.  
  17. 17.  
  18. 18. Parto  do  princípio  de  que  a  cidade  ‘fala  uma  fala’  –  e  o  fascinante   nas  cidades  é  a  forma  como  são  naturalmente  resilientes  à  própria   globalização   que   no   entanto,   por   sua   vez,   também   elas   promovem,   num  movimento  de  certa  forma  paradoxal.     Para  manter  o  debate  ao  nível  retórico  –  isto  é,  do  falarmos  uns   com   os   outros   sobre   o   que   vale   a   pena   discutir   –,   proponho   que   olhemos   para   as   intervenções   urbanas   mais   criativas   e   inovadoras  do  ponto  de  vista  de  uma  análise  do  que  significam,  ou   melhor,  do  seu  sentido.        
  19. 19.  
  20. 20. Lugar da arte   Proponho  que  olhemos  a  cidade  –  o  meio  urbano  –  como  um  lugar   onde  somos  convocados  para  deliberar  –  também  sobre  a  forma  de   acções  estéticas  e  artísticas,  que  co-­‐enunciamos  –  sobre  o  passado,   o  presente  e  o  futuro  comuns.     A  noção  da  vida  urbana  como  uma  ‘obra  de  arte  total’  –  uma  ideia   patente  em  Richard  Wagner  –  surge  assim  portanto  estranhamente   actual.  Mas  tal  ideia  não  pode  ser  apropriada  do  ponto  de  vista  de   desenharmos  à  exaustão  o  meio  (mesmo  que  em  contraponto  crítico   de   fenómenos   como   a   design   urbano   gentrificador)   mas   de   algo   mais  básico  e  atómico:  apreciarmos  a  cidade  como  essa  ‘primeira   natureza’  de  que  fazemos  inevitavelmente  parte.  Participarmos  na   criação   urbana   a   vários   níveis   e   nas   várias   dimensões   do   quotidiano.  
  21. 21.  
  22. 22. A questão de que arte   Aí,   a   cultura   urbana   não   pode   abdicar   de   repensar   as   acções   de   comunicação  urbana  propriamente  ditas.  Defendo  então  que  as  de   uma  ‘arte  da  cidade’  são  particularmente  retóricas,  mas  não  reifico   essa   arte   da   cidade   em   absoluto,   pois   a   qualquer   momento   uma   qualquer  inovação  tecnológica  ou  social  pode  ‘virar  por  completo  a   mesa’,   e   colocar-­‐nos   problemas   específicos   para   os   quais   não   tenhamos  ferramentas  úteis.       Na  prática,  isto  significa  ler  em  contínuo  os  sinais  da  cidade  a  partir   dos  sinais  da  sua  ocupação.  A  tradição  do  Espaço  Público  levantou   com   toda   a   pertinência   questões   de   como   ocupar   o   espaço   mais   comummente,   mas   numa   era   em   que   muito   do   que   é   decidido   é   obscuro  e  porventura  incontornável,  como  agir  em  ponto  crítico?      
  23. 23.  
  24. 24. Uma  atitude  possível  é  neste  momento  fazer  da  táctica  urbanística   uma  lição  ética,  isto  é,  apelar  à  racionalidade  e  à  emotividade  que   restam  em  cada  cidadão  para  ‘tocar  um  nervo’  social  que,  a  morrer   definitivamente,  nos  conduziria  para  um  plano  de  alienação  inédito.     Aí,  todas  as  formas  de  estarmos  juntos,  de  pensarmos  juntos,  mas   também  todas  as  dromologias  pessoais  que  pudermos  promover,   são   úteis   para   problematizarmos   intuitivamente   a   pseud-­‐ urbanidade  que  está  a  caracterizar  o  sistema  urbano  a  nível  global.      
  25. 25.                                  
  26. 26. Quanto  à  questão  específica  dos  media,  a  arte   pública  crítica  é  ainda  um  reduto  de  resistência,   pois  uma  boa  imagem  artística  –  mesmo  quando   contravisual,  isto  é,  funcionando  como  um  conceito   resiliente  à  lógica  do  espectáculo  –  vale  mais  do   que  mil  palavras.  
  27. 27.  
  28. 28. Aforismos urbanos   Pelas  ‘imagens’  que  vou  apresentando  –  obras  de  arte  que  implicam   processos     exemplares   –   percebemos   que   questão   da   táctica   –   lembremo-­‐nos  de  Lefebvre  –  é  portanto  um  ‘pau  de  dois  bicos’.  Por   um   lado,   sim,   permite   que   ao   criarmos   aforismos   urbanos,   ponhamos   as   pessoas   a   pensar,   por   outro   pode   funcionar   apenas   como  uma  cirurgia  de  urgência  que  não  ‘salva’  o  paciente.     Aí  a  táctica  tem  de  ter  uma  relação  dialéctica  profunda  com  a   estratégia,  que  quanto  a  mim  se  joga  no  plano  de  um  investimento   afectivo  nas  ideias  e  nas  imagens  de  futuro.     Neste  quadro,  proponho  a  metáfora  do  horizonte.      
  29. 29.    
  30. 30. Horizonte cultural   A   táctica   tem   portanto   de   desenvolver   um   relação   oblíqua   –   não   óbvia  nem  directa  –  com  o  que  a  religião  ou  a  política  nos  legaram,   bem   como   com   o   que   a   ideologia   –   algumas…   –   ainda   prometem.   Podemos  vivar  sem  promessas  de  futuro?     A   própria   diversidade   dos   backgrounds   contextuais   de   cada   experiência  vai  criando  a  possibilidade  de  as  experiências  da  arte   urbana  –  venham  elas  dos  campos  do  activismo  ou  da  gentrificação,   ou   de   outro   qualquer!   –   poderem   assegurar   uma   importante   componente  de  experiência  de  um  discurso  total  do  meio  urbano.  O   mesmo   pode   aspirar   ao   ‘acto   único’   ou   à   longa   duração;   preferir   provocar   ou   actuar   cirúrgica-­‐   e   urgentemente…   todos   os   mecanismos  funcionam  como  produção  de  cidade  e  prática  da  vida   urbana.  
  31. 31.  
  32. 32.     A  arte  vai  assim  criando  o  público     da  cidade.      
  33. 33. Criar um público   Na  forma  urbana  que  é  conquistada  como  coisa  comum.        
  34. 34.  
  35. 35.  
  36. 36. Urbanismo táctico   Um   urbanismo   táctico   é   portanto   o   fazer-­‐se   cidade   pragmaticamente   –   afirmando   paradoxalmente   a   cidade   que   existe  em  nome  daquela  que  aí  vem.  Jogando  entre  os  planos  do   símbolo  e  do  dispositivo.     Mas   temos   de   estrar   prontos,   continuamente   para   mudar   de   linguagem,  de  meios,  de  lugares,  recorrendo  ao  ‘melhor  computador   que   temos   –   o   cérebro   –   para   ‘fintar’   o   destino   tecno-­‐científico   (Stiegler)  em  que  parecemos  mergulhados.  Há  uma   economia   do   desejo  –  ainda  Stiegler  –  por  cumprir.      
  37. 37.  
  38. 38. Cidadania   Cada  vez  mais,  a  cidadania  seria  isto  –  começar  por  ler  na  cidade  os   autores,  e  ler  a  cidade  nos  autores    e  avançar  para  a  celebração  da   Festa   Urbana.   Peço   desculpa   pelo   aparente   entusiasmo,   mas   cada   um  tem  o  seu  horizonte  motivador  e  o  meu  é  o  da  Graça  do  Social.     Não   vejo   aqui   nenhum   recuo   lírico   no   sentido   de   que   a   poesia   salvará   a   humanidade…   apenas   vejo   que   ao   nível   da   táctica   de   certos   artistas   e   sobretudo   de   certos   processos   colectivos   de   conquista  dos  territórios  –  e  não  apenas  físicos  –,  esses  são  actos   poéticos  por  excelência,  porque  viram  a  cidade  existente  contra  os   seus  fantasmas.     O  passado,  a  memória,  a  comunidade,  o  futuro…    
  39. 39.  
  40. 40. Para além da vida quotidiana   Há  portanto  eventos  –  acontecimentos  –  que  elevam  o  quotidiano   e  que  por  aí  o  tornam  em  algo  sobre  o  qual  vale  a  pena  falar.     Em  conclusão,  o  engajamento  activista,  colectivismos  vários,  críticas   pela   direita   ou   pela   esquerda   às   ilusões   do   modernismo,     a   cidadania  artística,  tudo  é  bem  vindo  à  festa  da  cidade.  Agora,  ou  se   traduzem   em   mecanicidades   partilháveis   –   como   a   desta   Conferência   –   ou   perdemo-­‐nos   num   mar   de   possibilidades   a   que,   não   sendo   conferida   nenhuma   monumentalidade,   faltará   poder   de  síntese.      
  41. 41.  
  42. 42.             A  alguma  arte  da  vida  urbana,  ou  funciona  como   dispositivo,  isto  é,  interface  social,  ou  a  cidade     se  pode  transformar  em  mero  museu  de  reacções   epidérmicas  ou    ‘monos’  estéticos.     E/ou  epifenómenos.  
  43. 43.      
  44. 44. Conclusão   Há   uma   genealogia   da   arte   pública   crítica   que   vai   de   Beuys   a   Christo,   Wodiczko   ou   Francis   Alys.   Sempre   foi   caracterizada   pela   pulsão   de   associar   a   táctica   à   estratégia   (a   da   afirmação   de   si   própria).  Hoje,  é  altura  de  procurar  honrar  esse  legado  através  da   sugestão  de  novas  nuances  do/no  dispositivo  urbano.       No  plano  da  cidade  vivida,  o  táctico  está  a  conseguir  mudar  a  nossa   própria   capacidade   de   pensar   as   estratégias.   A   questão   do   clima   seria  um  exemplo,  assim  como  a  da  Alimentação.       Alguma   arte   é   especialmente   retórica   –   e   persuasiva   –   na   enunciação  das  questões  e,  ao  mesmo  tempo,  no  elencar  e  activar   de  soluções  de  vida.    
  45. 45.  
  46. 46.     Precisamos  de  uma  arte  pública   eficaz  e  simultaneamente,  subtil.   Radical  e  motivadora  na   afirmação  do  seu  potencial  de   sentido.        
  47. 47.  
  48. 48. Resta   saber   com   que   capacidade   afectiva   usamos   e   criamos   dispositivos  de  participação,  e  em  que  medida  a  cultura  tem  um   papel   radicalmente   fundador   na   problematização   dos   dispositivos  que  nos  cercam.       Mas   lá   está:   é   na   loucura   que   a   criação   aporta   à   cidade   que   se   encontra   um   reduto   de   energia   comunicacional   que   jamais   um   qualquer  manifesto,  ou  programa,  conseguirão  capturar  ou  superar.      
  49. 49.    
  50. 50.  
  51. 51.   Porque   a   arte   fala   no   seu   momento   próprio   –   enquanto  apropriação  plástica  do  contexto,  com   cada  um  de  nós  que  ali  está  para  vê-­‐la,  percebê-­‐la  e   por   vezes   senti-­‐la.   É   uma   batalha   em   que,   nas   palavras   de   Joseph   Beuys,   o   ‘autor’   da   escultura   social,  todos  somos  artistas.    
  52. 52.  
  53. 53. Em  suma,  começamos     uma   conferência   sobre   urbanismo   táctico  a  falar  de  arte.     Que  é  que  isso  significa?     E  que  podemos  fazer  para  que     o  sentido  da  arte  seja  aquele     que  tacticamente  nos  interessa?          
  54. 54. Artistas-autores das obras apresentadas   Joachim  Slugocki&Katarzyna  Malejka   Rachel  Whiteread   Cartsne  Höller   Erwin  Wurm   Anónimo  (Arles)   Vhils   Miguel  Faro   Jaume  Plensa   Nele  Azevedo   Claire  Fontaine   Mel  Jordan  &  Andt  Hewitt   Guerrilla  Lighting   Moov+Miguel  Faro   Camila  Cañeque   José  Maçãs  de  Carvalho   Royale  de  Luxe   Gabriele  Seifert   Maurizio  Cattelan   Alexandre  A.  R.  Costa   Santiago  Reyes   Anish  Kapoor  
  55. 55. Les  Sapprophytres   Joana  Vasconcelos   Daniela  Brasil   Paul  Notzold   Stefan  Kornacki   Hetpakt   Nuno  Maya  &  Carole  Purnelle   Dominik  Lejman   Frida  Escobedo   Jana  Matejkova   Hermenilde  Hergenhahn  (2)   Rui  Chafes   Hugo  Soares  e  João  Gigante                  
  56. 56. Obrigado.                                     Escola  Superior  de  Artes  e  Design  de  Caldas  da  Rainha  /  Instituto  Politécnico  de  Leiria   LIDA  –  Laboratório  de  Investigação  em  Design  e  Artes     04.12.2015    

×