A felicidade é uma vantagem competitiva

279 visualizações

Publicada em

Texto para Resumo

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
279
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A felicidade é uma vantagem competitiva

  1. 1. “Texto exclusivo para que você, cada vez mais, aperfeiçoe seu aprendizado”.A felicidade é uma vantagem competitivaRoberto ShinyashikiCertamente seus últimos dias têm sido superatarefados, problemas para resolver, relatórios,apresentações, visitas. Quando alguém ousa falar perto de você em “felicidade”, certamentea sua pergunta é: “Como dá para ser feliz num mundo cheio de pressão?”.É preciso perceber que felicidade e sucesso não são acontecimentos antagônicos, mas simcomplementares. Para que um aconteça é necessário que o outro também esteja presente.Como o sol e a lua, o dia e a noite, a inspiração e a expiração.Uma pessoa feliz vai conseguir realizar suas metas profissionais e atingir seus objetivos. Eisso a tornará ainda mais feliz.A felicidade é o sucesso da alma e o sucesso é a felicidade da realização> Não há queescolher entre um ou outro, mas, sim encontrar uma maneira de unir os dois.Por certo, uma pessoa feliz vai conseguir realizar suas metas profissionais e atingir seusobjetivos. E esse sucesso torna as pessoas mais felizes com suas vidas. É como nasrelações afetivas, nas quais o amor e a paixão precisam ser integrados para que estasperdurem e sejam sempre renovadas, proporcionando às pessoas envolvidas um sentido derealização e sucesso afetivo.Muitos afirmam que a felicidade não existe ou não passa de um sonho, um conceitoapregoado por visionários. Muita gente também relaciona o envelhecer a umempobrecimento dos sonhos. Quando se é jovem sonha-se em construir uma carreira queajude as pessoas e transforme a vida e o mundo. Porém, quando se chega aos 40 anos,tudo que quer é ganhar dinheiro e pagar as contas no final do mês. Essas pessoas dizemque essa é a realidade e assim é a vida. Não é obrigatoriamente assim. Por certo será sehouver uma crença apostando nesta ótica. Se alguém pensar que a felicidade não existe, éexatamente isso que vai acontecer.Se o que importa é ter sucesso e ser feliz ao mesmo tempo.No livro Competindo pelo Futuro Hamel e C.K. Prahalad defendem a importância de cuidarda nossa empresa. Mas vão além. Eles pregam a necessidade de recriar todo o nosso setorde atuação através da observação e que a competição não tradicional é hoje responsávelpela destruição da maioria das empresas e das profissões.Quando, na década de 70, os computadores entraram no mercado com maior força, donosde escolas de datilografias apostaram que, por terem um preço alto e destinarem-se a umaelite, as novas máquinas não representavam ameaça ao seu negócio. Sua preocupação eraem desqualificar os computadores. Se preocuparam apenas com a concorrência entre asescolas de datilografia. Como resultado maioria daquelas escolas faliu, dando espaço aoscursos de informática, criados por novos empresários do mundo da educação.A tecnologia está disponível a um número muito maior de pessoas e faz com que tudopossa ser do conhecimento de quase todos_sejam produtos, serviços ou informações.Na atual condição da alta competitividade, a falta de tecnologia define quem está fora dacompetição. Mas não garante que uma companhia aérea é boa apenas porque possuigrandes aviões. É preciso ter também excelentes serviços de manutenção e informações,por exemplo, além de ter bons equipamentos.Nessa nova ótica, fica claro que apenas o dinheiro ou tecnologia não são mais suficientes.As empresas campeãs vendem produtos e serviços. Mas também entregam a felicidade 1
  2. 2. como bônus, em vez de darem aos seus clientes a angústia da incerteza sobre a qualidadeou a confiabilidade ainda tão comum.Dessa forma, neste mundo atual, a felicidade passa a ser uma vantagem competitiva. Ocliente deve sentir que está comprando mais do que um bom equipamento para cópiaxerográfica ou um hambúrguer. Relacionamento, suporte técnico, clima alegre e tranqüilodão ao produto ou serviço adquiridos um valor especial.O mercado de trabalho hoje diminuiu as oportunidades para os profissionais, masespecialmente para aqueles não capacitados esta “Era do Caos”. O profissional para vencerneste tempo precisa gostar de adrenalina, de desafios. E isso não significa que deva haverum estímulo para retomar uma postura de “dar o sangue” para a empresa. O que ocorre éuma necessidade de evolução daquele profissional tradicional. Na falta dessa evolução, nãoapenas sua carreia, mas toda a sua vida acaba parada.Atualmente, acomodar-se por um ano é muito mais perigoso do que foi faze-lo por 10 anosno começo deste século, até porque a velocidade desta Era do Caos era inimaginável háapenas 20 anos.Perdedores são pessoas hábeis em reclamar, acusar culpados e dar desculpas, o que sófaz aumentar os seus problemas. Falam principalmente de outros perdedores e comparamos maus resultados deles ao seu próprio desempenho fraco.Os campeões estão sempre olhando para cima e criando o futuro. Olham e vêem quemestá tendo bons resultados, quem está dando certo. Por isso, essas pessoas são, cada vezmais, pessoas de sucesso.Se olharmos as pessoas felizes, se procurarmos aprender com a vida delas, vamosencontrar essencialmente quatro pilares da felicidade.Eu os classifico assim:1) Competência: Ela se baseia em três habilidades: treino, estudo e continuidade. Tudo emque somos competentes é resultado de muito treino. Treinamos até as competênciasnegativas. Os hipocondríacos, por exemplo, lêem bula de remédio e tudo o mais queaparecer sobre doenças. Eles também conversam e pensam sobre doenças o tempo todo.As pessoas depressivas têm muito treino em observar, comentar, valorizar fatos negativos.Tudo na vida é resultado de treino. Se você é um grande cirurgião, você treinou arduamentepara isso.Quando eu era menino assistia aos treinos do time do Santos. Ficava espantado de ver oPelé treinando mais tempo que os outros e pensava: para quê, se ele já é o melhor domundo? Tempos depois, eu descobri que ele era o melhor do mundo porque treinava maisdo que os outros.O estudo é o segundo pilar da competência. É fundamental para que a gente não gastetempo inventando a roda ou repetindo os erros dos outros. Muitos alunos e freqüentadoresdas minhas palestras me perguntam: por que eu não consigo estudar? Eu sempre digo:você não consegue estudar porque, no fundo, você é orgulhoso. Não consegue achar quealguém pode ensinar algo que você não sabe. As pessoas felizes têm a humildade deprocurar aprender com os outros, para ganhar tempo, evita erros que os outros jácometeram. O sucesso não é construído das 9h às 18h. Ele é construído à noite, quandovocê se permite estudar, pesquisar mais que os outros.O sucesso não é construído durante o expediente. Ele é construído à noite, quando você sepermite estudar mais do que os outros.A competência também requer continuidade. Quem consegue ser bom todos os dias, depoisde um tempo fica ótimo. Muitos processos de treinamento não dão resultado porque falta acontinuidade. Metade dos programas de qualidade total no Brasil é abordada nos primeiros 2
  3. 3. seis meses pela mesma causa. Lembre-se de tantos regimes alimentares que as pessoasinterrompem tratamentos, cursos de inglês, de violão, projetos de vida suspensos. Aspessoas competentes concluem a trajetória que se propuseram a cumprir.2) Reciprocidade: Os campões criam vitórias para todos. Criam espaço para as pessoascrescerem, criam oportunidades. Se você tem um restaurante e não cria oportunidade paraseu maitre crescer, ele acaba abrindo um restaurante em frente ao seu. Os campeõesconseguem ver além dos seus interesses pessoais, de sua vontade pessoal. Osprofissionais fadados ao fracasso conseguem olhar para o seu próprio espaço, para a suaprópria vitória.3) Realização: Antigamente querer era poder. As pessoas que desejavam, que queriammuito uma coisa, conseguiam dar saltos em suas vidas. Hoje é preciso entender que algumacoisa mudou: fazer é poder.As pessoas de sucesso, felizes, são as que conseguem implantar o que desejam, ir até ofinal.São as que se propõem a um projeto e realizam, se propõem a pedir desculpas para alguéme pedem, se propõem, a construir um novo relacionamento com os filhos e fazem isso. Nãoadie as ações importantes da sua vida. Faça. A maior parte das pessoas que não realiza oque quer, apenas sonha em realizar. Não consegue dar certo porque está fazendo umacoisa com a cabeça em outra. As pessoas eu dão certo na vida, que são felizes, resolvemsuas dificuldades e tomam atitudes concretas diante delas.4) Sentido: As grandes vitórias são criadas por quem vê significado em suas luta. A guerrado Vetnã é um velho exemplo disso. De um lado o exército americano todo aparelhado,sendo derrotado por um grupo de pessoas famintas mas enormemente mais motivado. Osvietcongues tinham clareza do sentido daquela guerra para eles e para seus filhos. Osentido maior é a força motriz para superar as dificuldades do dia-a-dia. Quem cumpre osimples ato de pegar seu carro e ir para o trabalho como um gesto mecânico e vazio, nãoolha para além do cotidiano. Se você sabe por que está fazendo o que tem que fazer, seráum vencedor. Para que as dificuldades tornem-se menores, a disposição é maior, o brilhonos olhos está mais presente.. 3

×