O compromisso com a tarefa

24.410 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual, Tecnologia
3 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
24.410
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10.408
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
674
Comentários
3
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O compromisso com a tarefa

  1. 1. “ Doutrina Espírita, na essência, é universidade de redenção.” - Emmanuel
  2. 2. Observando imagens... Tarefas...
  3. 3. Obrigado pela maravilhosa oportunidade!
  4. 4. Acho que não vou hoje...
  5. 5. Vencemos mais uma etapa.!!!!!!
  6. 6. Estou apavorada!!!!!!!!
  7. 7. Liberdade!!!!!!
  8. 8. Só eu trabalho, onde estão os outros?
  9. 9. O trabalho é lei da Natureza, por isso mesmo que constitui uma necessidade, e a civilização obriga o homem a trabalhar mais, porque lhe aumenta as necessidades e os gozos. L.E. 674 (...)Toda ocupação útil é trabalho. L. E. 675
  10. 10. Etapas do Espiritismo <ul><li>“ Podemos distinguir, na propagação do Espiritismo, quatro fases ou períodos distintos: </li></ul><ul><li>1º O da curiosidade , no qual os Espíritos Batedores hão desempenhado o papel principal para chamar a atenção e preparar os caminhos.” </li></ul><ul><li>“ 2º O da observação , qual entramos, e que podemos chamar também de período filosófico . O Espiritismo é aprofundado e se depura, tendendo à unidade de doutrina e constituindo-se em Ciência.” </li></ul><ul><li>“ Virão em seguida:” </li></ul>
  11. 11. <ul><li>“ 3º O período de admissão , no qual o Espiritismo ocupará uma posição oficial entre as crenças oficialmente reconhecidas. </li></ul><ul><li>4º O período da influência sobre a ordem social . A Humanidade, então sob a influência dessas idéias, entrará num novo caminho moral. Desde hoje essa influência é individual; mais tarde agirá sobre as massas, para a felicidade geral.” </li></ul><ul><li>(Propagação do Espiritismo – R.E., setembro de 1858) </li></ul>
  12. 12. <ul><li>“ A finalidade do Espiritismo é tornar melhor aqueles que o compreendem . Esforcemos-nos por dar o exemplo e mostremos que, para nós, a doutrina não é uma letra morta. Numa palavra, sejamos dignos dos Bons Espíritos, se quisermos que eles nos assistam. O bem é uma couraça contra a qual virão quebra-se as armas da malevolência.” </li></ul><ul><li>(R. E., julho de 1859) </li></ul>Finalidade do Espiritismo
  13. 13. “ É, pois, no seu melhoramento individual que todo Espírita sincero deve trabalhar, antes de tudo, só aquele que dominou suas más inclinações aproveitou realmente o Espiritismo e receberá a sua recompensa. Allan Kardec (Revista Espírita, agosto de 1865 - texto: O que ensina o Espiritismo)
  14. 14. <ul><li>“ Espiritismo revivendo o Cristianismo – eis a nossa responsabilidade .” </li></ul><ul><li>“ Não basta a fé para vencer. É preciso que a fidelidade aos compromissos assumidos se nos instale por chama inextinguível na própria alma.”- Emmanuel </li></ul><ul><li>(Religião dos Espíritos) </li></ul>A nossa responsabilidade
  15. 15. <ul><li>“ Acima de tudo, cultuemos as bases codificadas por Allan Kardec , sob a chancela do Senhor, assinalando-nos as vidas renovadas, no rumo do Bem Eterno.” – Emmanuel </li></ul><ul><li>(Religião dos Espíritos) </li></ul>Com Kardec
  16. 16. <ul><li> “ Seja qual for a profissão em que te situes, vives convidado a enobrecê-la com o selo de tua fé, moldada nos valores humanos, porquanto, na responsabilidade espírita , toda ação no bem precisa ultrapassar o dever para que o ato de servir se converta em amor .” </li></ul><ul><li>– Emmanuel </li></ul><ul><li>(Seara dos Médiuns) </li></ul>Servir como?
  17. 17. “ Cada criatura nasce na crosta terrestre para enriquecer-se através do serviço à coletividade. Sacrificar-se é superar-se .” – Gúbio (André Luiz, Libertação)
  18. 18. <ul><li> “ Não se encastela simplesmente em notoriedade de qualquer natureza. </li></ul><ul><li>Não depende unicamente de argúcia ou sagacidade. </li></ul><ul><li>Nem é fruto da erudição pretensiosa. </li></ul><ul><li>A chefia durável pertence aos que se ausentam de si mesmos, buscando os semelhantes para servi-los...” </li></ul><ul><li>– Emmanuel </li></ul><ul><li>(O Espírito da Verdade) </li></ul>A Liderança com Jesus
  19. 19. <ul><li>“ Organizamos [na espiritualidade] turmas compactas de aprendizes para a reencarnação. (...) Saem milhares de mensageiros aptos para o serviço, mas são muito raro os que triunfam. Alguns conseguem execução parcial da tarefa, outros muito fracassam de todo. Médiuns e doutrinadores costumam transformar-se em instrumentos inúteis. Raros triunfam .” – Tobias </li></ul><ul><li>(Os Mensageiros) </li></ul>Planejamento Espiritual
  20. 20. <ul><li>“ Os Espíritos Puros desempenham missões gloriosas: contudo, embora as imperfeições que ainda nos assinalam, todos temos função pessoal e intransferível nas engrenagens do mundo.” </li></ul><ul><li>“ Não alegues impedimento, nem desertes da atividade que a vida te reservou.” </li></ul><ul><li>“ Importa, acima de tudo, fazer bem o que se deve fazer .” –Emmanuel </li></ul><ul><li>(Justiça Divina) </li></ul>Tarefas
  21. 21. <ul><li>“ A missão do Consolador tem que se verificar junto das almas e não ao lado das gloriolas efêmeras dos triunfos materiais. Esclarecendo o erro religioso , onde quer que se encontre, e revelando a verdadeira luz , pelos atos e pelos ensinamentos , o espiritista sincero , enriquecendo os valores da fé, representa o operário da regeneração do Templo do Senhor , onde os homens se agrupam em vários departamentos, ante altares diversos, mas onde existe um só Mestre , que é Jesus-Cristo.”–Emmanuel </li></ul><ul><li>(O Consolador) </li></ul>A Missão do Consolador
  22. 22. VOLUNTARIADO Trabalho Voluntário na Casa Espírita Para além das boas intenções...
  23. 23. Ué, não foi hoje? Não, hoje vou folgar, afinal...sou apenas voluntária!
  24. 24. Nosso objetivo é propor uma reflexão a respeito do que é ser um Trabalhador Voluntário, tendo em vista o voluntariado ser o alicerce de nosso trabalho dentro das Casas Espíritas. Tudo isso visando aprimorar nosso trabalho para que possamos servir com alegria, com amor, mas, acima de tudo com consciência!
  25. 25. Trabalho, Solidariedade e Tolerância.
  26. 26. ESPIRITIZAR - tornar realmente espírita a pessoa que atua na Instituição, que vem à Casa Espírita para que saia da postura de adepto, passe à de militante e se tome membro, portanto, espírita; assim desenvolvendo a atividade que acha bela nos outros e de que se beneficia. QUALIFICAR - buscar a qualificação espírita saber, realmente, o que é Espiritismo; esforçar-nos, para poder adquirir a consciência espírita, e claro, procurar melhorar as qualidades morais, sociais, familiares, as funcionais e as de trabalhador da Casa Espírita Joana de Angelis
  27. 27. HUMANIZAR - a pessoa que se espiritiza, conscientiza-se da Doutrina, qualifica-se, mas se não possui sentimento de humanidade, que é a caridade iluminando o humanitarismo e o humanismo; se não tem esse ideal de ajudar, de oferecer-se, de despersonalizar-se, no sentido de se libertar do ego dominador para poder dedicar-se, não será possível servir com amor. Joana de Angelis
  28. 28. QUESTIONAMENTOS <ul><li>Porque escolhi ser voluntário no HEPA? </li></ul><ul><li>Tenho características pessoais que me habilitam a ser voluntário aqui? </li></ul><ul><li>Quais são os meus motivadores? </li></ul>
  29. 29. O TRABALHO VOLUNTÁRIO E O TRABALHADOR Regulamentação no Brasil – 19 de fevereiro 1998 – Lei nº 9.608/98 No seu artigo 1º, define trabalho voluntário como “a atividade não remunerada prestada por pessoa física a entidade pública de qualquer natureza, ou a instituição privada de fins não lucrativos, que tenham objetivos cívicos, culturais, educacionais, científicos, recreativos ou de assistência social” . O parágrafo único do artigo citado diz que: “ o serviço voluntário não gera vínculo empregatício nem obrigação de natureza trabalhista, previdenciária ou afim” .
  30. 30. ALGUMAS DEFINIÇÕES “ Voluntário é toda pessoa ou organização que, motivada pelos valores de participação e solidariedade, disponibiliza seu tempo, vontade e talento, de maneira espontânea e não remunerada, para causas de interesse social e comunitário”. (ONG Parceiros Voluntários) Voluntário é toda pessoa que, devido ao seu interesse pessoal, dedica parte do seu tempo, sem remuneração alguma, a diversas formas de atividade, organizadas ou não, de bem estar social ou em outros campos”. (ONU)
  31. 31. HABILIDADES NECESSÁRIAS AO TRABALHADOR VOLUNTÁRIO Ação em equipe Mobilização e liderança Flexibilidade Desenvolvimento lúdico Capacidade comunicativa Alteridade Alcance de objetivos com recursos reduzidos
  32. 32. MOTIVAÇÕES PARA SER VOLUNTÁRIO <ul><li>O que deseja o voluntário? </li></ul><ul><ul><ul><li>prazer pessoal </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>autopromoção </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>espírito de iniciativa </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>preencher algum vazio existencial </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>experiência que lhe falta na vida profissional </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>solidariedade </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>gratidão por algo recebido </li></ul></ul></ul>
  33. 33. CARACTERÍSTICAS DA AÇÃO VOLUNTÁRIA <ul><ul><li>Profissionalismo </li></ul></ul><ul><ul><li>Altruísmo </li></ul></ul><ul><ul><li>Comprometimento </li></ul></ul><ul><ul><li>Destinação ao Outro </li></ul></ul><ul><ul><li>Articulação com uma organização (ou com uma rede de pessoas autônomas) </li></ul></ul>
  34. 34. Afinal sou um voluntário livre, não sou?
  35. 35. VANTAGENS DO TRABALHO VOLUNTÁRIO <ul><ul><li>Propicia um sentido para a vida </li></ul></ul><ul><ul><li>Torna mais produtiva a atividade profissional que desempenhamos </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumenta a rede social e conseqüentemente a qualidade de vida </li></ul></ul>
  36. 36. “ O trabalho voluntário organizado prevê o estabelecimento de um investimento duradouro, de longo prazo, pois a priori, as pessoas não são voluntárias (profissionais) em si. A instituição que as acolhe tem que transformá-las em voluntários, aprimorando e desenvolvendo seu impulso solidário para transformá-lo em compromisso” ( Corullón,1996)
  37. 37. O voluntário, em linhas gerais, precisa comprometer-se com a causa da entidade em que vai voluntariar; trabalhar buscando evidenciar os resultados de seu trabalho, disponibilizar-se a um compromisso que não faria quando quisesse e que realizaria com profissionalismo.
  38. 38. Responsabilidade da Casa Espírita em relação aos seus Voluntários <ul><li>Desenvolver cursos que formem o trabalhador de forma eficiente e eficaz; </li></ul><ul><li>Propiciar um ambiente de credibilidade,confiança e boa comunicação interna, dentro dos princípios doutrinários; </li></ul><ul><li>Dar a conhecer a direção a ser seguida pela Casa Espírita (planejamentos estratégicos, normatizações das tarefas, regramentos); </li></ul><ul><li>Dar autonomia, dentro das normas e regras estabelecidas para cada tarefa; </li></ul><ul><li>Conscientizar os voluntários de que ser um trabalhador voluntário espírita não é obrigação, é realização. </li></ul>
  39. 39. Segundo Regly (2005), em seu artigo “Voluntário: adjetivo ou substantivo?” aquela pessoa que se propõe ao voluntariado, não esta lá para ser amado, ou admirado, pois neste caso já se perderia em seu narcisismo. Também não esta lá para dar piedade, caridade ou fazer favores, pois já chegaria com uma imagem totalmente distorcida da magnitude e dignidade do outro. Sua missão é ser ético, encarando o outro como Sujeito de sua existência. Seu compromisso, mesmo que não formado em áreas específicas é com o aperfeiçoamento e a fundamentação de sua atuação, caso contrário será narcisista, carente e inconseqüente .
  40. 40. REFERÊNCIAS BION, W.R. Experiências com Grupos. Imago: Rio de Janeiro, 1975. CORULLÓN, M. Trabalho Voluntário, Comunidade Solidária. São Paulo, out/1996. GRINGBERG, L.; SOR, D.; BIANCHEDI, E.T. Introdução às Idéias de Bion. Imago: Rio de Janeiro, 1973. OLIVEIRA, Alkíndar.O Trabalho Voluntário na Casa Espírita.São Paulo: Petit.2001. PINHEIRO, L.R. Filantropia Empresarial e Trabalho Voluntário: interação e conflito na gestão do voluntariado. In: O&S. v.9, n.23, Janeiro/abril – 2002. p.115-128. REGLY, V. Voluntário: adjetivo ou substantivo? Consulta no endereço eletrônico: http//www.portaldovoluntario.com.Br/artigos em 25/04/2005. TEODÓSIO, A. S. S. Mitos do Voluntariado no Brasil: para além das boas intenções. In: Integração – a revista eletrônica do terceiro setor. Consulta no endereço eletrônico: http//integração.fgvsp.Br/ano7/05/administrando.htm em 05/04/2005.  
  41. 41. Nosso compromisso com a tarefa na visão dos Espíritos Superiores.
  42. 42. A Fé se não tiver obras é morta em si mesma. (Tiago 2:17) “ Portanto meus amados irmãos, sede firmes, inabaláveis, e sempre abundantes na obra do Senhor,sabendo que, no Senhor, o vosso trabalho não é vão.” Paulo,I Corintios ‘15:3 9
  43. 43. Responsabilidade: Cada criatura nasce na crosta terrestre para enriquecer-se através do serviço à coletividade. Sacrificar-se é superar-se.” – Gúbio (André Luiz, Libertação)
  44. 44. Tem cuidado na tarefa que o Senhor te confiou. Vai e serve. Faze o bem , em silêncio. Foge às referências pessoais e aprendamos a cumprir, de coração, a vontade de Deus. Do Opúsculo – Compromisso e Responsabilidade com a Tarefa Espírita – FEB – Espíritos Diversos
  45. 45. Toda atividade edificante reclama entendimento. Não basta multiplicar as promessas ou pedir variadas tarefas ao mesmo tempo. Antes de tudo, é indispensável receber a ordenação do Senhor, cada dia, e executá-la do melhor modo. Do Opúsculo – Compromisso e Responsabilidade com a Tarefa Espírita – FEB – Espíritos Diversos
  46. 46. As portas da colaboração com o divino amor, porém, permanecem constantemente abertas e qualquer homem de mediana razão pode identificar a chamada para o serviço divino. Trabalho Solidariedade e Tolerância . Do Opúsculo – Compromisso e Responsabilidade com a Tarefa Espírita – FEB – Espíritos Diversos
  47. 47. Ajudemos a ignorância com o esclarecimento fraterno. (...) já é tempo de cooperarmos fielmente com Deus, no desempenho de nossa tarefa humilde. Façamos a luz onde a treva domine. Do Opúsculo – Compromisso e Responsabilidade com a Tarefa Espírita – FEB – Espíritos Diversos
  48. 48. <ul><li>“ Ide, pois, e levai a palavra divina (...) Arme-se a vossa falange de decisão e coragem ! Mãos à obra! o arado está pronto; a terra espera; arai! “ </li></ul>Erasto
  49. 49. <ul><li>“ Recordemos, na palavra de Jesus, que ‘casa dividida rui’; todavia ninguém pode arrebentar um feixe de varas que se agregam numa união de forças.” </li></ul>Bezerra de Menezes
  50. 50. <ul><li>“ Dez homens unidos por um pensamento comum são mais fortes do que cem que não se entendam.” </li></ul>Allan Kardec
  51. 51. <ul><li>“ Solidários, seremos união . Separados uns dos outros, seremos pontos de vista. </li></ul><ul><li>Juntos , alcançaremos a realização de nossos propósitos.” </li></ul>Bezerra de Menezes
  52. 52. <ul><li>“ Demo-nos as mãos e ajudemo-nos; esqueçamos as opiniões contraditórias (...) confiando no tempo , que é o grande enxugador de lágrimas e a tudo corrige.” </li></ul>Bezerra de Menezes (Livro Aos Espíritas p. 35)
  53. 53. <ul><li>“ Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros .” </li></ul>Jesus
  54. 54. “ Tomai, pois, por divisa estas duas palavras: devotamento e abnegação , e sereis fortes, porque elas resumem todos os deveres que a caridade e a humildade vos impõem.” O Espírito de Verdade
  55. 55. “ Não aguardemos que os instrutores desencarnados retornem ao corpo físico para realizar a tarefa que compete aos homens executar.” Francisco Spinelli (Livro Aos Espíritas. p. 57)
  56. 56. Allan Kardec “ O verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza.”
  57. 57. Joanna de Ângelis (Livro Aos Espíritas. p. 162) “ A fidelidade a um ideal exige o sacrifício do idealista.”
  58. 58. Joanna de Ângelis (Livro Aos Espíritas. p. 163.) (...) doa-te mais e confia, de modo que, num certo amanhecer da tua vida, possas encontrar o Mestre, que te indagará.
  59. 59. Joanna de Ângelis (Livro Aos Espíritas. p. 163.) - Donde vens, meu filho? E possas responder , em júbilo: - Do mundo, Senhor, onde dei a vida com os Teus discípulos por amor de Ti.

×