Va...
Resumo	  	  	              Este	   Relatório	   refere-­‐se	   à	   Pesquisa	   Valores	   e	   projetos	   de	   jovens	 ...
I.	  Estrutura	  metodológica	  da	  pesquisa	  Survey	  -­‐	  Amostra	  e	  procedimentos	  	  	             Como	   anun...
Como	   forma	   de	   diferenciar	   os	   jovens	   comprometidos	   com	   ações	   de	   ética	   e	   de	  cidadania,...
respostas:	  não	  tem	  importância	  (1);	  pouco	  importante	  (2);	  moderadamente	  importante	  (3);	  muito	  impo...
objetivo	   de	   vida	   a	   longo	  prazo,	  que	   tem	   a	  característica	  de	  conferir	   motivação	  aos	  dema...
Gráfico	  1	  –	  Objetivos	  de	  vida	                                                                                  ...
        Buscando	  identificar	  diferenças	  entre	  os	  objetivos	  de	  vida	  daqueles	  jovens	  engajados	  ou	   n...
de	  significados	  de	  vida	  encontradas	  por	  DeVogler	  &	  Ebersole,	  1980;	  e	  Reker	  &	  Wong,	  1988.	  Ess...
empate	  na	  valoração	  dos	  jovens	  em	  termos	  de	  orientação	  dos	  projetos	  vitais:	  self-­‐oriented	  e	  ...
encontradas	   associações	   estatisticamente	   significante	   entre	   cada	   uma	   das	   escalas	   e	   o	  compr...
           Novamente,	   embora	   as	   diferenças	   nas	   médias	   encontradas	   não	   sejam	   grandes,	   3,8	  c...
problemas;	   Minhas	   atividades	   diárias,	   muitas	   vezes,	   me	   parecem	   comuns	   e	   sem	  importância;	 ...
 	          Os	   próximos	   dois	   dados	   que	   serão	   discutidos	   e	   apresentados	   buscam	   investigar	   ...
        Gráfico	  6	  –	  Engajamento	  em	  atividades	                                                                  ...
f)	  SWLS	  –	  Escala	  de	  Satisfação	  com	  a	  Vida	  	  	          Como	   última	   análise	   feita	   a	   parti...
        Seguindo	   a	   maioria	   dos	   resultados	   apresentados	   até	   aqui,	   encontramos	   uma	  pequena	  te...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relatorio Projetos de Vida - Ensino Medio

1.144 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.144
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatorio Projetos de Vida - Ensino Medio

  1. 1.           Valores e projetos de jovens brasileiros: um estudo de psicologia, educação e cidadania                                                               Relatório  de  pesquisa            Responsável:  Prof.  Dr.  Ulisses  Ferreira  de  Araújo         São  Paulo,  Abril  de  2012         1
  2. 2. Resumo       Este   Relatório   refere-­‐se   à   Pesquisa   Valores   e   projetos   de   jovens   brasileiros:   um  estudo   de   psicologia,   educação   e   cidadania,   parte   integrante   de   Bolsa   de   Produtividade   em  Pesquisa  do  CNPq  –  Conselho  Nacional  de  Desenvolvimento  Científico  e  Tecnológico.     Esta   pesquisa   estudou   os   valores   e   os   projetos   vitais   (purpose)   de   jovens   que  dedicam  uma  boa  parte  de  sua  vida  e  de  seu  tempo  em  prol  de  ações  de  transformação  do  mundo  e  em  direção  a  projetos  eticamente  desejáveis,  visando  trazer  indícios  importantes  para   a   compreensão   sobre   a   influência   que   os   projetos/purpose   têm   na   construção   de  identidades   morais   e   para   as   ações   que   envolvem   transformações   sociais.   Em   contraposição  estudou,   também,   os   mesmos   aspectos   em   sujeitos   que   adotam   outros   parâmetros   na  organização   de   sua   vida   pessoal   e   social,   afastados   de   preocupações   coletivas   e   mais  direcionados  à  satisfação  de  seus  interesses  e  necessidades  pessoais.     Dentre  os  objetivos  propostos,  destacamos:       • Identificar  os  valores  e  os  projetos  (purposes)  de  jovens  brasileiros.       • Identificar   possíveis   diferenças   entre   os   projetos   de   vida   (purposes)   daqueles   jovens   comprometidos   com   ações   de   ética   e   de   cidadania,   de   transformações   sociais,   e   daqueles  jovens  sem  este  tipo  de  envolvimento  social.    Método  e  amostra       A   coleta   de   dados   constou   da   aplicação   de   um   Survey,   eletrônico,   sobre   valores   e  projetos   de   vida   (purpose)   da   juventude.   Foram   entrevistados   1.030   jovens   estudantes   de  ensino   médio,   situados   entre   15   e   18   anos   de   idade,   moradores   de   diferentes   regiões  brasileiras,   e   com   diferentes   formas   de   comprometimento   em   projetos   e   ações   de  transformação  social.  Esses  jovens  viviam  nas  cinco  regiões  geopolíticas  do  Brasil,  moradores  de   dois   tipos   de   municípios   (cidades   médias   do   interior   e   em   metrópoles   regionais).   Os  dados  foram  coletados  em:  Belém  -­‐  PA  e  Macapa  -­‐  AP  (Região  Norte),  Fortaleza  -­‐  CE  e  Sobral  -­‐  CE  (Nordeste),  Goiânia  –  GO  e  Dourados  -­‐  MS  (Centro  Oeste),  São  Paulo  –  SP  e  Rio  Claro  -­‐  SP  (Sudeste)  e  Curitiba  –  PR  e  Ponta  Grossa  -­‐  PR  (Sul).        Análise  dos  dados    O  Survey,  além  de  identificar  os  jovens  engajados  semanalmente  em  atividades  comunitárias  e  sociais,  foi  analisado  por  meio  de  escalas  reconhecidas  internacionalmente  e  que  tratam  das   temáticas   que   sustentam   a   pesquisa:   Identified   Purpose   Scale;   Life   Goals   Scale;   MLQ   -­‐  Meaning   in   Life   Questionaire;   SWLS   -­‐   Satisfaction   With   Life   Scale;   RYFF’S   Purpose   In   Life  Scale.         2
  3. 3. I.  Estrutura  metodológica  da  pesquisa  Survey  -­‐  Amostra  e  procedimentos       Como   anunciado,   propôs-­‐se   inicialmente   como   objetivos   específicos   da   pesquisa  “Valores  e  projetos  vitais  de  jovens  brasileiros”  a  identificação  de  valores  e  projetos  de  vida  (purpose)   de   jovens   brasileiros,   bem   como   a   identificação   de   possíveis   diferenças   entre   os  projetos   de   vida   (purposes)   daqueles   jovens   comprometidos   com   ações   de   ética   e   de  cidadania,   de   transformações   sociais,   e   daqueles   jovens   sem   este   tipo   de   envolvimento  social.   Para   definir   a   amostra   total   da   pesquisa,     e   seguindo   o   critério   de  proporcionalidade   regional   para   atingir   uma   semelhança   com   a   população   útil   de  estudantes,  buscamos  dados  no  PNAD  2007  (Pesquisa  Nacional  por  Amostra  de  Domicílios)  do   IBGE,   para   identificar   a   proporção   aproximada   da   população   do   Brasil   em   cada   região  geopolítica  para,  com  isso,  definir  a  amostra  não-­‐probabilística  para  cada  região:  Quadro  1  –  Distribuição  da  amostra     REGIÃO Cidades   Percentual  de   Numero  de  sujeitos  da   população    jovem   amostra estudantil   Norte Belém  e  Macapá   7% 70 Nordeste Fortaleza  e  Sobral   20% 200 Centro-­‐Oeste Goiânia  e  Dourados   9% 100 Sudeste São  Paulo  e  Rio  Claro   47% 480 Sul Curitiba  e  Ponta  Grossa   17% 180 Total   100% 1.030   A  amostra  de  cada  região  foi  dividida  pela  metade  em  cada  tipo  de  cidade:  50%  de  metrópoles  regionais  e  50%  de  cidades  do  interior,  capitais  regionais.   As   mulheres   apresentaram   maior   disponibilidade   a   responder   ao   Survey.   Assim,   a  distribuição  da  amostra  total  por  Gênero  ficou  da  seguinte  forma:  Quadro  2  –  Distribuição  da  amostra  por  Gênero     Gênero     Numero  de  sujeitos   Percentual   Feminino   494   48%   Masculino   536   52%  Total   1030   100%   3
  4. 4. Como   forma   de   diferenciar   os   jovens   comprometidos   com   ações   de   ética   e   de  cidadania,  de  transformações  sociais,    daqueles  jovens  sem  este  tipo  de  envolvimento  social,  foi   aplicado   um   questionário   inicial   que   buscava   tal   comprometimento   em   diversos  domínios.   Numa   escala   de   Likert,   haviam   5   alternativas   para   cada   uma   das   categorias   de  comprometimento:   Nunca   (1);   Quase   nunca   (2);   às   vezes   (3);   Semanalmente   (4);  Diariamente   (5).   Foi   considerado   “socialmente   comprometido”   o   jovem   que   declarou  participar   de   atividades   comunitárias     e   sociais   pelo   menos   uma   vez   por   semana   ou  diariamente   nas   seguintes   atividades:     Organização   de   atividades   que   arrecadam   dinheiro  para   o   bairro/comunidade;   Dar   aula,   ou   ensinar   coisas   que   sabe,   para   outras   pessoas;  Trabalho  como  voluntário  (sem  receber)  com  crianças  do  bairro;  Trabalho  como  voluntário  (sem   receber)   em   grupos   que   ajudam   pessoas   passando   necessidades;   Trabalho   como  voluntário  (sem  receber)  em  associações  como  ONGs,  igreja/templo  ou  outras  instituições.     Dessa  maneira,  a  amostra  da  pesquisa  ficou  assim  distribuída:    Quadro  3  –  Comprometimento  e  engajamento  social   Comprometimento   Numero  de  sujeitos   Percentual   Não   788   76%   Sim   242   24%  Total   1030   100%       O   Survey,   além   de   identificar   os     jovens   engajados   semanalmente   em   atividades  comunitárias   e   sociais,   baseou-­‐se   em   modelo   criado   pelo   Stanford   Center   on   Adolescence  para   o   Youth   Purpose   Project,   coordenado   pelo   Prof.   William   Damon.   Além   de   perguntas  específicas   formuladas   pelos   pesquisadores   brasileiros,   a   grande   maioria   das   mais   de   200  questões   advinham   de   escalas   reconhecidas   internacionalmente   e   que   tratam   das   temáticas  que  sustentam  a  pesquisa:  Life  Goals  Scale;  Identified  Purpose  Scale;  MLQ  -­‐  Meaning  in  Life  Questionaire;  SWLS  -­‐  Satisfaction  With  Life  Scale;  RYFF’S  Purpose  In  Life  Scale.     Em   relação   a   essas   escalas,   no   segundo   tipo   de   análise   feita,   os   estudantes   foram  agrupados   em   dois   grupos   segundo   os   valores   médios   obtidos,   definidos   segundo   a  importância  que  davam  aos  objetivos  em  cada  item  das  escalas:  a)  maior  ou  igual  a  3,5;  b)  menor   que   3,5.   Para   se   chegar   nessa   média,   em   cada   questão,   o   sujeito   escolhia   as   4
  5. 5. respostas:  não  tem  importância  (1);  pouco  importante  (2);  moderadamente  importante  (3);  muito  importante  (4);  extremamente  importante  (5).  Obteve-­‐se  as  médias  das  respostas  das  questões  que  compõem  cada  categoria.     A  associação  entre  Engajamento  social  e  cada  categoria  nas  escalas  mencionadas  foi  feita  pelo  teste  do  qui-­‐quadrado.  O  programa  estatístico  utilizado  foi  o  Stata  11.0,  e  o  nível  de  significância  adotado  foi  de  5%  (p  <  0,05).     A   coleta   de   dados   foi   realizada   eletronicamente,   por   meio   de   ferramenta  disponibilizada   na   internet   pela   empresa   “surveymonkey”   (www.surveymonkey.com).   Com  apoio   de   docentes   das   escolas   e   um   pesquisador   de   nossa   equipe,   os   estudantes   eram  convidados,  em  nível  voluntário,  a  um  laboratório  de  computação,  onde  dava-­‐se  acesso  ao  link  do  Survey,  dando  o  tempo  necessário  para  que  respondessem  ao  mesmo.       As  análises  foram  feitas  utilizando    o  programa  estatístico  Stata  11.0.        II.  Resultados  da  pesquisa       Apresentaremos,  a  seguir,  os  dados  principais  das  escalas  empregadas  para  auxiliar  a  identificar   os   valores   e   projetos   de   vida   (purpose)   de   jovens   brasileiros,   e   para   identificar  possíveis   diferenças   entre   os   projetos   de   vida   (purposes)   daqueles   jovens   comprometidos  com  ações  de  ética  e  de  cidadania,  de  transformações  sociais,  e  daqueles  jovens  sem  este  tipo   de   envolvimento   social,   que   são   os   dois   primeiros   objetivos   desta   pesquisa.   Pela  enorme   quantidade   e   complexidade   dos   dados,   e   limitação   de   espaço   neste   relatório,  apenas  alguns  dados  serão  demonstrados,  ficando  as  análises  mais  completas,  com  análises  estatísticas  mais  complexas,  para  as  publicações  decorrentes  desta  pesquisa.     Destaca-­‐se   que   em   nenhuma   das   escalas   aplicadas   encontrou-­‐se   diferenças  significativas  na  variável  Gênero  e,  por  isso,  tais  dados  não  serão  apresentados.    a)  Objetivos  de  Vida    (Life  Goals)         Os   objetivos   de   vida,   que   se   confundem   com   projeto   de   vida   em   nossa   terminologia,    são   um   importante   aspecto   do   projeto   vital,   pois   considera-­‐se   que   o   projeto   vital   é   um   5
  6. 6. objetivo   de   vida   a   longo  prazo,  que   tem   a  característica  de  conferir   motivação  aos  demais  aspectos   da   existência     e   sentido   para   os   esforços   realizados   no   cotidiano   (DAMON,   2009;  BUNDICK,   2009).     Assim,   utilizando-­‐se   do   instrumento   de   pesquisa   criado   por   Robert   e  Robins   (2000),   a   primeira   escala   empregada   buscou   compreender   quais   são   os   principais  objetivos  de  vida  dos    participantes  da  pesquisa.       Seguindo   os   princípios   da   Life   Goals   Scale,   de   Robert   e   Robins   (2000),     composta   por  16   alternativas   de   objetivos   de   vida,   as   análises   foram   feitas   considerando   as   seguintes  categorias   de   objetivos   de   vida:   econômicos,   estéticos,   hedonistas,   políticos,   pró-­‐sociais,  relacionais  e  religiosos.     Os  resultados  encontrados  foram:      Tabela  1  –  Life  Goals  –  Resultados  gerais   Categoria  de   N   Média   Desvio  Padrão   Objetivos  de  Vida  Econômicos   983   4.0   .7756  Estéticos   1017   2.9   1.3928  Pró-­‐sociais   1008   3.5   .8909  Relacionais   991   4.2   . 6952  Hedonistas   985   4.00   . 7298  Religiosos   1008   3.6   1.177  Políticos   1011   2.3   .9896       Salienta-­‐se   que   neste   item   do   Survey   numa   escala   de   Likert,   haviam   5   alternativas  para   cada   uma   das   categorias   de   projetos   de   vida:   Não   tem   importância   (1);   Pouco  importante   (2);   Moderadamente   importante   (3);   Muito   importante   (4);   Extremamente  importante  (5).  Assim,  a  média  foi  calculada  a  partir  dessas  variáveis.         O   gráfico,   a   seguir,   ajuda   a   visualizar   os   resultados   gerais   deste   item,   por   ordem  decrescente  da  média  encontrada:           6
  7. 7. Gráfico  1  –  Objetivos  de  vida       Percebe-­‐se  que  os  objetivos  de  vida  relacionais,  como  aqueles  vinculados  à    família  e  ter  filhos,  receberam  a  maior  média  por  parte  dos  sujeitos  da  pesquisa,  com  um  baixo  desvio  padrão,   denotando   que   houve   pouca   variação   nessa   categoria   de   objetivo   de   vida.     Na  sequência,   encontramos   objetivos   hedonistas,   como   ter   uma   vida   cheia   de   emoções   ou  divertir-­‐me.,  empatado  com  objetivos  econômicos,    seguidos  das  categorias  de  objetivos  de  vida  religiosos,  pró-­‐sociais,  estéticos  e  políticos.  Chama  atenção  como  os  objetivos  de  vida  políticos  levam,  de  longe,  o  menor  índice  de  valoração,  com  baixo  desvio  padrão.  Gráfico  2  –  Objetivos  de  vida  e  engajamento  social     7
  8. 8.   Buscando  identificar  diferenças  entre  os  objetivos  de  vida  daqueles  jovens  engajados  ou   não   em   ações   de   ética   e   de   cidadania,   encontramos   uma   maior   tendência   dos   jovens  engajados   socialmente   em   atribuir   maior   valoração   em   objetivos   de   vida   de   natureza   social,  como:  pró-­‐social,  religiosos  e  políticos.     No   segundo   tipo   de   análise   feita,   associando   Engajamento   social   (ou   não)   com   a  escala  de  Objetivos  de  Vida,  os  seguintes  dados  foram  encontrados:       Tabela  2  -­‐  Categoria  de  Objetivos  de  Vida   Comprometimento Categoria  de  Objetivos   social de  Vida Sim Não p % Econômicos   77,8   79,6   0,574   Estéticos   43,5   32,6   0,002   Pró-­‐sociais   72,2   55,4   <0,001   Políticos   27,9   13,1   <0,001   Relacionais   85,2   84,8   0,864   Hedonistas   71,6   78,8   0,023   Religiosos   71,8   57,0   <0,001           Como  análise  geral,  encontramos  na  amostra  com  jovens    brasileiros  estudantes  de  ensino   médio   que   o   engajamento   social   está   positivamente   associado   com   as   categorias:  Estético,   Pró-­‐social,   Políticos   e   Religiosos.   Assim,   a   proporção   de   estudantes     com   valores  médios   maiores   ou   igual   a   3,5   em   cada   uma   dessas   categorias   é   maior   naqueles   que   têm  comprometimento  social.  Como  no  gráfico  anterior,  chama  atenção  que  as  categorias  Pró-­‐social,   Políticos   e   Religiosos   alem   de   positivamente   associadas   a   engajamento   social,  apresentaram  maior  variação  nas  medias  de  valoração  quando  comparados  aos  sujeitos  sem  engajamento  social.      b)  Identificação/Orientação  de  Projetos  Vitais    (identified  Purpose)       O  grupo  do  Stanford  Center  on  Adolescence  (Moran,  Bundick,  Malin  and  Reilly,  2009)  elaborou  uma  escala  com  17  itens  de  categorias  de  projetos  de  vida,  baseando-­‐se  nas  fontes   8
  9. 9. de  significados  de  vida  encontradas  por  DeVogler  &  Ebersole,  1980;  e  Reker  &  Wong,  1988.  Esse  material,  que  articula  objetivos  de  vida  com  projetos  vitais,  gerou  uma  nova  escala  (ou  sub-­‐escala),  Identificação  de  Projetos  vitais  que  utilizamos  nesta  pesquisa.  Essa  nova  escala,  composta   por   10   itens,   busca   identificar   os   projetos   de   vida   inicialmente,   centrados   no  próprio   sujeito   (Self-­‐oriented),   com   5   itens,   e   os   projetos   de   vida   que   extrapolam   os  interesses   do   próprio   sujeito   (BTS   –   Beyond-­‐the-­‐Self),   o   que   os   aproxima   do   conceito   de  projeto  vital.  Esta  segunda  categoria  de  itens  refletindo  nitidamente  o  conceito  de  Purpose  estudado  por  William  Damon.     Numa   escala   de   Likert,   os   sujeitos   da   pesquisa   tinha   que   valorar   cada   item   da   da  pergunta   “O   grande   projeto   da   minha   vida   é...”,   da   seguinte   forma:   discordo   totalmente   (1);  discordo  (2);  não  concordo,  nem  discordo  (3);  concordo  (4);  concordo  totalmente  (5).                 Os   itens   self-­‐oriented   de   projetos   de   vida   eram:   Ter   uma   boa   carreira   profissional;  Divertir-­‐me;  Ganhar  dinheiro;  Ser  bem  sucedido;  Conquistar  o  respeito  dos  outros.  Os  itens  Beyond-­‐the-­‐Self  eram:  Fazer  as  coisas  de  forma  correta;  Ajudar  os  outros;  Fazer  um  mundo  melhor;  Servir  a  Deus  ou  a  um  poder  maior;  Ajudar  a  minha  família  e  os  meus  amigos.     O  gráfico  a  seguir  demonstra  os  resultados  gerais  encontrados  nos  jovens    brasileiros:     Gráfico  3  –  Identificação  de  projetos  de  vida         Buscando   diferenciar   os   projetos   de   vida   self-­‐oriented   e   Beyond-­‐the-­‐self   oriented   dos  jovens   engajados   ou   não   socialmente   em   ações   de   ética   e   de   cidadania,   encontramos   um   9
  10. 10. empate  na  valoração  dos  jovens  em  termos  de  orientação  dos  projetos  vitais:  self-­‐oriented  e  Beyond-­‐the-­‐self.     No  gráfico  a  seguir,  percebe-­‐se  uma  pequena  tendência  de  orientação  Beyond-­‐the-­‐self  dos  jovens  engajados  socialmente.     Gráfico  4  –  Orientação  de  projetos  de  vida-­‐  Self  e  BTS           No   segundo   tipo   de   análise   feita,   associando   Engajamento   social   (ou   não)   com   a  escala  de  Identificação  de  Projetos  de  Vida,  os  seguintes  dados  foram  encontrados:  Tabela  3  -­‐  Categorias  de  Identificação  de  Projetos  de  Vida   Categorias  de   Comprometimento Identificação  de   social Projetos  de  Vida Sim Não p % Self Oriented 95,7   97,9   0,063   Bts_oriented 95,7   95,6   0,956         Neste   caso,   diferente   de   outra   pesquisa,   quando   estudamos   os   projetos   vitais   de  estudantes     brasileiros   e   encontramos   que   o   comprometimento   com   atividades   de   natureza  social   está   positivamente   associado   com   a   categoria     BTS-­‐Oriented   e   não   com   a   categoria  self-­‐oriented,   no   caso   dos   estudantes   do   ensino   médio   desta   pesquisa,   não   foram   10
  11. 11. encontradas   associações   estatisticamente   significante   entre   cada   uma   das   escalas   e   o  comprometimento.      c)  Escala  de  Significado  de  vida  (Meaning  in  Life  Questionnaire  –  MLQ)       O   questionário   sobre   Significado   de   Vida   -­‐   Presence   (MLQ-­‐P)   de   Steger   et   al   (2006)   é  uma   escala   curta,   com   5   itens   no   modelo   de   Likert,   mas   que   tem   demonstrado   um   forte  poder   psicométrico   em   todo   o   mundo.   Esses   5   itens   compõem   uma   sub-­‐escala   (MLQ-­‐Presence),  de  acordo  com  Bundick  (2009),  que  avalia  mais  os  projetos  de  vida  (purpose)  do  que   o   significado   de   vida.   Isso   porque,   dos   5   itens,   3   perguntam   diretamente   aos   sujeitos  sobre  seus  projetos  vitais  (purpose)  (Eu  estou  sempre  procurando  encontrar  meu  projeto  de  vida;  Estou  procurando  um  projeto  ou  uma  missão  para  a  minha  vida;  Eu  tenho  um  projeto  de  vida  que  me  satisfaz).  Os  outros  2  itens,  embora  não  empreguem  o  termo  projeto  vital  (purpose)  (Eu  sei  qual  é  o  significado  da  minha  vida;  Eu  tenho  uma  boa  noção  sobre  o  que  dá  sentido  à  minha  vida),  referem-­‐se  à  busca  pelo  projeto  vital  das  pessoas.  Por  isso,  essa  sub-­‐escala   pode   ser   um   importante   instrumento   para   nos   ajudar   no   estudo   dos   projetos   vitais  dos  jovens  brasileiros.     Nestes  5  itens  que  compõe  a  escala  MLQ-­‐P,  os  jovens  que  participaram  da  pesquisa  avaliaram   os   itens   num   modelo   de   Likert   de   variáveis:   discordo   totalmente   (1);   discordo   (2);  não  concordo,  nem  discordo  (3);  concordo  (4);  concordo  totalmente  (5).     Gráfico  5  –  Significado  de  vida       11
  12. 12.   Novamente,   embora   as   diferenças   nas   médias   encontradas   não   sejam   grandes,   3,8  contra   3,7,   ela   reforça   a   pequena   tendência   de   que   os   estudantes   de   ensino   médio  engajados  socialmente  possuem  maior  consciência  de  seus  projetos  vitais,  medidos  por  essa  escala.     No   segundo   tipo   de   análise   feita   com   os   dados   coletados   na   amostra   de   jovens  brasileiros,  quando  associamos  o  Engajamento  social  (ou  não)  com  a  escala  de  Significado  de  Vida,  semelhante  ao  encontrado  no  item  anterior  da  pesquisa,    os  dados  demonstram  que  não   foram   encontradas   associações   estatisticamente   significante   entre   a   escala   criada   por  M.  Steger  e  o  engajamento  social  dos  jovens  estudantes  de  ensino  médio:       Tabela  4  -­‐  Categorias  de  Significados  de  Vida   Comprometimento Categoria  de   social Significados  Vida Sim Não p % MLQp 95,7   97,9   0,063        d)  Escala  de  Projetos  de  Vida  –  RYFF  (RYFF’s  Purpose  in  Life  Scale)     Esse   instrumento   é,   de   fato,   uma   sub-­‐escala   da   escala   mais   ampla   criada   por   Carol  Ryff   (1989)   que   explora   o   significado   de   Bem   Estar   Psicológico   das   pessoas   (PWB   -­‐  Psychological  Well-­‐Being).  No  caso  da  sub-­‐escala  utilizada  nesta  pesquisa  (PWB-­‐P),  os  itens  referem-­‐se   à   busca   de   projetos   vitais   (purpose),   identificando   até   que   ponto   os  respondentes   da   pesquisa   estão   focados   nos   seus   planos   de   vida   futuros   e   orientados   em  atingir  os  seus  objetivos  de  vida.     Os   sujeitos   manifestaram   a   sua   concordância   ou   não   a   9   itens,   na   escala   de   Likert:  discordo   totalmente   (1);   discordo   (2);   não   concordo,   nem   discordo   (3);   concordo   (4);  concordo   totalmente   (5).   Os   itens   que   compõem   esta   sub-­‐escala   PWB-­‐P   são:   Gosto   de   fazer  planos  para  o  futuro  e  trabalhar  para  torná-­‐los  realidade;  Eu  sou  uma  pessoa  ativa  e  busco  realizar  os  meus  planos;  Eu  acho  que  algumas  pessoas  vivem  sem  ter  um  rumo  certo,  sem  ter  um  objetivo  de  vida,  mas  eu  não  sou  assim;  Eu  vivo  cada  dia  e  não  me  preocupo  com  o  futuro;   Eu   me   preocupo   mais   com   o   presente   porque   o   futuro   quase   sempre   me   traz   12
  13. 13. problemas;   Minhas   atividades   diárias,   muitas   vezes,   me   parecem   comuns   e   sem  importância;  Eu  não  sei  o  que  eu  quero  alcançar  na  vida;  Eu  costumava  definir  objetivos  para  a   minha   vida,   mas   agora   isso   me   parece   perda   de   tempo;   Às   vezes   eu   acho   que   já   fiz   tudo   o  que  eu  precisava  fazer  na  vida.     Gráfico  6  –  Projetos  de  vida  (Ryff)           Em   mais   esta   escala,   criada   por   Carol   Ryff   e   colaboradores,   buscando   identificar   a  busca   de   projetos   vitais   (purpose),   e   até   que   ponto   os   respondentes   da   pesquisa   estão  focados  nos  seus  planos  de  vida  futuros  e  orientados  em  atingir  os  seus  objetivos  de  vida,  as  diferenças  nas  médias  encontradas  não  foram  grandes  grandes,  3,8  contra  3,7,  reforçando  os  dados  encontrados  até  aqui.     Esses   dados   estão   corroborados   também   no   segundo   tipo   de   análise   feita   com   os  dados   coletados   na   amostra   de   jovens   estudantes   brasileiros   de   ensino   médio,   quando  associamos   o   Engajamento   social   (ou   não)   com   a   escala   de   Carol   Ryff   de   Projetos   Vitais  (Purpose):  Não  foi  encontrada  associação  estatisticamente  significante.  Tabela  5  -­‐  Categorias  de  Projetos  de  Vida   Comprometimento Categoria  de  Projetos   social de  Vida  (Ryff) Sim Não p % Ryffs 71,0   64,0   0,057       13
  14. 14.     Os   próximos   dois   dados   que   serão   discutidos   e   apresentados   buscam   investigar   o  tipo  de  engajamento  que  os  jovens  tem  com  diferentes  tipos  de  atividade,  e  para  isso  foram  solicitados   a   identificar   a   freqüência   com   que   desenvolvem   determinados   tipos   de  atividades,   e   também   o   nível   de   satisfação   com   a   vida,     quando   empregamos   a   escala   criada  E.  Diener  e  colegas  (SWLS).    e)  Engajamento  em  atividades       O   envolvimento   em   diferentes   tipos   de   atividades   é   elemento   essencial   para   se  estudar  os  projetos  vitais  (Purpose)  das  pessoas,  no  sentido  de  se  analisar  se  o  jovem  está  envolvido  em  ações  que  o  levem,  no  decorrer  da  vida,  a  buscar  a  realização  de  seus  projetos.  É   um   elemento   importante   para   diferenciar   os   jovens   com   engajamento   daqueles   que  Damon  (2009)  chama  de  sonhadores,  caracterizados  como  aqueles  que  enunciam  projetos  de  vida  mas  não  possuem  envolvimento  em  atividades  que  vislumbrem  a  sua  concretização.     Para  investigar  o  engajamento  dos  jovens  de  15  a  18  anos  de  idade    em  diferentes  tipos   de   atividades,   foi   aplicado   um   questionário   que   buscava   tal   comprometimento   em  diversos   domínios.   Numa   escala   de   Likert,   haviam   5   alternativas   para   cada   uma   das  categorias   de   comprometimento:   Nunca   (1);   Quase   nunca   (2);   às   vezes   (3);   Semanalmente  (4);  Diariamente  (5).       As   categorias   empregadas   na   análise   dos   dados   sobre   a   freqüência   com   que  realizavam   atividades,   com   os   respectivos   itens   perguntados   aos   sujeitos,   foram   os  seguintes:   Familiares   (Reunir-­‐me   com   minha   família;   Sair   com   os   meus   amigos;   Encontrar   com  meus  parentes;   Festas/eventos  familiares),  Pró-­‐sociais  (Trabalho  comunitário  voluntário;   Ajudar  as  pessoas  necessitadas;  Trabalhar  em  uma  campanha  ou  causa  política;   Trabalho   em   causa  social;   Participar  de  atividades  de  ONGs),  Religiosas  (Rezar;  Freqüentar/participar  de  atividades  religiosas  ou  espirituais;  Ler  livros  religiosos),    Escolares/carreira  profissional  (Estudar;  Participar  de  projetos  com  seus  professores  fora  do  horário  de  aulas;   Trabalho  remunerado;   Cursos  extra-­‐curriculares,  fora  da  universidade  (inglês,  computação,  etc),  Estética/lazer  (Produção  artística;  Sair  para  dançar;  Tocar  instrumentos  musicais;  Praticar  esportes;  Navegar  na  Internet).       Os  dados  da  pesquisa  são:     14
  15. 15.   Gráfico  6  –  Engajamento  em  atividades       Percebe-­‐se  que  os  sujeitos  engajados  socialmente  são  aqueles  com  maior  media  no  engajamento  em  atividades  em  todos  os  níveis,  reafirmando  que  tendem  a  ser  pessoas  mais  ativas  e  comprometidas  com  a  vida,  com  a  família,  com  o  mundo.     Esse   dado   é   corroborado   com   o   segundo   tipo   de   análise   que   desenvolvemos,  associando   Engajamento   social   (ou   não)   com   a   escala   de   Engajamento   em   Atividades.   Os  seguintes  dados  foram  encontrados:       Tabela  6  -­‐  Categorias  de  Engajamento  em  Atividades   Categorias  de   Comprometimento     Engajamento  em   social   Atividades     Sim   Não   p     %     Familiares     54,4   49,4   0,185   Pró-­‐sociais   6,7   1,6   <0,001   Religiosas   43,4   24,6   <0,001   Escolares/carreira   33,0   12,7   <0,001   Estética/lazer   profissional   23,5   12,7   <0,001               Assim,   vemos   que   todas   as   categorias,   com   exceção   da   categoria   de   atividades  familiares,   estão   positivamente   associadas   com   Comprometimento   Social,   com   p<0,005.         15
  16. 16. f)  SWLS  –  Escala  de  Satisfação  com  a  Vida       Como   última   análise   feita   a   partir   de   escalas   psicométricas,   aplicamos   a   SWLS   -­‐  Satisfaction  With  Life  Scale,  elaborada  por  Diener,  E.,  Emmons,  R.  A.,  Larsen,  R.  J.,  &  Griffin,  S.  (1985).  Essa  escala,  com  5  itens,  é  das  mais  aplicadas  no  mundo  inteiro  e  seus  resultados  estão  bem  documentados  na  literatura  internacional.  Seu  objetivo  é  avaliar,  numa  dimensão  cognitiva,  o  juízo  das  pessoas  sobre  a  percepção  geral  que  tem  de  satisfação  com  a  sua  vida.     Vislumbramos  como  um  aspecto  interessante  poder  estabelecer  associações  entre  o  engajamento   social   dos   jovens     com   a   satisfação   com   a   vida,   pois   esse   pode   ser   um  elemento   importante   para   se   compreender   a   importância   dos   projetos   vitais   para   a   vida  geral  das  pessoas,  pensando  no  âmbito  dos  princípios  da  Psicologia  Positiva.     Empregando   uma   escala   de   Likert,   os   sujeitos   da   pesquisa   tinha   que   valorar   cada  item   da   pergunta   “O   quanto   você   concorda   ou   discorda   das   seguintes   afirmações:”,   da  seguinte   forma:   discordo   totalmente   (1);   discordo   (2);   não   concordo,   nem   discordo   (3);  concordo  (4);  concordo  totalmente  (5).         Os   itens   avaliados   na   escala   são:   Eu   estou   satisfeito   com   a   minha   vida;   Se   eu   pudesse  voltar   atrás   na   minha   vida,   eu   não   mudaria   quase   nada;   As   minhas   condições   de   vida   são  excelentes;   Na   maior   parte   das   vezes,   a   minha   vida   é   exatamente   como   eu   gostaria   que  fosse;  Até   agora   eu   tenho   conseguido   coisas   importantes,   coisas   que   eu   quero   para   a   minha  vida.     Gráfico  7  –  Satisfação  com  a  vida     16
  17. 17.   Seguindo   a   maioria   dos   resultados   apresentados   até   aqui,   encontramos   uma  pequena  tendência  dos  sujeitos  comprometidos  com  atividades  de  cidadania  em  suas  vidas  a  apresentarem  maior  satisfação  com  a  vida:  média  de  3,6  dos  engajados  socialmente  contra  3,4  daqueles  não  engajados  socialmente.  Na  mesma  direção,  na  análise  feita  buscando  ver  os  sujeitos  que  afirmaram  concordar  (4)  e  concordar  totalmente  (5)  com    os  itens  da  escala  que  lhes  foram  apresentados,  encontramos  que  a  escala  está    positivamente  associada  com  o  Comprometimento  social  dos  jovens    brasileiros  estudantes  de  ensino  médio:       Tabela  7  -­‐  Categorias  de  Satisfação  com  a  Vida   Comprometimento Categoria  de  Satisfação   social com  a  Vida   Sim Não p % Swls 59,4   50,1   0,013      Considerações  finais     De   maneira   geral   o   Survey,   além   de   identificar   os   jovens   engajados   semanalmente  em  atividades  comunitárias  e  sociais,  foi  utilizado  para  auxiliar  na  identificação  dos  projetos  de   vida   dos   jovens   brasileiros,   por   meio   de   escalas   reconhecidas   internacionalmente:  Identified   Purpose   Scale;   Life   Goals   Scale;   MLQ   -­‐   Meaning   in   Life   Questionaire;   SWLS   -­‐  Satisfaction  With  Life  Scale;  RYFF’S  Purpose  In  Life  Scale.    Como  vimos,  em  geral  nas  escalas  e   análises   feitas,   os   jovens   engajados   semanalmente   em   atividades   comunitárias   e   sociais  apresentaram  pequena  tendência  a  apresentar  projetos  de  vida  (purpose)  mais  consolidados  e  mais  voltados  a  questões  de  cidadania.   Os  resultados  de  nossa  pesquisa  trazem  fortes  indícios  de  que  os  projetos  vitais  são  construídos   com   base   em   princípios   e   valores   morais   vinculados   à   preocupação   com   o   bem-­‐estar  de  outras  pessoas,  mas  também  com  base  nos  interesses  pessoais  e  na  satisfação  do  próprio  sujeito.  Além  disso,  as  relações  interpessoais  estabelecidas  pareceram  constituir-­‐se  como  elemento  importante  no  raciocínio  dos  jovens.       Prof.  Dr.  Ulisses  Ferreira  de  Araújo   Universidade  de  São  Paulo   17

×