PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE          SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E POLÍTICAS EDUC...
Avaliação é um assunto muito amplo e discutido no processo ensino aprendizagem. Está sempre em conflito,portanto, os educa...
A começar pela teoria apresentada por Luckesi (2011),      deixando clara a necessidade de investigar,observamos que muito...
Sendo assim, quando uma avaliação é elaborada levando em conta       uma pequena quantidade de fatores, o resultado será u...
Avaliar significa investigar a qualidade. Podemos observar duas      modalidades apresentadas: a avaliação de certificação...
Referências:LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos eproposições. 3.ed. São Paulo: Cortez, 19...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ueder maraia mod05_slideshare

194 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Ueder maraia mod05_slideshare

  1. 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO E POLÍTICAS EDUCACIONAIS DIVISÃO DE TECNOLOGIA EDUCACIONALCursista: Uéder Fernando Jardim MaraiaMediador pedagógico: Suely Carneiro MascarenhasTítulo: A avaliação da aprendizagem como princípio no desenvolvimentoda autoria.
  2. 2. Avaliação é um assunto muito amplo e discutido no processo ensino aprendizagem. Está sempre em conflito,portanto, os educadores, devem ter um bom embasamentoteórico a respeito do assunto, a fim de não perder a direção do trabalho pedagógico. Diante de toda a problemática apresentada acerca do que é ou não, de fato avaliação, podemos perceber que a teoria não é condizente com as práticas pedagógicas diária.
  3. 3. A começar pela teoria apresentada por Luckesi (2011), deixando clara a necessidade de investigar,observamos que muitos conflitos são gerados partindo do princípio que aquilo que é realidade para um, podenão ser a realidade para outro, pois nesse processo deinvestigação, uma nova perspectiva será formada, sob um novo olhar. Então, há necessidade de abarcar multiplicidade de fatores e condições de ensino que subsidiarão essa nova realidade, no caso, a do aluno. Todo esse processo é permeado de subjetividade.Quando consideramos o máximo de variáveis possíveis, impedimos uma deformidade da realidade.
  4. 4. Sendo assim, quando uma avaliação é elaborada levando em conta uma pequena quantidade de fatores, o resultado será umainterpretação restrita da realidade, ao passo que uma avaliação mais articulada, que abrange múltiplas determinações possibilita mais interpretações. Como é essencial ver a avaliação como objeto de intervenção, é necessário conhecimento, sem o qual não temos um ponto de partida, um norte. A forma que se tem para melhor conhecer algo é investigando. Deste modo, é muito importante escolher bem o queserá instrumento, para não complicar o resultado. Na medida em que o homem evolui, a tecnologia avança, a metodologia e instrumentostambém são aperfeiçoados. Isso, aliado à aquisição de conhecimento e melhor interpretação de dados empíricos, torna a prática avaliativa mais eficiente. Esses dados empíricos obtidos pelo professor (pesquisador) mostram que ações, métodos ou instrumentos devem ser descartados, o que deu certo e o que se deve trabalhar mais.
  5. 5. Avaliar significa investigar a qualidade. Podemos observar duas modalidades apresentadas: a avaliação de certificação e a de acompanhamento. Uma avalia o produto e a outra, o processo. Aavaliação de acompanhamento permite descrever qualificar e intervir, é,portanto mais abrangente, o que possibilita maiores interpretações, além disso, nos permite intervir a tempo, a fim de obter uma melhor classificação.Para que a avaliação aconteça, sistematicamente, durante as atividades de ensino aprendizagem, é fundamental que o professor utilize uma diversidade de instrumentos, como registros, lista de controles, observação, análise de produções escritas, orais e outros. Se a avaliação está a serviço do processo de ensino aprendizagem, a decisão de aprovar ou reprovar, não deve ser a expressão de um “castigo”, nem ser unicamente pautada no quanto se aprendeu ou se deixou de aprender os conteúdos.
  6. 6. Referências:LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos eproposições. 3.ed. São Paulo: Cortez, 1996.LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem componente do atopedagógico. 1.ed. São Paulo: Cortez, 2011.________<http://geografiadeportugal-tic.webnode.pt/avalia%C3%A7%C3%A3o%20dos%20 >

×