SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Até aos 6 meses a alimentação do bebé deverá ser exclusivamente de leite materno e só nesse
momento se deverá iniciar a introdução de novos alimentos. Quando possível, estes novos alimentos
deverão ser acompanhados pelo aleitamento materno até aos 2 anos de idade.
Claro que muitas mães não conseguem fazer aleitamento materno até aos 6 meses e muito menos até
aos 2 anos de idade. Por vezes, mesmo desde o início do nascimento, o aleitamento tem de ser
artificial, a conselho do médico. Nestes casos a introdução de novos alimentos deverá ser feita após
os 4 meses e o aleitamento deverá ser feito com leite artificial receitado pelo médico até aos 12
meses.
Repare-se que nesta matéria da introdução de novos alimentos tem de existir flexibilidade porque os
bebés são todos diferentes e nem sempre há verdades científicas absolutas. Por isso, embora se
recomende respeitar as regras que se seguem, também se recomenda aos pais alguma flexibilidade,
de acordo com o seu bom senso.
Assim, consideramos que a introdução de novos alimentos deverá iniciar-se pela sopa de legumes
entre o 4º e o 6º mês (ao 4º mês se o seu bebé teve apenas aleitamento artificial, e entre o 5º e o 6º
mês quando o aleitamento é materno). Passados cerca de 15 dias poderá introduzir também uma
papa de cereais e a fruta.
A Sopa de Legumes:
• No início, a sopa de legumes poderá ter apenas a cenoura, abóbora, cebola, arroz ou batata, com
um fio de azeite no fim, e sem sal.
• Deverá ser dada de preferência à hora do almoço, com uma consistência grossa e macia
(recomenda-se utilizar a varinha mágica).
• Primeiro começar só por algumas colheres e o resto da refeição deve ser complementado com o
leite habitual.
• Cerca de 3 dias depois já poderá fazer uma refeição completa de sopa (ou seja, uma concha de
sopa), e poderá adicionar outros legumes (alface, alho francês, xuxu, beringela, curgete, feijão-
verde), sempre um de cada vez, até eventualmente poder misturar 3 a 4 legumes diferentes.
• Passado cerca de 4-5 dias depois da primeira sopa, poderá começar a introduzir as carnes brancas
bem trituradas, preferivelmente o frango, mas também poderá ser o peru ou borrego. Nos primeiros 3
dias eventualmente só um pouco de carne para dar sabor e depois poderá ser cerca de 25 a 50gr/dia.
• Passado cerca de 2 meses (ou seja, aos 6 meses de idade quando iniciou a introdução da sopa aos 4
meses, e aos 7-8 meses de idade quando o bebé iniciou aos 6 meses) pode já comer duas sopas (ao
almoço e ao jantar).
• Aos 7 meses pode adicionar o peixe, preferivelmente o branco (ex:linguado, pescada, dourada), e
depois o azul, tendo o cuidado de retirar as espinhas…
• Por volta dos 11 meses a sopa já pode conter leguminosas (ervilhas, feijão, grão de bico, lentilhas,
etc.) sem a pele que recobre o grão.
• Para facilitar a vida doméstica, pode-se cozinhar uma dose suficiente de sopa para 3 a 5 dias que se
congela em recipientes separados de vidro. Para descongelar recomenda-se retirar do congelador e
colocar no frigorífico no dia anterior e antes da refeição aquecer em banho de maria.
A papa de cereais:
• Já referimos que a papa poderá ser iniciada cerca de 15 dias depois da primeira sopa.
• Antes dos 6 meses de idade, a papa deverá ser isenta de glúten (ex: de milho ou arroz), mas depois
dos 6 meses já poderá ter glúten (ex: trigo, cevada, centeio ou aveia).
• Se o bebé ainda está a ter aleitamento materno, esta papa poderá ser não láctea e reconstituída com
leite materno. Caso contrário, poderá ser uma papa láctea a reconstituir com água fervida.
Teoricamente a papa láctea reconstituída com água é igual à papa não láctea reconstituída com leite
(no entanto, alguns pediatras preferem sempre esta última opção porque consideram que as papas
lácteas existentes no mercado não são tão boas como as papas não lácteas reconstituídas com leite).
• As papas muito doces e com frutas ou chocolate devem ser evitadas.
A fruta:
• Cerca de uma semana depois da introdução da primeira sopa (ou seja, pouco depois dos 4 meses de
idade quando a iniciou logo aos 4 meses, ou mais tarde, nos outros casos) pode também dar ao bebé,
após a sopa ou a papa, uma sobremesa de fruta natural como a pêra, maçã ou a banana. No início
esta fruta deve ter a consistência de papa. Deverá oferecer-se só um tipo de fruta sempre igual
durante cerca de 3 dias, após o que pode oferecer outra qualidade.
• Aos 6-7 meses de idade pode iniciar laranja, tangerina, melão, uva e manga. O morango, amora,
kiwi e maracujá deverão ser consumidos apenas depois dos 12 meses.
• A fruta deve ser preferencialmente natural (não cozida nem em boiões), madura e recém-preparada
(não guardar para a refeição seguinte…).
Outros alimentos:
• Aos 6 meses de idade poderá iniciar iogurte próprio para bebés e, depois dos 9 meses, pode iniciar
o iogurte natural (preferivelmente sem açúcar).
• Aos 6 meses também poderá iniciar bolachas próprias para bebé e pão.
• Aos 9 meses, pode iniciar a gema de ovo. Comece por meia-gema por refeição e apenas 1 ou 2
vezes por semana. A clara do ovo só deverá ser consumida após os 10 meses.
• O nabo, a beterraba e a couve-flôr aconselha-se dar só depois do primeiro ano de idade, e a carne
de porco só depois do 2 º ano.
Os novos alimentos devem ser oferecidos um de cada vez, repetindo o mesmo alimento durante
cerca de 3 dias seguidos, para que caso haja intolerância/alergia se possa identificar o alimento
responsável.
Devemos respeitar a rejeição de um ou outro alimento se reconhecemos que a criança não gosta.
Não se adiciona sal à comida da criança pequena, porque os seus rins têm dificuldade em eliminar os
excessos, e porque o sal está associada a hipertensão.
Recomenda-se que o leite materno se mantenha até aos dois anos ou mais mas, quando isso não é
possível, a criança deverá fazer leite artificial para lactentes até aos 12 meses. Depois pode começar
a beber o leite de vaca “gordo”.
Com um ano de vida a criança deve ter 5 a 6 refeições, duas a três refeições lácteas (cerca de 500ml
de leite), pelo menos uma refeição com carne ou peixe, duas com legumes (2 sopas) e uma de
cereais. Genericamente, nesta idade a alimentação do bebé pode ser a da família embora se deva ter
sempre algum cuidado com os refogados, picantes, fritos, doces e salgados.
Não esquecer que a alimentação com o excesso de açúcar, sale gordura determina que a obesidade e
a hipertensão infantil sejam cada vez mais frequentes e precoces.
Fonte:
Dra Maria Alfaro (pediatra)
Dr. António Pina (médico saúde pública)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alimentação na 1ª infância
Alimentação na 1ª infânciaAlimentação na 1ª infância
Alimentação na 1ª infância
becresforte
 
Diversificação alimentar (primeiro ano de vida)
Diversificação alimentar (primeiro ano de vida)Diversificação alimentar (primeiro ano de vida)
Diversificação alimentar (primeiro ano de vida)
Ana Teresa
 
Alimentacao do bebe
Alimentacao do bebeAlimentacao do bebe
Alimentacao do bebe
Pelo Siro
 
A Alimentação da Criança
A Alimentação da CriançaA Alimentação da Criança
A Alimentação da Criança
Ana Lagos
 
Livro De Receitas Saudaveis
Livro De Receitas SaudaveisLivro De Receitas Saudaveis
Livro De Receitas Saudaveis
Bombokado Kado
 

Mais procurados (18)

3 necessidades nutricionais
3  necessidades nutricionais3  necessidades nutricionais
3 necessidades nutricionais
 
Alimentação na 1ª infância
Alimentação na 1ª infânciaAlimentação na 1ª infância
Alimentação na 1ª infância
 
Diversificação alimentar (primeiro ano de vida)
Diversificação alimentar (primeiro ano de vida)Diversificação alimentar (primeiro ano de vida)
Diversificação alimentar (primeiro ano de vida)
 
Alimentação complementar
Alimentação complementarAlimentação complementar
Alimentação complementar
 
3 alimentação primeiro ano de vida
3  alimentação primeiro ano de vida3  alimentação primeiro ano de vida
3 alimentação primeiro ano de vida
 
Alimentacao do bebe
Alimentacao do bebeAlimentacao do bebe
Alimentacao do bebe
 
Alimentação balanceada para crianças de 0 a5 anos
Alimentação balanceada para crianças de 0 a5 anosAlimentação balanceada para crianças de 0 a5 anos
Alimentação balanceada para crianças de 0 a5 anos
 
A Alimentação da Criança
A Alimentação da CriançaA Alimentação da Criança
A Alimentação da Criança
 
Livro De Receitas Saudaveis
Livro De Receitas SaudaveisLivro De Receitas Saudaveis
Livro De Receitas Saudaveis
 
Alimentação infantil
Alimentação infantilAlimentação infantil
Alimentação infantil
 
Cartilha ilustrada: Alimentação Saudável na Infância / Unicef Brasil
Cartilha ilustrada: Alimentação Saudável na Infância / Unicef Brasil Cartilha ilustrada: Alimentação Saudável na Infância / Unicef Brasil
Cartilha ilustrada: Alimentação Saudável na Infância / Unicef Brasil
 
Nutrição Infantil - Alimento Materno e nutrição complementar
Nutrição Infantil - Alimento Materno e nutrição complementarNutrição Infantil - Alimento Materno e nutrição complementar
Nutrição Infantil - Alimento Materno e nutrição complementar
 
Obesidade infantil margarida
Obesidade infantil  margaridaObesidade infantil  margarida
Obesidade infantil margarida
 
Nutrição na gestação Enfermagem
Nutrição na gestação EnfermagemNutrição na gestação Enfermagem
Nutrição na gestação Enfermagem
 
Cartilha alimentacao criancas_adolescentes[1]
Cartilha alimentacao criancas_adolescentes[1]Cartilha alimentacao criancas_adolescentes[1]
Cartilha alimentacao criancas_adolescentes[1]
 
Alimentação na gestação
Alimentação na gestaçãoAlimentação na gestação
Alimentação na gestação
 
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
 
Dez passos para_familia
Dez passos para_familiaDez passos para_familia
Dez passos para_familia
 

Semelhante a Alimentação bebe

Diversificação alimentar (primeiro ano de vida)
Diversificação alimentar (primeiro ano de vida)Diversificação alimentar (primeiro ano de vida)
Diversificação alimentar (primeiro ano de vida)
Ana Teresa
 
Papa para filhotes de aves
Papa para filhotes de avesPapa para filhotes de aves
Papa para filhotes de aves
Alcon Pet
 
1202257866 a alimentacao_do_bebe3
1202257866 a alimentacao_do_bebe31202257866 a alimentacao_do_bebe3
1202257866 a alimentacao_do_bebe3
Pelo Siro
 

Semelhante a Alimentação bebe (20)

Aula 04- Alimentação da Criança e alimentação complementar.pptx
Aula 04-  Alimentação da Criança e alimentação complementar.pptxAula 04-  Alimentação da Criança e alimentação complementar.pptx
Aula 04- Alimentação da Criança e alimentação complementar.pptx
 
Dez passos para_familia
Dez passos para_familiaDez passos para_familia
Dez passos para_familia
 
Dez passos para_familia
Dez passos para_familiaDez passos para_familia
Dez passos para_familia
 
Diversificação alimentar (primeiro ano de vida)
Diversificação alimentar (primeiro ano de vida)Diversificação alimentar (primeiro ano de vida)
Diversificação alimentar (primeiro ano de vida)
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
 
Apresentacao Introducao Alimentar.pdf
Apresentacao Introducao Alimentar.pdfApresentacao Introducao Alimentar.pdf
Apresentacao Introducao Alimentar.pdf
 
Alimentacao aula
Alimentacao aulaAlimentacao aula
Alimentacao aula
 
ALIMENTAÇÃO INFANTIL.pptx
ALIMENTAÇÃO INFANTIL.pptxALIMENTAÇÃO INFANTIL.pptx
ALIMENTAÇÃO INFANTIL.pptx
 
Papa para filhotes de aves
Papa para filhotes de avesPapa para filhotes de aves
Papa para filhotes de aves
 
Manual alim bebes_final
Manual alim bebes_finalManual alim bebes_final
Manual alim bebes_final
 
Tema de vida leandro
Tema de vida   leandro Tema de vida   leandro
Tema de vida leandro
 
Desmamamento como fazer e quando começar
Desmamamento   como fazer e quando começarDesmamamento   como fazer e quando começar
Desmamamento como fazer e quando começar
 
Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG
Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG
Cartilha ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL INFANTIL - UFMG
 
Alimentacao saudavel
Alimentacao saudavelAlimentacao saudavel
Alimentacao saudavel
 
10 passos
10 passos10 passos
10 passos
 
Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ
Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ  Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ
Amamentar é um direito! Cartilha do Curso de Casais Grávidos - CAARJ
 
Alimentaçao no primeiro ano de vida - Planejamento Alimentar.pptx
Alimentaçao no primeiro ano de vida - Planejamento Alimentar.pptxAlimentaçao no primeiro ano de vida - Planejamento Alimentar.pptx
Alimentaçao no primeiro ano de vida - Planejamento Alimentar.pptx
 
1202257866 a alimentacao_do_bebe3
1202257866 a alimentacao_do_bebe31202257866 a alimentacao_do_bebe3
1202257866 a alimentacao_do_bebe3
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
Dieta sopa
Dieta sopaDieta sopa
Dieta sopa
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (7)

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 

Alimentação bebe

  • 1. Até aos 6 meses a alimentação do bebé deverá ser exclusivamente de leite materno e só nesse momento se deverá iniciar a introdução de novos alimentos. Quando possível, estes novos alimentos deverão ser acompanhados pelo aleitamento materno até aos 2 anos de idade. Claro que muitas mães não conseguem fazer aleitamento materno até aos 6 meses e muito menos até aos 2 anos de idade. Por vezes, mesmo desde o início do nascimento, o aleitamento tem de ser artificial, a conselho do médico. Nestes casos a introdução de novos alimentos deverá ser feita após os 4 meses e o aleitamento deverá ser feito com leite artificial receitado pelo médico até aos 12 meses. Repare-se que nesta matéria da introdução de novos alimentos tem de existir flexibilidade porque os bebés são todos diferentes e nem sempre há verdades científicas absolutas. Por isso, embora se recomende respeitar as regras que se seguem, também se recomenda aos pais alguma flexibilidade, de acordo com o seu bom senso. Assim, consideramos que a introdução de novos alimentos deverá iniciar-se pela sopa de legumes entre o 4º e o 6º mês (ao 4º mês se o seu bebé teve apenas aleitamento artificial, e entre o 5º e o 6º mês quando o aleitamento é materno). Passados cerca de 15 dias poderá introduzir também uma papa de cereais e a fruta. A Sopa de Legumes: • No início, a sopa de legumes poderá ter apenas a cenoura, abóbora, cebola, arroz ou batata, com um fio de azeite no fim, e sem sal. • Deverá ser dada de preferência à hora do almoço, com uma consistência grossa e macia (recomenda-se utilizar a varinha mágica). • Primeiro começar só por algumas colheres e o resto da refeição deve ser complementado com o leite habitual. • Cerca de 3 dias depois já poderá fazer uma refeição completa de sopa (ou seja, uma concha de sopa), e poderá adicionar outros legumes (alface, alho francês, xuxu, beringela, curgete, feijão- verde), sempre um de cada vez, até eventualmente poder misturar 3 a 4 legumes diferentes. • Passado cerca de 4-5 dias depois da primeira sopa, poderá começar a introduzir as carnes brancas bem trituradas, preferivelmente o frango, mas também poderá ser o peru ou borrego. Nos primeiros 3 dias eventualmente só um pouco de carne para dar sabor e depois poderá ser cerca de 25 a 50gr/dia. • Passado cerca de 2 meses (ou seja, aos 6 meses de idade quando iniciou a introdução da sopa aos 4 meses, e aos 7-8 meses de idade quando o bebé iniciou aos 6 meses) pode já comer duas sopas (ao almoço e ao jantar). • Aos 7 meses pode adicionar o peixe, preferivelmente o branco (ex:linguado, pescada, dourada), e depois o azul, tendo o cuidado de retirar as espinhas…
  • 2. • Por volta dos 11 meses a sopa já pode conter leguminosas (ervilhas, feijão, grão de bico, lentilhas, etc.) sem a pele que recobre o grão. • Para facilitar a vida doméstica, pode-se cozinhar uma dose suficiente de sopa para 3 a 5 dias que se congela em recipientes separados de vidro. Para descongelar recomenda-se retirar do congelador e colocar no frigorífico no dia anterior e antes da refeição aquecer em banho de maria. A papa de cereais: • Já referimos que a papa poderá ser iniciada cerca de 15 dias depois da primeira sopa. • Antes dos 6 meses de idade, a papa deverá ser isenta de glúten (ex: de milho ou arroz), mas depois dos 6 meses já poderá ter glúten (ex: trigo, cevada, centeio ou aveia). • Se o bebé ainda está a ter aleitamento materno, esta papa poderá ser não láctea e reconstituída com leite materno. Caso contrário, poderá ser uma papa láctea a reconstituir com água fervida. Teoricamente a papa láctea reconstituída com água é igual à papa não láctea reconstituída com leite (no entanto, alguns pediatras preferem sempre esta última opção porque consideram que as papas lácteas existentes no mercado não são tão boas como as papas não lácteas reconstituídas com leite). • As papas muito doces e com frutas ou chocolate devem ser evitadas. A fruta: • Cerca de uma semana depois da introdução da primeira sopa (ou seja, pouco depois dos 4 meses de idade quando a iniciou logo aos 4 meses, ou mais tarde, nos outros casos) pode também dar ao bebé, após a sopa ou a papa, uma sobremesa de fruta natural como a pêra, maçã ou a banana. No início esta fruta deve ter a consistência de papa. Deverá oferecer-se só um tipo de fruta sempre igual durante cerca de 3 dias, após o que pode oferecer outra qualidade. • Aos 6-7 meses de idade pode iniciar laranja, tangerina, melão, uva e manga. O morango, amora, kiwi e maracujá deverão ser consumidos apenas depois dos 12 meses. • A fruta deve ser preferencialmente natural (não cozida nem em boiões), madura e recém-preparada (não guardar para a refeição seguinte…). Outros alimentos: • Aos 6 meses de idade poderá iniciar iogurte próprio para bebés e, depois dos 9 meses, pode iniciar o iogurte natural (preferivelmente sem açúcar). • Aos 6 meses também poderá iniciar bolachas próprias para bebé e pão. • Aos 9 meses, pode iniciar a gema de ovo. Comece por meia-gema por refeição e apenas 1 ou 2 vezes por semana. A clara do ovo só deverá ser consumida após os 10 meses. • O nabo, a beterraba e a couve-flôr aconselha-se dar só depois do primeiro ano de idade, e a carne de porco só depois do 2 º ano. Os novos alimentos devem ser oferecidos um de cada vez, repetindo o mesmo alimento durante
  • 3. cerca de 3 dias seguidos, para que caso haja intolerância/alergia se possa identificar o alimento responsável. Devemos respeitar a rejeição de um ou outro alimento se reconhecemos que a criança não gosta. Não se adiciona sal à comida da criança pequena, porque os seus rins têm dificuldade em eliminar os excessos, e porque o sal está associada a hipertensão. Recomenda-se que o leite materno se mantenha até aos dois anos ou mais mas, quando isso não é possível, a criança deverá fazer leite artificial para lactentes até aos 12 meses. Depois pode começar a beber o leite de vaca “gordo”. Com um ano de vida a criança deve ter 5 a 6 refeições, duas a três refeições lácteas (cerca de 500ml de leite), pelo menos uma refeição com carne ou peixe, duas com legumes (2 sopas) e uma de cereais. Genericamente, nesta idade a alimentação do bebé pode ser a da família embora se deva ter sempre algum cuidado com os refogados, picantes, fritos, doces e salgados. Não esquecer que a alimentação com o excesso de açúcar, sale gordura determina que a obesidade e a hipertensão infantil sejam cada vez mais frequentes e precoces. Fonte: Dra Maria Alfaro (pediatra) Dr. António Pina (médico saúde pública)