Presentation Minicourse for Summer Program LNCC 2010

320 visualizações

Publicada em

Presentation of the Minicourse for Summer Program at the National Laboratory for Scientific Computing - LNCC - in 2010.
See: http://www.mlhim.org http://gplus.to/MLHIM and http://gplus.to/MLHIMComm for more information about semantic interoperability in healthcare.

#mlhim #semantic_interoperability #health_informatics

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
320
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Presentation Minicourse for Summer Program LNCC 2010

  1. 1. openEHR: Uma Especificação Aberta paraGerenciamento de Informação na Área de Saúde Laboratório Associado INCT-MACC “Multilevel Healthcare Information Modeling UERJ/UFF
  2. 2. Sumário do Curso• Informação em Saúde: Conceitos Gerais• Fundamentos da Modelagem Multinível de SI• As especificações openEHR: Visão Geral• O Modelo de Referência openEHR• O Modelo de Informação openEHR: Arquétipos• Implementação das especificações em Python/Zope/Grok
  3. 3. A Informação em Saúde é Complexa... ...porque o sistema de saúde é um sistema complexo e dinâmico: • Complexidade: o sistema gera um grande número de itens de informação que apresentam complexas interdependências, sendo a principal a... ...dependência espaço-temporal: a informação a ser persistida varia no tempo e no espaço • Dinâmica: ▫ A dependência entre os itens de informação varia ▫ A variação temporal é rápida e a variação espacial é próxima
  4. 4. As Políticas de Saúde também são Complexas • O estabelecimento de consensos em relação a um determinado conceito em saúde é difícil: ▫ Competição entre “escolas médicas” ▫ Multiprofissionalismo e não transdisciplinaridade • As redes de atenção são hierárquicas, com múltiplas portas de entrada e sem um mecanismo funcional de referência e contra-referência
  5. 5. Desafios do Sistema x Promessas da Informatização•  % de eventos adversos advindos de erros terapêuticos (interações, duplicações, indicações erradas)•  Tempo de busca por informações críticas•  % de pacientes “perdendo tempo” no sistema em função da falta de referência e contra-referência•  Duplicação de investigações, testes e procedimentos•  Capacidade de prevenção e detecção precoce•  Capacidade de tomada de decisões não-pontuais•  Adesão a protocolos terapêuticos•  Efetividade dos programas orientados a uma doença específica•  Taxa de hospitalização e de reinternações evitáveis
  6. 6. Outras Questões Importantes• Coerência semântica: manutenção do significado (contexto) da informação registrada dentro da base de dados• Interoperabilidade: capacidade de enviar a informação de um lugar (sistema) para outro, mantendo a informação inteligível em ambos os lugares (sistemas)• Persistência: a informação deve ser mantida de forma perpétua no sistema do modo que foi registrada originalmente
  7. 7. Onde Está o Contexto?
  8. 8. Aqui Está o Contexto!
  9. 9. Interoperabilidade
  10. 10. Interoperabilidade!
  11. 11. Interoperabilidade?
  12. 12. Por que Adotar Padrões para os SIS?• Condição essencial para a efetiva implementação de um sistema de saúde único e universal, como o SUS• Uniformização de “regras, protocolos, processos” e “atividades”, “para o benefício de todos” (ISO)• Democratização dos processos de gestão do sistema• Aprimoramento dos processos de controle e avaliação
  13. 13. Padrões e Especificações para os SIS Nome O que é Implementado Aberto ISO Padrão Não Não CEN 13606 Padrão Sim Não HL7 Especificação Sim Não openEHR Especificação e Sim Sim “Padrão”
  14. 14. x T ICD es E DC p OM WHO a ty SN Dat IHTSDO ISO PMAC EN13606- EN1 ASTM CCR Documents Content models Security Terminology EN 3606 Services 1 E 36 C N1 A 0 36 -3 4 RB 6-2 Q 06 PD -1 s geIHE PIX s CEN sa RID age v2 ss es m e m v3 XD HL7 S HI HSSP SA W CCO CD A s te pla m Te Fonte: Thomas Beale, EFMI
  15. 15. As Especificações openEHR• Modelo multinível (ou dual): desenvolvimento do software e modelagem do conhecimento são separados• O modelo de referência é implementado em software• O conhecimento é modelado em “arquétipos”
  16. 16. Modelo dual openEHR
  17. 17. Modelo de Referência openEHR• Definição das classes entendidas como “blocos genéricos” de construção de um SIS: ▫ Representação das características genéricas dos componentes necessários em um SIS, e de como eles se agregam• Separa o conteúdo clínico do demográfico• Especifica os elementos necessários a serem seguidos na implementação em função dos princípios éticos e legais próprios da área da saúde
  18. 18. Estrutura de alto nível do MR Composition
  19. 19. Estrutura de uma Composição
  20. 20. Arquétipo openEHR• É a arquitetura adotada nas especificações para a modelagem do conhecimento• É a definição das “combinações de” + “restrições a” classes existentes do MR que são necessárias para expressar um conceito específico em saúde• Contém todo o contexto semântico do conceito que modela• Para garantir interoperabilidade, os arquétipos devem ser: ▫ Elaborados por uma comunidade aberta ▫ Mantidos em um repositório público que permita reutilização
  21. 21. Arquétipos
  22. 22. Meta-arquitetura dos Arquétipos
  23. 23. Estrutura do Pacote openEHR
  24. 24. Pacotes do Modelo de Referência (1)• Pacote Suporte: ▫ Descrição dos conceitos mais básicos das especificações ▫ Contém os pacotes Definições, Identificação, Terminologia e Medidas ▫ Pacote Assumed Types: descreve quais os tipos básicos de dados externos são adotados pelo openEHR• Pacote Tipos de Dados: ▫ Define todos os tipos de dados requeridos em saúde ▫ Texto, Quantidades, Data/Tempo, Dados Encapsulados, Tipos Básicos
  25. 25. Pacotes do Modelo de Referência (2)• Pacote Estrutura de Dados: ▫ Descreve as estruturas genéricas de dados que serão estruturadas de forma específica em arquétipos ▫ Item Simples, Lista, Tabela, Árvore, História• Pacote Tipos de Dados: ▫ Define todos os tipos de dados requeridos em saúde ▫ Texto, Quantidades, Data/Tempo, Dados Encapsulados, Tipos Básicos
  26. 26. Pacotes do Modelo de Referência (3)• Pacote Comum: ▫ Descreve classes que serão recorrentes em pacotes de nível mais alto ▫ Localizável-Arquetipado (ligação entre MR e MI), Atestado e Participação, Controle de Alterações• Pacote Segurança: ▫ Define a semântica de controle de acesso e privacidade do EHR
  27. 27. Pacotes do Modelo de Referência (4)• Pacote EHR: ▫ Define o conteúdo e o contexto semântico dos conceitos EHR, Composição, Seção e Entrada ▫ São as classes mais agregadas do EHR• Pacote Extrato do EHR: ▫ Define como um extrato do EHR é obtido a partir de uma Composição, de informações demográficas ou de controle de acesso
  28. 28. Pacotes do Modelo de Referência (5)• Pacote Integração: ▫ Define a classe Entrada Genérica, um subtipo da classe Entrada utilizada para representar dados legados externos como uma árvore ▫ Este tipo de Entrada tem seus próprios “arquétipos de integração”, que podem ser combinados com arquétipos p.d.• Pacote Demográfico: ▫ Define conceitos genéricos como Parte (Ator, Papel) e detalhes de endereço, que serão restringidos por arquétipos demográficos
  29. 29. Demais Pacotes• Pacote Arquétipo: ▫ Descreve a semântica dos arquétipos e templates ▫ Inclui a arquitetura da ADL (Archetype Definition Language)• Pacote Serviços: ▫ Virtual EHR API: interface com dados desagregados ▫ Serviço de EHR: interface com dados agregados ▫ Serviço de Arquétipos: interface com repositórios remotos de arquétipos ▫ Interface de Terminologia: estrutura de um servidor de terminologias
  30. 30. Síntese:• A modelagem tradicional de sistemas de informação, na qual o conhecimento do domínio é implementado em software, é ineficiente para realidades complexas e dinâmicas como a do sistema de saúde• Os problemas advindos do uso desta modelagem nos SIS mundiais tem estimulado iniciativas de padronização• A adoção de terminologias é um elemento importante, mas não resolve os problemas da área se os sistemas continuarem sendo implementados em um só nível
  31. 31. Síntese:• Na modelagem multinível, cada especialista é responsável pela sua especialidade: ▫ O cientista da computação implementa o modelo de referência ▫ O profissional de saúde modela o conhecimento• A camada de software + DB é separada da camada de conhecimento• Não confundir com “three tier”, que tradicionalmente mantém a camada de conhecimento implementada em software e somente separa BI e GUI
  32. 32. Modelagem Tradicional
  33. 33. Modelagem Multinível
  34. 34. Modelagem Multinível
  35. 35. Perguntas?http://www.mlhim.orglutricav@vm.uff.br

×