Seminário a nova classe média brasileira 02-06-2010 - apresentação de fabio pina

308 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
308
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Seminário a nova classe média brasileira 02-06-2010 - apresentação de fabio pina

  1. 1. EVOLUÇÃO DO CONSUMO: POSSIBILIDADES E RESTRIÇÕES
  2. 2. • ÍNDICE - Ponto de partida - Projeções de consumo - Efeitos sobre as contas nacionais - Conclusão
  3. 3. • ÍNDICE - Ponto de partida - Projeções de consumo - Efeitos sobre as contas nacionais - Conclusão
  4. 4. PARTIDA • O país deve crescer de forma mais acelerada em 2010; • Consumo das famílias atinge mais de 60% do PIB hoje; • Consumo do setor público em trajetória de alta; • Investimento produtivo deve acelerar nos próximos 2 anos;
  5. 5. SITUAÇÃO DE PARTIDA - 2009
  6. 6. PERSPECTIVAS 2010
  7. 7. • ÍNDICE - Ponto de partida - Projeções de consumo - Efeitos sobre as contas nacionais - Conclusão
  8. 8. PROJEÇÕES DE CONSUMO • Classes C, D e E devem ver seu consumo se expandindo cerca de 8% ao ano nos próximos anos, depois convergindo para taxas próximas de outras rendas; • Outras faixas de renda devem apresentar crescimento de consumo semelhante ao do PIB; • Haverá, portanto, modificações nos pesos de cada estado em termos de participação sobre o consumo do país; • Também se modificará o padrão médio de consumo com uma sofisticação relativa maior.
  9. 9. SUPOSIÇÕES BÁSICAS Crescimento do consumo das famílias: CONCEITO - CRESCIMENTO ESPERADO POR VARIÁVEL 2010 2011 2012 2013 2014 1,0% 1,0% 1,0% 1,0% 1,0% 5,0% 4,0% 4,0% 4,0% 4,0% 5,6% 5,6% 5,6% 4,5% 4,5% 4,0% 4,0% 4,0% 4,0% 4,0% 4,0% 4,0% 4,0% 4,0% 4,0% 7,0% 7,0% 7,0% 5,0% 5,0% 8,0% 8,0% 8,0% 5,0% 5,0% 8,0% 8,0% 8,0% 5,0% 5,0% B (de 10 a 30 S.M.) C (de 5 a 10 S.M.) D (de 2 a 5 S.M) E ( até 2 S.M.) População X Mil PIB - BILHÕES Consumo das Famílias - Bilhões A (Mais de 30 S.M.)
  10. 10. CONSUMO BRASIL - LP
  11. 11. CONSUMO BRASIL - LP
  12. 12. CONSUMO BRASIL - LP
  13. 13. CONSUMO POR CATEGORIA Classe de renda Cons.Mensal Rel.Grupo Per Capita Das Despesas Totais familiar mensal (R$) (%) (%) (%) A (Mais de 30 S.M.) 25.330.881.935 27,18% 3.745,36R$ 100,0% B (de 10 a 30 S.M.) 27.020.484.240 28,99% 1.240,44R$ 100,0% C (de 5 a 10 S.M.) 17.831.244.719 19,13% 561,28R$ 100,0% D (de 2 a 5 S.M) 16.921.399.461 18,16% 278,38R$ 100,0% E ( até 2 S.M.) 6.090.680.354 6,54% 92,76R$ 100,0% TOTAL 93.194.690.709 100,00% 499,01R$ 100,0% Classe de renda Cons.Mensal Rel.Grupo Per Capita Das Despesas Totais familiar mensal (R$) (%) (%) (%) A (Mais de 30 S.M.) 2.285.808.894 14,22% 337,97R$ 9,0% B (de 10 a 30 S.M.) 3.821.239.574 23,78% 175,42R$ 14,1% C (de 5 a 10 S.M.) 3.659.871.640 22,78% 115,20R$ 20,5% D (de 2 a 5 S.M) 4.416.469.368 27,48% 72,66R$ 26,1% E ( até 2 S.M.) 1.886.233.543 11,74% 28,73R$ 31,0% TOTAL 16.069.623.018 100,00% 86,04R$ 17,2% Classe de renda Cons.Mensal Rel.Grupo Per Capita Das Despesas Totais familiar mensal (R$) (%) (%) (%) A (Mais de 30 S.M.) 5.755.271.081 20,73% 850,96R$ 22,7% B (de 10 a 30 S.M.) 7.505.369.017 27,03% 344,55R$ 27,8% C (de 5 a 10 S.M.) 5.877.047.242 21,16% 184,99R$ 33,0% D (de 2 a 5 S.M) 6.288.962.141 22,65% 103,46R$ 37,2% E ( até 2 S.M.) 2.342.188.344 8,43% 35,67R$ 38,5% TOTAL 27.768.837.826 100,00% 148,69R$ 29,8% Produto: Despesa total Produto: Alimentação Produto: Habitação
  14. 14. • ÍNDICE - Ponto de partida - Projeções de consumo - Efeitos sobre as contas nacionais - Conclusão
  15. 15. CONTAS NACIONAIS • O crescimento excessivo do consumo (famílias, empresas e governo) não será acompanhado pelo crescimento da oferta global; • Esse padrão somente poderá ser replicado pelos próximos anos a depender da poupança externa; • O déficit estimado nestas contas parece pouco provável de ser financiado.
  16. 16. PROJEÇÕES DAS CONTAS NACIONAIS ANO 2010 2011 2012 2013 2014 PIB - BILHÕES 5,0% 4,0% 4,0% 4,0% 4,0% Consumo Famílias 5,6% 5,6% 5,6% 4,5% 4,5% Consumo Governo 3,5% 3,5% 3,5% 3,5% 3,5% FBKF 10,0% 5,0% 5,0% 5,0% 5,0% Exportação 5,0% 5,0% 5,0% 5,0% 5,0% Importação 12,6% 13,6% 13,1% 7,4% 7,3%
  17. 17. PIB BRASIL - LP ANO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 PIB - BILHÕES 3.143,0R$ 3.300R$ 3.432R$ 3.569R$ 3.712R$ 3.861R$ 4.015R$ 4.176R$ 4.343R$ 4.516R$ 4.697R$ 4.885R$ Consumo Famílias 1.972,0R$ 2.081,7R$ 2.198,1R$ 2.321,7R$ 2.425,3R$ 2.533,6R$ 2.646,8R$ 2.765,2R$ 2.888,8R$ 3.018,1R$ 3.153,3R$ 3.294,5R$ Consumo Governo 654,1R$ 677,0R$ 700,7R$ 725,2R$ 750,6R$ 776,9R$ 804,1R$ 832,2R$ 861,3R$ 891,5R$ 922,7R$ 955,0R$ FBKF 525,8R$ 578,4R$ 607,30R$ 637,66R$ 669,55R$ 703,02R$ 738,18R$ 775,08R$ 813,84R$ 854,53R$ 897,26R$ 942,12R$ Exportação 354,2R$ 371,9R$ 390,5R$ 410,0R$ 430,5R$ 452,1R$ 474,7R$ 498,4R$ 523,3R$ 549,5R$ 577,0R$ 605,8R$ Importação 363,1R$ 408,8R$ 464,4R$ 525,2R$ 563,8R$ 604,9R$ 648,6R$ 695,1R$ 744,5R$ 797,1R$ 853,0R$ 912,4R$ EX Líquida (8,90)R$ (36,90)R$ (73,92)R$ (115,13)R$ (133,24)R$ (152,80)R$ (173,92)R$ (196,69)R$ (221,22)R$ (247,63)R$ (276,04)R$ (306,57)R$ Consumo Famílias 62,7% 63,1% 64,0% 65,0% 65,3% 65,6% 65,9% 66,2% 66,5% 66,8% 67,1% 67,4% Consumo Governo 20,8% 20,5% 20,4% 20,3% 20,2% 20,1% 20,0% 19,9% 19,8% 19,7% 19,6% 19,5% FBKF 16,7% 17,5% 17,7% 17,9% 18,0% 18,2% 18,4% 18,6% 18,7% 18,9% 19,1% 19,3% Exportação 11,3% 11,3% 11,4% 11,5% 11,6% 11,7% 11,8% 11,9% 12,1% 12,2% 12,3% 12,4% Importação 11,6% 12,4% 13,5% 14,7% 15,2% 15,7% 16,2% 16,6% 17,1% 17,6% 18,2% 18,7% EX Líquida -0,3% -1,1% -2,2% -3,2% -3,6% -4,0% -4,3% -4,7% -5,1% -5,5% -5,9% -6,3%
  18. 18. • ÍNDICE - Ponto de partida - Projeções de consumo - Efeitos sobre as contas nacionais - Conclusão
  19. 19. • O suposto crescimento acelerado das famílias levará a efeitos colaterais significativos. • As mudanças mais significativas deverão ocorrer no padrão de consumo das classes C, D e E. • O Brasil do consumo não “cabe” em si mesmo: ou as famílias consomem, ou o governo gasta ou as empresas investem. Uma alternativa é apelar para a poupança externa, mas essa hipótese tem sérios limites. • A falta de infra, de controle dos gastos públicos e a evidente restrição da poupança externa levarão o país a ter que lidar com pressões no câmbio, preços e juros. CONCLUSÃO

×