O MARCO CIVIL E A
LEI DE CRIMES
INFORMÁTICOS
Rony Vainzof
A INTERNET
NUNCA
FOI
UM TERRITÓRIO
SEM LEIS!!!
X
INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA?
Rony Vainzof
rony@opiceblum.com.br
Invasão de dispositivo informático x Violação de Domicílio
Invasão de dispositivo informático
Art. 154-A. Pena - detenção,...
Art. 154-A, caput – Invasão
Invadir dispositivo informático alheio, conectado ou não à rede de computadores, mediante viol...
MARCO CIVIL (Lei n.º 12.965/14) - PILARES
23.06.14: início de vigência da Lei nº 12.965/2014.
• Liberdade de Expressão
• P...
MARCO CIVIL (Lei n.º 12.965/14) – 23/04/14
CONSTITUIÇÃO FEDERAL
Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela uni...
Art. 19. Com o intuito de assegurar a liberdade de expressão e impedir a censura, o provedor de aplicações de Internet
som...
STJ – RESP 1.323.754
RESPONSABILIDADE CIVIL. INTERNET. REDES
SOCIAIS. MENSAGEM OFENSIVA. CIÊNCIA PELO
PROVEDOR. REMOÇÃO. P...
EXEMPLO – Contrato Click
• SITE DE GAMES – VENDA DA ALMA (Contrato Click)
Pesquisa Fecomercio:
- 66,6% dos entrevistados a...
Art.7º Direitos dos usuários:
VI – a informações claras e completas constantes dos contratos de prestação de serviços, com...
Lei de Acesso à Informação (bando de dados públicos)
Art. 4o Para os efeitos desta Lei, considera-se:
IV - informação pess...
Art. 14. Na provisão de conexão, onerosa ou gratuita, é vedado guardar os
registros de acesso a aplicações de Internet.
Ar...
Art. 10. A guarda e a disponibilização dos registros de conexão e de acesso a aplicações de internet
de que trata esta Lei...
Art. 13. Na provisão de conexão à Internet, cabe ao administrador de
sistema autônomo respectivo o dever de manter os regi...
Art. 13. Na provisão de conexão à Internet
• Recomendação do CGI: 03 anos;
• Resolução da Anatel 614/13 (SCM): “Art. 53. A...
STJ (RECURSO ESPECIAL Nº 1.398.985): 03 anos do cancelamento do serviço.
Art 15. O provedor de aplicações de Internet cons...
Art. 11. Em qualquer operação de coleta, armazenamento, guarda e tratamento de
registros, dados pessoais ou de comunicaçõe...
Mandado de Segurança TJ/SP - Mandado de Segurança nº 2073993-57.2014.8.26.0000
Alega a impetrante que embora tenha o mesmo...
MARCO CIVIL (Lei n.º 12.965/14) – 23/04/14
Art. 9o O responsável pela transmissão, comutação ou roteamento tem o dever de ...
OBRIGADO!!!
RONY VAINZOF
rony@opiceblum.com.br
OBRIGADO!!!
RONY VAINZOF
rony@opiceblum.com.br
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

VI Congresso Fecomercio de Crimes Eletrônicos, 04/08/2014 - Apresentação de Rony Vainzof - Marco Civil e Lei de Crimes Eletrônicos

1.778 visualizações

Publicada em

Publicada em: Direito
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.778
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
68
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
111
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

VI Congresso Fecomercio de Crimes Eletrônicos, 04/08/2014 - Apresentação de Rony Vainzof - Marco Civil e Lei de Crimes Eletrônicos

  1. 1. O MARCO CIVIL E A LEI DE CRIMES INFORMÁTICOS Rony Vainzof
  2. 2. A INTERNET NUNCA FOI UM TERRITÓRIO SEM LEIS!!!
  3. 3. X INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? Rony Vainzof rony@opiceblum.com.br
  4. 4. Invasão de dispositivo informático x Violação de Domicílio Invasão de dispositivo informático Art. 154-A. Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa. Violação de domicílio Art. 150 - Entrar ou permanecer, clandestina ou astuciosamente, ou contra a vontade expressa ou tácita de quem de direito, em casa alheia ou em suas dependências: Pena - detenção, de um a três meses, ou multa. § 4º - A expressão "casa" compreende: I - qualquer compartimento habitado; II - aposento ocupado de habitação coletiva; III - compartimento não aberto ao público, onde alguém exerce profissão ou atividade. Lei 12.737/12 – CRIME DE INVASÃO Pesquisa Fecomercio - 86,2% na cidade de São Paulo considera que a Lei n° 12.737/2012, popularmente conhecida como “Lei Carolina Dieckmann”, não será suficiente para o combate aos crimes virtuais.
  5. 5. Art. 154-A, caput – Invasão Invadir dispositivo informático alheio, conectado ou não à rede de computadores, mediante violação indevida de mecanismo de segurança e com o fim de obter, adulterar ou destruir dados ou informações sem autorização expressa ou tácita do titular do dispositivo ou instalar vulnerabilidades para obter vantagem ilícita: Pena - detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa. Art. 154-A, § 2º – Invasão mais prejuízo Aumenta-se a pena de um sexto a um terço se da invasão resulta prejuízo econômico. Art. 154-A, §3º - Invasão mais obtenção Se da invasão resultar: a obtenção de conteúdo de comunicações eletrônicas privadas; a obtenção de segredos comerciais ou industriais; a obtenção de informações sigilosas, assim definidas em lei; ou o controle remoto não autorizado do dispositivo invadido. Pena - reclusão, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa, se a conduta não constitui crime mais grave. Art. 154-A, §4º - Invasão mais divulgação Se houver, a qualquer título a divulgação, comercialização ou transmissão dos dados ou informações obtidos. Na hipótese do § 3o, aumenta-se a pena de um a dois terços. Ou seja, reclusão de no mínimo 9 meses e no máximo de 3 anos e 4 meses. Art. 154-A, §1º - Criação e disseminação de código malicioso Na mesma pena incorre quem, com o intuito de permitir a prática da conduta definida no caput, produz dispositivo ou programa de computador para invadir dispositivo informático alheio; oferece dispositivo ou programa de computador para invadir dispositivo informático alheio; Distribui dispositivo ou programa de computador para invadir dispositivo informático alheio; vende dispositivo ou programa de computador para invadir dispositivo informático alheio; difunde dispositivo ou programa de computador para invadir dispositivo informático alheio. Lei 12.737/12 – CRIME DE INVASÃO
  6. 6. MARCO CIVIL (Lei n.º 12.965/14) - PILARES 23.06.14: início de vigência da Lei nº 12.965/2014. • Liberdade de Expressão • Privacidade e Dados Pessoais • Neutralidade de Rede
  7. 7. MARCO CIVIL (Lei n.º 12.965/14) – 23/04/14 CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: I - a soberania; II - a cidadania; III - a dignidade da pessoa humana; IV - os valores sociais do trabalho e da livre iniciativa; V - o pluralismo político. Art. 5º Garantia da inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato; V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem; IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença; X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação; XII - é inviolável o sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer para fins de investi MARCO CIVIL Art. 2º A disciplina do uso da Internet no Brasil tem como fundamento o respeito à liberdade de expressão, bem como: I – o reconhecimento da escala mundial da rede; II – os direitos humanos, o desenvolvimento da personalidade e o exercício da cidadania em meios digitais; III – a pluralidade e a diversidade; IV – a abertura e a colaboração; V – a livre iniciativa, a livre concorrência e a defesa do consumidor; e VI – a finalidade social da rede.
  8. 8. Art. 19. Com o intuito de assegurar a liberdade de expressão e impedir a censura, o provedor de aplicações de Internet somente poderá ser responsabilizado civilmente por danos decorrentes de conteúdo gerado por terceiros se, após ordem judicial específica, não tomar as providências para, no âmbito e nos limites técnicos do seu serviço e dentro do prazo assinalado, tornar indisponível o conteúdo apontado como infringente, ressalvadas as disposições legais em contrário. § 1º A ordem judicial de que trata o caput deverá conter, sob pena de nulidade, identificação clara e específica do conteúdo apontado como infringente, que permita a localização inequívoca do material. § 2º A aplicação do disposto neste artigo para infrações a direitos de autor ou a diretos conexos depende de previsão legal específica, que deverá respeitar a liberdade de expressão e demais garantias previstas no art. 5º da constituição federal. § 3º As causas que versem sobre ressarcimento por danos decorrentes de conteúdos disponibilizados na Internet relacionados à honra, à reputação ou a direitos de personalidade bem como sobre a indisponibilização desses conteúdos por provedores de aplicações de Internet poderão ser apresentadas perante os juizados especiais. § 4º O Juiz, inclusive no procedimento previsto no §3º, poderá antecipar, total ou parcialmente, os efeitos da tutela pretendida no pedido inicial, existindo prova inequívoca do fato e considerado o interesse da coletividade na disponibilização do conteúdo na Internet, desde que presentes os requisitos de verossimilhança da alegação do autor e de fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação. Art. 21. O provedor de aplicações de Internet que disponibilize conteúdo gerado por terceiros poderá ser responsabilizado subsidiariamente pela divulgação de imagens, vídeos ou outros materiais contendo cenas de nudez ou de atos sexuais de caráter privado sem autorização de seus participantes quando, após o recebimento de notificação, deixar de promover, de forma diligente, no âmbito e nos limites técnicos do seu serviço, a indisponibilização desse conteúdo. Parágrafo único. A notificação prevista no caput deverá conter elementos que permitam a identificação específica do material apontado como violador de direitos da vítima. MARCO CIVIL (Lei n.º 12.965/14) – 23/04/14
  9. 9. STJ – RESP 1.323.754 RESPONSABILIDADE CIVIL. INTERNET. REDES SOCIAIS. MENSAGEM OFENSIVA. CIÊNCIA PELO PROVEDOR. REMOÇÃO. PRAZO. 1. A velocidade com que as informações circulam no meio virtual torna indispensável que medidas tendentes a coibir a divulgação de conteúdos depreciativos e aviltantes sejam adotadas célere e enfaticamente, de sorte a potencialmente reduzir a disseminação do insulto, minimizando os nefastos efeitos inerentes a dados dessa natureza. 2. Uma vez notificado de que determinado texto ou imagem possui conteúdo ilícito, o provedor deve retirar o material do ar no prazo de 24 (vinte e quatro) horas, sob pena de responder solidariamente com o autor direto do dano, em virtude da omissão praticada. 3. Nesse prazo de 24 horas, não está o provedor obrigado a analisar o teor da denúncia recebida, devendo apenas promover a suspensão preventiva das respectivas páginas, até que tenha tempo hábil para apreciar a veracidade das alegações, de modo a que, confirmando-as, exclua definitivamente o perfil ou, tendo-as por infundadas, restabeleça o seu livre acesso. 4. O diferimento da análise do teor das denúncias não significa que o provedor poderá postergá-la por tempo indeterminado, deixando sem satisfação o usuário cujo perfil venha a ser provisoriamente suspenso. Cabe ao provedor, o mais breve possível, dar uma solução final para o conflito, confirmando a remoção definitiva da página de conteúdo ofensivo ou, ausente indício de ilegalidade, recolocando-a no ar, adotando, nessa última hipótese, as providências legais cabíveis contra os que abusarem da prerrogativa de denunciar. 5. Recurso especial a que se nega provimento. MARCO CIVIL (Lei n.º 12.965/14) – 23/04/14
  10. 10. EXEMPLO – Contrato Click • SITE DE GAMES – VENDA DA ALMA (Contrato Click) Pesquisa Fecomercio: - 66,6% dos entrevistados afirmaram que não costumam ler integralmente os contratos ou “termos de uso” dos sites e redes sociais que utilizam. - 69,6% não confiam na guarda de seus dos dados pelos sites. - 65,7% não sabem o motivo pelo qual serviços são gratuitos.
  11. 11. Art.7º Direitos dos usuários: VI – a informações claras e completas constantes dos contratos de prestação de serviços, com detalhamento sobre o regime de proteção aos registros de conexão e aos registros de acesso a aplicações de Internet, bem como sobre práticas de gerenciamento da rede que possam afetar sua qualidade; e VII – ao não fornecimento a terceiros de seus dados pessoais, inclusive registros de conexão, e de acesso a aplicações de Internet, salvo mediante consentimento livre, expresso e informado ou nas hipóteses previstas em lei; VIII – a informações claras e completas sobre a coleta, uso, armazenamento, tratamento e proteção de seus dados pessoais, que somente poderão ser utilizados para finalidades que: a) justificaram sua coleta; b) não sejam vedadas pela legislação; e c) estejam especificadas nos contratos de prestação de serviços ou em termos de uso de aplicações de Internet. IX – ao consentimento expresso sobre a coleta, uso, armazenamento e tratamento de dados pessoais, que deverá ocorrer de forma destacada das demais cláusulas contratuais; X – à exclusão definitiva dos dados pessoais que tiver fornecido a determinada aplicação de Internet, a seu requerimento, ao término da relação entre as partes, ressalvadas as hipóteses de guarda obrigatória de registros previstas nesta Lei; XI– à publicidade e clareza de eventuais políticas de uso dos provedores de conexão à Internet e de aplicações de Internet; XIII – à aplicação das normas de proteção e defesa do consumidor nas relações de consumo realizadas na Internet. MARCO CIVIL (Lei n.º 12.965/14) – 23/04/14
  12. 12. Lei de Acesso à Informação (bando de dados públicos) Art. 4o Para os efeitos desta Lei, considera-se: IV - informação pessoal: aquela relacionada à pessoa natural identificada (dados cadastrais) ou identificável (dado em contexto); Lei de Cadastro Positivo § 3o Ficam proibidas as anotações de: II - informações sensíveis, assim consideradas aquelas pertinentes à origem social e étnica, à saúde, à informação genética, à orientação sexual e às convicções políticas, religiosas e filosóficas. Anteprojeto de Lei Art. 4º Para os fins da presente lei, entende-se como: I - dado pessoal: qualquer informação relativa a uma pessoa identificada ou identificável, direta ou indiretamente, incluindo todo endereço ou número de identificação de um terminal utilizado para conexão a uma rede de computadores; IV - dados sensíveis: dados pessoais cujo tratamento possa ensejar discriminação do titular, tais como aqueles que revelem a origem racial ou étnica, as convicções religiosas, filosóficas ou morais, as opiniões políticas, a filiação sindical, partidária ou a organizações de caráter religioso, filosófico ou político, os referentes à saúde e à vida sexual, bem como os dados genéticos e biométricos. O que é dado pessoal?
  13. 13. Art. 14. Na provisão de conexão, onerosa ou gratuita, é vedado guardar os registros de acesso a aplicações de Internet. Art. 16. Na provisão de aplicações de Internet, onerosa ou gratuita, é vedada a guarda: I – dos registros de acesso a outras aplicações de Internet sem que o titular dos dados tenha consentido previamente, respeitado o disposto no art. 7º; ou II – de dados pessoais que sejam excessivos em relação à finalidade para a qual foi dado consentimento pelo seu titular. MARCO CIVIL (Lei n.º 12.965/14) – 23/04/14
  14. 14. Art. 10. A guarda e a disponibilização dos registros de conexão e de acesso a aplicações de internet de que trata esta Lei, bem como de dados pessoais e do conteúdo de comunicações privadas, devem atender à preservação da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem das partes direta ou indiretamente envolvidas. § 1º O provedor responsável pela guarda somente será obrigado a disponibilizar os registros mencionados no caput, de forma autônoma ou associados a dados pessoais ou a outras informações que possam contribuir para a identificação do usuário ou do terminal, mediante ordem judicial, na forma do disposto na Seção IV deste Capítulo, respeitado o disposto no art. 7o. § 2º O conteúdo das comunicações privadas somente poderá ser disponibilizado mediante ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei estabelecer, respeitado o disposto nos incisos II e III do art. 7o. § 3º O disposto no caput não impede o acesso aos dados cadastrais que informem qualificação pessoal, filiação e endereço, na forma da lei, pelas autoridades administrativas que detenham competência legal para a sua requisição. § 4o As medidas e os procedimentos de segurança e de sigilo devem ser informados pelo responsável pela provisão de serviços de forma clara e atender a padrões definidos em regulamento, respeitado seu direito de confidencialidade quanto a segredos empresariais. MARCO CIVIL (Lei n.º 12.965/14) – 23/04/14 Pesquisa Fecomercio - sobre a guarda de registros de acesso para o auxílio de eventuais investigações de crimes eletrônicos, 79,3% afirmaram que os sites devem armazenar as informações..
  15. 15. Art. 13. Na provisão de conexão à Internet, cabe ao administrador de sistema autônomo respectivo o dever de manter os registros de conexão, sob sigilo, em ambiente controlado e de segurança, pelo prazo de um ano, nos termos do regulamento. § 1º A responsabilidade pela manutenção dos registros de conexão não poderá ser transferida a terceiros. § 2º A autoridade policial ou administrativa ou o Ministério Público poderá requerer cautelarmente que os registros de conexão sejam guardados por prazo superior ao previsto no caput. § 5º Em qualquer hipótese, a disponibilização ao requerente, dos registros de que trata este artigo, deverá ser precedida de autorização judicial, conforme disposto na Seção IV deste Capítulo. § 6º Na aplicação de sanções pelo descumprimento ao disposto neste artigo, serão considerados a natureza e a gravidade da infração, os danos dela resultantes, eventual vantagem auferida pelo infrator, as circunstâncias agravantes, os antecedentes do infrator e a reincidência. MARCO CIVIL (Lei n.º 12.965/14) – 23/04/14
  16. 16. Art. 13. Na provisão de conexão à Internet • Recomendação do CGI: 03 anos; • Resolução da Anatel 614/13 (SCM): “Art. 53. A Prestadora deve manter os dados cadastrais e os Registros de Conexão de seus Assinantes pelo prazo mínimo de um ano.”; • Lei da Organização Criminosa (Lei n.º 12.850/13): – § 1o Considera-se organização criminosa a associação de 4 (quatro) ou mais pessoas estruturalmente ordenada e caracterizada pela divisão de tarefas, ainda que informalmente, com objetivo de obter, direta ou indiretamente, vantagem de qualquer natureza, mediante a prática de infrações penais cujas penas máximas sejam superiores a 4 (quatro) anos, ou que sejam de caráter transnacional. – Art. 3º, IV: IV - acesso a registros de ligações telefônicas e telemáticas, a dados cadastrais constantes de bancos de dados públicos ou privados e a informações eleitorais ou comerciais – Art. 15. O delegado de polícia e o Ministério Público terão acesso, independentemente de autorização judicial, apenas aos dados cadastrais do investigado que informem exclusivamente a qualificação pessoal, a filiação e o endereço mantidos pela Justiça Eleitoral, empresas telefônicas, instituições financeiras, provedores de internet e administradoras de cartão de crédito. – Art. 17. As concessionárias de telefonia fixa ou móvel manterão, pelo prazo de 5 (cinco) anos, à disposição das autoridades mencionadas no art. 15, registros de identificação dos números dos terminais de origem e de destino das ligações telefônicas internacionais, interurbanas e locais. • Caso da solicitação policial - crime de desobediência. MARCO CIVIL (Lei n.º 12.965/14) – 23/04/14
  17. 17. STJ (RECURSO ESPECIAL Nº 1.398.985): 03 anos do cancelamento do serviço. Art 15. O provedor de aplicações de Internet constituído na forma de pessoa jurídica, que exerça essa atividade de forma organizada, profissionalmente e com fins econômicos, deverá manter os respectivos registros de acesso a aplicações de internet, sob sigilo, em ambiente controlado e de segurança, pelo prazo de seis meses, nos termos do regulamento. § 1º Ordem judicial poderá obrigar, por tempo certo, os provedores de aplicações de Internet que não estão sujeitos ao disposto no caput a guardarem registros de acesso a aplicações de Internet, desde que se tratem de registros relativos a fatos específicos em período determinado. § 2º A autoridade policial ou administrativa ou o Ministério Público poderão requerer cautelarmente a qualquer provedor de aplicações de Internet que os registros de acesso a aplicações de Internet sejam guardados, inclusive por prazo superior ao previsto no caput, observado o disposto nos §§ 3º e 4º do art. 14. § 3º Em qualquer hipótese, a disponibilização ao requerente, dos registros de que trata este artigo, deverá ser precedida de autorização judicial, conforme disposto na Seção IV deste Capítulo. § 4º Na aplicação de sanções pelo descumprimento ao disposto neste artigo, serão considerados a natureza e a gravidade da infração, os danos dela resultantes, eventual vantagem auferida pelo infrator, as circunstâncias agravantes, os antecedentes do infrator e a reincidência. Art. 18 Ressalvadas as hipóteses previstas nesta Lei, a opção por não guardar os registros de acesso a aplicações de Internet não implica responsabilidade sobre danos decorrentes do uso desses serviços por terceiros. MARCO CIVIL (Lei n.º 12.965/14) – 23/04/14
  18. 18. Art. 11. Em qualquer operação de coleta, armazenamento, guarda e tratamento de registros, dados pessoais ou de comunicações por provedores de conexão e de aplicações de Internet em que pelo menos um desses atos ocorram em território nacional, DEVERÁ SER RESPEITADA A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA, os direitos à privacidade, à proteção dos dados pessoais e dos e ao sigilo das comunicações privadas e dos registros. §1º O disposto no caput se aplica aos dados coletados em território nacional e ao conteúdo das comunicações, nos quais pelo menos um dos terminais esteja localizado no Brasil. §2º O disposto no caput se aplica mesmo que as atividades sejam realizadas por pessoa jurídica sediada no exterior, desde que pelo menos uma integrante do mesmo grupo econômico possua estabelecimento no Brasil. §3º Os provedores de conexão e de aplicações de Internet deverão prestar, na forma da regulamentação, informações que permitam a verificação quanto ao cumprimento da legislação brasileira, referente à coleta, guarda, armazenamento ou tratamento de dados, bem como quanto ao respeito à privacidade e ao sigilo de comunicações. §4º Decreto regulamentará o procedimento para apuração de infrações ao disposto neste artigo. MARCO CIVIL (Lei n.º 12.965/14) – 23/04/14
  19. 19. Mandado de Segurança TJ/SP - Mandado de Segurança nº 2073993-57.2014.8.26.0000 Alega a impetrante que embora tenha o mesmo nome de duas outras empresas, uma nos EUA e outra na República da Irlanda, lhes é completamente independente, chamando-se “Facebook Brasil”, afirmando, porém, não ter, in verbis: “qualquer controle sobre o site Facebook”, e “que não participa de sua gestão, operacionalização e administração”. Evidentemente, tal assertiva não pode ser aceita para os fins desta ação mandamental. Assim é que a própria impetrante junta documentos de origem do próprio Facebook, inclusive da Irlanda e daquele com sede na Califórnia, EUA. Em termos técnicos, haveria quase que uma confusão de empresas, onde atos de gestão e de acesso à base de dados das três se confundiriam. Mais que isso, questões como essa, por força de mudança legislativa a viger dentro de semanas apenas, a Lei nº 12.965 de 2014, Marco Civil da internet, estarão devidamente superadas, posto que qualquer empresa afiliada de qualquer modo, com representação no Brasil, obrigatoriamente responderá por atos e fatos constantes em cadastros ou dados armazenados. Nestes últimos dias sem tal legislação, porém, ainda assim tais afirmações não lhe socorrem, posto que houve regular determinação judicial para cumprimento de uma ordem, ato de império do Estado Brasileiro. Decisão Judicial – Art. 11 do MC (Lei n.º 12.965/14)
  20. 20. MARCO CIVIL (Lei n.º 12.965/14) – 23/04/14 Art. 9o O responsável pela transmissão, comutação ou roteamento tem o dever de tratar de forma isonômica quaisquer pacotes de dados, sem distinção por conteúdo, origem e destino, serviço, terminal ou aplicação. § 1o A discriminação ou degradação do tráfego será regulamentada nos termos das atribuições privativas do Presidente da República previstas no inciso IV do art. 84 da Constituição Federal, para a fiel execução desta Lei, ouvidos o Comitê Gestor da Internet e a Agência Nacional de Telecomunicações, e somente poderá decorrer de: I - requisitos técnicos indispensáveis à prestação adequada dos serviços e aplicações; e II - priorização de serviços de emergência. § 2o Na hipótese de discriminação ou degradação do tráfego prevista no § 1o, o responsável mencionado no caput deve: I - abster-se de causar dano aos usuários, na forma do art. 927 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil; II - agir com proporcionalidade, transparência e isonomia; III - informar previamente de modo transparente, claro e suficientemente descritivo aos seus usuários sobre as práticas de gerenciamento e mitigação de tráfego adotadas, inclusive as relacionadas à segurança da rede; e IV - oferecer serviços em condições comerciais não discriminatórias e abster-se de praticar condutas anticoncorrenciais. § 3o Na provisão de conexão à internet, onerosa ou gratuita, bem como na transmissão, comutação ou roteamento, é vedado bloquear, monitorar, filtrar ou analisar o conteúdo dos pacotes de dados, respeitado o disposto neste artigo.
  21. 21. OBRIGADO!!! RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br
  22. 22. OBRIGADO!!! RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

×