LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS
DE MATERIAIS METÁLICOS
E SC O LA P O LI TÉ C N I C A DA U N I VE R SI DADE DE S ÃO P AULO
- D...
CONCEITOS – USINA INTEGRADA
Fonte: Belgo Mineira – Monlevade
CONCEITOS – USINA SEMI INTEGRADA
Fonte: Belgo Mineira – Juiz de Fora
CONCEITOS – FORNOS PRIMÁRIO E PANELA
• O forno primário utiliza três grandes eletrodos de grafita para fundir o aço
atravé...
CLASSIFICAÇÃO DAS SUCATAS FERROSAS
 SUCATA INTERNA - gerada dentro da própria Usina Siderúrgica
 SUCATA INDUSTRIAL - ger...
SETOR SIDERÚRGICO
Insumos Unid 2006 2007 2008 2009 2010
Minério de Ferro 103t 34.695 40.087 38.762 30.793 37.942
Sucata de...
A PARTICIPAÇÃO DOS SUCATEIROS
Fonte: Relatório Técnico 83 – Reciclagem de Metais no País, MME, 2009
SUCATA DE AÇO
Em 1t de aço reciclado
economiza-se:
 1.140kg de minério de
ferro
 154kg de carvão
 18kg de cal
Carregame...
PROCESSAMENTO DA SUCATA FERROSA
Portaria/Controle
de caçambas Pesagem (bruto)
Detector de
radioatividade
Seleção por tipo
...
SUCATA DE ALUMÍNIO
• O gasto energético na
reciclagem é 95% menor
que na produção
primária do alumínio
• A reciclagem de 1...
CONSUMO DE ALUMÍNIO POR SEGMENTO
Fonte: Associação Brasileira do Alumínio
EVOLUÇÃO DA RECUPERAÇÃO DE SUCATA DE
ALUMÍNIO NO BRASIL
0
50
100
150
200
250
300
350
74 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 2000...
RECICLAGEM DE ALUMÍNIO
RELAÇÃO ENTRE SUCATA RECUPERADA E CONSUMO DOMÉSTICO - 2009
Fonte: The Aluminum Association; Associa...
RECICLABILIDADE DE LATAS
Fonte: ABAL; Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade; The Japan Al...
METAIS NÃO FERROSOS
Metais
2006 2007
t 103US$FOB (US$/t) t 103US$FOB (US$/t)
Alumínio Primário 11.629 29.083 2.501 22.403 ...
METAIS NÃO FERROSOS
EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE METAIS NÃO FERROSOS
Fonte: Anuário Estatístico: Setor Metalúrgico 2011/ Sec...
ESQUEMA DE REDUÇÃO DE CHUMBO SECUNDÁRIO
FLUXO DE RECICLAGEM DE COBRE
ÍNDICES DE RECICLAGEM
 O International Metal Study Group, por meio de seus Grupos de Cobre, Níquel e Zinco-
Chumbo, suger...
ÍNDICES DE RECICLAGEM
 O índice de reciclagem (%) de metais e ligas foi calculado pela quantidade de sucata
reciclada div...
ÍNDICES DE RECICLAGEM
 De modo geral, quanto mais industrializada e madura a economia de uma nação,
maior a quantidade de...
SUCATAS E A PNRS
 Política Nacional de Resíduos Sólidos – Lei nº 12.305, de 2
de agosto de 2010 – Capítulo II, Art. 3º, X...
DECRETO Nº 7.404, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010
 Capítulo III, Seção II, Art. 15
“Os sistemas de logística reversa serão impl...
Te l e f on e ( 1 1 ) 3 09 1 5 24 0
fern an d o . kameo ka. u sp @g mai l. co m | j t en o ri o @u sp . br
OBRIGADO
E SC O...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Logística reversa no setor de sucatas, 4/06/2012 - Apresentação de Fernando Kameoka

1.343 visualizações

Publicada em

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.343
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
37
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Logística reversa no setor de sucatas, 4/06/2012 - Apresentação de Fernando Kameoka

  1. 1. LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS DE MATERIAIS METÁLICOS E SC O LA P O LI TÉ C N I C A DA U N I VE R SI DADE DE S ÃO P AULO - D E P A R T A M E N T O D E E N G E N H A R I A M E T A L Ú R G I C A E D E M A T E R I A I S - - L A B O R A T Ó R I O D E R E C I C L A G E M , T R A T A M E N T O D E R E S Í D U O S E M E T A L U R G I A E X T R A T I V A - junho/2012 A v . P r o f . M e l l o M o r a e s , 2 4 6 3 - C i d a d e U n i v e r s i t á r i a 0 5 5 0 8 - 0 3 0 – T e l . + 5 5 1 1 3 0 9 1 5 2 4 0 F e r n a n d o K a m e o k a
  2. 2. CONCEITOS – USINA INTEGRADA Fonte: Belgo Mineira – Monlevade
  3. 3. CONCEITOS – USINA SEMI INTEGRADA Fonte: Belgo Mineira – Juiz de Fora
  4. 4. CONCEITOS – FORNOS PRIMÁRIO E PANELA • O forno primário utiliza três grandes eletrodos de grafita para fundir o aço através de passagem de corrente elétrica alternada; • Durante o processo de fusão é soprado oxigênio por meio de lanças com o objetivo de baixar o teor de carbono e de fósforo no banho líquido. O oxigênio reage com diversos elementos químicos do banho formando a escória de alto forno; • Retira-se uma amostra do banho para análise da sua composição química; • Ao atingir o teor de carbono e a temperatura ideais (em torno de 1600ºC), o banho é vazado (90 a 100 t) para tratamento em metalurgia de panela; • Na panela são adicionados carvão e elementos de ferro liga para o acerto do teor de carbono e de Si, Mg, CaO; • É então injetado Ar objetivando a homogeneidade termo-química da corrida • Após esse processo o forno panela é trasladado para a área de lingotamento contínuo
  5. 5. CLASSIFICAÇÃO DAS SUCATAS FERROSAS  SUCATA INTERNA - gerada dentro da própria Usina Siderúrgica  SUCATA INDUSTRIAL - gerada em metalúrgicas, fundições e plantas industriais  SUCATA DE OBSOLESCÊNCIA - captada pós consumo, provém da coleta de quaisquer materiais metálicos colocados em desuso que estejam em condições de serem reciclados  SUCATA DE BENS DE CAPITAL - obtida com a demolição de unidades industriais e/ou obsolescência de máquinas e equipamentos Fonte: Iron and Steel Scrap 1999 – UNCTAD; BNDES
  6. 6. SETOR SIDERÚRGICO Insumos Unid 2006 2007 2008 2009 2010 Minério de Ferro 103t 34.695 40.087 38.762 30.793 37.942 Sucata de Ferro e Aço 103t 8.544 8.853 9.405 7.452 8.660 CONSUMO DE MATÉRIAS PRIMAS SIDERÚRGICAS Fonte: Anuário Estatístico: Setor Metalúrgico 2011/ Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral. Brasília: SGM
  7. 7. A PARTICIPAÇÃO DOS SUCATEIROS Fonte: Relatório Técnico 83 – Reciclagem de Metais no País, MME, 2009
  8. 8. SUCATA DE AÇO Em 1t de aço reciclado economiza-se:  1.140kg de minério de ferro  154kg de carvão  18kg de cal Carregamento no FEA:  70% Sucata  30% Gusa RECICLAGEM DE PRODUTOS OBSOLETOS Fonte: Relatório Técnico 83 – Reciclagem de Metais no País, Ministério de Minas e Energia, 2009
  9. 9. PROCESSAMENTO DA SUCATA FERROSA Portaria/Controle de caçambas Pesagem (bruto) Detector de radioatividade Seleção por tipo de sucata Descarregamento e estocagemProcessamento Transporteou carregamento
  10. 10. SUCATA DE ALUMÍNIO • O gasto energético na reciclagem é 95% menor que na produção primária do alumínio • A reciclagem de 1.000 kg de alumínio significa 5.000 kg de minério de bauxita poupados • No Brasil, a média de tempo estimada para a reciclagem de uma lata de alumínio é de 30 dias CICLO DE VIDA DO ALUMÍNIO
  11. 11. CONSUMO DE ALUMÍNIO POR SEGMENTO Fonte: Associação Brasileira do Alumínio
  12. 12. EVOLUÇÃO DA RECUPERAÇÃO DE SUCATA DE ALUMÍNIO NO BRASIL 0 50 100 150 200 250 300 350 74 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 Latas Outros Sucata Rec. x Cons. Doméstico (%) Unidade: 1000 toneladas
  13. 13. RECICLAGEM DE ALUMÍNIO RELAÇÃO ENTRE SUCATA RECUPERADA E CONSUMO DOMÉSTICO - 2009 Fonte: The Aluminum Association; Associação Brasileira do Alumínio, Cálculo
  14. 14. RECICLABILIDADE DE LATAS Fonte: ABAL; Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade; The Japan Aluminum Can Recycling Associacion; Câmara Argentina de la Industria del Aluminio y Metales Afines; The Aluminum Association; EAA – European Aluminium Association
  15. 15. METAIS NÃO FERROSOS Metais 2006 2007 t 103US$FOB (US$/t) t 103US$FOB (US$/t) Alumínio Primário 11.629 29.083 2.501 22.403 61.938 2.765 Sucata 54.557 96.291 1.765 103.487 197.491 1.908 Cobre Primário 175.904 1.209.000 6.873 218.466 1.633.496 7.477 Sucata 720 4.645 6.451 2.919 20.638 7.070 Magnésio Primário 7.567 15.436 2.040 6.597 16.043 2.432 Sucata 4.502 5.948 1.321 4.790 8.776 1.832 Níquel Primário 4.759 106.239 22.324 4.529 182.803 40.363 Sucata 22 147 6.682 37 829 22.405 Zinco Primário 28.893 86.991 3.011 34.946 124.631 3.566 Sucata 101 38 376 23 9 391 IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE METAIS NÃO FERROSOS Fonte: Anuário Estatístico: Setor Metalúrgico 2011/ Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral. Brasília: SGM.
  16. 16. METAIS NÃO FERROSOS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE METAIS NÃO FERROSOS Fonte: Anuário Estatístico: Setor Metalúrgico 2011/ Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral. Brasília: SGM. Metais 2006 2007 t 103US$FOB (US$/t) t 103US$FOB (US$/t) Alumínio Primário 842.060 2.786.611 2.665 1.045.088 3.015.012 2.885 Sucata 1.001 1.762 1.760 15 278 18.553 Cobre Primário 67.897 414.877 6.110 110.224 695.920 6.314 Sucata 10.584 48.861 4.616 4.948 14.805 2.992 Estanho Primário 4.538 39.739 8.757 5.712 79.140 13.855 Sucata 19 109 5.735 105 396 3.771 Níquel Primário 23.269 307.262 13.205 27.561 542.970 19.737 Sucata 561 1.598 2.848 341 2.918 8.557 Chumbo Primário 43 70 1.628 1.428 3.657 2.561 Sucata - - - 262 224 855
  17. 17. ESQUEMA DE REDUÇÃO DE CHUMBO SECUNDÁRIO
  18. 18. FLUXO DE RECICLAGEM DE COBRE
  19. 19. ÍNDICES DE RECICLAGEM  O International Metal Study Group, por meio de seus Grupos de Cobre, Níquel e Zinco- Chumbo, sugeriu a homogeneização de metodologias de cálculo de reciclagem. Assim, foram definidos, entre outros, dois indicadores de reciclagem:  Recycling Input Rate (RIR): é definido como a quantidade de metal reciclado (sucata velha e nova) dividida pela quantidade de metal produzido no país ou região. É uma medida da disponibilidade de suprimento de matéria-prima para um segmento industrial de um metal em um país. Pela definição, percebe-se que não se aplica a um país que não produza o metal.  Overall Recycling Efficiency Rate (RER): é definido como a quantidade de metal reciclado (sucata velha e nova) dividido pela quantidade de metal disponível para reciclagem (sucata velha e nova). O RER mede a eficiência com que a sucata disponível é coletada e reciclada. Este indicador requer para sua determinação o conhecimento da quantidade acumulada de metal descartado pela sociedade de um país, isto é, o estoque/reservatório, desconsiderando a parcela não recuperável, aquela fração usada de modo dissipado (como em tintas e fertilizantes).
  20. 20. ÍNDICES DE RECICLAGEM  O índice de reciclagem (%) de metais e ligas foi calculado pela quantidade de sucata reciclada dividida pelo consumo aparente do material. Metal/ Produto Índice de Reciclagem Observações Aço 28% Considerou-se a sucata adquirida pelas usinas siderúrgicas (6,4 Mt), Alumínio 36.6% Corresponde a 412,3 kt de alumínio reciclado Chumbo 62% Estimado (dados de 2007); Corresponde a 142 kt de chumbo reciclado Cobre 32% Corresponde a 169 kt de cobre reciclado Zinco - Não foram encontradas informações para o cálculo do índice de reciclagem Estanho - Níquel - Índice de reciclagem – Brasil Fonte: Anuário Estatístico: Setor Metalúrgico 2011/ Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral. Brasília: SGM.
  21. 21. ÍNDICES DE RECICLAGEM  De modo geral, quanto mais industrializada e madura a economia de uma nação, maior a quantidade de materiais disponíveis para reaproveitamento. Metal/Produto Índice de Reciclagem (%) Aço 77 Cu 35 Pb 80.5 Al 46 Sn 16 Ni 46 Zn 23 ÍNDICE DE RECICLAGEM – REFERÊNCIA EUA (2005) Fonte: Anuário Estatístico: Setor Metalúrgico 2011/ Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral. Brasília: SGM.
  22. 22. SUCATAS E A PNRS  Política Nacional de Resíduos Sólidos – Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010 – Capítulo II, Art. 3º, XII  Decreto nº 7.404, de 23 de dezembro de 2010 – Capítulo III, Seção I, Art. 13 LOGÍSTICA REVERSA: “instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada.” Fonte: Política Nacional de Resíduos Sólidos, Lei 12.305 de 2 de Agosto de 2010
  23. 23. DECRETO Nº 7.404, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010  Capítulo III, Seção II, Art. 15 “Os sistemas de logística reversa serão implementados e operacionalizados por meio dos seguintes instrumentos: I - acordos setoriais; II - regulamentos expedidos pelo Poder Público; ou III - termos de compromisso.” Fonte: Política Nacional de Resíduos Sólidos, Lei 12.305 de 2 de Agosto de 2010
  24. 24. Te l e f on e ( 1 1 ) 3 09 1 5 24 0 fern an d o . kameo ka. u sp @g mai l. co m | j t en o ri o @u sp . br OBRIGADO E SC O LA P O LI TÉ C N I C A DA U N I VE R SI DADE DE S ÃO P AULO - D E P A R T A M E N T O D E E N G E N H A R I A M E T A L Ú R G I C A E D E M A T E R I A I S - - L A B O R A T Ó R I O D E R E C I C L A G E M , T R A T A M E N T O D E R E S Í D U O S E M E T A L U R G I A E X T R A T I V A - A v . P r o f . M e l l o M o r a e s , 2 4 6 3 - C i d a d e U n i v e r s i t á r i a 0 5 5 0 8 - 0 3 0 – T e l . + 5 5 1 1 3 0 9 1 5 2 4 0

×