ANGOLA – UMANGOLA – UMMERCADO DEMERCADO DEOPORTUNIDADESOPORTUNIDADESDados Estatísticos de CrescimentoDados Estatísticos de...
ÍNDICE• Introdução• Ficha de Mercado• Estatísticas• Entrevista com o Ministro do Comércio de Angola• Empresários angolanos...
INTRODUÇÃO • Angola é, de facto, um mercado que oferece inúmeras oportunidades, ocupando mesmo para muitas empresas portug...
Evolução das ExpostaçõesPortuguesas para Angola
Sectores de aposta emAngola• Reconstrução de infra-estruturas públicas nos sectores energético, telecomunicações, ferroviá...
FICHA DE MERCADO• Angola é um parceiro com muito significado para Portugal. Apresentando-se como, potencialmente, um dos m...
ESTATÍSTICAS• O investimento privado em Angola desempenha, hoje, um papelcrucial no desenvolvimento da economia angolana. ...
Crescimento Anual doProduto Interno Bruto• Gráfico I
Evolução da Taxa deInflação AnualGráfico II
Crescimento dasExportaçõesGráfico IV
Evolução das Taxas deJuro Gráfico III
Crescimento dasExportações Gráfico IV
Principais PaísesFornecedores Gráfico V
MINISTRO DOCOMÉRCIO DE ANGOLA• “Com o advento da paz em Angola, o país tem assistido a um desenvolvimento galopante da sua...
EMPRESAS QUE JÁ APOSTAM EM ANGOLA• Primavera Software• O ano de 2006 foi um ano de forte crescimento da Primavera Software...
FONTES• Instituto Nacional de Estatística deAngola• Banco Nacional Angolano• Direcção Nacional das Alfândegas deAngola• Ag...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Angola – um mercado de oportunidades djanyck

1.640 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.640
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
266
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Angola – um mercado de oportunidades djanyck

  1. 1. ANGOLA – UMANGOLA – UMMERCADO DEMERCADO DEOPORTUNIDADESOPORTUNIDADESDados Estatísticos de CrescimentoDados Estatísticos de Crescimento
  2. 2. ÍNDICE• Introdução• Ficha de Mercado• Estatísticas• Entrevista com o Ministro do Comércio de Angola• Empresários angolanos procuram parceirosportugueses• Empresas que já apostam em Angola• Fontes
  3. 3. INTRODUÇÃO • Angola é, de facto, um mercado que oferece inúmeras oportunidades, ocupando mesmo para muitas empresas portuguesasum lugar de destaque. E Portugal tem, efectivamente, condições para manter uma posição de relevo económico em Angola,apostando neste país até como plataforma para atingir os mercados africanos circundantes. Nas próximas linhas,traçaremos uma síntese daquele que é já dos mais prósperos países no continente africano.•  • Angola recupera de um longo período de guerra civil que se vinha a arrastar ao longo dos últimos 30 anos. Angola é, hoje,um país para o qual o apoio financeiro e a assistência técnica dos países ocidentais se apresentam como alavancasfundamentais para a reconstrução do país e da sua economia. Com recursos naturais que podem ser considerados brutais ereservas de petróleo crescentes, torna-se rapidamente no primeiro produtor africano. E, segundo o FMI (FundoMonetário Internacional), em 2007, prevê-se que o crescimento em Angola seja de 30%.•  • Angola é também um mercado que vai continuar a crescer nos próximos 10 a 15 anos. Como tal, é assumidamente e semmargem para dúvidas um mercado de futuro. Um mercado que os empresários portugueses devem ter em conta e ao qualdevem estar atentos, não deixando que outros países continuem a conquistar quota de mercado, ultrapassando Portugal.•  • De acordo com estatísticas recentes, as exportações portuguesas para o mercado angolano têm apresentado um rápidocrescimento (ver Gráfico abaixo). Angola apresenta-se como o 9º mercado para as nossas exportações, representando75% das vendas portuguesas para os PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa). Angola encontra-se em 2ºlugar na lista de mercados para Portugal, fora da União Europeia, logo a seguir aos EUA.
  4. 4. Evolução das ExpostaçõesPortuguesas para Angola
  5. 5. Sectores de aposta emAngola• Reconstrução de infra-estruturas públicas nos sectores energético, telecomunicações, ferroviário e rodoviário;• Construção civil e obras públicas, sector imobiliário, saneamento básico e materiais de construção;• Produtos alimentares, mobiliário e medicamentos;• Diamantes e minérios em geral, infra-estruturas, catering, equipamentos e serviços;• Logística e serviços de consultoria TIC’s nos sectores da educação e formação.•  • Evolução do investimento português em Angola• Actualmente, encontram-se com investimento em Angola mais de 200 empresas de capital português. Sendo que umgrande número dessas firmas são propriedade de portugueses residentes naquele país. Só em 2006, o IDPE (Investimentodirecto português no estrangeiro) em Angola foi de 186 milhões US$.•  • Destaca-se ainda a forte presença portuguesa no sector bancário e na construção. Neste último caso, praticamente todasas grandes empresas de construção estão presentes em Angola.• A evolução dos projectos aprovados pela ANIP (Agência Nacional de Investimento Privado) permite verificar a evolução,em sentido ascendente, do IDPE em Angola:• 2001: aprovados 5 projectos• 2002: aprovados 7 projectos• 2003: aprovados 29 projectos• 2004: aprovados 267 projectos. Dos quais 66 eram de empresas portuguesas• 2005: aprovados 293 projectos. Dos quais 83 eram de empresas portuguesas• 1º semestre de 2006: aprovados 173 projectos. Dos quais 75 já eram de empresas portuguesas
  6. 6. FICHA DE MERCADO• Angola é um parceiro com muito significado para Portugal. Apresentando-se como, potencialmente, um dos mais prósperos países de África, devido àssuas reservas de petróleo, às capacidades hidroeléctricas, aos minerais de que dispõe e às grandes extensões de terra cultivável, das quais só umapequena parte está aproveitada.•  • Designação oficial: República de Angola•  • Área: 1.246.700 km2 (14 vezes maior que Portugal)•  • Capital: Luanda•  • Outras cidades importantes: Huambo; Lobito; Benguela; Lubango; Namibe; Malanje e Cabinda.•  • População: 14,3 milhões de habitantes (estimativa de 2005); dos quais Luanda tem 4 milhões de habitantes•  • Língua: A língua oficial é o português, mas são falados diversos dialectos africanos (umbundu, kimbundu, kikongo, chokwe, entre outros)•  • Estrutura Etária:• 0-14 anos: 43%• 15-64 anos: 53,7%• + 65 anos: 2,8%•  • Esperança de Vida: 36,6 anos•  • Portos: Cabinda, Luanda, Lobito, Namibe e Soyo•  • Moeda: Kwanza (AOA)• 1 EUR = 97,2015 AOA (Janeiro de 2006) 
  7. 7. ESTATÍSTICAS• O investimento privado em Angola desempenha, hoje, um papelcrucial no desenvolvimento da economia angolana. Pela mesmarazão, o Governo de Angola estabeleceu um regime legal deincentivos suficientemente atractivo para os potenciaisinvestidores. Não só ao nível da oferta de garantias credíveis desegurança e estabilidade jurídicas para os seus investimentos,como também, e sobretudo, estabelecendo regras e procedimentosclaros, simples e céleres para os respectivos processos deaprovação.• Foi, assim, adoptado um quadro legal que possibilite a realização deempreendimentos que envolvam investimentos privados, sejamestes nacionais ou estrangeiros. Uma iniciativa governamental queauxilia Angola na apresentação de números como os queapresentamos nos Gráficos que se seguem.
  8. 8. Crescimento Anual doProduto Interno Bruto• Gráfico I
  9. 9. Evolução da Taxa deInflação AnualGráfico II
  10. 10. Crescimento dasExportaçõesGráfico IV
  11. 11. Evolução das Taxas deJuro Gráfico III
  12. 12. Crescimento dasExportações Gráfico IV
  13. 13. Principais PaísesFornecedores Gráfico V
  14. 14. MINISTRO DOCOMÉRCIO DE ANGOLA• “Com o advento da paz em Angola, o país tem assistido a um desenvolvimento galopante da sua economia”. As palavras são de JoaquimIcuma Muafumba, ministro do Comércio de Angola, que refere que, nos últimos quatro anos, “foram aprovados 1124 projectos, num totalde 4 biliões de US$ (mais de 32 biliões de Kwanzas)”. E acrescenta que só em 2006 foram aprovados 463 projectos (o maior númeronos últimos três anos), com um montante global de 794 milhões de US$.•  • Segundo o ministro angolano, esta evolução dos números de projectos aprovados desde 2003 “reflecte o crescente interesse dosinvestidores em fazer negócios em Angola”. Facto motivado também pela estabilidade macroeconómica e pelo crescimento económico“que tem sido dos mais altos do mundo”, salienta Joaquim Muafumba.•  • Da mesma forma, a nova Lei dos Investimentos que “não diferencia o investimento estrangeiro do nacional e oferece incentivos a queminvestir nas áreas que o Governo angolano julga prioritárias”, é motivo mais do que suficiente para o interesse estrangeiro naquelemercado africano. Isto porque, por exemplo, estamos a falar de “incentivos que podem chegar até à isenção de impostos durante oitoanos, dependendo da localidade e empresa a instalar”.•  • Segundo o ministro do Comércio de Angola, “a estabilidade política, macroeconómica e o quadro jurídico-legal existente, e emperspectiva, são a alavanca e o segredo”, permitindo encarar os futuros investimentos com “optimismo e esperança”.•  • No que se refere ao sector do Comércio, o ministro realça algumas das medidas que facilitarão a entrada de investimento estrangeiro,em particular o português, em Angola. Destaca, assim, a criação do Novo Quadro Jurídico-Legal, designadamente o Estatuto Orgânicodo Ministério do Comércio, a Lei das Actividades Comerciais, aprovada pela Assembleia Nacional, os Diplomas para a organização efuncionamento de Centros de Logística e Distribuição, Mercados Abastecedores, entre outros.•  • Outras das medidas apontadas são a definição do Programa Base de Conceitualização, Organização e Implementação de MercadosGrossistas e Retalhistas, e de uma Rede Integrada de Logística e de Distribuição, Urbanismo Comercial, Formação e Profissionalizaçãode Comerciantes.•  • Está, igualmente, a iniciar-se a execução de projectos arquitectónicos de engenharia e técnicos, conducentes à reabilitação econstrução de infra-estruturas comerciais em Angola.
  15. 15. EMPRESAS QUE JÁ APOSTAM EM ANGOLA• Primavera Software• O ano de 2006 foi um ano de forte crescimento da Primavera Software em Angola, tendo quase duplicado as vendas naquele mercado. Pelo que,segundo os seus responsáveis, o objectivo é “continuar com este crescimento e, de certa forma, acompanhar a evolução da economia angolana, já que seprevê que continuará acrescer nos próximos anos”.•  • Consideram que se trata de um mercado “com as suas vicissitudes. Apresenta algumas dificuldades e, como todos os mercados, terá os seus aspectosparticulares”. No entanto, “há que investir, considerá-lo como um outro mercado qualquer”. Isto porque consideram que “há inúmeras oportunidades evale a pena investir”.•   • Água do Marão• A “Água do Marão” já circula em Angola desde 1993. “É um produto que tem tido uma aceitação excepcional, tendo já conquistado este país. Noentanto, a empresa continuará a trabalhar este mercado apenas ao nível da exportação. Uma vez que “será difícil apostarmos na construção de umaunidade de produção em Angola”. Segundo os responsáveis da empresa, “uma unidade destas é de um investimento muito avultado, já que somariamuitas dezenas de milhões de euros”.•  • Embora também existam locais em Angola para se construir uma instalação como a da Água do Marão, “é de realçar o facto de que Portugal reúnecondições excepcionais para a exploração deste tipo de produtos. As águas portuguesas são reconhecidas internacionalmente como das melhores domundo”, acrescentam.•   • Famo• Com sede em Luanda, a Famo Comercial, abriu já filiais em Benguela, Lobito e Huambo. De acordo com os responsáveis da empresa portuguesa Famo, “oano de 2006 foi marcado pelo crescimento em Angola, pela consolidação da presença em Espanha e início de relações comerciais com França, Inglaterrae Emirados Árabes Unidos”.•  • Para 2007, o enfoque do investimento voltar-se-á para a “reformulação do lay-out fabril e reorganização do processo de produção, e aquisição deequipamentos para melhoria de capacidade de produção, produtividade e actualização tecnológica”.•  • A Famo pretende ainda vir a “possuir instalações fabris em Angola, primeiro apenas numa fase de acabamentos (pintura – montagem – embalagem eestofos) que poderão ocupar uma área de cerca de 3.000 m2 com um investimento que poderá rondar os 3 milhões de dólares”. Um objectivo que aatingir permitirá criar cerca de 50 postos de trabalho.•  • Sulnor• Vocacionada para a concepção e fabricação de acessórios para redes de distribuição de gás e de distribuição e transporte de electricidade e redes deiluminação pública, a Sulnor tem vindo a “sistematicamente libertar meios financeiros” com o objectivo de “encarar com competitividade o mercadointernacional”.•  • Angola tem sido um desses mercados que “há muitos anos” adquire produtos da Sulnor. Razão mais do que suficiente para a empresa ter já umadelegação naquele país e “dentro de pouco tempo teremos uma unidade própria a laborar em contínuo”. Esta aposta deve-se ao facto de Angola “ ser umpaís em franco desenvolvimento”.•  • Quanto a um conselho aos empresários portugueses que desejem investir em Angola, “não podem ver o mercado Angolano como a galinha dos ovos deouro, mas sim numa perspectiva de progresso criando riqueza para o desenvolvimento social dos dois países, com a legitimidade de serem paísesconsiderados com a mesma língua e a mesma cultura”.
  16. 16. FONTES• Instituto Nacional de Estatística deAngola• Banco Nacional Angolano• Direcção Nacional das Alfândegas deAngola• Agência Nacional de Investimento Privado• ICEP Portugal• Jornal das PME (Edição nº 20)

×