Aulas 4 e 5 29teoriaestr i[1]

653 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
653
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aulas 4 e 5 29teoriaestr i[1]

  1. 1. Aulas 4 e 5 29/08/13 3.4. DIAGRAMAS DE ESFORÇOS SOLICITANTES Pode-se observar, a partir dos exemplos apresentados no item anterior, que pare cada seção escolhida (diferentes valores de x) existirão determinados valores para os esforços solicitantes. Para se calcular uma estrutura é necessário se ter uma visão destes esforços em todas as seções da estrutura, pois o dimensionamento da estrutura deve ser tal que todas as seções suportem os esforços que nela atuam. A fim de permitir uma visão global, da variação dos diversos esforços solicitantes, é usual traçar-se os DIAGRAMAS DE ESFORÇOS SOLICITANTES, que são diagramas que REPRESENTAM A VARIAÇÃO DOS ESFORÇOS SOLICITANTES AO LONGO DA ESTRUTURA. Estes diagramas são construídos sobre o eixo da estrutura, representando suas abscissas, tendo em cada seção, representado nas ordenadas, o valor do esforço solicitante considerado. O diagrama de Momento Fletor é sempre desenhado do lado tracionado da estrutura dispensando-se a utilização de sinais. O mesmo não acontece com os diagramas de força normal e força cortante, cujos sinais são indispensáveis. Quando, em determinado trecho, o diagrama é constante é comum se usar um sinal de igual, sobre este trecho, assinalando o valor do esforço solicitante sobre ele. A titulo de exemplo, os diagramas de esforços solicitantes das estruturas apresentadas nos exemplos do item anterior seriam:
  2. 2. DIAGRAMAS E FÓRMULAS PARA O CÁLCULO DE VIGAS a) Viga simplesmente apoiada - Carga uniformemente distribuída. b) Viga simplesmente apoiada - Carga concentrada no centro.
  3. 3. c) Viga simplesmente apoiada - Carga concentrada em qualquer ponto. d) Viga simplesmente apoiada - Carga uniforme parcialmente distribuída.
  4. 4. e) Viga simplesmente apoiada - Carga uniforme parcialmente distribuída em um extremo. f) Viga simplesmente apoiada - Carga uniforme parcialmente distribuída nos dois extremos.
  5. 5. g) Viga simplesmente apoiada - Duas cargas concentradas iguais e simetricamente localizadas. h) Viga simplesmente apoiada - Duas cargas concentradas iguais em qualquer posição.
  6. 6. i) Viga engastada - Carga uniformemente distribuída. j) Viga engastada - Carga concentrada no extremo livre.
  7. 7. k) Viga engastada - Carga concentrada em qualquer ponto. l) Viga simplesmente apoiada com um balanço - Carga concentrada no extremo do balanço.
  8. 8. NOTAÇÕES UTILIZADAS NOS DIAGRAMAS H = reação de apoio (horizontal) R = reação de apoio (vertical) V = esforço cortante p = cargas uniformemente distribuídas M = momento fletor P = carga concentrada v = deslocamento vertical (flecha) Zx (Zx1) = esforço solicitante (M, N, V ou v) a uma distância genérica x (x1) Zmáx = esforço solicitante (M, N, V ou v) máximo a, b, c e d = distâncias cotadas no desenho E = módulo de elasticidade do material I = momento de inércia, em relação a linha neutra da seção da viga. OBS.: Os diagramas de FORÇA NORMAL, não foram representados nas tabelas por serem todos nulos.

×