Métodos e Técnicas de Investigação de Estudos em Ciências Sociais
Estratégias de Investigação
Quando decidimos realizar um...
Assim, procura-se conhecer o maior número de informações sobre o fenómeno, seja através da
análise e observação de situaçõ...
Etapa 4: A construção do modelo de análise.
NOTA: Esta etapa consiste na construção da investigação.
Etapa 5: A observação...
As Entrevistas Estruturadas e não estruturadas
As entrevistas serão estruturadas se
obedecerem a um esquema rígido,
previa...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais

265 visualizações

Publicada em

a

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
265
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
96
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais

  1. 1. Métodos e Técnicas de Investigação de Estudos em Ciências Sociais Estratégias de Investigação Quando decidimos realizar uma actividade, independentemente da sua natureza, a primeira etapa a executar é decidir o modo como iremos cumpri-la. O relatório deve incluir todo este processo, que se iniciou com a definição do tema a estudar e que terminou com as conclusões do estudo e as possíveis sugestões que ajudem à resolução do problema. É necessário definir um conjunto de procedimentos. Na prática, o trabalho de grupo constitui uma pequena investigação para cuja realização temos de definir alguns procedimentos, isto é, definir uma estratégia de investigação – Conjunto de procedimentos que orientam a pesquisa científica, incluindo a selecção de técnicas, o seu controlo e a integração dos resultados obtidos. Temos também de decidir como vamos procurar informação e junto de quem e qual a natureza dessa informação. – Público-alvo - Conjunto de indivíduos sobre os quais assenta a investigação. Universo do estudo. Numa primeira fase, o cientista deverá fazer a ruptura com os preconceitos e as falsas evidências que a realidade social tão próxima dos indivíduos proporciona. Em segundo lugar, o cientista deve conceber um modelo de análise que constituirá o quadro teórico de referência. É o momento da construção. Por último, para que a investigação seja científica, todos os factos a analisar terão de ser submetidos à verificação ou experimentação. Principais Estratégias de Investigação A selecção de umas destas estratégias depende de inúmeros factores, entre os quais o problema orientador da investigação, o público-alvo que tenhamos definido e os objectivos pretendidos. Estratégia de Investigação intensiva A estratégia de investigação é intensiva quando se estuda um fenómeno em profundidade.
  2. 2. Assim, procura-se conhecer o maior número de informações sobre o fenómeno, seja através da análise e observação de situações reais, seja através das informações obtidas directamente junto dos indivíduos que fazem parte da investigação, isto é, do nosso público-alvo. O exemplo extremo deste tipo de estratégia é o estudo de caso, em que o objecto de estudo pode ser apenas uma empresa, um trabalhador ou um acidente. Esta perspectiva, a investigação é tão intensa e profunda que ficamos a conhecer “todas” as razões que explicam o problema. Estratégia de Investigação extensiva Por seu turno, a investigação assume uma natureza extensiva se tiver em conta não a profundidade dos conhecimentos que se adquirem sobre o fenómeno em estudo, mas a quantidade desses elementos. Na abordagem extensiva, torna-se imperioso que o número de sujeitos que constituem o nosso estudo seja elevado e que consigamos obter respostas a perguntas semelhantes. Desta forma, poderemos encontrar regularidades nos comportamentos e generalizar para situações semelhantes. Impõe-se o recurso às técnicas de amostragem. Definição do Público-Alvo de Investigação Universo e Amostra À totalidade dos indivíduos que constituem o nosso público-alvo chama-se o universo. Nas investigações extensivas, como o universo é constituído por um número elevado de indivíduos, é usual utilizar uma amostra, que é um subconjunto do universo. Uma amostra representativa apresenta as mesmas características que o universo, relativamente a um conjunto de critérios ou variáveis que o investigador considera significativas para a investigação. Para obter uma amostra representativa do universo devemos percorrer duas etapas: O método aleatório – Consiste em tirar ao acaso do universo o subconjunto ou amostra que ira “representar” a totalidade. Por seu turno, o método das quotas – Pretende construir uma amostra que seja um “modelo” do universo. Para tal, importa a estrutura desse universo. Etapas do Procedimento Etapa 1: A pergunta de partida Etapa 2: A exploração – As leituras e as entrevistas exploratórias Etapa 3: A problemática NOTA: Estas três etapas formam a Ruptura da investigação.
  3. 3. Etapa 4: A construção do modelo de análise. NOTA: Esta etapa consiste na construção da investigação. Etapa 5: A observação Etapa 6: A análise das informações Etapa 7: As conclusões NOTA: Estas etapas formam a verificação da investigação. Modos de Produção da Informação em Sociologia Em Sociologia utilizam-se dois processos para obter informação sobre os fenómenos em estudo e para produzir nova informação: Partir da documentação já existente sobre o problema em causa; Partir da observação dos fenómenos a estudar. Documentação Na investigação sociológica um documento é todo o objecto, escrito ou não escrito, que nos permite retirar informações sobre determinado fenómeno. Neste sentido, os documentos podem ser textos escritos, gráficos estatísticos, quadros, por exemplo. Deste modo, aquando de uma investigação, o investigador deverá procurar munir-se da totalidade das informações já conhecidas sobre o problema em estudo. Após a pesquisa documental, cabe ao investigador estudar os elementos obtidos, analisá-los, interpretá-los. O investigador tem de fazer uma análise de conteúdo. Observação A observação compreende o conjunto das operações através das quais o modelo de análise é confrontado com dados observáveis. Conseguimos identificar duas técnicas de observação: A observação participante/observação directa – A observação participante é uma técnica que se baseia na recolha de elementos de informação, a partir da observação feita por um pesquisador que se encontra intencionalmente no grupo a observar, ou dele fazendo efectivamente parte. A observação não participante/observação indirecta – A observação recorre à recolha de informação, sem que o cientista social tenha de se inserir no grupo a observar. Entre as técnicas que constituem a observação não participante, destacamos a entrevista e o inquérito por questionário.
  4. 4. As Entrevistas Estruturadas e não estruturadas As entrevistas serão estruturadas se obedecerem a um esquema rígido, previamente fixado, que o entrevistador deverá respeitar integralmente. As questões são, geralmente, fechadas, ou seja, o entrevistado não tem a possibilidade de desenvolver a resposta dada. Na entrevista não estruturada, a condução por parte do entrevistador é mais flexível, podendo este orientá-la com a sequência e as questões que julgar mais convenientes, de acordo com a sua sensibilidade e tacto. As questões apresentadas são, geralmente, abertas, ou seja, o entrevistado tem toda a possibilidade de exprimir e justificar livremente a sua opinião. Inquérito por Questionário Contrariamente à entrevista, o inquérito por questionário destina-se a ser aplicado a um elevado número de indivíduos. Apresenta um conjunto predeterminado de perguntas à população ou a uma amostra representativa dessa população. Ana Teresa Baião dos Santos 12ºD nº5

×