Hormônios Vegetais

1.073 visualizações

Publicada em

Slides da aula de Biologia (Renato) sobre Fitormonios

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.073
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
89
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hormônios Vegetais

  1. 1. FITORMÔNIOS HORMÔNIOS VEGETAIS
  2. 2. HORMÔNIOS VEGETAIS • Uma das características que distingue os organismos vivos das coisas não vivas é a sua capacidade de responderem a estímulos • Os vegetais, assim como os animais, têm grande parte de seu metabolismo controlado por hormônios.
  3. 3. HORMÔNIOS VEGETAIS • Os hormônios são substâncias químicas produzidas por células especiais do organismo, agem como mensageiros químicos, que vão atuar a distância em estruturas ou órgãos específicos, desencadeando ou inibindo uma atividade, como crescimento, por exemplo.
  4. 4. HORMÔNIOS VEGETAIS • O desenvolvimento e crescimento das plantas são afetados pela luz, gravidade, temperatura, duração do dia e da noite etc. Os hormônios vegetais influenciam-os diretamente.
  5. 5. HORMÔNIOS VEGETAIS • Nas plantas, existem vários hormônios, também conhecidos como fitormônios. Os principais são : • As auxinas São os fitormônios mais importantes das plantas. Dentre as auxinas a mais comum é o AIA (ácido indolilacético )
  6. 6. • As Giberelinas São produzidas no embrião das sementes, meristema apical do caule e em folhas jovens. Promove o alongamento e distensão celular e estimulam o crescimento de plantas geneticamente anãs. Servem para induzir a floração, e promovem a quebra da dormência de sementes, possibilitando a germinação.
  7. 7. • As Citocininas É o grupo de substâncias reguladoras do crescimento e desenvolvimento vegetal, encontradas em sementes em germinação e frutos jovens. Estimulam a divisão celular; retardam a senescência (envelhecimento) foliar e auxiliam no desenvolvimento de frutos e na germinação de sementes. Efeito do tratamento com citocininas em uvas.
  8. 8. • Etileno influencia muitos aspectos do crecimento e desenvolvimento das plantas quer seja ele produzido pela própria planta, quer seja oriundo de fonte exógena. Entre eles citam-se: - o estimulo e amadurecimento em frutas e verduras - a queda (abscisão) das folhas - o desbotar das flores - o murchar das flores - o amarelecer das folhas
  9. 9. Uma prática comum para acelerar o amadurecimento de frutos de banana é queimar pó de madeira nas câmaras de armazenamento. A queima de serragem libera gás etileno que é indutor do amadurecimento de frutos. O etileno é produzido em diversas partes da planta e se difundindo-se no ar que existe entre as cédulas. Em frutas e vegetais, o estímulo da produção de etileno causado por cortes ou escoriações, pode comprometer a armazenagem desses produtos. O escurecimento das folhas, induzido pelo etileno, é uma causa comum de perdas em muitos produtos, como na alface.
  10. 10. • Ácido Abscísico - um inibidor do crescimento das plantas produzido nas folhas, na coifa e no caule. É o principal responsável pelo blo- queio do crescimento das plantas no inverno. Ele também é res- ponsável pelas alte- rações que a planta so- fre quando colocado em condições adversa.
  11. 11. Auxinas • A principal auxina encontrada nas plantas é o ácido indolacético, conhecido pela sigla AIA. Essa substância é produzida principalmente no meristema apical do caule e transportada através das células do parênquima até as raízes. • O transporte do AIA é unidirecional, dependendo de energia para ocorrer. • Se um pedaço de caule é invertido, o AIA continua a se deslocar em direção à extremidade das raízes, contra a força de gravidade.
  12. 12. • Efeitos da auxina O principal efeito da auxina é promover o crescimento de raízes e caules, através do alongamento das células recém-formadas nos meristema. Isso depende, da concentração do hormônio; em concentrações muito altas a auxina inibe a elongação celular e, portanto, o crescimento do órgão.
  13. 13. • A sensibilidade das células à auxina varia nas diferentes partes da planta. O caule, por exemplo, é menos sensível à auxina que a raiz. Por isso uma concentração de auxina suficiente para induzir crescimento do caule tem forte efeito inibidor sobre o crescimento da raiz podem ser insuficientes para produzir efeitos sobre o crescimento do caule.
  14. 14. Auxina e tropismos O fototropismo é resultado da ação da auxina sobre a elongação celular. Quando uma planta é iluminada unidirecionalmente, a auxina migra para o lado menos expostos à luz antes de descer pelo caule. Com isso as células do lado menos iluminado se alongam mais do que as do lado mais iluminado e a planta se dobra em direção à fonte de luz.
  15. 15. TROPISMOS • Fototropismo - É o desenvolvimento da planta influenciado pela direção da luz. Muitos caules exibem fototropismo positivo, curvando- se na direção donde recebem luz.
  16. 16. Geotropismo É o desenvolvimento da planta em resposta à direção da gravidade. Os caules geralmente têm geotropismo negativo e nas raízes, o geotropismo é positivo.
  17. 17. Quando uma planta é colocada horizontalmente, as zonas do caule e da raiz voltadas para baixo recebem maior quantidade de auxinas do que as zonas superiores. Isso favorece o crescimento do caule e inibe o crescimento da raiz.
  18. 18. A região do caule voltada para baixo alonga-se mais rapidamente que a região superior, dirigindo-se a curvatura do caule para a parte superior. Na da raiz, a zona inferior cresce mais lentamente originando uma curva de crescimento dirigida para baixo.
  19. 19. HORMÔNIOS VEGETAIS Tigmotropismo - É o desenvolvimento em resposta a um estímulo mecânico tal como o contacto com um objeto.
  20. 20. HORMÔNIOS VEGETAIS O enrolamento das gavinhas que ajuda a prender a planta ao suporte é um exemplo de tigmotropismo.
  21. 21. Auxina e dominância apical • Nas plantas, a gema apical exerce um efeito inibidor sobre o desenvolvimento das gemas laterais.
  22. 22. Auxina e dominância apical Com a eliminação do ápice de um caule. Rapidamente diversas gemas laterais passam a ser desenvolver, produzindo ramos. É o princípio da antiga técnica de jardinagem chamada poda.
  23. 23. Auxina e dominância apical A auxina produzida pelo meristema apical é a responsável pela inibição das gemas laterais. Quando a gema apical é removida, cessa sua produção e as gemas laterais podem se de- senvolver.
  24. 24.   Auxina e desenvolvimento de frutos  • O crescimento dos frutos é estimulado pela auxina liberada pelas sementes em formação.Podem-se produzir frutos sem sementes (partenocárpicos) pulverizando-se auxina sobre flores não fecundadas
  25. 25. Podem-se produzir frutos sem sementes (partenocárpicos) pulverizando-se auxina sobre flores não fecundadas
  26. 26.  As auxinas sintéticas controlam ervas daninhas em campos de cultivo de monocotiledôneas. A aplicação de grande quantidade desse hormônio em campos de cultivo impede o crescimento de dicotiledôneas ervas daninhas, sem afetar o desenvolvimento de monocotiledôneas como o milho, por exemplo.
  27. 27. LINKS http://www.herbario.com.br/cie/universi/creveg.htm http://members.fortunecity.com/rl/fototrop.htm http://www.colostate.edu/Depts/CoopExt/4DMG/P HC/organic.htm http://ipmworld.umn.edu/chapters/wareherb.htm http://fai.unne.edu.ar/biologia/plantas/externos.htm http://www.terralia.com/revista14/pagina31.htm
  28. 28. 1 - Quando uma planta é colocada na posição horizontal, em ambiente homogeneamente iluminado, exibe uma resposta de crescimento orientado, conhecido como geotropismo. a) Como são os geotropismos do caule e da raiz? b) Explique o mecanismo fisiológico responsável por esse crescimento orientado. 2 - O gráfico a seguir apresenta o efeito de diferentes concentrações da auxina AIA sobre o crescimento de raízes e caules. A esse respeito podemos afirmar corretamente que: EXERCÍCIOS
  29. 29. a) quanto maior a concentração de auxina, maior a percentagem de indução. b) são necessárias concentrações maiores de auxina para estimular o crescimento das raízes do que para estimular o crescimento caulinar. c) a concentração de auxina necessária à inibição do crescimento caulinar é menor do que aquela necessária à inibição do crescimento da raiz. d) a concentração ótima para indução do crescimento caulinar é fortemente inibidora do crescimento da raiz. e) a concentração ótima para a estimulação do crescimento é semelhante em ambos os casos.
  30. 30. • 3-Uma prática comum em agricultura é a poda de árvores frutíferas. Numa laranjeira, por exemplo, a formação de novos ramos contribui para a produção de mais flores e mais frutos. Com base nas figuras apresentadas aci- ma e em seus conhe- cimentos biológicos, res- ponda aos itens a seguir. a)Qual é a denominação do fenômeno evidenciado nas figuras 1 e 2? B)Qual é o hormônio vegetal envolvido no fenômeno em questão e representado no gráfico? C)A partir da interpretação do gráfico, explique o fenômeno em análise.
  31. 31. 4-Uma planta submetida a iluminação unilateral cres- cerá em direção à fonte de luz, como mostrado no es- quema. Isso ocorre devido à migração de auxina para a)a região I, o que provoca maior divisão das células desse lado. b)a região II, o que provoca maior divisão das células do lado oposto. c)a raiz que, ao crescer em direção oposta à luz, orienta o crescimento do caule no sentido contrário. d)a região II, o que provoca maior elongação das células do lado oposto. e)a região I, o que provoca maior elongação das células desse lado.

×