Conta giros 10.12.2013 (1)

308 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
308
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
57
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conta giros 10.12.2013 (1)

  1. 1. Diário Regional | Juiz de Fora Terça-feira, 10 dezembro de 2013 Fotos: André Rocha Campeonato Cearense de Rally Uma etapa para ficar Foto: Jomar Grecco na história!
  2. 2. 2 Diário Regional | Juiz de Fora Terça-feira, 10 de dezembro de 2013 Savastano Photo Sport / Assessorias Uma etapa para ficar na história do Campeonato Cearense de Rally A sexta e última etapa do Campeonato Cearense de Rally foi inesquecível. Tudo porque pilotos e navegadores tiveram que ralar muito. De acordo com os competidores, foi a prova mais difícil com mais de 160 quilômetros. Mais de quatro horas de trilhas. "Achei emocionante. Uma prova técnica, pois tivemos que estar bem ajustados com o equipamento. A prova está de parabéns!", afirmou Evânio Magalhães, piloto da categoria Graduado. Essa colocou os competidores para enfrentar todos os tipos de trilha. No percurso, os carros passaram por Itaitinga, Eusébio, Aquiraz e Pindoretama, com chegada no Complexo América do Sol, no Cambeba. A competição foi emocionante, principalmente por homenagear um amigo querido da competição: Arnoldo Júnior, que faleceu em maio deste ano. Nessa etapa, mais de 100 competidores participaram em cinco categorias (estreante, graduado, turismo, Quadriciclo um e Quadriciclo dois), consagrando, mais uma vez, o Cearense de Rally, como o maior de regularidade do Brasil. E com certeza, o mais arretado! "Ele é interessan- disse Rômulo Gomes, piloto da Categoria te, porque além de integrar amigos, tam- estreante. bém utilizamos o veículo para o esporte Vale lembrar que no dia 15 de dezemcomo uma fonte de lazer diferenciada!", bro vai ser realizado o Rally Solidário, em que os organizadores e competidores vão Ano que vem tem mais. A primeira etapa será passar pelas trilhas onde competiram, em Março, cheia de surpresas. Aguardem! distribuindo roupas, brinquedos e cestas Confiram os resultados no site www. básicas. cearencederally.com.br
  3. 3. Diário Regional | Juiz de Fora Terça-feira, 10 de dezembro de 2013 Campeonato Cearense de Rally 3
  4. 4. Diário Regional | Juiz de Fora Terça-feira, 10 de dezembro de 2013 4
  5. 5. Diário Regional | Juiz de Fora Terça-feira, 10 de dezembro de 2013 5 Fusca pilotado por Antonio Lucente vence o Campeonato Italiano de Carros Históricos 2013 Savastano Photo Sport Antonio Lucente e sua equipe escreveram uma nova página na história do automobilismo europeu, alcançando uma meta nunca atingida antes. Com a vitória da classe "2 Horas" de Magione, última prova dos carros italianos históricos, realizada no dia 1º de dezembro no autódromo da Umbria, o piloto italiano, ao volante de seu fiel Fusca, ganhou o título de campeão italiano de classe Gts 1300- F e segundo lugar absoluto no Grupo 1, composto por cerca de trinta carros de todas as cilindradas. O segundo título nacional para Lucente, a primeira na história da corrida na pista, para um Fusca anos 60. Além disso, ele disputou a "2 Horas” solitário (condição rara e única no campo de provas de resistência), e levou para casa um outro prêmio, nesse caso, compartilhou com seu engenheiro Antonio Russo, até hoje único treinador na Itália capaz de levar o pequeno Volkswagen a Fotos: Divulgação ter tão alta performance por um período de tempo tão longo. Toda a atenção concentrou-se sobre o seu carro de corrida fora do comum, o que todo mundo achava que era uma tartaruga, no entanto, na hora certa, provou ser uma lebre indescritível. Sem dúvida, pelo mérito incontestável de habilidades do piloto, mas não devem ser subestimados o compromisso e a capacidade técnica extraordinária da equipe, capaz de tornar o carro competitivo. Muito feliz, fala Enrico Rosa, presidente da equipe: "Este sucesso, atravessando toda a Itália, deu uma experiência única para todos aqueles que acreditaram nesta pequena grande aventura: levar para a pista o carro mais comum do mundo e torná-lo capaz de disputar com veículos de corrida concebidos com as especifi- anais do esporte automobilistico, de- impossíveis podem se tornar realidade. E cações apropriadas para esta finalidade. monstrando que, com vontade e empe- mesmo um Fusca, pode se tornar um real Uma nova e bela página foi escrita nos nho, mesmo os desafios consideradas carro de corrida.
  6. 6. 6 Diário Regional | Juiz de Fora Terça-feira, 10 de dezembro de 2013 Alfa Romeo Clube do Brasil encerra comemorações dos seus 25 anos com festa Savastano Photo Sport Fundado em 1988, o Alfa Romeo Clube do Brasil é uma associação de amantes da marca Alfa Romeo, e seu verdadeiro espírito esportivo. O objetivo maior é congregar proprietários de antigos veículos da marca, enaltecendo o seu maior predicado: as pistas de corrida. O diretor regional da FBVA São Paulo capital e diretor esportivo do Alfa Romeo, Emanuel Zveibil, acompanhou os primeiros anos do clube. “Tudo começou quando eu soube que alfistas se juntaram, convidados pelo jovem Fabio Steinbruch, que idealizou, em 1988, o Alfa Romeo Clube do Brasil, basicamente para competir em Interlagos com carros da marca, que eram na época muito baratos, de fácil manutenção e com bom desempenho esportivo, além de permitir diversos estágios de preparação. A surpresa foi a enorme camaradagem e amizade dentro e fora das pistas que havia no grupo, algo incomum nesse tipo de pessoas, normalmente, focados na rivalidade. Eles criavam eventos sociais, passeios e se reuniam mensalmente para falar de carros”, conta. Emanuel se filiou ao clube em 2001, convidado pelo amigo Daniel Soares, Fotos: Divulgação na época e hoje, novamente o presidente do Clube, depois de acompanhar o grupo à Europa. "Bem recebido pelo grupo, desde então sempre me dediquei a colaborar no que fosse preciso. Além de criar a categoria Fórmula Clas- sic em Interlagos, o Clube competiu em outros autódromos, e sempre marcou presença com carros de associados em exposições, provas de regularidade e passeios organizados por entidades diversas”. O Alfa Romeo Clube do Brasil foi responsável por organizar uma das primeiras provas do Campeonato Brasileiro de Regularidade para Veículos Históricos (CBR), criado pela FBVA, que foi um sucesso. “Desde então, anualmente temos criado Rallies para o CBR, solidificando nossa parceria com o antigomobilismo no nosso Brasil”, acrescenta Emanuel. Para comemorar o Jubileu de Prata da associação, o clube desenvolveu uma intensa programação de eventos próprios, como uma Caravana com mais de 70 carros clássicos indo a Campos do Jordão levando auxílio a duas Instituições de caridade; uma visita cultural à mais antiga fábrica de tecidos no interior de São Paulo que funcionava sem geração de energia elétrica. “Fizemos o Rally D'Argento em Águas de Lindoia e finalizamos com uma sofisticada Festa Comemorativa dos 25 anos no Iate Clube de Santos”, explica o diretor esportivo. O presidente da FBVA, Henrique Thielmann, destaca a importância do Alfa Romeo Clube do Brasil para o antigomobilismo brasileiro: “Mais que colecionadores e responsáveis por colaborar na manutenção da história do automobilismo no Brasil, temos nos companheiros alfistas verdadeiros amigos”. Emanuel anseia a continuidade do trabalho desenvolvido pela associação: “Espero que haja continuidade deste espírito maravilhoso, que permeia as relações entre os sócios preservando esta instituição por tempo indeterminado!”. São os votos também da FBVA.
  7. 7. 7 Diário Regional | Juiz de Fora Terça-feira, 10 de dezembro de 2013 Fórmula Truck encerra temporada de 2013 com a etapa de Brasília Savastano Photo Sport/ Assessoria O Grande Prêmio Petrobras, última etapa do Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck, disputado nesse domingo, 8, em Brasília (DF), foi marcado por fortes emoções e muita adrenalina. O calor excessivo exigiu resistência dos equipamentos e a alta competitividade tomou conta de toda a corrida. O palco da 10ª etapa da temporada foi o Autódromo Internacional Nelson Piquet, onde os pilotos deram 31 voltas no circuito de 2.919 metros, em meio a algumas relargadas. Os caminhões mais resistentes levaram vantagem. A Fórmula Truck tem um novo campeão brasileiro: o pernambucano Beto Monteiro conquistou o título da temporada 2013 numa emocionante corrida disputada nesse domingo, 8, por 25 pilotos. Foi uma corrida festiva para a Scuderia Iveco, que viu ainda Valmir Hisgué Benavides levar a quadriculada da vitória do GP Petrobras na primeira posição. Piano ainda explica, que devido a pro- Fotos: Orlei Silva blemas que tiveram com o caminhão, no sábado, 7, ele não pôde realizar o terceiro e quarto treinos e isso também prejudicou seu desempenho nessa final. "Como não conhecida a pista, a falta de treino também fez diferença. Mas foi uma corrida muito boa e, no geral, a minha primeira temporada na Fórmula Truck foi um desafio maior o qual resolvi enfrentar após 20 anos no off-road e terminou dentro das expectativas", completou o piloto, que em agosto conquistou o seu sexto título no Rally dos Sertões e é o atual campeão dos caminhões e recordista de títulos na categoria, neste que é o segundo maior rali do mundo. Edu Piano garante sexto lugar na etapa Queima de radar tira chance de pódio do piloto da Território Motorsport no Autódromo Nelson Piquet, mas Piano encerra temporada com dever cumprido Não fosse a queima de um radar, o he- xacampeão dos ralis, teria garantido seu primeiro pódio nas pistas, pois havia chegado à quinta posição nos minutos finais no final da corrida. "Foi uma pena, acabei queimando um radar quando havia chegado à quinta posição e fui obrigado a passar pelos boxes e voltei em nono. Daí, fiz algumas ultrapassagens e terminei em sexto, por pouco não pego pódio", explicou Piano, referindo-se ao radar que limita a velocidade dos caminhões a 160km/h e quando o piloto ultrapassa essa marca, precisa passar pelos boxes. O chefe da equipe Marcos Berti avalia a temporada de estreia do piloto como muito produtiva. "Só tenho uma palavra a dizer: superação. Edu foi um guerreiro e muito corajoso no desafio que se propôs a enfrentar. Pilotou um caminhão totalmente diferente do que está acostumado a competir nos ralis e, mesmo com falta de patrocínio, completou a maioria das etapas com garra. Foi um ano de aprendizado para toda a equipe, onde trabalhamos duro no desenvolvimento do caminhão", ressaltou. Resultado Etapa Brasília - Fórmula Truck (8/12) 1º) 2 - Valmir Benavides (I, SP), 31 voltas em 1:00:10.726 2º) 15 - Roberval Andrade (S , SP), a 5.654 3º) 72 - Djalma Fogaça (F , SP), a 10.075 4º) 88 - Beto Monteiro (I , PE), a 13.064 5º) 20 - Pedro Muffato (S , PR), a 19.284 6º) 44 - Edu Piano (F , SP), a 20.613
  8. 8. 8 Diário Regional | Juiz de Fora Terça-feira, 10 de dezembro de 2013 QUEM SE LEMBRA DE VERIFICAR A CALIBRAGEM DOS PNEUS SEMANALMENTE OU A CADA 15 DIAS? Foto: Divulgação Savastano Photo Sport/Mecânica on Line Calibrar os pneus do carro deveria ser um hábito dos proprietários e motoristas, pois as consequências desse esquecimento são diversas e algumas perigosas, mas sempre dispendiosas. Confira as dicas abaixo: * A pressão correta dos pneus é importante para sua segurança e economia;. * Quando o assunto envolve seu bolso, com certeza você desperta para saber melhor como isso pode trazer benefícios para sua vida; * Levantamentos recentes revelam que 45% dos motoristas rodam com a pressão dos pneus fora dos limites recomendados; * Cerca de 20% dos casos são considerados muito perigosos, com risco de rompimento do pneu a curto e médio prazo; * Manter a pressão recomendada dos pneus é garantia de melhor performance e durabilidade, além de ser essencial para sua segurança; * Uma pressão abaixo da recomendada reduz a durabilidade do pneu (em pelo menos 8.000 km), aumenta o consumo de combustível e favorece o risco de explosão e acidentes na pista; * A pressão é definida conforme a carga do veículo e a geometria do pneu, de acordo com as especificações do fabricante do veículo e as regulamentações internacionais (Inmetro); * Quando temos um pneu com pressão variando de 7 a 15 PSI abaixo da recomendada, ou mesmo abaixo de 15 PSI da recomendada temos sério rico de explosão, aquaplanagem, excessivos desgastes dos ombros do pneu e significativo aumento do consumo de combustível; * A baixa pressão pode provocar uma redução de 30% na durabilidade do pneu. Quanto mais baixa a pressão, maior a velocidade de desgaste e maior a sobrecarga da banda de rodagem com o solo; * A rodagem de um pneu com baixa pressão ocasiona uma deformação exagerada e um aquecimento anormal. A consequência disso é a degradação irreversível dos elementos que constituem o pneu, podendo provocar descolamentos internos e pode favorecer o risco de explosão do mesmo; * A baixa pressão também compromete a dirigibilidade do veículo, ou seja, provoca uma redução na precisão da direção, o que pode ocasionar acidentes graves; * Quando temos o pneu com pressão acima da recomendada, a área de contato com o solo diminui e reduz a aderência do pneu. Isso pode aumentar o risco de acidentes em casos de frenagem de emergência e ocasionar na perda da trajetória do veículo nas curvas, em alta velocidade. O pneu, que participa da suspensão do trans- porte, fica mais rígido, provocando uma redução do conforto ao dirigir, assim como um desgaste prematuro da suspensão. Então, fique atento e calibre os pneus do seu carro! Oirentações de segurança • Calibre os pneus pelo menos a cada 15 dias ou antes de uma viagem; • Se um pneu perde mais que 1,5 PSI/mês, existe um risco de fuga anormal da pressão: verificar o conjunto pneu/roda com um profissional qualificado; • Nunca desinfle um pneu aquecido; • Ter tampas nas válvulas de todos os pneus; • Não esqueça de verificar a pressão do pneu estepe; • Depois de rodar com uma pressão muito baixa, nunca calibrar o pneu novamente sem verificar se seu interior apresenta alguma anomalia; • Um pneu inflado com nitrogênio deve ser verificado segundo as mesmas regras de um pneu inflado com ar. A utilização do nitrogênio não substitui a verificação quinzenal da pressão dos pneus.

×