CRIANDO O SEU PRÓPRIO
NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE/ PASSO A PASSO
Este é um guia e também uma
reflexão pessoal sobre
empreend...
“Se você aprendeu qualquer coisa relevante na vida, você tem algo a ensinar”.
Para Cinthia…
SUMÁRIO
08
16
26
55
62
71
83
93
111
119
43
05
124
130
12
CAPÍTULO 1/ Modelos possíveis para seu Negócio de Educação Online...
SOBRE O AUTOR:
Famoso quem?
5
QUEM SOU E POR QUE ESTOU AQUI?
Me chamo Thiago Ribeiro. Baiano, nascido em 1978.
Atualmente me divido entre a capital baia...
Por onde passei, senti algum desconforto. Não era o meu lugar,
não era o momento, não era o suficiente ou não era do jeito ...
APRESENTAÇÃO:
Por que escrevi este livro?
8
POR QUE ESTE LIVRO FOI ESCRITO?
Durante os últimos anos, liderando a Trespontos, tive a oportunidade de
conhecer milhares ...
CRIE UM PEQUENO RESUMO DA SUA
HISTÓRIA PESSOAL



Seus clientes vão querer saber um pouco mais sobre você. Não se prenda a...
TODO MUNDO TEM ALGO A ENSINAR…



Pense em áreas sobre as quais você já desenvolveu alguma experiência prática ou
sobre a ...
ADVERTÊNCIA:
Este negócio pode mudar (ou
salvar) a sua vida.
12
ADVERTÊNCIA:
ESTE NEGÓCIO PODE MUDAR (SALVAR!) A SUA VIDA
Imagine um dia normal de trabalho: despertador te arranca da cam...
E não era só isso. Nos últimos anos, ainda tive que enfrentar uma grave
doença que ameaçava me tirar alguém com quem eu de...
DEFINA PREMISSAS PARA O NEGÓCIO.



Claro. É apenas um exercício. Você pode refletir com calma e encontrar algo que
faça se...
COM A PALAVRA…
Por que este projeto pode mudar a
vida das pessoas?
16
VOCÊ COMPARTILHA O QUE SABE?

Por Marcel Ayres



Quando eu era pequeno, lembro que adorava aprender as coisas
por conta p...
Agora, o mercado passa por uma fase de mudanças. As pessoas
querem sentido para suas vidas. Querem a felicidade tanto quan...
ESTAMOS DIANTE DE UMA TENDÊNCIA?

Por Ana Caroline Tavares



As relações humanas estão fortemente mediadas pela tecnologi...
A EXPERIÊNCIA DE CADA UM…

Por Adelino Mont'Alverne



Há quase dez anos trabalho com turmas de especialização e MBA
em Ma...
Nos aprendizados de cada um pode estar o conhecimento ou um
caminho para projetos pessoais, empresariais e novos negócios....
POR QUE IDEIAS ASSIM PROSPERAM?

Por Gabriel Leite



Iniciativas como esta atendem a pelo menos cinco requisitos, que
con...
Por décadas, a televisão fez parte da nossa vida de forma
extremamente ativa e relevante. Somos filhos do vídeo e levamos
e...
Por fim, é principalmente a pegada educação que me fascina
neste projeto. A proposta não é jogar as pessoas à própria sorte...
A MELHOR DICA: ENTRE EM AÇÃO!

Por André Damasceno



Tive a oportunidade de conhecer este material em primeira mão e
o co...
ANTENAS LIGADAS:
O que eu aprendi nos últimos anos,
você pode aprender em 15 minutos.
26
Antes de começarmos, quero compartilhar algumas ideias que
venho acumulando nos últimos anos. Algumas delas parecem
óbvias...
Vivemos hoje naquilo que se chama de “economia da atenção”.
Prefiro chamar de economia da desatenção.

Em bom português: an...
Por outro lado, a grande maioria dos laços são frágeis e efêmeros.
Na prática, há mais oferta de tudo hoje em dia: produto...
O outro lado da moeda é que todo mundo tem algo a aprender. E é
aqui que você entra! Em determinado momento da vida, você ...
Outros temas, contudo, são mais especializados ou simplesmente
interessam a um nicho, ou seja, a um número limitado de pes...
Por outro lado, sempre haverá motivos para que alguém pague
pelo seu conteúdo. Desde que você seja capaz de gerar valor. 
...
Veja uma outra situação, hipotética: se você busca conhecimento
sobre como investir na bolsa ou, sobre como fotografar mel...
Hoje é fácil encontrar farta literatura sobre negócios e processos
enxutos. O já célebre livro do Eric Ries (Lean Startups...
Se tem uma coisa que aprendi na prática nesses últimos anos é que,
a grande maioria das parcerias é pouco útil, beirando o...
Se houvesse um ranking com tudo o que realmente afetou a nossa
visão sobre o ato de empreender, enquanto estilo de vida, a...
Imagem importa muito! Cores, fotos, linguagem, fontes são elementos
de influência crucial na experiência subjetiva do usuár...














Este tópico é como uma extensão sobre ser enxuto. Quero abordar
esta questão agora sobre outro aspecto e ten...














Imagine-se diante de uma prateleira tentando escolher um simples
pacote de pães integrais. Que tarefa! Além ...


















Assim com você, muita gente planeja colar seu primeiro tijolo na
construção de um mundo melhor. Por isso...
Escolha uma causa, apoie uma ideia, defenda algo em que você
acredita. Comece dividindo isso com as pessoas mais próximas,...
http://socialgoodbrasil.org.br
Social Good Brasil
http://www.impacthub.com.br
Impact Hub
https://catracalivre.com.br/brasi...
CAPÍTULO 1:
Reflexões sobre modelos de
negócio e gestão.
43
Esta é o momento em que você deve refletir sobre o modelo de
negócios que pretende tocar, e também, qual é o papel que dese...
Foi mais ou menos assim que iniciei a Trespontos. Apesar de ter
formação e conteúdo suficientes para construir um curso, pr...
Você está pronto para compartilhar seus aprendizados com outras
pessoas, mas não está interessado em administrar um negóci...
Há um mercado enorme a ser explorado, porque iniciativas de
Educação Online, seja em nossa Rede ou no mercado como um
todo...
O ponto positivo é que você terá domínio sobre absolutamente
tudo: inclusive do tempo e energia que pretende desprender pa...
Se eu tivesse que dar um conselho (aqui vamos nós): não aposte
em uma sociedade com alguém que entra apenas com trabalho,
...
Primeiro, não acredito na relação de trabalho criada com base na
CLT. Depois, porque não conheço nenhum empregado plenamen...
Em lugar de contratar um profissional de Mídias Sociais, assinar a
carteira e gastar horas do seu mês administrando isso, c...
No entanto, tome cuidado para não criar opções demais, para
públicos demais, e acabar complicando sua gestão. Comece com
p...
Na prática, isto significa tomar decisões como: volume de canais
que deseja empreender; quantidade de cursos e temas que
de...
CAPÍTULO 2:
Com quem você pensa que está
falando?
55
Direto ao ponto: se você não souber exatamente com quem está
falando, seu produto vai naufragar. Se você ficar correndo de ...
Estas definições vão te ajudar a desenhar desde elementos mais
estruturais do produto, como carga horária, linguagem e
prof...
Para ilustrar, veja o exemplo de uma das definições de persona
que criamos para o Trespontos LABs, a partir do mesmo modelo...
O Diego já percebeu que o caminho é empreender, mas ele não
quer construir um negócio que aprisione. Principalmente porque...
Um outro detalhe: nem tudo vai se encaixar perfeitamente com
você, que está lendo este eBook agora mesmo. Mas isso não
imp...
ELABORE A
SUA PERSONA
CAPÍTULO 3:
Reflexões sobre formatos.
62
Quando se fala de cursos, eventos e conteúdos online em geral,
estamos falando de uma verdadeira infinidade de formatos
pos...
Essas e outras perguntas devem ser respondidas para que você
saiba exatamente o que vai oferecer ao mercado e possa se
pre...
Transmissões ao vivo conferem uma dose extra de risco e
improviso ao seu negócio. Como é ao vivo, você sabe, tudo
pode aco...
Uma outra definição importante é o tipo do produto que você
deseja trabalhar: há espaço para cursos avulsos, palestras
(cha...
Cursos demandam atenção e envolvimento maior por parte do
usuário. Se tiverem um caráter mais prático, ganham ares de
ofici...
Esta decisão também influencia no preço do produto. Em geral,
cursos de menor duração custam menos. Enquanto programas de
m...
Cursos Avulsos/ Trespontos Brasil



Canal Pleno de Longa Duração/ Lab Social Media

Canal Pleno de Curta Duração/ Rotina ...
CAPÍTULO 4:
Dicas para criar conteúdos que
inspiram.
71
Um dos maiores desafios do seu negócio é entregar conteúdos
inspiradores e fazer com que eles sejam úteis e relevantes para...
À frente da Trespontos, liderei a produção de centenas de horas
de conteúdos para oficinas presenciais, palestras, cursos o...
Veja: há espaço para tudo em uma boa aula. Há o contexto, há o
momento de ilustrar, há o momento de descrever, mas a hora ...
O FENÔMENO


O fenômeno, fato, constatação. É a hora de destrinchar o tema da
sua aula, com uma abordagem mais descritiva....
MODO/ O COMO


Esta é a hora do show. Você já deu o cenário, já desenvolveu o
tema, já mostrou a importância de se engajar...
É exatamente isso que estou fazendo aqui por você, que me
acompanha a cada linha. Estou compartilhando o meu modo de
fazer...
Em nosso exemplo (práticas sustentáveis nas organizações) esta
é a hora de criar um experimento, um projeto ou um protótip...
Falhas são um modo incrível para gerar aprendizados, portanto,
não se limite a cases de sucesso. Abuse dos cases de fracas...
Use este esquema para criar o esqueleto de um curso ou módulo.
Qual é o tema?
Dentro do tema,
qual fenômeno
será abordado?...
O que precisa ser
feito? O que é a
atividade?
Com que
objetivo?
Com quais
recursos e fontes
de pesquisa?
Como deve ser o
p...
Por que você não CLICA AQUI 

e cria o seu canal agora mesmo?
82
CAPÍTULO 5:
Sorria! Dicas rápidas para facilitar
a sua vida e organizar sua
produção.
83
Juan David Ferrando/shutterstock....
Agora você já tem o seu negócio bem desenhado e já sabe como
elaborar um conteúdo transformador. O que está esperando para...
Você deve ter notado que este eBook foi pensado para te ajudar
a tomar decisões. A partir dessas decisões, você conseguirá...
Agora, sem meias palavras: se você possui um MacBook (da
Apple) você tem tudo o que precisa para produzir e editar seus
cu...
Soluções mais robustas: resultados mais profissionais. 



Um pouco de bastidores: do início de 2012 até o final de 2013
tra...
Para finalizar, vamos deixar os aspectos técnicos um pouco de
lado e retomar uma visão de estratégia sobre tudo isso. Acred...
ILUMINAÇÃO



Se for utilizar vídeo, preste muita atenção à iluminação. Uma boa
iluminação é quase tão importante quanto u...
FUNDO (BG)



Ultimamente temos utilizado fundos monocromáticos. Nos últimos
videos que produzimos (para o LAB SOCIAL MEDI...
TRANSMISSÃO GRATUITA/ GRAVAÇÃO DO VÍDEO

O recurso gratuito mais completo e útil para seu trabalho pode
ser o Google Hango...
Tome nota de como pretende organizar a sua produção.
Como você vai
captar o áudio?
Se for trabalhar com
o vídeo do profess...
CAPÍTULO 6:
Esqueça os clientes. Crie
comunidades.
93
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs

636 visualizações

Publicada em

Um guia prático que vai te ajudar a criar um negócio capaz de transformar a sua vida e a vida de outras pessoas!

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
636
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

eBook grátis - CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE - Trespontos Labs

  1. 1. CRIANDO O SEU PRÓPRIO NEGÓCIO DE EDUCAÇÃO ONLINE/ PASSO A PASSO Este é um guia e também uma reflexão pessoal sobre empreendedorismo. Torço para que meus aprendizados possam te ajudar a construir um negócio que transforme a sua vida e a vida de outras pessoas. Sem promessas, fórmulas secretas, milagres ou bilhetes premiados. Se você quiser construir um negócio sustentável do qual vai se orgulhar para o resto da vida, conte comigo e com o apoio da nossa comunidade. Thiago Ribeiro
 Autor/ Publicitário, Empreendedor
 Fundador da Trespontos
  2. 2. “Se você aprendeu qualquer coisa relevante na vida, você tem algo a ensinar”.
  3. 3. Para Cinthia…
  4. 4. SUMÁRIO 08 16 26 55 62 71 83 93 111 119 43 05 124 130 12 CAPÍTULO 1/ Modelos possíveis para seu Negócio de Educação Online. AUTOR/ Quem? CAPÍTULO 3/ Reflexões sobre formatos. CAPÍTULO 4/ Dicas para criar conteúdos inspiradores. CAPÍTULO 5/ Hacks de produção audiovisual. CAPÍTULO 6/ Esqueça os clientes. Construa comunidades. CAPÍTULO 7/ Crie uma rotina (que funcione para você). CAPÍTULO 8/ Agora é com você: hora do show! INTRODUÇÃO/ Considerações iniciais (o que aprendi nos últimos anos, você vai aprender em 15 minutos) APRESENTAÇÃO/ Por que escrevi este livro? ADVERTÊNCIA/ Este negócio pode mudar (salvar) a sua vida. REFERÊNCIAS/ Livros, serviços e fontes de inspiração. NÃO ACABOU/ Agora é que vai começar… CAPÍTULO 2/ Com quem você pensa que está falando? Definindo a sua persona. COM A PALAVRA/ Por que este projeto pode mudar a vida das pessoas?
  5. 5. SOBRE O AUTOR: Famoso quem? 5
  6. 6. QUEM SOU E POR QUE ESTOU AQUI? Me chamo Thiago Ribeiro. Baiano, nascido em 1978. Atualmente me divido entre a capital baiana e a cidade de São Paulo, onde está montada a operação da Trespontos, empresa que fundei no final de 2009. Esta é uma forma de manter a mente oxigenada: posso explorar a pulsação de uma megalópole, sem perder o contato com as raízes que me tornaram quem eu sou. Não que isso amenize uma certa sensação de não pertencimento, que raramente me abandona. Por vários motivos, me sinto como uma espécie de outsider. Este desconforto acaba alimentando minha motivação empreendedora. Empreender, para mim, é uma forma de lidar com este incômodo.
 
 Sou graduado em Comunicação Social. Fiz especialização em Relações Públicas e uma dezena de cursos ligados a Marketing, Gestão e Projetos. Me aventurei como aluno especial no mestrado de Comunicação da UFBA (FACOM), fui professor de graduação por pouco mais de 7 anos, mas acabei me desencantando com a Academia. Não era para mim, ou não era o momento. Ou as duas coisas. 
 
 Trabalhei como consultor de Marketing e Comunicação Organizacional para empresas de serviços em TI, fui gestor de comunicação no Município de Salvador e gerente de Marketing em uma Instituição Financeira, onde também fui Ouvidor. Mas o que me trouxe até aqui?
  7. 7. Por onde passei, senti algum desconforto. Não era o meu lugar, não era o momento, não era o suficiente ou não era do jeito que "devia" ser. Rapidamente me sentia preso, desconfortável, inquieto. Sempre extrapolei minhas obrigações em busca daquilo que ninguém “estava enxergando". Não por ser o mais esperto: apenas porque nunca me senti em casa. Foi assim no governo e na iniciativa privada. Foi desta forma como estudante e como professor universitário. Foi então que resolvi criar a Trespontos. Para fazer do meu jeito, errar os meus próprios erros e construir novas experiências. Circulei por diversas capitais com as oficinas presenciais sobre comunicação, marketing e negócios digitais. Criei uma plataforma de webinar, quando o termo sequer havia sido descoberto pela maioria das pessoas. Quebrei a cara (e a empresa) diversas vezes, mas liderei a construção de um negócio que chegou a milhares de pessoas e transformou a carreira de muitos profissionais em todo o Brasil. A Trespontos hoje é sustentável e me permite, sem luxo e com alguma inteligência, fazer o que quero, estar com quem importa, trabalhando online de onde eu quiser, para continuar transformando, ainda que discretamente, a vida de muita gente. 
 
 O que me move hoje é o que sempre me motivou: aproximar pessoas e compartilhar conteúdos transformadores. Mas, a partir de agora, estou concentrado em te dar poder, para que você faça o que eu fiz e faça melhor! Por isso te pergunto: você não está incomodado? ESTA HISTÓRIA SE PARECE COM A SUA
  8. 8. APRESENTAÇÃO: Por que escrevi este livro? 8
  9. 9. POR QUE ESTE LIVRO FOI ESCRITO? Durante os últimos anos, liderando a Trespontos, tive a oportunidade de conhecer milhares de profissionais, estudantes e empreendedores, de todas as partes do Brasil. Nas oficinas presenciais e principalmente nos eventos online, conheci a cara de uma geração se formando. 
 
 Vi carreiras e negócios sendo erguidos onde antes nada havia, a não ser vontade! Vi brilho nos olhos, paixão por aprender algo novo e força para construir uma carreira. 
 Também vi profissionais escalando rapidamente novas oportunidades, ganhando cada vez mais notoriedade e respeito para chegarem a onde sempre sonharam, até o ponto em que já se sentiam compelidos a partir para outra. Essa transformação constante é a dinâmica natural das carreiras e da vida. E elas se misturam o tempo todo!
 
 Vi tudo isso acontecer enquanto experimentava novos modelos, novos formatos, novas parcerias. Eu fui me transformando e o negócio que eu havia criado também se transformava ao longo do tempo. 
 
 Em um dado momento, depois de liderar tantas horas de produção, de entregar tantas horas de conteúdo e, de alguma maneira, influenciar a carreira de tantas pessoas, percebi que estava diante da chance de começar tudo de novo. A minha missão continuava a mesma, mas o caminho poderia ser outro. 
 Depois de tantos anos trabalhando com conteúdo, senti que era a hora de trabalhar para que as pessoas pudessem, elas mesmas, espalhar conteúdos transformadores por toda parte. Por isso, quero compartilhar aquilo que aprendi e a tecnologia que construí, para que você também possa criar um negócio como o que eu criei, do ponto onde você está, exatamente agora. Este eBook é só o começo…
  10. 10. CRIE UM PEQUENO RESUMO DA SUA HISTÓRIA PESSOAL
 
 Seus clientes vão querer saber um pouco mais sobre você. Não se prenda ao seu currículo formal. A sua formação importa, mas as suas realizações e os traços da sua personalidade merecem destaque. Lembre-se: o maior diferencial do seu produto pode ser você mesmo! 10
  11. 11. TODO MUNDO TEM ALGO A ENSINAR…
 
 Pense em áreas sobre as quais você já desenvolveu alguma experiência prática ou sobre a qual já teve a chance de estudar. Vale tudo: desde uma habilidade prática a um conhecimento teórico que possa influenciar a bagagem de outras pessoas. Pense em forma de palavras-chave (isto vai facilitar o seu trabalho): # # # # # # # # # # 11
  12. 12. ADVERTÊNCIA: Este negócio pode mudar (ou salvar) a sua vida. 12
  13. 13. ADVERTÊNCIA: ESTE NEGÓCIO PODE MUDAR (SALVAR!) A SUA VIDA Imagine um dia normal de trabalho: despertador te arranca da cama, café da manhã apressado… Hora de levar as crianças para a escola. Trânsito por todo o lado e você tem um horário a cumprir. A ideia era entregar um relatório no início da manhã, mas já passa das nove e você ainda nem chegou ao trabalho. A esta altura, a única certeza que você tem é que o seu almoço já era. E o dia está só começando! 
 
 Sua caixa de email está atolada de mensagens não lidas, você não teve tempo de confirmar aquela consulta médica que já foi desmarcada diversas vezes. E você sabe que não tem nenhuma chance de sair para jantar com sua família porque o dia promete. Você nem tem hora para sair do escritório. Em algum momento você se questiona sobre o impacto que o seu trabalho esta causando na vida das outras pessoas. Qual é o tamanho da sua contribuição pessoal para a sociedade? Será que isso é tudo o que você tem para entregar? Um horário, uma meta, um relatório importante, um bom planejamento, uma campanha, um projeto super promissor, um parecer ou uma aula pouco inspirada, preparada para uma turma de alunos pouco inspirados em uma sala de aula presencial de alguma faculdade dessas que a gente vê por aí?
 
 Não sei o que te parece, mas esta era minha vida até há pouco tempo atrás. Sendo franco, parece a vida de muita gente por aí. Quer saber o que mais? Apesar de tudo, eu ainda estava tentando criar uma empresa para mudar o mundo…
  14. 14. E não era só isso. Nos últimos anos, ainda tive que enfrentar uma grave doença que ameaçava me tirar alguém com quem eu decidi passar o resto da minha vida. As coisas definitivamente não iam bem… 
 
 Mas, foi exatamente deste cenário que eu tirei as forças e a inspiração necessárias para construir um modelo de negócios que coubesse em minhas mãos, que fosse capaz de impactar positivamente a vida de mais pessoas e que me desse a liberdade para estar ao lado daqueles que importam. Eu não podia errar. 
 Sempre gostei de premissas. Elas te ajudam a construir qualquer coisa. Não importa o tamanho ou a complexidade do que você tiver que modelar, comece pelas premissas. Elas funcionam como um código a ser seguido e vão te ajudar a manter o foco naquilo que realmente importa. 
 
 Decidi que meu negócio deveria:1) Desprender-se de barreiras geográficas, de modo que eu pudesse empreender de qualquer parte do planeta; 2) Ajudar a transformar positivamente a vida das pessoas; 3) Permitir que eu tivesse o controle sobre os meus horários e agenda pessoal; 4) Trouxesse retorno financeiro suficiente para oferecer uma vida confortável e segura para a família.
 
 Luto diariamente para manter o meu negócio dentro dessas premissas e nunca me senti tão realizado em toda a minha vida. Não se trata de ganhar dinheiro, embora dinheiro seja muito importante. Empreender para mim, é uma questão de retomar o controle da minha vida e ter a chance de vivê-la plenamente. Eu garanto: se você fizer algo sincero e ajudar as pessoas a resolver pelo menos um dos seus problemas, você encontrará a vida que procura. 
 
 Enjoy The Trip!
  15. 15. DEFINA PREMISSAS PARA O NEGÓCIO.
 
 Claro. É apenas um exercício. Você pode refletir com calma e encontrar algo que faça sentido para você! Evite criar mais do que 5 premissas, para não se deparar com uma lista tediosa e confusa.
 
 
 15
  16. 16. COM A PALAVRA… Por que este projeto pode mudar a vida das pessoas? 16
  17. 17. VOCÊ COMPARTILHA O QUE SABE?
 Por Marcel Ayres
 
 Quando eu era pequeno, lembro que adorava aprender as coisas por conta própria. Mesmo quando não sabia nada sobre algo, pegava livros e revistas espalhadas pela casa e fuçava, errava, até conseguir aprender como aquilo funcionava. 
 
 Meu pai, que percebia essa busca por conhecimentos, não só incentivava, mas costumava me dizer, sempre que podia, uma frase: "feliz é aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina”.
 
 E foi aí que iniciei o meu gosto não só por aprender, mas, também, por compartilhar meus aprendizados. As iniciativas foram as mais diversas, aulas de violão para a namoradinha de infância, reforço de história e geografia para pré-vestibulandos e por aí vai.
 
 Já adulto, após montar a minha empresa em 2009, conheci a Trespontos, que na época era uma iniciativa focada em cursos presenciais, em sua maior parte, de comunicação digital. Foi um encontro incrível, pois ambas empresas acreditavam que o mercado precisava compartilhar conhecimentos nesta área, ainda em ascensão. 
 
 Minha empresa evoluiu, o mercado evoluiu, a Trespontos também, deixando de lado os cursos presenciais e investindo fortemente no online, colocando o professor em contato com pessoas de todo o país e com as mais diversas experiências e necessidades.
  18. 18. Agora, o mercado passa por uma fase de mudanças. As pessoas querem sentido para suas vidas. Querem a felicidade tanto quanto buscam a estabilidade financeira. Querem aprender muito mais do que as salas de aula tradicionais estão dispostas a entregar e querem, também, compartilhar o que sabem com outros.
 
 É aí que se encaixa a iniciativa da Trespontos. O tipo de projeto em que eu, como parceiro e empresário, acredito, pela capacidade de criar condições para que outras pessoas, independente da sua área de atuação, possam ser felizes transferindo o que sabem e aprendendo com o que ensinam… 
 
 Tal qual meu pai já dizia. 
 Marcel Ayres
 Sócio-Diretor da COM Inteligência Digital e
 da PaperCliQ Comunicação e Estratégia Digital
  19. 19. ESTAMOS DIANTE DE UMA TENDÊNCIA?
 Por Ana Caroline Tavares
 
 As relações humanas estão fortemente mediadas pela tecnologia e pela comunicação digital. Esta é, definitivamente, a sociedade da informação, da revolução digital e da cibercultura. 
 
 O Digital trouxe novos comportamentos para a sociedade de consumo, que está ávida para ingressar no mundo tecnológico em expansão. O desafio para sobreviver no mercado tecnológico está centrado na capacidade de antevisão do futuro, ou seja, na criação de meios que possibilitem captar no presente os sinais do que está por vir.
 
 Diante disso, uma das maneiras, é apontar um caminho para o futuro do consumidor digital por meio do estudo de tendências e utilizando as ferramentas de Coolhunting. 
 
 As tendências nos proporcionam um cenário atual tecnológico e mostram um sentido a seguir. Um projeto como este da Trespontos vem confirmar as tendências identificadas pelo TRC relacionadas ao digital, como a Connection, Convergence and Ergonomics, que retrata o momento global de conexão e convergência por conta da internet, dispositivos e tecnologias de comunicação e informação.
 
 A educação tem o poder de transformar a vida das pessoas, e juntamente com o ambiente online, traz múltiplas oportunidades e reafirma o momento atual apontado pelas tendências. 
 
 Ana Caroline Tavares
 Junior Researcher
 Trends Research Center/ Portugal
  20. 20. A EXPERIÊNCIA DE CADA UM…
 Por Adelino Mont'Alverne
 
 Há quase dez anos trabalho com turmas de especialização e MBA em Marketing e Comunicação Digital. Cada uma delas formada por jornalistas, publicitários, administradores, economistas e outras tantas profissões. 
 
 Todos têm suas expectativas e imaginam que a cada módulo será entregue um conteúdo pronto. Mas quando quase todo o conteúdo já está abundantemente disponível, inclusive gratuitamente, o que poderemos entregar de tão valioso? Para mim a resposta está na experiência de cada uma deles. 
 
 Então, a cada nova turma tenho feito a seguinte proposta. Seguir um roteiro, sobre questões, problemas e tendências atuais, mas procurar as respostas nas experiências que cada um traz da sua área e atuação profissional. Vale a experiência conquistada ao longo de muitos anos de batente ou expectativas de quem acaba de chegar no mercado. 
 
 Também proponho que me vejam não como o clássico professor, detentor das respostas certas, mas como alguém que pode ter uma pequena vantagem em relação a eles: já errei muito.
 
 As turmas que aceitam este desafio produzem incríveis dinâmicas de trabalho colaborativo. As aulas passam do momento “pacotes de conteúdo" para um espaço de discussão, busca de soluções e idéias a partir de múltiplas perspectivas.

  21. 21. Nos aprendizados de cada um pode estar o conhecimento ou um caminho para projetos pessoais, empresariais e novos negócios. Espero que mais pessoas tenham um espaço para oferecer seu conhecimento e compartilhar suas experiências. Assim, o mercado avançará para um novo patamar, passando a contar cada vez menos com fórmulas prontas e soluções milagrosas.
 
 A Trespontos inova mais uma vez e agora oferece condições para que qualquer um possa criar o seu próprio negócio de Educação Online. Quantos especialistas em diversos assuntos vão surgir a partir desta iniciativa e quantos novos temas estarão disponíveis? Vejo o início de um grande movimento.
 Adelino Mont’Alverne
 Professor e Sócio da Nomad.ag
 Colunista em Cultura Digital/ IBAHIA.
 Researcher at @lab4O4
 

  22. 22. POR QUE IDEIAS ASSIM PROSPERAM?
 Por Gabriel Leite
 
 Iniciativas como esta atendem a pelo menos cinco requisitos, que considero indispensáveis para que uma ideia alcance o sucesso na internet brasileira: simplicidade. Tanto na ideia, quanto na mecânica; transformação. Possibilita uma mudança na vida das pessoas; tendências. Conceitos alinhados a comportamentos em voga; escalabilidade. Os colaboradores preparam o terreno, as pessoas multiplicam a ideia; Educação. A Trespontos Labs é mais do que uma simples plataforma: será uma escola.
 
 Simplicidade é fundamental. Uma plataforma precisa ser simples. O que torna uma tecnologia incrível é a criatividade das pessoas. Uma plataforma não pode ser mais criativa do que as pessoas, ou elas se sentirão incomodadas e pressionadas. Seja simples! O Google é simples, o Twitter é simples, o Instagram também. Deixe a genialidade com as pessoas e elas farão algo incrível. Há o simples neste projeto e isso é potencialmente transformador. Se transforma, muda. Quando muda, faz a diferença. E se faz diferença, é útil. Sendo útil é inesquecível e quando é inesquecível, transforma.
 
 Estar alinhado às tendências é um oportunismo do bem. Cada vez mais o vídeo dominará a internet, como sabemos. Não é a toa que começamos a presenciar a briga entre Youtube x Facebook pela liderança neste formato, até então dominado pelo Google.
  23. 23. Por décadas, a televisão fez parte da nossa vida de forma extremamente ativa e relevante. Somos filhos do vídeo e levamos este comportamento para a internet. Não acredito em uma morte da TV, mas sim uma transformação no modo de assistir, além da total integração com a internet, criando um ambiente muito mais personalizado e interativo. 
 
 Com a melhora nos serviços de internet banda larga e móvel, o vídeo permeará grande parte da nossa vida digital, logo, brincando de futurologia, me arriscaria a dizer que ter um canal de vídeo para compartilhar aprendizados e gerar negócios está perfeitamente alinhado a esta poderosa tendência. Você pode pensar: mas os vlogs já não fazem isso no Youtube?
 
 Sim, é verdade. Mas não acredito que o Trespontos Labs tenha o propósito de concorrer com o Youtube, e sim ser uma verdadeira comunidade de negócios, através de vídeos educativos, onde não importa o tamanho da audiência, a busca sempre será pelo aprendizado. 
 
 Apenas não podemos ser inocentes e deixar o lado financeiro de lado, pois todo negócio precisa ser lucrativo. Ou, imagino, esta iniciativa jamais se tornará um organismo vivo. Precisamos acabar com essa maldição de que conquistar sucesso e ganhar dinheiro no Brasil é um grande pecado. Esse pensamento é comum, mas é abominável. Um negócio precisa ser sustentável SIM.
 
 Se pensarmos que sustentabilidade depende exclusivamente da nossa capacidade de produção, temos bilhões de clientes em potencial para fazer a sua ideia acontecer.
  24. 24. Por fim, é principalmente a pegada educação que me fascina neste projeto. A proposta não é jogar as pessoas à própria sorte e ver o que acontece. A ideia é educar, em comunidade, para que cada negócio possa se desenvolver da melhor forma possível. As pessoas precisam de incentivo, motivação e orientação. Esse acompanhamento é fator chave para o surgimento de grandes projetos de conteúdo. Projetos capazes de transformar pessoas comuns em referência para outras pessoas. Pode ser você…
 
 Gabriel Leite
 Publicitário, professor, empreendedor. 
 CEO da Mentes Digitais e criador do Social Brunch.
  25. 25. A MELHOR DICA: ENTRE EM AÇÃO!
 Por André Damasceno
 
 Tive a oportunidade de conhecer este material em primeira mão e o conteúdo está fantástico! Sem dúvida alguma, este é um guia prático e inteligente para quem deseja iniciar um primeiro negócio na área ou busca, simplesmente, uma fonte de inspiração. Em 2008, quando comecei, procurei por materiais iguais a este, mas nunca encontrei. Se você já tem uma ideia que deseja tirar do papel, esse eBook trará insights fundamentais para que você dê os primeiros passos. Quero dar uma única dica para você que está lendo esse material agora: Ação. Tenha um papel e caneta ao lado, ou abra o bloco de notas e vá registrando tudo o que chamar atenção. Após a ler pela primeira vez este eBook, volte e leia novamente. Ao tomar nota do que mais lhe parecer importante, não perca tempo e coloque em prática imediatamente. 
 
 Vamos. Não temos tempo a perder!
 André Damasceno 
 Empresário, professor, palestrante.
 Fundador e diretor de Novos Negócios do Grupo 
 Melhor do Marketing
 

  26. 26. ANTENAS LIGADAS: O que eu aprendi nos últimos anos, você pode aprender em 15 minutos. 26
  27. 27. Antes de começarmos, quero compartilhar algumas ideias que venho acumulando nos últimos anos. Algumas delas parecem óbvias (e são, de fato) mas nem por isso, menos importantes. 
 
 Deixar algumas dessas obviedades de lado foi motivo de atraso na consolidação dos negócios da Trespontos. Atraso que significou muito desgaste, prejuízos, aumento dos riscos relacionados ao negócio e claro, perda de competitividade. Muitas constatações demandaram anos de experimentação, erros, acertos e aprendizados. Uma etapa que você pode pular, se for um bom observador, tiver disciplina e seguir à risca as dicas que compartilho neste livro. 
 Para tornar a conversa mais didática optei por fragmentar estas reflexões e tendências em forma de aprendizados. Isso facilitará sua fixação e me permitirá comentar cada um deles, separadamente, ainda que todos os tópicos estejam intimamente ligados entre si. Quero deixar claro, que apresento aqui um ponto de vista muito pessoal, construído pela vivência dos últimos anos, pelas inúmeras leituras e de constantes conversas com parceiros, clientes e outros empreendedores. DE QUE MUNDO ESTAMOS FALANDO?
 Alguns aprendizados e uma reflexão sobre tendências.
  28. 28. Vivemos hoje naquilo que se chama de “economia da atenção”. Prefiro chamar de economia da desatenção.
 Em bom português: andamos todos de saco cheio. Na prática, isto significa que seus consumidores potenciais tem pouca ou nenhuma disponibilidade para ler o que você escreve, mesmo quando estão interessadas pelo assunto. Também estão pouco propensas a imaginar cenários complexos. Não porque sejam incapazes, mas porque estamos saturados por informações que chegam por todos os lados. No teoria da comunicação existe o conceito de atenção seletiva, que dá conta do fenômeno pelo qual, em um ambiente saturado de informações, o indivíduo estará propenso a reter informações de modo seletivo, de acordo com seus interesses particulares, valores, crenças. Pouco ou nada do que estiver fora do seu campo de visão vai ser percebido, muito menos lembrado. O que percebemos facilmente é que, mesmo quando se trata de algo que realmente nos interessa, vem se tornando cada vez mais penosa a tarefa de selecionar, absorver, processar e arquivar mensagens confortavelmente. Isso tende a piorar.
 
 Desta forma, não só está cada vez mais difícil chegar às pessoas, como também já se tornou muito difícil fazer com que elas absorvam de modo apropriado nossas mensagens. Quando você for planejar seu produto e sua comunicação, lembre-se de que estará lidando com isso. APRENDIZADO 1
 As pessoas estão apressadas e dispersas.
  29. 29. Por outro lado, a grande maioria dos laços são frágeis e efêmeros. Na prática, há mais oferta de tudo hoje em dia: produtos, marcas, possibilidades. Exclusividade é algo muito difícil de se ofertar, mas é algo que as pessoas querem e as empresas precisam buscar. Na contramão da atual tendência de automatizar tudo, marketing, processos, vendas, gestão e até o relacionamento com os clientes, minha aposta é tomar o caminho contrário. Sem desprezarmos as possibilidades da automação de processos, a humanização dos seus serviços poderá ser o maior diferencial competitivo para sua marca. Todo o resto é replicável. Por isso, não é exatamente o que você faz, mas como você faz as coisas, que vai significar um lugar para sua marca na mente e nos corações do consumidor. Você pode estar pensando: “OK. Mas o que há de novo nisso?”- O que há de novo é a possibilidade de fazermos isso em larga escala através das comunidades. O segredo que eu mesmo já desprezei num dado momento, é manter uma conversa incessante com seus públicos de interesse, em círculos fechados. A humanização da sua marca passa pela sua capacidade de gerar conversas reais com as comunidades. Os diálogos formam a liga do seu discurso e conferem mais afetividade e cumplicidade ao relacionamento que você começou a alimentar com seus clientes. Falaremos mais disso depois! APRENDIZADO 2
 As pessoas estão cada vez mais conectadas entre si.
  30. 30. O outro lado da moeda é que todo mundo tem algo a aprender. E é aqui que você entra! Em determinado momento da vida, você terá acumulado conhecimento e experiência suficientes para transferir algum aprendizado para outras pessoas.
 
 Ou seja; se a esta altura, você já aprendeu alguma coisa relevante na sua vida, então, definitivamente, você tem algo a ensinar. Seja uma habilidade na cozinha, algum aprendizado acumulado em sua vida profissional, o domínio de um idioma ou de uma matéria escolar, a sua opinião sobre um aplicativo, ferramenta ou o fruto de alguma leitura recente. Mesmo no momento em que você estiver apenas testando algo, você estará produzindo conhecimento. Tudo aquilo que você puder imaginar, pode ser transformado em conteúdo educativo capaz de agregar o interesse das pessoas, caso possa transformar algum aspecto das suas vidas.
 
 Neste aspecto, vale conhecer o conceito da Cauda Longa: em algum lugar, de alguma maneira, alguém está interessado naquilo que você tem para compartilhar. A internet conectou de tal forma as pessoas, que existe mercado para praticamente tudo o que se tem para oferecer. E isso abre um leque enorme de possibilidades!
 
 Do ponto de vista dos conteúdos educativos, que é a questão central aqui, sabemos que há temas que interessam a um grande número de pessoas: marketing digital, saúde, bem estar, temas para concursos, como ganhar dinheiro fazendo isso ou aquilo… Estes são potenciais hits. APRENDIZADO 3
 Todo mundo tem algo a ensinar.
  31. 31. Outros temas, contudo, são mais especializados ou simplesmente interessam a um nicho, ou seja, a um número limitado de pessoas. Estes são produtos da ponta da Cauda, como por exemplo: um curso sobre um dialeto ou língua morta, sobre a culinária da Ilha de Páscoa ou uma perspectiva avançada sobre Teoria dos Jogos e Comportamento Econômico. 
 
 Estes temas podem até parecer pouco interessante para a maioria das pessoas (minha intenção é apenas ilustrar!), mas não duvide: em algum lugar, alguém estará disposto a pagar por isso!
  32. 32. Por outro lado, sempre haverá motivos para que alguém pague pelo seu conteúdo. Desde que você seja capaz de gerar valor. 
 
 Num mundo onde parece possível encontrar qualquer coisa de graça você pode se perguntar:“Por que alguém pagaria pelo meu conteúdo, se praticamente tudo o que precisamos saber pode ser encontrado de graça”? Eu já ouvi esta pergunta muitas vezes, em reuniões com parceiros e clientes corporativos. A resposta não é fácil, mas é possível. Mais que isso: é indispensável. Ao comprar um produto, o consumidor compra uma matriz, ou seja, um conjunto que extrapola o produto em si, porque inclui outras camadas à face tangível do produto. Ao adquirir um curso da Trespontos, o usuário está comprando nossa curadoria, além da comunidade que criamos em torno dos conteúdos, os serviços (certificado, contato com os professores, suporte diferenciado) e, em certos casos, o status de pagar por um curso. Em todos os mercados, é possível encarar o produto a partir das suas diversas camadas. Consciente ou inconscientemente, é isso que fazemos ao pagar por um produto, em vez de copiá-lo ou de juntar seus pedaços espalhados por ai. Entenda…
 
 O que nos leva a pagar por um capuccino, valor suficiente para preparar um litro do mesmo produto em casa? Claro. Educação não é café. Mas a lógica é válida. APRENDIZADO 4
 Sempre haverá conteúdos gratuitos por toda a parte.
  33. 33. Veja uma outra situação, hipotética: se você busca conhecimento sobre como investir na bolsa ou, sobre como fotografar melhor, você certamente encontrará inúmeros cursos e tutoriais gratuitos que vão, de certa forma, atender à sua busca primária. Mas talvez você queira mais. Mesmo que ainda não saiba disso… 
 Você certamente iria ganhar muito tempo se, em lugar de procurar conteúdos confiáveis por toda parte, conhecesse um site capaz de te oferecer uma mínima garantia sobre a qualidade do conteúdo ofertado. Enquanto consumidor, você também poderia se beneficiar muito se tivesse a chance de interagir com os criadores daquele conteúdo e com os demais consumidores em um ambiente apropriado, para tirar suas dúvidas e compartilhar suas experiências. Também pode fazer diferença se você tiver a chance de participar de atividades dirigidas e obter um certificado do curso que você fez. Ou a oportunidade de contar com conteúdos complementares, atualizações constantes ou simplesmente um guia com referências para ampliar o seu conhecimento sobre o tema.
 
 É pelo conjunto disso tudo que o consumidor pagaria pelo seu conteúdo. Ainda mais se estivermos falando de informações pouco disponíveis ou abordagens pouco exploradas. E se o diferencial for você e não o conteúdo?
  34. 34. Hoje é fácil encontrar farta literatura sobre negócios e processos enxutos. O já célebre livro do Eric Ries (Lean Startups) é o que melhor organiza e traduz este conceito. Aliás, vale muito a pena ler este livro. Quero destacar alguns pontos que aprendi na prática, porque isso interessa para o negócio que construiremos juntos. Você pode ter uma mentalidade Lean para tudo na vida. E isso pode fazer enorme diferença para você e para seus negócios. Eu e a minha empresa estamos a caminho, mas há uma estrada pela frente, sobretudo porque existe uma tendência incrivelmente poderosa que cria uma espécie de efeito sanfona no seu negócio. O empreendedor sofre uma constante tentação de inflar cada aspecto do negócio. Se você ceder a isso, vai acabar alternando fases de acumular coisas e momentos de faxina. O seu negócio pode não suportar tanta instabilidade de processos, estruturas, colaboradores e expectativas. O efeito sanfona vai custar caro! 
 Eu vivi isso dezenas de vezes. Enxugava o processo ao máximo, mas logo adiante me via agregando novas funcionalidades, novos produtos, pessoas, parcerias e tecnologias. Muitas vezes, em vão. Ser enxuto é entender e respeitar suas descobertas sobre o que realmente importa para você e para o seu usuário: isso te ajudará a decidir sobre preços, metas, processos e até horas de trabalho. Enxugue! APRENDIZADO 5
 Comece pequeno, erre, aprenda rápido e evolua. 
 Mas comece agora.
  35. 35. Se tem uma coisa que aprendi na prática nesses últimos anos é que, a grande maioria das parcerias é pouco útil, beirando o prejudicial. Concordo, a frase é dura. Mas eu vou explicar. 
 
 Primeiro, não confunda cliente com parceiros. Cliente é cliente. Parceiro é outra coisa. Você pode ter alguma dose de parceria com seu cliente. Em raríssimos casos é até possível acumular esses dois papéis, desde que você tenha uma coisa em mente: são dois papéis. Em um dado momento, clientes podem se transformar em parceiros, assim como parceiros podem se converter em clientes. Mas são duas coisas diferentes. 
 
 Segundo: quem não ajuda, atrapalha. Você tem que ter muito claro e definido o papel de cada um no jogo. O que você tem a oferecer é algo relevante para seu parceiro? E o inverso é verdadeiro: o que seu parceiro tem para te dar é algo que vai impactar efetivamente no seu negócio? Estamos no caminho certo. 
 
 Por fim, um detalhe importantíssimo. Há uma premissa básica que precisa ser respeitada. A parceria só tem chance de sucesso se tanto você quanto o seu parceiro estiverem jogando dentro dos seus próprios domínios. Em outras palavras: não crie um novo processo ou saia da sua rotina para atender a uma parceria. E não espere que seu parceiro faça isso. Se você tiver que se desviar minimamente do seu core para acomodar a parceria, você começou mal. Isso não vai dar certo, você vai perder tempo e, tempo, como você sabe bem, vale ouro! APRENDIZADO 6
 Fazer parcerias é uma ciência…
  36. 36. Se houvesse um ranking com tudo o que realmente afetou a nossa visão sobre o ato de empreender, enquanto estilo de vida, a internet estaria no topo da lista. Isso é óbvio. Só que, na esteira dessa questão, o que realmente faz a diferença é a mobilidade. Podemos tocar nosso empreendimento de qualquer parte do mundo, porque, igualmente, os consumidores podem comprar os nossos produtos de onde estiverem. Quero comentar esses dois lados da moeda. 
 
 Crie uma rotina que te permita tocar o seu negócio de onde você estiver. Não se limitar geograficamente ou simplesmente não estar preso dentro de um escritório para que o seu negócio aconteça, é uma das dádivas que a tecnologia nos proporciona. Escolha fornecedores que se adequem a este tipo de possibilidade, para que um único processo conservador não acabe prejudicando a possibilidade de você empreender livre de amarras geográficas. Não adianta você administrar o seu negócio online, se você é obrigado a se encontrar com seu contador, com sua agência, com seu designer ou até mesmo com seus clientes presencialmente. Isto não significa que você tenha que ser um eremita e vetar qualquer tipo de contato presencial. Pelo contrário, o que está em jogo aqui é a possibilidade de escolha. Liberdade para fazer ou não. 
 
 Aos pensar em campanhas, conteúdos, produtos, pense que a maior parte do contato dos clientes com a sua marca vai se dar por meio de dispositivos móveis, como celulares, tablets e notebook. Será online! E você também estará por toda parte, sem fios e sem amarras. Apenas não se esqueça disso… APRENDIZADO 7
 Um mundo cada vez mais mobile. E daí?
  37. 37. Imagem importa muito! Cores, fotos, linguagem, fontes são elementos de influência crucial na experiência subjetiva do usuário. E o primeiro contato que ele tiver com sua marca, dirá tudo sobre a percepção que ele guardará do seu empreendimento. 
 Não negligencie esses detalhes ou seu negócio pode simplesmente naufragar por não transmitir uma imagem minimamente confiável. 
 
 Por aqui, valorizamos muito este aspecto. Em tudo o que é possível, buscamos oferecer uma experiência estética marcante ao usuário. Nas imagens do site, nos perfis da Rede, nos slides dos cursos, na assinatura do email. Atitudes simples que fazem muita diferença. 
 
 Tenho visto iniciativas promissoras, mas que falham miseravelmente na condução de suas estratégias de identidade. Também patinamos no início. Primeiro com um site terrível e uma comunicação totalmente equivocada. Depois com um site super elegante, mas extremamente pesado, denso, que afastava as pessoas (recebemos feedbacks a este respeito). 
 
 Foram muitos anos de trabalho até chegarmos ao modelo atual do nosso canal de conteúdo. E só então construirmos um padrão visual contemporâneo, arrojado, leve e, ao mesmo tempo, confiável. Os feedbacks dos clientes e os resultados nas vendas mostram que imagem é algo central neste ambiente de negócios. 
 
 Imagem, vídeos (e não textos), são a bola da vez. Os olhos dos seus consumidores, muito habituados a mapear imagens, construíram um grande rigor para isso. Eles serão exigentes com você! APRENDIZADO 8
 É tudo uma questão de imagem. E isso importa!
  38. 38. 
 
 
 
 
 
 
 Este tópico é como uma extensão sobre ser enxuto. Quero abordar esta questão agora sobre outro aspecto e tentar unir as coisas. Mas antes, peço que repita comigo: "menos é mais".
 
 Na sua comunicação, isso é fundamental. Primeiro, do ponto de vista estético, afirmo que a maior parte das pessoas prefere uma comunicação limpa e elegante. Uma peça que diz apenas o que importa dizer é muito mais eficiente do que uma peça poluída e abarrotada de informações. Sejamos cuidadosos ou você acabará desinformando, em vez de informar. Desestimulando, em lugar de motivar.
 
 Existe um movimento chamado minimalismo que está super em evidência, atualmente, embora não seja nada novo. Tem a ver com estilo de vida, decisões de design, consumo. Quero apenas me apropriar da sua ideia central: concentre-se no mais importante e descarte todo o resto. 
 
 O segundo aspecto está ligado a volume: lembra do tópico sobre saturação? Olhe para a sua caixa de email e para a timeline da sua Rede Social favorita. Percebe? Tudo lotado. Então, faça menos e faça melhor. Faça mais devagar para fazer melhor. 
 
 Por fim, outro aspecto: não ofereça muitas alternativas para o seu consumidor. Ele pode se sentir atolado e vai recuar. A dúvida traz um incômodo que pode afastar o comprador. Eu vi isto acontecer e a cena é horrível! APRENDIZADO 9
 Menos é mais ou minimalismo is the new black.
  39. 39. 
 
 
 
 
 
 
 Imagine-se diante de uma prateleira tentando escolher um simples pacote de pães integrais. Que tarefa! Além de decidir entre as marcas, você tem que lidar com uma grande variedade de grãos, preços, pesos e ingredientes. É muito mais fácil porque você pode manusear o produto. E mais fácil ainda se for algo que você já se habituou a consumir. 
 
 Porém, numa loja online, as coisas não funcionam desta maneira. Especialmente se estamos falando de produtos intangíveis, como o nosso. Se você oferecer uma enormidade de opções, o seu consumidor vai se estressar, entrar em um processo de racionalizar a compra e eliminar aquela camada de adrenalina que o levaria a comprar por impulso. Não sou contra a compra consciente, pelo contrário. Mas consumidores são inseguros. Minha aposta é a seguinte: quanto mais opções, mais retardado é o processo de decisão de compra. E não é isso o que você quer!
 
 Desta forma, ofereça apenas seus melhores produtos e esqueça os demais até que sejam bons o suficiente. Não queira abraçar todos os segmentos do mercado e atender a todos os públicos. Quem quer atender a todos, acaba não conquistando ninguém. Sobretudo, não perca a medida da prateleira para não confundir o consumidor com opções em demasia. Se ele se perder, pode nunca mais voltar.
 
 Para terminar, repita comigo: menos é mais!
  40. 40. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Assim com você, muita gente planeja colar seu primeiro tijolo na construção de um mundo melhor. Por isso, um número cada vez maior de consumidores se sente engajado com produtos e negócios associados a uma causa. 
 
 Esta não é uma tendência antiga, mas com a centralidade das Redes Sociais em nossas vidas, todos se sentiram um pouco mais capazes de mobilizar multidões em torno das causas em que acreditam. 
 
 Negócios associados a uma causa sincera (não estou falando de oportunismo), tendem a alcançar mais repercussão no mercado. Você tem uma causa? Isto reforçará a ideia de que você não está apenas pensando no seu próprio umbigo, algo que definitivamente não está na moda. Ao se envolver com interesses coletivos, você conseguirá maior espaço e colaboração das pessoas. Ou seja: além de fazer muito bem para a sua força criativa e para seu espírito empreendedor, pode fazer muito bem para a sustentabilidade da sua empresa.
 
 A melhor notícia é que não existe mobilização sem educação. A dinâmica dos movimentos demanda um processo de mudança cultural, afinal de contas, queremos mudar alguma que não está indo bem, certo? 
 
 Então associe a sua capacidade empreendedora com algo que realmente faça a diferença para as pessoas. Utilize seu negócio para viabilizar isso! APRENDIZADO 10
 As pessoas estão em busca de uma causa.
  41. 41. Escolha uma causa, apoie uma ideia, defenda algo em que você acredita. Comece dividindo isso com as pessoas mais próximas, depois com seus clientes e faça essas ideias transparecerem em todo o seu esforço de comunicação. 
 
 Isso não é um modismo, mas uma tendência que ganha cada vez mais mais evidência. Na Trespontos sempre que reforçamos o nosso envolvimento com uma causa, ganhamos muito mais espaço e melhor receptividade das comunidades. Os resultados acabam impactados com isso. Sempre defendemos a importância do conteúdo e da educação como agentes de transformação. Esta ideia foi representada pela hashtag #maisconteúdo menos #mimimi. Este conceito esteve presente em nossos slides, nos certificados e em todo o esforço de comunicação. Mas note: esta sempre foi uma preocupação legítima da Trespontos. 
 
 Recentemente iniciamos o compartilhamento da nossa expertise e da nossa tecnologia para que outros empreendedores também possam fazer aquilo que a gente vem fazendo nos últimos anos: aproximar pessoas e compartilhar conteúdos transformadores. Este é o motivo de estarmos conversando neste exato momento. E é por isso também que a nossa causa a partir de agora passa a ser representada por #eusouconteúdo.
 
 Se você deseja saber mais sobre projetos, empresas e sistemas ligados a causas, explore alguns exemplos na próxima página. Espero que isto te inspire de alguma maneira!
  42. 42. http://socialgoodbrasil.org.br Social Good Brasil http://www.impacthub.com.br Impact Hub https://catracalivre.com.br/brasil/ Catraca Livre http://www.purpose.com Aceleradora Purpose http://www.movimentobuenaonda.com.br Buena Onda http://artemisia.org.br/Default.aspx Artemisia 42
  43. 43. CAPÍTULO 1: Reflexões sobre modelos de negócio e gestão. 43
  44. 44. Esta é o momento em que você deve refletir sobre o modelo de negócios que pretende tocar, e também, qual é o papel que deseja desempenhar neste jogo. É nesta hora que as premissas definidas para o seu negócio começam a fazer sentido. 
 
 Existem várias formas para você criar e explorar um negócio de educação online. Vou comentar algumas delas, usando a experiência que acumulei nos últimos anos e também uma visão sobre iniciativas que tenho visto no mercado. A primeira decisão a tomar: qual papel você deseja desempenhar neste segmento? Você não precisa ser, necessariamente um produtor de conteúdo para tocar um negócio nesta área. Para organizar as coisas, proponho nos concentrarmos nos seguintes papéis: Empreendedor; Produtor de conteúdo; Especialista. Você pode ter a iniciativa de criar o canal, procurar profissionais que ofereçam conteúdo, esquematizar a produção e definir formas de rateio dos ganhos. A partir daí, você decide gerir os processos ou convidar um profissional para cuidar de atividades mais críticas.
 
 Neste cenário você é o Empreendedor do Canal e líder do negócio como um todo: em poucas palavras, você é o dono da bola, para o bem e para o mal. Você é, então, o maior responsável por fazer as coisas acontecerem. O NEGÓCIO: MODELOS POSSÍVEIS Defina um modelo mais adequado às suas expectativas.
  45. 45. Foi mais ou menos assim que iniciei a Trespontos. Apesar de ter formação e conteúdo suficientes para construir um curso, preferi montar uma rede de facilitadores, trazendo profissionais de fora do meu círculo de contatos. Criei uma nova rede.
 
 Naquele momento, ainda estava em busca de um modelo para o negócio. Não poderia me concentrar na produção de conteúdo e, ao mesmo tempo, lidar com as outras atividades inerentes ao negócio: da tecnologia às vendas, passando pela comunicação e suporte ao usuário.
 O recado aqui é claro: você pode iniciar este negócio usando sua capacidade empreendedora associada ao conteúdo de outros profissionais. Um colega de trabalho, um professor, um vizinho ou um contato profissional de qualquer parte do mundo. Não importa: identifique alguém para compartilhar conteúdos de qualidade e proponha um acordo.
 
 É possível encontrar essas pessoas em perfis de Slideshare, em sites, blogs e outros perfis de Redes Sociais, ou ele pode estar logo aí, ao seu lado, na sua academia, na sua faculdade ou em uma empresa que você admira.
 
 Uma outra forma de atuar neste mercado de Educação Online, é criando conteúdos: aqui seu papel é de Produtor de Conteúdo. 
 
 Com certeza você já domina alguma habilidade, já acumulou experiências, testou ferramentas, experimentou alguma técnica ou modelo de trabalho (em qualquer área) ou já estudou muito sobre um determinado assunto. Conteúdo à vista!
  46. 46. Você está pronto para compartilhar seus aprendizados com outras pessoas, mas não está interessado em administrar um negócio ou um canal de conteúdo.
 
 Para isso acontecer, é preciso investir em visibilidade. Elabore posts e os publique em um blog. Crie apresentações e distribua no Slideshare. Produza pequenos vídeos e compartilhe no youtube. Depois espalhe tudo isso pelos seus perfis no Facebook, Twitter, LinkedIn, Google+ ou qualquer outra rede relevante para o seu mercado (depois conversaremos sobre como explorar melhor as Mídias Sociais para turbinar o seu negócio).
 
 Se você não quiser criar um Canal, nem produzir conteúdos, ainda existem saídas para se envolver com este segmento. Você pode ser um Especialista: oferecendo seus serviços para gerir canais de terceiros, ou atuar com consultoria ou assessoria especializada em algum dos serviços associados ao segmento tais como Finanças, Mídias Sociais, SEO (Otimização para Mecanismos de Busca), Publicidade, Design, Relacionamento, Suporte ao Usuário e outros.
 
 Estes serviços especializados podem ser úteis para projetos mais robustos, com investimentos relevantes de mídia, grande número de clientes/usuários envolvidos, produção mais sistemática de conteúdo e, eventualmente, um time numeroso de profissionais conteudistas. Canais deste tipo certamente vão demandar uma organização de trabalho mais complexa e por isso, o empreendedor, ou seja, o dono do canal e fundador do negócio, pode não dominar todos os detalhes.
  47. 47. Há um mercado enorme a ser explorado, porque iniciativas de Educação Online, seja em nossa Rede ou no mercado como um todo, tendem a crescer exponencialmente nos próximos anos. Assim, sempre haverá espaço para que especialistas possam ajudar projetos de todos os portes a atingir um patamar mais elevado de resultados. 
 
 Este é um segmento, portanto, que você deve acompanhar de perto. Para criar suas oportunidades, monitore as iniciativas, converse com empreendedores e produtores de conteúdo, ofereça ajuda e até uma experimentação para mostrar o que você é capaz de gerar, em termos de resultados. Seu conhecimento e atitude empreendedora, seja como o dono da bola, como produtor de conteúdo ou como especialista em serviços, será muito útil e demandado por este mercado. Escolha seu papel, mas, sobretudo, não fique de fora. Vamos em frente?
 
 A segunda decisão: você pretende fazer tudo sozinho, ao estilo exército de um homem só, ou pretende contar com a colaboração de alguém? Isso faz toda a diferença, e mais uma vez, tem tudo a ver com as premissas estabelecidas anteriormente. 
 
 Se você pretende criar o conteúdo, administrar o canal, realizar a promoção dos cursos e cuidar do relacionamento com suas comunidades, entenda que estará criando um tipo de negócio bem pessoal. Como em todos os casos, há prós e contras.
  48. 48. O ponto positivo é que você terá domínio sobre absolutamente tudo: inclusive do tempo e energia que pretende desprender para cuidar do seu negócio. Claro que isto vai implicar diretamente na sua capacidade de produção e, por consequência, na sua receita potencial. Mas isso é relativo.
 
 Sozinho você consegue desenhar seus horários, adequar o volume de trabalho ao tamanho das suas expectativas de faturamento e programar seus esforços de vendas conforme seus interesses, sem depender de ninguém. É fazer no seu tempo, do seu jeito. 
 O lado ruim da história é que você acaba tendo uma capacidade de produção limitada, pode viver momentos de sobrecarga, não terá com quem discutir a validade das suas ideias no dia a dia e não terá alguém para “segurar as pontas" nos momentos difíceis. Pese tudo isso! 
 
 Se você não quer agir solitariamente, pode pensar em pelo menos duas possibilidades: encontrar um sócio para dividir as atividades e investimentos ou montar uma equipe para te apoiar nas tarefas que você não domina ou não gosta de executar. Seja como for, pese bem cada uma das possibilidades. 
 
 Existe literatura farta sobre o tema “sócio”, por isso não discorrerei sobre o assunto. Apenas quero destacar dois tipos de sócios que podem se encaixar neste negócio: sócios investidores (que entram apenas com capital e, eventualmente com suas redes de contato, orientações e mentoria) e sócios operacionais. Estes últimos entram também no dia a dia do negócio e possuem papéis operacionais, executivos a cumprir.
  49. 49. Se eu tivesse que dar um conselho (aqui vamos nós): não aposte em uma sociedade com alguém que entra apenas com trabalho, enquanto só você entra com dinheiro. Geralmente, é preciso ter algo em jogo quando se cria um empreendimento em conjunto. Um sócio que entra “apenas” com o trabalho pode cair fora a qualquer momento, levando consigo a única coisa que conseguiu empregar no negócio: o seu próprio trabalho. É algo muito intangível e difícil de mensurar. Coisas não mensuráveis podem ser uma bomba relógio no futuro de uma sociedade. 
 
 Dicas: encontre sócios que complementem suas habilidades e procure partilhas equilibradas. Sociedades com um grande número de cotas para um sócio, em detrimento de outros, criam uma situação de hierarquia danosa ao ambiente de decisões. Se quiser contar com um ou mais sócios, cuide para que todos os envolvidos tenham voz, poder de decisão e, claro, habilidades complementares relevantes e reconhecidas o suficiente para que as suas opiniões sejam respeitadas. 
 Mas ter sócios não está nos seus planos e você não tem inclinação para agir sozinho, só resta uma saída: contratar colaboradores. E é aí que as coisas apertam, ou como dizem: é aí que a porca torce o rabo. 
 
 Na minha opinião, contratar pessoas é uma das atividades mais críticas, complexas e desafiadoras para quem empreende. Por isso, não vou enrolar. Direto ao ponto: se puder, jamais, JAMAIS, voltarei a assinar uma carteira de trabalho em minha vida.
  50. 50. Primeiro, não acredito na relação de trabalho criada com base na CLT. Depois, porque não conheço nenhum empregado plenamente realizado em seu trabalho, em qualquer segmento, depois de um certo tempo de vínculo empregatício. Pode até haver, mas as pessoas sempre querem e, geralmente, merecem mais. Por mais que reconheçam a mágica de estarem empregados e ganharem um salário no final do mês, sempre existe um porém. Falta reconhecimento, autonomia, estímulo, ambiente de trabalho, o salário não compensa, há pouca perspectiva de crescimento ou, no fundo, o empregado quer mesmo é tocar um negócio próprio. O fato é que as relações de trabalho parecem viver um impasse. Nem os empregadores estão felizes, nem os empregados estão satisfeitos. Há burocracia, muito custo, riscos e pouca recompensa para ambos os lados. Em algum momento, principalmente nas horas mais difíceis, o seu funcionário não estará lá, quando você mais precisar. Porque o seu negócio não é o negócio dele. É assim que as coisas são por todos os lados. Exceções, se existem, confirmarão a regra. 
 
 Aí você deve estar se perguntando: "tá bom, esperto, então qual é a solução?”. Não tenho uma fórmula: mas sinto que precisamos construir um modelo em que empreendedores empreguem apenas empreendedores. Eu, você, cada um de nós responderíamos pelo nosso próprio negócio. O sucesso do seu negócio, dependeria do sucesso do meu. Então, em lugar de contratar um designer e pagar um salário ao final do mês, procure algum designer que esteja empreendendo e faça um negócio com ele.
  51. 51. Em lugar de contratar um profissional de Mídias Sociais, assinar a carteira e gastar horas do seu mês administrando isso, contrate um empreendedor da área. O mesmo poderia acontecer com seus programadores, produtores audiovisuais, professores, gestores, contadores. Vale até mesmo para quem zela pela limpeza do seu escritório. Minha visão de mundo ideal: empreendedores contratam seus pares, que por sua vez contrataram outros empreendedores para desenvolverem suas atividades prioritárias de modo profissional, especializado e consistente. Não é fácil, mas é um caminho que precisa ser construído pouco a pouco. Pense nisso!
 
 ***
 
 Agora, pensando na sua modelagem comercial, temos pela frente algumas alternativas consolidadas relativas a como ofertar o seu conteúdo aos consumidores. Aqui vem a terceira decisão: cursos avulsos ou canal pleno? 
 Você pode gerenciar um canal de cursos avulsos, como uma espécie de marketplace (como se convencionou chamar). Neste tipo de canal é possível vender um número maior de cursos, em muitos casos, de diferentes autores. É como funciona o canal principal da Trespontos. Trabalhamos os cursos e repassamos comissões para os autores, conforme as vendas acontecem. É uma boa opção para diversificar um pouco mais o público, porque você pode ter maior diversidade de temas.
  52. 52. No entanto, tome cuidado para não criar opções demais, para públicos demais, e acabar complicando sua gestão. Comece com poucos cursos e vá ampliando o leque, gradativamente. Outro modelo possível é trabalhar um canal pleno, com um curso apenas, dividido em módulos. Neste tipo de modelo, o usuário comprará uma inscrição que dá direito ao curso completo, ou seja, a todos os módulos (você define a validade do acesso). Este é o caso do Lab Social Media, curso de longa duração, com inúmeros módulos inclusos. O usuário paga a inscrição uma só vez para poder fazer o curso todo. 
 
 Em termos de modelos de cobrança você decidirá basicamente entre pagamento único ou assinatura. Na primeira opção, você espera que o usuário pague uma vez, use o conteúdo por um tempo e parta para outro produto. Na segunda opção, o usuário será cobrado de modo recorrente, como uma taxa mensal. 
 
 ***
 
 Até aqui, você refletiu sobre alguns pontos importantes: qual papel desempenhar; como quer seguir (só ou acompanhado) e que modelagem comercial adotar (cursos avulsos, canais plenos x pagamento único ou assinatura. Todas as outras decisões relativas ao modelo dizem respeito a volume. 
 
 Trata-se de definir se deseja um negócio que caiba em suas mãos, ou pensa em criar condições para que o empreendimento ganhe escala. Em qualquer cenário, é importante definir até onde você pretende chegar. Isto porque, como dizem no mercado, crescer dói. Se você não estiver preparado, pode ser pior do que isso. Crescer pode aniquilar o negócio, ou acabar com você.
  53. 53. Na prática, isto significa tomar decisões como: volume de canais que deseja empreender; quantidade de cursos e temas que deseja trabalhar; tamanho do time de facilitadores que deseja liderar. Ou seja: volume, quantidade, tamanho.
 Tenho uma dica: comece sempre do menor para o maior. Escolha um tema, segmente, trabalhe um nicho e, se for o caso, amplie seu raio de ação aos poucos. A não ser que você já tenha pleno domínio do seu mercado, das tecnologias, meios de produção e práticas a serem empregadas para trazer resultados consistentes, comece pequeno!
 
 Depois você pode decidir administrar mais canais, mais cursos e iniciativas. E mais: quando estiver à vontade neste negócio, poderá ter modelos diferentes em andamento ao mesmo tempo.
 
 Exemplo: você pode ter um canal com um curso de longa duração e gerir outro, com cursos de curta duração, simultaneamente. Em um deles você conta com a ajuda de sócios. Em outro, toca tudo absolutamente sozinho! 
 
 Em um deles, você conta com o apoio de uma empresa (que financia a iniciativa, por exemplo). Em outros você pode contar com um coletivo de apoiadores, envolvidos na produção de conteúdo e administração do canal.
 
 Enfim: existem diversas maneiras para você atuar neste segmento. Com mais ou menos dedicação, energia e capital, tudo é possível. Só, acompanhado de uma equipe ou por meio de um coletivo, apenas encontre seu modelo!
  54. 54. CAPÍTULO 2: Com quem você pensa que está falando? 55
  55. 55. Direto ao ponto: se você não souber exatamente com quem está falando, seu produto vai naufragar. Se você ficar correndo de um lado a outro, procurando atender às expectativas de um grupo indefinido, suas chances de sucesso diminuirão fatalmente. Então, comece definindo quem é a pessoa por trás da tela, por trás do tão esperado click. É para ele (ou ela) que você está criando conteúdo. Como vive, o que o motiva, o que o deixa frustrado, quais são seus valores, medos, dores e sonhos. Este exercício te ajudará não só a construir seu produto, como também será fundamental para seus esforços de comunicação e para a rotina de relacionamento. Você precisa saber com quem está falando! A técnica é bastante simples: crie um personagem e elabore uma história capaz de transmitir o maior número de referências sobre aquele indivíduo. Não se limite a variáveis socioeconômicas e demográficas tais como idade, sexo, renda ou ocupação. Estes dados são muito importantes, claro, mas pouco revelam sobre a personalidade e o estilo de vida deste indivíduo. O que queremos saber não está nos relatórios do IBGE e as estatísticas dificilmente darão conta. Dê à sua persona um nome, uma história e uma rotina. Como é um dia comum na vida desta pessoa? HÁ GENTE POR TRÁS DA TELA.
 Dê vida a quem você deseja transformar.
  56. 56. Estas definições vão te ajudar a desenhar desde elementos mais estruturais do produto, como carga horária, linguagem e profundidade do conteúdo, até questões específicas como os exemplos a serem fornecidos ao longo do curso. Elaborar sua persona com consistência, como mencionado, te ajudará também na segmentação de público em plataformas como o Facebook Ads, LinkedIn Ads ou Google AdWords. Um ponto que merece destaque e é sempre alvo de alguma polêmica. Eu recomendo que você crie um persona e dê a vida (do seu negócio) por ele. Mas isso não significa que você não tenha públicos incidentais, ou seja, secundários. Pense neles também, mas não desvie seu olhar demais. Eles podem te ajudar a reforçar o caixa, mas não devem influenciar na definição do seu negócio. Ou você ficará perdido como cego em tiroteio. Existe muitas referências sobre assunto na WEB, mas cuidado com as armadilhas. Há visões simplistas, incompletas ou pouco práticas. Definir de modo incorreto a sua persona pode ser extremamente danoso e até fatal para o negócio. Por isso, antes mesmo de começar a desenhar o conteúdo, reserve um tempo para entender quem é o seu público e qual dos seus problemas você pretende resolver. 
 Encontrei uma referência incrível no Blog do Hotmart que de fato tornou tudo muito fácil. Isto, claro, não esgota o assunto, mas te dará uma visão super prática sobre o tema. Não vou reinventar a roda. Você encontrará um canvas ao final do capítulo para usar como referência e elaborar a sua persona tão logo termine esta etapa da leitura.
  57. 57. Para ilustrar, veja o exemplo de uma das definições de persona que criamos para o Trespontos LABs, a partir do mesmo modelo. É possível que esta definição sofra mudanças com o tempo, em virtude de aprendizados, constatações ou pela própria dinâmica do negócio. Quer saber para quem pensamos prioritariamente o LABs? 
 
 Pensamos o LABs para o Diego, que é um jovem de 35 anos, graduado em administração, atualmente cursando uma pós em Marketing Digital. Ele é solteiro, mas vive um relacionamento sério há alguns anos. Já começa a considerar a possibilidade de ter uma família, mas sabe que ainda tem muita coisa para viver antes de assumir este compromisso. O que o Diego gostaria mesmo é de ter a chance de conhecer vários países, aprender novas línguas e continuar investindo na sua carreira até conquistar sua liberdade financeira. Mas não está fácil. O Diego, que é muito inquieto, já começa a perder a paciência com a sua rotina no escritório. O salário não é tão ruim, mas não sobra muito para que ele realize seu sonho de viajar pelo mundo. O pior é que o Diego entrou em um ciclo vicioso. Dedica muita energia ao trabalho, mal consegue dar conta da pós, não encontra tempo para fazer atividades físicas e não consegue dar atenção à namorada e à família. 
 
 Nosso personagem costuma jantar em seus restaurantes favoritos nos finais de semana e de vez em quando vai ao cinema, mas gostaria de ter mais tempo para tomar um chopp com os amigos, ir ao teatro, visitar uma exposição ou simplesmente ler um livro. Mas ele já se sente cansado. Precisa de energia para construir algo que seja seu. Que lhe dê liberdade.
  58. 58. O Diego já percebeu que o caminho é empreender, mas ele não quer construir um negócio que aprisione. Principalmente porque o mais importante de tudo é viajar. Explorar o mundo! Ele não quer trocar seu tempo por dinheiro, porque seu tempo é algo muito precioso e, claro, um bem limitado. Ele também não está disposto a arriscar as suas economias em algo muito complexo e demorado. Ele quer praticidade. 
 
 E por fim, o Diego quer construir algo que faça a diferença para as pessoas. Talvez ele nem tenha noção disso, mas ele quer estar envolvido com uma causa. Não é apenas uma questão de grana. É uma questão de relevância. De fazer algo que deixe a sua marca pessoal neste mundo.
 
 É por tudo isso que o Diego precisa de uma solução como a nossa. Ele descobriu que tem algo a ensinar. Sua experiência de trabalho nos últimos anos, suas leituras, sua visão de mundo, o conhecimento adquirido na pós e amadurecido no cafezinho com os colegas. Tudo isso importa!
 
 O Diego tem conteúdo. Ele é o conteúdo. E vai encontrar na Educação Online, todas as possibilidades que busca. Ele está disposto a mergulhar nisso e já começa a preparar as malas…
 
 ***
 
 Note: este é um modelo, digamos, literário, para a definição da nossa persona. Mas todos os elementos do canvas estão presentes, com mais ou menos importância. Perceba que existe uma certa carga de dramaticidade, que ajuda a humanizar a figura que estamos construindo.
  59. 59. Um outro detalhe: nem tudo vai se encaixar perfeitamente com você, que está lendo este eBook agora mesmo. Mas isso não importa tanto. Primeiro porque, se você está aqui, é provável que se identifique com um ou mais traços da personalidade do nosso herói imaginário. E, por outro lado, como já tinha comentado antes, você pode ser parte de uma variação dessas personas. Ou seja: talvez você faça parte de um público, secundário, mas nem de longe irrelevante. 
 
 Ah! Sentiu falta da foto? Não precisa: este poderia ser eu mesmo.
  60. 60. ELABORE A SUA PERSONA
  61. 61. CAPÍTULO 3: Reflexões sobre formatos. 62
  62. 62. Quando se fala de cursos, eventos e conteúdos online em geral, estamos falando de uma verdadeira infinidade de formatos possíveis. Uma gama tão vasta de possibilidades para responder a toda sorte de objetivos, limitações técnicas e de orçamento, para quem produz e para quem consome, que seria praticamente impossível enumerar e classificar tudo. Nos concentraremos em cursos online com vídeo e voz, baseados em telepresença e com interação humana. Não abordarei conteúdos animados ou baseados exclusivamente em material escrito, como apostilas, ebooks ou email, embora, estas modalidades também sejam possibilidades disponíveis. Definir o formato do produto que você pretende oferecer é um dos fatores determinantes para estruturar o modelo de negócios, desenhar sua precificação e organizar questões relativas a produção. Para ser bem claro: praticamente todo o seu negócio online vai ser influenciado pelo formato do produto que você pretende oferecer aos consumidores. Inclusive, definições sobre serviços integrados e até mesmo a plataforma que você utilizará como base para o negócio dependem disso.
 
 Você pretende entregar eventos ao vivo, conteúdos on demand (gravados) ou as duas modalidades? São cursos de longa duração ou conteúdos pontuais? Terá o caráter de palestra, seminário ou uma abordagem mais prática, como um workshop? REFLEXÕES SOBRE FORMATOS Possibilidades para todos os gostos.
  63. 63. Essas e outras perguntas devem ser respondidas para que você saiba exatamente o que vai oferecer ao mercado e possa se preparar para fazer o melhor com isso. Lembre-se que a nossa meta é oferecer algo incrível e transformador, mesmo que no início, você ainda tenha certa insegurança e patine um pouco para encontrar o melhor modelo.
 
 Modalidade: para realizar transmissões ao vivo, você precisa utilizar algum serviço disponível como o Google Hangouts (On Air), Ustream, Livestream ou a brasileira Eventials. Há opções para todos os preços, com diferentes funcionalidades e níveis de complexidade. Vale a pena estudar cada um deles até achar o que melhor se encaixa nas suas necessidades. 
 Na Trespontos usamos o Livestream por anos, até migramos para o Ustream, que nos parece a solução mais completa. Contudo, aos poucos, diminuímos o volume do LIVE até extinguirmos esta modalidade por completo. Apesar disso, a nossa plataforma está preparada para integrar praticamente qualquer serviço que te permita gerar um embed code (código para incorporar) e colar em seu canal. Realizar um evento ao vivo é uma ótima maneira de ampliar sua base, gerar experimentação ou simplesmente dinamizar o seu conteúdo, dando a ele um aspecto mais vivo. É ótimo também para construir mais credibilidade para sua marca, pois mostra ao consumidor potencial que existe gente por trás do seu negócio. Mas, por que deixamos de realizar eventos ao vivo?
  64. 64. Transmissões ao vivo conferem uma dose extra de risco e improviso ao seu negócio. Como é ao vivo, você sabe, tudo pode acontecer. 
 Já tivemos situações em quem um temporal derrubou a energia de todo o bairro onde se localizava o nosso estúdio, no meio de uma transmissão. Não tínhamos conexão sequer para explicar aos nossos usuários o que estava ocorrendo. Havia centenas de pessoas online. Nós estávamos literalmente debaixo d’agua!
 
 Aprendizado: o que não funcionar ao vivo, está perdido. Se o seu professor faltar, chegar atrasado, ou simplesmente não estiver muito inspirado, já era. Não tem edição. É vida real! Ao realizar um evento ao vivo na internet, você está trazendo para a Rede a efemeridade e instantaneidade típicas do chamado mundo real. Se esta for a sua intenção, vá em frente. Mas prepara o coração.
 
 Para fazer uma transmissão com qualidade razoável, você precisa de uma conexão robusta e estável. Na Trespontos, costumávamos transmitir conteúdo em HD, mas para isso contávamos com uma conexão do tipo fibra, de altíssima velocidade. No entanto, você sabe: contar com serviços de internet no Brasil ainda é uma aventura. Por tudo isso, minha dica é: use eventos ao vivo como ações pontuais, para fins promocionais e até gratuitos. Mas não faça disso o seu produto principal. Se quiser, convide um grupo seleto de pessoas para te acompanhar online na gravação do conteúdo que você comercializará no canal e use as ferramentas que eu indiquei como suporte. ETAPA
  65. 65. Uma outra definição importante é o tipo do produto que você deseja trabalhar: há espaço para cursos avulsos, palestras (chamados de webinários/ webinars) ou até congressos. Neste caso, as variáveis a serem definidas são: profundidade e a amplitude do seu conteúdo. Se for uma abordagem mais ampla (mais generalista) e menos aprofundada, você poderá trabalhar com o conceito de palestra. Se for um conteúdo mais específico e com um aprofundamento, você pode caracterizar como curso, desde que tenham objetivos claros para isso. Geralmente as palestras são mais leves, descritivas e voltadas para geração de insights. São normalmente mais acessíveis, porque aprofundam pouco o conhecimento apresentado. Se você tem um conjunto de palestras, envolvendo diferentes profissionais e temas complementares, produzidas em torno de um assunto central, você pode dizer que tem um congresso em mãos. Simplificando para o que interessa para a gente, no momento, um congresso se constrói por meio de uma série de palestras. Há um impacto na gestão das interações proporcionadas pelo tipo de conteúdo que você estiver trabalhando. Cursos demandam interações mais complexas, porque suscitam dúvidas e explicações detalhadas. Enquanto, palestras, mais leves, suscitam comentários mais despretensiosos. Embora em maior número, normalmente, são comentários que exigem menos crítica e possuem caráter mais opinativo. Ou seja: definir o tipo de conteúdo, ajuda a alinhar as expectativas do seu público e a dimensionar o seu trabalho na gestão das interações geradas pelo consumo do seu produto.
  66. 66. Cursos demandam atenção e envolvimento maior por parte do usuário. Se tiverem um caráter mais prático, ganham ares de oficina ou workshop. Geralmente cursos mais práticos culminam com a criação de algum produto final, como uma avaliação escrita, projeto experimental ou atividade prática. Dificilmente se consegue extrair este tipo de resultado de uma palestra. 
 
 Por fim, uma última decisão que tem a ver com tempo: você quer que as pessoas aproveitem o conteúdo por mais tempo ou o conteúdo será eventual? Por exemplo: você vai trabalhar um conteúdo disponível por um curto espaço de tempo, algo mais duradouro (um mês) ou um ano? Isto tem a ver com o modelo de negócio que você começou a definir no capítulo anterior e nas premissas, do início do livro. Se você está pensando em algo mais eventual, estabeleça prazos de validade mais curtos para seus produtos. Eles terão um caráter mais efêmero. Isto pode ser indicado para conteúdos que exigem atualização constante. Se for algo mais perene, você pode considerar prazos mais elásticos - Então, seus conteúdos perdem o caráter de evento. Ganham mais tempo para consumo, reflexão. Entenda que esta é uma decisão sobre o tipo de produto que deseja trabalhar e não apenas sobre o conteúdo. Explico: você quer algo mais vivo, com mais entra e sai de gente, e uma energia concentrada em um curto espaço de tempo (divulgação, vendas, suporte, relacionamento, gestão de comentários e novas vendas) ou quer que este esforço de vender e gerir seja diluído em um período mais longo?
  67. 67. Esta decisão também influencia no preço do produto. Em geral, cursos de menor duração custam menos. Enquanto programas de maior duração permitem cobrar um valor mais alto pela inscrição/ assinatura. Claro que isso não é o único elemento que pesará na definição de preços. Com programas mais baratos você pode ganhar no volume e na freqüência de compra, enquanto os mais caros, em geral, são comprados menos frequentemente, em menor volume e com maior esforço de venda. Você precisa fazer as contas! 
 *** Acredito que essas considerações já te ajudem a tomar algumas decisões acerca do seu produto. Mas tudo isso vai ficar muito mais claro na prática, quando começarmos a construir o seu negócio e o seu canal, a partir dos próximos capítulos. Vamos avançar?
  68. 68. Cursos Avulsos/ Trespontos Brasil
 
 Canal Pleno de Longa Duração/ Lab Social Media
 Canal Pleno de Curta Duração/ Rotina Prática VISITE NOSSOS CANAIS E VEJA
 COMO CONFIGURAMOS NOSSOS PRODUTOS:
  69. 69. CAPÍTULO 4: Dicas para criar conteúdos que inspiram. 71
  70. 70. Um dos maiores desafios do seu negócio é entregar conteúdos inspiradores e fazer com que eles sejam úteis e relevantes para o seu usuário. A regra mais importante deste negócio é a seguinte: se o conhecimento gerado não trouxer alguma transformação para o usuário, de qualquer natureza ou volume, seu produto não tem razão de existir (para ele!). Se o conteúdo produzido não alterar em algum aspecto a visão do usuário sobre o tema trabalhado ou não propuser algo que modifique as suas práticas, você estará criando uma experiência frustrante. Isto porque, simplesmente, não existe educação sem transformação. 
 
 É importante destacar que o conhecimento é uma experiência subjetiva. Cada usuário possui sua bagagem de expectativas, um repertório prévio sobre o assunto, um nível de entendimento daquele tema e até mesmo uma capacidade cognitiva própria. Por isso, entender as motivações deste usuário é indispensável para que você consiga criar algo que faça sentido para ele. Este é o único caminho para que seu negócio de Educação Online seja relevante.
 
 Com os aprendizados dos capítulos anteriores, você já sabe: o primeiro passo para a criação de um conteúdo relevante não está ligado ao conteúdo em si, mas ao seu entendimento sobre quem espera se transformar com ele. CRIE CONTEÚDOS INSPIRADORES
 E transforme a vida das pessoas.
  71. 71. À frente da Trespontos, liderei a produção de centenas de horas de conteúdos para oficinas presenciais, palestras, cursos online e treinamentos in Company.
 Começamos o nosso trabalho em pleno boom de eventos que aconteceu no Brasil por volta de 2010. Surgia um evento voltado para Digital em cada esquina! Mas havia também um incômodo geral. Uma impressão que se confirmava a cada evento: só se via mais do mesmo por todos os lados.
 As pessoas pareciam frustradas e o mercado demorou um tempo para perceber isso. Mais cedo ou mais tarde, o próprio usuário faria muito bem este trabalho de curadoria. Eu entendi rapidamente o problema: os conteudistas estavam se concentrando excessivamente no o que e no porquê e pouco ou quase nada em abordar o como. Para usar o exemplo do mercado que nós mais exploramos, o que ocorria é que muitos se dedicavam a descrever o ambiente das Redes Sociais e o impacto deste fenômeno nas relações de consumo. Também se falava da importância de estar presente nas Mídias Sociais e do motivo pelo qual as empresas não poderiam ignorar este fato. Uma grande interrogação ecoava pelos auditórios da vida: e daí? como eu devo agir em função de tudo isso? Era o como ecoando como um mantra.
 
 A não ser que você esteja trabalhando um tema muito inusitado e muito específico, em que o fenômeno seja mais interessante do que a prática, nunca esqueça: em geral, as pessoas estão muito mais interessadas em como fazer coisas diante de um fenômeno e não no fenômeno em si.
  72. 72. Veja: há espaço para tudo em uma boa aula. Há o contexto, há o momento de ilustrar, há o momento de descrever, mas a hora do show é aquela em que você ensina o usuário a sair de um ponto X e chegar a um ponto Y. Lembra do que falei a respeito de transformação? Este é o auge da transformação.
 
 Independente da área em que você esteja atuando, seja na culinária, tecnologia, negócios ou saúde e bem estar, esta lógica vai se manter a mesma. Converse com clientes potenciais, reflita sobre as expectativas da sua persona. Claro, a depender do tema, dos seus objetivos e do domínio que seu público tiver sobre o assunto, você pode dar mais carga a um aspecto em detrimento de outro, mas uma boa aula deve conter pelo menos os elementos a seguir: contexto, fenômeno, justificativa, modo, prática, exemplos. Vou abordar cada um deles: 
 O CONTEXTO
 
 Neste ponto você deve introduzir o assunto, apontando dados, cenários, conceitos indispensáveis para que o usuário possa se contextualizar e se sinta à vontade para o que está por vir. A parte introdutória serve para que o usuário vá entrando no ritmo da aula. Serve como uma ignição. Comece com algo que o usuário tenha mais facilidade para dominar porque ele logo perceberá que é capaz de ir além. Por exemplo: se você está falando sobre Como Adotar Práticas Sustentáveis na Organização, vale muito a pena fornecer dados, conceitos e tendências para que ele já possa ir aprendendo algo na partida. Dê essa bagagem para que usuário tenha uma recompensa tangível logo de cara.
  73. 73. O FENÔMENO 
 O fenômeno, fato, constatação. É a hora de destrinchar o tema da sua aula, com uma abordagem mais descritiva. Pode ser um momento mais longo do que a introdução, porque funciona como o desenvolvimento da sua ideia em um texto dissertativo (lembra do modelo clássico: introdução, desenvolvimento e conclusão? Ok. Concentre-se na etapa desenvolvimento. Em nosso exemplo sobre sustentabilidade este é o momento em que você começa a abordar detalhadamente o tema, sobre tipos de práticas, os desafios de cada uma delas, os resultados que podem ser alcançados com essas práticas e por aí vai. 
 
 O PORQUÊ/ JUSTIFICATIVA 
 Já vimos contexto e fenômeno. Vamos ao motivo. Esta etapa da aula pode vir antes ou depois do desenvolvimento do tema. Avalie: se puser antes do detalhamento do tema, pode parecer mera propaganda. Se colocar após o desenvolvimento do tema, encontrará um usuário já iniciado à lógica do tema. 
 O importante é usar o espaço para mostrar a relevância do tema. Se possível, faça uma projeção do que está por vir de modo a reforçar o interesse do seu usuário pelo assunto. A pergunta chave aqui: por que o seu usuário gastaria tempo para absorver este assunto? Em nosso exemplo: por que ele deve aprender a implementar práticas sustentáveis? Como se beneficiará com isso? Como ele pode se prejudicar (ou prejudicar sua empresa) ao ignorar este cenário?
  74. 74. MODO/ O COMO 
 Esta é a hora do show. Você já deu o cenário, já desenvolveu o tema, já mostrou a importância de se engajar no assunto. Agora é a hora de oferecer caminhos. É aqui que a porca torce o rabinho: muita gente não quer assumir a responsabilidade de dizer: faça assim, faça assado. Por medo? Também. Ouvi dezenas profissionais dizerem não querer transformar suas experiências em receita de bolo. Mas, wait a minute! Não se trata disso. Você não tem que assumir que a sua verdade é absoluta e infalível, mas é indispensável que você se arrisque e proponha alternativas. 
 
 Espera-se que você diga: eu faço assim, faço assado. Encontrei tais resultados. Falhei aqui, acertei aqui. Comece por aqui, evite tais e tais armadilhas. O mercado faz assim, tal autor propõe algo diferente, e por aí vai. Claro. Compartilhe esta responsabilidade com seu usuário. Afinal de contas você deu caminhos e propôs alternativas. Este é o mínimo que alguém pode esperar de um curso. Que caminhos sejam mostrados. Se vai dar certo ou não, vai da experiência de cada um, com a bagagem, energia e o contexto de cada um. Concorda? Estamos falando de aprendizados. O que deu certo para mim funcionou de um jeito, com você vai ser de outro e com o seu cliente será um terceiro cenário. Ou seja: é a experiência de cada um que faz com que esse caminho não seja uma mera fórmula (como uma receita de bolo), mas uma estrada repleta de possibilidades. 
 
 Seu cliente terá a chance de conhecer sua visão e poderá recriar estas peças para montar um quebra-cabeças totalmente novo.
  75. 75. É exatamente isso que estou fazendo aqui por você, que me acompanha a cada linha. Estou compartilhando o meu modo de fazer. Cabe a você explorar isso da melhor forma, acrescentando a sua vivência. Ou, seria apenas conversa fiada. 
 
 Nosso exemplo: é hora de dizer ao seu cliente como fazer aquilo que você disse que era importante fazer. Dê a ele um passo a passo. Compartilhe seus checklists, instrumentos de controle, relatórios, templates, roteiros ou seja lá o que for. Mas dê um caminho para a pessoa seguir, ou ele vai se perder. E como já havia dito antes: se seu consumidor se perder, talvez não volte mais. PRÁTICA
 Até aqui, já vimos contexto, fenômeno, justificativa e modo. É a hora da prática. A prática é o momento em que as coisas começam realmente a fazer mais sentido para os usuários. Antes disso, tudo não passava de ideias. 
 
 Criar exercícios, roteiros, briefs ou questionários que levem os usuários à aplicação prática dos conceitos discutidos no plano das ideias não só é recomendável, como obrigatório. Até para ajudá-los a atribuir sentido e utilidade ao que se discute. 
 
 A prática deve ser vista, também, como uma oportunidade de provocarmos a aproximação entre participantes. Exercícios são uma ótima desculpa para gerarmos interações na comunidade. É o momento em que os membros do seu grupo começam a se expor e uma nova camada começa a surgir: as pessoas passam a se conhecer melhor (a si e aos demais) e vínculos se criam.
  76. 76. Em nosso exemplo (práticas sustentáveis nas organizações) esta é a hora de criar um experimento, um projeto ou um protótipo que materialize o modo de fazer. Um piloto, por exemplo, cairia bem. Estabeleça metas e exercícios para cada bloco de conteúdo. Hospede no canal, disponibilize no grupo. Trabalhe para que as atividades sejam parte da rotina. A comunidade só tem a ganhar! EXEMPLOS
 
 Bom. Esta parte é fácil. Mas mesmo assim, vou deixar algumas dicas sobre como ilustrar a sua aula. Primeiro o óbvio. Exemplos são fundamentais. Mas cuidado: não podem ser apresentados de modo aleatório. Os famosos cases precisam ter uma razão de ser. E se estiverem presentes em sua aula, trate-os bem.
 
 A melhor forma de explorar este tipo de recurso é oferecendo, através dele, uma visão das engrenagens, do funcionamento do que está sendo apresentado. Como uma espécie de engenharia reversa das coisas. Estabeleça sempre uma relação de causa e consequência sobre o que foi feito e a influência daquele ponto no resultado final da ação ou projeto. Destaque os pontos de maior importância e onde estão os aprendizados. O que é óbvio para você, pode não ser óbvio para o seu usuário (em geral não é!). No exemplo sobre Sustentabilidade, isso poderia se materializar como uma análise minuciosa sobre um projeto que deu certo ou que deu errado. Quais práticas levaram ao sucesso, em que circunstâncias? Quais eram os objetivos e metas naquela ocasião? O que poderia ser melhor no processo como um todo?
  77. 77. Falhas são um modo incrível para gerar aprendizados, portanto, não se limite a cases de sucesso. Abuse dos cases de fracasso. Na maioria das vezes eles são muito mais ricos. Ou pelo menos são mais divertidos. ***
 
 Pois bem! Chegamos ao fim do capítulo. E nesta despedida me ocorreu a necessidade de destacar que, em geral, estes elementos fundamentais de uma boa aula não precisam ser, necessariamente, arquitetados linearmente. Pense nestes passos como um ciclo. 
 
 Introduza um assunto, desenvolva a ideia, justifique, mostre como por em prática e ofereça exemplos. Comece novamente e repita tudo mais uma vez. Há temas que precisam ser quebrados em partes. Esta sequência pode funcionar para um curso inteiro ou para um módulo. Ou seja; serve para o todo ou para as partes. 
 
 Você precisa testar muitas vezes e monitorar a resposta do seu usuário ao conteúdo. Não fique às cegas. Converse com os seus clientes, faça pesquisas simples, enquetes. Acompanhe tudo de perto. Você não pode se comportar como um varejista desatento, despachando produtos por cima de prateleiras. Estamos lidando com comunidades… 
 Assunto que discutiremos mais para a frente!
  78. 78. Use este esquema para criar o esqueleto de um curso ou módulo. Qual é o tema? Dentro do tema, qual fenômeno será abordado? Por que é importante para seu público? Como fazer coisas relacionadas ao fenômeno? Como aplicar este conhecimento? Que exemplos podem ilustrar práticas e aprendizados relacionados ao fenômeno? Recapitule tudo! 80 MONTE O ESQUEMA DE AULA
  79. 79. O que precisa ser feito? O que é a atividade? Com que objetivo? Com quais recursos e fontes de pesquisa? Como deve ser o produto final (um roteiro, uma apresentação, um relatório ou post?). Detalhe a atividade ao máximo (como funciona, cronograma, etapas, obrigatoriedades). Exemplo de um roteiro básico para elaboração de atividades práticas. 81 CRIE ATIVIDADES PRÁTICAS
  80. 80. Por que você não CLICA AQUI 
 e cria o seu canal agora mesmo? 82
  81. 81. CAPÍTULO 5: Sorria! Dicas rápidas para facilitar a sua vida e organizar sua produção. 83 Juan David Ferrando/shutterstock.com
  82. 82. Agora você já tem o seu negócio bem desenhado e já sabe como elaborar um conteúdo transformador. O que está esperando para por a mão na massa e produzir seus cursos? Provavelmente você já tem tudo o que precisa para começar a produzir agora. 
 
 Se você já tem experiência na produção de vídeos para web, passe apressadamente por este capítulo, porque trataremos de soluções bem básicas, elementares, sobre produção. Se você ainda não é um produtor experimentado, sugiro dedicar alguns minutos porque temos aprendizados para compartilhar. 
 
 A primeira noticia é: hoje em dia é bem fácil produzir e finalizar vídeos para web, com uma qualidade razoável. E também é relativamente barato fazer isso. Claro que a complexidade e o custo do projeto vai depender da adequação do seu produto às expectativas da sua persona. 
 
 É bom também resgatar as premissas do seu negócio, o modelo que você definiu para seu empreendimento e formato do produto que planeja entregar. E isso também tem tudo a ver com o seu papel neste negócio, certo?
 Entendido isso, você já pode começar a pensar em algumas questões práticas e de linguagem. Basicamente todas elas dependentes de uma definição qualitativa sobre qual aspecto você espera alcançar, que impressão você deseja passar e que nível de qualidade subjetiva você quer provocar junto ao público. TOME NOTA: DICAS RÁPIDAS
 Equipamentos, recursos e práticas que facilitam a vida.
  83. 83. Você deve ter notado que este eBook foi pensado para te ajudar a tomar decisões. A partir dessas decisões, você conseguirá construir o seu Negócio de Educação Online. Pois bem. Agora, temos mais algumas escolhas pela frente.
 
 Você deverá tomar decisões relativas a elementos presentes no video, a complexidade e nível de acabamento da edição; formas de captação do vídeo e questões relativas a iluminação. 
 Não pretendo dedicar tempo a equipamentos e programas, nem muita energia esquadrinhando todas as inúmeras alternativas para todos os bolsos e interesses. Primeiro porque são muitas opções. Depois, porque, também sobre isso, há muita literatura especializada disponível, tutoriais gratuitos, inclusive dos próprios fornecedores. 
 A minha intenção é apresentar alternativas para facilitar a sua vida. Você pode montar sua estrutura com uma delas ou mesclar uma coisa com outra, conforme seus interesses. Vamos lá? 
 Solução de baixo custo: use o que tem à mão. 
 
 Você pode usar seu próprio notebook, desde que o equipamento tenha uma câmera integrada capaz de gravar em HD. Caso contrário, será necessário investir em uma WebCam. Indico as câmeras Logitech (imbatível!) e da Microsoft. Você as encontra em qualquer loja de equipamentos de informática. 
 
 Não abra mão de um microfone externo. A captação de áudio da maioria dos computadores é muito ruim e você vai prejudicar muito a qualidade do seu produto.
  84. 84. Agora, sem meias palavras: se você possui um MacBook (da Apple) você tem tudo o que precisa para produzir e editar seus cursos com extrema qualidade. Basta plugar o seu fone (que já vem com microfone integrado) e começar a capturar tela usando o Quicktime Player. É o que fazemos aqui na Trespontos para capturar os slides das apresentações. O resultado é incrível. 
 Não quero fazer propaganda excessiva dos produtos da Apple, mas fui usuário de PCs/ Windows por muitos anos e a experiência me provou que a produtividade é muito maior com produtos Mac. Não é questão de aparências. Esta foi um decisão pragmática que fez toda a diferença em nosso negócio. 
 
 Dificilmente você enfrentará travamento, problemas com vírus, atualizações desnecessárias. Sua vida vai ficar muito mais fácil. É uma opinião pessoal, construída a partir da minha experiência. Mas esta é a proposta do eBook. Certo? Minha dica é: se você tiver chance, escolha um notebook da Apple e não se impressione com a configuração aparentemente robusta e atrativa de outras opções por aí. Em termos de custo benefício vai compensar e muito!
 
 Por outro lado, se você está satisfeito com seus equipamentos, seja de qual marca for, não perca tempo, comece já! Não há justificativa para deixar para depois. Se você não dispõe de algum desses equipamentos, saiba que não será difícil encontrá- los a preços acessíveis em qualquer busca pela internet.
 
 E tem mais: talvez você nem precise de uma câmera. Você pode fazer o vídeo da aula utilizando apenas imagem da sua tela e o áudio com sua voz. Capriche nos slides e siga as nossas dicas!

  85. 85. Soluções mais robustas: resultados mais profissionais. 
 
 Um pouco de bastidores: do início de 2012 até o final de 2013 trabalhamos basicamente com as soluções apresentadas na página anterior. Neste período experimentei quase uma dezena de câmeras e algumas dezenas (literalmente) de microfones de todos os tipos: headsets, lapelas, microfone de mesa, bluetooth, via rádio, dos mais caros aos mais baratos. E das soluções mais em conta, os microfones da Microsoft se destacaram com sobra, assim como as câmeras Logitech que são simplesmente incríveis. Porém, com o amadurecimento do negócio, optamos por fazer um investimento mais pesado e trabalhar com equipamentos profissionais ou semi profissionais, para buscar uma abordagem mais premium. Hoje, nossos equipamentos básicos são:
 
 Câmera DSLR Canon T3i
 Câmera Sony Action (Adventure)
 Sistema de Microfone sem Fio Seinheizer/ Lapela
 Placa de Audio M-Track Plus
 Iluminador Yongnuo LED
 
 Estamos muito satisfeitos com todos eles, embora com uma pontinha de frustração em relação à câmera Sony. Se você tiver a chance, opte por uma GoPro Hero. Além de garantir um melhor qualidade de imagem, você vai encontrar mais usabilidade nesta segunda opção.
 
 ***
  86. 86. Para finalizar, vamos deixar os aspectos técnicos um pouco de lado e retomar uma visão de estratégia sobre tudo isso. Acredito que o mais importante de tudo é experimentar. Fiz isso e deu certo. Fiz aquilo e não funcionou tão bem. Mas, seja como for, sempre comece enxuto, opte pelo simples e vá aprimorando. O importante é começar. Agora, claro, se você tem plena noção das expectativas do seu público, trabalhe para se adequar o mais rápido possível a elas, para você não patinar e perder tempo. Se você pretende trabalhar com um público exigente, pense em uma solução adequada para isso: prepare-se para cobrar mais pelo conteúdo e tente recuperar o investimento de estrutura com as vendas. 
 
 Se você achar adequado ao seu público, utilize equipamentos robustos, múltiplas câmeras e microfones profissionais. Esta decisão tem tudo a ver com o posicionamento que você deseja construir. 
 
 Por outro lado, para boa parte do público, uma solução simples de slides + voz pode ser mais do que suficiente. Especialmente para conteúdos mais acessíveis e mais rápidos. Caso você esteja sozinho na jogada, isso pode ter um peso maior. Se, por outro lado, você contar com sócios, certamente o investimento poderá ser diluído. 
 
 Agora vamos lá. Ainda tenho algumas dicas para acrescentar!
  87. 87. ILUMINAÇÃO
 
 Se for utilizar vídeo, preste muita atenção à iluminação. Uma boa iluminação é quase tão importante quanto uma boa câmera. Até porque, uma boa câmera não é nada sem uma boa iluminação. Procure ambientes bem iluminados, mas não abra mão de iluminação artificial. Raramente podem ser dispensáveis. 
 EDIÇÃO
 Você pode editar seus vídeos com programas simples como Movie Maker, Camtasia Studio ou QuickTime. Só parta para um Final Cut ou Adobe Premier se tiver conhecimento um pouco mais avançado ou muita disposição para aprender. Senão, você corre o risco de chegar a resultados simplórios a despeito do potencial dessas ferramentas. Para falar a verdade, em alguns casos, você nem precisa editar. Se conseguir uma boa eficiência na captação e tolerar pequenas imperfeições (muitas vezes naturais da fala) é possível abrir mão de editar, especialmente vídeos mais curtos. 
 MAKING OFF
 Registre absolutamente tudo. Fotografe cada etapa do seu trabalho. Seus bastidores de gravação são uma fonte incrível de conteúdo para você alimentar seu blog e seus perfis nas Redes Sociais. Além de te ajudar a documentar sua história, este tipo de conteúdo vai render bons posts e ajudar na criação de conversas em torno do seu produto. 
 
 DICAS PARA TURBINAR A SUA PRODUÇÃO.
 Ganhe tempo e qualidade.
  88. 88. FUNDO (BG)
 
 Ultimamente temos utilizado fundos monocromáticos. Nos últimos videos que produzimos (para o LAB SOCIAL MEDIA) adotamos um tecido preto como padrão. Facilita bastante a edição e evita distrações. Mas se puder criar um visual rico, criativo e que tenha a ver com o conteúdo, aproveite. Só evite um cenário vivo demais para não distrair o público. E, por fim, apesar de bem usual, evite fundo todo branco. Fica monótono, dificulta ajustes na iluminação e ainda gera um desconforto visual enorme.
 
 SMARTPHONE
 
 É possível utilizar o seu smartphone para gravar um vídeo em HD. Desde que você o mantenha estável com um suporte adequado e consiga uma boa solução de iluminação, sinceramente, seus problemas com video podem estar solucionados. Agora, teste. Se seu celular não consegue gravar em HD, deixe para lá.
 
 PARA SABER MAIS: 
 
 Eu poderia indicar mil links aqui, mas você pode encontrá-los facilmente com uma busca rápida pelo Google. Há tutoriais para tudo nessa vida: iluminação, câmeras, sobre como gravar com seu iPhone, dicas de oratória e sobre como criar slides incríveis. Mas eu quero só indicar um link, que é sensacional. Agora, está em inglês: se você não domina o idioma peça para alguém te ajudar. Mas assista de qualquer maneira: ainda que não entenda muito bem o inglês, você vai pegar muitas dicas matadoras: 
 
 Wistia: http://wistia.com/learning
  89. 89. TRANSMISSÃO GRATUITA/ GRAVAÇÃO DO VÍDEO
 O recurso gratuito mais completo e útil para seu trabalho pode ser o Google Hangouts on Air. Através deste recurso brilhante do Google, você consegue realizar transmissões privadas (só para convidados), compartilhar sua tela, utilizar recursos de vídeo com mais de um participante ou apenas recorrer ao áudio. Você pode utilizar o Hangouts on Air simplesmente para gravar seus vídeos, sem necessariamente ter uma plateia assistindo a transmissão, enquanto você grava. No entanto, existem recursos para espalhar o conteúdo ou convidar pessoas para assistir à sua palestra, ao vivo, se você quiser. 
 O Hangouts on Air é, na minha opinião, o recurso mais incrível do Google Plus e, sem dúvida, é mais do que suficiente para você iniciar os seus trabalhos de produção.
 
 Minha dica: se você ainda não tem uma conta no Google Plus, crie agora mesmo. Comece a testar tudo. Até porque, começo a desconfiar que daqui para a frente esta rede vai crescer muito. Acredito que nos próximos anos veremos um crescimento considerável em seu uso. Você com certeza vai sair ganhando se já estiver por lá!
  90. 90. Tome nota de como pretende organizar a sua produção. Como você vai captar o áudio? Se for trabalhar com o vídeo do professor, como pretende captar a imagem dele? Pretende trabalhar com mais de uma câmera? Onde serão feitas as gravações? O que haverá no plano de fundo? Como você vai captar a tela? SIM NÃO Não usarei câmeras. 92 MONTE O ESQUEMA DE PRODUÇÃO
  91. 91. CAPÍTULO 6: Esqueça os clientes. Crie comunidades. 93

×