SlideShare uma empresa Scribd logo
Se és rapariga Escolhe um tema < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER  AS DESCOBERTAS;  O  CORPO; A MENSTRUAÇÃO; A SEXUALIDADE A PRIMEIRA VEZ A PRIMEIRA RELAÇÃO SEXUAL;O QUE FAZER;A SEXUALIDADE;FALAR… CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO CONSULTA GINECOLÓGICA GRAVIDEZ FAZER O TESTE;ESTOU GRÁVIDA, QUE FAZER?; AS DECISÕES
Se és rapariga Ser ou não ser adolescente, eis a questão   A adolescência é a passagem da infância para a idade adulta.   A adolescência situa-se, habitualmente, entre os 10 e os 19 anos, quando o corpo se começa a transformar. As  mudanças que vives não podem deixar de te surpreender. Talvez gostasses mais de como eras antes, as borbulhas podem tornar-se uma obsessão ou podes não estar contente com a tua altura. Às vezes, um peito pode crescer mais depressa que o outro. Comparas-te com as tuas amigas e sentes-te diferente, pouco segura de ti.  < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
Se és rapariga Ser ou não ser adolescente, eis a questão   Mas não tens que te preocupar muito, pois estas mudanças que ocorrem no teu corpo, são vividas por todas as mulheres, só que não acontecem, nem ao mesmo tempo, nem da mesma forma para toda a gente. Cada um tem o seu ritmo de desenvolvimento! Mas, Também é bom crescer, descobrir as mudanças, sentir novas sensações, escolher as coisas que mais te interessam, tornares-te independente e decidir a tua própria vida. As mudanças não se limitam ao corpo, acontecem também na tua maneira de pensar, de sentir e no teu comportamento.   < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
Se és rapariga AS DESCOBERTAS!   As mudanças hormonais que começam a existir no teu corpo intensificam o teu interesse sexual. Na adolescência, aparecem novas sensações e emoções, desejos e fantasias que cada um vai viver à sua maneira. As ocasiões de excitação sexual podem surpreender-te . A masturbação é uma maneira de te excitares e de procurares prazer por ti própria, seja através de carícias, de diversas formas de toque ou por fantasias. Ao contrário do que se possa pensar, a masturbação é tão normal nos rapazes como nas raparigas. Falar de masturbação pode incomodar algumas pessoas por ser um assunto íntimo. É necessário, no entanto, saber  que não existe nenhum mal, nem físico nem moral em procurares o prazer sozinha.  E, se tens dúvidas, podes pedir esclarecimento  nos centros de aconselhamento em planeamento familiar ou a um técnico de saúde, por exemplo.   < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
Se és rapariga A HOMOSSEXUALIDADE Depois do que foi dito a propósito das relações sexuais ficamos com a impressão que elas não existem a não ser entre sexos opostos. Nem sempre é assim. Quando homens e mulheres se sentem atraídos pelo sexo oposto fala-se de heterossexuais. E no caso de homens ou mulheres que têm relações amorosas com pessoas do mesmo sexo falamos de homossexuais – “lésbicas, gays”.  Uma relação homossexual pode ser uma relação amorosa como qualquer outra: bela, excitante, complicada, frágil. E como para todo o amor, ela provém da mesma busca de calor humano, de intimidade, de compreensão e de sentimento de pertença. Podem manter-se relações muito intensas e afectuosas com uma ou mais amigas sem que isto signifique ser lésbica. Os desejos e as fantasias em relação a pessoas do mesmo sexo podem também ser uma etapa no desenvolvimento dos e das adolescentes. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
Se és rapariga   São “normais” todas as formas de relacionamento sexual nas quais: A dignidade, os sentimentos e a saúde da própria e das outras pessoas são respeitados; Os parceiros decidem livremente e de igual forma o seu relacionamento sexual.   Em contrapartida, não é aceitável: Forçar outra pessoa a ter um relacionamento sexual sob ameaça ou chantagem e usando a violência (física e/ou psíquica). Ninguém tem o direito de impor um acto sexual a outra pessoa; Utilizar a sexualidade para explorar, oprimir e humilhar outra pessoa; Tratar mulheres e homens como objectos sexuais. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
Se és rapariga As mudanças  Desde o nascimento, quer se nasça rapaz ou rapariga, que somos “completos”: os órgãos genitais estão “adormecidos” mas prontos a começar a trabalhar a partir do momento em que recebam ordens. Chama-se PUBERDADE a esta transformação. O teu cérebro tem informações de que não tens conhecimento mas que determinarão o momento do “acordar” dos órgãos sexuais (em princípio entre os 10 e os 16 anos). Este “acordar” far-se-á pelo envio de “pequenos mensageiros”, chamados  hormonas , directamente às glândulas sexuais ( ovários  para as raparigas,  testículos  para os rapazes). Estas hormonas são produzidas por uma glândula que fica na base do cérebro, a  hipófise . Vê o esquema da das raparigas.   Não podes escolher o momento em que o teu corpo começa a mudar. Ele transforma-se sozinho, sem a tua opinião. Às vezes é um pouco mais cedo, outras é um pouco mais tarde.  < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
Se és rapariga Mudanças - O corpo  Órgãos internos   Órgãos externos    < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
Se és rapariga As mudanças  Após as glândulas terem recebido o sinal de “acordar”, os ovários – no caso das raparigas, e nos rapazes os testículos – vão, por sua vez, enviar hormonas para todo o corpo, para dar início às transformações necessárias para se tornar uma mulher ou um homem: estrogeneos, progesterona, testosterona. Nas raparigas, as mamas desenvolvem-se. Por vezes, uma cresce mais depressa do que a outra. Podes começar a ver o mamilo crescer e mudar de cor. No interior, desenvolve-se a glândula mamária (capaz de fabricar o leite para alimentar o recém-nascido) e ficará protegida pelo tecido adiposo (gordura). Este processo pode doer um pouco. Nos rapazes, por vezes, pode haver algum crescimento mamário temporário .   < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
Se és rapariga As mudanças  Na zona genital e nas axilas, os pêlos vão começar a crescer. Eles servem para proteger a pele: a partir da puberdade, a transpiração muda, torna-se mais intensa. Os pêlos não deixam que a humidade irrite a pele. Começas a sentir que tens um cheiro que te é próprio.   Ao mesmo tempo, o teu corpo vai crescer mais rapidamente do que o que estás habituada, as tuas formas vão modificar-se – a cintura fica mais estreita nas raparigas, o tórax alarga nos rapazes. Os órgãos genitais externos – a vulva para as raparigas, o pénis para os rapazes – vão também desenvolver-se e mudar de cor.   No interior do corpo, também acontecem mudanças. Nas raparigas, o primeiro óvulo vai amadurecer num dos dois ovários e surge a primeira menstruação.  < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
Se és rapariga As menstruação    Espera-se que aconteça. Apesar disso, quando o dia chega, é sempre uma surpresa; podemos sentir algum receio, ou ficar muito contente. A menstruação é um aspecto importante da vida feminina. É sentida de forma diferente por cada mulher: contentes, orgulhosas, deprimidas, nada de especial. Hoje em dia espera-se que as mulheres não sintam nada de diferente na altura da menstruação. Basta dar um pouco de atenção à publicidade dos tampões e dos pensos higiénicos. As mulheres que aparecem nos anúncios estão sempre sorridentes, activas, em plena forma. Andam de bicicleta e não renunciam, por nada deste mundo, à aula de aeróbica!  < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
Se és rapariga As menstruação  Na verdade não existe uma “receita”, deves dar atenção ao que o teu corpo te pede e fazeres o que te faz sentir confortável. Por vezes, não sentimos nenhum desconforto e continuamos em forma; por vezes, ficamos vazias, sem energia, com dores nas costas ou na barriga. Depende de mulher para mulher. Pode ajudar falar a uma amiga, à mãe ou a uma outra pessoa de confiança.    O sangue da menstruação não é uma coisa repugnante, que se tenha que combater à custa de sprays íntimos e toalhetes desodorizantes. Basta lavar regularmente a vulva, com um sabão neutro e mudar frequentemente de penso ou tampão.     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
Se és rapariga As menstruação  Utilizar tampões ou pensos?   Podes tentar os dois e veres qual o que mais se adapta a ti e à tua vida. Se escolheres os tampões, é importante mudá-los frequentemente (a título indicativo: mais ou menos de 4 em 4 horas). Um tampão que fica muito tempo na vagina permite às bactérias multiplicarem-se. Assim, durante a noite, é melhor utilizares pensos. Às vezes é difícil falar da menstruação com os rapazes. Mas, se tiveres um namorado, o assunto poderá ter que ser abordado mais cedo ou mais tarde. Podes dizer-lhe o que preferes nestas alturas: se preferes ficar sozinha no teu canto, nesse período ou se, pelo contrário, tens vontade de o ter perto de ti. Porque não dizer-lhe?     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
Se és rapariga O ciclo menstrual   Desde o nascimento, os ovários de uma rapariga têm 300 000 a 400 000 óvulos não desenvolvidos. Apenas 400 a 500 de entre eles serão libertados durante a vida de uma mulher. Os ovários ficam em repouso até à puberdade, no momento em que as hormonas sexuais põem em funcionamento o ciclo menstrual. A partir desse momento, todos os meses, um óvulo amadurece num dos dois ovários. Ao mesmo tempo, o útero prepara-se para uma possível gravidez, o seu interior é forrado por uma mucosa com, mais ou menos, 1 mm de espessura, o endométrio, que tem o papel de acolher o óvulo fecundado, é como uma cama fofa ao qual o óvulo se irá fixar.   Quando o óvulo amadurece, é libertado pelo ovário. É o que se chama ovulação. O óvulo é então agarrado pela extremidade da trompa de Falópio que tem uma forma de funil com franjas. Se durante um espaço de tempo de 12 a 24 horas o óvulo não for fecundado por um espermatozóide que consiga chegar à trompa,  o óvulo morre e é reabsorvido.       < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
Se és rapariga O ciclo menstrual   Aproximadamente 2 semanas depois da ovulação, se não houve fecundação, o endométrio (a mucosa que forra a cavidade do útero) desprende-se pouco a pouco e provoca um sangramento. É a menstruação. De seguida, um novo óvulo começa a amadurecer, uma nova mucosa é fabricada e o ciclo recomeça.   Um ciclo menstrual dura, em geral, de 21 a 35 dias.   Os ciclos irregulares, podem durar de 20 a 60 dias. Menstruações com fluxo mais ou menos abundante, podem ser frequentes durante os primeiros anos em que a rapariga é menstruada. Mesmo nas mulheres adultas, o stress, as preocupações, as mudanças de clima e os hábitos alimentares podem influenciar a duração dos ciclos e a duração ou a quantidade da menstruação.       < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
Se és rapariga No cinema tudo é fácil. Tudo corre às mil maravilhas, basta um pequeno toque para se começar a ver “ fogo de artifício”, há sempre uma música envolvente por trás, e vivem todos felizes para sempre!  A realidade é mais complexa e mais variada que tudo aquilo que nos mostram no cinema, pois é no interior de nós próprios que as coisas mais determinantes se passam. Como toda a primeira experiência, a “primeira vez” será vivida por cada pessoa à sua maneira.   Para a primeira vez e para as seguintes, existem duas regras de ouro:  esperar pela altura que aches que é “o momento” e poder dispor de todo o tempo necessário.     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> A PRIMEIRA VEZ
Se és rapariga   A “melhor altura” Não há “a melhor altura” para a primeira relação sexual. A “melhor altura” não é igual para todos, para umas pessoas pode ser mais cedo, para outras pode ser mais tarde. Só tu sabes e sentes quando chega “o momento”. Mas, atenção às pressões, elas não são verdadeiras razões! Boas razões para ter relações sexuais Vocês sentem-se preparados, os dois e desejam os dois fazer amor. Mas esta boa razão não invalida que se lhe acrescentem algumas outras: Tens uma pessoa por quem estás apaixonada e com quem te sentes bem; Estás bem informada sobre a contracepção, as infecções transmissíveis sexualmente e a SIDA; Tu e o teu namorado puderam discutir e decidir como é que se vão proteger.       < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> A PRIMEIRA VEZ
Se és rapariga   Aprender a dizer: não! Ninguém te deve forçar a ter relações quando não o desejas. Talvez, ao princípio, sintas desejo, mas depois já não. Toda a gente tem direito a mudar de ideias. Estás no teu direito de recusar. Dizer não! Não é fácil, sobretudo se estás apaixonada e tens medo de perder aquela pessoa especial. Mas, é melhor aprender a dizer não, que ceder a pressões e aceitar algo que não desejas.  Tenta falar abertamente, sem te refugiares em pretextos como a menstruação ou as dores de cabeça. Se quem está contigo não é capaz de te ouvir, de te compreender e de aceitar as tuas necessidades, talvez não valha a pena perder tempo com uma história que te vai desagradar cada vez mais.        < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> A PRIMEIRA VEZ
Se és rapariga Algumas dicas Aprendam a falar sobre aquilo que gostam e não gostam. O outro não pode adivinhar. Descubram em conjunto o que vos dá prazer. Vão ensaiando, progressivamente, e estejam atentos às vossas sensações. É normal ter medo e estar tenso. Dêem a vocês próprios tempo para relaxar. Não entrem na ansiedade de querer “funcionar” da maneira perfeita. Pensem na contracepção mesmo antes da primeira vez, e protejam-se das doenças transmissíveis sexualmente. Não fiquem decepcionados se as coisas não correrem facilmente. Isso acontece muito frequentemente. Levem o tempo necessário. Claro, pode acontecer que seja tudo muito rápido ou podem precisar de tempo para encontrar a intimidade e o estilo próprio.  < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> A PRIMEIRA VEZ
Se és rapariga Será que faz doer?   Frequentemente, a rapariga fica preocupada porque ouviu dizer que “isso dói” aquando da primeira relação. Ouve-se toda a espécie de histórias sobre a ruptura do hímen, a membrana de pele à entrada da vagina. A realidade é muito mais suave do que as ideias que se podem ter a esse respeito. O hímen pode ser  muito elástico e alargar sem dificuldade nas primeiras penetrações. O uso regular de tampões e certos exercícios desportivos também o podem ter alargado. Mas, quando o hímen é pouco elástico, acontece romper-se aquando das primeiras relações que serão então acompanhadas de ligeiros sangramentos.   Algumas raparigas nascem sem hímen ou por vezes este só rompe na altura do parto, o que faz com que não haja sempre sangramento na primeira relação sexual. Como em outras situações, quanto mais descontraída estás menos sentes a dor. Podem tentar descontrair com carícias e toques antes da penetração.      < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> A PRIMEIRA VEZ
Se és rapariga A relação sexual Um casal pode desejar ter momentos de intimidade, acariciar-se, beijar-se. É uma forma profunda de comunicar e ter sensações agradáveis. O contacto dos corpos conduz a um estado de excitação que se manifesta pela lubrificação da vulva e da vagina e erecção dos mamilos e pelo endurecimento e erecção do pénis. O coração bate mais depressa e a respiração torna-se mais rápida.     Fala-se de uma completa (coito), e no caso de hetereossexuais, quando o pénis é introduzido na vagina (penetração) e, depois de movimentos de vai e vem, o homem ejacula (emissão de esperma).  Na mulher, o prazer sexual é provocado pela estimulação do clítoris (directa ou indirecta) e pela penetração e o orgasmo é associado às contracções involuntárias dos músculos da vagina. No homem, o momento do orgasmo coincide geralmente com a emissão de esperma (ejaculação). É um facto que o prazer sexual é vivido e percebido de forma diferente por cada um.       < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> A PRIMEIRA VEZ
Se és rapariga A consulta ginecológica faz parte da rotina de cuidados de saúde de qualquer mulher. É um espaço onde podes tirar duvidas, aprender a cuidar de ti e realizares o exame ginecológico. Pede conselho às tuas amigas sobre o médico a escolher, ou a alguém em que confies. Se preferires, também te podes dirigir às consultas para adolescentes do centro de saúde. Que informações pedir? Podes informar-te sobre a menstruação, a gravidez, as doenças transmitidas por via sexual, a contracepção e, em geral, sobre tudo o que diz respeito à sexualidade e ao teu corpo. Mas espera também que o/a médico/a te coloque questões pessoais sobre estes assuntos. Os médicos estão sujeitos ao segredo profissional: não podem contar aquilo que tu dizes, mesmo que sejas menor de idade. Portanto, não tenhas medo de responder honestamente às suas questões. Se não te sentes à vontade, tens o direito de mudar de médico. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONSULTA GINECOLÓGICA
Se és rapariga     Alguns conselhos práticos • Se te sentes incomodada de te estenderes nua da cintura para baixo sobre a mesa ginecológica veste uma T-shirt comprida que poderás levantar na altura do exame. • Uma higiene normal é suficiente antes da consulta. Sobretudo não utilizes sprays desodorizantes íntimos ou loções especiais pois podem alterar o estado da mucosa e da flora vaginal (conselho também válido mesmo fora das consultas de ginecologia). Além do mais podem falsear os resultados das análises. • Se te tranquiliza, pede a uma pessoa de confiança para te acompanhar. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONSULTA GINECOLÓGICA
Se és rapariga Será que estou grávida? Se tiveste relações sexuais não protegidas e a tua menstruação não aparece, é bom fazeres o teste de gravidez rapidamente. Tenta não entrar em pânico e não adies o teste com medo do resultado. Só depois de teres certeza é que podes pensar com clareza sobre as eventuais consequências. Quando fazer o teste? O teste de gravidez detecta se a urina contém hormonas específicas da gravidez. Para ser mais fiável deves fazer oito dias após a data prevista para a menstruação. Podes comprar um teste na farmácia. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> GRAVIDEZ
Se és rapariga Se o teste é negativo, evita próximas situações de preocupação usando o preservativo  ou outro método contraceptivo. Se o teste é positivo … Pensa no que a gravidez significa para ti e para a tua vida. Procura APOIO de uma pessoa que te ajude a reflectir. Uma criança necessita de amor, de afecto e disponibilidade durante muitos anos. Portanto é necessário tomar uma decisão consciente e responsável. Fala abertamente com a pessoa com quem tiveste a relação que deu origem à gravidez, com os teus pais ou com quem tenhas confiança. Há centros de aconselhamento em sexualidade e planeamento familiar que te podem ajudar. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> GRAVIDEZ
Se és rapariga Como dizer aos teus pais que estás grávida: Mesmo que não pareça, por vezes é mais “fácil” abordar os pais do que manter um segredo. Vais precisar muito do amor e assistência deles. Deixamos aqui algumas dicas que te podem ser úteis na primeira conversa: Se vires que não consegues fazê-lo sózinha, pede a uma pessoa mais velha, que mereça a confiança dos teus pais, que esteja presente. Começa a conversa dizendo que precisas que eles te dêem apoio. Vai depois directamente ao assunto. - Dá tempo aos teus pais para reagirem, mesmo que por vezes digam algumas coisas que te possam magoar no momento. Normalmente, são fruto do “choque” e não têm outro significado. Se estiveres muito indecisa em relação à decisão que queres tomar, pede-lhes que se coloquem ao teu lado e que te ajudem a encontrar a melhor solução. Diz-lhes que precisas do amor deles. Mostra-te responsável e ciente do que se está a passar e dos efeitos que traz para a tua vida. Se achares que a conversa não avança, dá-lhes um tempo para poderem reflectir. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> GRAVIDEZ
Se és rapariga A interrupção de gravidez A interrupção da gravidez (aborto) pode ser espontânea,  isto é, sem intenção ou sem intervenção médica e pode ocorrer devido a diversos problemas, ou pode ser voluntária. Um interrupção voluntária de gravidez (IVG) nunca é uma coisa banal, pois implica não somente o físico mas também os aspectos psicológicos e os sentimentos da mulher. É por isso que se esteja segura da decisão tomada e que seja também bem apoiada. Actualmente em Portugal, a IVG pode ser feita por médicos, e  por  opção da mulher , num estabelecimento de saúde  oficialmente reconhecido nas primeiras 10 semanas de gravidez. Se tiveres menos de 16 anos precisas do consentimento dos teus pais ou tutores. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> GRAVIDEZ
Linhas telefónicas de ajuda Sexualidade em Linha Tel: 808 222 003 Linha Opções Linha de Apoio e Informação sobre Gravidez não desejada Tel: 707 200 249 Se és rapariga < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> GRAVIDEZ
Se és rapariga Se decidires levar a gravidez até ao fim, é importante também teres o apoio do teu parceiro, dos teus pais , dos teus amigos. Mas é sobretudo importante que sejas acompanhada por um médico. A tua saúde e a do bebé são fundamentais para uma gravidez tranquila. Marca uma consulta no teu centro de saúde, num hospital ou maternidade para saberes todos os cuidados que deves ter. Também o pai deve estar presente. Este é um processo que não deves passar sozinha. Há locais onde podes aprender a tomar conta da tua gravidez e do teu bebé. Na consulta pede toda a informação que precisares.  < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> GRAVIDEZ
Se és rapariga “ Nada me pode acontecer!” Assim pensam muitas raparigas que engravidaram. É importante que saibas que podes engravidar ou contrair uma infecção sexualmente transmissível: Mesmo que o teu parceiro diga que vai ter cuidado e retirar o pénis antes da ejaculação. Mesmo assim, uma gota de esperma pode ser suficiente Mesmo que seja a primeira vez Mesmo que faças um duche vaginal logo a seguir à relação sexual Mesmo que não tenhas um orgasmo Mesmo que estejas menstruada Mesmo que o pénis não seja introduzido totalmente na vagina < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> GRAVIDEZ
Se és rapariga Frequentemente pensamos que a contracepção e o sexo seguro são a coisa mais simples do mundo. “É suficiente já se ter ouvido falar sobre isso e o resto acontece por si só”. Apesar de tudo, não é assim tão simples encarar estas questões, quando se está directamente envolvido. E, depois, o prazer é uma questão de espontaneidade, de sentimentos, emoções, enquanto o sexo seguro e a contracepção fazem parte da razão. Por vezes é difícil conciliar tudo. Existem diferentes contraceptivos. A escolha de um contraceptivo vai depender da tua situação pessoal e de indicações médicas. Para uma avaliação correcta das vantagens e dos inconvenientes e para escolheres aquele que mais te convém, dirige-te a uma pessoa de confiança (por exemplo uma enfermeira, um médico) ou a um centro de aconselhamento em planeamento familiar.  Apresentam-se aqui os dois contraceptivos mais utilizados pelos adolescentes. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
Se és rapariga PRESERVATIVO MASCULINO O preservativo é um método que permite reter o esperma que, assim, não pode encontrar o óvulo. Correctamente utilizado, o preservativo é eficaz . VANTAGENS: Protege das infecções sexualmente transmissíveis e da gravidez não desejada; Não provoca nenhum efeito secundário (os casos de alergias são muito raros); Obtêm-se gratuitamente nos Centros de Saúde ou espaços de atendimento de sexualidade e planeamento familiar, podem também ser comprados nos supermercados, farmácias e distribuidores públicos (como os Centros de Saúde), sem receita médica; Implica mais os rapazes na utilização do método contraceptivo. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
Se és rapariga PRESERVATIVO MASCULINO Desvantagens: Pode romper-se ou ficar retido no interior da vagina;  É necessário aprender a utilizá-lo e a integrá-lo desde o início da relação. É colocado no pénis do homem. Se ele não quiser ouvir falar nisso, podes recusar-te a ter relações sexuais. Tens o direito de te proteger e resistir à chantagem ou a pedidos insensatos, chamados “provas de amor”; Por vezes os rapazes recusam-se a usar preservativo, por várias razões, uma delas é não estarem muito à vontade. Aconselha-se a “treinar” a colocação do preservativo quando estão sozinhos, para que possam sentir-se mais seguros e descansados quando realmente o usarem nas vossas relações sexuais.      < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
Se és rapariga PRESERVATIVO MASCULINO E em caso de acidente? Se o preservativo se romper ou ficar retido no interior da vagina o risco de transmissão de uma doença por via sexual persiste, mas pode recorrer-se à “pílula do dia seguinte” ou &quot;contracepção de emergência&quot;, para evitar uma gravidez não desejada. Se isso acontecer os dois devem fazer o rastreio de infecções sexualmente transmissíveis e utilizar sempre preservativo até terem o resultado das análises.  Para um uso correcto do preservativo…   Não é possível utilizá-lo se não estiver à mão! Tenta enfrentar a questão em tempo útil.      < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
Se és rapariga Aquando da utilização do preservativo tem em atenção os seguintes pontos: Abrir a embalagem com precaução evitando danificar o preservativo com unhas, anéis ou objectos cortantes; Desenrolar o preservativo, antes de qualquer contacto genital, sobre o pénis em erecção, agarrando aproximadamente 1 cm da extremidade; Se não deslizar bem, pode utilizar-se um lubrificante à base de água. Nunca utilizem um lubrificante (creme) oleoso, pois tornam os preservativos porosos acabando por danificá-los. Podem usar lubrificantes à base de água que encontram nas farmácias ou supermercados.  Após a ejaculação, retirar o pénis, antes que fique flácido (mole), agarrando o preservativo pela base. Isto evita que ele deslize, fique no interior da vagina e que o esperma escape. Cada preservativo só se usa uma vez.     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
Se és rapariga PÍLULA   A pílula é um contraceptivo que contém hormonas sintéticas. O seu papel é suspender a produção hormonal habitual, impedindo a ovulação e, portanto, a fecundação. É um meio de contracepção seguro quando utilizado correctamente. Como podem existir contra-indicações e necessita de controlos anuais, deve ser prescrita por um médico. Antes de tomar a pílula, algumas questões que se colocam Estou preparada para tomar a pílula todos os dias? Vamos, nós, utilizar uma dupla protecção (pílula e preservativo) durante um certo tempo? Temos uma relação de confiança suficiente? Se deixarmos de utilizar o preservativo para tomar só a pílula temos a certeza de ser seronegativos, de não sermos portadores de uma doença de transmissão sexual e de sermos fiéis um ao outro? Estou de acordo em ser a maior responsável pela contracepção?     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
Se és rapariga PÍLULA Vantagens: Se tomada correctamente, tem uma taxa de eficácia muito elevada face a uma gravidez não desejada; Pode diminuir as dores menstruais e a acne; Regulariza o ciclo (o que pode deixar de acontecer quando se pára a toma). Inconvenientes: Não protege das Infecções Sexualmente Transmissíveis (SIDA ou outras); Está sujeita a uma toma regular   Se queres tomar a pílula, fala com o teu médico ou dirige-te a um centro de aconselhamento em planeamento familiar. Lá, podem responder às tuas questões e dar-te mais informações.     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
Se és rapariga CONTRACEPÇÃO DE EMERGÊNCIA A Contracepção de Emergência ( ou pílula do dia seguinte) não é um contraceptivo de utilização regular. É uma prescrição de urgência para evitar uma gravidez não desejada. Deve ser tomada nas 72 horas que se seguem a uma relação sexual não protegida. Pode ser tomada: - Se o preservativo se rompeu ou deslizou para o interior da vagina; - Nalguns casos de esquecimento da pílula toma da pílula ou outro método contraceptivo hormonal; - Em caso de relação sexual não protegida. A contracepção de emergência não é uma forma de aborto. Trata-se de um método que adia a ovulação ou impede a nidação no útero de um eventual óvulo fecundado.    < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
Se és rapariga CONTRACEPÇÃO DE EMERGÊNCIA Podes obter informação sobre contracepção de emergência nos centros de saúde, no ginecologista, num centro de aconselhamento em planeamento familiar ou nos serviços médicos de urgência. A contracepção de emergência é distribuída gratuitamente ou pode ser comprada na farmácia. Não hesites em pedi-la se tiveste uma relação sexual não protegida.     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
Linhas telefónicas de ajuda Saúde Linha Saúde 24 Tel: 808 242 424 Horário: 24 horas por dia – todos os dias SIMEG – Serviço de Informação sobre Medicamentos e Gravidez Tel: 800 202 844 Horário: 2ª a 6ª das 09:00 às 13:30 e das 14:30 às 18:00 Sexualidade Sexualidade em Linha Tel: 808 222 003 Horário: 2ª a 6ª das 10:00 às 19:00 e Sábados das 10:00 às 17:00 Linha Opções Linha de Apoio e Informação sobre Gravidez não desejada Tel: 707 200 249 Horário: 2ª a 6ª das 12:00 às 20:00 ILGA Linha de Apoio e Informação sobre Homossexualidade Tel: 218 876 116 Horário: 6ªs das 21:00 às 24:00 Violências e Abusos APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima  Tel: 707 200 077 Se és rapariga Horário: 2ª a 6ª das 10:00 às 13:00 e das 14:00 às 17:00 Serviço de Informação às Vítimas de Violência Doméstica Tel: 800 202 148 Horário: 24 horas por dia – Todos os dias VIH/SIDA Linha SIDA Tel: 800 266 666 Horário: 2ª a Sábado das 14:00 às 20:00 SOS SIDA Tel: 800 201 040 Horário: Todos os dias das 17:30 às 21:30 Linha Abraço Tel: 800 225 115 Horário: 2ª a 6ª das 10:00 às 19:00 Toxicodependências Linha VIDA – SOS Droga Tel: 1414 Horário 2ª a 6ª das 10:00 às 20:00 Para saber mais… << Início < A nterior Próximo > Finalizar >>
Esta apresentação é uma adaptação do livro  RAPARIGAS , editado pela APF – Associação para o Planeamento da Família Versão original: Foundation Profa, Lausanne © APF www.apf.pt Se és rapariga Ficha técnica << VOLTAR AO INÍCIO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Se es rapariga
Se es raparigaSe es rapariga
Se es rapariga
pesgiaa
 
Se és Rapaz
Se és RapazSe és Rapaz
Se és Rapaz
Sandra Freitas
 
Se és rapariga
Se és raparigaSe és rapariga
Se és rapariga
Sandra Freitas
 
Bloco 5
Bloco 5Bloco 5
Bloco 5
saudefieb
 
Sinais da Adolescência - F.Q
Sinais da Adolescência - F.QSinais da Adolescência - F.Q
Sinais da Adolescência - F.Q
Melissa Matos
 
Puberdade - Palestra Cristã
Puberdade - Palestra CristãPuberdade - Palestra Cristã
Puberdade - Palestra Cristã
Paloma Santos Matos
 
Gravidez "não" Planejada
Gravidez "não" PlanejadaGravidez "não" Planejada
Gravidez "não" Planejada
Glauber Eduardo Aragon Pereira
 
Karol
KarolKarol
Karol
srrpo
 
Adolescencia e sexualidade
Adolescencia e sexualidadeAdolescencia e sexualidade
Adolescencia e sexualidade
verson1
 
Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1
Zaara Miranda
 
Powerpoint gravidez
Powerpoint gravidezPowerpoint gravidez
Powerpoint gravidez
silvaelivia
 
E-Book Grátis - Conversa de Homem - Os Mandamentos do Homem Alfa
E-Book Grátis - Conversa de Homem - Os Mandamentos do Homem AlfaE-Book Grátis - Conversa de Homem - Os Mandamentos do Homem Alfa
E-Book Grátis - Conversa de Homem - Os Mandamentos do Homem Alfa
Anonymus 69
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
Luis
 
PowerPoint sobre a Gravidez Na Adolescência
PowerPoint sobre a Gravidez Na AdolescênciaPowerPoint sobre a Gravidez Na Adolescência
PowerPoint sobre a Gravidez Na Adolescência
cdln
 
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
Teresa Monteiro
 
Sexualidade que bicho é esse
Sexualidade que bicho é esseSexualidade que bicho é esse
Sexualidade que bicho é esse
Gisele Pimentel
 
Ebook energia do-homem-redu
Ebook energia do-homem-reduEbook energia do-homem-redu
Ebook energia do-homem-redu
Tiago Oliveira
 
Slid gravidez na adolecencia
Slid gravidez na adolecenciaSlid gravidez na adolecencia
Slid gravidez na adolecencia
Rosangela Pereira Da Pereira
 

Mais procurados (18)

Se es rapariga
Se es raparigaSe es rapariga
Se es rapariga
 
Se és Rapaz
Se és RapazSe és Rapaz
Se és Rapaz
 
Se és rapariga
Se és raparigaSe és rapariga
Se és rapariga
 
Bloco 5
Bloco 5Bloco 5
Bloco 5
 
Sinais da Adolescência - F.Q
Sinais da Adolescência - F.QSinais da Adolescência - F.Q
Sinais da Adolescência - F.Q
 
Puberdade - Palestra Cristã
Puberdade - Palestra CristãPuberdade - Palestra Cristã
Puberdade - Palestra Cristã
 
Gravidez "não" Planejada
Gravidez "não" PlanejadaGravidez "não" Planejada
Gravidez "não" Planejada
 
Karol
KarolKarol
Karol
 
Adolescencia e sexualidade
Adolescencia e sexualidadeAdolescencia e sexualidade
Adolescencia e sexualidade
 
Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1Adolecencia emrc 1
Adolecencia emrc 1
 
Powerpoint gravidez
Powerpoint gravidezPowerpoint gravidez
Powerpoint gravidez
 
E-Book Grátis - Conversa de Homem - Os Mandamentos do Homem Alfa
E-Book Grátis - Conversa de Homem - Os Mandamentos do Homem AlfaE-Book Grátis - Conversa de Homem - Os Mandamentos do Homem Alfa
E-Book Grátis - Conversa de Homem - Os Mandamentos do Homem Alfa
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
PowerPoint sobre a Gravidez Na Adolescência
PowerPoint sobre a Gravidez Na AdolescênciaPowerPoint sobre a Gravidez Na Adolescência
PowerPoint sobre a Gravidez Na Adolescência
 
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
 
Sexualidade que bicho é esse
Sexualidade que bicho é esseSexualidade que bicho é esse
Sexualidade que bicho é esse
 
Ebook energia do-homem-redu
Ebook energia do-homem-reduEbook energia do-homem-redu
Ebook energia do-homem-redu
 
Slid gravidez na adolecencia
Slid gravidez na adolecenciaSlid gravidez na adolecencia
Slid gravidez na adolecencia
 

Destaque

46178129 powerpoint-para-a-educacao-sexual-no-1ºciclo
46178129 powerpoint-para-a-educacao-sexual-no-1ºciclo46178129 powerpoint-para-a-educacao-sexual-no-1ºciclo
46178129 powerpoint-para-a-educacao-sexual-no-1ºciclo
Pelo Siro
 
Guia rapazes actualizado2010
Guia rapazes actualizado2010Guia rapazes actualizado2010
Guia rapazes actualizado2010
Pelo Siro
 
Guia sex raparigas_apres
Guia sex raparigas_apresGuia sex raparigas_apres
Guia sex raparigas_apres
Pelo Siro
 
Apresentao1 100503143622-phpapp01
Apresentao1 100503143622-phpapp01Apresentao1 100503143622-phpapp01
Apresentao1 100503143622-phpapp01
Pelo Siro
 
Asexualidadenaescola 091027070207-phpapp01
Asexualidadenaescola 091027070207-phpapp01Asexualidadenaescola 091027070207-phpapp01
Asexualidadenaescola 091027070207-phpapp01
Pelo Siro
 
41277947 1028157-fecundacao
41277947 1028157-fecundacao41277947 1028157-fecundacao
41277947 1028157-fecundacao
Pelo Siro
 
O Meu Corpo 1º E 2º Anoscomp
O Meu Corpo  1º E 2º AnoscompO Meu Corpo  1º E 2º Anoscomp
O Meu Corpo 1º E 2º Anoscomp
educarasaude
 
Sistema Reprodutor
Sistema ReprodutorSistema Reprodutor
Sistema Reprodutor
guest1eea69
 
A história do pedrinho e da joana
A história do pedrinho e da joanaA história do pedrinho e da joana
A história do pedrinho e da joana
Teresa Ramos
 
Meninos e meninas do mundo
Meninos e meninas do mundoMeninos e meninas do mundo
Meninos e meninas do mundo
Blog da Criançada
 
"Meninos de todas as cores..."
"Meninos de todas as cores...""Meninos de todas as cores..."
"Meninos de todas as cores..."
isabel preto
 
Sistema reprodutor masculino e feminino-2ºCiclo
Sistema reprodutor masculino e feminino-2ºCicloSistema reprodutor masculino e feminino-2ºCiclo
Sistema reprodutor masculino e feminino-2ºCiclo
Sandra Soeiro
 
Sexualidade powerpoint
Sexualidade  powerpointSexualidade  powerpoint
Sexualidade powerpoint
escola 2/3 Bernardino Machado
 
Sistema Reprodutor
Sistema ReprodutorSistema Reprodutor
Sistema Reprodutor
Helena Borralho
 
Aparelho Reprodutor Masculino e Feminino
Aparelho Reprodutor Masculino e FemininoAparelho Reprodutor Masculino e Feminino
Aparelho Reprodutor Masculino e Feminino
Mariana Dziekanski
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
Moderadora
 
O sistema reprodutor Masculino e Feminino
O sistema reprodutor Masculino e FemininoO sistema reprodutor Masculino e Feminino
O sistema reprodutor Masculino e Feminino
Andreane Motta
 
A adolescência
A adolescênciaA adolescência
A adolescência
Roberto Nobre
 

Destaque (18)

46178129 powerpoint-para-a-educacao-sexual-no-1ºciclo
46178129 powerpoint-para-a-educacao-sexual-no-1ºciclo46178129 powerpoint-para-a-educacao-sexual-no-1ºciclo
46178129 powerpoint-para-a-educacao-sexual-no-1ºciclo
 
Guia rapazes actualizado2010
Guia rapazes actualizado2010Guia rapazes actualizado2010
Guia rapazes actualizado2010
 
Guia sex raparigas_apres
Guia sex raparigas_apresGuia sex raparigas_apres
Guia sex raparigas_apres
 
Apresentao1 100503143622-phpapp01
Apresentao1 100503143622-phpapp01Apresentao1 100503143622-phpapp01
Apresentao1 100503143622-phpapp01
 
Asexualidadenaescola 091027070207-phpapp01
Asexualidadenaescola 091027070207-phpapp01Asexualidadenaescola 091027070207-phpapp01
Asexualidadenaescola 091027070207-phpapp01
 
41277947 1028157-fecundacao
41277947 1028157-fecundacao41277947 1028157-fecundacao
41277947 1028157-fecundacao
 
O Meu Corpo 1º E 2º Anoscomp
O Meu Corpo  1º E 2º AnoscompO Meu Corpo  1º E 2º Anoscomp
O Meu Corpo 1º E 2º Anoscomp
 
Sistema Reprodutor
Sistema ReprodutorSistema Reprodutor
Sistema Reprodutor
 
A história do pedrinho e da joana
A história do pedrinho e da joanaA história do pedrinho e da joana
A história do pedrinho e da joana
 
Meninos e meninas do mundo
Meninos e meninas do mundoMeninos e meninas do mundo
Meninos e meninas do mundo
 
"Meninos de todas as cores..."
"Meninos de todas as cores...""Meninos de todas as cores..."
"Meninos de todas as cores..."
 
Sistema reprodutor masculino e feminino-2ºCiclo
Sistema reprodutor masculino e feminino-2ºCicloSistema reprodutor masculino e feminino-2ºCiclo
Sistema reprodutor masculino e feminino-2ºCiclo
 
Sexualidade powerpoint
Sexualidade  powerpointSexualidade  powerpoint
Sexualidade powerpoint
 
Sistema Reprodutor
Sistema ReprodutorSistema Reprodutor
Sistema Reprodutor
 
Aparelho Reprodutor Masculino e Feminino
Aparelho Reprodutor Masculino e FemininoAparelho Reprodutor Masculino e Feminino
Aparelho Reprodutor Masculino e Feminino
 
Adolescência
AdolescênciaAdolescência
Adolescência
 
O sistema reprodutor Masculino e Feminino
O sistema reprodutor Masculino e FemininoO sistema reprodutor Masculino e Feminino
O sistema reprodutor Masculino e Feminino
 
A adolescência
A adolescênciaA adolescência
A adolescência
 

Semelhante a Guia raparigas apres

Se es rapariga
Se es raparigaSe es rapariga
Se és Rapaz !!
Se és Rapaz !!Se és Rapaz !!
Se és Rapaz !!
Alexandre Ribeiro
 
Guia rapaz
Guia rapazGuia rapaz
Guia rapaz
Tânia Reis
 
Mudanças sexuais nos adolescentes para adolescentes e jovens cristãos
Mudanças sexuais nos adolescentes para adolescentes e jovens cristãosMudanças sexuais nos adolescentes para adolescentes e jovens cristãos
Mudanças sexuais nos adolescentes para adolescentes e jovens cristãos
Glaucielen Cristina
 
Afinal O Que Se Passa Comigo I
Afinal O Que Se Passa Comigo IAfinal O Que Se Passa Comigo I
Afinal O Que Se Passa Comigo I
Nelson Ramalhoto
 
afinaloquesepassacomigo-i-090505091514-phpapp01.pdf
afinaloquesepassacomigo-i-090505091514-phpapp01.pdfafinaloquesepassacomigo-i-090505091514-phpapp01.pdf
afinaloquesepassacomigo-i-090505091514-phpapp01.pdf
joao sobral
 
123121472 educacao-sexual
123121472 educacao-sexual123121472 educacao-sexual
123121472 educacao-sexual
Pelo Siro
 
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Pelo Siro
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
veronicasilva
 
Questões sobre sexualidade e reprodução humana
Questões sobre sexualidade e reprodução humanaQuestões sobre sexualidade e reprodução humana
Questões sobre sexualidade e reprodução humana
Catir
 
Caderno duvidas jozieli
Caderno duvidas jozieliCaderno duvidas jozieli
Caderno duvidas jozieli
Joao Antonio Castro
 
Puberdade alterações físicas.pdf
Puberdade alterações físicas.pdfPuberdade alterações físicas.pdf
Puberdade alterações físicas.pdf
MarcosAntniodeSouzaS1
 
Vivendo a Adolescência: Sexo
Vivendo a Adolescência: SexoVivendo a Adolescência: Sexo
Vivendo a Adolescência: Sexo
Maria do Socorro Alencar Marinho
 
A adolescência e a puberdade
A adolescência e a puberdadeA adolescência e a puberdade
A adolescência e a puberdade
Espaço Emrc
 
Alteraçãoes físicas e psicológicas
Alteraçãoes físicas e psicológicasAlteraçãoes físicas e psicológicas
Alteraçãoes físicas e psicológicas
grupo1adp
 
Adolescência e sexualidade
Adolescência e sexualidadeAdolescência e sexualidade
Adolescência e sexualidade
Bio Sem Limites
 
A sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescênciaA sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescência
IgorSilva14
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
Aluisio Èvora
 
Educação sexual e afectividade
Educação sexual e afectividadeEducação sexual e afectividade
Educação sexual e afectividade
Alfredo Figueiredo
 
Apres Abordagens Sexualidade
Apres Abordagens SexualidadeApres Abordagens Sexualidade
Apres Abordagens Sexualidade
Albano Novaes
 

Semelhante a Guia raparigas apres (20)

Se es rapariga
Se es raparigaSe es rapariga
Se es rapariga
 
Se és Rapaz !!
Se és Rapaz !!Se és Rapaz !!
Se és Rapaz !!
 
Guia rapaz
Guia rapazGuia rapaz
Guia rapaz
 
Mudanças sexuais nos adolescentes para adolescentes e jovens cristãos
Mudanças sexuais nos adolescentes para adolescentes e jovens cristãosMudanças sexuais nos adolescentes para adolescentes e jovens cristãos
Mudanças sexuais nos adolescentes para adolescentes e jovens cristãos
 
Afinal O Que Se Passa Comigo I
Afinal O Que Se Passa Comigo IAfinal O Que Se Passa Comigo I
Afinal O Que Se Passa Comigo I
 
afinaloquesepassacomigo-i-090505091514-phpapp01.pdf
afinaloquesepassacomigo-i-090505091514-phpapp01.pdfafinaloquesepassacomigo-i-090505091514-phpapp01.pdf
afinaloquesepassacomigo-i-090505091514-phpapp01.pdf
 
123121472 educacao-sexual
123121472 educacao-sexual123121472 educacao-sexual
123121472 educacao-sexual
 
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
Educaosexualeafectividade 110320145538-phpapp01
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Questões sobre sexualidade e reprodução humana
Questões sobre sexualidade e reprodução humanaQuestões sobre sexualidade e reprodução humana
Questões sobre sexualidade e reprodução humana
 
Caderno duvidas jozieli
Caderno duvidas jozieliCaderno duvidas jozieli
Caderno duvidas jozieli
 
Puberdade alterações físicas.pdf
Puberdade alterações físicas.pdfPuberdade alterações físicas.pdf
Puberdade alterações físicas.pdf
 
Vivendo a Adolescência: Sexo
Vivendo a Adolescência: SexoVivendo a Adolescência: Sexo
Vivendo a Adolescência: Sexo
 
A adolescência e a puberdade
A adolescência e a puberdadeA adolescência e a puberdade
A adolescência e a puberdade
 
Alteraçãoes físicas e psicológicas
Alteraçãoes físicas e psicológicasAlteraçãoes físicas e psicológicas
Alteraçãoes físicas e psicológicas
 
Adolescência e sexualidade
Adolescência e sexualidadeAdolescência e sexualidade
Adolescência e sexualidade
 
A sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescênciaA sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescência
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Educação sexual e afectividade
Educação sexual e afectividadeEducação sexual e afectividade
Educação sexual e afectividade
 
Apres Abordagens Sexualidade
Apres Abordagens SexualidadeApres Abordagens Sexualidade
Apres Abordagens Sexualidade
 

Mais de Tânia Reis

ficha 1 moc.pdf
ficha 1 moc.pdfficha 1 moc.pdf
ficha 1 moc.pdf
Tânia Reis
 
Condições da Terra que permitem a existência de vida
Condições da Terra que permitem a existência de vidaCondições da Terra que permitem a existência de vida
Condições da Terra que permitem a existência de vida
Tânia Reis
 
Princ geologia
Princ geologiaPrinc geologia
Princ geologia
Tânia Reis
 
Etapasp
EtapaspEtapasp
Etapasp
Tânia Reis
 
Deriva dos continentesp
Deriva dos continentespDeriva dos continentesp
Deriva dos continentesp
Tânia Reis
 
Datacaop
DatacaopDatacaop
Datacaop
Tânia Reis
 
Condiçoes da terra p
Condiçoes da terra pCondiçoes da terra p
Condiçoes da terra p
Tânia Reis
 
A terra no espaço p
A terra no espaço pA terra no espaço p
A terra no espaço p
Tânia Reis
 
A terra no espaço
A terra no espaçoA terra no espaço
A terra no espaço
Tânia Reis
 
Rochas solo tr
Rochas solo trRochas solo tr
Rochas solo tr
Tânia Reis
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
Tânia Reis
 
Transmissão da vida
Transmissão da vida Transmissão da vida
Transmissão da vida
Tânia Reis
 
Saúde individual e comunitária
Saúde individual e comunitáriaSaúde individual e comunitária
Saúde individual e comunitária
Tânia Reis
 
Instrumentos de exploração espacial
Instrumentos de exploração espacialInstrumentos de exploração espacial
Instrumentos de exploração espacial
Tânia Reis
 
A terra no espaço p
A terra no espaço pA terra no espaço p
A terra no espaço p
Tânia Reis
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Tânia Reis
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
Tânia Reis
 
Sistema hormonal
Sistema hormonalSistema hormonal
Sistema hormonal
Tânia Reis
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
Tânia Reis
 
4hereditariedade
4hereditariedade4hereditariedade
4hereditariedade
Tânia Reis
 

Mais de Tânia Reis (20)

ficha 1 moc.pdf
ficha 1 moc.pdfficha 1 moc.pdf
ficha 1 moc.pdf
 
Condições da Terra que permitem a existência de vida
Condições da Terra que permitem a existência de vidaCondições da Terra que permitem a existência de vida
Condições da Terra que permitem a existência de vida
 
Princ geologia
Princ geologiaPrinc geologia
Princ geologia
 
Etapasp
EtapaspEtapasp
Etapasp
 
Deriva dos continentesp
Deriva dos continentespDeriva dos continentesp
Deriva dos continentesp
 
Datacaop
DatacaopDatacaop
Datacaop
 
Condiçoes da terra p
Condiçoes da terra pCondiçoes da terra p
Condiçoes da terra p
 
A terra no espaço p
A terra no espaço pA terra no espaço p
A terra no espaço p
 
A terra no espaço
A terra no espaçoA terra no espaço
A terra no espaço
 
Rochas solo tr
Rochas solo trRochas solo tr
Rochas solo tr
 
Métodos contracetivos
Métodos contracetivosMétodos contracetivos
Métodos contracetivos
 
Transmissão da vida
Transmissão da vida Transmissão da vida
Transmissão da vida
 
Saúde individual e comunitária
Saúde individual e comunitáriaSaúde individual e comunitária
Saúde individual e comunitária
 
Instrumentos de exploração espacial
Instrumentos de exploração espacialInstrumentos de exploração espacial
Instrumentos de exploração espacial
 
A terra no espaço p
A terra no espaço pA terra no espaço p
A terra no espaço p
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Sistema hormonal
Sistema hormonalSistema hormonal
Sistema hormonal
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
4hereditariedade
4hereditariedade4hereditariedade
4hereditariedade
 

Guia raparigas apres

  • 1. Se és rapariga Escolhe um tema < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER AS DESCOBERTAS; O CORPO; A MENSTRUAÇÃO; A SEXUALIDADE A PRIMEIRA VEZ A PRIMEIRA RELAÇÃO SEXUAL;O QUE FAZER;A SEXUALIDADE;FALAR… CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO CONSULTA GINECOLÓGICA GRAVIDEZ FAZER O TESTE;ESTOU GRÁVIDA, QUE FAZER?; AS DECISÕES
  • 2. Se és rapariga Ser ou não ser adolescente, eis a questão   A adolescência é a passagem da infância para a idade adulta.   A adolescência situa-se, habitualmente, entre os 10 e os 19 anos, quando o corpo se começa a transformar. As mudanças que vives não podem deixar de te surpreender. Talvez gostasses mais de como eras antes, as borbulhas podem tornar-se uma obsessão ou podes não estar contente com a tua altura. Às vezes, um peito pode crescer mais depressa que o outro. Comparas-te com as tuas amigas e sentes-te diferente, pouco segura de ti. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
  • 3. Se és rapariga Ser ou não ser adolescente, eis a questão   Mas não tens que te preocupar muito, pois estas mudanças que ocorrem no teu corpo, são vividas por todas as mulheres, só que não acontecem, nem ao mesmo tempo, nem da mesma forma para toda a gente. Cada um tem o seu ritmo de desenvolvimento! Mas, Também é bom crescer, descobrir as mudanças, sentir novas sensações, escolher as coisas que mais te interessam, tornares-te independente e decidir a tua própria vida. As mudanças não se limitam ao corpo, acontecem também na tua maneira de pensar, de sentir e no teu comportamento.   < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
  • 4. Se és rapariga AS DESCOBERTAS!   As mudanças hormonais que começam a existir no teu corpo intensificam o teu interesse sexual. Na adolescência, aparecem novas sensações e emoções, desejos e fantasias que cada um vai viver à sua maneira. As ocasiões de excitação sexual podem surpreender-te . A masturbação é uma maneira de te excitares e de procurares prazer por ti própria, seja através de carícias, de diversas formas de toque ou por fantasias. Ao contrário do que se possa pensar, a masturbação é tão normal nos rapazes como nas raparigas. Falar de masturbação pode incomodar algumas pessoas por ser um assunto íntimo. É necessário, no entanto, saber que não existe nenhum mal, nem físico nem moral em procurares o prazer sozinha. E, se tens dúvidas, podes pedir esclarecimento nos centros de aconselhamento em planeamento familiar ou a um técnico de saúde, por exemplo.   < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
  • 5. Se és rapariga A HOMOSSEXUALIDADE Depois do que foi dito a propósito das relações sexuais ficamos com a impressão que elas não existem a não ser entre sexos opostos. Nem sempre é assim. Quando homens e mulheres se sentem atraídos pelo sexo oposto fala-se de heterossexuais. E no caso de homens ou mulheres que têm relações amorosas com pessoas do mesmo sexo falamos de homossexuais – “lésbicas, gays”. Uma relação homossexual pode ser uma relação amorosa como qualquer outra: bela, excitante, complicada, frágil. E como para todo o amor, ela provém da mesma busca de calor humano, de intimidade, de compreensão e de sentimento de pertença. Podem manter-se relações muito intensas e afectuosas com uma ou mais amigas sem que isto signifique ser lésbica. Os desejos e as fantasias em relação a pessoas do mesmo sexo podem também ser uma etapa no desenvolvimento dos e das adolescentes. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
  • 6. Se és rapariga São “normais” todas as formas de relacionamento sexual nas quais: A dignidade, os sentimentos e a saúde da própria e das outras pessoas são respeitados; Os parceiros decidem livremente e de igual forma o seu relacionamento sexual.   Em contrapartida, não é aceitável: Forçar outra pessoa a ter um relacionamento sexual sob ameaça ou chantagem e usando a violência (física e/ou psíquica). Ninguém tem o direito de impor um acto sexual a outra pessoa; Utilizar a sexualidade para explorar, oprimir e humilhar outra pessoa; Tratar mulheres e homens como objectos sexuais. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
  • 7. Se és rapariga As mudanças Desde o nascimento, quer se nasça rapaz ou rapariga, que somos “completos”: os órgãos genitais estão “adormecidos” mas prontos a começar a trabalhar a partir do momento em que recebam ordens. Chama-se PUBERDADE a esta transformação. O teu cérebro tem informações de que não tens conhecimento mas que determinarão o momento do “acordar” dos órgãos sexuais (em princípio entre os 10 e os 16 anos). Este “acordar” far-se-á pelo envio de “pequenos mensageiros”, chamados hormonas , directamente às glândulas sexuais ( ovários para as raparigas, testículos para os rapazes). Estas hormonas são produzidas por uma glândula que fica na base do cérebro, a hipófise . Vê o esquema da das raparigas.   Não podes escolher o momento em que o teu corpo começa a mudar. Ele transforma-se sozinho, sem a tua opinião. Às vezes é um pouco mais cedo, outras é um pouco mais tarde. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
  • 8. Se és rapariga Mudanças - O corpo Órgãos internos Órgãos externos    < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
  • 9. Se és rapariga As mudanças Após as glândulas terem recebido o sinal de “acordar”, os ovários – no caso das raparigas, e nos rapazes os testículos – vão, por sua vez, enviar hormonas para todo o corpo, para dar início às transformações necessárias para se tornar uma mulher ou um homem: estrogeneos, progesterona, testosterona. Nas raparigas, as mamas desenvolvem-se. Por vezes, uma cresce mais depressa do que a outra. Podes começar a ver o mamilo crescer e mudar de cor. No interior, desenvolve-se a glândula mamária (capaz de fabricar o leite para alimentar o recém-nascido) e ficará protegida pelo tecido adiposo (gordura). Este processo pode doer um pouco. Nos rapazes, por vezes, pode haver algum crescimento mamário temporário .   < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
  • 10. Se és rapariga As mudanças Na zona genital e nas axilas, os pêlos vão começar a crescer. Eles servem para proteger a pele: a partir da puberdade, a transpiração muda, torna-se mais intensa. Os pêlos não deixam que a humidade irrite a pele. Começas a sentir que tens um cheiro que te é próprio.   Ao mesmo tempo, o teu corpo vai crescer mais rapidamente do que o que estás habituada, as tuas formas vão modificar-se – a cintura fica mais estreita nas raparigas, o tórax alarga nos rapazes. Os órgãos genitais externos – a vulva para as raparigas, o pénis para os rapazes – vão também desenvolver-se e mudar de cor.   No interior do corpo, também acontecem mudanças. Nas raparigas, o primeiro óvulo vai amadurecer num dos dois ovários e surge a primeira menstruação. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
  • 11. Se és rapariga As menstruação   Espera-se que aconteça. Apesar disso, quando o dia chega, é sempre uma surpresa; podemos sentir algum receio, ou ficar muito contente. A menstruação é um aspecto importante da vida feminina. É sentida de forma diferente por cada mulher: contentes, orgulhosas, deprimidas, nada de especial. Hoje em dia espera-se que as mulheres não sintam nada de diferente na altura da menstruação. Basta dar um pouco de atenção à publicidade dos tampões e dos pensos higiénicos. As mulheres que aparecem nos anúncios estão sempre sorridentes, activas, em plena forma. Andam de bicicleta e não renunciam, por nada deste mundo, à aula de aeróbica! < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
  • 12. Se és rapariga As menstruação Na verdade não existe uma “receita”, deves dar atenção ao que o teu corpo te pede e fazeres o que te faz sentir confortável. Por vezes, não sentimos nenhum desconforto e continuamos em forma; por vezes, ficamos vazias, sem energia, com dores nas costas ou na barriga. Depende de mulher para mulher. Pode ajudar falar a uma amiga, à mãe ou a uma outra pessoa de confiança.   O sangue da menstruação não é uma coisa repugnante, que se tenha que combater à custa de sprays íntimos e toalhetes desodorizantes. Basta lavar regularmente a vulva, com um sabão neutro e mudar frequentemente de penso ou tampão.     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
  • 13. Se és rapariga As menstruação Utilizar tampões ou pensos?   Podes tentar os dois e veres qual o que mais se adapta a ti e à tua vida. Se escolheres os tampões, é importante mudá-los frequentemente (a título indicativo: mais ou menos de 4 em 4 horas). Um tampão que fica muito tempo na vagina permite às bactérias multiplicarem-se. Assim, durante a noite, é melhor utilizares pensos. Às vezes é difícil falar da menstruação com os rapazes. Mas, se tiveres um namorado, o assunto poderá ter que ser abordado mais cedo ou mais tarde. Podes dizer-lhe o que preferes nestas alturas: se preferes ficar sozinha no teu canto, nesse período ou se, pelo contrário, tens vontade de o ter perto de ti. Porque não dizer-lhe?     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
  • 14. Se és rapariga O ciclo menstrual   Desde o nascimento, os ovários de uma rapariga têm 300 000 a 400 000 óvulos não desenvolvidos. Apenas 400 a 500 de entre eles serão libertados durante a vida de uma mulher. Os ovários ficam em repouso até à puberdade, no momento em que as hormonas sexuais põem em funcionamento o ciclo menstrual. A partir desse momento, todos os meses, um óvulo amadurece num dos dois ovários. Ao mesmo tempo, o útero prepara-se para uma possível gravidez, o seu interior é forrado por uma mucosa com, mais ou menos, 1 mm de espessura, o endométrio, que tem o papel de acolher o óvulo fecundado, é como uma cama fofa ao qual o óvulo se irá fixar.   Quando o óvulo amadurece, é libertado pelo ovário. É o que se chama ovulação. O óvulo é então agarrado pela extremidade da trompa de Falópio que tem uma forma de funil com franjas. Se durante um espaço de tempo de 12 a 24 horas o óvulo não for fecundado por um espermatozóide que consiga chegar à trompa, o óvulo morre e é reabsorvido.       < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
  • 15. Se és rapariga O ciclo menstrual   Aproximadamente 2 semanas depois da ovulação, se não houve fecundação, o endométrio (a mucosa que forra a cavidade do útero) desprende-se pouco a pouco e provoca um sangramento. É a menstruação. De seguida, um novo óvulo começa a amadurecer, uma nova mucosa é fabricada e o ciclo recomeça.   Um ciclo menstrual dura, em geral, de 21 a 35 dias.   Os ciclos irregulares, podem durar de 20 a 60 dias. Menstruações com fluxo mais ou menos abundante, podem ser frequentes durante os primeiros anos em que a rapariga é menstruada. Mesmo nas mulheres adultas, o stress, as preocupações, as mudanças de clima e os hábitos alimentares podem influenciar a duração dos ciclos e a duração ou a quantidade da menstruação.       < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> DE CRIANÇA A MULHER
  • 16. Se és rapariga No cinema tudo é fácil. Tudo corre às mil maravilhas, basta um pequeno toque para se começar a ver “ fogo de artifício”, há sempre uma música envolvente por trás, e vivem todos felizes para sempre! A realidade é mais complexa e mais variada que tudo aquilo que nos mostram no cinema, pois é no interior de nós próprios que as coisas mais determinantes se passam. Como toda a primeira experiência, a “primeira vez” será vivida por cada pessoa à sua maneira. Para a primeira vez e para as seguintes, existem duas regras de ouro: esperar pela altura que aches que é “o momento” e poder dispor de todo o tempo necessário.     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> A PRIMEIRA VEZ
  • 17. Se és rapariga A “melhor altura” Não há “a melhor altura” para a primeira relação sexual. A “melhor altura” não é igual para todos, para umas pessoas pode ser mais cedo, para outras pode ser mais tarde. Só tu sabes e sentes quando chega “o momento”. Mas, atenção às pressões, elas não são verdadeiras razões! Boas razões para ter relações sexuais Vocês sentem-se preparados, os dois e desejam os dois fazer amor. Mas esta boa razão não invalida que se lhe acrescentem algumas outras: Tens uma pessoa por quem estás apaixonada e com quem te sentes bem; Estás bem informada sobre a contracepção, as infecções transmissíveis sexualmente e a SIDA; Tu e o teu namorado puderam discutir e decidir como é que se vão proteger.       < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> A PRIMEIRA VEZ
  • 18. Se és rapariga Aprender a dizer: não! Ninguém te deve forçar a ter relações quando não o desejas. Talvez, ao princípio, sintas desejo, mas depois já não. Toda a gente tem direito a mudar de ideias. Estás no teu direito de recusar. Dizer não! Não é fácil, sobretudo se estás apaixonada e tens medo de perder aquela pessoa especial. Mas, é melhor aprender a dizer não, que ceder a pressões e aceitar algo que não desejas. Tenta falar abertamente, sem te refugiares em pretextos como a menstruação ou as dores de cabeça. Se quem está contigo não é capaz de te ouvir, de te compreender e de aceitar as tuas necessidades, talvez não valha a pena perder tempo com uma história que te vai desagradar cada vez mais.       < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> A PRIMEIRA VEZ
  • 19. Se és rapariga Algumas dicas Aprendam a falar sobre aquilo que gostam e não gostam. O outro não pode adivinhar. Descubram em conjunto o que vos dá prazer. Vão ensaiando, progressivamente, e estejam atentos às vossas sensações. É normal ter medo e estar tenso. Dêem a vocês próprios tempo para relaxar. Não entrem na ansiedade de querer “funcionar” da maneira perfeita. Pensem na contracepção mesmo antes da primeira vez, e protejam-se das doenças transmissíveis sexualmente. Não fiquem decepcionados se as coisas não correrem facilmente. Isso acontece muito frequentemente. Levem o tempo necessário. Claro, pode acontecer que seja tudo muito rápido ou podem precisar de tempo para encontrar a intimidade e o estilo próprio. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> A PRIMEIRA VEZ
  • 20. Se és rapariga Será que faz doer?   Frequentemente, a rapariga fica preocupada porque ouviu dizer que “isso dói” aquando da primeira relação. Ouve-se toda a espécie de histórias sobre a ruptura do hímen, a membrana de pele à entrada da vagina. A realidade é muito mais suave do que as ideias que se podem ter a esse respeito. O hímen pode ser muito elástico e alargar sem dificuldade nas primeiras penetrações. O uso regular de tampões e certos exercícios desportivos também o podem ter alargado. Mas, quando o hímen é pouco elástico, acontece romper-se aquando das primeiras relações que serão então acompanhadas de ligeiros sangramentos. Algumas raparigas nascem sem hímen ou por vezes este só rompe na altura do parto, o que faz com que não haja sempre sangramento na primeira relação sexual. Como em outras situações, quanto mais descontraída estás menos sentes a dor. Podem tentar descontrair com carícias e toques antes da penetração.     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> A PRIMEIRA VEZ
  • 21. Se és rapariga A relação sexual Um casal pode desejar ter momentos de intimidade, acariciar-se, beijar-se. É uma forma profunda de comunicar e ter sensações agradáveis. O contacto dos corpos conduz a um estado de excitação que se manifesta pela lubrificação da vulva e da vagina e erecção dos mamilos e pelo endurecimento e erecção do pénis. O coração bate mais depressa e a respiração torna-se mais rápida.   Fala-se de uma completa (coito), e no caso de hetereossexuais, quando o pénis é introduzido na vagina (penetração) e, depois de movimentos de vai e vem, o homem ejacula (emissão de esperma). Na mulher, o prazer sexual é provocado pela estimulação do clítoris (directa ou indirecta) e pela penetração e o orgasmo é associado às contracções involuntárias dos músculos da vagina. No homem, o momento do orgasmo coincide geralmente com a emissão de esperma (ejaculação). É um facto que o prazer sexual é vivido e percebido de forma diferente por cada um.     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> A PRIMEIRA VEZ
  • 22. Se és rapariga A consulta ginecológica faz parte da rotina de cuidados de saúde de qualquer mulher. É um espaço onde podes tirar duvidas, aprender a cuidar de ti e realizares o exame ginecológico. Pede conselho às tuas amigas sobre o médico a escolher, ou a alguém em que confies. Se preferires, também te podes dirigir às consultas para adolescentes do centro de saúde. Que informações pedir? Podes informar-te sobre a menstruação, a gravidez, as doenças transmitidas por via sexual, a contracepção e, em geral, sobre tudo o que diz respeito à sexualidade e ao teu corpo. Mas espera também que o/a médico/a te coloque questões pessoais sobre estes assuntos. Os médicos estão sujeitos ao segredo profissional: não podem contar aquilo que tu dizes, mesmo que sejas menor de idade. Portanto, não tenhas medo de responder honestamente às suas questões. Se não te sentes à vontade, tens o direito de mudar de médico. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONSULTA GINECOLÓGICA
  • 23. Se és rapariga     Alguns conselhos práticos • Se te sentes incomodada de te estenderes nua da cintura para baixo sobre a mesa ginecológica veste uma T-shirt comprida que poderás levantar na altura do exame. • Uma higiene normal é suficiente antes da consulta. Sobretudo não utilizes sprays desodorizantes íntimos ou loções especiais pois podem alterar o estado da mucosa e da flora vaginal (conselho também válido mesmo fora das consultas de ginecologia). Além do mais podem falsear os resultados das análises. • Se te tranquiliza, pede a uma pessoa de confiança para te acompanhar. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONSULTA GINECOLÓGICA
  • 24. Se és rapariga Será que estou grávida? Se tiveste relações sexuais não protegidas e a tua menstruação não aparece, é bom fazeres o teste de gravidez rapidamente. Tenta não entrar em pânico e não adies o teste com medo do resultado. Só depois de teres certeza é que podes pensar com clareza sobre as eventuais consequências. Quando fazer o teste? O teste de gravidez detecta se a urina contém hormonas específicas da gravidez. Para ser mais fiável deves fazer oito dias após a data prevista para a menstruação. Podes comprar um teste na farmácia. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> GRAVIDEZ
  • 25. Se és rapariga Se o teste é negativo, evita próximas situações de preocupação usando o preservativo ou outro método contraceptivo. Se o teste é positivo … Pensa no que a gravidez significa para ti e para a tua vida. Procura APOIO de uma pessoa que te ajude a reflectir. Uma criança necessita de amor, de afecto e disponibilidade durante muitos anos. Portanto é necessário tomar uma decisão consciente e responsável. Fala abertamente com a pessoa com quem tiveste a relação que deu origem à gravidez, com os teus pais ou com quem tenhas confiança. Há centros de aconselhamento em sexualidade e planeamento familiar que te podem ajudar. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> GRAVIDEZ
  • 26. Se és rapariga Como dizer aos teus pais que estás grávida: Mesmo que não pareça, por vezes é mais “fácil” abordar os pais do que manter um segredo. Vais precisar muito do amor e assistência deles. Deixamos aqui algumas dicas que te podem ser úteis na primeira conversa: Se vires que não consegues fazê-lo sózinha, pede a uma pessoa mais velha, que mereça a confiança dos teus pais, que esteja presente. Começa a conversa dizendo que precisas que eles te dêem apoio. Vai depois directamente ao assunto. - Dá tempo aos teus pais para reagirem, mesmo que por vezes digam algumas coisas que te possam magoar no momento. Normalmente, são fruto do “choque” e não têm outro significado. Se estiveres muito indecisa em relação à decisão que queres tomar, pede-lhes que se coloquem ao teu lado e que te ajudem a encontrar a melhor solução. Diz-lhes que precisas do amor deles. Mostra-te responsável e ciente do que se está a passar e dos efeitos que traz para a tua vida. Se achares que a conversa não avança, dá-lhes um tempo para poderem reflectir. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> GRAVIDEZ
  • 27. Se és rapariga A interrupção de gravidez A interrupção da gravidez (aborto) pode ser espontânea, isto é, sem intenção ou sem intervenção médica e pode ocorrer devido a diversos problemas, ou pode ser voluntária. Um interrupção voluntária de gravidez (IVG) nunca é uma coisa banal, pois implica não somente o físico mas também os aspectos psicológicos e os sentimentos da mulher. É por isso que se esteja segura da decisão tomada e que seja também bem apoiada. Actualmente em Portugal, a IVG pode ser feita por médicos, e por opção da mulher , num estabelecimento de saúde oficialmente reconhecido nas primeiras 10 semanas de gravidez. Se tiveres menos de 16 anos precisas do consentimento dos teus pais ou tutores. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> GRAVIDEZ
  • 28. Linhas telefónicas de ajuda Sexualidade em Linha Tel: 808 222 003 Linha Opções Linha de Apoio e Informação sobre Gravidez não desejada Tel: 707 200 249 Se és rapariga < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> GRAVIDEZ
  • 29. Se és rapariga Se decidires levar a gravidez até ao fim, é importante também teres o apoio do teu parceiro, dos teus pais , dos teus amigos. Mas é sobretudo importante que sejas acompanhada por um médico. A tua saúde e a do bebé são fundamentais para uma gravidez tranquila. Marca uma consulta no teu centro de saúde, num hospital ou maternidade para saberes todos os cuidados que deves ter. Também o pai deve estar presente. Este é um processo que não deves passar sozinha. Há locais onde podes aprender a tomar conta da tua gravidez e do teu bebé. Na consulta pede toda a informação que precisares. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> GRAVIDEZ
  • 30. Se és rapariga “ Nada me pode acontecer!” Assim pensam muitas raparigas que engravidaram. É importante que saibas que podes engravidar ou contrair uma infecção sexualmente transmissível: Mesmo que o teu parceiro diga que vai ter cuidado e retirar o pénis antes da ejaculação. Mesmo assim, uma gota de esperma pode ser suficiente Mesmo que seja a primeira vez Mesmo que faças um duche vaginal logo a seguir à relação sexual Mesmo que não tenhas um orgasmo Mesmo que estejas menstruada Mesmo que o pénis não seja introduzido totalmente na vagina < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> GRAVIDEZ
  • 31. Se és rapariga Frequentemente pensamos que a contracepção e o sexo seguro são a coisa mais simples do mundo. “É suficiente já se ter ouvido falar sobre isso e o resto acontece por si só”. Apesar de tudo, não é assim tão simples encarar estas questões, quando se está directamente envolvido. E, depois, o prazer é uma questão de espontaneidade, de sentimentos, emoções, enquanto o sexo seguro e a contracepção fazem parte da razão. Por vezes é difícil conciliar tudo. Existem diferentes contraceptivos. A escolha de um contraceptivo vai depender da tua situação pessoal e de indicações médicas. Para uma avaliação correcta das vantagens e dos inconvenientes e para escolheres aquele que mais te convém, dirige-te a uma pessoa de confiança (por exemplo uma enfermeira, um médico) ou a um centro de aconselhamento em planeamento familiar. Apresentam-se aqui os dois contraceptivos mais utilizados pelos adolescentes. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
  • 32. Se és rapariga PRESERVATIVO MASCULINO O preservativo é um método que permite reter o esperma que, assim, não pode encontrar o óvulo. Correctamente utilizado, o preservativo é eficaz . VANTAGENS: Protege das infecções sexualmente transmissíveis e da gravidez não desejada; Não provoca nenhum efeito secundário (os casos de alergias são muito raros); Obtêm-se gratuitamente nos Centros de Saúde ou espaços de atendimento de sexualidade e planeamento familiar, podem também ser comprados nos supermercados, farmácias e distribuidores públicos (como os Centros de Saúde), sem receita médica; Implica mais os rapazes na utilização do método contraceptivo. < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
  • 33. Se és rapariga PRESERVATIVO MASCULINO Desvantagens: Pode romper-se ou ficar retido no interior da vagina; É necessário aprender a utilizá-lo e a integrá-lo desde o início da relação. É colocado no pénis do homem. Se ele não quiser ouvir falar nisso, podes recusar-te a ter relações sexuais. Tens o direito de te proteger e resistir à chantagem ou a pedidos insensatos, chamados “provas de amor”; Por vezes os rapazes recusam-se a usar preservativo, por várias razões, uma delas é não estarem muito à vontade. Aconselha-se a “treinar” a colocação do preservativo quando estão sozinhos, para que possam sentir-se mais seguros e descansados quando realmente o usarem nas vossas relações sexuais.     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
  • 34. Se és rapariga PRESERVATIVO MASCULINO E em caso de acidente? Se o preservativo se romper ou ficar retido no interior da vagina o risco de transmissão de uma doença por via sexual persiste, mas pode recorrer-se à “pílula do dia seguinte” ou &quot;contracepção de emergência&quot;, para evitar uma gravidez não desejada. Se isso acontecer os dois devem fazer o rastreio de infecções sexualmente transmissíveis e utilizar sempre preservativo até terem o resultado das análises. Para um uso correcto do preservativo…   Não é possível utilizá-lo se não estiver à mão! Tenta enfrentar a questão em tempo útil.     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
  • 35. Se és rapariga Aquando da utilização do preservativo tem em atenção os seguintes pontos: Abrir a embalagem com precaução evitando danificar o preservativo com unhas, anéis ou objectos cortantes; Desenrolar o preservativo, antes de qualquer contacto genital, sobre o pénis em erecção, agarrando aproximadamente 1 cm da extremidade; Se não deslizar bem, pode utilizar-se um lubrificante à base de água. Nunca utilizem um lubrificante (creme) oleoso, pois tornam os preservativos porosos acabando por danificá-los. Podem usar lubrificantes à base de água que encontram nas farmácias ou supermercados. Após a ejaculação, retirar o pénis, antes que fique flácido (mole), agarrando o preservativo pela base. Isto evita que ele deslize, fique no interior da vagina e que o esperma escape. Cada preservativo só se usa uma vez.     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
  • 36. Se és rapariga PÍLULA   A pílula é um contraceptivo que contém hormonas sintéticas. O seu papel é suspender a produção hormonal habitual, impedindo a ovulação e, portanto, a fecundação. É um meio de contracepção seguro quando utilizado correctamente. Como podem existir contra-indicações e necessita de controlos anuais, deve ser prescrita por um médico. Antes de tomar a pílula, algumas questões que se colocam Estou preparada para tomar a pílula todos os dias? Vamos, nós, utilizar uma dupla protecção (pílula e preservativo) durante um certo tempo? Temos uma relação de confiança suficiente? Se deixarmos de utilizar o preservativo para tomar só a pílula temos a certeza de ser seronegativos, de não sermos portadores de uma doença de transmissão sexual e de sermos fiéis um ao outro? Estou de acordo em ser a maior responsável pela contracepção?     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
  • 37. Se és rapariga PÍLULA Vantagens: Se tomada correctamente, tem uma taxa de eficácia muito elevada face a uma gravidez não desejada; Pode diminuir as dores menstruais e a acne; Regulariza o ciclo (o que pode deixar de acontecer quando se pára a toma). Inconvenientes: Não protege das Infecções Sexualmente Transmissíveis (SIDA ou outras); Está sujeita a uma toma regular   Se queres tomar a pílula, fala com o teu médico ou dirige-te a um centro de aconselhamento em planeamento familiar. Lá, podem responder às tuas questões e dar-te mais informações.     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
  • 38. Se és rapariga CONTRACEPÇÃO DE EMERGÊNCIA A Contracepção de Emergência ( ou pílula do dia seguinte) não é um contraceptivo de utilização regular. É uma prescrição de urgência para evitar uma gravidez não desejada. Deve ser tomada nas 72 horas que se seguem a uma relação sexual não protegida. Pode ser tomada: - Se o preservativo se rompeu ou deslizou para o interior da vagina; - Nalguns casos de esquecimento da pílula toma da pílula ou outro método contraceptivo hormonal; - Em caso de relação sexual não protegida. A contracepção de emergência não é uma forma de aborto. Trata-se de um método que adia a ovulação ou impede a nidação no útero de um eventual óvulo fecundado.   < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
  • 39. Se és rapariga CONTRACEPÇÃO DE EMERGÊNCIA Podes obter informação sobre contracepção de emergência nos centros de saúde, no ginecologista, num centro de aconselhamento em planeamento familiar ou nos serviços médicos de urgência. A contracepção de emergência é distribuída gratuitamente ou pode ser comprada na farmácia. Não hesites em pedi-la se tiveste uma relação sexual não protegida.     < A nterior << Início Próximo > Finalizar >> CONTRACEPÇÃO & SEXO SEGURO
  • 40. Linhas telefónicas de ajuda Saúde Linha Saúde 24 Tel: 808 242 424 Horário: 24 horas por dia – todos os dias SIMEG – Serviço de Informação sobre Medicamentos e Gravidez Tel: 800 202 844 Horário: 2ª a 6ª das 09:00 às 13:30 e das 14:30 às 18:00 Sexualidade Sexualidade em Linha Tel: 808 222 003 Horário: 2ª a 6ª das 10:00 às 19:00 e Sábados das 10:00 às 17:00 Linha Opções Linha de Apoio e Informação sobre Gravidez não desejada Tel: 707 200 249 Horário: 2ª a 6ª das 12:00 às 20:00 ILGA Linha de Apoio e Informação sobre Homossexualidade Tel: 218 876 116 Horário: 6ªs das 21:00 às 24:00 Violências e Abusos APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima Tel: 707 200 077 Se és rapariga Horário: 2ª a 6ª das 10:00 às 13:00 e das 14:00 às 17:00 Serviço de Informação às Vítimas de Violência Doméstica Tel: 800 202 148 Horário: 24 horas por dia – Todos os dias VIH/SIDA Linha SIDA Tel: 800 266 666 Horário: 2ª a Sábado das 14:00 às 20:00 SOS SIDA Tel: 800 201 040 Horário: Todos os dias das 17:30 às 21:30 Linha Abraço Tel: 800 225 115 Horário: 2ª a 6ª das 10:00 às 19:00 Toxicodependências Linha VIDA – SOS Droga Tel: 1414 Horário 2ª a 6ª das 10:00 às 20:00 Para saber mais… << Início < A nterior Próximo > Finalizar >>
  • 41. Esta apresentação é uma adaptação do livro RAPARIGAS , editado pela APF – Associação para o Planeamento da Família Versão original: Foundation Profa, Lausanne © APF www.apf.pt Se és rapariga Ficha técnica << VOLTAR AO INÍCIO